História O amor mora ao lado - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Ouat, Outlaw Queen, Outlawqueen
Exibições 319
Palavras 3.661
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá meu amores, olha quem finalmente apareceu hahaha
Primeiramente gostaria de dizer: Fora Temer
Segundamente gostaria de agradecer do fundo do meu coração todo o carinho que vocês têm por essa fic! Até hoje eu vejo gente falando sobre essa história no Twitter e nossa... Meu coração transborda de amor <3
Por isso senti que devia expressar minha gratidão fazendo um final alternativo, já que muita gente me cobra até hoje... Dia 28 de novembro completou um ano que eu comecei a escrever, e foi incrível como essa história me abriu portas, até mesmo para conhecimento pessoal, e eu serei eternamente grata a Lana, Sean e a vocês por tudo!
Sem mais delongas, eu espero que vocês gostem! Eu não mudaria o outro final, mas espero que esse fim conforte a todos! Sintam o meu abraço e deliciem-se <3

Ps: Se essa OS saiu agradeçam a minha xará Amanda (@Mxguire_) que me incentivou e me deu a ideia para o capítulo. Te amo mana <3
Ps2: As músicas do capítulo foram escolhidas pelo amor da minha vida Jules (@Jullisantos) #ily <3

Capítulo 30 - Especial de 1 ano - Final Alternativo


Fanfic / Fanfiction O amor mora ao lado - Capítulo 30 - Especial de 1 ano - Final Alternativo

"O tempo é muito lento para os que esperam. Muito rápido para os que têm medo. Muito longo para os que lamentam. Muito curto para os que festejam. Mas, para os que amam, o tempo é eternidade" – William Shakespeare

 

(Home – Edward Sharpe and the Magnetic Zeros)

 

Um raio de sol adentrava por entre a janela semiaberta e iluminava a cama onde Regina se encontrava em um sono tranquilo. Era possível sentir o agradável aroma das flores que cresciam nas árvores e alcançava o segundo andar do hotel onde ela estava hospedada com a família. A primavera em Paris deixava a atmosfera carregada de uma energia boa e inexplicável. A brisa suave da manhã fazia com que as cortinas de cetim dançassem seguindo o ritmo da respiração da mulher deitada.

Uma risada abafada seguida por um pedido de silêncio baixinho a fez remexer em meio aos lençóis. Ela acordou, mas preferiu não abrir os olhos para não estragar o momento que ela podia sentir que viria a seguir. Fingiu continuar dormindo.

- Papa, já está na hora dela acordar? – O garotinho da risada perguntou em um sussurro.

- Ainda não, Rapha, precisamos preparar o café da manhã dela primeiro – Robin respondeu para seu filho no mesmo tom de voz.

- Vai ter crocrossanti? – Perguntou em sua inocência.

- Crocroanti! – Gritou a pequena Sophia, dando risada e pulando nos braços de seu pai.

 - Shiu! – Robin colocou o dedo na boquinha dela pedindo silêncio – Vai acordar a mamãe – Ele riu baixinho e pode perceber que sua esposa fizera o mesmo, ainda de olhos fechados. – Vem, vamos pegar a bandeja – O loiro chamou, e os três saíram do quarto.

 

 

Regina abriu os olhos assim que sua família saiu do quarto e sentou-se na cama. Espreguiçou o corpo e bebeu um copo d’água que estava no criado mudo. Seu coração acelerava ao lembrar o motivo da viagem. Em algumas horas ela estaria nas passarelas da Paris Fashion Week para o desfile de sua marca. O maior sonho de sua vida estava prestes a se realizar e ela só conseguia ser grata por tantas coisas boas que aconteceram em sua vida nos últimos anos.

Alguns minutos depois ela ouviu a porta se abrindo novamente e voltou a deitar. Raphael entrou de mãos dadas com Sophia, e Robin vinha trazendo a bandeja com o café da manhã. As crianças pularam na cama ao lado da mãe e a encheram de beijos na bochecha. Regina se remexeu e abraçou os filhos retribuindo os beijos.

- Que delicia acordar assim! – Disse a morena com um sorriso de orelha a orelha.

- Bom dia mamãe – Disse Raphael todo animado.

- Bum diá mamãe – Sophia imitou o irmão mais velho e se aconchegou para ficar no colo da mãe. Regina a colocou entre suas pernas e aproximou o menino para perto de si.

Robin depositou a bandeja nas pernas de Regina abaixo de onde sua filha estava e deu um beijo carinhoso na testa de sua esposa.

- Bom dia meu amor, preparada para o dia de hoje? – Quis saber.

- Nem um pouco preparada... Estou tão nervosa... E se... E se não gostarem... E se...

- Ei, shiu! – Ele a calou com um selinho nos lábios – Vai dar tudo certo, nós estamos com você! – Tentou acalma-la.

- É mamãe, nós estamos com você! – Disse Rapha sorrindo e a fazendo sorrir também e depositar um beijo na pequena bochecha.

- Quero crocroanti mamãe – Resmungou Sophia fazendo todos rirem.

Regina e as crianças começaram a comer o café da manhã se lambuzando com o chocolate da iguaria parisiense. Robin não perdeu a oportunidade: levantou e pegou sua câmera fotográfica e registrou o doce momento de sua família.  Alguns clique depois, Regina o chamou para se juntar a eles. Ele tirou algumas selfies com a máquina e, em seguida, comeu seu croissant.

 

 

Após a deliciosa manhã em família, Robin levou as crianças para o banho e Regina começou a preparar as coisas para o desfile. Fez algumas ligações para se certificar que estava tudo em ordem, ajeitou o vestido que usaria, assim como seus acessórios, sapato e maquiagem. Não conseguia controlar o frio na barriga que estava sentindo. Era tão surreal a sensação de estar ali. Da última vez que estivera na cidade foi quando ela se entregou pela segunda vez ao homem que havia se tornado seu marido e pai de seus filhos. Na época ela não conseguia nem sonhar que sua vida teria tantas reviravoltas como teve. Foi a primeira vez que ela havia se aberto para alguém que ela mal conhecia. Alguém que ela sentia que podia confiar, mesmo sem entender o significado daquele sentimento. Hoje ela sabia que era destino dos dois se conhecerem e ficarem juntos. E o destino nunca se fez tão certeiro.

Ela foi até a varanda e admirou a vista da Torre Eiffel ao fundo. Era inevitável não sorrir ao se lembrar de quando estivera lá com Robin. Lembrou-se também dos momentos antes, em que ele a levou para passear na Pont Des Arts e eles penduraram um cadeado na grade e jogaram a chave no Rio Sena. No dia eles não se deram conta, mas o universo conspirou para que o pequeno gesto imobilizasse de vez o amor eterno que estava prestes a se concretizar após aquela viagem.

Regina ouviu risadas vindas de dentro do quarto e encostou-se ao batente da porta para observar a cena. Robin fazia cosquinhas com a boca na barriga de Sophia enquanto a secava com a toalha. Raphael pulava na cama ao lado deles, pelado e todo molhado. Vê-los assim tão descontraídos encheu seu coração de amor. De repente passou um filme em sua cabeça.

Cinco anos atrás quando ela estava na mesa de cirurgia sentido as dores do parto. Ela achava que não iria sobreviver aquela gravidez de risco. Mas o milagre da vida aconteceu e, apesar de toda complicação e dor, ela conseguiu dar a luz à Raphael. Robin ficou do seu lado durante todo o procedimento, segurando sua mão e lhe dando força para parir. Uma força que ela jamais teria sozinha.

Dar a luz a seu filho foi o primeiro momento mais divino de sua vida. Ela entrou em plena comunhão com Deus, com o universo, com a vida. Raphael era a concretização do amor entre ela e Robin, um amor tão forte e verdadeiro que chegava a assustá-la.

Dois anos atrás quando Rapha tinha acabado de completar três anos e Robin pediu outro filho. É claro que ele sabia que ela não podia mais engravidar devido às complicações do parto, e decorrente do que acontecera em seu passado, além dela ter feito cirurgia para não correr o risco de engravidar por acidente. Mas ele não estava querendo que ela ficasse grávida outra vez. Ele queria adotar, e ela é claro, não poderia ficar mais feliz com a decisão.

Adotar foi o segundo momento mais divino de sua vida. Eles foram até o orfanato e foi como se uma luz indicasse o caminho a seguir. No momento que ela segurou Sophia nos braços, ela soube que a pequena era sua filha. A menina tinha acabado de chegar ao abrigo, pois a mãe havia morrido ao parir. Mais uma vez o destino foi certeiro e a Sophia veio para completar a família e encher ainda mais de amor a vida deles. Quem não conhecesse jamais diria que ela era adotada. Tinha cabelos loiros e olhos azuis que lembrava os de Robin. Já Raphael era a cara de Regina, exceto talvez pelas covinhas que herdara do pai.

Ela não pode deixar de sorrir com as lembranças. Uma lágrima escorreu de seu olho direito, tamanha era a emoção que sentia.

“Por alguma razão nossas vidas se cruzaram e agora estamos aqui, sendo nada, mas mesmo assim eu não consigo parar de me sentir grande, forte, indestrutível... Um nada com a sensação de ser tudo, de poder tudo... Eu me sinto... Infinita!” – A frase que Regina havia dito a Robin na última vez que eles estiveram em Paris invadiu sua mente. Mais do que nunca ela era infinita.

 

 

Robin terminou de arrumar as crianças e viu sua esposa observando-os. Eles trocaram um olhar profundo e sorriram um para o outro. Depois, o loiro levou os filhos para o quarto conjugado ao lado e os deixou com a babá, em seguida voltou para onde estava sua mulher.

- Ainda preocupada com o desfile? – Robin se aproximou de Regina e segurou em sua cintura. Com a outra mão, arrumou uma mexa de cabelo atrás da orelha dela.

- Estou nervosa, só isso... É a primeira vez que minha marca vai estar na passarela da mais importante semana de moda do mundo – Respirou fundo, e Robin pode sentir o corpo dela estremecer.

- Como eu disse antes, vai dar tudo certo! As crianças estarão na primeira fileira junto com Belle, e eu estarei fotografando cada detalhe! Estamos com você... Sempre. – Sorriu e depositou um beijo na testa dela.

- Eu sei, mas o meu medo é deles não gostarem, entende?

- Meu amor, você trabalhou tanto nessa coleção, batalhou tanto para estar aqui, criou sua marca própria, tem uma das lojas de vestidos mais conceituadas de Nova York, ninguém merece estar aqui tanto quanto você! Esse mérito é seu, e eu tenho muito orgulho de tudo que você conquistou. – Robin disse e a beijou delicadamente nos lábios, porém Regina abriu mais a boca dando abertura para que ele aprofundasse o beijo. Robin aceitou de bom grado e a abraçou forte pela cintura, intensificando a união de seus corpos. Quando o ar se fez necessário, ele desgrudou seus lábios e a observou ainda de olhos fechados, mordendo o lábio inferior. – Eu te amo Regina.

- Eu também te amo, meu amor – Ela respondeu abrindo os olhos e o olhando profundamente. Era incrível como aqueles olhos azuis lhe davam paz. Olhar para eles transmitia calma e serenidade, e ela suspirou aliviada com a certeza que o desfile seria um sucesso, afinal, ela tinha ao lado dela a maior e melhor torcida de todas: sua família.

 

XXX

 

(This Is What You Came For – Rihanna)

 

Nunca na vida de Regina um desfile estava dando tão certo. Apesar da correria que era comum nesses eventos, todas as modelos estavam impecáveis e prontas para entrar na passarela, porém, era difícil conter o frio na barriga e a ansiedade. Faltava apenas dez minutos para as moças começarem a entrar quando Regina passou a mão em seu colo e não sentiu seu amuleto da sorte. Voltou correndo para o camarim e revirou a bolsa. Respirou aliviada ao achar o colar que Robin havia lhe dado um dia antes do casamento deles.

 

 

- Eu mal consigo acreditar que amanhã há essa hora finalmente estaremos casados... – Disse Robin por trás de Regina, acariciando seus ombros enquanto a mulher se olhava no espelho da penteadeira.

- Isso não te assusta? – Ela perguntou sem parar de pentear os cabelos.

- Muito. – Ele riu – Mas eu nunca tive tanta certeza do que eu quero em toda a minha vida.

- E o que você quer?

- Ser feliz! Ter uma família, ter um futuro cheio de esperança e amor... Com você! Você é o meu futuro, Regina.

- E você é o meu! – Ela sorriu para seu reflexo no espelho e ele retribuiu o gesto.

- Eu tenho algo para você – Disse e tirou uma pequena caixinha de seu bolso.

- Robin, a aliança é só amanhã – Riu.

- Não é uma aliança, isso é diferente... É um presente, não só de casamento, mas um presente para a vida. – Robin abriu o objeto e tirou de dentro um colar dourado com um pingente de pena folhado a ouro. Ele abriu o fecho, e com delicadeza, colocou em volta do pescoço de sua futura esposa, que imediatamente parou de pentear as madeixas e levou as mãos na peça recém-colocada em seu colo.

- Uau, meu amor, isso é lindo! – Respondeu emocionada.

- Simboliza amor e esperança. Quero que você a use amanhã durante nosso casamento e sempre que se sentir com medo, angustiada ou sozinha, para se lembrar de que eu estou com você independente de tudo. 

- Eu nunca mais vou tirá-la, vai me trazer sorte.

- Eu sou a sua pena da sorte.

- Sempre.

 

 

 

As luzes se acenderam indicando o início do desfile. Uma por uma, as modelos entraram ao som da música que invadia o ambiente. A plateia admirava com fascinação as obras de artes produzidas por Regina Mills Locksley, que em alguns meses estampariam as capas de revistas e chegaria às lojas de todo o mundo. Robin fotografava cada detalhe com proeza e dedicação. A fotografia era sua paixão, mas fotografar o trabalho de sua mulher era ainda mais realizador.

Todos aplaudiram de pé o resultado final. Após as modelos se enfileirarem, Regina entrou magnificamente com seu vestido preto bordado de flores vermelhas feitas a mão por ela mesma. Ela estava linda e radiante. Saudou a grande plateia, mas seu olhar caiu sobre a primeira fileira onde era para estarem seus dois filhos. O lugar estava vazio ao lado de Belle o que deixou a estilista apreensiva já imaginando o pior.

Ela olhou para Robin, que sorriu, indicando com o dedo para ela se virar. Ao fazer o movimento, ela viu ao fim da passarela, dois pequenos seres de luz entrando de mãos dadas, cada um com uma rosa branca em mãos. Eles foram à direção dela e lhe entregaram as flores.

Regina as recebeu e abraçou seus filhos, alimentando ainda mais a salva de palmas dos convidados.

- Eu amo tanto vocês meus anjinhos – Disse aos filhos com os olhos marejados pela emoção.

- Eu te amo muito mamãe – Respondeu Raphael.

- Tí amu mamãe – Sophia também disse a mãe.

 

XXX

 

(Velha Infância – Tribalistas)

 

- Robin para com isso, assim você vai acordar as crianças – Regina tentava se afastar, em vão, dos beijos de seu marido assim que eles voltaram para o hotel, já de noite.

- Não se preocupe com elas, foi um dia cheio, estão exaustas. – Robin respondeu, continuando a carreira de beijos pelo pescoço da mulher. – Além do mais, eu tranquei a porta do quarto conjugado e me certifiquei que era a prova de som, a babá está com eles, qualquer coisa ela liga...

- Nesse caso... – Ela o empurrou devagar e desabotoou o zíper de seu vestido, fazendo-o cair no chão e expondo seu corpo nu.

- Regina Mills Locksley, eu não acredito que você estava na frente de milhares de pessoas sem calcinha – Disse Robin boquiaberto.

Regina riu do desespero do marido e logo se tratou de tirar a camisa social dele.

- O que importa o que eu deixo ou não de vestir, se no fim do dia, o único que vai usufruir de tudo isso é você? – Falou enquanto desabotoava os botões e depositava beijos molhados pelo abdômen do fotógrafo.

- Meu Deus, eu criei um monstro – Brincou.

Ela desfivelou o cinto e abaixou a calça juntamente com a cueca do marido. Mas antes que ela pudesse devorá-lo como estava planejando, ele foi mais rápido e pegou ela no colo, colocando-a na cama.

- Hoje é seu dia, deixa isso comigo – Ele disse maliciosamente e com o olhar cheio de desejo. – Fica quietinha!

Robin foi até a sala e pegou um balde de champanhe cheio de gelo que havia pedido alguns momentos antes ao hotel. Voltou com recipiente para o quarto fazendo Regina gargalhar com o que ela sabia que viria a seguir. Ele havia feito a mesma coisa da última vez que os dois estiveram em Paris.

Robin pegou uma pedra de gelo e colocou entre seus dentes. Depois, depositou com cuidado no corpo quente de sua mulher. Regina se estremeceu com o choque térmico em seu colo. Ainda com a boca, Robin deslizou o gelo pelo vão entre os seios dela, barriga, umbigo, até chegar a sua parte íntima. Ela abriu ainda mais as pernas, dando mais abertura para ele. Robin pegou outra pedra de gelo com a boca e levou até a vagina dela. A água gelada misturou-se com o líquido quente que saia das paredes internas de Regina. Ela gemeu com a sensação de quente e frio que Robin a proporcionava.

Enquanto sua língua trabalhava com o gelo, estimulando o clitóris de Regina, Robin a penetrou com dois dedos, fazendo movimentos de vai e vem e arrancando suspiros e gemidos de sua amada. Em nenhum momento ela interferiu nos trabalhos dele, apenas relaxou e sentiu cada sensação do momento. Ele a chupou e a mordiscou fazendo-a gritar de prazer. Sempre que necessário ele ia repondo o gelo, intensificando cada vez mais seus movimentos, até Regina se tremer por completo indicando que chegara ao clímax. Ela estava suada e ao mesmo tempo arrepiada com o mix de prazeres proporcionados por seu marido.

 

 

Após o corpo de Regina voltar ao estado – quase – normal, Robin deitou em cima dela e a beijou com intensidade. Aos poucos ele foi descendo os beijos pelo pescoço e seios, se perdendo por completo na região. Ele chupou com vontade cada um deles, sempre os intercalando. Sua língua molhada lambia os generosos peitos, fazendo a estilista se contorcer abaixo de si. Com uma das mãos, Regina masturbou o pênis duro de seu marido e o direcionou para dentro dela. Robin gemeu alto ao entrar em sua esposa. Ele começou seus movimentos lentamente, aumentando o ritmo conforme ela ia se entregando mais e mais. Ele nunca ia cansar da sensação de estar dentro da mulher que amava. A cada momento de união entre seus corpos ele tinha a certeza de que ela era sua, assim como ele era dela. Eles se pertenciam, e o sexo ia além de dois corpos, era uma junção de almas. Almas gêmeas e apaixonadas.

Eles se olharam nos olhos quando o orgasmo chegou ao mesmo tempo para ambos. Naquele pequeno infinito de amor, o tempo se faz eterno.

 

XXX

 

(Forever And Always – Shania Twain)

 

No dia seguinte, a família Mills Locksley aproveitou a estadia em Paris para passear e conhecer lugares novos. Eles tomaram sorvete em frente ao Arco do Triunfo, andaram pelo Museu do Louvre, Catedral de Notre-Dame e é claro, não poderiam deixar de ir a Torre Eiffel.

Robin havia pedido para o hotel em que eles estavam hospedados preparar uma cesta de piquenique. Ele foi até o carro que havia alugado para o passeio e pegou os quitutes parisienses escolhidos especialmente para a família.  Regina forrou uma toalha xadrez vermelha embaixo de uma árvore com vista para a Torre, então, eles se sentaram e começaram a comer, admirando toda a vida em volta. Depois, as crianças começaram a correr e brincar em volta da árvore.

- Em que você está pensando? – Robin perguntou ao ver que Regina estava com o olhar concentrado na Torre Eiffel.

- Eu nunca imaginei que eu pudesse ser tão feliz... – Respondeu olhando para ele com os olhos marejados.

- Eu também não... – Robin disse sorrindo. Ele se aproximou e deu um selinho nela.

- Papa, já está na hora? – Raphael perguntou ao ver seus pais se beijando.

- Na hora de quê? – Regina quis saber.

- Na hora do casamento! – O pequeno disse espontaneamente.

- Casamento papai? – Sophia repetiu olhando de seu irmão para seu pai.

- Que casamento? – Regina voltou a questionar desconfiada.

Robin apenas deu uma piscada de olho para o filho mais velho que tirou do bolso uma caixinha de veludo vermelha e entregou para o pai.

- Seu casamento! – Rapha disse como se fosse a coisa mais obvia do mundo e Sophia começou a rir batendo palma como se estivesse entendendo tudo que se passava.

Antes que Regina pudesse perguntar mais alguma coisa, Robin abriu a caixa e tirou duas alianças de dentro.

- Achei que esse seria um momento apropriado para nós renovarmos nossos votos... O que acha?

- Mas Robin... – Regina o encarou espantada – Aqui? Agora? Mas nem tem padre ou...

- Shiu! – Ele a calou com um selinho – Aqui e agora! Não precisamos de mais ninguém além de nossos filhos. – Disse a fazendo sorrir. Ele tirou a antiga aliança e guardou no lugar da nova – Regina Mills Locksley – Começou – Um acessório tão pequeno e delicado com um anel jamais irá representar a dimensão do nosso amor e da nossa união. Não estou trocando por achar que está velha ou desgastada ou por querer recomeçar algo novo, nada disso. Essa nova aliança é apenas para reafirmar nosso compromisso de casados e simbolizar algo que vai muito além de nossa compreensão. Por isso meu amor, receba essa nova aliança apenas para você continuar tendo a certeza de que eu pertenço a você todos os dias de minha vida, e até mesmo após a morte. Eu sou seu de corpo, coração e alma. Eu te amo.

Era impossível conter as lágrimas que caiam incessantemente pelos olhos de ambos.

- Robin de Locksley – Ela pegou a outra aliança e direcionou até o dedo dele, e mesmo com a voz embargada ela continuou – Receba essa nova aliança, para que você continue tendo a certeza que a cada dia que passa eu continuo sendo ainda mais feliz do que o dia anterior pelo simples fato de ter você e nossos filhos em minha vida. A cada dia que passa você me transborda e me faz infinita. Eu te amo com cada partícula do meu ser e te amarei por toda a minha vida e até mesmo após a morte.

- Eu vejo as suas cores reais, e é por isso que eu te amo... Para sempre!

Um beijo apaixonado selou os votos de amor e união da estilista com o fotógrafo. Raphael e Sophia se aconchegaram no abraço quentinho e cheio de amor de seus pais, encerrando aquela tarde de sorrisos, luz e esperança.

Ao fundo, o sol se punha atrás da Torre Eiffel. Paris era, afinal, a cidade de Regina e Robin.

 

 

Fim.


Notas Finais


Estou louca para saber o que vocês acharam, me contem please!! hahaha Podem me mandar no Twitter tbm, eu sempre leio @ihamanda
Mais uma vez obrigada pelo carinho, vocês me incentivam a continuar escrevendo sempre e sempre <3
Falando nisso, estou com uma fic nova para quem não sabe. Chama "Amarelo Amor" e é o meu xodozinho *-* Quem quiser acompanhar https://spiritfanfics.com/historia/amarelo-amor-6355983 (Desde já adianto que nem Regina nem Robin morre nessa história)


Gratidão.

Beijos de luz ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...