História O Amor na Guerra - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~Aurora_Boreal

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Bankotsu, Inu no Taishou, Inuyasha, Izayoi, Jaken, Kagome, Kagura, Kikyou, Kohaku, Kouga, Miroku, Naraku, Rin, Sango, Sara Asano, Sesshoumaru
Tags Rin, Sesshoumaru
Exibições 153
Palavras 1.124
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi meu povo!
desculpe pela demora, mas eu não tive muito tempo para postar.
Agradeçam também á yukina_chan (Talita).Que me deu um toque, sobre postar esse capitulo.
E quero dar as boas vindas a Fervezinha-chan (Fernanda kreuz) : obrigada pelo comentário anterior!
A aurora_boreal (Letícia Barbara) quase me bate por eu ter demorado a postar.
Boa leitura!
E desculpe os erros.

Capítulo 4 - Irresistível


Fanfic / Fanfiction O Amor na Guerra - Capítulo 4 - Irresistível

     Rin On 

 

    Já estamos chegando perto da minha prisão. Ele saí do carro e vem para a minha porta e a abre com brutalidade. Ele faz um sinal com a cabeça para que me retira-se do carro. Assim eu fiz.

    Uma hora ele e gentil, mas depois ele volta a ser esse bruto.

    Meu braço ainda está doendo quando faço muitos movimentos com ele, mas eu não demonstro estar sentindo dor. Ele anda na minha frente. Chegamos a porta, ele á abre e faz um sinal com a cabeça para que eu entre. Eu entro com a intenção de me esconder do seu olhar frio, ando em passos rápidos para o quarto, antes de me virar vejo uma expressão indecifrável por parte dele, mas continuo. Apenas me sento na cama e fico a sua espera.

 

     Sesshoumaru On 

 

    Ela corre para o quarto. Ela mesmo tendo levado um tiro, continua sendo a mesma. Ela não fez mais nenhum ruído. Estranhei sua ação e fui em direção ao quarto. 

    Ela estava sentada na cama, com a expressão calma e serena. Suas mãos estavam no seu colo e seu cabelos estavam soltos.

    - Rin - Ela me olhou surpresa. - O que foi?

   - E que você nunca me chama pelo nome. - disse ela com um sorriso no rosto.

    Eu fecho a cara e saio do quarto. Saio da casa e vou em direção ao carro pego todas as roupas que comprei para ela e volto para dentro da casa.

 

     Rin On 

 

    Não entendi bem a reação dele ao meu comentário, mas continuo na mesma posição de sempre, calada e calma.

    Ele aparece de novo, com muitas sacolas nas mãos. Ele coloca as sacolas no chão e me olha dessa vez com um olhar calmo e vem minha direção. Ele se senta ao meu lado e segura minha mão.

    - Rin, essas roupas são suas - ele disse ainda segurando minha mão - Alias, não vai usar essas roupas para sempre. - ele me olhou dos pés a cabeça. - tudo bem?

    - Sim - respondo. 

    Ele continua a me olhar. Ele levanta uma das mãos e coloca uma mecha de cabelo atras da minha orelha e coloca sua mão agora no meu rosto, seu dedo polegar desliza sobre meus lábios, ele chega bem perto de mim, tão perto que consigo sentir sua respiração acelerada.

    Eu espero algo acontecer, mas não acontece nada.

    O que será que ele pretende?

    Olho para ele de novo e ele me olha confuso, ele balança a cabeça como se quisesse afastar seus pensamentos. Ele se levanta e sai sem dizer mais nada.

 

     Sesshoumaru On 

 

    O que eu estou fazendo? Eu quase á beijei, tudo por que ela estava de uma forma tão atraente. Lembro dos seus lábios rubros, parecem me chamar para toca-los. Eu Sesshoumaru beijando uma judia? Isso seria considerado uma piada, aos ouvidos de quem ouvisse.

    Saio da casa e a tranco, para que ela não fuja novamente, acho que ela não tem muita força no braço para pular de novo daquela janela. Entro no carro e sigo em direção a cidade.

    chegando na cidade entro e uma padaria aparentemente. Faço pedido, sem demora ele traz o que eu pedi eu pago e logo em seguida me retiro.

 

     Rin On 

 

   Ele saiu e eu nem sequer fiz nada, apenas continuei  sentada na cama. Fico pensando em tudo que me aconteceu nesses dias.

    Como o kohaku está? Como será que ele vai reagir, ao souber o que me aconteceu? Que outro homem me tocou, me beijou pelo corpo? Será que posso ser banida? São tantas perguntas, mas não tenho a resposta de nenhuma delas. Será  que esse homem tem alguma informação sobre o kohaku? Não custa tentar.

    Ouço a porta se abrir e continuo parada. Ele aparece sobre a porta do quarto , me olha e acena com a cabeça para eu ir para sala. Ele aponta para cadeira perto da mesa e pede para eu me sentar,  e assim eu fiz.

    Ele coloca sobre a mesa um embrulho e eu não entendo, olho para ele em busca de respostas e ele acena para o embrulho. Ele quer que eu abra! 

    Obro o embrulho e dentro tem pães. Meus olhos brilham e ele nota. Todos esses dias que eu fiquei sem comer, pareceram ser uma eternidade.

 

     Sesshoumaru On 

 

     Ela sem se importar com modos, agarra os pães e os levantas e fala palavras que eu não entendo e depois come um pão. 

    Acho que e assim que eles agradecem pelo alimento...

   Ela devora com rapidez os pães sem se importar com a minha presença. Quando noto, não sobrou mais nada. Ela devia ter passado dia sem comer.

    - O que você fez com ele? - ela me pergunta e eu arqueio uma sobrancelha. 

   - Ele quem? - digo com minha voz fria - você se refere ao judeu que fugiu junto com você?

    Ela assentiu com a cabeça.

    - Já deve estar morto - afirmo, ela treme um pouco. Ela se abraça como se quisesse um pouco de conforto, mas já vejo algumas lagrimas no seu rosto.

 

     Rin On 

 

    Morto? Não, não ele deve estar bem. Não consigo imaginar um futuro sem o kohaku, desde de sempre ele esteve ao meu lado, somos feitos um para o outro. 

    - Não - digo, já com as lagrimas nos olhos - ele deve estar bem, eu acredito nisso.

    - Ele deve ser importante para você - ele chegou bem perto de mim - o que ele e para você exatamente?

   - Ele e meu futuro marido - eu olhei bem fundo dos seus olhos dourados - o único que ira poder me tocar.

    Vi o ódio nos olhos dele. Ele me carregou e me levou até o quarto, ele me colocou sobre cama, jogou seu quepe em um canto do quarto e ficou bem perto de mim. Pude sentir sua respiração perto da minha boca. Aquele olhos dourados me olhavam com desejo. Ele está totalmente irresistível. 

   - Tem certeza de que ele será o único homem a te tocar? - ele perguntou e eu não pude formular palavras para responder.

    Ele tomou meus labios ferozmente. Ele invadiu minha boca com sua lingua e passou a me deixar totalmente indefesa. 

    E eu aprofundei seu beijo totalmente viciante.

  


Notas Finais


Comenta ai!
Eu to implorando!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...