História O Amigo do Meu Crush - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Comedia, Hoseok, Jikook, Jimin, Jungkook, Lemon, Sexo, Taehyung, Vhope, Yaoi
Visualizações 494
Palavras 2.575
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Opa, opa, voltei <3
O próximo é a apresentação hihihi Mas não sei quando poderei atualizar, infelizmente minhas provas chegaram ;-;

Boa leitura!

Capítulo 14 - Jimin, o provocador que só se dá mal (ou não)


Quando eu voltei para meu quarto, depois do meio demônio sair, Taehyung já estava zoando na cama de outro. Aparentemente Baek havia chegado, e conquistou a amizade dele em apenas algumas palavras como: Acredita que zumbis existam?

What?

Que merda foi que aconteceu nesses dez minutos que eu saí? Taehyung entrou em uma discussão amigável em como o mundo poderia ser invadido por zumbis, e então começar uma loucura como em The Walking Dead. Ele provavelmente seria um personagem principal fodão e o Hoseok seria um Daryl da vida, que faria ele a pessoa mais feliz do mundo. Até eu aceitava um Daryl.

Mas voltando, era uma loucura. Ao invés de ficar comigo, agindo como um ótimo melhor amigo... NÃO. Ele resolveu jogar algum jogo ridículo sobre esses malditos zumbis com meu colega de quarto e me deixou sozinho.

— Taehyung, seu desgraçado, e aquele papinho todo de "você está me trocando por esse baixinho?"

Ele me olhou, analisou, e voltou a conversar animadamente com Baekhyun, enquanto ajudava-o no jogo. Ele me ignorou. Simples assim.

—Taehyung...

Ele nem se virou para me olhar.

— Taehyung!

Nada. Baek chegava a rir de minha tragédia, outro desgraçado viciado em zumbis. Qual o problema com as pessoas hoje? Ah, merda.

— Ô maldito do caralho, ou você me responde agora, ou eu vou ligar pro Yoongi hyung vir aqui para me levar pra sair — Ameacei — E então nada do que seu namoradinho disser vai se realizar de fato.

Ele pareceu ter se tocado, porque virou seu pescoço em minha direção como um boneco endemoniado. A diferença é que ao invés de estar assustado por eu considerar trocá-lo também, ele estava com um sorriso igual ao do coringa.

Bizarro.

— O que foi, seu ridículo? — Perguntei, agarrando minha almofada. Esse sorriso não era normal, não. Credo, alguém possuiu ele?

— Quer dizer que o quê Hoseok disse pode se realizar? — Respondeu, com os olhos cerrados — Jimin, meu caro, não tem mais volta. Essa frase te comprometeu.

Caralho, foi só nisso que ele prestou atenção?

— Quer saber? Volte a me ignorar e fique com o Baek — Resmunguei. Se fosse para tê-lo ali me irritando, que então ficasse me ignorando mesmo. Que amigo mais chatolino.

Eu não mereço escutar isso. Não mesmo.

— O que vai se realizar? — Meu colega de quarto perguntou — E quem é Hoseok?

— Hoseok não é ninguém que você deve conhecer — Olha o ciúmes, está tão amiguinho dele, mas mal sabe que namora um garoto daqui — E então... Jimin vai casar com o Jungkook.

— Você — Apontou para mim, com um riso debochado — Vai casar com aquele ser irritado em 99% do tempo? Conta outra.

— É lógico que eu não vou — Revirei os olhos — Taehyung que é um louco, que inclusive... Está com ciúmes do Hoseok apenas porque você perguntou dele.

Sorri, malvado, para meu amigo.

— Eu não estou com ciúmes, Jimin — Gritou — Eu só não acho que ter mais um rival seja legal.

— Que rival o quê, Tae — Ri — Baek aí tem um namorado, sabia? Aliás, aconselho a sair da cama dele, porque Chanyeol é bem ciumento e está para chegar.

Ele olhou para o colega e pulou para fora da cama rapidinho, se desculpando. Ele teve que pedir espaço na MINHA cama. Parece que o jogo virou, não é mesmo? Ele deu um sorrisinho amarelo antes de me empurrar mais para o lado e agarrar meu braço.

— Quer dizer que o Jimin gosta do Jeon?

Ele não entendeu nada?

— De onde tirou isso?

— Ué, sei lá, vocês sempre estão se atiçando — Deu de ombros — Mas eu pensei que não fosse admitir que gosta dele.

— Eu não admiti — Olhei-o incrédulo — Quando foi o que eu admiti?

— Precisa? Você vive reclamando dele, enche a porra do saco, Jimin. E eu fiquei sabendo de umas coisinhas aí.

Olhei para Taehyung, que desviou o olhar. Ele não fez isso... PUTA MERDA, ESSE FOFOQUEIRO DO CARALHO.

— TAEHYUNG!

— Nossa, Jimin, olha que horas são — Ele olhou para o pulso sem relógio — Está na minha hora, até amanhã, meu querido amigo.

E saiu, batendo a porta.

What x2. Eu tenho a plena certeza que se apaixonar por Hoseok o deixou como um abestado.

Taehyung você não presta.

[...]

No dia seguinte, eu tive que engolir a minha vergonha e entrar na sala de dança que Jungkook havia conseguido. Pelo menos essa não era mal-assombrada e tinha espaço suficiente para eu me manter a uma certa distância segura do meio demônio.

Eu analisei bem a situação, e concordei com Jungkook sobre eles não saberem a coreografia direito. Hoseok até disse ter conseguido dar uma melhorada enquanto Jungkook estava fora me ensinando, e me fez acreditar que estavam ainda mais ferrados antes.

E dois deles em especial pareciam não saber o que fazer direito. Namjoon e Jin, eu gostei deles, mas eu acreditava que nem Hoseok e nem Jungkook tiveram paciência para ensinar-lhes com atenção. Coitados, eu via um enorme potencial neles, só que não haviam sido ensaiados corretamente para que conseguisse acompanhar.

Me foi explicado que o professor deveria ajudar um pouco, mas que ele não estava disposto nos últimos dias, resultando em alguns alunos com mais dificuldades de aprender.

Certo, eu teria que dar um jeito nisso tudo, ou nada mais se resolveria.

— O que vocês dois já sabem da coreografia? — Perguntei.

Eles se entreolharam, coraram um pouco, e sorriram envergonhados. Algo me avisou de que eu teria muito trabalho pela frente. Bom, eu me encarreguei de ajudar esses dois, mas ainda tinha alguns com dificuldade também. Jungkook e Hoseok deveriam cuidar dos outros, porque eu simpatizei mais com esses aqui.

— Nada?

— Ah, nós sabemos a coreografia toda, mas temos dificuldades em realizar os passos.

Aleluia, pelo menos isso eles sabiam. 

Conclusão: Passei a minha tarde toda fazendo com que eles soubessem dançar perfeitamente. Foi muito difícil, já deixo adiantado, mas eu gostei deles. Jin era um piadista que me fazia rir tanto que tinha que tomar água, e Namjoon apenas escondia seu rosto com suas mãos grandes para não passar vergonha.

Meu radarzinho de romance estava apitando algo com eles. Opa, já quero ser padrinho de casamento, hein.

O ruim é que eu simplesmente não conseguia me focar muito bem enquanto Jungkook suspirava pela trigésima vez em apenas dez minutos. Ele era um péssimo professor, e ter raiva dos coleguinhas não ajudava em nada. Os meninos que sobraram fizeram uma careta para ele quando se cansaram de tentar um passo que não conseguiam realizar. Inclusive chegaram a pedir para mudar a coreografia e, é claro, que Jungkook socou a parede atrás deles, fazendo-os se cagarem medo.

Quase choraram quando Jungkook rosnou irritado, por pouco não os pegando pela gola das camisas encharcadas e fedidas do suor. Ele era um demônio mesmo, onde já se viu impor algo com violência.

Mas, como não sou idiota, deixei que eles arcassem com as consequências sozinhos. Eu não ia arriscar meu cu nem em mil anos. Continuei quietinho com Namjoon e Jin e assim passamos o dia todo.

E, sem querer me gabar, eu realmente fiz um bom trabalho. Pelo menos o começo estava começando a ficar a razoável, e eles já sorriam animados quando conseguiam me acompanhar.

— Olha, eu realmente recomendo que treinem mais um pouco quando saírem daqui, temos poucos dias — Estava me despedindo, o ensaio havia acabado — Amanhã a gente tenta de novo, e aí eu ajudo nas partes que ainda não conseguem.

— Muito obrigado, Jimin, você está salvando nossas peles — Namjoon suspirou aliviado — Eu só preciso praticar mais, certo? Moleza.

— Até depois, ChimChim — Jin me abraçou — Espero que tudo dê certo.

ChimChim. Gostei.

Eles saíram, deixando apenas Hoseok e Jungkook comigo. Eita, e agora?

— Jimin, eu não sabia que dançava tão bem assim — Hoseok sorriu, colocando seu braço em meu ombro.

Em um momento mais no passado eu teria surtado, pulado, gritado e agradecido Jungkook. Mas agora eu apenas sentia vontade de sorrir sem graça e agradecer o elogio.

— Eu tento — Dei de ombros.

Jungkook deu um maldito sorrisinho canalha. Como se nossa conversa fosse ridícula ou algo assim. Talvez ele ainda ache que eu crusho o Jung?

Interessante. Interessantíssimo.

— Mas acha mesmo que eu danço bem? — Sorri, piscando os olhos como uma criancinha feliz.

E novamente, Jungkook reagiu. Só que ele apenas revirou os olhos, provavelmente achando que eu não estava vendo nada, mas a parede espelhada é minha amiga e olha só, eu podia ver tudinho.

Podia-se dizer que apenas faltavam chifres maléficos saírem de minha testa.

— Claro, Jiminnie, eu acho que está até no nosso nível — Sorriu, animado.

— Oh, isso é tão bom, Hoseokizinho — Soltei risinhos, eram falsos, mas só eu saberia disso — Eu me sinto contente por saber disso.

Mano, eu vou rir demais se isso continuar assim. O moreno irritado derrubou seu celular no chão com um baque forte, e esmagou a garrafa em sua mão. Imagino se ele não estaria me imaginado ali no lugar do plástico. Talvez agora quisesse me matar.

— Você está estranho, Jimin — Meu ex-crush me analisou. Eu devia estar com um sorriso escroto agora, com as bochechas infladas por estar segurando a risada — Está bem?

— Com você tudo fica bem, Hoseok — Afinei minha voz para uma meio manhosa — Não se preocupe.

— Oh, que bom então, Jimin — Suspirou aliviado, suas mãos pousando em meu rosto — Precisa estar bem até o dia da apresentação, e tomar conta de sua saúde. 

Opa, acho que fiz ele se irritar ainda mais. Ele me olhou intimidador até que chegasse na porta, nos fuzilando, e só parou quando abriu a porta de supetão e a fechou com um estrondo enorme.

Hoseok me soltou e começou a gargalhar. E eu não entendi o porquê. Outro louco da cabeça?

— Ah, Jimin, é tão óbvio o que estava fazendo — Tapou sua boca, ainda rindo.

— O quê?

— Você provocando o Jungkook, é hilário.

Oh, merda. Eu sabia que algo devia estar estranho com ele me tocando demais... Shit!

— Então você percebeu? — Fiz um bico decepcionado — Sem graça.

Ele se abanou, provavelmente com calor por estar rindo tanto. Era um tonto mesmo, merece Taehyung.

— É claro que sim, você não é nada discreto.

— Jungkook se irritou — Argumentei — Ele não achou óbvio.

— Ele é outro lerdo, sabe disso — Pegou uma lufada de ar para recuperar o fôlego perdido — Pelo jeito estão se dando bem agora.

— Bem? Qual a sua definição de bem? — Resmunguei — Ele se irritar com bobeira?

— Acha isso uma bobeira? Jimin você é muito ingênuo.

Ingênuo? Oras bolas, claro que não.

— Bom, vou deixar você ir agora — Abriu a porta. Que gentil da parte dele — Sugiro que vá tentar acalmar o moreninho irritado.

— Certo — Bufei.

Fui para a república o mais rápido possível, estava morrendo de fome. Só de lembrar que eu havia guardado na geladeira, em um pote com meu nome, meus últimos pedaços de chocolates raros feitos por minha mãe, eu já estava salivando. Dona Park sabe fazer os melhores doces, porém, mora a quilômetros de distância e da última vez que fui até ela, eu peguei vários dos chocolates que amava. E, para piorar meu humor, estavam no fim.

Ai de quem ousasse pegá-los.

Por isso abri a porta com minha maior alegria, indo direto para a cozinha. Eu nem queria pensar no que Jungkook ia fazer depois de deixar a sala com fúria, e por isso nada melhor que chocolate para precaver de eu morrer antes de comê-los.

Certo, foi questão de segundos.

No momento em que eu pisei no cômodo com a preciosa geladeira, eu avistei Jungkook de costas no balcão, murmurando alguma melodia desconhecida. Ele estava calmo?

Então, ambos estávamos calmos, até o momento de minha explosão.

Deixe-me explicar, eu vi meu pote com meu nome, VAZIO, ao seu lado.

VAZIO. VAZIOZINHO. SEM NADA DENTRO. LIMPINHO SEM MEUS CHOCOLATES. Vazio

Como assim vazio? E meus chocolates?

Eu deixei minhas chaves barulhentas caírem no chão, anunciando minha chegada. E o DEMÔNIO se virou com um sorriso satisfeito no rosto, e uma bolinha de meu chocolate em sua mão.

— CARALHO, O QUE VOCÊ FEZ? — Petrifiquei no lugar.

— Oh, você chegou? — Ele estava se fazendo de sonso — Eu achei uns chocolates, você quer?

— Jungkook... Você não fez isso...

— Hum, não mesmo, eu acabei de dizer que os encontrei — Riu, irônico — Aliás, eu não se fazer doces.

— Meus chocolates... — Choraminguei — Meus preciosos chocolates. Você vai pagar por isso, ouviu?

Ele arqueou a sobrancelha, como se eu dissesse bobagens.

— Você quer esse último aqui? — Levantou-o — Venha buscar.

Ir buscar?

— O que você quer? — Cerrei meus dentes.

Eu estava PUTO. Ninguém. NINGUÉM. Meche com meus chocolates.

— Eu quero que você venha até aqui buscar seu docinho, quer que eu desenhe?

"QUER QUE EU DESENHE?"

Meu olho tremilicou em raiva. PURO ÓDIO.

— Deus, me dê paciência porque se me der força hoje eu mato alguém — Murmurei.

— Está dizendo alguma coisa, CHIMCHIM? 

Eu nem preciso dizer que pulei em cima dele quem nem uma pantera, certo? Agarrei a barra de sua camisa branca preferida, e a puxei com tudo para baixo, levando seu corpo junto. Eu iria dar uma joelhada nele, e se ele não se esquivasse e me desse um "olé". Ele agarrou meu braço e me girou, me fazendo ficar preso entre seu corpo e seu braço que me segurava. Uma loucura.

— Quer seu docinho ainda? — Zombou, levando seu nariz até minha orelha.

Eu não conseguia ver sua expressão, mas eu estava quase rosnando para ele. Ele me imobilizou por tempo suficiente para que eu me cansasse e parasse de tentar sair e arrebentar a cara dele. Ele manja mesmo das artes marciais?

Sua língua tocou a cartilagem de minha orelha, e instantaneamente um calor subiu pelo meu corpo, me deixando imerso na sensação agoniante que era sentir-me vulnerável novamente aos seus toques. Principalmente onde ele havia tocado, a pele estava em chamas. E ele continuou com isso até que eu resmungasse.

Mano, que calor da porra.

— Abre a boquinha que você ganha o chocolatinho — Sussurrou, mordiscando de leve a cartilagem — Anda!

Ofeguei, quase indo para o chão se não fosse seu braço em volta de mim. Eu nunca havia sentindo tanto calor, pela raiva, pelo momento, tudo parecia querer me derreter.

Era como estar com milhões de casacos no verão, sem qualquer ventinho gostoso.

Eu tombei minha cabeça em seu peito, querendo sair dali. Se eu pudesse, me enfiaria numa banheira de gelo, mesmo que eu morresse hipotérmico depois.

O doce foi levado até a minha boca, mas eu não a abri. Eu não daria esse gostinho de vitória para ele. Ele não afrouxou o aperto, e continuou com sua língua me tocando de um modo sádico como se me forçasse a abrir a boca.

— Posso continuar nisso o tempo que precisar — Ele movimentou seu quadril, esbarrando-o em minha bunda.

Eu devia ter uma arma aqui comigo.

Jungkook desceu para meu pescoço, cheirando-me no caminho. Ele suspirou antes de beijar minha pele, e a sugar com força junto de suas ondulações friccionando nossos corpos. Ele me soltou um pouco para que pudesse levantar minha camisa e atormentar a minha pele. E quando seus dedos acariciaram minha barriga, eu estremeci, jogando minha cintura para trás.

Porra, ele gemeu em meu pescoço quando minhas nádegas empurraram seu membro junto. E por consequência ele arranhou minha cintura com suas unhas curtas, me fazendo arfar. Nesse momento ele enfiou o doce para dentro de minha boca, sorrindo contra a minha pele.

Maldito. Eu só pude mastigar o doce, enquanto ele me soltava.

— Bom garoto. 

Isso tudo apenas porque eu o provoquei?


Notas Finais


E ai? Jimin tem um radar pra romance que só funciona com os outras, pq com ele nada funciona. viu haholepwgçea
Huuuuuuuuum, e esse chocolatinho, hein? Adoro, queria ele pra mim e que JK viesse de brinde também hahha
Como eu já disse, o próximo tem a apresentação, viu?

Comentários? Vou responder todos :3 Adoro ler a reação de todos <3 <3 <3 <3 <3

Bjkas no heart <3 <3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...