História O Amor Se Fez Presente - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gustavo Stockler (Nomegusta), Kéfera Buchmann
Personagens Gustavo Stockler, Kéfera Buchmann
Tags Gustavo Stockler, Kéfera Buchmann
Visualizações 112
Palavras 1.836
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha, esse cap tá forte
a Resposta que você queriam etá ai, é só ler

Capítulo 38 - Duas


Anteriomente

Não. Eu não estou grávida. Isso não é verdade,  é só uma virose e nada mais​

...............

Me levantei do chão e escovei os dentes, ainda sentia um gosto ruim na boca então fui na cozinha beber um pouco de água. Percebi que eu não ainda não tinha trocado de roupa, fui para o meu quarto e peguei um short de tecido verde água e uma blusa branca de alça. Voltei para sala e continuei a ver a série, olho para o meu celular e vejo que tem uma mensagem não lida.

"Obrigado por ter me perdoado, mesmo depois de tudo que eu te fiz. Espero que o Gustavo saiba ver a mulher incrível que ele tem ao lado dele. 

Rafael"

Eu pensei em responder, mas nada veio a minha mente, percebi que não tinha resposta, ele já sabia de tudo e eu já tinha "esquecido" em partes o passado. Comecei a ver algumas coisas no celular, mensagens, e-mails, redes sociais, tudo. Já era quase 13hr quando o interfone começa a tocar, a Bruna não é, o seu Beto conhece ela deixaria ela subir na hora. Marisa? Não, ela avisou que viria com a Bruna só por volta das 15hr. Matheus? Não, eu avisei pra ele que eu não queria ver ele, ele não seria capaz de vir, seri?. Gustavo? Pode ser, o seu Beto não conhece ele e não deixaria um estranho entrar no prédio. Ou pode ser só o Seu Beto, ele sabe que eu gosto de conversar com ele e as vezes me interfona só pra botar o assunto em dia. Me levantei rápido para atender.

 

Ligação ON

 

Ké: Oi seu Beto.

Beto: Oi minha filha, olha tem um rapaz aqui querendo subir, deixo?

Ké: Qual o nome dele seu Beto?

Beto: Só um minuto, qual o seu nome rapaz? - Espero alguns segundos até ele responder - Gustavo.

Ké: Pode deixar subir.

Beto: Tudo bem, você pode subir - Espero mais uns segundo até ele voltar a falar - Ele é bonito menia, é seu namorado?

Ké: O senhor promete guardar segredo? - Digo brincando com ele.

Beto: Você sabe que sim menina.

Ké: É seu Beto, ele é meu namorado, mas não vai contar pra Vitória do 202, você sabe que aquela lá é fura olho.

Beto: Pode deixar minha filha, da minha boca não sai um piu.

Ké: Vou confiar, viu? - Escuto o barulho da campainha tocando - Ele chegou, beijo seu Beto.

Beto: Beijo minha filha.

 

Ligação OFF

 

Desligo o interfone e respiro fundo algumas vezes. Por que você ta nervosa Kéfera Buchmann?. Diminuo o volume da televisão e corro até a porta, respiro fundo mais uma fez e finalmente abro. Ele tinha um buquê de girassois cobrindo o rosto, era inevitável não sorrir com essa cena.

Gusta: Aceita mais um pedido de desculpa de um índio?

Ké: Eu só aceito se o índio me deixar ver o rosto dele - Ele tira o buquê do rosto e me entrega - E lógico, se o índio merecer as desculpas.

Gusta: E como o índio pode merecer essas desculpas?

Ké: Entrando e me dando um beijo talvez.

Dou mais espaço para ele poder entrar e assim ele faz. Fecho a porta atrás de mim e vou até a cozinha arrumar um vazo para as flores, Gusta vem atrás de mim e quando eu coloquei as flores no balcão ele me vira e me beija. O beijo foi calmo, eu joguei os meus braços no pescoço dele e o mesmo abraçou a minha cintura, ficamos desse jeito até o oxigênio faltar nos nossos pulmões, terminamos o beijo mas não nos separamos.

Ké: É... Eu acho que o índio tá desculpado agora.

Gusta: O índio agradece.

Rimos e fomos até a sala, ele se sentou no sofá e eu sentei ao lado dele, ficamos vendo tv e conversando sem nos preocupar com a hora. A gente falava sobre as séries que passavam na tv, sobre os desenhos que a Laura gosta, sobre trabalho, sobre a Bruna e o Vitor Hugo... Putz! A Bruna!

Ké: Eu tinha esquecido.

Gusta: O que? 

Ké: A Bruna e a Marisa vão vim pra cá daqui a pouco.

Gusta: Vai me trocar pela Bruna e a Marisa?

Ké: Já disse que não te troco por nada, mas eu já recusei uma noite com elas, não posso fazer isso de novo e ela já estão... - Sou interrompida pela campainha - Chegando.

Me levanto e vou atender a porta. Marisa aparece com mil sacolas na mão e a Bruna com mais mil. Elas passam direito pela porta, sem pedir licença, acredita? Eu mereço uma coisa dessas. Bruna e Marisa vão logo para a cozinha deixar as coisa por lá enquanto eu fecho a porta.

Bruna: Nem pensar.

Ké: O que foi?

Marisa: Dia das MULHERES, nada de machu aqui dentro hoje.

Gusta: Ei, respeito por favor - Ele diz se fazendo de vítima e rindo ao mesmo tempo.

Ké: Ele não pode fica? Ele promete ficar calado, não promete - Olho para ele e ele apenas balança a cabeça fazendo biquinho - Ta vendo?

Bruna/Marisa: FORA!!!

Ké: Pelo visto eu acabei de perder a minha casa.

Marisa: A gente te ama, mas com ele aqui a gente não vai poder falar mal dos homens da nossa vida.

Bruna: Exatamente, como eu vou reclamar do "Torugo" com o melhor amigo dele aqui?

Marisa: Se ele não sair em 20 segundos, ele perde o amiguinho dele.

Ké: Agressiva você, né Marisa?

Bruna: 19... 18

Ké: Bruna... (interrompida)

Marisa: 17, 16.

Gusta: Tcahu amor, foi muito bom passar essas horas com você. - Ele me da um selinho rápido e corre em direção a porta.

Ké: Gustavo ela não vão fazer... (interrompida)

Bruna/Marisa: 15, 14

Gusta: Eu não vou ficar aqui pra ver, beijos, te amo. - Ele me da outro selinho e sai pela correndo pela porta.

Ké: Vocês não prestam sabiam?

Bruna: Olha quem fala...

Fomos todas para cozinha ver as coisas que elas trouxeram Chocolate, pipoca, biscoito, refrigerante, tequila e vodka. Pelo visto uma ressaca me espera amanhã. Começamos a comer algumas coisas e depois fomos pra sala ver algum filme. A principio o plano era sair e encher a cara fora de casa, mas eu falei que ão tava no clima e elas toparam ficar enchendo a cara aqui em casa mesmo. Já era umas 18hr quando a gente resolveu começar a beber, um pouco que fique bem claro, eu não bebi mais que dois shot de tequila e limão. Alguma coisa me impedia de beber mais, e eu sabia o que era, a possibilidade de estar... Grávida.

Marisa: Tá, agora me conta, como vão a vida de vocês?

Bruna: O mesmo cu mal limpo de sempre e a sua?

Marisa: Uns dois meses na seca, isso já se explica a minha, Ké?

Ké: Recebi uma proposta de emprego.

Marisa: Mentira, onde?

Ké: Em Vancouver.

Bruna: Você aceitou?

Ké: Não, eu tenho até o final desse mês pra decidir.

Marisa: Duas semanas.

Bruna: E o que o Gustavo falou?

Ké: Ele não falou nada porque ele ainda não sabe.

Marisa; E por que você não contou?

Bruna: Você não pode viajar sem falar com ele antes.

Ké: Eu não disse que ia viajar.

Marisa: E você vai recusar um proposta dessa?

Ké: Não.

Bruna: Você vai ter que falar com ele, de um jeito ou de outro.

Ké: Como a Marisa disse - Dou uma pausa e como um pedaço de chocolate - Eu ainda tenho duas...

Me levanto o mais rápido possível e corro até o banheiro, colocando novamente tudo que eu comi o dia inteiro pra fora. Escuto o barulho das meninas correndo atrás de mim e parando na porta do banheiro. Elas tinham o semblante preocupado, eu tentei levantar mas fiquei tonta e acabei caindo de volta no chão, Marisa me ajuda a levantar enquanto a Bruna vai na cozinha pegar um copo de água com açúcar.

Ké: Eu já to bem Marisa, pode me soltar agora.

Dou um sorriso fraco e ela me solta, fomos as duas para a sala e ela me ajudou a sentar no sofá, mesmo eu falando que não precisava. Bruna chegou com a água e eu bebi, elas ainda me olhavam com o semblante preocupado, mas a Bruna tinha outra coisa junto.

Bruna: Você já fez o teste?

Ké: Eu não tó... (Interrompida)

Bruna: Você não tem como ter certeza.

Ké: Eu tenho sim.

Bruna: 40% de chance não é tão pouco assim.

Ké: Eu não vou me iludir mais com isso.

Marisa: Desculpa me intrometer mas já me intrometendo, 40% de chance de que?

Ké: Eu sofri um acidente de carro á alguns anos atrás e entrei em coma depois de 8hr na mesa de cirurgia. Tive ma hemorragia interna por causa da batida e perdi...

Marisa: Perdeu?

Bruna: A Alice... Ela tava grávida de sete meses no dia do acidente.

Ké: Quando eu acordei do coma, a médica que me atendeu disse que por causa do acidente eu tinha 40% de chance de voltar a engravidar.

Bruna 40% ainda é uma grande porcentagem.

Ké: Eu não... (Interrompida)

Marisa: Fez o teste?

Ké: Você também... (Interrompida)

Marisa: Como a Bruna disse, 40% ainda é uma grande porcentagem, você fez o teste?

Ké Não e eu não vou... (Interrompida)

Bruna: Você vai, nem que seja a força, você vai fazer o teste. Marisa - Diz ela se levantando - Fica aqui com ela enquanto eu vou ver uma farmácia aberta.

Ké: Bruna não.

Marisa: Bruna sim, pode ir, eu fico aqui com ela.

A Bruna pegou a bolsa e as chaves do carro foi embora, eu tentei falar com a Marisa mas foi impossível, eu não ia fazer ela mudar de ideia. Tentei botar na minha cabeça que eu não estava grávida mas no fundo tinha aquele pingo de esperança crescendo dentro de mim. Sim, 40% de chance é uma grande porcentagem e foi exatamente o que a Doutora Sabrina havia me contado. Quarenta minutos depois a Bruna chega com uma sacola na mão, o teste de gravidez.

Bruna: Vai no banheiro, a gente vai ta aqui te esperando com o resultado.

Peguei a sacola da mão dela e fui para o banheiro, li o manual de instruções e fiz exatamente como ele mandou. Assim que eu terminei, voltei para sala, as meninas estavam sentadas no sofá e quando eu cheguei levantaram na hora.

Ké: Tem que esperar cinco minutos.

Deixei o teste no chão e me sentei ao lado dele, Bruna e Marisa fizeram a mesma coisa. Todas nós estávamos nervosas, foram os mais longos cinco minutos da minha vida, Marisa ficava a toda hora olhando o celular para ver se a eternidade dos cinco minutos haviam passado, e quando finalmente passou eu fiquei sem reação, não consegui olhar para o teste. Bruna já impaciente pegou o teste do chão e olhou o resultado.

Marisa: Uma barrinha negativo, duas positivo, quantas tem ai?

Bruna: Duas


Notas Finais


Bom gente boa noite, beijos, e eu vou sair logo antes que você me matem
na vdd já era pra eu estar dormindo então tcahu!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...