História Nunca Durma - SasuHina - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Kurenai Yuuhi, Madara Uchiha, Mei, Obito Uchiha (Tobi), Samui, Sasuke Uchiha
Tags Drama, Escrava, Romance, Sasuhina, Violencia
Visualizações 289
Palavras 1.647
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais uma vez queria agradecer por cada um que favoritou, comentou e também aos leitores fantasmas. Espero que gostem do capítulo. Beijinhos.

Capítulo 9 - VIII - Tentando


Fanfic / Fanfiction Nunca Durma - SasuHina - Capítulo 9 - VIII - Tentando

Madara acordou ainda atordoado pela pancada que recebera em sua cabeça. Aquilo iria fazer-lhe um galo e tanto, mas não se importava com isso. Ele estava tomado por fúria e raiva de seu sobrinho intrometido e de sua bonequinha submissa.

Se levantou do chão e olhou em volta, ela havia o acertado com a gárgula de pedra que ele havia comprado há anos atrás, antes de se mudar para Oto. Vestiu novamente seu roupão branco e saiu do quarto deixando o mesmo vazio sem a sua bonequinha de porcelana, caminhou rapidamente pelo corredor, desceu as escadas e foi até a sala onde estava seu celular.

Ele sabia que Hinata já teria contado tudo para Sasuke, e conhecendo o sobrinho que tinha, ele sabia o que Sasuke estava prestes a fazer, ele sabia exatamente para onde Sasuke estava indo. Mas ele tinha um plano. Discou um número rapidamente.

– Obito, preciso dos seus serviços.

 

 

 

 

Hinata olhava pela janela do táxi enquanto se esforçava ao máximo para se manter acordada. Seus olhos pesavam devido às noites mal dormidas na casa de Madara, sentia-se tão assustada naquele lugar que seu corpo estava em estado de alerta 24 horas por dia. O inverno se aproximava, os pedestres do lado de fora usavam casacos e botas e Hinata sabia que em pouco tempo aquelas ruas estariam cobertas por neve.

– Pode me contar como foi parar na casa do meu tio? – Sasuke perguntou chamando a atenção de Hinata que já estava cochilando com a cabeça encostada no vidro do carro.

Ela desencostou a testa do vidro frio do carro e logo ajeitou sua postura.

– Foi a minha tia. – ela olhou para as próprias mãos. – Ela me deu como pagamento para quitar as dívidas que ela tinha com aquele homem.

– Dívidas? – Sasuke franziu o cenho. – Do que?

– Drogas. – ela respondeu voltando a se encostar no vidro.

Sasuke manteve a expressão confusa no rosto, Hinata logo deduziu que ele não sabia nada sobre Madara. Ele não conhecia Madara de verdade.

– Olha Sasuke-kun. – ela o fitou. – Antes de me mandar para a casa daquele homem, Tia Kurenai me disse que ele era um dos maiores traficantes desse lugar. – voltou a olhar a rua pela janela. – Mas creio que você não sabia disso.

Ele cruzou as mãos apoiando os cotovelos sobre as coxas e o rosto na frente das mãos. Ainda estava tentando processar a informação que recebera. Estava completamente chocado.

Hinata ainda lutava para se manter acordada, estava com sono, mas não queria dormir em um carro, pois certamente logo seria acordada. Não sabia para onde estavam indo, era como se eles estivessem apenas dando um passeio por aquele lugar completamente desconhecido para ela.

– Para onde vamos? – ela perguntou sem tirar os olhos da janela.

– Vamos para a minha casa, vou pegar algumas coisas e então vamos para Konoha. – ele disse colocando as palmas das mãos nas próprias bochechas e esfregando os olhos com as pontas dos dedos. – E então nós vamos até a delegacia de Konoha para denunciar meu tio e sua tia.

– Por que em Konoha?

– Você está em Oto, é uma cidade bem próxima de Konoha. – ele falava enquanto brincava com uma mecha de seu próprio cabelo. – Porém, o policiamento aqui é quase inexistente e por esse motivo este lugar é dominado por drogas e prostituição. – ele jogou a cabeça para trás a encostando no banco – Se quisermos fazer alguma coisa, precisamos ir para Konoha.

Agora ela sabia o porquê daquele lugar ser tão imundo. Ela ainda se lembrava das coisas que viu enquanto estava no carro daquele homem de cicatriz no rosto. Ela ainda se lembrava dos usuários de drogas espalhados pelas ruas, se lembrava do estado daquelas pessoas, se lembrava da quantidade de bordeis e de prostitutas que viu.

Hinata fechou os olhos. Se sentia cansada, deprimida, ainda sentia vontade de morrer. Mesmo que agora ela estivesse a salvo, ainda se sentia destruída por dentro. Tentou se desligar desses pensamentos e logo ela estava cochilando mais uma vez.

– Hinata-chan. – Sasuke a chamou fazendo com que a mesma despertasse novamente, com certeza não notou que a garota cochilava. – Eu sei o que meu tio estava tentando fazer quando entrei naquele quarto, e eu não sei a quanto tempo você esteve presa la, mas me diga... Ele conseguiu fazer alguma coisa com você?

Ela esfregou os olhos que ainda eram pesados e ardiam.

– Uma... – sua voz vacilou. – Uma vez.

Antes que ela pudesse continuar falando, o táxi parou em frente à uma casa tão grande quanto a casa de Madara. Sasuke entregou o dinheiro para o taxista e logo os dois trataram de descer.

– Você mora aqui? – Hinata perguntou olhando para a casa assim que o táxi foi embora.

– Faz alguns anos que me mudei aqui para Oto com os meus pais, mas antes nós moravámos em Konoha.

Eles entraram na casa. A casa era um pouco menor que a casa de Madara, mas mesmo assim era enorme. Desta vez ela não estava com medo, estava tranquila, de alguma forma Sasuke lhe passava uma tranquilidade surreal.

As luzes estavam todas apagadas, o que era normal pois provavelmente já havia passado de meia-noite. Eles caminharam devagar pela sala de estar, subiram as escadas pé por pé, eles não queriam fazer barulho. Assim que chegaram ao final da escada, eles caminharam até o quarto de Sasuke.

O quarto dele era branco com uma parede azul-marinho, certamente deveria ser a cor preferida dele, a cama era de casal, o local possuía duas janelas e uma porta que certamente seria um banheiro. Também tinha uma cômoda e um guarda-roupas.

– Aqui podemos conversar com mais calma antes de sairmos. – ele se sentou na cama fazendo um sinal para que ela se sentasse ao seu lado.

– Não é melhor falar com alguém da sua família? – ela perguntou se sentando ao lado dele.

– Não, antes eu morava em Konoha, mas viemos para cá pois meu pai disse que tinha um grande investimento com tio Madara aqui. – ele respirou fundo. – Tenho medo que meu pai esteja envolvido nisso.

Ele tinha razão, naquele momento eles não poderiam confiar em ninguém, mas ela tinha sorte de ter alguém do seu lado.

– Antes você disse que ele conseguiu fazer algo com você. – ele disse parecendo incomodado em estar falando daquilo com aquela menina que era apenas uma vítima. – Foi só uma vez?

– Bem. – ela olhou para baixo. – Na verdade ele me tocou apenas uma vez, mas eu sofri abuso duas vezes. – soluçou. – Foi... Foi horrível...

– Desculpe-me. – ele a abraçou forte. – Não vou mais tocar nesse assunto.

O abraço dele era quente, seu cheiro era bom. Estar nos braços dele fazia com que ela se esquecesse de tudo que havia passado, a fazia se lembrar de casa, de seu pai, de sua mãe, de Neji.

Neji.

Era isso!

– Sasuke-kun! – ela disse em um tom mais animado enquanto separavam o abraço. – Você tem um telefone?

Sasuke estava confuso, mas pegou o celular do bolso e o entregou para Hinata. Ela rapidamente discou o número do primo, ela sabia que ele poderia fazer alguma coisa.

– Por favor Neji-nii, atende. – sussurrou ao telefone.

Mais de dez minutos esperando ansiosamente por ouvir a voz do primo, mas nada. Ninguém atendeu. Suspirou em frustração.

– Meu primo nunca atende, não vai adiantar. – ela disse abaixando a cabeça e devolvendo o celular para Sasuke.

– Calma, vai ficar tudo bem. – ele tentou dar seu melhor sorriso para ela. – Ainda hoje estaremos em Konoha.

 

 

Depois que eles pegaram algumas roupas e comeram algumas coisas na casa de Sasuke, eles pegaram outro táxi e foram até a única rodoviária de Oto para que pudessem pegar um ônibus para Konoha. A rodoviária fedia devido aos banheiros que certamente nunca foram lavados, haviam usuários de drogas em todos os lugares e até mesmo alguns moradores de rua.

Sasuke estava comprando as passagens enquanto Hinata esperava sentada em uma das cadeiras de lá.

– O próximo ônibus é só daqui a uma hora. – ele disse voltando com as passagens na mão. – Quer comprar um suco?

Ela assentiu, então eles foram até uma pequena lanchonete que ficava próxima à rodoviária. Assim que compraram o Suco, eles decidiram voltar para não perder o ônibus. Estavam caminhando em direção à rodoviária.

– Sasuke. – disse uma voz masculina atrás deles. – O que faz aqui?

– Shisui? – Sasuke disse olhando para trás. – Eu é que pergunto.

Shisui sorriu.

– Estou esperando uma pessoa que chegará em Oto hoje. Alguém que conheci virtualmente.

– Não sabia que você usava redes sociais.

– E quem é essa menina? – Shisui olhou para Hinata. – Namorada nova?

– Não... é só uma amiga da faculdade, estamos resolvendo uns assuntos.

Hinata apenas observava e ouvia enquanto conversa ia e conversa vinha entre os dois. Logo Shisui disse que precisava ir, pois a tal pessoa que ele esperava estava chegando, eles se despediram, mas antes que ele se afastasse, tudo aconteceu muito rápido.

Hinata viu ele tirar uma seringa do bolso do casaco, tudo foi tão rápido que ela nem mesmo teve tempo de gritar, quando conseguiu se mexer, Shisui já havia injetado alguma coisa na veia de Sasuke. Logo Sasuke se desequilibrou e caiu.

– Sasuke-kun! – ela gritou.

– Shisui! O que está fazendo? – ele gritou olhando para o mais velho.

– Isso é para você aprender a não mexer com o que é de Madara-sama. – ele deu as costas. – Mas não se preocupe, essa droga que injetei em você só o fará perder a consciência por algumas horas, nada nocivo.

Hinata se abaixou até Sasuke, ele já estava desacordado. Ela gritava por ajuda sem parar, mas para as pessoas que estavam ali, era como se ela fosse invisível.

Logo aquele homem de cicatriz no rosto apareceu. Hinata tentou o enfrentar, mas ele era forte demais e a última coisa que ela conseguiu ver foi Shisui se afastando com o corpo desmaiado de Sasuke dali, antes que Obito segurasse um pano contra seu nariz e boca fazendo-a desmaiar.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
E não tenham medo de comentar e me dar suas opiniões, todos os comentários são bem-vindos, lidos e respondidos!
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...