História O amor em cada alma - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Violetta
Tags Amor, Leonetta
Visualizações 56
Palavras 910
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense
Avisos: Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


ÓIA, gente, tem uma parte nesse capítulo que não sei se é muito adequada para a classificação de 12 anos. MAIS AGORA EU NÃO SEI MUDAR A CLASSIFICAÇÃO. 😱😱
óh, eu já avisei, ñ reclamem, tá?😉

BOA LEITURA!❤❤❤

Capítulo 10 - O fogo entre nós


Depois de cinco dias de recuperação ela fora liberada do hospital. Dr. Richard lhe dera algumas ordens: sem esforço algum, não se agachar, sem praticar atividades físicas etc...
            Nestes últimos dias que estivera no hospital, Leon ia à delegacia direto, contara tudo o que acontecera com Violetta aos policiais. A polícia científica encontrou o dono do canivete através de suas digitais deixadas nele; seu nome era Willian Jacob de 42 anos - além de não parecer. Nasceu em Los Angeles, na Califórnia; foi um dos melhores policiais da máfia americana por 25 anos, mas fora acusado de assédio e a violência a mulher e foi condenado à prisão por 40 anos, mas pagaram sua fiança.
             Ele não fora encontrado desde sua fuga do hospital. Anunciaram-no em cartazes nas ruas e nas televisões de toda a América do Norte. Agora estão todos atentos às notícias.
             Violetta e Leon estavam prontos para entrar no avião em destino à Buenos Aires. Dava para ver nos olhos dela o quanto estava cansada, mas estava louca para chegar em casa de uma vez por todas. Ela estava desanimada e não tinha muito papo. Leon pensou em milhares de coisas para trazer aquele lindo sorriso que ela tinha de volta para o seu rosto, mas nenhuma de suas opções funcionaram.
              Era horrível vê-la daquele jeito, tão cabisbaixa e quieta. Leon estava acostumado com a outra Violetta, a Violetta alegre, que sorria a todo o momento, a que fazia todo mundo a adorar à primeira vista...
              Então ele se lembrou de uma coisa que poderia animá-la.
              - Seu pai falou sobre a casa?
              - Casa?
              - Da nossa casa.
              Ela o encarou, confusa.
              - Nós compramos uma casa. - explicou-lhe Leon.
              Seu rosto se iluminou instantaneamente. Não havia pensado em uma casa ainda. Antes ela achou uma loucura se casar sem antes arranjar uma casa para morarem, mas pelo o visto Leon já tivera tudo em mente. Ela ficou sem palavras; não sabia se o matava por não a ter deixado participar na compra da casa ou se pulava de alegria. Leon fitou seu rosto, tentando encontrar alguma reação nele.
               - Não vai dizer nada? - perguntou, os olhos brilhando de confusão e curiosidade.
               - É que... - ela deu uma risadinha - você me deixou sem palavras.
               - Mas o que você achou?
               - Fantástico! - disse, animada - na verdade, eu nem tinha pensado numa casa ainda, mas pelo o visto você o fez.
               - Eu e o seu pai já estávamos conversando sobre isso a um tempo antes de eu te prepor em casamento. Ele me ajudou muito a encontrar a casa perfeita para nós, já que ele entende bem sobre isso.
               - E como ela é? - perguntou Violetta, empolgada.
               - Aah, isso você vai saber quando chegarmos lá.
               Ela ergueu um sobrancelha.
               - Você não vai fazer isso comigo.
               - Fazer o quê?
               - me deixar curiosa! Por favor me conta... se não você vai ter que lavar a louça... - falou, contando nos dedos - ... limpar o banheiro, lavar as roupas....
               - Tudo bem. - rendeu-se Leon - Mas, só vou dizer uma coisinha: é que você vai adorar ela.
               Violetta revirou os olhos. 
               - O que?  - perguntou Leon, rindo - É verdade! Você vai conseguir aguentar até chegarmos lá...
               Ela franziu a boca tentando ficar brava, mas falhou em sua tentativa.
               - Vai ficar sem beijos por dois meses.
               - É o que veremos... eu sou irresistível, é impossível você aguentar dois meses sem dar uma bitoquinha nessa boquinha aqui. - disse Leon, fazendo biquinho para provocá-la.
               Ela riu e depois encostou a cabeça em seu ombro.
               Ele adorou ouvir a sua risada novamente, deixando um sorriso enorme estampado no rosto por ter conseguido animá-la outra vez.

                                         *   *   *  UM MÊS DEPOIS *  *  *

                Ele a encontrou no quarto tocando piano e cantarolando junto com a melodia. Estava feliz por ela estar bem novamente. Suas cicatrizes fecharam totalmente agora, deixando-a livre de dores e antibióticos.
                Ela sorriu ao vê-lo entrar no quarto e caminhou até ele para abraçá-lo. Ele retribuiu o abraço.
                - Como foi lá? - perguntou ela.
                - Foi muito bom, o pessoal de lá é super gente boa. Eu sou muito grato ao seu pai por me arranjar este emprego.
                Ela sorriu e encostou a cabeça no peito dele. Ele tocou seu queixo e aproximou seu rosto ao dela. Tentou beijá-la suavemente, mas ao sentir o toque de seus lábios, seu corpo ardeu em chamas. Pressionou Violetta contra a parede, mas não teve dor. Ela emaranhou a mão em seus cabelos, puxando-o para si como se fosse possível ficarem ainda mais próximos. Suas pernas se enrolaram na cintura dele, que trassava beijos de sua boca até o pescoço, fazendo-a estremecer. Suas mãos agarraram a camiseta de Leon, arrancando-a. Ele pôde sentir sua mão caminhar pelos músculos de seu estomago, quentes ao toque. Um som selvagem saiu da boca de Leon, seus rosto quente com o fogo que havia entre eles. O som que Leon emitiu fez o corpo de Violetta se arrepiar, e não havia parte de sua mente que não fosse invadida por um desejo muito insano. 
                Aquela noite não poderia ter sido mais quente. Seus corpos encostando um no outro, suas respirações ofegantes entrelaçadas. Ninguém poderia estragar aquele momento, não existia mais ninguém que importasse no mundo a não ser eles. Dois corações acelerados em sinfonia, onde tudo aconteceu naquela noite. 

             


Notas Finais


Vish, eu li de novo e até eu fiquei com calor! 😂😂😂😂
Digam-me o que acharam do capítulo...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...