História Nutte - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!yoongi, Bts, Sugakook, Sugar Cookies, Top!jeon, Vhope, Yoonkook, Yoonmin
Exibições 609
Palavras 7.701
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


WHANI MANI MANI
OE GENTE BONITA DO MEU CORASSAUM
ALGUÉM LEMBRA DESSA FIC???????????
QUE MV FOI AQUELE, HEIN, MINHA GENTE??? OTP VHOPE E YOONMIN LÁ PRA ACABAREM COM MINHA VIDA
MAS ENFIM
Num to aqui pra falar deles, to aqui pra falar de yoonkook. Demorei sim, peço perdão. MAS NÃO TEM COISA MELHOR QUE FAZER UM COMEBACK JUNTO COM BTS, HEIN HEIN HEIN???????
As notas vão ser longas.
Seriedade aqui. Esse capítulo está exclusivamente dedicado à Cecília. Não faz muito tempo que ela completou anos, e ontem completamos dois anos de amizade e pah. Esse não é teu presente, okay? Considere como uma prévia para o que virá a seguir <3
Enfim, eu ando tão na merda que to tão sei lá. Não sinto nada, e peço desculpas se to te tratando mal, sério. Mas não é todo dia que a gente tá bem, né? Bom, espero que goste do capítulo e espere ansiosa pela sebaek que irei fazer <3
É ISSO GENTE BONITA, VÃO LER ESSA BUDEGA!
~TEM LEMON /sussurra

Capítulo 3 - Adquiri asma depois que te conheci


 

Três

Adquiri asma depois que te conheci

 

 

 

 

Depois daquele episódio que despertou todo o desejo sexual que ambos sentiam um pelo outro, começaram a encontrar-se todos os dias em quartos alheios somente para trocarem uns beijos e desfrutarem de um bom boquete vindo do esverdeado, que agora, mais uma vez, estava entre suas pernas e o chupava como se dependesse de sua vida para aquilo.

Desta vez, estavam no quarto do mais novo, e como desculpa, usavam a falta de inteligência de Jeongguk para com a matéria intitulada inglês, para se encontrarem constantemente trancados em seus quartos — alegavam que queriam ficar em completo silêncio para estudar tal matéria.

Já estavam consideráveis dias com tal ato; aqueles encontros íntimos, com toques para lá de quentes. O desejo quase palpável de irem muito mais além do que uma boa chupada em seu pau vinda do mais velho. Não sabia o porquê, mas o moreno queria tanto poder ver Yoongi vestido em um traje feminino — como o mesmo dissera quando pecaram pela primeira vez. Desde então, o Jeon ficara com aquele desejo quase doentio de vê-lo vestido de maid, com todos aqueles apetrechos. Chegou até a pesquisar tais fantasias na internet, causando uma ereção dolorida entre suas pernas, fazendo-o aliviar-se com sua própria mão, enquanto imaginava certa cavidade bucal abrigando seu membro.

— A-ah, h-hyung... — gemeu baixinho, tombando a cabeça pra trás enquanto massageava aqueles fios que se enroscavam entre seus dedos, fazendo-o puxar vez ou outra, fazendo o outro soltar uns gemidos abafados por estar com a boca ocupada com aquele falo duro.

Estimulou seus testículos, os massageando com uma das mãos, enquanto a outra acariciava o próprio membro. Estava tão excitado, tão necessitado de Jeon Jeongguk. Pensou que poderia gozar ali mesmo ao levantar o olhar e vê-lo perdido entre gemidos, cabelos bagunçados e suor. Aquela sensação gostosa de ter sua boca invadida por todo aquele órgão que mal cabia direito em sua cavidade bucal por ter uma extensão grande, e sua boca, pequena.

Sentiu a glande atingir sua garganta, assim que o outro estocara sua boca de forma rápida e violenta. Fechou os olhos, com algumas lágrimas correndo por sua bochecha corada. Engasgou por breves segundos, para logo em seguida, ouvir o mais novo gemer algo, enquanto despejava todo seu prazer em sua boca.

Engoliu tudo o quê pode, mas alguns resquícios percorreram por seu queixo. Olharam-se e sorriram cúmplices. O moreno puxou-o pela nuca, para em seguida passar a língua por onde seu próprio gozo percorreu, parando no canto dos lábios de Yoongi, chupando-os lentamente e de forma sensual. Viu o outro arrepiar-se e sorriu com aquilo. Em seguida, ambos olharam-se nos olhos. Perguntas passavam a todo instante pela cabeça de ambos, seus olhos diziam coisas que nunca teriam coragem de falar; seus corações palpitavam por estarem tão perto, clamavam por algo mais íntimo, mais... sentimental.

Yoongi sabia. Sabia que seu coração acelerava-se perto do mais novo. Sabia que a culpa do seu nervosismo, da sua tremedeira, do seu coração batendo feito louco, das suas mãos suadas e das suas bochechas ficarem coradas constantemente, era o garoto de olhos castanhos que o fitava agora. Sabia que sentia algo à mais pelo moreno; não era só sexo. No começo, é claro, só sentia atração sexual por aquele corpo definido, mas não tanto. Sentia atração por aquela inocência e quis arrancá-la todo custo. Porém, tinha que admitir, que não pensou que as coisas sairiam dos eixos. Não pensou que se tornaria tão próximo do mais novo. Não pensou que... ia acabar gostando deste.

Já Jeongguk sabia. Ele sabia que tinha namorada, e que todo aquele rolo que estava acontecendo entre eles, era errado. Sabia que estava sendo infiel para com sua namorada, e até mesmo com o próprio Yoongi. Sabia que estava mentindo para si mesmo quando, em noites silenciosas em que parava para pensar no esverdeado, que não estava o usando somente para amenizar a tensão sexual que estava sentindo, já que estava longe de sua namorada. Sabia que estava sentindo algo à mais. Só não sabia que tipo de sentimento era aquele e tinha medo de descobrir.

Mas isso foram sentimentos e pensamentos que ficaram guardados em seus corações medrosos; Não queriam estragar o clima com coisas que consideraram triviais para o momento, não é?

Afastando tais pensamentos, Yoongi sorriu para o mais novo, que correspondeu com a mesma intensidade. Aquele sorriso veio carregado de sentimentos. De carinho. Sentimento este que eles não se atreveram a citar tal nome. Ficaram calados, e somente com um sorriso, transmitiram, sem querer, o que estavam sentindo por ambos no momento.

— Kookie... — sussurrou manhoso, formando um biquinho nos lábios. Não queria tê-lo dito de tal forma, mas Yoongi percebeu que, fazia tais coisas inconsequentemente, perto de Jeongguk.

Este, por sua vez, sorriu sereno, acariciando a nuca do mais velho, que sorriu com o ato e aproveitou o carinho. Eram raras as vezes que isso acontecia, então tinha que aproveitar. Ouviu o outro sussurrar um "O que foi, hyung?", o fazendo abrir os olhos e mirar nas orbes do outro. Sentiu uma breve falta de ar e tentou controlar seu coração que martelava feito louco em seu peito.

Abaixou a cabeça e riu baixo. Estava ficando louco, não é? Não podia gostar dele. Não podia. Sabia que não daria certo, e que sairia machucado. Ele sabia, mas...

— Quero beijo... — pediu baixinho, voltando a olhá-lo nos olhos. Viu-o sorrir bobo e lhe beijar os lábios rapidamente.

— Mas que hyung manhoso. — sussurrou contra seus lábios, mordendo-o levemente, buscando em seguida, seus lábios finos para um beijo mais intenso.

O beijo fora calmo, lento. De forma lenta, de acordo com que o beijo se intensificava aos poucos, o esverdeado fora envolvendo seus braços no pescoço do moreno, não deixando um espaço sequer separando suas bocas. Já o outro, o puxou pela cintura, o querendo mais perto de si, de seu corpo. Queria sentir o coração do outro batendo loucamente junto com o seu, em uma perfeita sincronia.

Sentimentos ocultos, que nem os próprios sabiam da existência, foram trocados durante aquele ósculo que, para os dois meninos ali, fora rápido demais. Queriam desfrutar um pouco mais da boca alheia. Aquele gosto um tanto agridoce, por conta da atividade antes praticada por Yoongi, porém, mesclada com o docinho vindo dos lábios de Jeongguk, que se moldaram tão bem aos seus.

Assim que findaram o beijo, quiseram chorar, pois era muito bom ter aqueles lábios juntos do seu, pensou o mais novo. Já Yoongi sentiu uma dor no peito, ao lembrar-se do status de Jeongguk, o fazendo sorrir um tanto melancólico, enquanto vislumbrava o rosto bonito do seu saeng.

O mais novo, imediatamente, percebeu a mudança de humor do outro. O que o fez preocupar-se com o mais velho, fechando o sorriso, adquirindo um semblante mais sério e preocupado.

— Aconteceu alguma coisa, hyung? — permitiu-se tocar em seu rosto, fazendo um carinho lento em sua bochecha.

Yoongi sorriu com o ato, fazendo Jeongguk sorrir também. Pousou sua mão sobre a do outro, o olhando nos olhos. Ele era tão lindo, por Deus! Todo o seu ser estava à mercê de Jeon Jeongguk, percebeu, por fim. Fez um carinho na mão deste, logo a afastando de seu rosto, se levantando para capturar sua mochila que estava largada no chão daquele quarto.

— Hyung? — estranhou a atitude do outro, ficando preocupado, novamente.

— Lembrei que tenho que ir no mercado para minha mãe. — mentiu, só não queria ter que ficar tão perto do outro. Já não aguentava mais ter que obrigar o seu coração parar de bater loucamente, com medo de que o outro o ouvisse. Yoongi queria respostas, e não conseguiria obtê-las se estivesse tão perto assim do outro.

— Ah, claro. — sorriu um pouco aliviado. 

— Uhum. — sorriu fraco. — A gente se vê na escola — disse, ajeitando a mochila em um de seus ombros. — E estude. 

— Claro, hyung. — riu baixo. — Se cuide. — o olhou já ao pé da porta. Seu sorriso era um tanto triste, percebeu. E o moreno só sentiu uma enorme vontade de abraçar seu hyung e perguntar o que era. Algo dentro de si dizia que Yoongi estava escondendo-lhes algo. Mas se o próprio estava querendo-lhes esconder tal, então, talvez, só talvez, fosse melhor calar-se.

— Você também. Até mais. — acenou tímido e saiu porta afora, muito, muito ansioso para sair daquela casa. 

Desceu as escadas rapidamente, se deparando com a senhora Jeon, que estava prestes a subir as escadas e ir ao quarto do filho, para lhes oferecer um lanche. Agradeceu à senhora e se desculpou por não poder ficar para apreciar de sua culinária. Alegou que estava atrasado, e assim partiu para casa, agradecendo aos Céus quando chegou em seu cantinho particular — seu quarto.

Assim que chegou em sua tão queria oca, largou a mochila em um canto qualquer no chão, rapidamente se acolhendo entre as cobertas de sua cama. Seu coração não parava de bater acelerado, mesmo depois de estar seguro, em casa. Queria espancar-se por isso estar acontecendo.

Não queria admitir, mas talvez as evidências fossem claras o suficiente para declararem, com toda certeza, algo que Yoongi não queria, nem por um milênio, ouvir falar sobre. Tanto que, impediu que seus pensamentos findassem a tal resposta para tal tremedeira e coração acelerado.

Não. Yoongi não queria aquilo. Não queria se machucar, novamente. Não.

 

 

 

 

 

 

 

 

No dia seguinte, não foi pra escola. Alegou que sua sinusite havia inflamado, já que o tempo estava um pouco frio. Mas, na verdade, ele queria era ficar longe de Jeongguk, por hora. Ainda não sabia dizer o quê estava sentindo pelo mais novo e, simplesmente, odiava ficar nervoso perto do garoto.

Qual é! O que estava acontecendo com Min Yoongi? É ele quem deixava as pessoas nervosas com seu jeito pervertido, não o contrario. Ainda mais com o moleque Jeon, quem ele fez corar diversas vezes, o que achou uma gracinha. Mas, agora, era o mais novo que o fazia corar. E pior, ele nem se dava conta disso!

Não sabia se sentia vontade de bater em Jeongguk ou em si mesmo por não conseguir se controlar quando estava perto deste. Argh, raiva era o que sentia. 

Passou o dia trancado em seu quarto, alegando estar com uma dor de cabeça tão braba, que o deixava tonto e sem forças. Tomou o remédio que sua mãe lhe oferecera e passou a manhã assim, largado na cama, fitando o teto enquanto tentava entender o quê se passava em seu coraçãozinho.

Ao cair da tarde, ouviu a campainha de sua casa tocar. Ouviu sua mãe dizer-lhes também, que era Jeongguk à porta, preocupado com o porquê de seu hyung não ter ido para a escola. Ignorou quando seu coração pareceu saltar em seu peito ao ouvir o nome deste, e pediu à sua progenitora que dissesse ao mais novo que estava dormindo.

Assim foi feito.

E um tanto desapontado e tristonho, o moreno seguiu para casa. Seu dia escolar hoje fora tão chato, sem graça, sem cor. Sentiu tanta falta de Yoongi no intervalo, que passou-o em silêncio, pensando no mais velho e no motivo por ter faltado. Pensou que poderia estar doente, mas seu hyung não ficava doente tão fácil assim.

Então, os acontecimentos do dia anterior passaram como flashes em sua cabeça. Será que o motivo da ausência do esverdeado era por algo que tenha acontecido ontem? Pensou e repensou. Deu replay diversas vezes em sua cabeça, o que tinha acontecido no dia anterior, mas nada acusatório havia acontecido. Então, qual seria o motivo?

Mesmo depois de tê-lo tentado visitar e ter voltado para casa, sem sucesso, as imagens ainda eram presentes em sua mente. Um Yoongi de sorriso doce e sincero, transformando-se em um Yoongi de sorriso melancólico, que escondia algo que o agoniava por trás daqueles olhos cansados. Tinha algo que ele estava escondendo, e Jeon estava com medo de perder a amizade ou qualquer tipo de relacionamento que estava tendo com ele.

Suspirou tristonho, revirando-se mais uma vez em sua cama, depois de tomar um banho gelado, na intenção de relaxar. O que fora em vão. Olhou mais uma vez para a o visor do seu celular, tentando se decidir se seria uma boa opção mandar ou não mandar uma mensagem para o mais velho. Estava numa ânsia para falar com o outro. Saber se ele estava bem, mas, principalmente, conversar. Não passava um dia sem falar com o outro e seu coração encontrava-se vazio naquele momento. Vazio porque não teve seu hyung para preenchê-lo com seus sorrisos, beijos e carinhos.

Decidiu, então, enviar uma mensagem ao mais velho perguntando se ele estava bem. Afinal, ele estava doente e queria saber sobre sua saúde, não é? Assim eles poderiam iniciar algum assunto, de como fora as aulas hoje ou sobre a nova temporada de Haikyuu!!, anime que Yoongi tanto gosta, saiu. Isso animou o mais novo. 

Kook: Hyung, como você está?

Enviou a mensagem e logo quis um retorno. Porém, Yoongi não estava online, percebeu. Então, tentou acalmar os sentimentos e esperar calmamente pela resposta.

No quarto vizinho, Yoongi ouviu o celular tocar, um toque completamente diferente dos demais. Sabia exatamente quem era, pois havia personalizado o toque para aquela pessoa. Seu coração gelou, e não soube dizer se queria ou não abrir a mensagem. Travou uma batalha interna, decidindo se iria ou não atender ao chamado, por uns quinze minutos, optando, por fim, em abrir a mensagem.

Se sentiu-se feliz em ver que Jeongguk preocupava-se consigo? Sim. Sorriu feito um idiota, que estava se tornando e escreveu a mensagem, dizendo que sim, que estava bem. Porém, no meio da frase, algo tomou conta de si. Estava cansado daquele joguinho. É isso, Jeon Jeongguk estava só brincando consigo. Afinal, ele tinha namorada. Pra que brincar com os sentimentos alheios de tão cruel forma? 

Pois bem. Se ele quer brincar, que assim seja. Iria aproveitar também. Ia mandar o sentimento que estava sentindo ir por Inferno e iria brincar. Iria fazer justamente tudo o que quis desde o início de tudo. Então, tomado por uma coragem que não sabia ter, apagou a mensagem antiga, escrevendo outra frase no local desta. Enviou e desligou o celular.

Já no quarto do mais novo, depois de esperar agoniado por uma resposta, ao perceber de quem era a mensagem, a abriu com gosto, com um sorriso no rosto. Porém, ao abri-la, tremeu. Não entendeu o quê seu hyung queria com aquilo. Ou talvez soubesse, mas preferiu fingir que não.

HyunGi: Você disse que gosta de meninas, não é?

Se eu me vestir de uma, você brinca de casinha comigo?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Era final de semana, dois dias depois que tiveram aquela breve conversa — poderia chamar aquilo de conversa? — quando Yoongi estava "doente". Depois do ocorrido, a rotina voltou ao normal. Voltaram a encontrar-se todos os dias, às tardes, para trocarem uns beijos e até baterem uma olhando um para o outro. Jeongguk voltou a sorrir e sentir-se feliz, ao ter seu hyung para si. Seu sorriso e seu carinho.

Yoongi encontrava-se em uma batalha interna, querendo não acreditar que estava caindo, novamente, nos encantos daquele moleque. Porém, mesmo tentando sufocar aquele sentimento de todas as formas, lá estava ele, saindo de casa, avisando à mãe que iria passar a noite na casa do mais novo. Havia lhes dito que era para "Uma Noite dos Garotos", e que outros amigos iriam.

Mentira. Uma mentira tão descarada. Somente estava indo passar a noite lá porque sabia que a senhora Jeon não estaria em casa essa noite, e eles poderiam aproveitar. Combinaram, antes disso, que não passariam dos beijos e alguns toques aqui e acolá. Porém, Yoongi é perverso, minha gente, e ele já tinha esquematizado tudo para aquela noite.

Adentrou com cautela no quarto do outro, depois de passar pela porta de entrada — havia encontrado a senhora Jeon assim que estava para tocar a campainha. Ela estava prestes a sair para a tal festa. Senhora festeira essa dona Jeon —, podendo ouvir o barulho do chuveiro ao longe. Estava meio — muito — ansioso, mas não podia deixar aquela tremedeira e o pouco suor que se instalou suas mãos, o atrapalhar. Cadê aquele Min Yoongi decidido?

Deu uns tapinhas nas bochechas, afastando — ou tentando afastar — aquele nervosismo que não soube de onde viera. Largou a mochila num canto do quarto — onde continha uma muda de roupa, já que havia combinado anteriormente com o moreno que dormiria ali — e passou pelo colchão já arrumado no chão, que havia sido preparado para si. Riu baixo, seus planos eram outros, infelizmente o colchão não teria o prazer de ter Min Yoongi dormindo neste.

Só se Jeongguk quisesse foder no chão.

Afastou, mais uma vez, aqueles pensamentos. Ainda tinha que se preparar! E o tempo era curto, banhos não demoram tanto assim.

Tirou rapidamente aquele sobretudo que estava usando somente para esconder o que estava por debaixo do mesmo. Deixou-o deslizar até seus pés, revelando o tecido fino que era o que realmente importava ali. Que tiraria Jeongguk do sério. Riu baixo ao ver seu reflexo no espelho que estava à sua frente. Estava bonito, tinha que admitir. 

Sua pele branquinha fazia um belo contraste com o tecido rosa bebê que revestia seu corpo. Mesmo sendo magrelo, suas coxas eram redondas; que agora eram muito bem realçadas com os babados do vestidinho rosa curto que usava, e as meias sete oitavos brancas que usava: os lacinhos dando um ar mais fofo e angelical para o menino que já tinha carinha de anjo. 

Fez uma pose fofa, colocando o indicador na boca, mordendo a pontinha, enquanto a perna esquerda foi erguida, dobrando os joelhos. Que gracinha, pensou.

Correu rapidamente até sua mochila, retirando de lá um arco com uns babados e o plug anal. Yoongi não sabia onde estava na cabeça quando foi até à um sex shop no centro da cidade para comprar essa fantasia sexual. Nunca em sua vida havia usado um apetrecho daquele, mas, ah, ele queria agradar seu saeng.

Pôs o arco na cabeça e, com certa dificuldade, colocou o plug. De início, incomodou um pouco, mas logo se viu relaxado ao pensar que logo logo outra coisa estaria lá dentro. Muito maior e mais grossa. O branquelo não conteve um gemido que escapou de seus lábios ao imaginar o pau de Jeongguk o fodendo com força.

Teve que se conter em não começar uma masturbação ali mesmo, o melhor estava por vir, é claro. E soube disso assim que o barulho do chuveiro não estava mais presente no ambiente. Em um só movimento, pôs-se de quatro na cama, com sua bunda empinada para a direção da porta do banheiro, em que seu alvo passaria em poucos segundos. Estava ansioso para ver sua reação, que não tardou a acontecer. Em pouco tempo, um Jeon distraído transpassava o portal do banheiro, com uma toalha secando os cabelos negros molhados. 

Ao levantar o olhar, não soube o quê pensar. Ficou estático, duro, sem reação. A única coisa que tinha era a visão de um Yoongi de quatro sobre sua cama, com um tipo de plug dentro de si; a calda branca de um gato, talvez, pendia entre suas pernas; lacinhos presos em um arco pairava em sua cabeleira esverdeada, e em seu corpo, um vestidinho repletos de babados, muito curto, revelando as pernas que Jeon passou a cobiçar. Sentiu uma pontada em seu baixo ventre, abrindo e fechando a boca diversas vezes, sem conseguir formular uma frase, sequer uma palavra.

— O-oppa, Kookie... — disse num tom manhoso, Yoongi, com o maldito plug enfiado em sua cavidade, o fazendo sentir coisas, e inconsequentemente, balançou a bunda.

O moreno não sabia como reagir. Yoongi estava ali, todo entregue à si, uma das coisas que percebeu tanto almejar. Abriu e fechou a boca diversas vezes, ainda tentando formular algo coerente para se falar; mas no fim, somente deixou o ar sair por seus lábios em forma de suspiro. Por Deus, o que era aquilo?!

— Não vai vir cuidar da sua bonequinha, oppa? — soltou novamente, com a voz tão manhosa quanto a primeira vez que falara. Jeongguk ainda o olhava, parado. Cada mínimo detalhe não podia ser perdido por seus olhos.

Observou cada mísero detalhe do outro. Aquela posição pecaminosa contribuindo ainda mais para tirar Jeongguk da sanidade. Yoongi mantinha os olhos pequenos sobre si, um biquinho fofo formava em seus lábios, vez ou outra o mordiscando, enquanto insistia em balançar aquela bunda que o moreno sempre quis ter posse.

A fantasia de maid, que Jeon sempre sonhara em ver no outro, cobria agora, seu corpo magro, cobrindo brevemente suas nádegas branquinhas, deixando a poupa de fora, e é claro, aquele maldito plug com rabo de gato balançando conforme o mais velho se mexia sobre sua cama. Seu pênis ainda flácido, pendendo entre suas pernas. As meias sete oitavos cobrindo boa parte de suas coxas, achou as rendinhas e lacinhos adoráveis. Aliás, Min Yoongi estava todo adorável com aquele traje um tanto perigoso, vamos admitir.

Perigoso porque no mesmo instante que ouviu o outro gemer mais uma vez manhoso, carecendo de atenção, suas mãos formigaram para tocar aquela carne, seu corpo todo entrou em um estupor inimaginável. A fisgada era constante em seu ventre, já sentia seu corpo esquentando e seu pau querendo subir.

Mas ainda havia uma parte de si ainda lúcida. Tinha que ser realista:

Min Yoongi era seu hyung!, e o mais novo o considerava o seu melhor amigo agora, depois que se mudara. E o pior era que Jeongguk era hétero. Tinha uma namorada na outra cidade, que logo iria a encontrar, e era fiel à mesma. Ele não gostava de homens. Não é mesmo?

Mas... então a verdade caiu sobre suas costas, um peso de dez mil bigornas o esmagando sem pudor. Havia um bom tempo em que ele e o mais velho iniciaram algum tipo de amizade colorida. Yoongi praticamente ia quase todos os dias em sua casa, ou vice-versa, somente para trocarem uns beijos desejados e coisas um pouco mais... quentes. Fiel à sua namorada? A quem ele estava enganando?

Com certeza era a si mesmo. Por Deus, era tão estúpido! Não podia negar que desde a primeira vez que sentiu seus lábios em contato com o seu hyung, sentiu algo estranho formigar em seu âmago; o beijo fora um breve selar, mas causara uma tempestade enorme dentro do peito de Jeongguk. E quando pôde sentir sua língua tanto em sua boca quanto em seu pau, teve certeza de que queria sim, queria poder foder Yoongi. E agora ele estava ali, inteiramente pra si.

Mas então por quê ele insistia em pensar que aquilo estava errado?

Estava tão absorto em seus pensamentos que não percebeu quando o outro saiu da cama, vindo até si. Somente deu-se conta quando este estava parado à sua frente, com um bico manhoso em seus lábios.

— Não vai cuidar da sua menininha, Kookie? — soltou da forma mais fofa e manhosa possível, percebendo que estre prendeu sua respiração, ao perceberem que estavam tão perto. Isso fez Yoongi sorrir satisfeito. Daquela vez, quem estava corado ali era Jeongguk, e era isso o quê queria. — Vamos brincar de casinha, hm? Sua garotinha precisa de cuidados especiais. — dito isso, fez questão de esfregar sua bunda contra o pau do moreno, que ainda tinha aquele maldito plug enfiado nela. A sensação foi boa, para ambos. 

Parece que sua tática havia dado certo, pois logo em seguida, sentiu as mãos fortes de Jeongguk apertarem-lhes a cintura, o puxando mais pra si, o obrigando a esfregar-se mais em si. Isso fez Yoongi sorrir, e soltar um gemido logo em seguida, culpa das sensações. Sentiu seu pescoço ser beijado calmamente pelos lábios mornos do outro e sorriu sinceramente feliz naquele momento.

— Minha garotinha quer que seu daddy cuide dela? — sua voz soou rouca e sensual, no ouvido do mais velho, fazendo os pelos de sua nuca arrepiarem-se. Jeongguk gostou do que viu.

Yoongi soltou o ar pela boca, voltando a rebolar lentamente contra o membro do outro, que estava começando a ficar duro.

— U-uhum — disse, mordendo o inferior e lhe lançando um olhar inocente. — O daddy vai cuidar da bonequinha dele, não vai? Eu tô precisando taaaaanto de sua ajuda, daddy. — disse com uma voz fofa, fazendo biquinho.

— Precisa de ajuda, é? — mordeu sua bochecha de leve, fazendo um carinho circular na cintura alheia.

— Sim... — levou uma das mãos até a cabeleira negra do outro, entrelaçando seus dedos nos fios escuros, os puxando levemente. — E-eu preciso que me foda, daddy. Por favor, me fode, com força, daddy. Muita força.

Por Deus!, aquele foi o fim para Jeonggok! 

Ao ouvir aquele pedido, vindo tão manhoso e necessitado, imediatamente, virou o corpo magro para si, podendo, finalmente, tomar aqueles lábios finos e rosinhas para si. De forma violenta, sugou os lábios do outro, num beijo afoito e necessitado, arrancando-lhes alguns gemidos, que eram abafados pelo ósculo que findou-se um tempo depois.

Olharam-se por breves segundos, o tesão, o desejo, emanando de cada mísero pôro de ambos. Sorriram cúmplices, e aquela fora a vez de Yoongi puxar-lhes para um beijo. Da mesma forma que o outro, esse beijo fora animalesco de igual forma. E com puxões de cabelos, mordidas, arranhões em nucas alheias, chegaram à cama.

O moreno estava sobre o esverdeado, aquele beijo intenso que trocavam, enquanto esfregavam suas ereções uma contra a outra. O mais velho gemeu, findando o beijo com uma mordida nada casta nos lábios do Jeon, que já estavam muito vermelhos.

Olharam-se, mais uma vez, e um sorriso sacana surgiu nos lábios de ambos. Jeon aproximou-se do outro, no intuito de tomar seus lábios mais uma vez, porém, fora surpreendido por este, que, inverteu as posições, ficando por cima de si.

Riu baixo e rebolou sobre o membro do mais novo, que gemeu rouco, apertando sua cintura.

— Vamos brincar, hm? O quê eu estava te ensinando esses dias? Inglês, não é? Então, fale em inglês pra mim: "Eu vou te foder, bebê. Vou te deixar louco." — inclinou-se para morder o inferior do outro, rebolando novamente, o fazendo gemer novamente. — Ande, Jeon. Diga! 

Jeongguk olhou para o outro sobre si, e este sorria sacana, enquanto acariciava seu peitoral nu. Suspirou e agarrou sua cintura, a apertando com força.

I will fuck you, baby. I will make you crazy. — ditou, surpreendendo o mais velho.

Ah, mas havia estudado a tal matéria. Pois estudar inglês era sinônimo de Yoongi, já que era com a desculpa de que iria ajudá-lo com tal, que podiam trocarem carinhos um com o outro. Estudou tanto que pôde levar um belo oito e meio, e iria esfregar todo aquele aprendizado na cara de Yoongi. Ah, se ia.

— Oh! Parece que andou estudando. — riu baixo, Yoongi, se inclinando para beijá-lo.

E assim que seus lábios tocaram-se, Jeon voltou a trocar as posições, voltando a ficar por cima. Isso sem desfazer o beijo. Enquanto suas línguas se enroscavam uma na outra, fora tocando o corpo do outro, ainda coberto por aquele maldito minúsculo vestido rosa.

Jeon sentiu vontade de rasgá-lo. Quase o fez.

— Vamos tirar isso, hm? — sussurrou contra seus lábios, olhando nos olhos do outro, que concordou com um aceno positivo com a cabeça.

Sorriu satisfeito, se ajeitando sentado sobre a cama, puxando-o para seu colo. De imediato, agarrou a barra de seu vestidinho, o tirando lentamente. Enquanto o fazia, pôde vislumbrar suas coxas dobradas, cada uma de um lado de seu corpo. Aquelas coxas macias. Fora subindo o olhar, de acordo com que tirava aquela única peça que o outro trajava. Primeiro, percebeu o falo igualmente duro do outro, com a glande inchada e já com resquícios daquele líquido percorrendo-o, roçando em seu abdômen, fazendo o seu amiguinho ainda coberto por seu moletom, latejar.

Em segundo, aquele tronco branquinho, preparado para receber os beijos, chupões e arranhões vindos da parte do Jeon. Teria o prazer de marcar toda aquela pele imaculada, deixando bem claro de quem o daria tamanho prazer. Depois, os seios rosinhas já rijos, esperando um carinho do rapaz. 

Assim que livrou-se completamente das vestes do mais velho, Jeon passou a acariciar livremente seu corpo, causando certos arrepios no mais velho. Começou por sua cintura, a acariciando lentamente. Subiu por seu tronco, até chegar no ponto onde queria. Acariciou e apertou os bicos dos seios deste, tudo feito na mais perfeita lentidão, somente para deixá-lo louco. Yoongi suspirou baixinho, tombando a cabeça para trás, deixando à mercê, a pele de seu pescoço, para Jeongguk.

Este não tardou em beijar o local, arrancando mais suspiros do de cabelos tingidos. Beijou e deixou mordidinhas ali, e como seu hyung era branquinho demais, não fora necessário muitas mordidas para deixá-lo já marcado. Do jeito que queria.

— Ah... D-Daddy... — sussurrou, sentindo todo seu corpo reagir aos toques do mais novo. Ele parecia saber onde e como tocar em si, pois, com meros beijos e com meros toques, já estava indo à loucura. Queria mais.

— Diga, baby. — sua voz sedutora adentrou em seus tímpanos, o fazendo tremer.

Olhou-o. Como estava sentado no colo do mais novo, Yoongi estava um pouco mais alto que este, tento que abaixar o olhar para fitá-lo. Por Deus, viu tantas coisas ali, naquele olhar. O que o fez sorrir sincero, feliz. Jeongguk também gostava de si.

Acariciou os fios morenos com calma, com carinho, como um cafuné. O que recebia tal tratamento fechou os olhos, risonho, recebendo de bom grado. O coração de Yoongi palpitou. Estava tão feliz...

— Deixe-me te tocar também. — sussurrou, descendo sua mão que acariciava sua nuca, por seu pescoço e tronco, chegando no elástico da calça do Jeon, que o fez arfar baixinho, lembrando-se de o quanto duro estava e tocar aquela região sensível, o fazia sentir coisas.

Lentamente, e com a ajuda deste que ergueu o quadril — ainda consigo em seu colo — para abaixar suas calças. O membro de Jeon saltou para fora. Estava realmente muito duro e as veias saltando. Salivou. Queria poder chupá-lo, porém, ele tinha outros planos. Queria novas experiências, e assim o fez. 

Pegou em seu próprio falo, levando-o de encontro com o outro; juntou seu membro ao outro, soltando um gemido manhoso, recebendo o de Jeon também, quando seus membros se roçaram, começando uma masturbação lenta.

Nenhum dos dois ali haviam tido a oportunidade de sentir tal experiência prazerosa. Os falos duros, roçando-se um no outro, enquanto de suas bocas saiam gemidos sôfregos de ambas as partes. Jeongguk olhou para o Min, e por Deus, vê-lo com a cabeça tombada para trás, gemendo daquela forma, o deixou louco. Sentiu até seu coração bater diferente.

Yoongi gemeu alto, ao sentir sua entrada ser estimulada. Abriu os olhos, olhando para o causador daquela ligeira dor. Era Jeon. O próprio fazia movimentos lentos no plug que estava preso em si; movimentos lentos de vai e vem, que no começo fora incômodo, porém, logo o prazer foi tomando conta, devagarinho, até que tomasse completamente o corpo de Yoongi.

Teve vontade de beijar aqueles lábios vermelhinhos, que gemiam seu nome lenta e vagarosamente. Porém, suas bocas estavam longe demais, então, tratou de marcar o corpinho branco de seu hyung. Beijando, chupando e mordendo o local, o fazendo soltar palavras desconexas enquanto rebolava sobre o plug.

— O-Oppa... a-ah... — gemeu mordendo o inferior, sentindo o plug indo num ponto um pouco mais fundo.

— Deixa eu te foder, baby. — pediu, o olhando cheio de prazer. 

O olhou, aqueles olhos que faziam seu coração acelerar. Como queria aquele momento. Como ansiava pelo dia que faria amor com Jeongguk. Mas ele estava ali, pedindo para o foder, não fazer amor. Aquilo o magoou, porém, não podia dar pra trás agora, não é? Ele sabia quais eram as consequências por deixar seu coração ser feito de bobo. Estava arcando com as consequências, apenas. Merecia isso, pensou.

E com um aceno positivo com a cabeça, Yoongi deu a autorização de ser possuído pelo mais novo. Sentiu seu corpo ser deitado com delicadeza até, pelo outro, que beijou todo seu rosto e pescoço. Inconsequentemente, sorriu.

— Eu vou fazer com carinho, hm? Não quero te machucar. — sussurrou, acariciando seu rosto com tamanha delicadeza que não pensou possuir. Vislumbrou aquele rosto coradinho de Yoongi, e aquele sorriso feliz que ele tinha nos lábios. Era aquele sorriso que queria ver em seu rosto. Depositou um beijo curto em seus lábios, tendo seus cabelos afagados por este. 

— Eu trouxe lubrificante... Na mochila. — sussurrou e corou logo em seguida. 

Jeon riu baixo, achando fofo aquela cena.

— Veio preparado, então? — beijou a ponta de seu nariz, indo até a mochila deste que estava jogada ao lado da cama. Abriu o zíper desta, logo encontrando o tubinho do qual Yoongi falara. Voltou a se sentar na cama, entre as pernas do outro, que o olhava um tanto acinoso e receoso. — Não se preocupe, hm? — acariciou uma de suas coxas e recebeu um aceno positivo. — Abra um pouco as pernas.

Como lhe fora pedido, Yoongi abriu um pouco as pernas, observando cada movimento do Jeon. Viu-o abrir o tubo de lubrificante, despejando um pouco em seu dedo indicador e médio. E, com uma calmaria e delicadeza surreal, levou um dos dedos até a entrada rosada do outro, que gemeu baixinho, ao ter algo molhado tocando em sua entrada sensível.

Jeongguk acariciou, fez movimentos circulares, por algum tempo, para então, colocar o primeiro dedo dentro de Yoongi. Como este já havia se acostumado com o plug que há pouco tempo estava dentro de si, aquele dedo não o incomodou. Porém, quando colocou o médio junto com o indicador, sentiu pequenas dores, mas nada que não tivesse passado com os beijinhos que foram depositados em suas coxas por Jeon, enquanto fazia os movimentos com os dedos, o preparando devidamente.

Depois de estar lubrificado, viu o Jeon masturbar-se, para assim, poder penetrar melhor o mais baixo. Ficou por cima deste, não depositando seu peso sobre o corpo magro. Ficaram minutos somente olhando um nos olhos do outro, e Jeongguk jurou ter visto as estrelas no olhar de Yoongi.

Sentiu a glande sendo empurrada para dentro de si, com cuidado, lentamente. Fechou os olhos e mordeu o inferior, tentando afastar o pequeno incômodo que sentiu. Percebendo isto, o moreno acariciou os fios tingidos e o rosto macio do seu hyung.

— Abra os olhos, hyung. Olhe pra mim. Eu vou fazer essa dor passar. — sussurrou.

E, acreditando em suas palavras, abriu os olhos lentamente, deparando-se com um lindo sorriso direcionado à si. Seu coração, mais uma vez, bateu rápido e pesadamente, o deixando extasiado.

Deixou uns gemidos baixinhos saírem de sua boca, conforme ia sendo preenchido por Jeon, sempre mantendo o olhar um no outro. E ver aqueles gemidos saindo por aquela boquinha pequena, sentiu-se tentado a ir mais rápido, mais fundo, porém, queria ser gentil com Yoongi. Ele podia ser todo pervertido, podia ter pedido pra ir com força, porém, sabia que o melhor era aquele feito com carinho.

Assim que seu membro fora abrigado por Yoongi, deixou que este se acostumasse com seu tamanho. Sabia que o plug e até os dedos eram um tipo de preparativo, mas o tamanho real de um pênis era bem maior do que aquilo. Seria o mais paciente possível com seu hyung. Queria o fazer se sentir bem também.

E assim que recebeu com um acenar de cabeça que estava tudo bem, passou a estocá-lo de forma vagarosa, recebendo gemidos roucos e arrastados do outro. E Jeon podia lhes garantir, esses tipos de gemidos eram os melhores.

Segurou nas mãos de Yoongi, entrelaçando seus dedos e os levantando até a altura de sua cabeça. Isso tudo sem deixar de se olharem. Beijou com todo o carinho que sentia pelo o outro, sua testa, seu nariz, suas bochechas, seu queixo, para, por fim, chegar em seus lábios, que pediam por um beijo.

Tomou seus lábios em um beijo que transmitia sentimentos ocultos, que nem ele mesmo sabia que existiam. Estava muito focado em não aceitar tal relacionamento, ou em acreditar que só era carência de sua namorada, que não estava percebendo o que estava se passando consigo. Menino tolo esse Jeon.

E Yoongi deixou-se ser domado e tomado por Jeon. Deixou que este fizesse o quê quisesse consigo. Com o passar do tempo e com o costume de já ter aquilo dentro de si, o moreno fora aumentando os movimentos. Os gemidos altos saíam da boca de ambos, enquanto seus testículos se chocavam nas nádegas do outro, causando um som gostoso e erótico de se ouvir. Aquilo somente os deixaram mais excitados.

Yoongi sentiu-se amado, por fim. Jeongguk havia sido tão carinhoso consigo que, pensou, por um segundo, se poderia ser correspondido.

Tombou a cabeça para trás, contorcendo os dedinhos do pé, com o prazer que estava sentindo, que era tão inimaginável, que não conteve-se em rolar os olhos e gemer alto seu nome, ao sentir ser acertado em seu ponto mais sensível.

Olhou-o cheio de tesão, o puxando pela nuca para um beijo afoito. Abraçou suas costas, o puxando mais para si. Envolveu suas pernas em sua cintura, e consequentemente, fora acertado com força em sua próstata. Gritou por seu nome, arranhando suas costas, de baixo para cima, chegando em sua nuca, para descontar um pouco do prazer que estava sentindo.

Ao ter suas costas arranhadas, sentiu-as arder, que se mesclou com o prazer que lhe era proporcionado. Gemeu o nome de Yoongi, assim que este gemeu o seu, ambos extasiados, loucos, um pelo o outro.

— M-mais... — pediu Yoongi, arranhando o abdômen do moreno, sussurrando meio pausado, por conta das estocadas que o acertavam fundo.

Atendendo ao seu pedido, Jeon segurou em sua cintura e deixou-se liberar. O estocou com rapidez desta vez. Forte e rápido, do jeito que ambos almejavam. Por conta da intensidade com que era estocado, a cama rangeu, balançou; e Yoongi teve que erguer os braços, os apoiando na cabeceira da cama, para evitar que sua cabeça colidisse com esta.

Olhou para o mais novo, o suor escorrendo por seu rosto e corpo, a vermelhidão pelo esforço. Sabia que estava assim também. Sentiu seu interior comprimir-se, esmagando o membro do mais novo. Sabia, também, que estavam para chegar em seu limite.

— Venha para mim, Kookie. — sussurrou, acariciando seu rosto suado, o fazendo o olhar nos olhos. — Você vem pra mim?

Ouvir aquilo o fez rir extasiado de prazer. É claro que ele viria pra Yoongi.

— É claro, baby... — acariciou igualmente seu rosto. — Venha para mim também. — sussurrou contra seus lábios; seus narizes se roçando por conta dos movimentos que faziam.

O garoto somente concordou com a cabeça, aceitando vir pra ele também. Afinal, era isso que queria também.

Tomou o membro de Yoongi, que até então, estava esquecido, em sua mão, o masturbando de forma espetacular, diga-se de passagem. Sentiu as unhas curtas do outro arranhando-lhes a nuca, tamanho era o prazer que estava sentindo naquele momento. Jurou que podia morrer ali mesmo, sendo preenchido daquela forma. Sendo amado. 

Oh, estava tão feliz...

Gemeram em conjunto, assim que chegaram ao estopim. Juraram poder ter tocado os Céus quando chegaram ao orgasmo, juntos. Não havia coisa melhor. Ou talvez sim. O sorriso que Yoongi lhes direcionou assim que tivera seu corpo magro sendo abraçado por si, com certeza foi uma das coisas mais bonitas que Jeongguk já tinha visto na vida.

Ficaram assim, abraçados, depois de terem se limpado devidamente, na cama do Jeon. Trocando carinhos e beijos sinceros. Jeon estava agarrado à cintura de Yoongi, recebendo um cafuné pra lá de gostoso, o deixando sonolento.

— Não está doendo? Eu te machuquei? — perguntou preocupado ao mais velho, o olhando.

Yoongi riu baixo. Era tão bom ser tratado daquela forma por quem você gosta. Mas Jeon havia sido tão carinhoso e atencioso consigo. Claro que sentiu algumas dores, mas foram poucas. E se permitisse dizer, a única coisa que estava sentindo agora era felicidade.

— Não se preocupe. Eu estou bem. — o tranquilizou.

— Mesmo? Eu posso te fazer uma massagem.

— Olha, até que é uma oferta tentadora. — riu baixo, e quando percebeu que o outro estava prestes a fazer-lhes a tal massagem, o pediu para deitar-se novamente. — Não precisa, eu não quero. Quero ficar aqui abraçado com você. — declarou, arrancando um sorriso bobo dos lábios do moreno. Que voltou a se deitar ao seu lado, o abraçando em seguida.

Continuaram assim, um ouvindo a respiração do outro. Até que percebeu que o mais novo havia dormido, permitindo-se olhá-lo enquanto dormia, já que seu sono não chegava. Vislumbrou aquele semblante tão sereno de Jeongguk enquanto este dormia; e, mais uma vez, sentiu seu coração acelerar-se, martelar feito louco em seu peito, o deixando sem ar, novamente.

— Eu acho que adquiri asma depois que te conheci, Kookie. Porque toda vez que te olho, perco a respiração.

 

 

 

Não soube quando conseguiu, finalmente, dormir. Acordou com os raios de sol adentrando pela janela, atingindo-lhes o rosto. Fez uma careta, pois aquilo o incomodava, e ouviu uma risadinha muito bem conhecida. Abriu os olhos e viu Jeongguk ali. Não havia sido um sonho, que bom.

— Tá rindo de quê, palhaço? — perguntou com uma falsa irritação, e logo fora abraçado por este.

Deixou que a alegria o contagiasse também, o agarrando pelo pescoço. Rolaram pela cama, rindo alto. Pararam quando estavam por um triz de cair da mesma, ainda rindo. Risadas essas que foram cessando e o que fora ficando foram os olhares. Encararam-se por incontáveis minutos, até que o moreno, que estava sobre si, lhe acariciou o rosto, lhe arrancando um sorriso, novamente.

— Você é lindo, sabia? — sussurrou, beijando seus lábios rapidamente. — Como não percebi isso antes?

Yoongi riu baixo.

— Porque você é lerdo! — riram brevemente, voltando a se encararam. E novamente, aquele desejo tomou conta de ambos, fazendo-lhes, em um rápido ato, colarem suas bocas em um beijo necessitado, porém, calmo.

Yoongi estava tão feliz que estava ao ponto de explodir. Pensou que nada nem ninguém poderia acabar com a felicidade que tomava conta de toda sua alma. Porém, como naquelas novelas mexicanas que sempre há uma tragédia, com ele não foi diferente. E quem quebrou seu coração fora o mesmo cara que havia lhe proporcionado a felicidade.

Jeon Jeongguk.

Em meio aos beijos que trocavam, a porta do quarto deste fora aberta, revelando uma garota desconhecida para Yoongi, mas muito bem conhecida por Jeongguk.

— Soojin... — sussurrou seu nome de forma assustada, o moreno.

Soojin. Soojin... Logo Yoongi conseguiu juntar os pontos. Soojin, a namorada de Jeongguk.

O sorriso que a garota trazia nos lábios, fora arrancado assim que vira os dois ali. Seu namorado beijando um cara que não conhecia. Seu namorado, completamente nu, beijando outro cara.

Jeongguk ficou inerte por alguns segundos, sem saber o quê fazer. Porém, quando viu Soojin retirando-se, levantou num pulo da cama, vestindo as calças para ir atrás dela.

— Soojin! — terminou de vestir-se de qualquer forma, indo atrás da garota que jurou amar.

— Kook... — sentiu mãos lhe segurarem o pulso.

Olhou para trás, era Yoongi. Seu rosto era uma mistura de confusão e tristeza. Olhou-o com nojo, repulsa, soltando seu pulso de suas mãos.

— Tá vendo o quê você fez? — gritou, tamanha era a raiva que sentia. 

— Kook, eu- — o interrompeu.

— Vá embora daqui, garoto! Me deixa ver se consigo reverter a burrada que você fez. — dito isso, virou-se, correndo dali, indo atrás da tal Soojin.

Ficou parado, paralisado, com o quê havia acabado de acontecer. Estava digerindo tudo, principalmente as palavras ríspidas que foram direcionadas à si, por Jeon. Sinceramente, nunca pensou que seria tratado de tal forma, depois de tudo que haviam compartilhado naquela noite. Estava se sentindo triste, de verdade.

E com lágrimas descendo como uma cachoeira por seus olhos, vestiu-se de forma desajeitada e o mais rápido o possível. Não queria olhar pra cara daquele moleque idiota que havia magoado seu coração. Se o visse, provavelmente socaria seu rosto até ficar inconsciente.

Pegou sua mochila, saindo como um foguete daquela casa que havia passado boa parte daqueles meses. No momento, só queria fugir de lá, ficar o mais longe o possível do que o machucava. Yoongi sabia. Sabia que ele tinha namorada, que talvez não o quisesse da mesma forma que ele o queria. Porém, quando o teve em seus braços e disse-lhes que era lindo, não era nada? Foram só palavras ditas da boca para fora?

Ao sair da casa e seguir para a sua, pôde ver os dois parados na esquina, discutindo. Tentava a todo custo achar as chaves de casa no bolso de sua mochila, mas estava tão nervoso, que não sabia onde a encontrar. Sua mãe provavelmente ainda estaria dormindo, já que estava cedo. Mas não viu outra opção se não de tocar a campainha. 

E os dois que estavam absortos de qualquer coisa que acontecia ao seu redor, perceberam o garoto de cabelos verdes ali. Yoongi, tentou a todo custo, esconder as lágrimas. Não queria ter que pagar de perdedor na frente dos dois. Não mesmo. Tinha seu orgulho.

Porém, o que Jeongguk fez a seguir, fora como uma facada certeira em seu coração. Fora como ter o peito esmagado, o coração arrancado, e a vida, tirada de si.

Jeon pegou na mão da namorada, passando por este, lhes olhando com fúria, nojo, e seguindo para a casa deste. Juntos, de mãos dadas. Yoongi fingiu que não era com ele, é claro. E fingiu também que não vira aquela cena. Mas, mal sabia Jeongguk que, assim que fechou a porta num estrondo absurdo, Yoongi deixou-se desabar. 

Caiu de joelhos, ali mesmo, em frente a porta de sua casa, e chorou. Chorou por tudo; chorou por ele, por Jeongguk, pela namorada dele, por seu pai que estava longe, por seu irmão, que tanto amava que também não estava ali. Chorou por todas as vezes que quis chorar e não o fez. 

Chorou por ter deixado-se se apaixonar por alguém como Jeon Jeongguk. Porque, era isso, havia finalmente admitido para si, com aquela dor que esmagava seu peito. Estava apaixonado por ele, o amava. Mas não era correspondido. Sua vontade agora era de nunca ter inventado de ter ido se meter com aquele garoto, porque agora não estaria sofrendo. A culpa era sua, inteiramente sua.

Jeonguuk havia brincado com seu coração.

E Yoongi não podia estar mais triste.

 

 


Notas Finais


FAZ TANTO TEMPO QUE NÃO ESCREVO UM LEMON, QUE NÃO SEI SE TÁ BOM
ME DIGAM AI VCS
PARABÉNS, CECÍLIA@
Te amo
Adeus~
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHH
O PRÓXIMO CAPÍTULO SERÁ O ÚLTIMO ~~BUÁÁÁÁÁÁAÁ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...