História O Aluno - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Chanbaek, Exo, Lemon, Mpreg
Visualizações 147
Palavras 3.850
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa tarde pessoal! Tenham uma boa leitura.

Capítulo 15 - Capitulo 14


 

POV Baekhyun

 

Saí de casa e Chanyeol estava em seu carro, me esperando.

- Oi namorado. – Sorri abrindo a porta do carro.

- Oi namorado – Ele retribuiu o sorriso.

Deixei meus olhos vagarem por seu copo. Ok, ele estava cômico com aquela roupa de treinador.

- Essa roupa te deixa...

- Estranho? – Ele perguntou torcendo os lábios.

- Eu ia dizer sexy.

- Eu acho mais que o deixa com cara de babaca!

Me assustei quando um garoto colocou a cabeça entre nossos bancos. Eu me lembrava dele...

- Jungkook que parte de “Não abrir a boca para falar merda” você não entendeu? – Meu namorado bufou empurrando o garotinho, fazendo-o cair sentado no banco – Ponha o cinto.

- Nossa! Quanta ingratidão! – Olhei para trás vendo o menino resmungar enquanto prendia o cinto ao redor de sua pequena cintura – Ontem você fez eu te ajudar a escolher uma aliança para esse moço bonito aí, eu te ajudei sem pedir nada em troca, mas agora você fica me maltratando...

- Jungkook... – Chanyeol o chamou, mas o garoto continuou a falar.

- ... Eu não sou um garoto mal, ontem pedi só uma bola no meu sorvete, eu devia ter te sacaneado e pedido um Super-Banana-Split...

- Jungkook...

-... Mas como sou legal não pedi. Ontem ainda fiz o favor de dormir com você na sua cama, e é assim que você me agradece.

Chanyeol me olhou, suplicando ajuda.

Me virei para trás e sorri para o garoto.

- É Jungkook né?

- Sim Jungkook, meu apelido é Kookie, mas você pode me chamar como quiser. – Ele parou de resmungar e me respondeu – Moço você é muito bonito. Quando eu crescer quero ter um namorado igual a você... -  Você tem jeito de ser um safado, se meu namorado também for, eu vou dar uns tapas na bunda dele e chamá-lo de lagartixa.

- Oh meu Deus! – Exclamei horrorizado.  Olhei para Chanyeol, que ria. – É você quem ensina essas coisas para o menino?

- Eu? Não! – Ele se defendeu. – Jungkook, comporte-se. Baekhyun está aqui, para de falar essas coisas na frente dele.

- Mas não to falando na frente dele, to falando daqui de trás.

- É melhor irmos, antes que eu o bote para fora e o faça ir correndo. – Chanyeol ligou o carro e arrancou.

O garoto levou a ameaça a sério e se calou.

- Ele dormiu mesmo na sua casa?

- Sim.

Prendi o riso.

- Resolveu encontrar um amigo de verdade?

Ele sorriu para mim, entendendo minha opinião sobre os garotos da praia.

Olhei para o garoto que desenhava algo imaginário no vidro.

- Ele sabe sobre nós. – Chanyeol sussurrou.

- Será que...

- Não, eu já conversei com ele sobre isso. Jungkook não vai dizer nada para meus pais – Meu namorado colocou a mão na minha coxa.

- É verdade o que ele disse? Sobre o anel.

- Sim, foi ele quem escolheu.

 

POV Chanyeol

 

Abri a porta para Baekhyun sair.

- Obrigado. – Ele agradeceu.

- De nada. – Entrelacei nossos dedos, fechei a porta e o prensei contra a porta colando meus lábios nos dele, mas ele logo me empurrou.

- Chanyeol, tudo bem que estamos namorando, mas seus pais ainda não sabem, então tente se controlar.

- Ok, vem. – Sai puxando-o, mas logo senti falta de algo – Onde está Jungkook? – Virei-me procurando pelo garoto, mas ele não estava ali. Olhei para o carro e o vi acenando lá de dentro. Rolei os olhos – é nessas horas que eu agradeço por não ter irmãos...

- Chanyeol! – Baekhyun me socou e saiu me arrastando em direção ao carro. – Destrave as portas.

Destravei a porta e a abri para o garoto descer.

- Pensei que você tinha se esquecido de mim... – Jungkook pulou para fora jogando sua mochila sobre as costas.

- Qual seu problema garoto? Queria virar churrasco lá dentro? – Dei um tapa na nuca dele e recebi outro de Baekhyun. – Ai...

- Não bata no garoto. – Ele acariciou a nuca de Jungkook enquanto me olhava feio. – Ele não vai te bater lindinho, fique tranqüilo.

Fiz uma nota mental de colocar o garoto para correr ao redor do campo o treino todo.

- Vamos, você tem que se trocar. Vá para o vestiário.

- Ok, treinador!

 

[...]

 

- Certo, venham cá. – Chamei os garotos. Eles formaram um circulo ao redor de mim – Quero que saibam que isso é apenas um jogo, entrem lá e se divirtam, não liguem para o resultado. – Eles assentiram – Vão lá e façam bonito.

- Ok treinador.

Saímos do vestiário e fomos para o campo, assim que coloquei meus pés lá esbarrei em alguém.

- Descul... – Ergui a cabeça travando o maxilar.

- Preste atenção por onde anda idiota.

Era só o que me faltava. O que Choi Jiwon estava fazendo ali?

- O que está fazendo aqui? – Grunhi – Já não basta me perseguir na escola?

- Eu é que pergunto, afinal, esse aqui é o meu território, meu time vai jogar contra um time da cidade.

Prendi o riso.

- Então você é o treinador dos cachorrinhos selvagens? Pudera! – Rolei os olhos e ergui o queixo – Vamos detonar vocês. – Sai dali batendo os pés. Avistei os garotos sentados no banco, próximos a Baekhyun. Fui até eles – Lembrem sobre o que eu disse para fazerem?

- Entrar lá e se divertir! – Jungkook jogou os braços para o ar.

- Sim, mas mudei de idéia, quero que vocês entrem e ganhem. Nada de se divertir, só se for quebrando as pernas deles.

- Chanyeol, eles são apenas crianças, não pode pressioná-los assim. – Meu namorado colocou as mãos na cintura do seu jeito mandão.

- Baekhyun shh! Eu sou o treinador, e time meu nunca vai perder para o time do Choi. Vocês podem fazer isso por mim? É mais do que um jogo pela vitoria, é um jogo pela minha honra.

Baekhyun arqueou as sobrancelhas rindo, sabendo que estávamos mais disputando ele do que o jogo.

- Se o treinador pediu vamos fazer.

- É isso ai cambada, vamos lá, se ganharem vou levar todos para comer pizza na casa do Tio Baekhyun.

Os garotos, eufóricos, formaram uma fila e eu os guiei até a lateral do campo onde encontramos Choi e seu time.

- Só poderia ser seu time... – Jiwon riu cruzando os braços sobre o peito – Só tem crianças. E aquele garoto ali... – Ele apontou para Jungkook – é a mascote do time?

- Não! – Jungkook avançou sobre ele, mas eu o puxei pela gola da camiseta – Sou o atacante.

O time de Jiwon riu, assim como ele. Tudo bem que Jungkook era pequeno, mas o garoto era muito bom em futebol, apesar do seu tamanho.

- Jungkook, porque não mostra a ele como você chuta bem uma bola, ou melhor, duas. – Pisquei para o garoto.

Até eu me assustei com o sorriso mal que ele deu.

- Pode deixar... – Ele pegou distancia e correu até Choi, acertando-o um chute no saco. Jiwon se curvou resmungando, foi à deixa para Jungkook lhe dar um peteleco na orelha – Agora você está com as bolas murchas.

- Viu? – Puxei Jungkook para perto de mim – Esse é nosso batedor de faltas.

Jiwon se levantou nervoso.

- Isso não vai ficar barato. – Ameaçou – Mas vamos resolver isso lá dentro, ganhando de vocês.

- Vocês podem até vencer a partida. – Sorri olhando por cima do ombro, admirando Baekhyun. Depois voltei a encarar Jiwon com meu sorriso maior ainda – Mas o troféu é meu.

 

 

POV Baekhyun

 

- O jogo já começou?

Dei um pulo quando vi meu irmão ao meu lado.

- Inferno, que susto! – Levei a mão ao peito – O que está fazendo aqui?

- Vim ver meu jogador seguir meus passos... – Ele sorriu do seu jeito convencido – Espero que ele tenha aprendido algo comigo.

- E Soo?

- Saiu com Luhan. – Deu de ombros e passou o braço pelo ao redor do meu ombro, guiando-me para a arquibancada. – Como é o nome do time adversário.

- Feras selvagens.

- Porra, porque diabos deram esse nome infeliz a esse time? – Jongin gargalhou sentando em uma das cadeiras.

- Estou preocupado... – Me sentei ao seu lado.

- Por quê?

- Chanyeol está levando esse jogo a serio demais, olhe lá... – Apontei para a lateral do campo, onde Chanyeol e Jiwon se encaravam.

- Há! Esse jogo vai ser melhor do que eu esperava... – Meu irmão quicou – Aposto 10 pratas que vai sair porrada depois.

- Jongin! Esse é o problema. Jiwon me viu com Chanyeol há uns dias atrás, você o conhece, sabe como ele é...

- Chato. Arrogante. Prepotente... – Ele começou a contar nos dedos.

- Nini, eu quis dizer vingativo e competitivo.

- Ah... isso também. – Ele coçou a nuca – Fica tranquilo, Chanyeol não é brigão e já não é mais criança.

Suspirei. Jongin tinha razão.

 

POV Chanyeol

 

Puxei meus próprios cabelos.

Aquilo não estava acontecendo.

Aquilo não podia acontecer!

Nós estávamos empatados com o time de Jiwon, tipo, empatados e restavam poucos minutos para o fim do jogo. Olhei para o lado e alguns metros de mim Choi estava tão frustrado quanto eu.

Voltei minha atenção ao campo, onde dois garotos perseguiam Jungkook. O garoto era ágil e habilidoso, conseguiu cortar a zaga invadindo a área deles. Quando estava prestes a chutar para o gol foi surpreendido por outro garoto que entrava de carrinho nele. Meu pequeno jogador foi atingido e caiu no chão, olhei para o juiz que acenou com a mão, marcando falta e logo depois expulsava o zagueiro de Jiwon.

Jungkook continuava no chão, o a mão no tornozelo.

Soltei minha prancheta no chão e corri até ele.

- Garoto, você está bem? – Me ajoelhei ao seu lado, segurando sua perna. – Onde dói?

- Aqui... – Ele tocou o tornozelo enquanto apertava os olhos com força. – Está doendo, muito.

Abaixei sua meia e retirei sua caneleira. O ponto onde o garoto acertou estava roxo, mas não parecia ser nada grave.

- Consegue se levantar? – Perguntei. Ele assentiu. Estiquei a mão para ele e o ajudei a se erguer. Começamos a andar para sair do campo, mas o garoto estava resmungando. Passei meu braço por detrás de suas pernas e o peguei no colo, como um bebê. Ele riu.

- Quero mamar. – Brincou.

- Vou te dar leitinho.

- Eca! Nojento, vai dar isso para o seu namorado.

Eu o sentei no banco e me afastei rindo. Olhei para a arquibancada, onde Baekhyun estava, ele parecia preocupado, então fiz sinal de que tudo estava bem.

- Vamos por um gelo nisso ai?

- Será que vou ter que amputar minha perna?

Rolei os olhos.

- Garoto, bateu a cabeça quando sofreu a falta?

- Não. – Ele riu e se levantou, pulando em uma perna só – Quem vai bater o pênalti?

- Seria você, mas como está machucado, Yoongi vai fazer isso.

- Se ele errar eu corto o saco dele.

- E eu as bolas.

 

POV Baekhyun

 

Minha sala estava lotada de crianças.

- Ei tio, quero mais refrigerante.

Eu estava pronto para me levantar e servir o garoto, mas Chanyeol segurou meu braço.

- Baekhyun já está fazendo muito em deixar que a gente coma pizza aqui, vocês tem mão, peguem vocês.

- Mas nós somos tímidos. – Jungkook mexeu nos dedos, fingindo-se de tímido.

- Sei...

Deixei os meninos conversando e peguei as embalagens de pizza e as levei para a cozinha deixando-as sobre a mesa e indo organizar minha pia, depois fiquei ali, ouvindo-os rir. Jungkook era o mais exagerado, ele não ria, ele praticamente gritava.

Sorri. Crianças sempre foi minha paixão, quando decidi fazer matemática eu tinha em mente trabalhar no fundamental, mas olha só, vim dar aula para outra criança. Acabei rindo do meu pensamento.

- Serio, eu sabia que você era louco, mas nem tanto... – A voz de Chanyeol soou em um sussurro em meu ouvido enquanto seus braços enlaçavam minha cintura – Rindo sozinho.

- Chanyeol, não sou louco! – Tentei cotovelá-lo, mas ele se esquivou. Ele me apertou contra ele, beijando meu ombro.

- To morrendo de vontade de te agarrar.

- Comporte-se Chanyeol. – Murmurei. Ele me girou meu corpo, deixando-me de frente para ele. Seus olhos varreram minha cozinha enquanto mordia os lábios. – O que foi?

- Eu estava aqui recordando aquele dia, do jogo... – Ele abriu um sorriso perverso e mordeu minha boca – Que você me deu um tapa na cara, aquilo foi... excitante.

- Chanyeol! – Eu tentei empurrá-lo envergonhado, mas ele prendeu meu corpo contra a pia – Pare, as crianças...

- Eles estão lá na sala, eu dei ordem para não virem aqui... – Apertei meus olhos com força sentindo as mãos dele infiltrar-se em minha blusa e tocar minhas costas – Está ficando tarde, vou falar para eles irem embora.

- Chanyeol, não é perigoso?

- Não, os pais deles sabem que estão comigo e que iriam embora sozinhos, e Baekhyun eles moram perto.

- Ok. – Fiquei na ponta dos pés colando nossos lábios – Lembra o que você me prometeu?

- Aham. E o que Chanyeol promete, Chanyeol cumpre. Vou a minha casa buscar algumas coisas e aproveito para levar Jungkook, depois volto.

- Certo, não demore.

Sua boca grudou na minha.

 

POV Chanyeol

 

Depois de deixar Jungkook em sua casa fui para a minha.

Separei a roupa que eu usaria para ir à escola e uma para dormir.

- Querido, não vai dormir em casa hoje? – Minha mãe entrou no quarto.

- Não mãe, vou dormir na casa do... do meu namorado. – Respondi. Minha mãe teve um surto e começou a pular no mesmo lugar, ela estava contente por eu estar tomando jeito. Peguei meu estojo, e quando fui colocar na bolsa percebi que tinha uma caneta estourada. – Droga... – Olhei para minha mão suja. Retirei minha aliança deixando-a sobre minha mochila, peguei a caneta estourada e fui para o banheiro jogando-a no lixo e começando a lavar minhas mãos.

 

POV Narrador

 

Ela sabia que aquilo era errado, mas era tentador demais...

Seus movimentos teriam que ser rápidos. Ela apenas tinha que dar uns passos até a mochila, pegar a aliança e olhar o nome da pessoa causadora por todas aquelas mudanças extraordinárias que estavam acontecendo com o filho.

YangMi ponderou. Era errado.

Mas foi ela quem o pôs no mundo, tinha o direito de saber quem estava usufruindo de seu bebê. Não demorou muito para que a mulher estivesse com a aliança na mão colocando-a contra a luz para ler melhor o nome.

Enquanto uma mãe estava sorrindo com o que lia, longe dali, em um motel, duas pessoas conversavam.

- Não deu certo... – Um deles resmungou. – Apenas perdemos nosso tempo furando o pneu dele.

O rapaz acariciou os cabelos dele rindo.

- Fique tranqüilo, sempre há um plano B. Esse não vai falhar, temos apenas que esperar a oportunidade.

- O que vamos tentar agora?

- Logo você vai saber. - O rapaz respondeu enquanto girava seu corpo para cima do garoto. Ele até era gostosinho, mas falava muito. Ele poderia usufruir daquele corpinho bonito enquanto ele estivesse ajudando-o, depois, seria carta fora do baralho.

 

POV Baekhyun

 

- Você demorou! – Acusei, enquanto era abraçado e forçado a andar para trás, em direção as escadas.

- Tive problemas com minha caneta... – Ele mostrou a mão azul, eu ri.

- Você se sujou... acho que precisa de um banho. – Mordi o queixo dele, subindo os degraus com certa dificuldade, já que eu estava de costas.

- Pode me ajudar professor? Não sei se consigo tomar banho sozinho ainda sou uma criança, preciso de ajuda.

-Oh, sim bebê, eu te ajudo.

Chanyeol me ergueu. Abracei sua cintura com minhas pernas e o beijei. Ele terminou de subir as escadas, abriu a porta do meu quarto e me levou para o banheiro. Desci de seu colo para me despir sobre o olhar atento de Chanyeol.

Ele lambeu os lábios enquanto fazia suspense em abaixar sua boxer preta. Rolei os olhos substitui suas mãos pelas minhas, retirando a sua ultima peça.

- Não sabia que estava com tantas saudades do meu corpinho gostoso...

Liguei o chuveiro.

- Chanyeol, cala a boca. – Gargalhei enquanto o puxava para dentro do boxe comigo.

Ele girou meu corpo e me prensou contra a parede, seus lábios ávidos cobriram os meus com gula. Enrolei meus dedos em seus cabelos enquanto sugava sua língua e com minha outra mão apertava a base de suas costas.

- Delicioso...

Seus lábios deixaram os meus e escorregaram para meu pescoço. Joguei minha cabeça para trás, deixando-o livre para fazer o que quisesse com meu corpo dentro daquele chuveiro.

 

...

 

Deitei minha cabeça em seu ombro enquanto meu corpo relaxava nos braços de Chanyeol. Ele me colocou no chão e segurou meu rosto para beijar minha boca.

- Baekhyun, eu... eu gosto muito de você, de verdade.

- Eu também gosto de você garoto.

Seus braços me puxavam para de baixo do chuveiro. Continuamos abraçados enquanto a água quente caia sobre nós e nossas bocas sugavam uma à outra.

Alguns segundos depois me afastei dele e comecei a tomar banho, assim como ele.

Chanyeol passou shampoo no cabelo enquanto dançava olhando para mim.

Não pude evitar rir.

- Sério gatinho, se você precisar ganhar a vida como dançarino, vai passar fome.

- Mas eu sou gostoso, posso vender meu corpo. – Ele brincou, empurrando-me para  fora  da água e começando a enxaguar os cabelos.

- Chanyeol, eu estava ai primeiro!

- Eu sei delicia, mas não gosto de deixar produtos muito tempo em meu cabelo, sabe, pode quebrá-los.

- Serio, você e Luhan podem dar a mão e sair andando pelo mundo.

- Aham. Agora me diz, seu shampoo é sem sal não é? Não lavo minhas madeixas com xampu com sal.

 

[...]

 

Levei minhas mãos aos seus cabelos, acariciando-os.

- Acho melhor dormimos, amanhã você tem aula.

Ele torceu os lábios e se inclinou, colando nossas bocas mais uma vez.

- Estou sem sono... – Deu de ombros apoiando o cotovelo na cama e descansando a cabeça nas mãos.

- Chanyeol, já pensou em qual carreira quer seguir?

- Bom... – Meu namorado riu – Eu queria ser jogador de futebol, mas você está me fazendo repensar nas coisas, sabe, futebol não da futuro.

- Tem outra coisa que gosta de fazer?

- Transar com você.

- Isso não é uma profissão Chanyeol.

- Mas eu gosto de fazer ora! – Ele se virou de frente para mim sorrindo – Posso ser seu garoto-de-programa-pessoal. Cobro baratinho.

- Hm... tentador, mas não, isso também não da futuro.

- Ainda tenho uns dois meses para pensar nisso... – Murmurou fechando os olhos – Esse papo chato me deu sono.

- Durma namorado.

Ele sorriu de olhos fechados. Virei-me de costas para ele, me aconchegando contra seu peito. Os braços de Chanyeol enlaçaram minha cintura e sua mão foi para o meio das minhas pernas fazendo-me estremecer com o contato. Ele riu.

- Durma bem Baek...

- Você também Chan.

 

[...]

 

Ele estava dormindo tranquilamente com um sorriso angelical nos lábios, a luz da lua que entrava pela minha janela deixava sua pele branca, permitindo que eu o admirasse. Contornei seu rosto com a ponta dos meus dedos.

Já tinha certeza, não havia mais dúvidas... Eu estava apaixonado por Chanyeol, no entanto, era um amor errado... um amor que não era certo existir. Como as pessoas ficariam quando soubessem que eu estava tendo um relacionamento com um garoto de 18 anos... o garoto problemático a quem eu ensinava matemática.

Seus braços se estreitaram ao redor da minha cintura, puxando-me para mais perto do seu corpo. Sua mão escorregou por minhas costas, parando em minha coxa e a puxando para cima do seu tronco, seus lábios roçaram em meu pescoço, fazendo com que um gemido escapasse de mim.

- Eu pensei que estivesse dormindo... – Sussurrei deitando minha cabeça em seu peito.

- Eu estava, mas senti você me acariciando, acabei acordando.

- Desculpe-me...

Ele riu.

O som de sua risada fez meu coração disparar.

Eu estava perdido. Como fui deixar me envolver tanto?!

Foi um erro me envolver com alguém mais novo... Mas a merda já tinha sido jogada contra o ventilador, eu não iria pensar nas consequências, apenas aproveitaria o máximo possível.

 

POV Chanyeol

 

- Então, alguém pode vir e resolver a questão no quadro? – Jiwon sentou-se na ponta de sua mesa e dobrou a manga de sua camisa. Algumas garotas suspiraram. Rolei os olhos – Vou ter que sortear?

Ninguém se ofereceu, então, levantei o braço. O povo me olhou assustado.

- Eu faço.

Jiwon arqueou as sobrancelhas e me lançou um olhar frio.

- Sinta-se a vontade Park, faça a questão, se conseguir claro.

Levantei-me da cadeira e caminhei até o quadro branco. Peguei a caneta e me afastei olhando a conta.

HAHA, fácil! Comecei a fazer explicar para meus colegas.

- .. .Então multiplicamos todos os valores entre parênteses por x. Vai dar 5x² + 17x = 37. Depois é só passar o 37 para o outro lado, invertendo o sinal, e obtemos uma equação de 2º grau: 5x² + 17x - 37. Agora é só fazer Baskara... — Mumurei finalizando a conta no quadro. Olhei para o aluno que se sentava na frente. – Então Suho, está certo?

- Certíssimo.

Sorri orgulhoso de mim mesmo. Todos da sala estavam tão embasbacados quanto Jiwon.

- Parece que resolveu aprender matemática. – Ele ironizou travando o maxilar.

- Oh sim... – Dei um sorriso. – Estou tendo aulas particulares, meu professor é bom, muito bom. – Me aproximei mais dele e movi os lábios para que apenas ele ouvisse – Em todos os sentidos.

Voltei para o meu lugar me sentindo todo poderoso.

- Cara, você está mudado mesmo. – Key tocou meu ombro.

- Pois é. – Dei de ombros – Uma hora a gente tem que mudar.

- Bem que você podia me dar uma forcinha.

- Se precisar é só chamar.

Sério? Eu ensinando?

Minha vida estava de ponta a cabeça mesmo.

A aula passou rápido, assim como todas as outras. Agora eu dirigia para o restaurante onde Baekhyun e eu havíamos combinado de almoçar juntos, ele disse que precisava conversar comigo. Deixei meu carro com o manobrista e adentrei no local. Eu o avistei em uma das mesas do fundo lendo o cardápio.

Fui até ele e me sentei a sua frente.

- Oi. – Sorri.

- Oi – Ele retribuiu ao sorriso.

- O que queria me dizer?

Ele riu enquanto entornava um copo de água.

- Conversamos sobre isso depois que comermos ok?

Fizemos nossos pedidos e começamos a conversar banalidades enquanto comíamos, mas assim que terminamos eu não perdi tempo e perguntei novamente sobre o que ele queria me falar.

- Bom... – Ele mordeu os lábios – Eu... eu vou ter que viajar para o Japão.

- Hmmm... – Abaixei os olhos. – Vai ficar... muito tempo fora?

Baekhyun colocou sua mão sobre a minha.

- Ei gatinho, são só 3 ou 4 dias. Vou aproveitar para ficar um tempinho com meus pais, mas volto logo, tenho que assinar uns papeis de um dos meus apartamentos que estou vendendo.

- Ok. – Apertei sua mão.

- Não precisa ficar todo contente ok? Não vai se livrar de mim tão fácil.

 


Notas Finais


Espero que vocês tenham gostado do capitulo pessoal. Comentem bastante para a deixar essa autora aqui feliz. Bjos e até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...