História O amor obscuro - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Álvaro Morata, Cristiano Ronaldo, Francisco "Isco" Suárez, James Rodríguez, Karim Benzema, Lionel Messi, Toni Kroos
Personagens Álvaro Morata, Cristiano Ronaldo, Francisco Román Alarcón Suárez, James Rodríguez, Karim Benzema, Lionel Messi, Personagens Originais, Toni Kroos
Tags Cristiano Ronaldo, James Rodriguez, Lionel Messi, Morata, Romance, Sexo
Visualizações 103
Palavras 1.276
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Esporte, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi! Leiam as notas finais, é importante.

Boa leitura, babies! 🌚💻📱

Capítulo 21 - Cap. 21


Fanfic / Fanfiction O amor obscuro - Capítulo 21 - Cap. 21

James Rodríguez:


Abro os olhos lentamente. Eu dormi. Como pude dormir? Junior aparenta desgaste. Maldito Álvaro!


Sinto como se meu rosto estivesse inchado, certamente está, devido aos socos de Morata. Já é dia. Posso garantir pela claridade atravessando as frestas do local.


— Junior — sussurro, cutucando-o com a parte detrás dos ombros.


— James, eu tô com medo.


— Nós vamos ficar bem, seu pai virá nos buscar.


— Não, ele não vem. — Diz o garoto, e sinto um frio na barriga só de imaginar a possibilidade. — Ele nunca se importa comigo.


— Ele se importa com você, so não tem tempo. — Digo, tentando acalmá-lo, algo que parece ser difícil de fazê-lo.


— Sim, ele tem tempo para tudo, menos para mim.


Suas palavras me fazem lembrar que Cristiano pode ser bem frio às vezes. O que me faz pensar também no assunto. Cris esteve dividido entre Georgina e Álvaro, depois eu. Onde haveria tempo para o garoto?


Isso faz com que eu me sinta horrível. O tempo todo me lastimava pelo desprezo de Cristiano e sequer me dei o trabalho de pensar em Junior. Que belo sem noção eu sou.


Um barulho ecoa pelo local, vem da porta, e logo em seguida outro, como se alguém estivesse tentando forçar a porta. Engulo em seco, meu coração pulsando rápido e forte.


Logo um barulho maior faz a porta ceder, me pareceu ter sido um chute. A imagem de Sergio se materializa na porta, enxendo-me de alívio.


— James! — Exclama ele, vindo até nós. — O que ele fez com você? — Fala, passando a ponta dos dedos em meu rosto repleto de hematomas.


— Está tudo bem. — Falo para tranquilizá-lo. — Vocês pegaram o Morata?


— Não, esse servicinho não é comigo.


— Quem era a garota que você beijava na festa?


— Ah! Era a… Não acha melhor deixar isso para depois? Eu preciso desamarrar vocês.


— Oh! Sim, claro!


Ele corta as cordas que me prendiam à cadeira e depois faz o mesmo com Junior.


— Livre, finalmente. — Falo.


— Melhor irmos andando, nunca se sabe o que um psicopata poderia ter posto aqui que possivelmente iria matá-los.


— Vamos! — Digo, na intensão de sair do local, porém percebo que Junior se recusa a seguir em frente. — O que houve? — Indago.


— Eu disse que ele não ai vir. — Fala o garoto, um tanto desapontado.


Me ajoelho frente a ele para ficarmos cara à cara.


— Ele tem uma explicação, eu sei que tem. — Comento, mas em nada ajuda.


— O seu pai precisou fazer uma coisa muito importante, por isso me mandou aqui. Se não fosse por ele, vocês ainda estariam amarrados. — Diz Sergio, sei que ele não quis parecer ríspido, mas ainda assim soou como tal.


— Tudo bem, ele sempre tem algo mais importante do que eu para fazer.


Encaro Sergio, ele apenas dá de ombros.


— Bom, de qualquer forma temos que ir agora. — Digo, Junior assente e logo deixamos o local, que só pra variar era no meio do nada.


Por que será que os caras maus sempre têm um lugar assim para levar as vítimas?


— Para onde vamos agora? — Pergunto, entrando no carro.


— Para a sua casa, lá é um lugar seguro.


— Como nos acharam?


— Foi fácil. Um tal de Juan localizou o sinal de celular do Morata.


— Juan? — Franzo o cenho. — Quem é esse?


— Bem vindo ao clube.


Dou de ombros, isso é o de menos.


— Onde está Cristiano, Sergio? — Inquiro.


Ele olha para Junior e dá a partida em seguida.


— Onde será que o Morata está? — Ele pergunta, obviamente me deixando confuso.


— Em algum lugar. — Respondo.


— Pois é! É lá que o Cristiano está.


Oh meu Deus!



Cristiano Ronaldo:


Paro o carro na pista, mesmo de longe posso ver o sorriso vitorioso no rosto de Álvaro. Isso me dá uma sensação de repulsa.


Saio do automóvel e abro o porta malas, tiro uma mala com dinheiro de dentro.


Caminho lentamente indo em direção a ele, que está perto de um helicóptero, mas não vejo alguém com ele.


Estranho, não sabia que ele pilotava. Na verdade não sei nada sobre o verdadeiro Álvaro.


— Por um momento pensei que não iria vir. — Fala ele assim que me aproximo.


— Eu disse que viria. — Abro a mala para que veja o dinheiro. — Aqui está!


— Como assim aqui está? Mudou de idéia? Não quer mas ir comigo?


— Você realmente pensou que eu iria com você? Ridículo! Eu jamais faria isso. — Chego a sorrir.


— Então você trouxe o dinheiro pensando que poderia me comprar? Você acha que eu sou a Georgina, que você comprava com algumas notas? — Pergunta ele, ainda aparentando calma na vóz, o que me assusta muito.


— Como sabe que ela me chantageava? — Retruco.


— Ela me contou.


Ele ri de soslaio.


— Não vou com você, Álvaro. A essa hora o Sergio já tirou eles do cativeiro, não pode mais usá-los contra mim.


Ele libera uma de suas gargalhadas histéricas.


— Impossível, vocês jamais saberão onde eles estão, a menos que aceite minha proposta.


— Eu rastreei sua ligação, sei onde eles estavam. — Abro um meio riso nos lábios. — Agora não tem mais com o que jogar, terá de aceitar o dinheiro e sumir para sempre ou eu te denuncio e você vai preso.


— Mas e minha carreira?


— Sua carreira já estava acabada desde o momento em que você os sequestrou. Você não tem outra escolha.


— Não pode ser. Eu sempre soube que sua aproximação com aquele colombiano maldito iria me destruir. Eu deveria ter o matado quando tive chance. Que raiva! — Grita ele e lágrimas deslizam pelas suas bochechas. Seus punhos estão fechados. — Por quê, Cristiano? Apenas me dê uma razão para ter deixado aquele desgraçado nos separar?


— Olhe para si mesmo, se teve alguém que nos separou, esse alguém é você.


— Não, foi você quem me traiu.


— Eu fiz o James sofrer por você e com um tempo me dei conta de que eu também sofria com tudo isso. Eu amo ele e ninguém irá mudar isto. Entenda de uma vez por todas, eu não te amo mais.


A intensidade de seu choro torna-se maior e com um tempo ele permanece calado.


— Vá embora, Cristiano. — Diz ele, pondo um fim no silêncio. — Você já me destruiu demais. Se quiser ir, vá! Não vou mais insistir. Leve a droga do seu dinheiro junto com você.


Pelo mínimo que for sinto uma pontada de pena dele, porém reprimo esse sentimento. O que ele fez foi muito grave e não tem como voltar como voltar atrás.


Sem dizer nada, dou as costas para ele, a melhor forma de dizer um “Adeus” para sempre. Forço meu pés para a andarem para a frente.


— Cristiano, espere! — Diz ele e no momento em que paro sou atingido por uma agulha em meu meu braço.


Não pode ser.


Caio de joelhos sobre o chão, seja o que for que ele me injetou tem uma forte intensidade.


— O que você fez comigo, Álvaro, seu desgraçado? — Inquiro, com a voz falha.


— Você realmente pensou que eu iria te deixar ir para ser feliz como ele? Ridículo! Eu não aceito te perder, Cristiano. Não aceito, ouviu bem? Eu não aceito.

Minha vista começa a ficar turva e meu corpo dormente. A cada momento que passa estou perdendo a lucidez, e meus olhos estão se fechando pouco à pouco e a escuridão me abraçando lentamente. 


Notas Finais


Gente, a fanfic está acabando. Calma! Esse não é o penúltimo capítulo e nem é o antepenúltimo, só quero avisar que está perto, okay? Okay. Ainda tem muita coisa para se resolver em O Amor Obscuro: será que Cristiano irá conseguir se salvar? O que irá acontecer com Morata? Será que James vai mesmo ficar com Cristiano? E Isco? Irá assumir que gosta do Kroos? James irá ficar no time? E quanto a assumir sua homossexualidade? Ele terá coragem para assumir?

Todas essas questões terão suas devidas soluções apartir de agora.
Beijos e até os comentários e o próximo capítulo. 💝😚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...