História O amor de Jungkook - (imagina Jungkook) | incesto - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Originais
Personagens Jungkook, Personagens Originais
Tags Amor, Bts, Incesto, Jungkook, Romance
Visualizações 102
Palavras 1.603
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Incesto
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, espero que gostem, até qualquer hora, bjus.

Capítulo 17 - Sangramento


Fanfic / Fanfiction O amor de Jungkook - (imagina Jungkook) | incesto - Capítulo 17 - Sangramento

Arco Dois - Quando Tudo começa a ficar sério demais.

"Corram!" 

"Vocês não devem ficar aqui!"

"Garotas o fogo!"

"Cuidado!"

É essa parte do sonho que eu sempre odeio, a parte em que eu estou correndo, tentado salvar minha própria vida. Eu odeio a parte em que o  teto desaba, odeio a parte em que sengue espirra em meu rosto e mancha completamente minha camisola branca, mas o que eu mais odeio é quando eu começo a sentir o calor e o ar começa a me faltar, enquanto eu tento de alguma forma achar alguma escapatória no meio daquele fogo todo, ate que finalmente, de tanto o ar me faltar, eu acabo percebendo que tudo fica escuro de repente e tudo que consigo escutar é alguém me chamando pelo nome. 

"Emmy!"

Eu venho tendo esse senho a muito tempo, muito tempo antes de eu vir morar com minha família, as vezes o sonho varia para somente um jardim florido e a imagem do internato nos estados unidos. Mas o sonho mais doce que eu poderia ter, como este, acaba se transformando em um jardim sangrento. Eu não sei o porque, eu só não consigo me lembrar de nada, nada antes de eu ter acordado naquele hospital somente sabendo falar meu nome. Eu tive que estudar, não matérias da escola, mas sim sobre a minha própria família, demorou um mês para que eu me recuperasse e mais um mês para que eu voltasse para casa, eu já tinha decorado rostos e nomes, já sabia que não seria fácil, mas com todo esse tempo, esse, acho eu, um mês que Jungkook esteve me cuidando, eu pude perceber e aprender muita coisa.

Enquanto ele limpava as coisas da casa eu ficava mechando em seu tablet, eu achei legal ele ter me emprestado, ele sempre é tão sério comigo, sempre tão bravo e severo, mas sempre acaba me cuidando, de qualquer forma, com aquele tablet eu pude aprender um pouco mais sobre o mundo, primeiro começou com curiosidades sobre as noticias, mas depois mudei para casos mais sérios como politica e assassinatos, economia e roubos, entre outros diversos assuntos, o mundo não era como eu pensei que fosse, tem palavras como "estupro" que eu não ousei procurar o significado, elas estavam manchadas de vermelho, sempre falavam tão mal que eu simplesmente coloquei no saco de coisas ruins.

Eu estava com medo de sair porta fora e estava com trauma de dormir, mas depois de pedir para Jungkook dormir comigo não senti mais medo e meu sonho foi um simples branco, sem jardins e internatos, ou algum quarto pegando fogo, foi simplesmente o nada ao qual eu tanto, sem saber, almejava. Ao seu lado por poucos minutos, quando ele me pegava no colo, eu conseguia sentir todo aquele medo se esvair de mim. Ele era meu irmão e eu acho que é por isso que eu me sinto tão segura ao seu lado, mas as vezes um pensamento não muito fraternal me vem a mente, de que eu esteja assim porque ele me beijou, as pessoas não beijam umas as outras na boca, não do jeito que ele me beijou, com intensidade e sentimentos que eu não consigo identificar.

Toda vez que ele me toca, por mais que seja bom, eu sempre acabou me sentindo suja, suja por estar nos seus braços, ao lado dele e isso me da vontade de chorar, porque eu sei que é errado, sei que não posso fazer o que alguns pensamentos me mandão fazer, que é sentar ao lado de Jungkook e abraça-lo por horas. Eu sou errada por sentir isso? O que isso significa? Eu queria entender mais meus pensamentos, mas eu estou completamente perdida e confusa. Até mesmo parei de chamar ele por nosso sobrenome, no início eu sempre o fazia como uma questão de lembrar que eu pertencia a aquela família, a aquele lugar, pois eu desacostumei a usar meu próprio sobrenome, as vezes era chamada por ele, mas nem se quer me tocava de que estavam falando comigo, Jungkook acabou sendo um ponto para que eu me lembrasse de tudo isso com mais facilidade, mas depois do que aconteceu naquele quarto e o tornozelo, eu comecei a pensar em parar de fazer ele ser meu ponto e começar a me lembrar e a lembra-lo de que ele era meu irmão mais velho do qual eu não via a tempos, tanto que nem mesmo me lembrava de seu rosto e fui pega de surpresa por ele quando o vi pela primeira vez depois de tempos, apesar de já ter visto fotos dele antes de conhece-lo, eu não pensei que ele fosse me surpreender pessoalmente, aquilo foi estranho, todo aquele frio na barriga e o meu corpo se arrepiando e começando a esquentar gradualmente, eu podia sentir algo em mim que nunca havia sentido antes, nunca mesmo e então ele vem e faz aquilo comigo no banheiro, então todo meu corpo reagiu por um breve momento antes do choro começar a vir e eu ter que implorar para ele parar, tudo aquilo estava sendo difícil para mim, acho que até hoje, de alguma forma, continua sendo. É estranho eu estar me sentindo assim? É estranho o meu corpo corresponder tão rapidamente e naturalmente ao seu toque? Será que eu sou normal por estar me preocupando com tudo isso?

-Ah! - Bufei ao abrir meus olhos pela primeira vez naquela manhã depois de ter passado, acho eu, uns dez minutos pensando sobre tudo isso.

-Bom dia - A voz meio rouca de Jungkook soprou contra meu ouvido. Ele estava com o braço na volta de meu corpo e eu nem mesmo havia percebido até agora. Eu estava tão confortável e concentrada que não fui capaz de notar algo como isso.

-B-Bom dia - Sentir meu corpo começar a esquentar. Por que isso está acontecendo de novo?

-Quer tomar café da manhã? - Perguntou tirando o braço da volta de minha cintura e se sentando na cama.

-Hmmm - Resmunguei positivamente.

-Emmy! - A voz de Jungkook mudou de intonação como se algo de ruim estivesse acontecendo.

-O-O que foi? - Eu me virei para olha-lo melhor enquanto ainda tentava esfriar meu corpo, ou melhor dizendo, enquanto tentava faze-lo voltar a temperatura normal.

-Você está bem? - Ele parecia preocupado.

-Estou, por que? - Sentei na cama com certa difículdade e enquanto o fazia sentia um poco de dor no corpo.

Eu olhava para o seu rosto completamente preocupante e então decidi seguir o seu olhar para ver o que estava o fazendo agir tão estranho logo pela manhã. Quando olhei para onde ele estava olhando, que era para o meio de minhas pernas, percebi uma grande mancha vermelha. 

Ai meu deus, o que está acontecendo? - Olhei incrédula para a enorme mancha que claramente vinha de mim. O panico corria sobre meu corpo e eu não tinha ideia do que fazer.

-Jung... - Minha boca secou como se dissesse "não tente dizer nenhuma palavra".

-Eu... eu vou chamar a omma - Saiu as pressas do quarto.

O panico de estar sangrando só aumentou quando ele se foi, as suas roupas também estavam manchadas de vermelho, que eu acreditava ser sangue e que parecia se espalhar cada vez mais nos finos lenções. Mas de onde está vindo tudo isso? 

Com uma mão eu levantei o lençol e mais sangue havia por lá, mas eu não conseguia identificar de onde ele estava saindo, era muito e eu estava com tanto panico que simplesmente comecei a ver pontos escuros, eu comecei a jurar que iria desmaiar nesse momento, mas Jungkook entrou tão abreptamente no quarto que, de alguma forma, fez meu cérebro voltar a ligar.

-Omma não está - Jungkook disse ofegante na porta do quarto.

-Como assim?! - O panico se tornou ainda maior, se é que isso era possível.

-Acho que ela saiu - Se aproximou de vagar.

-O que eu faço?! - Lamentei.

-Espera eu posso pegar um pano - Ele deu um passo para trás.

-O que eu vou fazer com um pano?! - Fiz seu passo parar. Aquilo foi realmente algo idiota de pensar em pegar quando você tem tanto sangue assim saindo de uma pessoa, você não pensa em um "vamos tentar limpar".

-Estacamento - Respondeu levemente com superioridade como quem diz "você deveria saber disso".

-Você nem mesmo sabe de onde o sangue está vindo - Falei um tanto irritada.

-Mas eu poderia descobrir quando voltasse com um pano - Disse serio e ainda sim com aquele ar de superioridade.

-Você não vai encostar em mim - Me revoltei somente com o pensamento dele encostando em mim novamente.

-Eu não vou tentar encostar em você, por que eu faria isso? Eu não sinto vontade de encostar em uma garota como você e se você não quer a minha ajuda tudo bem, eu posso me sentar no sofá e assistir tv, enquanto você sangra até a morte... - Ele falou friamente uma palavra atrás da outra como se estivesse me atacando.

-O que está acontecendo aqui? - Omma apareceu repentinamente atrás de Jungkook.

-Omma - Um fio de esperança passou por meus olhos.

-Emmy - Ela correu até mim quando viu minha situação.

-Ah, quer saber, divirtam-se a vontade - Jungkook soltou um longo e pesado suspiro antes de sair andando como se realmente não se importasse.

Eu odeio isso, odeio o jeito como ele está sempre fugindo quando nossa omma fica por perto, odeio quando ele finge não se importar, odeio quando ele parece me odiar, mas odeio mais ainda o fato de eu odiá-lo sem parar. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...