História O acaso - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Personagens Annie Cresta, Finnick Odair, Katniss Everdeen, Mags, Peeta Mellark, Personagens Originais
Tags Drama, Família, Jogos Vorazes, Juntos Pelo Acaso, Romance
Visualizações 111
Palavras 1.626
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 17 - Chapter 17


Fanfic / Fanfiction O acaso - Capítulo 17 - Chapter 17

Annie havia me convidado para ir com ela escolher as peças para seu enxoval de lua de mel, eu não entendia nada disso mais como madrinha dá noiva tinha que ir com ela, nem que fosse só pra olhar pra cara dá mesma e apenas balançar com a cabeça.

E foi isso que acabei fazendo, já havíamos andado o centro de Seattle inteiro e ela não havia gostado de nada, Annie era bastante exigente, nisso eu concordava com ela.

Uma semana se passou desde que saí do escritório, meu pai soube dá minha demissão, e pareceu chateado com isso.

Promete a ele conversar melhor quando fosse vê-los em alguns dias, já estava preparando meu psicológico para ouvir os sermões de minha mãe.

_ seu pai ainda continua chateado?

Perguntou Annie experimentando a décima quarta camisola, ainda não dava pra notar sua barriga, estava com poucas semanas, mais os quadris dela indicavam que tinha algo de errado com seu corpo.

_ ele insiste em dizer que eu devia ter tido mais paciência, não nasce pra engolir baratas.

_ seu pai quer que você seja igual a ele, e você acabou deixando que isso fosse possível.

_ é mais, não sou obrigada a ouvir besteiras de um idiota machista.

_ isso aí amiga, o que achou desse?

_ azul combina com seus olhos, finnick vai amar.

Disse tendo a plena certeza disso. Ela sorriu concordando comigo também pela primeira vez no dia.

_ estamos escolhendo casas, ele achou uma no bairro nobre, os pais dele vai nos ajudar

_ imagino que seja um casarão chique!

_ já consigo imaginar tudo decorado, e nosso bebê correndo pela casa... não vejo a hora.

Os olhinhos de Annie brilhava, ela tinha uma ansiedade difícil de decifrar, nunca a vê tão feliz e animada com alguma coisa de como estava agora.

As vezes ficava surpresa com as coisas que o casamento podia fazer, e agora com essa gravidez tão esperada, me fazia pensar se talvez em algum futuro de minha vida eu iria ter isso.



Mais a resposta era não, pois eu não conseguia manter um relacionamento sequer.

_ vai ser lindo...

Responde voltando a minha realidade. Annie continuo escolhendo as peças resolve me sentar e peguei meu celular abrindo nas redes sociais.

Olhei algumas fotos novas dá minha irmã, e conhece por foto, o carinha que ela estava saindo. Pensei em escrever algo a respeito, mais deixei quieto.



Minha mão estava coçando, querendo ver o perfil de peeta, mais quando decidi por ver acabei descobrindo que ele provou a conta, eu não o seguia ficaria difícil ver alguma coisa dele.

Mais porque eu devia ver? Não tínhamos mais nada, eu tinha que esquecer esse idiota.

Resolve pela minha saúde mental ir ver meus pais mais cedo, me curar amorosamente desse homem que quebrou minha barreira.

Ajudei Annie com as sacolas enquanto entramos no seu minúsculo apartamento. A mesma correu para o banheiro, gravidez era um saco, tudo que comia colocava pra fora. Eu não ia me submeter a isso nunca.

_ pensei que finnick estaria aqui, ele não é sua sombra.

_ ele esta no restaurante com peeta..

Respondeu Annie voltando pra sala com um pano na boca a enxugando, se sentou no outro sofá e suspirou cansada, ela iria dormir estava com uma cara de sono enorme.

_ o que tem lá? Algum evento?

Minha curiosidade sobre qualquer coisa sobre peeta só fazia aumentar, e eu começava a me xingar cada vez mais.

_ porque não pergunta logo por ele, eu sei que é isso que você quer saber.

_ não quero saber dele Annie, da pra parar.

_ você que devia parar de agir como uma criança, peeta apenas agiu por impulso, ele também tinha sentimentos por você, mais você não se decidiu.

_ é mais o impulso dele só mostrou quem ele era de verdade...impossível isso dar certo.

_ eu desisto katniss, você é teimosa demais caramba.

Rir contidamente, pois era bem capaz de Annie me acertar com alguma coisa, do jeito que ela estava, qualquer raiva era o fim. Vai entender isso.

POV-PEETA

Hoje o restaurante estava cheio, o novo prato que inventei estava chamando atenção dos famintos dessa cidade. Ainda bem que finnick veio me dar uma mãozinha, apesar de ele não saber cozinhar, ele sabia servir e agradar a clientela com seu carisma.

Enquanto anotava alguns ingredientes que iria pedir ao rapaz do mercado para trazer, ouvi meu celular tocando, era uma mensagem de glimer.

Ela não largava do meu pé desde a noite na praia, aquela noite ainda estava marcada na minha mente, depois que a raiva passou, e o efeito do álcool também. Fui perceber a burrada que tinha feito.

Fui dominado pela raiva das palavras de katniss, a magoa cresceu em meu coração e por isso fiz sexo com uma garota que não sentia nada, e na frente de katniss. Dando ainda mais razão para ela me odiar, e eu ficar sem defesa depois.



Eu não tinha coragem de chegar ate ela, muito menos pedir desculpas, pois ela também não veio quando disse aquelas besteiras para mim.

O melhor jeito era deixar como estava, eu iria ser obrigado a ver ela sem poder esclarecer o que aconteceu, e sem me desculpar por ter sido um completo idiota.

Olhei a mensagem e responde, glimer queria jantar fora, marquei para depois do serviço, precisava aliviar meus pensamentos, que estavam tão distantes numa certa pessoa que não queria me ver nem pintado de ouro.

Enquanto isso eu sofria calado, por causa de uma vergonha que eu mesmo causei, as mulheres me tinham e me faziam passar por cada uma, quem mandou se apaixonar pela mais difícil de todas.

_ dormindo acordado cara, o restaurante esta cheio hoje, o que você coloca nessa comida?

Finnick chegou com aquele sorriso de cafetão dele, voltei a realidade e encarei meu amigo, que estava igual pinto no lixo, pois Annie o daria um filho, inesperado mais que já estava sendo mais desejado que presente de natal.

Eu fiquei contente quando soube desse novo fato, iria ganhar um afilhado, adorava crianças e elas pareciam ter um imã comigo, pena que em minha família não tinha muitos desses pequeninos, o bebê de finnick seria meu xodó um dia.

Se não fosse pelo fato de katniss também estar envolvida nisso, pois ela seria a madrinha, o restante estava perfeito.

_ nada demais, eles só estão com fome e sabem o lugar certo para encher a panda.

_ você não é nada modesto cara, e ai como anda o lance com glimer?

_ não anda, quero me livrar dela, mais ela grudou igual carrapato.

_ eu te avisei, mais você não me escutou.

É de fato, ele havia dito que sua prima era grudenta, ainda mais quando ela gostava do cara, esse era meu problema. Todas gostavam de mim, eu só queria a que não me queria na vida dela.

_ é eu nunca escuto..

Suspirei rasgando o papel do bloco de notas, e fui ate o rapaz que estava a minha espera. O mesmo levou o papel e o dinheiro saindo em seguida.

Voltei a encara finnick e apertei o pano de prato com força.

_ como ela esta finnick?

_ pensei que a odiasse!

_ você sabe muito bem o que sinto por ela, e ódio não chega nem perto...

_ eu sei peeta... Mais ela já pensa o contrário, Annie disse que ela foi demitida e parece que vai viajar...pra casa dos pais!



Meu coração por um minuto parou, ela ia embora, para longe de mim. Eu poderia conviver com ela me odiando, não me querendo por perto, mais ela estaria aqui, sempre perto para eu poder olhar e ver ela sempre que possível, por este motivo não recusei o pedido para ser padrinho de casamento/e bebê.

Mais agora ela iria embora, meu coração se apertou angustiado com a possibilidade de não vê-la mais.

_ ela vai morar com eles?

_ não sei, katniss é imprevisível....mais acho que Annie não ia deixar ela ir.

_ entendo...é do jeito que Annie é katniss não ficaria longe por muito tempo.

Eu tinha que agradecer Annie qualquer hora dessas, katniss era mesmo imprevisível, e isso me deixava ainda mais temeroso com a possibilidade dela partir para sempre.

Nada mais a ligava aqui, apenas Annie, bom ainda tinha algo que a prendia, as duas tinham uma ligação enorme, suspirei um pouco aliviado.

_ você devia ir falar com ela, pedir desculpas...

_ você acha mesmo que ela vai querer me ouvir!

Finnick riu, pra ele tudo era uma grande piada, não sei como Annie o amava tanto assim.

_ é cara, aceite que a perdeu que vai doer menos, ao menos você tem a glimer.

_ esta de brincadeira não é?

Bufei e finnick saiu rindo, tinha mais algumas mesas para ele atender. Enquanto eu tinha que lidar com meus complexos emocionais e uma cozinha.

No final do dia eu já estava estressado, glimer veio me buscar no final do expediente, seu sorriso e seu jeito de patricinha não era lá meu tipo de garota, mais era o que tínhamos para hoje.

_ aonde vamos hoje docinho?

Ela tinha que me chamar no diminutivo, com certeza fazia parte do jeitinho glimer dela de ser. Ao menos numa coisa ela era boa, a transa com ela sempre era cheio de impossíveis posições. Glimer era bem artista nesse quesito.

Mais nada superava katniss, ela era um furacão, balancei a cabeça para espantar esse pensamento de minha mente, olhei para glimer e sorriso.

_ a noite é uma criança, você quem manda.

_ adoro quando você fala assim docinho.

Suspirei e entrei no carro com ela. Depois dessa eu tinha muito que superar. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...