História O amor é um jogo - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Visualizações 16
Palavras 771
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie meus amores.
Eu sei, eu sei...isso é hora de estar postando?
Bom é que eu estava aqui, sem nada pra fazer, mega entediada então resolvi trazer mais um capitulo pra vocês... eeeeeeh 😂

Desculpe qualquer erro.

Capítulo 15 - Você está louco


Fanfic / Fanfiction O amor é um jogo - Capítulo 15 - Você está louco

Estamos na reta final. Um mês de combate mortal passou e amanhã acaba o prazo que o meu pai nos deu. São onze da noite, e além do serviço de limpeza que trabalha no expêdiente noturno, Rose e eu somos os únicos no prédio.

Eu ja fantasiei sobre isso um milhão de vezes. Apesar de que, na verdade, na minha fantasia não estavamos separados, cada um em sua respectiva sala, um olhando para o outro pelo corredor~ mostrando o dedo do meio.

Dou uma rápida olhada para a sala dela e a vejo revisando seus cartazes. O que ela esta pensando? Estamos na Idade da Pedra? Quem ainda usa cartazes? Baek sem dúvida sera meu.

Estava dando os últimos retoques em minha apresentação de slides, quando Jimin entra em minha sala. Ele esta indo para algum bar. Não se esqueça que é uma noite de quarta-feira, este é Jimin. E há algumas semanas eu também era assim.

Ele me olha por um bom tempo até que senta na ponta da minha mesa e fala:

- Cara, faz essa porra logo.

- Do que está falando?~ eu pergunto, mas sem parar de digitar.

- Tem se olhado no espelho ultimamente? Você precisa ir la e resolver isso logo.

Agora ele começou a me irritar.

- Jimin, que merda você esta querendo dizer?

Mas tudo que ele fala è:

- Já assistiu A Guerra dos Roses? Quer ficar daquele jeito?

- Tenho trabalho pra fazer. Não tenho tempo pra isso agora.

Ele joga as mãos para cima.

- Ok. Eu tentei. Quando encontrarmos vocês dois no saguão, embaixo do candelabro caído, vou dizer a sua mãe que eu tentei.

Paro de digitar.

- Do que você esta falando?

- De você e Rose. Ta na cara que você sente algo por ela.

Olho para o escritório de Rose, quando ele diz o seu nome. Ela não olha.

- Sim, eu realmente sinto algo por ela. Uma enorme antipática. Não nos suportamos. Ela é importuna. Eu não transaria com ela, nem se fosse a ultima mulher no mundo.

Ta bom, isso não é verdade. Eu, com certeza transaria. Mas não gostaria.

Está bem~ você está certa. Isso também não é verdade.

Jimin senta na cadeira do outro lado da mesa. Ele está me encarando de novo. Ele suspira e diz, como se fosse alguma revelação totalmente inspiradora.

- Lee Sojin.

Olho para ele sem entender.

Quem?

- Lee Sojin ~ ele repete, logo depois esclarece ~ ,terceiro ano.

Logo vem em minha cabeça a imagem de uma garotinha de tranças e óculos groços.

Eu aceno.

- O que tem ela?

- Ela foi a primeira garota que amei.

Espera. O que?

- Mas você não a chamava de Sojin Fedida?

- Sim ~ ele acena, enfático. ~ Sim, eu chamava. Mas eu amava ela.

Continuo confuso.

- Você não fez com que todos no terceiro ano a chamassem de Sojin Fedida?

Ele acena mais uma vez e, tentando se mostrar sabio, diz:

- O amor faz com que a gente faça algumas coisas idiotas.

Também acho, porque...

- Sojin não tinha que duas vezes por semana sair mais cedo da escola para ir ao psicólogo porque você amolava muito a coitada?

Ele faz uma pausa para refletir um pouco.

- Sim, é verdade. Sabe, Hoseok, a uma linha tênue entre o amor e o ódio.

- Lee Sojin também não mudou de escola depois daquele ano, pois...

- Olha, o que importa aqui, cara, é que eu gostava daquela menina. Amava. Achava ela demais. Eu não sabia lidar com aquele sentimento. Não sabia expressá-los direito.

Jimin não tinha o costume de demonstrar esse sentimentalismo.

- Então, em vez disso, você resolveu zombar com a cara dela?~ pergunto.

- Infelizmente, sim.

- Mas o que isso tem a ver comigo e com a Rose?

Então ele para e me olha...daquele jeito. O leve movimento de sua cabeça, a careta triste de frustração. Aquele olhar é pior do que o de uma mãe se sentindo culpada. Eu juro.

Ele se levanta, dá um tapa em meu braço e diz:

- Você é um cara esperto, Hoseok. Você irá descobrir.

E após isso ele sai.

Sim, eu entendi o que Jimin estava tentando dizer. Eu entendi, tudo. E te digo~ de verdade~ ele é louco.

Eu não discuto com Rose por gostar dela. Eu faço isso porque a sua existência esta ferrando com a trajetória da minha carreira. Ela é uma chata. Um pé no saco. Ela é tão chata, quanto aquela abelha que me picou na bochecha esquerda no acampamento de verão, quando eu tinha onze anos.

Claro, ela seria uma ótima transa. Eu daria uma voltinha no bonde Rose Price a qualquer momento. Mas não seria nada mais do que uma boa transa. Isso é tudo pessoal.

O que foi? Por que esta me olhando desse jeito? Você não acredita em min? 

Então esta tão fora de si quanto Jimin.


Notas Finais


Então foi isso meus amores. Até o proximo.

Beijinhos 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...