História O amor e seus mistérios - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Afrodite de Peixes, Aiolia de Leão, Aioros de Sagitário, Aldebaran de Touro, Geist de Serpente, June de Camaleão, Kanon de Gêmeos, Marin de Águia, Mascára da Morte de Câncer, Saori Kido (Athena), Seiya de Pégaso, Shaina de Ofiúco, Shion de Áries, Shun de Andrômeda
Tags Aiolia De Leão, Amizade, Romance, Shina De Ofiúco
Exibições 60
Palavras 4.941
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Então meus amores, chegamos ao penúltimo capítulo dessa inusitada trama, e fico imensamente feliz com a boa aceitação da mesma por parte de vocês.

Quero agradecer de coração os comentários do capítulo passado, e a cada minuto de seu tempo que dedicaram a escrever para essa humilde autora. Saiba que a força, incentivo e a opinião de vocês foram fundamentais para mim.

Agora, vamos à leitura!

Desfrutem!

Capítulo 15 - Capítulo 15 - Surpresas e certezas II


Shiryu descia entristecido as escadarias da casa de Libra. Tinha ido desabafar um pouco com o seu “velho” Mestre, mas este estava no Reino Submarino de Poseidon, visitando sua adorada sereia.

Desde que Dohko conseguiu a permissão do deus dos mares para cortejar a nereida, não tinha um fim de semana que passasse longe dela. Ou ia ao Reino Submarino ou era ela que estava enfiada em seu Templo, pra desgosto do libriano mais novo. Com certeza seu Mestre só estaria de volta no dia seguinte para a reunião em comemoração do aniversário de Aiolia.

Estava distraído, quando ouviu uma voz interromper seus pensamentos.

- Algo me diz que essa sua melancolia não é somente porque Dohko não está aí?

Olhou para o lado e viu que era Shaka, sentado em posição de lótus e com os olhos fechados, na entrada de sua casa.

- Sente-se Shiryu, vamos conversar. – aponta para o chão ao seu lado, o convidando a sentar – Pode me dizer o que te angustia. Vai ficar só entre nós. – o olha com pesar - É a Shunrei, estou certo?

O japonês dá um longo suspiro e responde resignado.

- Sim, Shaka... na verdade, eu nem deveria me sentir assim, já que foi a minha demora em definir o que eu realmente sentia, que fez ela ver o Aiolos com outros olhos. – dá outro suspiro triste – Ele deu a Shunrei tudo o que ela sempre sonhou: amor, carinho, dedicação... enfim, tudo o que eu fiquei enrolando anos pra me decidir, se era o que eu realmente queria pra mim. Perdi! E agora só me resta desejar que eles sejam felizes, porque a minha vez passou... - abaixa a cabeça deixando uma solitária lágrima cair por seu rosto.

- Tudo tem sua razão de ser, Shiryu. Se isso aconteceu, é porque o amor de vocês tinha uma grande chance de não ser um amor carnal, e sim um amor fraternal, do contrário, você não teria demorado tanto em definir seus sentimentos. E também não estaria tão conformado com esse casamento. Já pensou nisso? – pergunta o loiro com a sua costumeira calma.

- Sim, eu já pensei nisso... e talvez você tenha razão. Sabe, não quero pensar mais nesse assunto. – olha para o indiano, que já estava com os olhos abertos, após o término de sua meditação – Vai ao aniversário do Aiolia amanhã?

- Não tenho muita escolha. – sorri sem jeito – Se não for, a Cobra me mata! Ela veio pessoalmente me dizer isso!

- A Shina é uma figura! – diz o Dragão com um largo sorriso – Ela convidou todos os prateados e os de bronze. Acho que será mais do que uma simples reunião. Parece mais uma festança. Não esperava que ela convidasse tanta gente!

- Na verdade... ela mudou bastante! Aiolia tem muito mérito nisso, e é normal que ela se esmere em retribuir todo o amor que ele lhe dedica. Fico feliz pelos dois! – diz sinceramente.

Param a conversa quando sentem o cosmo de Atena, junto com outros dois cosmos desconhecidos se aproximando. Prontamente ficaram de pé.

- Por favor, não precisavam se levantar! – diz Saori gentilmente, acompanhada de duas linda jovens – Quero apresentar aos dois as minhas convidadas: essa é Chris de Cetus – aponta para a garota de cabelos longos cor de prata, pele alva e olhos verdes bem claros e estatura mediana, possuidora de uma beleza angelical – E essa é Violate de Behemoth – aponta a outra garota, alta, com o porte atlético, cabelos escuros com nuances arroxeadas, pele alva com pequenas cicatrizes por todo o corpo, porém, nada que tirasse a sua selvagem beleza – Elas são Espectros do Inframundo, e a pedido de Pandora, passarão uma boa temporada aqui. E esses serão seus mestres: Shiryu de Dragão e Shaka de Virgem. – sorri discretamente para os cavaleiros.

Shaka levanta uma de suas sobrancelhas, e pergunta à sua deusa através do cosmo.

“ – Qual é o real motivo para estarem aqui, Atena?”

“ – Pandora disse que tiveram problemas de adaptação, e que nenhum dos três Juízes tem paciência com elas. Fora que Violate e Aiacos vivem em constante atrito. Então ela me pediu esse favor, em troca de outro que fez pra mim, e eu aceitei. Tenho certeza que você e Shiryu serão ótimos mestres para elas!”

O virginiano as olha não muito convicto. Ia abrir a boca para falar, quando foi interrompido pelo jovem bronzeado.

- Engraçado... não lembro de ter visto nenhuma das duas na Guerra Santa... – diz pensativo.

- Não nos viu porque não lutamos. – respondeu a morena num tom cortante.

- Meu primo idiota, foi quem não deixou. – fala Chris entediada.

- Seu primo? – perguntam os rapazes em uníssono.

- Radamanthys, ele é meu primo. Um chato! Não tem tato nenhum com a gente, e sempre diz que somos dois pesos mortos... por isso nos despachou pra cá. Espero que vocês não sejam tão implicantes quanto ele, e os outros dois imbecis que andam colados nele.

- Chris! Olha o linguajar! – Violate dá uma cotovelada na prateada – Estamos diante de Atena, e eles serão nossos futuros Mestres, manera o palavreado!

- Perdão Atena! Perdão Mestres! -abaixa a cabeça envergonhada – Prometo segurar a minha língua.

Os dois cavaleiros se olham preocupados. Essas duas pareciam que iriam dar trabalho. Mas se era um pedido de Atena, acatariam sem questionamentos.

- Se me permite, posso ser o Mestre da Chris. – fala o moreno olhando a garota, que retribui com um lindo sorriso, que o deixa desconcertado.

- O que você acha Chris? – indaga Saori com simpatia.

- Por mim... tudo bem! Eu achei ele legal! – pega o rapaz pela mão e o arrasta de escada abaixo – Vamos dar uma volta pelo Santuário, aí você me mostra todos os lugares interessantes que tem aqui. – olha para a jovem deusa, e acena respeitosamente – Com licença, Atena!

- Com licença, Saori! – diz o bronzeado com um leve sorriso no rosto. No fundo, gostou da espontaneidade da espevitada garota.

- Então... vou deixá-la à sós com o seu mestre, Violate. Tenho certeza que se darão muito bem! Até logo! – vira-se e sobe devagar as escadarias, rumo ao Templo Principal.

Shaka a observa com cuidado. Apesar de tantas cicatrizes, era uma garota muito bonita e seu corpo era trabalhado na medida certa, o que chamou muito a atenção do sempre sério e centrado cavaleiro. Sai de sua divagação e percebe uma certa tristeza no olhar da Espectro.

- Toda essa tristeza é por conta de suas cicatrizes ou tem outro motivo? – pergunta curioso.

- É um pouco dos dois... – suspira e dá um meio sorriso – Por enquanto não gostaria de falar sobre isso... vai ficar chateado? – indaga receosa.

- Não, nem um pouco. Fique tranquila. – a olha de cima a baixo e pergunta um pouco tímido – Amanhã terá uma reunião pra comemorar o aniversário de um amigo e... que ir comigo? – fica totalmente acanhado ao ver o olhar interrogativo da morena – Não pense nada errado... é que eu irei, e você vai ficar sozinha... daí eu pensei... – não termina de falar, pois é interrompido pela risonha menina.

- Tudo bem, eu vou com você! – se vira e começa a descer as escadarias – Podemos conhecer o Santuário agora?

Suspira aliviado por ela ter aceito o convite, e fala amavelmente.

- Sim, vamos Violate. – desce as escadarias, olhando a enigmática jovem, com a certeza de que nascia ali uma bonita amizade. Ou algo a mais? Isso, só o tempo dirá.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Dois dias antes, no centro de Tóquio, Pandora, que está abraçada à Saga, sentados em um dos bancos de um enorme pátio, aguarda ansiosa a saída de Shun de uma de suas aulas na faculdade de Medicina. 

Avistando o rapaz ao longe, o geminiano pergunta preocupado.

- Tem certeza de que quer fazer isso sozinha?

- Sim, meu querido! – acaricia suavemente o rosto masculino – É só uma conversa. Sei que ele não vai se alterar por isso. – beija o homem com carinho – Obrigado por se preocupar!

- Claro que me preocupo! Shun está emocionalmente instável e não quero que corra nenhum risco, e... porque... te amo! – a beija com muito amor e enreda seus dedos nos longos cabelos negros da alemã, a trazendo pra mais perto de si.

Se afastam lentamente, e ela o olha encantada, pois em todos esses meses em que estavam juntos, ele nunca havia expressado o que realmente sentia.

- Eu também te amo, Saga! – dá um singelo sorriso – Pode ir tranquilo, ficarei bem.

- Qualquer coisa, estou no café em frente à faculdade. – levanta-se e vê o ex-cavaleiro de Andrômeda se aproximando – E não hesite em me chamar.

Ela acena positivamente, enquanto o esverdeado os olha incomodado.

- Pandora? Saga? O que estão fazendo aqui?

- Vim conversar com você. – fala a morena serenamente.

Saga se afasta, caminhando em direção à saída, deixando os dois à vontade para conversarem.

- Vocês estão juntos? – indaga curioso.

- Sim, estamos. Mas não foi pra falar da minha vida que eu vim aqui. – toma delicadamente as mãos do virginiano, fazendo ele se sentar no banco ao seu lado – Sei que se afastou de todos por causa das mudanças bruscas em seu comportamento. E sei também que apesar dos seus esforços em tentar manter uma vida relativamente normal, não está tendo muito êxito. Estou errada?

Ele arregala os olhos. Estava surpreso por ela saber tanto de si e dos seus mais ocultos sentimentos.

- Não faço ideia de como sabe disso, mas... é verdade. – Se seus verdes olhos caem lágrimas de verdadeira tristeza – Porque isso está acontecendo comigo? É alguma maldição por ter sido hospedeiro de Hades?

- Shun... sinto dizer, mas é bem mais complexo do que isso. – respira fundo e o olha com ternura – Por favor, escute com atenção, e se tiver dúvidas, é só me perguntar que vou tentar te responder, ok?

Ele acena choroso e ela prossegue em sua explicação.

- Quando Atena feriu o Imperador, seu corpo original foi destruído, mas todos nós sabemos que os deuses são imortais e com Hades não seria diferente. O que acontece, é que com esse prejuízo que ela lhe causou, ele teve que agir rápido e sem deixar suspeitas. Não arriscaria um processo de reconstituição de seu verdadeiro corpo, que poderia levar milênios, deixando o Inframundo sem governo. – suspira fundo e continua a falar – Então foi mais fácil fazer uma transferência de seus poderes e de sua essência divina pro corpo de seu hospedeiro, já que você estava ali, tão próximo.

Shun, estarrecido, pergunta já imaginando a possível resposta.

- Em resumo, você está dizendo que...?

- Sim Shun, você agora é o próprio Hades. O deus, Imperador e Regente do Inframundo, não mais seu simples hospedeiro. – pega as mãos do garoto e as afaga com muito carinho – Por isso toda essa alteração em seu comportamento. Você está longe de seus domínios. Precisa voltar pra lá, e quanto antes melhor.

- Saori sabe disso? – pergunta choroso.

- Sim, estamos investigando isso à meses. Ela mandou um de seus cavaleiros para recolher seus últimos exames de sangue, que deram todos inconclusivos. Foi daí que ela levou as amostras ao Olimpo, na reunião que teve com Zeus e foi confirmado que era ikor, e não mais seu sangue humano.

Shun fica pensativo e se lembra de algo.

- Isso tem uns seis meses, deve ter sido o exame que fiz para a admissão no emprego onde estou trabalhando. Lembro de ter sentido levemente o cosmo de Aiolia nessa época, mas não passou pela minha cabeça nada parecido com isso. – suspira pesadamente – Porque Saori não veio falar comigo?

- Aceitaria falar com ela? Quando foi embora do Santuário nem ao menos se despediu. Fora o que fez com a June... já soube que sua filha nasceu?

- Sim... Ikki me contou. Esmeralda... foi o nome que deram à ela... – abraça a morena e chora copiosamente – Eu as perdi, não é? As perdi pra sempre?

- Quanto a June... infelizmente sim. Ela ama o Afrodite. Ele a ajudou e apoiou na hora em que ela mais precisou... e ela se apaixonou por ele. Mas quanto a sua filha... ainda há tempo de poder um dia conviver com ela. – se afasta, e limpa a lágrimas de seu irmão com o dorso de suas mãos – Sinto dizer que está pagando o preço por ter agido precipitadamente, e feito uma péssima escolha. Podia ter confiado em nós. Estaríamos todos dispostos a te ajudar, inclusive a própria June. Preferiu sacrificar-se... mas, o que está feito não tem volta. – dá um longo e triste suspiro - Vou te deixar pensar, pois isso tudo é muito novo. Nem no Olimpo nunca se ouviu falar de algo semelhante. Você terá a oportunidade de mudar todo o rumo da história! Herdou o poder e a essência divina de Hades, porém, o corpo e a mente continuam sendo seus. Pode fazer do Inframundo um lugar mais justo e evitar essas sucessivas e estúpidas guerras contra Atena. Pense nisso Shun! Nunca é tarde pra recomeçar! Eu sou prova viva disso! – sorri com ternura e tira um cartão de sua bolsa – Estou nesse hotel até hoje à noite, mas todos os meus contatos estão aí. Me procure quando estiver pronto. – dá um beijo na testa do virginiano, e anda rumo à saída.

- Pandora, espera! – anda até a garota, e enlaça sua mão à dela – Vou com você! – sorri discretamente – Quero um dia poder me reaproximar de todos que eu amo novamente. Vai me ajudar?

- Sim. – dá um largo sorriso – Conte sempre comigo, irmão!

Andam à passos lentos, com destino ao futuro. Um futuro incerto, porém com a esperança de que algo melhor está por vir.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Enfim, chegou o dia do aniversário de Aiolia, e Shina caprichou na organização da “reunião”. A decoração era como a dos bares de beira de estrada no centro-oeste americano, com direito a mesa de sinuca, tiro ao alvo, uma mesa para carteado, karaokê e uma mini pista de dança nos fundos da casa de Leão.

Garçons à todo o momento servindo diversos tipos de petiscos, salgadinhos, doces, além de refrigerante, sucos, coquetéis, enfim, tinha de tudo, para todos os gostos, fora um barman preparando variados drinks para os convidados. Era uma grande celebração, e a cobrinha fazia questão de que tudo estivesse perfeito, pois seu amado leãozinho merecia o melhor de si e muito mais.

Aiolia estava feliz. Comemorava junto de sua amada, de seu irmão, seus amigos, seus companheiros de armas e sua deusa. Sentia-se realmente afortunado, pois todos estavam ali, celebrando essa data tão especial com ele.

Abraçou sua lindíssima esposa e beijou sensualmente seu pescoço, sussurrando de leve no seu ouvido.

- Você fica incrivelmente sexy nesse vestido preto! Queria fazer amor com você nesse instante! – sorri sedutor.

- Teremos a vida toda pra isso leãozinho! – encosta seu rosto no peitoral de seu marido, e aspira seu inebriante odor – À propósito, esse seu cheiro me excita...

- Posso dizer o mesmo do seu! – roça seu rosto ao dela e encosta seu nariz em seus cabelos, aspirando também seu suave cheiro, fazendo seu corpo inteiro arrepiar – Nunca vou me cansar do seu perfume, do seu corpo... de você, minha linda! – a beija com luxúria.

Se afastam aos poucos, e se olham apaixonados. Podiam ficar a vida inteira assim, se admirando, se adorando. Saíram de seu mútuo encantamento quando ouviram a voz de sua deusa lhes chamarem a atenção.

- Meus parabéns, Aiolia! Que toda a sorte de bênçãos esteja com você! – o abraça e beija de leve a sua bochecha.

- Obrigado Atena! – diz o grego visivelmente emocionado.

- Parabéns Leão! – fala Ikki dando um aparto de mão, seguido de um forte abraço.

- Obrigado Fênix! Sintam-se à vontade, como se estivessem em casa!

- Obrigado Aiolia! – diz a jovem deusa, sentando-se em uma das mesas – Ficou tudo muito bonito! Parabéns Shina pela simplicidade e bom gosto! Quero que tanto você, quanto Shunrei organizem a minha festa de aniversário. Você aceita?

- Claro que sim! Será uma honra! -senta-se junto à Saori, enquanto Aiolia e Ikki vão conversar com Milo, Camus, Aldebaran, Mu e Shaka – Mudando de assunto, como vai a gravidez? - indaga curiosa.

- Vai muito bem! Até agora não tive muitos enjoos, só um pouco de sonolência. – sorri animada – Já soube que Marin vai ter gêmeos?

- Sim, ela me falou ontem. Estou muito feliz por ela e pelo Angello! A alegria deles com essa notícia é contagiante! - fala a italiana com brilho nos olhos.

- Acho que você não vê a hora da sua vez chegar?

- Sim, eu confesso que quero muito ter um filho, porém não estou com pressa. Tudo ao seu tempo. Tenho certeza que ele virá no melhor momento, quando eu estiver realmente preparada pra isso. – responde amavelmente.

Shunrei se aproxima, e fala animada às outras duas garotas.

- June e Dite acabaram de chegar com a neném. Ela está no quarto de hóspedes pra amamentar aquela coisinha linda, e as meninas estão todas lá. Vamos vê-las? – falou a chinesa empolgada.

- Claro! Vamos Saori?

- Vamos Shina!

Chegando ao quarto, a pequena Esmeralda dormia tranquila no colo de Minu, enquanto June descansava numa poltrona bem confortável e conversava com as outras moças.

- Já está treinando, Minu? – brinca a esverdeada.

- Sim, Shina! E estou adorando! Ela é tão linda e quietinha... fico imaginando se o meu Mitsui vai ser assim... - suspira pensativa.

- Claro que vai, amiga! Você e o Mu são muito tranquilos. – diz Eire acariando os loiros cabelos da neném.

- Sim Minu, fique sossegada pois seu bebê vai ser um cordeirinho de tão quietinho e fofo! – fala Marin empolgada.

- Você é quem vai precisar de sossego quando os sirizinhos nascerem! - Geist sorri irônica, abraçando a ruiva com carinho.

- E quem disse que vão ser dois sirizinhos? – indaga fingindo aborrecimento – Podem ser duas águiazinhas!

- Ou um sirizinho e uma águiazinha! – fala Seika em tom divertido.

- De qualquer modo, terá muito trabalho pela frente... – diz Pandora pensativa – Cuidar de duas crianças não deve ser fácil!

- É verdade! Crianças são seres frágeis, e que nesse período dependem exclusivamente de nós... mas... vale a pena cada noite perdida! – pega com cuidado a neném dos braços de Minu, e a coloca no bebê conforto – Não consigo mais imaginar a minha vida sem ela! – fala emocionada.

- Eu sempre me imagino quando tiver os meus... – suspira Eire.

- Não sei como ainda não os teve. Do jeito que você e o Hyoga tem fogo...

- Hilda! - Fler chama a sua atenção e lhe dá uma cotovelada – Não fale assim!

- Sua irmã está certa! – diz Geist sem dar muita importância a cara emburrada de Eire – Mas, mudando de assunto, seu casamento é no próximo fim de semana. Está nervosa?

- Estou uma pilha! – estreita o olhar e mira a cada uma das meninas com um ar psicótico – E ai de vocês se não forem! Conto com a presença de cada uma! São como se fossem a minha família!

- Também nos sentimos dessa mesma forma! – fala uma sorridente Fran.

- Apesar do pouco tempo de convivência, me sinto acolhida por todas vocês... como uma verdadeira família! - diz Any enternecida.

- Porque nós somos mesmo uma grande família! – Shina fala confiante – Demoramos muito à ter essa união, porém crescemos e amadurecemos. Agora queremos muito que vocês duas façam parte disso! – olha amavelmente para Chris e Violate – E vocês duas também! Qualquer coisa que precisarem, contem com todas nós!

- Obrigado, meninas! – respondem as duas espectros.

- Com licença! – diz Thétis, abrindo devagar a porta – Os garotos estão querendo saber porque todas as mulheres da festa sumiram? – pergunta divertida.

- Já estamos indo. – responde a jovem deusa calmamente.

- Vai ficar aqui sozinha, June? – pergunta Fler preocupada.

- Eu fico um pouco com ela! – responde a simpática sereia – Podem ir tranquilas!

- Obrigado Thétis, vou adorar sua companhia! – fala suavemente a Camaleoa.

- Então vamos meninas. Quando a neném acordar, leva ela um pouquinho lá pra fora! – diz a Águia saindo junto com as demais.

- Pode deixar! – responde a loira baixinho, pra não acordar a bebê.

Ela e Thetis ficam ali, encantadas, velando o tranquilo sono de Esmerada.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

A festa segue animada, com vários prateados se revezando na mesa de carteado, pois essa noite, Misty estava ganhando tudo, e sem a mínima vontade de ceder sua sorte à ninguém.

Aldebaran, Milo, Angello e Hyoga estavam se divertindo no tiro ao alvo, e ficaram ainda mais contentes quando suas garotas voltaram a lhes fazer companhia. Angello estava com a felicidade estampada em seu rosto, e a todo momento acariciava o ventre de sua amada ruiva. Hyoga também paparicava e mimava sua noiva, assim como Deba e Milo que olhavam suas garotas com muito amor e admiração.

Kiki estava no karaokê, contando uma versão bastante desafinada de “Happy”, para desgosto da azaradas pessoas que aguardavam a sua vez de cantar, como o seu mestre Mu, que estava em pé, abraçando à sua adorada Minu e Shion, que pacientemente esperava sua vez, com Geist sentada em seu colo, lhe acarinhado suas revoltas madeixas verdes.

Na pista de dança, Ikki e Saori, Kanon e Seika, Saga e Pandora, Dohko e Thetis, Aiolos e Shunrei se deixavam levar pelo ritmo alucinante e sensual da batida eletrônica do DJ. Dançavam de forma muito sexy e envolvente, expressando os seus mais puros sentimentos, seja de amor, desejo ou paixão. Estavam realmente felizes.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Shaka estava perto da pista olhando seus amigos dançarem, e se deu conta de que sua aprendiz não estava por ali. Procurou com os olhos pra ver se a encontrava, porém, não obteve êxito.

Foi à lateral da 5° Casa, e ficou surpreso ao ver Shiryu e Chris se beijando ardentemente. Balançou a cabeça e sorriu de canto. Enfim seu amigo estava conseguindo superar de vez sua paixão mal resolvida por Shunrei e quem sabe seria feliz com temperamental espectro.

Na entrada do Templo, viu Seiya e Fler sentados na escadaria, de mãos dadas, trocando carícias. Ela o olhava encantada, e ele não disfarçava que sentia o mesmo em relação à ela. Resolveu procurar na lateral oposta do Templo, para não atrapalhar os pombinhos.

Ao chegar lá, o indiano se depara com a morena encostada num muro, olhando na direção do Coliseu. Seu olhar parecia distante, triste. Se aproximou, e ficou admirando a garota. Era muito bonita e atraente, ainda mais com aquele vestido preto, levinho e rodado, que destacava suas belas curvas. Ficou mais perto dela e perguntou sereno.

- Porque não está se divertindo como as outras garotas? Não se sente bem?
Seus olhos estavam marejados, e respondeu com a voz embargada.

- Eu não consigo ficar lá, vendo todas as outras meninas tão lindas, e eu... – suspira pesadamente – E eu... tão feia... – não terminou de falar, pois foi pega de surpresa por Shaka, que lhe roubou um terno beijo.

Beijo que foi se aprofundando à medida que o susto de Violate foi passando, e ela deu passagem à língua do virginiano que se enlaçava perfeitamente à sua. Essa dança sensual perdura até o momento em que lhes falta o ar, e separam-se arfantes, com o olhar de ambos carregados de desejo.

Ele afaga seus cabelos com carinho, e fala olhando direto em seus olhos.

- Você é linda, Violate! Nunca pense em si de outra maneira! – beija lentamente seus lábios – Muitas vezes o nosso pior inimigo somos nós mesmos! – toma as mãos da jovem às suas, e beija o dorso com devoção – Vamos voltar pra festa! – ela dá um amplo sorriso e acena positivamente com a cabeça.

- Sim, vamos!

O mais novo casal voltam contentes para a festa, pois sabiam que dali por diante as dúvidas e tristezas não tinham mais espaço em seus corações. Pois o único sentimento que reinaria em suas vidas, seria o amor.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Aiolia, conversa animadamente com Afrodite e Camus, enquanto suas respectivas acompanhantes estavam numa mesa próxima, junto de Albiore, que via-se extremamente feliz em segurar a neném de sua adorada June nos braços.

- Está gostando de ser pai? – pergunta o leonino curioso.

- É uma experiência única! Sentir que aquele ser tão singelo depende tanto de você, te faz sentir mais responsável, mais protetor. - responde o pisciano com um semblante alegre.

- E ela é linda, Dite! – fala o aquariano sinceramente encantado ao ver Hilda com a pequenina agora em seu colo – Deve estar orgulhoso!

- Estou... e muito! O fato de não termos o mesmo sangue não muda em nada o meu amor por ela! Daria minha vida pela sua felicidade e bem-estar! – diz com uma grande satisfação em seu olhar.

- Você mudou muito, Dite! – fala o grego dando alguns tapinhas no ombro de seu amigo – É um outro homem! Muito diferente de como sempre te conhecemos. June e a pequenininha fizeram um verdadeiro milagre!

- O milagre do amor! – fala o sueco com um amplo sorriso no rosto – E não aconteceu só comigo, com vocês dois também! Quem diria que um dia iria ver o Mago do Gelo caído de amores pela Hilda! – dá uma gostosa risada ao ver o olhar gélido do francês para si – E você Aiolia? Não tira esses olhos de bobo apaixonado de cima da cobrinha!

- Tem razão, Dite! Todos nós mudamos muito... o amor é um sentimento cercado de mistérios, e que no fim, nos transforma de maneira definitiva. – suspira feliz – Mudando totalmente de assunto, é uma pena que o bode espanhol não pôde vir...

- E você acreditou mesmo que eu não viria, seu gato pulguento! – grita Shura dando um forte abraço em Aiolia – Eu nunca deixaria de vir numa festança dessas! Até porque sua esposinha me mataria se eu não aparecesse. – gargalha com gosto.

- E a Lifya? Ficou sozinha em Asgard? - fala Camus interrogante.

- Sim, porque ela tem que fechar o ciclo de orações para Odin, que terminam daqui à três dias. – suspira conformado – Como sacerdotisa e representante de Odin, são obrigações as quais ela não pode deixar de cumprir. Mas, ela virá para o casamento do Pato, fique tranquilo Iceberg! E ela não está sozinha, Sigmund e Frodi estão com ela.

- Você confia muito! – debocha Camus.

- É lógico que eu confio! Ela me ama, e pra mim isso basta! – fala o espanhol triunfante.

- Gostei de ver! – o pisciano bate palmas empolgado – Senti firmeza!

Aiolia, sorrindo muito com a troca de farpas de seus amigos, dá alguns leves tapinhas no ombro de Shura e fala animado.

- Já que estão todos aqui, vou fazer logo o meu “discurso”, e depois ficar o resto da noite com a minha cobrinha.

Vai até o DJ e pede pra parar a música, toma a sua linda esposa pela mão, a trazendo pra junto de si, ergue uma taça de champanhe, e fala bastante emocionado.

- Eu queria agradecer a presença de todos aqui, e dizer o quanto eu estou feliz em comemorar essa data tão especial com vocês! Foram anos de inimizades, rixas, exílio, desafetos e desunião. Mas, graças aos esforços de nossa deusa, e a nova chance que ela nos deu, nos tornamos pessoas melhores, dignas de defender e honrar o seu nome e proteger a Terra. Somos unidos, como os irmãos que sempre deveríamos ter sido. Alguns como eu, se casaram, uns estão noivos, outros namorando, enfim, aproveitando essa segunda oportunidade que tivemos, construindo nossa própria família e vivendo em plena harmonia entre nós, como Ordem. Estou imensamente feliz em ter meus companheiros, meus amigos, minha deusa, meu querido irmão Aiolos, minha cunhadinha Shunrei e principalmente, em ter essa mulher formidável ao meu lado! – beija a italiana com muito amor – Te amo Shina!

Todos aplaudem e assobiam com muito entusiasmo. A italiana deixou de ser uma pessoa mal vista por sua agressividade, e passou a ser querida e amada por seus companheiros e amigos. Tudo por causa da persistência e amor que o seu belo Leão lhe dedicou. Estava comovida com essa declaração de seu amado, feita assim, diante de todos. Era por esse e outros motivos que o amava cada dia mais.

Aiolia pede mais uma vez a palavra, e ergue um brinde.

- À nós, a nossa amizade e ao amor! – brindam todos juntos, alegres, exultantes em estar ali, compartilhando aquele momento especial.

Beija apaixonadamente sua linda italiana, e a leva nos braços para a pista de dança.

- Vamos aproveitar a noite, cobrinha!

- Sim, leãozinho! Com você eu faço qualquer coisa, porque... você é o amor da minha vida! Te amo! – se abraçam e dançam agarradinhos ao ritmo da música, e ficaram assim até o último convidado ir embora.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Já estava amanhecendo, e o casal dono da Casa de Leão estava sentado na escadaria vendo o nascer do sol, abraçados e sorridentes. Estavam radiantes por ter dado tudo certo e terem passado ótimos momentos com seus amigos. Momentos felizes, que jamais esqueceriam enquanto vivessem.

O loiro a beijou com muito carinho, e acariciou seu aveludado rosto. Ela enredou suas mãos nas mexas douradas de seu homem, aprofundando assim aquele delicioso beijo. Gemem languidamente, e o leonino indaga à sua amada.

- O que você quer fazer agora?

- Quero dormir bem juntinho de você, meu amor! – dá vários selinhos no Leão Dourado e ele sorri satisfeito – Hoje é domingo e poderemos fazer amor o dia inteiro quando acordarmos! Agora, eu só quero adormecer ao seu lado...

Ele a pega no colo, e a leva para o quarto, onde dormiram por muitas horas, abraçados um ao outro, embalados pelo sentimento que os uniam: um grande e verdadeiro amor!


Continua... 


Notas Finais


E aí meus lindos, o que acharam desse penúltimo capítulo?

Fiquem sempre à vontade para darem suas sinceras opiniões, pois gosto de saber o que pensam!

Usei Violate e Chris na trama pelo fato de serem personagens muito boas e serem pouco utilizadas em fics.

Coloquei Chris e Radamanthys como primos porque, tirando a wiki em português, todas as demais trazem essa informação. Achei interessante e pus na história.

O fato de Violate sentir complexo por suas cicatrizes, não fiz para descaracterizá-la. Acho que reencarnações não tem que ser necessariamente copias exatas de seus antecessores, pois tudo depende de fatores que vão além da essência, como a criação, por exemplo.

Tanto Shiryu, como Shaka também mereciam encontrar a sua cara metade, não acham?

Quanto ao Shun, achei esse o melhor desfecho para ele, já que se acovardou em vez de procurar ajuda para seus problemas. Tomara que agora se deixe ajudar e busque fazer o melhor para todos e pra si mesmo. Acho que ele merece uma história à parte. O que me dizem?

E a festa do leãozinho? Todos felizes, comemorando, se divertindo... acho sinceramente que o Santuário, como uma Ordem que defende a paz e a justiça, deveria ter sido sempre assim, e não o lugar competitivo, cheio de intrigas e rixas apresentado no anime. Ainda bem que nas fics podemos mudar um pouquinho esse paradigma.

Shina e Aiolia estão felizes, se amam e são queridos por todos. Acho que eles merecem todas as coisas boas que estão vivendo. E vocês, concordam?

O próximo capítulo será o epílogo com o desfecho final da trama, e confesso que já estou com saudades...

Muito obrigado pelo carinho de todos, e até a próxima sexta, onde teremos o tão esperado fim dessa inusitada história!

Mil beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...