História O Agente e a Modelo - Capítulo 45


Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Drama, Espião, Espionagem, Modelo, Romance, Sally-yagami, Tita, Tommysan, Vanessabr
Visualizações 14
Palavras 1.219
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi meus amores!

Tita trazendo capítulo novo!

Boa leitura e enjoy❣

Capítulo 45 - Espera


Fanfic / Fanfiction O Agente e a Modelo - Capítulo 45 - Espera

Assim que o médico surge na antessala, os Cooper não perdem tempo e se colocam de pé, ao mesmo tempo em que suas atenções se voltam para o médico que, não deixa de notar o olhar de ansiedade daquelas três pessoas.

― Como está a Rachel, doutor? – pergunta Alicia, sem conseguir se conter – Nós já podemos vê-la?

Assim que termina de proferir estas palavras, Alicia sente as mãos de Esteves em seu ombro, como uma forma de contê-la, ou, pelo menos, tentar conter esta ansiedade constante que toma conta de todo o seu ser.

― Ela estava muito ferida e fraca. – responde o médico – Limpamos os ferimentos e a colocamos no soro. Além disso, tivemos de fazer o exame de corpo e de delito e... -  médico para de falar, pois, não sabe se deve continuar a dizer o que precisa ser dito na frente daquela mãe, pois, obviamente, isto será chocante demais para ela.

― E... – Esteves incentiva o homem a continuar.

― Entenda, senhor Cooper, eu... Não sei se este é o local certo para falar. – continua o médico.

― Por favor, doutor, continue. – pede Alicia, sua voz é quase como uma súplica – Nós somos a família da Rachel, temos todo o direito de saber, seja lá o que tenha acontecido com ela.

― Como eu estava dizendo, o exame de corpo e de delito revelou que a senhorita Cooper foi abusada sexualmente, e, pelos vestígios de sêmen encontrados em seu corpo, por mais de um homem.

Como o médico esperava, ele vê os rostos dos Cooper com expressões que vão do choque ao terror, e, vê que a Senhora Cooper começa a chorar.

― Vocês podem vê-la agora. – o médico volta a falar – Mas, já adianto que ela só deve recuperar a consciência amanhã, devido ao seu estado de grande fraqueza.

Sem mais perderem tempo, os Cooper adentram o quarto, seguido pelos médicos e, o que eles veem, simplesmente corta o coração dos três, pois, para eles, a visão de Rachel deitada naquela cama é demasiado triste para eles.

Aproximam-se do leito de Rachel, a fim de que possam vê-la melhor e, isto só faz com que a dor no coração dos três apenas aumente, pois, mesmo que ela já tenha sido cuidada, eles veem claramente os resquícios físicos de tudo o que fora feito com Rachel.

O rosto dela está com alguns curativos e, mortalmente pálido, e, seu rosto, mesmo que adormecido, mostra um grande sofrimento, o que só serve para fazer com que Esteves, Alicia e Richard sintam-se ainda mais desolados.

Alicia aproxima-se gentilmente do leito de Rachel, e, segura a mão de sua filha, que, ela sente, está bem pálida, e, sem mais conseguir se conter, deixa que as lágrimas voltem a cair sobre a sua face, pois, muito embora sua filha esteja salva, depois de dias que foram um verdadeiro inferno e um tormento sem fim, ver sua filha neste estado é simplesmente de cortar o coração.

Seu pobre coração de mãe sofre muito ao ver sua filha neste estado. Seu coração de mãe sofre, e, sabe que só irá melhorar no momento em que ver sua filha com os olhos abertos, e puder conversar com Rachel, não antes disso.

Sente uma mão sendo colocada por sobre o seu ombro e, sabe que é eu marido, mas, não se atreve a olhá-lo, pois, simplesmente não consegue tirar os olhos de Rachel, sua filha tão amada e que, infelizmente, encontra-se em estado tão desolador.

Richard acaba por se juntar aos pais e, a sua voz soa quase como um sussurro ao dizer:

― Ela vai ficar bem, não vai...?

 

 

*****

 

 

Kenrik está no jardim de casa, completamente impaciente, esperando pela chegada de seu pai. Sabe que o homem teria uma reunião com senadores aliados e que, por isso mesmo, chagará mais tarde em casa, mas, está tão enfurecido que não consegue ficar dentro de casa e, por isso mesmo, é que prefere esperar por seu pai no jardim.

Os dois tem muito o que conversar, e, quer saber de seu pai o que pode ter acontecido de errado para que a polícia tenha chegado até Rachel, pois não era para uma coisa assim ter acontecido e, uma falha destas é simplesmente imperdoável!!!

Não vê a hora de seu pai chegar, pois, certamente, ele terá as respostas das quais ele tanto precisa neste momento, a fim de que verdadeiramente possa entender o que aconteceu! E, seja lá qual dos homens tenham contratados por eu pai tenha falhado, ele irá fazer com que eles paguem caro!

Quando descobrir qual daqueles quatro imbecis fora o responsável por levar os policiais até Rachel, fará questão de matá-los pessoalmente, a fim de que eles paguem com a própria vida por sua incompetência. Afinal de contas, graças à incompetência deles a lição de sua namorada fora interrompida.

E, terá um prazer imenso em matá-los, pois, somente assim para que se sinta satisfeito, após a grande falha que aconteceu no dia de hoje, pois, os incompetentes devem ser punidos com a morte.

Não demora muito e, ele vê os portões automáticos da garagem começaram a se abrir, e, no mesmo instante, o nervosismo que sente começa a diminuir, pois, ele sabe que chegou o momento de descobrir o que aconteceu e, mais importante, quem fora o responsável por colocar o grande plano de seu pai a perder.

Não demora muito e, o carro de Lawton adentra a garagem, e, Kenrik não perde tempo em ir a seu encontro.

 

 

*****

 

 

As horas passam e, com elas, a noite se vai, trazendo um novo amanhecer, e, no Hospital Geral de Neotopia, os raios de sol de uma manhã fria de outono iluminam o quarto de Rachel, que, continua a dormir. E, em três cadeiras ao lado da cama estão Esteves, Alicia e Richard, que passaram a noite insone, ali, apenas velando pelo sono de Rachel e esperando que ela acorde. Seus rostos têm expressões ansiosas e cansadas, e, as olheiras em seus olhos são uma prova da noite sem dormir que os três tiveram.

Mas, não se importam com a noite insone, e isso porque só conseguem pensar em Rachel e querem estar ao lado dela no momento em que ela emergir de sua inconsciência, para que ela saiba que todo este maldito pesadelo acabou e que agora ela finalmente está ao lado de sua família, o lugar ao qual ela pertence e do qual nunca deveria ter saído.

Esteves abraça Alicia e Richard, como se, de alguma forma, ele quisesse dar força aos dois, e, mãe e filho sentem-se reconfortados pela atitude do patriarca da família. Os três tentam tirar forças de onde eles não têm, a fim de que possam continuar com esta longa e difícil espera, que, de certa forma, é quase como uma tortura, por simplesmente não saberem como Rachel irá estar no momento em que ela acordar. A única coisa que sabem é que, não irão poder dar nenhum sinal de fraqueza, por menos que seja, precisarão ser fortes, os três, a fim de que venham a ser a força de que Rachel irá precisar.

Continuam ali, olhando para ela, e, se surpreendem ao ver, pouco a pouco, os olhos de Rachel se abrirem, ao mesmo tempo em que uma expressão perdida toma conta de seu rosto.


Notas Finais


CONTINUA...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...