História Nothing Like Us - Capítulo 24


Escrita por: ~

Visualizações 110
Palavras 11.418
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HIIII IIII ♥

Eu tô TÃO FELIZ que NLU ganhou uma capa decente que eu tô muito feliz vocês não tem noção! Vocês viram que linda a capa agora? Se não vai ver pelo amor de Deus agora eu sinto que NLU vai.... Então eu queria agradecer a Jai (doublwbe), que veio me dar um presente maravilhoso desses e falar que você é maravilhosa e agradecer mais uma vez ♥ Então... É JUNHOE POV (que têm +11k)... DE CAPA NOVA, ou seja nosso momento SIM ♥

Capítulo 24 - Addicted


Ao contrário de Jiwon que dorme toda noite assim que deita do meu lado, passo muitas noites em claro. As vezes nem pensar consigo, mas simplesmente não durmo. Fico acordado, velando o sono do outro, tentando conseguir simplesmente desligar como ele faz. Jiwon tem tanto... Equilíbrio sobre si mesmo que fico chocado. Dormir com ele ajuda, eu descobri isso na nossa primeira noite no acampamento, porque o sexo é tão... Intenso que meu corpo desiste, apagando por horas sagradas, as vezes a noite inteira. E isso é... Incrível, considerando todas as noites que passei em claro desde que Jinhwan me absorveu.

 Consigo fazer  isso na maioria das noites, me provando que  é infinitamente melhor Jiwon estando do meu lado, sua respiração me acalmando e ditando o ritmo pra minha própria, onde ele me embala em um sono bom, sem sonhos.

Mas hoje isso não é o bastante. Não quando vou ficar com Jinhwan sozinho. E isso é tão... Esmagador que suspiro agoniado, quase acordando o outro que se mexe  me puxando pra perto.  Considero acordá-lo, pra transar de novo talvez, mas se ele não quiser mais que isso, posso simplesmente beijá-lo até ele me fazer dormir, como fazemos em algumas noites, mas não consigo... Não quando ele parece estar passando pelo mesmo que eu, surtando por Hanbin. Então o deixo dormir, voltando a acariciar suas costas, ele ronrronando em aprovação mesmo dormindo, me fazendo sorrir.

A questão é que nem em um milhão de anos eu cogitaria sequer considerar que Kim Jiwon pudesse me fazer bem desse jeito. É quase assustador o quanto ele faz, e como estou ficando... Dependente. Honestamente, não quero admitir, mas não consigo mais... Dormir sozinho, ou não  tocá-lo, porque ele me passa segurança, me faz sentir... Protegido, e depois de Jinhwan, depois de abrir meu coração pra ele como eu nem sabia que podia, pra depois ser quebrado em um milhão de fragmentos esse sentimento é precioso demais. Então tento... Fazer Jiwon sentir o mesmo, pra não o fazer querer... Ir. Não agora pelo menos.  Mesmo  isso está me deixando confuso. Porque não sei o que somos. Desde o acampamento, quando nos envolvemos muito além do que ele propós, que era basicamente foder  só porque não tinhamos nada melhor pra fazer.

Acho que por estamos literalmente na mesma situação, começamos a nos apoiar um no outro e agora é tão... Natural que seja assim, que estar com Jinhwan depois de tudo isso parece meio errado. Porque confio em Jiwon, mas não posso confiar em Jinhwan. Não posso confiar em mim mesmo com ele, porque isso sempre me transforma, me faz querer ser o que Jinhwan encontra em Hanbin, me faz queré-lo de volta de um jeito que não é justo comigo mesmo, com o que posso fazer pra conseguí-lo.

E principalmente porque estar com Jiwon está me ensinando... Sobre mim mesmo, e isso tem me ensinado coisas, e estou vendo coisas que nem sabia que tinha, ou que poderia ser. Não é que eu... Esteja gostando de Jiwon, é só que... Basicamente gosto de tudo que fazemos, desde transar a conversas aleatórias, e como ele parece estar... Aqui, todo o tempo, e não gravitando para outros lugares. Gosto como ele me deixa dormir com a luz ligada sem reclamar, e até liga pra mim quando esqueço. Gosto como ele não reclama que estou o sufocando só porque o toco, ou como ele acorda de bom humor apesar de não conseguir se situar instantaneamente, me deixando reclamar em paz ou quando estou cantando e ele nunca me pede pra calar a boca. Sei que isso é sua personalidade, e que me apaixonei por Jinhwan por ele ser exatamente o oposto, mas continuo gostando desse jeito... Calmo, porque parece certo assim, parece que não doi. Então... É isso? Eu me sinto confortável com Jiwon, e grato por nossos momentos juntos, e isso é um fato. Não gosto quando parece que estou o fazendo mal de alguma forma, quando ele começa a chorar ou foge de mim, ficando... Distante. Sei que é cruel da minha parte confiar nele pra bloquear Jinhwan, mas o faço mesmo assim.

 

Quando voltei... Pro quarto depois daquele dia que Jinhwan estava comigo todo o tempo no fan sign, rindo e me fazendo lembrar a cada respiração o quanto eu ainda o amo, o quanto preciso que seja ele, seja ele que esteja comigo. Ele me disse que sentia minha falta, mas na primeira oportunidade voltou para os braços de Hanbin. E eu... já deveria saber melhor a este ponto. Mas então Jiwon também sumiu, e eu me senti tão... Sozinho, que fiquei desnorteado, precisando beber pra conseguir tentar me forçar a dormir, porque aparentemente não posso mais fazer isso sem ele, pensando que o problema tem que ser eu... Que estou fazendo alguma coisa errado, alguma coisa que faz todo mundo querer partir. E então quando ele voltou, entendi que o problema não somos nós... São eles. E isso me fez despertar um sentimento de... Preservação., de querer nos proteger, Jiwon e eu... Porque não é justo. Não quando eles saem intactos e somos os  unicos sendo fragmentados toda maldita vez.  Mas mesmo assim... Mesmo tentando ajudar Jiwon pelo menos um pouco, como ele faz comigo sem nem saber, ele e Hanbin parecem ter ímas, atraindo-se um pro outro nos momentos mais aleatórios, e deve ser mais... Difícil pra eles, porque pelo que parece eles estão juntos desde sempre, até depois que Jinhwan chegou, mas agora simplesmente não eles não estão mais.

Lembro de quando comecei com Jinhwan, ele estava tão triste,tão... Quebrado, que não consegui evitar a não ser me doar pra ele, a mostrar que sou diferente de Hanbin, que queria só a ele. Mas no final... Não é alguém diferente de Hanbin que ele quer, é... Hanbin. Foi aí que percebi o quão fora da equação eu estava, e comecei a assistir Jiwon lidar com isso, tentando me convencer que se ele consegue eu posso fazer o mesmo. O vi beber por incontáveis noites, e chorar por baixo dos bonés sempre que ficava... insuportável, quando eu fugia e virava as costas pra não ver. O vi engolir tudo isso e ir e voltar com Hanbin enquanto eu fazia o mesmo com Jinhwan, mas nunca nos encontrando.Isso me faz pensar... Se pelo menos tivessemos feito isso antes, se nossos corações estariam mais... Inteiros, e talvez não estariamos tão danificados quanto agora... Se teriamos sofrido menos. Mas as coisas acontecem como deveriam certo? Estar aqui e agora... É do jeito que foi planejado pelo destino, então as coisas simplesmente... Vão acontecendo.

E além disso eu meio que o entendo sabe? Jiwon quero dizer... Sob tantos aspectos que estou totalmente confortável com ele, mais do que me sinto com todo mundo. Quando estamos fora do quarto, e interagimos sem toda a... tensão sexual, é quase tão bom quanto, me faz sentir leve. E agora... A sensação é de estar quase feliz? O japão tem feito coisas... Gigantescas por mim, boa parte sendo sinônimo do menino nos meus braços, e a outra sua consequência. E é aí que... eu fico confuso. Porque as vezes meu coração acelera olhando pra ele, ou quando ele me beixa, ou quando agaricia meu cabelo e principalmente sempre que beija meu pescoço.  Ele parece adorar essa parte do meu corpo, porque está com o rosto escondido na volta entre meu ombro todos os momentos. Ele faz isso tanto que de vez enquando... Sento do  seu lado e ele deita a cabeça no meu ombro na frente de todo mundo, de tão... Acostumado que está, e gosto quase tanto quanto ele porque é a sensação mais... Calmante do universo. E isso me faz pensar que estou confundindo as coisas, que estou começando a sentir alguma coisa por ele.

Mas ao mesmo tempo não acho que meu coração ainda tenha espaço. E nem o dele ele.  Então ficamos... Na deriva, sem saber o que somos apesar de definitivamente sermos alguma coisa.

*

Posso contar nos dedos os minutos que dormi, e acordo com lágrimas nos olhos quando meu celular desperta. Demoro pra conseguir mover Jiwon sem acordá-lo, mas ele parece dormir tão profundamente que me preocupo se ele vai conseguir levantar. Todos os dias, até convencé-lo a sair da cama é um... Processo. Que envolvem beijos e palavras sujas e muita persoasão. Eu deveria achar irritante mas por alguma razão acho isso fofo.

Então pulo da cama, pegando seu celular que desligou antes por ter usado a lanterna demais, colocando pra carregar por ele porque ele sempre esquece. Como uma pessoa pode viver tanto sem celular assim? De qualquer forma vou tomar banho e ficar pronto para ir esperar Jinhwan no corredor, porque não quero ele batendo na porta e fazendo Jiwon acordar e me dizendo coisas que eu não preciso ouvir e Jiwon ão precisa saber. Jihnwan é tão... Cruel as vezes que nem percebe, mas que machuca mesmo assim. Sei que eles três tem mais... Bagagem em relação a isso, mas não é como se ele e Bobby ainda se falassem. Dentro de todo esse drama, os dois são os unicos que simplesmente não invadem o espaço um do outro, e parece ter muita mágoa os separando. Lembro de quando comecei a ser trainee e antes de Hanbin considerei os dois como serem os mais próximos, e não é como se eles pudessem gostar do mesmo cara sem acabar perdendo a amizade que tinham. 

 

Jinhwan chega pontualmente, quase como se esperasse que eu me atrase. Ele parece corado, como se tivesse acabado de transar, e só suspiro alto, seguindo pro elevador em silêncio.  Vamos ter que ficar com aquele cara que todo mundo (inclusive eu) acha bonito, e ele parece... Decentemente legal além de parecer ter saído de um mangá. Nossa missão; encontro; passeio é... No osaka castle, e consigo lembrar perfeitamente que foi uma escolha exclusivamente do menor. Ele só me disse que eu ia gostar na época, e provavelmente vou mesmo. Jinhwan ainda me conhece como a palma da sua mão, e não tem muito o que... fazer sobre isso.

*

Quando  percebo já é de noite, e Jinhwan está com minha blusa porque estpa frio.

            Passamos o dia inteiro sendo submetidos a algumas brincadieras, a maioria onde tivemos que simular ser um casal, mas foi... divertido. Gosto quando Jinhwan não se esforça a ser o que não é. Gosto quando ele olha pra mim parecendo contente por estar comigo, gosto como ele sorri e como parece ter sido feito especialmente pra mim. Tiramos até foto de hanbok e conhecemos sobre a história do castelo de osaka. Mas nada se compara a beleza das cerejeiras sendo coloridas pelas luzes a noite, me fazendo sentir de verdade em um encontro, fazendo meu coração querer esquecer tudo que sofreu até aqui e querer pisar em mim. Então quando... As gravações finalmente acabam, onde fizemos um trabalho muito melhor do que o japa esperava de dois meninos “fingindo” um encontro.

Ele nos deixa sozinhos só o suficiente pra ir buscar a van, e nos permite ficar um pouco mais e aproveitar a noite vendo através dos nossos olhos e não os das câmeras, para construir “memórias”,e então... No meio das cerejeiras, enquanto conversamos sem palavras, é onde acamos nos beijando. Eu... Não ia fazer isso. Não ia porque isso só vai me machucar a longo prazo, porque vai ser tudo que nem me permiti sentir falta então... Vai abrir mais uma vez a ferida. E ainda tem Jiwon. Lembro quando o cobrei, falando que não conseguia... Dividir e ficar no meio termo.  Mas ele estava tão... Lindo. Meu deus como Jinhwan é simplesmente lindo demais. Ele está com essa flor no cabelo, uma que eu mesmo pus de trás da sua orelha quando estávamos gravando, e as luzes que tem as cores do arco íris parecem o querer usar como um prisma e... Deus.  Nos aproximamos lentamente, e paro de respirar, tentando não... Nossos lábios se conectam, e se reconhecem em um beijo que transborda saudade, que me faz iça-lo do chão e querer prendê-lo comigo pra sempre.

É quase... Cruel quando ele quebra o beijo, me fazendo o colocar no chão de novo, e então se afastando de vez. Ele não fala nada, mas começa a chorar de verdade. Chorar de soluçar. E quando o japa volta eu só... Não quero mais olhar pra ele, pra quem eu amo mas que não aguenta nem mais me dar um beijo. Ele não fala mais comigo depois disso e peço pra sentar na frente enquanto o japa se desespera ligando pra Na Ri e Baymax hyung ao mesmo tempo, perguntando se deveria o levar no médico, mas Jinhwan só repete que quer ir pra casa.

 Engulo em seco, deixando algumas lágrimas cairem enquanto viro meu rosto pra janela e coloco os fones, tentando não me deixar ser fragmentado outra vez, repetindo pra mim mesmo que agora é verdadeiramente o fim, porque preciso deixá-lo ir mesmo não querendo, não posso mais... Fazer isso. Não posso mais amá-lo sozinho.  Porque Jinhwan só parece estar feliz quando não é comigo, e isso... Dói. Me deixa cego e sem direção, sem saber o que fazer, porque não consigo... O carro mal chega no estacionamento e já salto pra fora, sem nem olhar pra trás. Entro no elevador correndo, sozinho... E fico me encarando no espelho, não me permitindo chorar. Tropeço pra fora, para ir pra... Segurança do meu próprio corpo, mas o destino parece querer destruir tudo agora, como um castelo de cartas. Colido com Hanbin, que assim que toma consciência que sou eu me empurra pro chão, pronto para me socar.

—Que porra que você fez?— Ele esbraveja, parecendo não se importar em estar fazendo escândalo. Não o respondo, porque não devo satisfação a ninguém, principalmente um cara escroto e egoísta como ele, porque quando não é com ele está tudo bem, que se foda o mundo todo. Mas quando é... então seu senso de justiça cresce. Babaca.

 Me levanto em um salto, virando as costas pra ele, que segura meu braço, o que me faz voltar pra ele, o empurrando dessa vez, e ao contrário da sua consciência fodida, a minha está em paz em dar um soco no seu nariz. Posso quase... sentir, mas baymax hyung chega, segurando minha mão.

—O que tá acontecendo aqui?— Ele parece estar chocado com a cena e quero... rir, porque é tão... Insanamente ridícula, toda essa situação que eu... Me solto do hyung também, pra entrar no quarto, , deixando pra Hanbin e suas mentiras lidarem com isso. Foi ele quem começou de qualquer forma. E eu não beijei sozinho porra. Não foi eu que... Iniciei. Fomos nós dois, os dois...

Erro a senha duas vezes antes da porta destrancar pra mim, Jiwon abrindo do lado de dentro. Ele quase vê Hanbin e Baymax, mas eles já correram pro elevador, acudir o coração partido de Jinhwan como se não tivessemos todos na mesma situação, como se ele fosse a “vítima”, como se ele não tivesse culpa.

E mesmo depois de todo esse... Caos, a cara de... Decepção que Jiwon olha pra mim de alguma forma consegue ser pior, mais dolorosa. Ele toma uma boa distância de mim, me mostrando que não sou permitido tocá-lo, me olhando como se eu tivesse estragado tudo, seja lá o que for, entre a gente.

—Jiwon eu...— Tento conversar com ele, porque não quero perdê-lo também. Não... Posso.

—Você não precisa me explicar nada. Então só...— Jiwon me corta, e fico em silêncio olhando pra ele encolhido nas próprias roupas ao invés das minhas, construindo um muro entre nós.

Me livro das roupas porque preciso de um banho, preciso me sentir... Limpo de novo, de todas as memórias, de todo o tempo que passei com Jinhwan, querendo voltar pra de manhã, enquanto Jiwon dormia nos meus braços. Ele olha pra mim fazendo isso, e sinto como se ele estivesse despindo o resto, como se tivesse vendo toda a bagunça que está aqui dentro agora, que mesmo eu nem tentando esconder. Vou pro banheiro, fechando a porta pra ficar... confinado, lidando com as coisas que fiz e que não posso desfazer, tentando não pensar se estou fazendo mal para as pessoas, pra Jinhwan... Pra jiwon... Pra mim mesmo. Eu... Realmente tento entende? Mas as coisas simplesmente fogem do meu alcance então é só o caos desenfreado, e por mais quente que a água seja, ainda não é o bastante pra aquecer meu coração e impedir as lágrimas se misturarem a água, me fazendo sair do banheiro tão... abatido, que tudo o que eu preciso agora é de um abraço, é de Jiwon respirando no meu pescoço, é ouvir seu coração constante, e então vou conseguir atravessar hoje.

Fico nu na sua frente enquanto visto uma calça sem roupa intíma, meu corpo pegando fogo, como  se eu estivesse com febre. Minha saúde é frágil a esse ponto, e fico doente sobre situações ... de muito stress, ou coisas que não simplesmente demais pra mim lidar. Meu corpo sucumbe. Praguejo me recriminando, porque não posso ficar doente agora. O garoto ainda está praticamente na mesma posição, e quando vou até ele, não consigo me aproximar, sentando na outra ponta da cama. Esfrego a toalha de qualquer jeito no cabelo, meu corpo me mandando deitar. Ficamos só... em silêncio primeiro, e penso que ele vai me mandar ir pra outra cama, ou pior, ir dormir com Donghyuk de novo, mas ele se move pra perto de mim, me olhando com... Cuidado.

—Jinhwan já está bem. Baymax veio avisar. Ele só... Ficou estressado demais.— Jiwon me conta pausadamente e faço que sim várias vezes, porque não têm mais o que dizer sobre isso. Baymax deve pensar que Jinhwan só... estava cansado e o japa por nunca o ter visto chorar exagerou. Mas eu sei a verdade. Eu sei que o jeito que ele chorou parecia como se eu o tivesse causando... dor física, como um se tivesse o esfaqueado. Foi tão... horrível que não sei se vou conseguir olhar pra ele tão cedo.

—Ok.— Copio seu tom suave, e sufoco um gemido de alivio quando ele me toca.

—Ah meu deus June você está queimando.— Ele se assusta, tirando a mão rápido demais. Eu me sinto... Quente por dentro também, mas sei que não estou com febre porque meus olhos não estão doendo.

—Tá tudo bem, é o banho...— Falo pra ele que pula da cama, quase como se não pudesse ficar muito perto de mim, como jinhwan, anunciando que vai buscar um remédio pra mim por precaução.

—Só... Fica aqui.— Peço pra ele que não me ouve ou me ignora, me apontando pra deitar na cama enquanto me entrega uma garrafa de água e dois cumprimidos que engulo a seco. Ele me faz beber da água mesmo assim, puxando o cobertor pra me cobrir até o queixo. O obedeço quieto, assistindo seu rosto, querendo saber sobre como foi pra ele... Como foi estar com Hanbin. Foi obviamente melhor que eu, mas mesmo assim... Eu beijei Jinhwan, e mesmo nós nunca termos conversado explicitamente sobre isso... Eu o “traí’ de alguma forma e isso me faz sentir pior ainda, mesmo que “traição” não seja o termo certo pro nosso caso mas eu não sei qual exatamente é o nosso caso e... Aperto os olhos com força porque pensar sobre isso faz minha cabeça doer. Eu não suporto mais dar... Voltas. Porque isso só cria esses benditos nós segos que ninguém sabe desatar.

—Deu tudo certo hoje?— Pergunto pra ele o segurando perto da cama, porque não quero dormir sozinho. Não... consigo. Jiwon se tornou tão... vital que seria simplesmente demais pra mim processar ficar sem ele também.

Ele olha pra mim surpreso, como se não pensasse que eu penso nele, apesar de eu o fazer mais do que posso admitir. Quero que ele me mostre... Alguma reação sobre o que eu fiz, porque preciso saber se o perdi, ou se ele simplesmente não se importa e eu que estou... Querendo demais dele. O outro só faz que sim, comprimindo os lábios, quase falando alguma coisa então... Desiste. Jiwon olha em volta por alguns segundos, como se estivesse pensando em alguma coisa e corre para desligar todas as luzes, acendo o abajur da outra cama, deixando quase tudo escuro. Isso é... Melhor de alguma forma, e por segundos inteiros tenho medo que ele fique lá, como fez na noite passada, mas então ele volta pra  mim, fazendo meu coração martelar tanto que acho que ele é capaz de ouvir.

Abro os braços pra ele como sempre, que parece ainda cogitar não... Deitar comigo, e isso me intristece. Principalmente porque estou sendo um fardo pra ele em um momento como esse.

Por fim Jiwon deixa seu peso cair sobre mim, encontrando o caminho para a volta do meu pescoço antes que possa se ajeitar completamente.

—Desculpa por... Tudo isso.— Falo baixo pra ele, depois que ficamos absorvendo o calor um do outro em silêncio. Percebo que senti falta do seu cheiro, e... dele no geral. Mesmo não tendo passado mais do que horas.

—Foi um dia... Difícil. Eu já sabia disso... você também.— O garoto me consola, restabelecendo nossa... Segurança, e não me sinto só protegido, sinto como se... Não sei o que exatamente, não sei... Por em palavras, mas é o tipo de sentimento que as pessoas vão longe atrás.

—Se você precisar de... Espaço, então me diz sim? Não quero te sobrecarregar mais do que você já está. E sobre o beijo... Eu vou entender se você não quiser mais... Fazer isso comigo. Eu fui um idiota em ter feito aquilo, pelo óbvio, por mim mesmo e também... Por você. Pelo que nós... Estabelecemos. Eu te pedi pra não... Fazer isso antes, que não conseguia mais ficar à mercê deles mas fui eu quem...– Falo me atropelando soltar tudo em uma lufada de ar. Preciso que ele saiba que ele é importante, e que não estou o usando ou coisa assim. Não quero que o que temos, que é tão bom, termine.

—Não... Olha Junhoe... Eu mais do que qualquer um te entendo e você já sabe disso. Eu não sei o que te levou a beijá-lo, mas sei o sentimento por trás disso. E não é como se eu já não tivesse estado na sua pele. E quanto a nós... Eu estou aqui. Agora, ainda com você. Não... Estabelecemos nada definitivo em relação um ao outro apesar de tudo. Não posso te cobrar sobre uma coisa que... Você não me pertence. Mas eu ainda estou aqui. Porque quero ficar, e você quer que eu fique. É bom o bastante por enquanto. — Jiwon fala parecendo mais velho que eu, e escuto suas palavras com calma. Meu peito dói quando ele me diz que não temos nada, mesmo eu sabendo que é verdade. Penso rapidamente se eu gostaria que fosse diferente, que isso que fazemos fosse... Definitivo. Nossos corações... Seriam capazes? Mesmo ainda estando atravessando a tempestade?

 —E não se culpa por uma coisa que está além de você. Junhoe... Você não beijou sozinho certo? Então não haja como se Jinhwan não tivesse culpa também, como se não estivesse doendo,porque eu sei que doi.— Ele me fala acariciando meu coração com a mão e fico tão... Afetado que meus olhos enchem de lágrimas.  Fico em silêncio, acariciando suas costas como sempre, olhando pro teto para não me deixar... Chorar, porque é tudo o que nunca soube que merecia ouvir em relação a toda essa situação. Eu só... Nunca sei como fazer isso. Porque sou errado em todas as formas, e as vezes esqueço que Jinhwan é tão errado quanto. Eu sabia que ele tinha Hanbin quando entrei nisso, e ele sabia que não poderia me dar o que eu estava esperando. E mesmo assim dói a cada vez como se fosse uma ferida nova, recém feita ao invés desta calejada. Respiro pela boca.

 

—Jiwon você... Se eu fosse um pouquinho melhor, não deixaria você reviver suas próprias dores por ter que olhar pra mim. Mas não sou então só... Obrigado. Eu espero que você siga seus próprios conselhos em relação a isso. Porque seu coração é bom demais pra ser quebrado.Faz isso então... Você vai estar curando nós dois sim?— Falo sem jeito e espero que ele entenda o que estou querendo dizer, o que estou... Sentindo.

Fico em silêncio tentando pensar em como... Falar a respeito de nós dois, mas não acho que esse seja o momento. Então mordo o lábio e ele fica tão quieto que só sei que está acordado porque sinto seus dedos desenharem padrões no meu peito.

—Ok...— Jiwon suspira, virando a cabeça para respirar no meu pescoço, me dando um beijo ali.

E então... Não falamos mais, deixando todas as coisas que não podemos resolver do lado de fora, fazendo ser só nós dois e a cada dia... A cada dia essa parece ser uma combinação perfeita pra mim.

 

*

É a primeira vez que acordo e Jiwon não está sobre mim desde... Que chegamos no japão pelo menos? Ele fez o milagre de me fazer dormir, depois de um dia como esse, só em estar... comigo.  Então, como ele pode não estar dormindo? Tombo pra fora da cama, enroscando o pé no cobertor, me fazendo cair com um baque no chão, me fazendo lembrar dele caindo desse mesmo jeito no nosso dormitório.

—Junhoe?—  O outro felizmente aparece, e tento não reclamar por ele ter me assustado sumindo  assim... Jiwon acordar antes que eu é só... Errado. Ele está escovando os dentes e parece... Apressado.

—Vai pra onde?— Pergunto pra ele confuso, tentando lembrar de algum compromisso mas ontem é tudo que minha mente ainda tenta processar.

—Pra um... Evento.— Ele diz vago, voltando rapidamente pro banheiro pra limpar a boca e deixar a escova.

—Sozinho?— Pergunto quando o outro não explica mais, porque se eu precisar me apressar também quer dizer que estou... perdendo tempo.

—Sim. Por isso tentei não te acordar. Sinto muito.— Ele fala voltando para o quarto, onde ainda estou pateticamente no chão. Fico em silêncio pra não falar que acordei porque ele não estava mais lá,  e tenho... Medo do quão dependente estou ficando dele.

—Tudo bem...— Minto voltando pra cama mais uma vez, que parece... Grande demais.

—Hoje aparentemente você têm o dia de folga. Só Donghyuk, Jinhwan e eu vamos ser forçados a trabalhar...— Jiwon me fala e meu coração cai para os pés com sua expressão controlada, como se ele estivesse ensaiando. Ter que interagir com Jinhwan hoje vai ser... Cruel pra ele. Não por mim mas pela situação dele e de Hanbin, e sobre o passeio deles que não sei exatamente como foi então só... Gostaria que pelo menos uma vez, depois da maldita tempestade, que o arco irís surja e não mais nuvens. Mas isso não parece ser possível.

—Vai ser o dia inteiro?— Pergunto levantando. Não vou conseguir mais dormir de qualquer  forma.

—Basicamente...— O outro suspira parecendo chateado e vou até ele, o capturando em um abraço, que honestamente preciso mais do que ele.  Seus braços envolvem meu pescoço automaticamente enquanto ele volta pra onde não devia ter saído, deitando a cabeça no meu ombro.

—Estou... Cansado.— O outro me confessa, me fazendo acariciar suas costas com as duas mãos. Desejo que el não tivesse... Vestido. Mas não acho que temos tempo pra isso. Infelizmente.

—Gostaria que você não precisasse ir...— Falo honestamente pra ele, porque é tudo que não precisamos... Mais querosene nessa porra de incêndio. Encontro o caminho por debaixo da sua blusa, e continuo o carinho diretamente na sua pele, o que o faz amolecer. Não é um toque... Sexual. Mas tudo conosco simplesmente se transforma.

—Junhoe... Não...— Ele me repreende, apesar de se inclinar ainda mais pro meu toque.

—Tem certeza?— Pergunto calmo. Não é como se ele não pudesse... Se atrasar. Sexo é como um elixir pra gente... E ambos precisamos.

—Eu já estou atrasado. Dormi demais.— O garoto parece ler meus pensamentos e rio quando ele suspira, parecendo... Frustado.

—Quando você chegar então?— Pergunto me sentindo por um momento seu namorado e isso me faz sentir... Estranho.

— Se você ainda tiver por aqui...— Ele mordisca minha pele e gemo... Triste.

—Não vou sair do quarto.—  O afirmo e ele ri.

—Vocês podem usar a piscina hoje...—

—Vou sair do quarto mas eu volto.— Falo realista e isso o faz beijar meu rosto, me pegando de surpresa. Então... o beijo, porque eu realmente gosto de demonstrações de afeto, porque isso me mostra que não estou sozinho, que a outra pessoa está... em sintonia. 

Estou provando seus lábios pela primeira vez desde... Antes de ontem/ ontem de madrugada? Ele tem gosto de pasta de dente, mas é tão bom como todas as vezes, talvez melhor, porque ele me absorve, e não tem.... receio de me beijar de volta, me correspondendo e principalmente não chorando depois.  Me fazendo sorrir contra sua boca.

—O que foi?— Ele pergunta porque quebrei o beijo pra sorrir.

—Nada eu só...— Começo a me explicar, mas não sei o que dizer, então volto a beijá-lo, e sem que possamos evitar, paramos na cama, a do sexo dessa vez, ele sentando no meu colo. Não montando em mim... só sentando no meu colo enquanto apoio seu corpo, nossos lábios trabalhando um no outro por conta própria, suas mãos envolvendo meu cabelo que deve estar um caos.  Jiwon me olha como se eu fosse bonito todos os momentos, e gosto disso. Ele tenta fugir das minhas mãos a cada vez que nos separamos pra respirar, não me deixando nem beijar seu pescoço, reclamando que precisa ir.

—É assim que começa... eu estou... Atras...— Ele tenta mas o bombardeio de beijos. Por fim, ele desiste, e só nos separamos quando Donghyuk vem buscá-lo. Eu realmente  odeio essas... Interrupções, porque têm sempre alguém batendo na maldita porta, impatando o que estamos fazendo. Suspiro alto, segurando seu corpo só mais um pouco, e então ele vai.

—Jiwonssi...— Ouço a voz de Donghyuk, ele entrando no quarto. As pessoas parecem... Querer ver se estamos vivos nesse quarto ou qualquer coisa porque não é possivel como todo mundo entra aqui sendo que eu nem sei onde é o quarto deles. Estou sentado na cama do sexo só de cueca, e nem penso em me cobrir antes que Dong apareça. Mas não me importo. Todo mundo já viu todo mundo de qualquer forma.

—June, você tá ok?— O outro vem até mim colocando a mão na minha testa, nem piscando por me ver praticamente nu.

—Acho que sim?— Pergunto sem saber ao certo. Estou com cara de doente?

—Ontem o Jinan hyung chegou passando mal e então você só veio pro quarto... Fiquei preocupado.— Ele continua me inspecionando, virando meu pescoço e procurando por... Sinais.  Me encolho quando ele encontra uma mancha e me pergunta o que foi, e pelo lugar, um pouco abaixo da linha do pescoço... Foi Jiwon? Me esquivo, fingindo não ser nada.

—Eu tô ok.— Falo tentando não perguntar sobre Jinhwan, mas querendo saber se ele está ok o bastante pra ir.

—Jinhwan está bem pra... Ir com vocês?— Me vejo perguntando, e Koo Junhoe você é tão... Fraco.

—Ele está. Eu disse pra ele ficar e descansar mas ele... Insiste.– Donghyuk me conta e só assinto, porque não há mais nada a ser dito.

—Estamos atrasados Dong. Caja...— Bobby o chama e fico aliviado, desejando respirar... Sozinho.

—Oh, sim vamos. Só... Fica bem ok? Qualquer coisa chama o Yunhy sim?— O outro toca meu rosto e assinto sorrindo pra ele, apreciando seu cuidado. Donghyuk a pesar de ter a mesma idade me faz sentr como se ele fosse meu hyung de verdade.

—Trabalhe duro. Até mais tarde.— Me despeço olhando pros dois mas Jiwon não responde, saindo definitivamente do meu campo de visão.

—Ok!—Dong se despede com um tchauzinho, correndo atrás do outro. E então tenho o dia inteiro, para me torturar com meus próprios pensamentos... Sozinho, pensando em que porra eu fui fazer com minha vida.

 

*

Lembro perfeitamente do dia que... Beijei Jinhwan pela primeira vez. Ele estava nessa fossa horrível, porque Hanbin e Bobby estavam juntos e então ele queria fugir pra ir em alguma boate. Foi a época que ficamos realmente próximos, ele mudou pro meu quarto e começou a se envolver na minha vida, me mostrando que temos os mesmos gostos em muitas coisas e que concordamos em discordar do resto. Eu fiquei tão... Maravilhado, com toda essa... Atenção de jinhwan voltada pra mim, que não tinha nada que eu não faria.

 Principalmente porque ele sempre foi o hyung que eu mais me senti próximo desde que entrei na YG. Então... Nesse dia, a gente foi pra boate, e ele ficou muito bêbado. Até então... Eu achava que não sentia atração por homens, inclusive estava flertando com essa garota... Ela era trainee de alguma empresa... SM talvez? De qualquer forma, Jinhwan começou a dançar, e sua blusa estava literalmente transparente por ele estar suado com a combinação de dançar demais + álcool e... Todo mundo parou pra assistí-lo. Ele tava olhando pra esse cara, e eu senti ciumes.

 Tanto que antes que Jinhwan fizesse alguma coisa que provavelmente fosse se arrepender eu o arrastei pro banheiro, pra ele jogar água fria no corpo e se recompor. Ele não pode deixar explicito assim que é gay, não quando é idol. Mas ele estava tão... bêbado. Ele simplesmente trancou a porta do banheiro e me prendeu nele, agarrando meu pescoço. Lembro como ele me deu a chance de me afastar, mas eu queria tanto... Tanto que já estava duro só por seu corpo estar colado ao meu. Então o beijei. E ainda hoje, quando eu paro pra pensar sobre quantas vezes beijei outras pessoas  depois disso... Continua sendo o melhor, o mais intenso. O que eu sempre vou me lembrar. Ele me envolveu com as pernas, me fazendo segurá-lo contra parede enquanto se esfregava em mim, então eu soube, que o que eu estava procurando em todas aquelas garotas... O tesão, que eu só iria encontrar com um cara, mais especificamente com ele. Quase transamos no banheiro, Jinhwan inclusive  me chupou lá, me fazendo gozar tão forte que tive que me segurar pra não cair. Corremos pra casa as pressas, então tive minha primeira vez com um homem. E foi como usar drogas pela primeira vez e ficar viciado. Fiquei... viciado em Jinhwan, onde por algum tempo ele parecia tão viciado em mim quanto. Ele me ensinou... Tudo que eu sei de sexo hoje, ele é... Realmente...

Não me apaixonei por Jinhwan gradativamente. Foi mais como mergulhar em uma piscina vazia. E quebrei todos os ossos. Mas estava tudo bem, porque as vezes ele me dizia coisas, coisas que me fazia pensar que ele se sentia do mesmo jeito em relação a mim. Só que... Ele voltou com Hanbin. Tão subitamente como passar uma noite a luz de velas comigo, me falando o quanto se sentia... Conectado, para no mesmo dia, desaparecer e voltar só pra mudar de quarto, sem me dar nenhuma explicação além de “Eu amo ele. Você já sabia disso”. Desde então... Tivemos picos, em momentos que basicamente se repetem, entre ele ir e voltar, e me deixar mais atordoado a cada vez que vai embora. Eu tento... Não ceder, não voltar, não me deixar ser absorvido. Mas volto para ele todas as vezes.

Quando Jinhwan admitiu que gostava de mim também, que não sabia como, mas que sentia alguma coisa por mim... Alguma coisa que ele não podia compreender, eu senti esperança. Porque quanto um coração pode aguentar em ser machucado por um cara que não sabe o que quer? Ironicamente... Eu não sabia o quanto. Eu não sabia o quanto eu mesmo poderia aguentar nesta situação.

Mas agora... Agora eu não estou mais disposto. Não quando eu já fiz além do que podia, quando me declarei pra ele recebendo de volta um sorriso triste. Não quando ele me ama em um dia e não sabe quem sou eu em outro. E mesmo assim... Tudo isso eu podia aguentar. Aprendi a lidar com ele indo e voltando. Mas quando Bobby foi fazer a unit com o Mino hyung, na mesma época que Jinhwan me prometeu que não iria mais embora, que ele me queria de verdade dessa vez... Foi cruel demais.Como ele e Hanbin agiram como se tivessem na porra de um dorama, o outro chorando no meio dos ensaios, parecendo como se Bobby tivesse morrido ou alguma coisa. E Jinhwan... Voltou pra ele, o deu todo o amor que eu sempre quis dele, e ainda mais. Então eu entendi. Que nunca seria eu, quem Jinhwan iria escolher, nunca seria eu.  E

E...quase esqueci disso, mas ontem, enquanto ele surtava mais uma vez, simplesmente por ter percebido que não é tão simples parar de gostar de alguém só porque você quer, eu lembrei. O porque Jinhwan e eu não podemos... que nunca seremos... Mais. E isso me faz sentir tanta dor que eu quero sair batendo nas coisas, quero sair gritando o quanto o mundo é fodido, quero gritar com ele porque se ele não me queria... Se ele nunca me quis,  então porque fazer aquilo naquele dia da boate? Porque começar quando nunca poderá ter um fim?

 

 

Passo boa parte da manhã e um pouco da tarde fugindo das minhas lembranças enquanto como e tento me concentrar em assistir algum filme. Tentei de tudo... Até pornografia. Mas não tem sentido se masturbar quando eu transo mais com Jiwon do que qualquer outra coisa. É ridículo o tanto de... Tesão que temos. Como o sexo é bom e simples, sem jogos, sem castigos, sem arrependimentos no outro dia, sem drama. Isso só me faz querer mais. Me levanto abruptamente pra sair do quarto antes que fique quente demais por eu estar pensando em... Coisas pra fazer quando ele chegar. Estou... Viciado nisso, em Jiwon, e deveria ter medo, deveria saber melhor, mas por algum motivo não tenho medo. Mesmo sabendo que ele também gosta de Hanbin, que pode fazer a mesma coisa e voltar a qualquer momento eu... Não tenho medo. Porque não estou apaixonado por ele, então está tudo bem certo? Eu... Não me permitiria sentir alguma coisa pela outra parte da equação, sendo que eu já sei o resultado. Não faria isso comigo mesmo, não sou um sádico. Ligo para o serviço de quarto, pedindo por favor pra alguém vir limpar nosso quarto e trocar os lençõis, e se tiver algum cheiro de lavanda... Jiwon parece aquelas velhinhas que gostam de lavanda e ficam suspirando sobre dias no campo. Toda vez que as moças limpam e deixam o cheiro impestiado no quarto ele fica se contorcendo como um gato, e isso é... Meio adorável. Isso o deixa feliz, então depois de um dia como o que ele provavelmente está tendo... Seria o mínimo que eu poderia fazer.

 Depois disso vou atrás de Chanwoo e Yun só que eles já estão na piscina. Obviamente. Fico confuso quando me dizem que tem uma piscina coberta em algum lugar, e é essa que eles estão.  Mesmo estando calor. É... Sempre temos um numero de reduzido a inexistente de opções.

 

Os encontro fazendo a porra do nado sincronizado. Começo a dar risada com as pernas deles pra cima, mas aí percebo que Hanbin está aqui também, e tenho vontade de voltar pro quarto.

—Onde você tava desgraça?— Chanwoo joga água em mim, me tirando do olhar fixo do outro, e suspiro decidindo que não vamos ficar sozinhos, então é só o ignorar.

—Eu passei horas procurando esse lugar.— Digo simplesmente, ficando só de sunga pra mergulhar de uma vez.

—Você é burro?— Yun pergunta com os olhos vermelhos. Honestamente eu não sou o #1 fã de água e piscinas no geral, porque não sei nadar muito bem. Mas desde que quase morri afogado, sendo salvo por Yun, me forcei a aprender nadar, e agora eu... Finjo que está tudo bem. O importante é fingir certo? Estou ficando bom nisso... Mas qualquer coisa me faz perder o passo então não me arrisco demais. Gosto de mergulhar no entanto... A sensação de tudo ficar silencioso é boa.

Me preparo pra pular e todo mundo fica em expectativa, como se fosse extraordinário o fato de eu aprender a nadar. Mergulho de cabeça, indo até o fundo da piscina que é mais funda do que imaginei, e nado até mais da metade, voltando agoniado por ar, percebendo que tenho que me manter nadando por meus pés não alcançarem o chão direito.

—Ual...— Ouço palmas e os dois estão fingindo que estão assistindo alguma competição de natação.

—Congradulations— Yun fala em inglés o que faz Hanbin jogar água na sua cara, ele está sentado na borda da piscina, não muito longe de mim, em silêncio ainda me medindo. Tiro o cabelo da cara o que o faz estreitar os olhos.

—O que?— Pergunto ríspido pra ele, porque não estou gostando de toda essa atenção.

—Você é bonito.— Ele diz entre ser irônico e sarcástico e nado voltando pra perto dos meninos, espalhando mais água que o necessário.

—June você tá ficando muito bom nisso...— Yunhyeong me elogia e sorrio contente pra ele, porque apesar da zoação ele que me ensinou a nadar, logo depois de ter me salvado, então fico feliz por isso.

—Morrer afogado não vai mais.— Chanwoo solta um comentário e mostro o dedo do meio pra ele.

Ficamos conversando vários nada enquanto boiamos, e por um tempo esqueço de Hanbim.

—Vamos jogar alguma coisa?— Hanbin  de repente propõe.

—O que?— Chanwoo parece interessado, mas nem abro os olhos.

—Voléi? Alguma coisa com bola... – O outro propõe.

—Nah... eu tô com fome, então vou sair e...— Yun tenta e escuto barulho de água, me fazendo perder a concentração e afundando junto. Volto a tempo de ver Yun sendo preso por chanwoo e Hanbin, o que resulta em nós jogando a droga do voléi.

—Daqui a pouco os meninos vão chegar. Vamos comer com eles.– Hanbin dita e olho nos seus olhos. Já passou tanto tempo assim? Sinto que ele quer conversar comigo, mas não quero suas desculpas ou ouvir qualquer coisa que ele tenha a dizer.

—Só jogo apostando.— O maknae selvagem fala e concordo com ele.

—Quem perder... Têm que ir buscar a comida? Eles não trazem até aqui porque é “proíbido comer” então...— Yunhyeong se mostra inteligente e todo mundo concorda.

—Os times são...— Pergunto olhando pra hanbin. Meu cu que vou ser do seu time.

—Você e Hanbin, eu e Yun.— Chanwoo parece magoado comigo desde que “tirei” Jiwon do seu quarto, e Yun ainda me acusa por ser um babaca com ele naquele dia.  Olho pros dois que fazem that’s no no pra mim e suspiro irritado.

Vou pro lado de Hanbin que finge que nada aconteceu ontem, e então começamos a jogar. Não sei bem onde Yunhyeong aprendeu volei na água mas ele é bom pra caralho. Até Hanbin se surpreende, os dois estão literalmente com sangue no olho, e em determinado momento Hanbin e eu pedimos arrego nos rendendo. Jogar com Hanbin foi... Normal eu suponho. As vezes ele entrava na minha frente de propósito e eu na dele, o que fez a gente perder com uma diferença maior... Mas no geral conseguimos sobreviver. E considerando o fato dele ser péssimo jogando qualquer coisa.

 

Quando saimos em silêncio pra buscar a comida, ele mal espera sair do campo de visão dos meninos pra começar a falar, cancelando todas minhas impressões quase positivas que eu tive dele essa tarde. Hanbin pode ser um ótimo lider, mas é um babaca completo na vida. Preciso aprender a separar um do outro, porque ele está só... Me estressando ultimamente.

—Não... Faz mais isso. Não... Vai atrás de Jinhwan, principalmente porque você está com o Bobby. Eu sei que a gente vivia indo e voltando, mas isso era antes. Dá... espaço.— Ele fala me parando, pra conversar comigo enquanto olho nos seus olhos.

—Tem que ter coragem pra ser babaca como você e ainda se achar na razão.— Replico a altura. Estou cansado de todo mundo o justificar. Ele que fode com tudo. Ele que fica com os dois, não eu. Ele que... Causou tudo isso. Todo esse drama, simplesmente porque não pode escolher em quem quer meter o pau e seguir em frente.

—Você não está com Bobby? Então o que foi fazer enfiando a língua no meu namorado?— Ele continua como se não tivesse me ouvido e quero dar um tiro na minha própria testa.

—Eu não beijei sozinho você sabe...– Falo sarcástico, mesmo isso doendo.

—Você quer tanto assim ser eu? Ficar com os dois ao mesmo tempo?— Ele parece ficar irritado comigo, e como ele pode me comparar assim? Eu não estou com os dois. Nunca estive. Eu não... Fodi com os sentimentos deles, o unico que fez isso foi ele.

—O unico que fode os sentimentos de todo mundo e acha que tá tudo bem é você. Eu nunca faria isso.— O devolvo pensando em Jiwon, porque não o machucaria dessa forma... Não seria capaz de uma atrocidade dessas.

—Oh... Certo. Como se você não soubesse que Jiwon...— O outro começa a falar, mas deixa sua voz morrer.

—Jiwon o que?— Pergunto olhando pra ele, tentando entender como ele pode reclamar Jinhwan pra ele e sentir ciumes de Jiwon ao mesmo tempo.

—Só... Bobby não merece passar por isso de novo. Ele não merece alguém como eu. Então se você está se envolvendo com ele, deixa as coisas claras. Pra si mesmo. Ou quer ficar com ele e só com ele ou não quer. E nesse ultimo caso... Sai fora. — Ele me aconselha, olhando nos meus olhos, parecendo preocupado com o outro.

—Eu não machucaria Jiwon. Nunca faria isso.— Respondo prontamente, porque não faria.

—Ótimo. Eu sei que sou um merda cara. Sei disso sem você precisar me dizer, então só... Não se transforme em mim. Jiwon merece alguém que o trate como único. Se não for você, então não fica... No caminho, entre ele e a felicidade, porque ele precisa disso.— Hanbin finaliza a conversa e suspiro... Cansado dessa situação toda, de conseguir entende-lo um pouco, apesar de tudo, porque amar alguém nos transforma... Nisso.

—Não deixa mais Jinhwan ir. Quebra a porra desse ciclo. Você me deve isso... Porque ele te escolheu.— Suspiro olhando nos seus olhos honesto. Eu só não... Aguento mais. Só quero parar de sentir dor e viver nessa bad dos infernos. E se pra isso significa Jinhwan ficar com ele... Que seja.

—Não vou.— Ele me garante, e então vamos buscar a comida, em completo silêncio dessa vez.  Andamos até a cozinha, procurando pelos caminhos alternativos para não sermos vistos por ninguém que nos reconheça, os cabelos pingando. Por sorte encontro a menina das panquecas que é amiga de Jiwon, onde ela me reconhece por “sempre estar com ele” e nos fornece comida e ainda poe em sacos para conseguirmos levar de volta. Fazemos o caminho de volta mais... Tranquilamente agora que conversamos, apesar de nenhum dos dois ter tocado no assunto de ontem, onde quase saimos aos socos. Isso deixa implícito que estamos em trégua mas que estamos prontos para retomar o que quase começamos a qualquer momento.

 

*

Mal entramos no lugar onde a piscina coberta fica, que ainda não sei exatamente como chegar, e... Os meninos voltaram. Jinhwan é o primeiro que vejo porque ele corre para Hanbin, sem parecer perceber que estou aqui. Ele está só de box, e faz tempo desde que vi seu corpo... Fico encarando um pouco, mas me situo rapidamente, saindo de perto antes que ele olhe pra mim. Não estou... Pronto. Olho em volta procurando Jiwon mas só vejo Donghyuk que já está do lado de fora tremendo, se envolvendo em uma toalha. Até Baymax e Na ri estão aqui, apesar de estarem vestidos.

—Cadê o Jiwon?— Pergunto onde todo mundo olha pra minha cara como se essa fosse uma pergunta absurda.

Eles apontam pra piscina e vejo o contorno do menino mergulhando como se fosse a porra de uma sereia. Ele fica tanto tempo lá embaixo que fico com medo dele morrer sem ar, então ele resurge na ponta mais perto de mim, sacodindo o cabelo como um cachorro.

—Oi.— Ele me comprimenta sorrindo, e fico feliz por ele estar... Bem.

—Oi.— Devolvo olhando pras gotas escorrerem seu corpo, pensando em como definitivamente quero transar com ele no chuveiro, ou na piscina ou basicamente em qualquer lugar que envolva água.

*

 

 

Baymax hyung faz todo mundo transferir para a fonte do pesadelo, que foi como eu batizei o lugar que tiramos fotos, pra gravar o encerramento do que fizemos ontem, dando uma sensação de “noite”.  Não vamos ter mais tempo de fazer isso. Amanhã vamos pintar o cabelo e essas coisas então depois começa as passagens de som. Ele chama Hanbin e Bobby para irem buscar alguma coisa que não sei o que é e nos banda pro quarto vestir a mesma roupa de ontem. Olho pra Jinhwan de vez em quando, mas ele parece... Perfeitamente normal, então acho que vamos conseguir comentar sobre o passeio no castelo de osaka sem problemas.

Jiwon pede pra mim levar suas roupas e só depois lembro que não vi como ele estava vestido. Ele disse blusa laranja, mas não sei a cor da calça. Enquanto me troco e olho em volta, pego a que ele roubou de Yunhyeong porque ele fica bonito assim, e vai ter que ser isso mesmo. Pego a peça sentindo seu cheiro exalar, e gosto do perfume que ele usa e como é suave e intenso ao mesmo tempo. Do tipo que você precisa sentir só uma vez pra saber qual é. Saio do quarto segurando suas roupas perfeitamente dobradas, não porque ele deixou assim, mas porque eu as dobrei, e Jinhwan está na minha porta, parecendo incerto sobre bater ou não. Sua expressão me faz lembrar de ontem, e dessa vez eu que quero chorar.

—Você não precisa.— Corto Jinhwan. Não preciso ouvir seus motivos. Não quero... Saber, não quero mais nada, porque vai amor e volta dor. É assim que me sinto.

—Eu quero... Eu preciso falar mesmo assim. Eu... sinto muito June, eu acho que sempre vou te...— Não posso deixá-lo terminar. Não posso mais, mais uma despedida... Mais uma sentelha de esperança com essa unica palavra, que não significa o mesmo pra mim e pra ele.

—Não. Eu não preciso ouvir isso. Não vamos mais fazer isso Jinhwan... Vamos parar por aqui. Já foi longe demais de qualquer forma.— Cuspo as palavras que não acredito, mas que me sinto forte por as dizer.

—Você precisa saber Junhoe, precisa saber que eu te amo e que se fosse diferente... Se tivessemos tido só mais um pouco de tempo, então seria você. Você precisa saber disso não pra ficar preso a mim, a isso que nos destrói, mas pra seguir em frente. Pra saber que a culpa não é sua, não é porque eu não te amo, porque eu acho que sempre vou amar. Só... Não fomos feitos pra ser.— Ele me diz isso como se fosse simples e rio abafado, sentindo meus olhos encherem d’Água.

—Você me ama mas não o suficiente. — Chio pra ele que me olha como se fosse me tocar e me afasto.

—Então porque... Porque isso não parece uma despedida? Porque eu sinto que vamos acabar juntos em alguma outra situação, onde a parte sua que me ama vai voltar, e vai me beijar mais uma vez e vai me fazer sentir tudo de novo. Porque a porra do meu coração não consegue entender isso Jinhwan! Que você me ama mas não me escolheu. Você...— Me aproximo dele de novo, as roupas de Jiwon caindo no chão, eu só preciso... Tocá-lo, sacudir seu corpo mais especificamente. Porque...Que porra você tá fazendo Jinhwan? Porque você...

—Junhoe...— Ele me alerta, porque estou perto o suficiente pra beijá-lo se quisesse, mas não vou.

—Eu não vou mais... Jogar Jinhwan. Não vou te ajudar a aliviar sua consciência como sempre. Não vou ficar me convencendo que está tudo bem, que você pode fazer isso pra sempre, porque não pode. Então... Se você vir a mim, em qualquer ocasião, eu vou corresponder, porque sou egoísta e talvez até um pouco sádico. E a culpa vai ser sua. Porque você mesmo disse que me ama, mas que ama outro também. E até agora você sempre teve os dois, mas não mais... Então vamos fazer isso. Você quer me beijar agora certo? Ontem... Você sentiu também. Você pode me beijar Jinhwan.E podemos  fazer mais também, podemos entrar nesse quarto e transar até você estar implorando por mais. Podemos fazer tudo que você sente falta comigo, porque eu também sinto. Mas vamos fazer conscientes. Porque quando você voltar pra Hanbin, vai entender que no final das contas... Você não ama nem um nem outro.— Explodo gritando com ele, porque estou tão... Sobrecarregado com isso,  que sinto como se meu amor estivesse se transformando em um sentimento ruim de tanto que ele insiste em pisotear, toda maldita vez que está afogando em culpa, e não vou aliviar pra ele. Não vou... Sofrer sozinho.

Jinhwan me olha em silêncio, suas lágrimas me fazendo voltar, percebendo que fui longe demais. Que independente do que eu diga, ele sabe que eu faria qualquer coisa, que ainda posso ser tudo que ele precisa que eu seja. Que independente do que eu diga eu posso fazer qualquer coisa por ele. Que não... Aguento o ver assim.

—Eu vim aqui te dizer que... Você e Jiwon... Junhoe, você não percebe? Que não gosta mais de mim tanto assim? Eu passei o dia inteiro com você ontem, e ele estava por toda parte. Você citava ele em pequenas coisas... E parecia feliz. E então passei o dia inteiro com Jiwon hoje e a mesma coisa aconteceu. Eu sei que eu mereço tudo isso e ainda mais vindo de você, principalmente depois do nosso beijo ontem. Mas o que eu quero dizer é pra você... Se permitir com alguém que é obviamente melhor que eu, porque você merece e ele  também.— Eu sinto como se fosse sua facada final.

—Você está... me dando sua benção? Pra juntar o útil ao inconveniente? Pra você e Hanbin não se sentirem tão mal por fazer toda essa merda? Está tudo bem se eu e Jiwon ficarmos juntos não é mesmo?  O importante é vocês ficarem com a consciência tranquila enquanto se escolhem...— O menor me cala mais uma vez com um beijo e é tão... Subito que o afasto.

—Viu?— Ele é doente ao ponto de falar como se tivesse provando um ponto e não consigo nem mais olhar nos seus olhos.

—Que porra você tá fazendo de novo?— Falo engolindo minhas palavras sobre correspondê-lo, porque é... Doloroso demais.

—Não sou mais o que você quer, e nunca fui o que você precisa, ou o que você merece... Quando você perceber isso... Junhoe,eu sei que ainda vou voltar pra você como  você mesmo disse que vou fazer, porque ainda tem uma parte de mim que  é sua... E sou fraco demais pra extingui-la. Você tem razão... Eu sou um lixo, mas meu coração sabe que... Ama Hanbin, mas também ama você.Então, quando e se eu voltar vai ser diferente. Porque é você que não vai querer, e vai ser aí que você vai perceber que me superou. E então...Eu vou sentir o mesmo que você sente agora. Vou te perder. E vai doer ainda mais. Porque eu escolhi te deixar ir. E estou consciente disso.— Jinhwan me diz tantas coisas sem sentido em uma frase só que meu cérebro congela. Primeiro ele me diz que me ama, apesar de não termos sido “feitos” pra ser, o que é ridículo, porque ele não me quis. Foi isso que aconteceu.  E mesmo depois de tudo que eu disse ele, ainda tem a coragem de confessar que é verdade, que isso não é uma despedida, que ainda pretende voltar pra mim e fico imaginando quando vai ser o fim e se vamos ter um  porque o que parece é que nunca vamos ter isso.

Ele vai voltar, e eu vou o aceitar de volta, estamos presos a este loop... E tudo isso eu já sabia. Mas então ele quer envolver Jiwon nessa merda também, quer me fazer... Sentir alguma coisa que não sei se sinto, quer que nós dois acabemos exatamente como ele  e Hanbin, escolhendo um ao outro e indiretamente “não escolhendo” eles também E ... Isso é doente. Isso é... Inacreditável, até mesmo pra ele. E ele fala como se tivesse me fazendo bem, como se estivesse me ajudando depois de foder com tudo.

Meu coração se fragmenta mais um pouco, porque a cada dia que passa... Não reconheço mais Jinhwan. Não reconheço o que eu me apaixonei pelo menos. Então não respondo mais. Olho pro seu rosto, e chego a tocá-lo, a pintinha que eu tanto adorei, e fico querendo... Fazer voltar o tempo. Mas não posso. Me inclino pra pegar as roupas de Jiwon, e vou na frente, sentindo como estivesse escolhendo pela primeira vez deixá-lo pra trás.

*

 

            Ontem, cada um tinha uma missão... Yunhyeong, Donghyuk e Chanwoo gravaram mensagens pra nós, e foi só.. Engraçado demais enquanto eles faziam isso nas situações mais enbaraçosas, e então eu e Jinhwan escrevemos cartões pra eles já que no castelo de osaka tinha esses cartões que tem até luzes piscando e Jiwon ficou chocado quando eu entreguei seu cartão, principalmente por o dele ser maior, uma réplica do castelo iluminado com um monte de luzes de led. Pedi delicadamente pra ele não ler... A extensão que eu escrevi,em um cartão que colei pela parte de dentro, um que parece a janela do nosso quarto que ele vive sentado no parapeito. Isso é... Intimo. Ele me responde me dando um sorriso tão amplo que seus olhos desaparecem em dois riscos no rosto, e me abraça parecendo realmente contente com isso, apesar de tecnicamente eu ter feito um cartão pra todo mundo.

 

Penso que acabou quando... Hanbin e Jiwon brotam com presentes.  Eles parecem... Realmente próximos com isso, rindo e se tocando toda hora enquanto explicam os conceitos dos presentes, e vejo mais uma vez como a situação de jiwon é diferente da minha porque ao contrário de mim... Ele e Hanbin parecem ter tido uma história feliz. O bastante pra ecoar até quando estão separados.

Eles falam rindo ao mesmo tempo, pegando as mesmas referencias, parecendo... Conectados. Isso faz meu coração se aquecer e apertar ao mesmo tempo.

—Chanwoonim... — Eles chamam o menino, ficando sérios de repente.

—Nós três sabemos que o fim do mundo está perto, e que o bem combate o mal e que se...— Hanbin para exatamente no momento exato pra Jiwon continuar.

—Se a  vida nada mais é do que um jogo de video game como você mesmo me ensinou...Então vamos tentar passar a fase e zerar essa porra!— Bobby grita pro menino, fazendo todo mundo rir e entrega pra ele... A porra da bolsa de coração das três espiãs demais.

Ele e Hanbin correm pra pegar as que compraram pra eles também e é tão... Hilário que caio no chão de rir. Yunhyeong chora tanto pedindo uma também que Hanbin e Bobby se reunem, decidindo que vão passar a responsabilidade de espiãos adiante, fazendo Donghyuk Yunhyeong e Chanwoo o novo trio. Bato palmas enquanto eles parecem ter ganho o melhor presente do mundo. Hanbin e Bobby parecem os pais das crianças, os olhando emocionados enquanto eles descobrem os apetrechos da bolsa.

—Vocês são... Geniais. Melhor. Presente. Do. Mundo.— Eles agradecem pelo presente e então seguimos em frente.

 

A câmera de Yunhyeong... É a coisa mais sensacional que o homem vai ter capacidade de pensar em fazer. A cara que ele fez quando fotos suas iam saindo... Nenhum dinheiro paga isso. Eu passo mal de rir e Chanwoo quase cae dentro da fonte de água quente do banquinho improvisado que estamos sentados. É o melhor momento... Provavelmente da minha vida toda.

—O que é isso?— O outro pergunta enquanto fotos suas vão caindo independente de onde ele aponta  e não consigo mais... Assitir isso porque estou passando mal.

—A câmera te ama?— Jiwon tenta enquanto se debate no chão e grito de aflição, estou sentindo dor de rir.

 

Depois de muito, muito tempo e ênfase no muito, conseguimos... Superar a câmera de Yunhyeong pra seguir em frente com os presentes. Nada no mundo vai ser melhor que isso. Até a staff tava passando mal.

Hanbin e Bobby parecem MCs e isso vai nos transformar nos novos reis do entretenimento. Como eles encontraram tudo isso?

—A gente perdeu metade do dia nessa parte...— Bobby nos conta olhando pra Hanbin que assente.

—Nem comer direito a gente comeu.— Hanbin concorda.

—Então... A partir daqui os presentes são normais. Desculpa ok? A gente queria ter encontrado alguma coisa no nível do presente de Yunhyeong mas...— Jiwon faz cara de decepcionado e Hanbin bate nas suas costas, como tivesse o consolando e... Eles são bons. Juntos quero dizer.

—Ual... Não acho que seja possível alguma coisa bater a câmera no entanto.— Donghyuk comenta enquanto ainda brinca com sua bolsa, falando que vai ficar ruivo pra combinar já que ele é a espiã verde.

—Certo... Então tendo isso em mente... Venha bicar seu presente Dingdong.— Bobby o chama abrindo os braços pro menino que vai até eles. Hanbin primeiro o presenteia com pedras de massagem, e acho um presente... Fraco. E então eles vem com uma caixa cheia de cosméticos, e Donghyuk vai ao paraíso e abre as portas.

—Você gostou?— Jiwon pergunta com os olhos arregalados, parecendo maravilhado pela expressão do outro que confere um por um, comentando que queria estes mesmo e como eles sabiam e todas essas coisas. Gosto da expressão de maravilhado que Jiwon faz sempre que fica feliz com alguma coisa, como se tivesse apaixonado pela vida.

—Claro que sim...— Dong responde abraçando os meninos. E então... Chega a vez de Jinhwan, a expressão de Jiwon caindo um pouco. Imagino como deve ter sido só pra irem... Comprar isso. Cruél. Mas não é como se já não estivéssemos acostumados.

Hanbin vem com uma fantasia de pikachu, falando que Jinhwan deveria aproveitar o tamanho e fazer cosplay. É...Um macacão amarelo, mas o menor não precisa de muito mais pra ficar o ser humano mais fofo que eu já vi. Ele promete que vai vestir depois, porque como ele já soa demais na vida, não... Aguentaria dentro desse lugar, que já está... quente demais aqui. Baymax hyung faz pra gente acelerar, e penso que finalmente vai ser meu presente, ficando cada vez mais curioso, pensando se Jiwon escolheu pra mim sozinho ou...

—Tem mais.— Hanbin fala olhando pro menor, e vejo... Adoração nos seus olhos também, e que é recíproco. Então ele vem com a porra de uma guitarra. Eu sei o que é instantaneamente porque o formato é bem óbvio, principalmente porque Jinhwan está fazendo aula. Assistir isso parece... Errado. O sentimento de presentear foi... Elevado sabe? Eu nem sinto nada vendo essa cena. Estou tão... Calejado que só cruzo as pernas e me balanço suavemente, olhando atentamente pra cena pra ver se desperta algum... Sentimento em mim. Todo mundo elogia e falam do preço e qualidade do presente e tudo, e escolho só... ficar em silêncio.

Jiwon se aproxima de mim, como se quisesse me dar apoio, ou pode muito bem estar querendo se apoiar em mim dado as circunstâncias, mas ele parece estar... Na mesma que eu em relação a isso. Não em fase de negação, mas sim de aceitação.

—Não espere nada... Nem perto disso.— Ele fala sorrindo pra mim e olho pra ele divertido, ignorando enquanto Jinhwan mostra o instrumento.

—Você que escolheu? Então vou gostar.—Falo honesto pra ele, o que o arranca mais um sorriso de olhos rasgados.

—Espero que goste.— Ele suspira simplesmente, e então pego sua mão rapidamente.

 

 

—Todo mundo sabe que Junhoe adora reclamar...— Jiwon começa e recebe gritos e aplausos de concordância, onde só reviro os olhos.

—Explicitamente ele reclama por não... Ficar confortável quando precisamos dormir fora de casa, o que é sempre. E isso resulta em nós desconfortáveis por ele estar desconfortável e...— O discurso continua e começo a imaginar que ele talvez guarde algum... Ressentimento de mim, o que precisamos resolver já que coloco uma coisa tão preciosa como meu pau na sua boca.

—Qual é o ponto mesmo?— Pergunto fechando a cara pra ele que sorri na minha direção, parecendo ter encontrado uma versão da câmera de Yunhyeong pra mim também.

—Eu comprei um travesseiro pra você.— Ele me diz contente e então Baymax surge com um negócio gigante, me fazendo levantar pra receber. Fico tentando... Processar o significado disso enquanto todo mundo zoa e dá risada. Porque o que ele quer dizer com isso? Que não gosta de dormir comigo ou coisa parecida? Então ele deveria simplesmente... Dizer. Não era mais... Fácil? De qualquer forma aprecio o presente porque um negocio grande desses dá pra fazer de cama em qualquer lugar, e talvez seja essa intenção. Olho pra ele, minha vez de sorrir com o rosto inteiro.

—Obrigada.— Suspiro quando ele se aproxima o bastante.

—Não... Acabou ainda.— O outro sorri, parecendo nervoso.

—Não?— Pergunto confuso, dando meu rolo de travesseiro gigante pros meninos, gritando pra eles terem cuidado pra não molhar nem sujar, enquanto Jiwon me entrega uma caixa. Me ajoelho no chão pra conseguirem... Gravar o que tem dentro, e todo mundo parece estar... Com expectativa sobre. Abro a caixa com cuidado pra descobrir que tem... Vários presentes dentro, e fico realmente, realmente tocado.

—Tudo isso?— Pergunto animado/surpreso.

O encaro sentindo meu coração aquecer e bater descontrolado no peito, e tenho que me conter para não puxá-lo em um beijo aqui mesmo. Ninguém... Nunca fez algo remotamente parecido. Nem sei o que é direito ainda, mas já gostei de cada um deles.

—Ual June... Dessa vez você vai ter que ficar próximo dele. De verdade, não tem mais como você fugir.— Yun dita pra mim, mirando meu rosto pra tirar foto com sua câmera, esquecendo que independente de quanto ele tente só sai... Ele mesmo.

—Eles já são próximos.— Dong fala ajoelhando do meu lado, me fazendo começar a desembrulhar. Encontro os... Discos primeiro. Do Michael Jackson, edições especiais do nível colecionador.Fico... Surpreso com a qualidade, e como ele encontrou uma coisa dessas por aqui.

Yunhyuk hyung faz sinal pra mim escolher mais alguma coisa e mostrar, e então vamos finalizar, porque se eu for mostrar cada uma das coisas... Pego o que adivinho ser roupas, porque os presentes menores estão enbaixo de qualquer forma, então estes vou esconder pra ver sozinho.

É a jaqueta que achei bonita quando estávamos na van, parados no semáfaro e... Como ele lembra disso? E ainda tem camisetas. Parecidas com as que usamos pra dormir. Ele vive dentro delas, e sinto a... Referência. Sorrio pra ele agradecendo o presente, e falando todas as coisas apropriadas, mesmo querendo dizer mais.  O abraço, querendo dizer alguma coisa no seu ouvido, mas só sai mais um “obrigada”, e espero que ele saiba que eu vou ver cada um deles e agradecer também, finalmente concluindo e encerrando as gravações completamente. Assim que a luz que sinaliza que estamos gravando apaga, eu pulo pra minha caixa de novo, querendo ver o resto. Os meninos continuam entretidos com seus presentes, dando risada e zoando com os apetrechos de espiãs deles, mas eu só quero... Terminar de ver. Jiwon vem até mim, sentando no chão do meu lado.

—Você não precisava... Fazer tudo isso. Só o disco teria sido o suficiente.— Falo pegando sua mão, sem me importar agora se alguém está vendo ou não.

—Eu queria... Te dar uma coisa especial, mas não sabia exatamente o quê, então... Escolhi isso. Não é tão... Grandioso como uma guitarra mas...— Ele diz olhando pros nossos dedos juntos, e o puxo para um abraço.

—É perfeito. É Grandioso pra mim.— Falo o soltando dos meus braços, não porque eu quero, mas porque não estamos... sozinhos. E quando nossos  olhos se conectam, ambos estando perto demais eu percebo que talvez... Talvez Jiwon seja tudo que eu nem sabia precisar, em todos os sentidos certos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Primeiramente o link da conta da Jai aqui pra todas com o famoso interesse ♥ https://spiritfanfics.com/perfil/jaijones
AGORA...ARE EVERYONE OK?

Eu ainda tô chocada pela capa então me falem que vocês amaram o cap (e a capa nova) porque esse POV... Foi difícil. Eu espero que tenha esclarecido muita coisa e desculpa pelo passeio no castelo de osaka não ser narrado. Eu até pensei em fazer mas... Ia ficar grande demais e a gente tá aqui pelo limão, opa junbob. GRITA AI qualquer coisa, me fala sobre o que achou desse POV dele que foi... Esperado e principalmente panfleta NLU agora que tá com a cara convidativa graças a Jai rsrsrsrsrsrsrs ♥ Então é isso... AGORA A BOMBA: NLU tá acabando (tá muito perto pelo menos) então... Já prepara os lencinhos e até o prox ♥

P.S::: As cerejeiras iluminadas pelo arco iris aka onde teve o beijo. O famoso link pra quem quiser ver (https://www.youtube.com/watch?v=aDToHcaEARI) e imaginem o passeio junhwan como preferirem porque aqui é junbob quer junhwan vai pra mayday/LYTD agora é isso ^=.=^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...