História O Agente - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, D.O, Kai, Kris Wu, Personagens Originais, Sehun
Tags Ação, Agente, Chanyeol, Drama, Exo, Fbi, Jongin, Kadi, Kai, Kaisoo, Kris, Kyungsoo, Lemon, Morte, Revelaçoes, Romance, Segredo, Sehun, Violencia
Visualizações 351
Palavras 2.450
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu não havia planejado postar esse capítulo, mas quando vi que estava tão pertinho dos 400 favoritos, eu resolvi escrever um extra pra comemorar
Bom, chegou em 400 mais rápido do que eu imaginei kkkkkkk atualmente somos 411 e eu só tenho a agradecer imensamente por cada um de vocês
Espero que esse extra surpresa agrade :3
Boa leitura!

Capítulo 18 - Extra - O que é bom pode ficar perfeito


A correria era intensa pelo buffet, tudo deveria ser perfeito. Hyunjae - já com seus 3 anos e meio de idade - brincava com filhos de outros convidados pelo salão onde ocorreria a festa mais tarde. Na suíte, Kyungsoo ajeitava pela enésima vez seu terno prateado, olhando sua imagem no espelho e tentando se convencer de que não estava completamente nervoso, quando ouviu batidinhas na porta.

- Soo, posso entrar? - era Hani.

- Claro - sorriu fraco para seu reflexo no espelho enquanto ouvia a mulher entrar.

- Você está maravilhoso! - se aproximou.

- Eu queria poder ter tanta certeza.

Hani pediu para as duas mulheres que ajudaram Kyungsoo a se aprontar os deixassem a sós. Abraçou o ex-agente de lado e ficou observando o espelho.

- Porque você tem dúvidas?

- Eu não sei - o ruivo suspirou - e se eu não estiver bem o suficiente? E se eu não for o suficiente pra fazer Jongin feliz?

- Soo - Hani o puxou até o sofá branco que havia próximo da janela, onde dava pra ver o jardim onde aconteceria a cerimônia - olha só ele - apontou discretamente pra Jongin que sorria olhando toda a decoração, devidamente arrumado com seu terno preto bem alinhado - vê como ele está feliz?

- Sim, eu sei - Kyungsoo sorriu vendo o - até então - namorado.

- Se ele já está feliz só observando tudo, como você acha que ele vai ficar depois que vocês estiverem casados?

O ruivo ficou em silêncio.

- Eu também fiquei assim no dia do meu casamento - Kyungsoo a encarou surpreso - acredite, achava que minha felicidade com Hunter iria durar só dois meses ou quem sabe até menos que isso, mas olha só - Hani sorriu - estamos muito bem e ainda temos a Hyunjae pra nos dar mais felicidade.

- Eu bem que queria que nosso processo de adoção já tivesse sido aprovado, porque tem que demorar tanto? - perguntou aflito.

- Não se preocupe - Hani segurou as mãos de Kyungsoo - vai dar tudo certo, em breve você e Jongin estarão muito bem casados e com o filho de vocês - sorriu - agora joga essa apreensão longe e vamos ao que interessa, temos um casamento pra realizar - levantou puxando o menor consigo.

- Sim - sorriu - obrigado por tudo Hani.

- Não precisa agradecer, mas sempre que precisar estarei aqui - abraçou Kyungsoo - agora vou atrás da Hyunjae porque aposto que o Hunter está cansado de tanto correr atrás dela - riu - te vejo no altar - saiu do quarto.

Kyungsoo estava sozinho, pensando em tudo que Hani havia dito. Esperava que ela estivesse certa, lembrando que em poucos minutos estaria com uma aliança no dedo depois de ter dito "sim" para o amor que mantinha com Jongin. Nunca se imaginou naquela situação, mas aquele dia havia chegado e o ruivo não poderia estar mais feliz. Ajoelhou-se sobre o sofá, encostando-se na janela e observando o jardim outra vez. Os convidados já estavam nos lugares esperando a cerimônia começar, Hani estava com Hyunjae no colo ao lado de Hunter próximos a uma fonte e no altar estava ele, o dono de seus suspiros, sorrisos, do aperto bom no coração, das borboletas no estômago. Jongin com seus cabelos recém pintados de prata mantinha os dedos entrelaçados na frente do corpo, mexendo os pés ansioso. Kyungsoo o observava distraído, até que Jongin olhou em sua direção e seus olhares se fixaram. O sorriso que brotou nos lábios do mais novo foi tão lindo que Kyungsoo não sabia descrever, a mente parou e seu coração veio parar em sua boca - quase literalmente -, pois sorriu de volta.

Ouviu a moça que lhe ajudou com as roupas lhe chamar na porta, era hora de ir. Kyungsoo acenou pequeno para Jongin e saiu da janela, pegando a rosa vermelha que havia escolhido pra servir de buquê e olhou-se mais uma vez no espelho.

- Vai dar tudo certo, vamos ser muito felizes - sussurrou pra si mesmo ajeitando um último fio de cabelo e saindo da suíte.


°°°


Jongin não poderia dizer que ficou mais tranquilo ao ver Kyungsoo na janela sorrindo pra si, na verdade ficou ainda mais nervoso. Viu o cerimonialista se posicionar no altar e os músicos se concentrarem. Tudo ficou em silêncio até o momento do violino soar a primeira nota. Os convidados levantaram e lá vinha ele, com seu terno prateado e uma rosa nas mãos, caminhando pelo jardim até chegar ao tapete vermelho que o levaria ao altar. Jongin não conteve sua emoção ao ver o menor, levando uma das mãos ao rosto cobrindo sua boca e sentindo os olhos arderem por conta das lágrimas que caíam uma a uma devagar.

Kyungsoo suspirou e começou a caminhar no ritmo da música, calmamente, com o olhar fixo em Jongin e sentindo seus olhos marejarem um pouco também. Deu o primeiro passo em direção ao seu amado, sentindo como se o chão fosse feito de nuvens, pois parecia flutuar. Seu peito apertava, mas era um aperto bom. Sentia as mãos tremerem, mas tentava disfarçar apoiando a rosa contra seu corpo. Já nem sabia mais se estava tendo controle de seus passos, só sentia seu corpo se mover como um metal vai em direção ao imã. Naquele caso, seu imã era Jongin.

Chegar ao altar pareceu durar uma eternidade dentro dos segundos contados, mas quando se deu conta de que já estava à frente de Jongin foi que seu sorriso enfim apareceu. Viu uma mão estendida à sua frente e percebeu ser Hani pedindo para lhe entregar a rosa. Quando virou pra Jongin novamente, o maior já não chorava mais, mas seus olhos brilhavam de uma forma tão intensa que as estrelas invejariam aquele brilho.

- Você está tão lindo, ou melhor, você sempre foi lindo, mas hoje… - Jongin disse baixinho, olhando o ruivo da cabeça aos pés.

- Bobo - Kyungsoo sorriu - mas você também está lindo amor.

Jongin sorriu e estendeu a mão para o menor, que a segurou e juntos aproximaram-se do altar. Foi a mesma coisa de sempre: "Estamos aqui reunidos para celebrar o amor dessas duas pessoas que em breve serão uma só" e afins, o casal estava alheio à toda a cerimônia, mas quando chegou o momento mais importante foi como se tivessem sido acordados pra realidade de repente, pra depois poderem sonhar acordados novamente.

- Kim Seungsoo, você aceita Kim Jongin como seu esposo?

- Aceito - Kyungsoo respondeu de imediato.

- Kim Jongin, você aceita Kim Seungsoo como seu esposo?

- Aceito - Jongin também não tardou em responder.

Era chegada a hora de trocar as alianças. Todos os convidados foram instruídos a ficar de pé e Jongin e Kyungsoo viraram-se para trás, aguardando um dos momentos mais lindos da cerimônia. Hunter ajeitou o vestidinho branco de Hyunjae e a almofada vermelha de veludo em suas mãozinhas. Alguns convidados haviam recebido pétalas de flores para aquele momento, então todos jogaram sobre o tapete vermelho e Hyunjae começou a caminhar. Sobre a almofada que a pequena segurava, estavam as duas alianças que seriam a marca principal do amor do casal que aguardava no altar. Hyunjae parecia apreensiva com tantas pessoas a olhando e alguns flashes de fotos, mas bastou alguns passos para a garotinha perder a timidez e continuar seu caminho calmamente até o altar.

Ao chegar, Hani ajudou a filha a posicionar-se próxima de Jongin e Kyungsoo, erguendo a almofada para que a cerimônia prosseguisse. Jongin foi o primeiro a pegar uma das alianças.

- Kim Seungsoo - segurou a mão esquerda do outro e posicionou a aliança em seu dedo anelar - com esta aliança, prometo te amar e cuidar de você, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na prosperidade e na dificuldade, por todos os dias da minha vida - deslizou a aliança com cuidado - até que a morte nos separe - ergueu a mão e deixou um beijo ali.

Era a vez de Kyungsoo.

- Kim Jongin - posicionou a aliança - com esta aliança, prometo te amar e cuidar de você, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na prosperidade e na dificuldade, por todos os dias da minha vida - pôs a aliança - até que a morte nos separe - sorriu e também beijou a mão de Jongin.

- Bom - o cerimonialista iniciou - pelos poderes a mim destinados, eu vos declaro marido e... marido - sorriu - podem se beijar.

- Estou esperando desde de manhã por esse momento - Jongin comentou baixinho, recebendo um tapinha de Kyungsoo.

Aproximaram-se um do outro, cruzando as mãos e faltando centímetros para encostarem os lábios pela primeira vez depois de casados.

- Eu te amo - Jongin sussurrou.

- Eu também te amo - Kyungsoo sussurrou de volta, então finalmente se beijaram.

Os convidados vibravam batendo palmas e - algumas mulheres - chorando emocionados. Mais ao lado, Hani e Hunter estavam juntos com Hyunjae no colo batendo palmas com um enorme sorriso de poucos dentes. A cerimônia estaria completa se os pais de Kyungsoo e Jongin estivessem ali, mas por conta da orfandade de ambos aquilo não era possível. Jongin por ter perdido os pais na adolescência e Kyungsoo por ter sido deixado em um orfanato quando era bebê, mas nada daquilo atrapalhava a felicidade dos dois. Era uma nova vida, estavam casados e construiriam uma vida juntos, em breve com um filho assim que o processo de adoção fosse enfim aceito.


°°°


Mais tarde naquele dia, a festa seguia animada no salão do buffet, o clima era de pura alegria e realização. Kyungsoo estava sentado na mesa reservada ao casal enquanto via Jongin se esbaldar na pista de dança, nunca havia reparado como ele dançava tão bem. Estava tão perdido em seus pensamentos que nem percebeu o marido se aproximar o puxando pra levantar. Depois de muita insistência, Jongin finalmente conseguiu puxar Kyungsoo pra dançar um pouco, não desgrudando por um segundo do menor lhe dando beijinhos sempre que tinha oportunidade.

Depois dos tradicionais momentos de cortar o bolo e jogar o buquê - a rosa -, a festa continuou prosseguindo e Jongin e Kyungsoo saíram do salão por alguns minutos pra ficar a sós por um tempo. Correram de mãos dadas até a fonte do jardim onde a cerimônia havia acontecido, pareciam até adolescentes apaixonados correndo pela grama acompanhados de risadas. Ficaram de pé próximos à fonte ouvindo o barulho da água caindo e a música da festa ao fundo. Já era noite, o que os cobria não eram mais os raios de sol do fim da tarde, mas o céu estrelado acompanhado de uma bela lua cheia.

- Eu nem acredito que agora somos casados - Jongin riu.

- Eu também não - Kyungsoo riu também - acho que a ficha só vai cair depois da lua de mel.

- Que tal começarmos agora?

- Espere até mais tarde seu pervertido - o menor repreendeu abafando um sorriso.

- Era brincadeira, mas se você mudar de ideia eu topo.

- Bobo - o ruivo acertou outro tapinha no marido.

Jongin puxou Kyungsoo pra um abraço, rodeando seus braços na cintura do menor e encostando a cabeça em seu ombro, fechando os olhos por alguns segundos. Kyungsoo também o abraçava, acariciando os fios prateados do maior e também fechando os olhos. Depois de alguns segundos, afastaram-se minimamente apenas para poderem observar o olhar um do outro. Ambos sentiam tantas coisas ao mesmo tempo que não sabiam descrever, seus sorrisos e os olhares perdidamente apaixonados diziam tudo. Kyungsoo foi o primeiro a desviar o olhar pros lábios alheios, fazendo o marido seguir o mesmo olhar aos seus lábios e aproximarem-se lentamente. A ponta dos narizes de ambos encostaram primeiro, fazendo o casal sorrir e fechar os olhos ao mesmo tempo enquanto davam um beijinho de esquimó.

Faltavam milímetros para beijarem-se novamente quando um toque de celular os interrompeu, era o celular de Jongin. Kyungsoo tentou se afastar por conta do clima interrompido mas o marido permanecia abraçando sua cintura o impedindo de sair.

- Amor, você não vai atender? - Kyungsoo perguntou.

- Deixa pra depois, eu quero aproveitar esse momento com você um pouco.

- Mas e se for algo importante? E se for algo da empresa? Você é o presidente, devem estar precisando lhe informar algo.

- Soo - Jongin disse manhoso.

- Pode atender, eu espero aqui okay - o ruivo deu um beijo na bochecha de Jongin - além do mais, ainda temos a lua de mel pra ficarmos juntos o tempo que quisermos.

- Tudo bem, já volto - o maior roubou um selinho e pegou o celular, atendendo e afastando-se um pouco da fonte.

Kyungsoo sentou-se na beirada da fonte, observando a lua que era refletida na água. Ergueu sua mão sentindo a água gelada tocar seus dedos, sentindo que dali em diante tudo iria ficar ainda melhor do que já estava. Estava tudo calmo até sentir seu corpo ser puxado com certa força por Jongin, que o abraçou forte ao ponto de o erguer e dar diversas voltas no lugar rindo como se tivesse acabado de ganhar na loteria.

- Nini, o que aconteceu? - Kyungsoo o abraçava de volta mas não entendia bem o que Jongin sentia - Jongin, o que houve?!

- Soo! Esse é o dia mais feliz das nossas vidas! - o maior permanecia abraçando Kyungsoo, já deixando de girar.

- Eu sei disso, eu também estou feliz, mas aconteceu alguma coisa? Quem era na ligação?

Jongin soltou Kyungsoo e segurou suas mãos na altura de seu rosto, sorrindo radiante e com os olhos cheios de lágrimas.

- Soo, era nosso advogado.

- Nosso advogado? - o menor ficou surpreso.

O advogado de quem falavam era o que haviam contratado para ajudá-los no processo de adoção.

- O que ele disse? - Kyungsoo perguntou ansioso.

- Ele disse que o processo foi aprovado Soo! Foi aprovado!! - àquela altura Jongin já havia começado a chorar - nós vamos ser pais meu amor!

- Eu não acredito! - o ruivo ficou estático, ainda digerindo o que havia acabado de ouvir, era alegria demais pra um dia só - nós vamos ser pais?!

- Sim amor, finalmente nós vamos ter um filho!

Kyungsoo não sabia o que dizer, apenas puxou Jongin pra um abraço forte e desatou a chorar de tanta emoção.

- Céus, eu te amo tanto Jongin, tanto! - disse entre as lágrimas.

- Eu também te amo Soo, amo muito! - o maior respondeu, voltando a girar o marido no ar.

Jongin era feito de uma felicidade tão grande que chegou a gritar pra qualquer um ouvir que finalmente iria ser pai. Kyungsoo, como sempre sendo mais contido, não chegou a gritar, mas não conseguia parar de sorrir. Quando pensavam que as coisas não poderiam ficar melhores, elas ficaram perfeitas.

Depois de tudo que passaram, toda aquela felicidade reunida era o mínimo que mereciam ter.


Notas Finais


Eu vou editar essas notas finais pra deixar alguns links (postar pelo celular é tão chato ;-;) e prometo de dedinho que essa semana termino de responder todos os comentários
Obrigada por tudo que vocês me proporcionaram durante essa fic, foi maravilhoso escrevê-la e saber que tanta gente gostou
Kissus e até novos projetos KaiSoo s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...