História O Acordo Perfeito - Nova Versão - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Amanda, Ámbar Benson, Ana, Cato, Delfina, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nico, Nina, Pedro, Personagens Originais, Ramiro, Rey, Ricardo, Sharon, Simón, Tamara, Tino, Yam
Tags Drama, Lutteo, Romance
Visualizações 124
Palavras 1.303
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


EEEEEEEEEEEEEEEEI AMORRREEEEEEEEEEEES <3

Capítulo 2 - Chapter One - Pretend and win


Eu não vou desistir de nós, mesmo que os céus fiquem violentos.

Eu estou te dando todo o meu amor.

Eu ainda estou olhando para cima.

[Jason Mraz - I Won't Give Up]

Matteo sorriu convencido, deu de ombros e passou a olhar as árvores.

- Sabe do que me chamam? – perguntou.

- Rei da Pista.

- Exatamente. Sou o melhor patinador, cantor, compositor entre outras coisas – revirei os olhos – Mas não é do nada que surgiu esse apelido. Depois que comecei a andar com a Âmbar as pessoas começaram a me reconhecer. E como Reis e Rainhas, é óbvio que deveríamos ir juntos ao Baile de Outono, o que eu fiz foi pedir levando um buque de rosas e chocolates suíços se ela me acompanhava, e surpreendentemente, ela negou. – Suspirei, o olhando com dó. – Não me olhe com pena, fiz tudo isso por que é o que sempre fizemos. Até que ela me diz que vai com aquele filha da mãe cujo o nome é Sebastian.

- Eu não entendo onde eu me encaixo nisso.

- Você se encaixa em tudo, Luna. – Fiz uma cara confusa. – Eu ando te observando a dias. Descobri muitas cosa sobre você. Sobre que sua cor favorita é lilás, você tem uma marca de nascença na virilha, odeia basquete, tem alergia a poeira e tem cócegas na barriga.

- Tá, isso ta estranho. Como você sabe que eu tenho uma marca de nascença na virilha?

- Aula de natação – piscou pra mim.

O fato de ele me observar por tantos dias fez eu e sentir estranha. Primeiro porque eu não notei isso, e eu geralmente noto as coisas. Talvez eu seja um pouco distraída. E segundo porque quando o cara mais popular do colégio e do Roller passa dias te notando, é desconfortável, principalmente por ninguém, por mais simples que fosse, fizesse isso.

- E se eu disser que ainda não entendo onde me encaixo nisso?

- Tô quase lá – falou. – Como você sabe, Âmbar negou meu pedido, e as notícias se espalham rapidamente pelo Blake.

- E eu tô aqui, sem fazer papel algum. – Inisti.

- Calma. – Disse Matteo, sem paciência. – Se a notícia se espalhar, eu perco a minha reputação. Isso tá mais que claro. – Então, eu preciso de argumentos para enganar os fatos.

- Precisa do que?

- De você! – ele quase gritou, e eu podia sentir o vermelho em minhas bochechas. – Notei que você tá mal por causa do seu amiguinho, então vi uma forma de nós dois sairmos com benefícios. Eu com minha popularidade, e você com aquele Guitarrista de quinta.

- Ele não é um Guitarrista de quinta – protestei. Trouxa.

- Aquele garoto da prioridade pra primeira que aparece, deixando você de lado, e você defende ele? – perguntou, quase afirmando. Ele estava certo, eu sou muito idiota – De qualquer maneira, você fica com ele, e eu com minha fama.

- Você não explicou o que temos que fazer pra conseguir isso.

- Eu não imaginava que você fosse tão lerda assim. – Riu, mas eu não achei graça alguma. – É simples, fingimos sermos os namoradinhos perfeitos do Blake, vamos juntos ao Baile de Outono, ficamos mais algumas semanas juntos, e pronto. Todos saem ganhando.

- Isso é uma loucura – afirmo. - Eu fingi ser sua namorada lá dentro apenas para me livrar de um micão. Mas isso não quer dizer que eu tenha que fazer isso sempre. Magoar meu amigo não é a minha intenção.

- Nós fingimos ser namorados lá dentro exatamente porque ele estava machucando você. Você me usou como uma barreira pra não se machucar mais. Tá ai toda preocupada se vai magoar o cara, o que tu não percebeu é que ele te magoou faz tempo. E, além disso, o que ele pensaria se de um dia para o outro, você simplesmente deixasse de me namorar?

Ele estava certo. Por mais que eu não queira admitir, a razão era dele.

Simon não se importou em me machucar, mas meu maior medo era fazer isso com ele. Talvez estivesse na hora de ele provar um pouco do próprio veneno.

Matteo poderia ser a minha melhor opção.

- Esse é meu número – me passou em cartão. – Me liga depois de decidir.

Algo me dizia que eu não ligaria tão cedo.

(...)

Eu precisava falar com alguém. Não só precisava, como necessitava.

Minhas opções eram limitadas. Ninguém.

Matteo havia sido bem claro quando me mandou uma mensagem dizendo que ninguém poderia saber do Acordo, caso eu aceitasse.

Encarei o teto do meu quarto esperando uma resposta de mim mesma. As palavras de Matteo ainda ecoavam pela minha mente. Quando é que eu vou conseguir viver sem precisar de ninguém? Nunca. Eu literalmente tive duas amigas e um amigo, que nem deve se lembrar de mim agora. Um pai ausente, uma mãe que me abandonou, e por fim, eu mesma. Eu mesma eu estou aqui no meu quarto pensando em aceitar a ajuda de um garoto que u nem conhecia direito, apenas pra viver.

Eu não cheguei a conhecer minha mãe, mas se ela estivesse aqui, com certeza, diria: “O que o amor fez com você, menina? Que desperdício de tempo, de alma, de vida! Agora mesmo, tantas histórias sendo escritas, e você continua aí, vivendo de lembranças que nem existiram de verdade. Contentando-se com restos e abraçando quem só te vira as costas.”

Não, eu não cheguei a conhecer minha mãe. Mas gosto de fingir que ela nunca me abandonou, e que sempre estava aqui, esse tempo todo.

- Oi pai – falei, ao sentar na sala de jantar.

- Olá – disse sem olhar em meus olhos, como sempre.

Enquanto jantávamos, pensei em várias formas de pedir conselhos amorosos discretamente.

- Papai, o que você acha do amor? – pergunta brega. Muito brega, Brega demais. Mas necessária.

- Uma idiotice. – Disse simplesmente.

- Você não amava minha mãe? - Perguntei indignada. O vi arregalar os olhos e sacudir a cabeça, como sempre faz.

- Claro... Luna, não faça perguntas assim. – Disse antes de se retirar. Eu não deixaria assim, não. Não vou ficar calada como em todas as outras vezes.

- Assim como, sobre minha mãe? – indaguei.

- Ela abandonou você.

- Ela é a minha mãe! E eu tenho certeza que tinha um coração bom! Não teria fugido se você não tivesse dado motivos. – A raiva me invocou.

- Mônica é sua mãe, mas também é uma vadia que fugiu assim que teve você.

- Por que? Me diz.

- Não gosto de falar do passado – disse, saindo sem mais nem menos para o quarto.

- Não é passado, é a minha mãe! – dei um berro, sentindo meu rosto ficar quente.

Eu precisava de conselhos, e inventar uma mãe que nunca existiu em minha vida não era o melhor a fazer.

Simon.

Meu melhor amigo com certeza saberia o que dizer. Subi correndo para o quarto e disquei seu número. Depois de tocar, tocar e tocar, foi atendido.

- Alô? – uma voz feminina surgiu do outro lado da linha. Daniela.

- Simon está ai? – sussurrei, sabendo que se forçasse a voz deixaria transparecer minha mágoa.

- Sim, um minuto – ouvi um “amor” e fechei os olhos.

- O que você quer? – disse Simon, frio.

Eu não precisava dele para piorar a situação, não.

Depois de desligar na cara dele, entrei no contato de Matteo, enviando uma mensagem.

“Aceito seu Acordo. Sem demonstrações de afeto em público

-Luna”

Depois de menos de um minuto, ele volta a acender, indicando uma mensagem.

“Eu já sabia. E sobre as demonstrações de afeto, no escurinho, só eu e você, pode? Hahahah

- Matteo”

Dei graças a Deus por estarmos falando por um telefone, e não cara a cara.

“Estou brincando. Meu chofer passa na sua casa para irmos a escola juntos. Te vejo amanhã.

- Matteo”


Notas Finais


Esse capitulo foi mais par começar o acordo mesmo. Espero que entendam que entre os dois ainda não rolou nada qque os deixe apaixonados, mas isso vai mudar. Luna está magoada com Simon, Matteo com raiva de Âmbar, sem intenções por trás.
22 comentários, faço maratona na sexta <3
Espero ver vocêm em breve <3
Beijos amores <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...