História Notáveis mentes criminosas - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gravity Falls
Personagens Bill Cipher, Dipper Pines, Gideon Gleeful, Mabel Pines, Pacifica Northwest, Personagens Originais
Tags Dipper, Gêmeos, Hospital Psiquiátrico, Infância, Mabel, Reverse
Exibições 63
Palavras 1.397
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Escolar, Ficção, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá! E esse capitulo é dividido em três partes e são duas músicas.
1) Bohemian Rhapsody-Panic! At The Disco.
2)Hearthens- Twenty One Pilots.

Capítulo 6 - Manicômio part.1


Fanfic / Fanfiction Notáveis mentes criminosas - Capítulo 6 - Manicômio part.1


                 ~~~~~~Quase 5 anos depois~~~~~~
                         ~~~~~~Mabel~~~~~~
Eu estou deitada em minha "cama" com um vestido encardido que mais parecia um saco de batatas. E meu irmão estava esperando a comida e os remédios, a enfermeira chega e vai abrindo a porta. Meu irmão está com o cabelo na altura da cintura e uma barba loira e rala crescendo, ele ficou mais pálido do que já era pela falta de sol e ele é magro e alto e a última vez que mediram minha altura eu tinha 1,82 e meu irmão 1,89. 
    Entra a enfermeira acompanha de dois infermeiros um me segura e o outro segura o meu irmão, ela deixa duas marmitas e abre minha boca e enfia o remédio e faz o mesmo com o meu irmão eles saem de lá trancando a porta.
-Eu e minha irmã já estamos recuperados! Deixe agente sair.
-Não estão, faz dois anos que vocês tentaram sair.
-É, mais semana que vem nos iremos fazer 14. Faz 5 anos que nos estamos aqui.
-Não, não e não! Vocês são duas máquinas de matar, tão cedo não irão sair daí.-Ele da um tranco na porta que quase cai. 
-Acha que eu estou brincando, sua puta do caralho...Quando eu sair daqui eu vou te estuprar, te torturar e depois te matar.-Ela sai dali.-VOLTA AQUI, ENFRENTE-ME SE FOR CAPAZ.-Eu dou risada, mas ele começa a ficar vermelho e da um soco na porta que fica a marca da mão dele. Eu venho por trás.
-Calma, querido irmão.-Eu o faço sentar em sua cama e lhe dou um copo de água ele aceita.-Irmão eu sei como nos podemos fugir.-Ele se anima.
-Como?-Eu conto o meu plano.
                       ~~~~~~Sábado~~~~~~
Eu e meu irmão estamos sentados no chão e acorrentados pelo pescoço enquanto a faxineira está limpando o banheiro, eu fiz um sinal que era para começar então ele pegou as correntes e cercou a faxineira que ainda estava agachada, ele faz barulho de correntes, ela se levanta.
-Vocês est-Ela é interrompida pela gravata que meu irmão da com a corrente, ela se debate, Dipper e eu rimos enquanto a mulher é asfixiada, eu pego o molho de chaves de suas calças, ela fica totalmente roxa e para de se debater era visível que estava morta e eu faço uma estrela de cinco pontas no seu pulso e escrevo Will em sua barriga. Desta vez estamos com as mesmas roupas de quando éramos crianças, só que encardidas, rasgadas, sem as mangas e curtas e eu mandei meu irmão fazer um par de maria chiquinha. Eu destranco as correntes do meu pescoço e depois do meu irmão, eu pego um facão que estava no cinto da faxineira e Dipper pega o revólver e viu se estava carregado e está. Logo quando nos abrimos a porta tem dois guardas eu dou uma facada em um guarda e meu irmão da um tiro na cabeça do outro, eu pego a blusa de Dipper e limpo o facão, vamos até o fim e na porta tem quatro guardas, que vem em nossa direção.
-Aaaah, aí complica.-Falo eu.
-Dois pra cada, caralho isso é maravilhoso.-Ele fala já engatilhando o revólver enquanto o guarda aponta a arma para minha cabeça, Dipper atira nas genitais do cara. Eu dou uma facada no peito do mesmo, o outro tentou atirar em minha cabeça e eu pego o guarda e o uso de escudo e ando o 
arrastando, meu irmão da um tiro na barriga dele, tenta atirar no meu peito e atira e pego o guarda que estava arrastando e o uso de escudo de novo meu irmão da um tiro na cabeça do mesmo o último eu dou um chute em seu joelho e ele fica de quatro. Eu levanto a sua cabeça. 
-Você é o último!
-Mate me de uma vez!
-Na na ni na não eu vou degolalo de forma bem len...-E meu irmão da um tiro em sua cabeça.
-HAHAHAHAHAHA, agora são dezessete mortes no meu currículo e você quinze!
-Filho da puta, esse era meu! Seu merda do cara...-Ele me pega pela cintura e me beija intensamente, morde os meus lábios carnudos e eu abro a boca para um beijo de língua, eu fecho os olhos.
-Sabe qual o problema da minha irmã cinco minutos mais nova que eu?-Ele se separa de mim.
-Ahhh.-Eu solto um gemido ofegante dos meus lábios. 
-Ela é bonita pra caralho...mas fala demais.-Nos vamos até a porta.
-Tchauzinho!-Falo eu e meu irmão sorrindo e ele vai até a porta e eu dou o molho de chaves, ele pega a maior e tenta, e ele tenta todas mas nenhuma delas era. E ele se afasta e a arromba. E lá possui outra sala bem menor e escura e nos entramos. Ele pega na minha mão, e eu sempre com a faca em mãos. E tem outra e ele arromba, logo quando saímos vemos a luz do sol que ofusca as nossas vistas. Mas nesta porta tem vários guardas armados apontando as armas para as nossas cabeças, e a dra.Harley está na ponta.
-Rendam se!
-Podem me matar!-Falo eu e Dipper com um sorriso insano. E eles engatilham os fuzis.
-Poupem a vida dessas monstruosidades!-Fala Harley, logo depois manda dois caras fortes com algemas.-Toma cuidado eles são muito fortes!-Eles nos algemam e passam pelo corredor, e nos damos um sorriso insano quando Harley se assusta com os cadáveres. 
-Gostaram do nosso trabalho.-Falo eu. E nos levam até o nosso quarto e se deparam apenas com sangue.-Isso...Will aceitou a nossa oferenda!-Falo eu e Dipper animados. 
-Vocês são loucos de pedra!..Limpem todo esse sangue.-Eles nos jogam no chão, e logo depois eles trancam a porta. Eu olho para meu irmão, ele olha para a porta e pela sua cara ele está com muita raiva.
-Vamos, irmazinha... limpar está balbúrdia.-Ele pega o balde que lá estava. 
         Passou horas, já esta de noite. E eu já tô pronta para dormir, eu estou sentada na minha cama fazendo trança em meu cabelo, nisso meu irmão sai do banheiro secando os cabelos. Ele passa perto de mim e me dá um beijo na testa.
-Boa noite, irmazinha.-Fala ele seco e frio, o que era incomum. Ele prende os cabelos.
-Esta triste comigo?

-HAHAHAHAHAHA, eu triste com você...Nunca!-Eu dou um sorriso ele boceja e deita na cama.-Boa noite...-Ele rapidamente dorme.      

 Eu começo a pensar no dia de hoje, eu achei que tudo daria certo, mas foi uma puta merda, sabia que depois isso iria se reverter contra nós, que isso viria por tratamentos de eletrochoque, ou iriam aumentar a dosse dos calmantes, mas eu achei, não eu tinha certeza que daria certo...E meu irmão, ele fode com a minha mente, às vezes ele me despreza, mas muitas vezes ele é extremamente amável comigo...As vezes ele me chama de raio de sol, irmazinha, maninha ou mabelzinha. Mas também as vezes me trata super mal. E aquele beijo de língua, eu perguntei o que significou e ele disse que foi só pra eu parar de falar, que não sentia nada por mim e que eu era uma garotinha idiota por achar que ele iria me amar, neste momento algumas lágrimas correm pelo meu rosto e pelas marcas nos meus braços das inúmeras tentativas de suicídio, mas eu mais as fazia para parar de ser idiota e aprender e não com o objetivo de morrer.

           ~~~~~~Autor~~~~~~
        Mabel limpa as lágrimas de seu rosto e vai até o banheiro que tinha tudo menos espelho, ela abre a torneira, joga água em seu rosto e teve uma idéia. Ela voltou para o quarto, subiu na cama e pegou o minúsculo lustre, voltou pro banheiro só que desta vez fechando a porta, jogou o lustre se partindo em vários pedaços. 
     Ela mexe nos cacos mas levou um belo talho na palma da mão deixando-os manchados, porém isso não a freia e ela continua escolhendo o maior pedaço, ela o pega levando até a cama, ela olha para seu pulso empunhando o pedaço de vidro, ela faz um corte fundo em volta do pulso, principalmente nas veias maiores do meu pulso, o sangue se mistura com as lágrimas que corriam sem parar.
-Ahhh.-Ela chora, geme e se corta. Ela havia acabado o corte e fez a mesma coisa com o outro. 
    Ela apenas deita em sua cama manchando os lençóis de sangue, se cobre, aos poucos fecha os olhos e dorme profundamente. 
            
            


Notas Finais


Então... comentem beijinhos do sr.Pinecest


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...