História O Amor Supera. . . - Capítulo 14


Escrita por: ~

Exibições 18
Palavras 3.094
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 14 - Quatorze


Fanfic / Fanfiction O Amor Supera. . . - Capítulo 14 - Quatorze


Segunda feira. Mais uma semana se começa e eu estou me preparando mentalmente para aturar mais olhares maldosos em minha direção.

Acordei cedo e coloquei meu uniforme, desci e papai e mamãe já estavam à mesa. Os cumprimentei e sentei á mesa participando da conversa que até ali estava os fazendo rir.

Dessa vez nosso café foi tranquilo e nada de discussões e nem tortas encontradas.

Fui até a cozinha e me despedir de Vera com um grande beijo e um abraço apertado antes de ir para a escola, como sempre ela quase chorou.

Tão fofa!

Saímos juntos de casa e nos despedimos, mamãe e papai entraram em um carro e foram para empresa, já eu entrei em outro me encaminhando para escola.

Me afundei no banco de trás do carro e cruzei os braços respirando fundo mais de uma vez olhando para a paisagem lá fora.

Talvez as pessoas já esqueceram.

Tentei acreditar nisso,mas eu tenho certeza que Júlia não vai deixar eles esquecerem tão cedo.

Pouco minutos depois paramos em frente a entrada da escola, vários carros estavam estacionados ali, provavelmente alunos assim como eu que acabaram de chegar.

Me despeço do motorista e saio do carro com minha mochila nas costas, olhei para frente e me deparei com Beto encostado em seu carro perto da entrada da escola conversando com alguns amigos e a conversa parecia animada, não que isso tenha me incomodado.

Tentei passar despercebida por eles, mas falhei miseravelmente pois logo ele notou minha presença e parou de falar, fez um gesto para seus amigos esperarem e veio em minha direção.

Andei mais rápido tentado entrar o quanto antes, mas ele me alcançou e segurou no meu braço com firmeza, tentei me desvenciliar de seu aperto mas ele é mais forte.

-Não adianta tentar fugir.-avisou com a voz calma.

Bufei e parei na sua frente impaciente.

-Pode dizer.-eu disse sem olha - lo já irritada.

Ele me ignora a semana inteira e agora vem como se não tivesse acontecido nada?

Ah filho vai procurar a vovozinha.

Ele soltou meu braço e suspirou passando a mão no rosto em sinal de nervosismo.

-Eu quero pedir desculpa Esther, eu fui um estúpido por ter te tratado daquela forma.-Ele disse com uma expressão de culpa.

Mas isso não me convenceu,o que ele me fez sentir foi pior que essa culpa que ele aparenta ter.

Cruzei os braços e rir debochada.

-Ah, Beto faça mil favores,você me ignora a semana inteira, me olha como se eu fosse uma vadia, e agora vem com uma cara de anjo e um pedido de desculpas como se assim tudo fosse se apagar!-eu disse de forma cínica e pontuei nos dedos cada item e depois fiz um gesto com a mão como se algo se apagasse.

-Me desculpa Esther, eu nunca te achei uma vadia!-ele disse sério e me repreendeu com o olhar mas eu só revirei os olhos batendo o pé direito no chão impaciente.-É que eu fiquei muito irritado por você está com aquele idiota e ainda ser o maior assunto da escola!-ele exclamou passando a mão nos cabelos.

-Não sei porquê, já que não temos nada.-eu disse olhando as unhas sem dar importância.

-Eu sei, mas eu sou o seu amigo e me preocupo com você e sei que Rick só quer te usar.-ele disse com a voz firme me desarmando.

Deixei a cara de indiferença de lado e descruzei os braços.

-Eu me preocupo com você minha pequena e não quero de ver sofrer.-ele disse em um tom mais baixo e um sorriso amigo.

Eu também sorri e pulei em seu pescoço o abraçando, logo Beto retribuio o abraço e me girou em seus braços, eu rir e pedi para ele parar.

-Eu senti sua falta ruivinha.-ele disse no meu ouvido me colocando no chão.

-Você me magoou agindo daquela forma, eu esperava isso de todos, menos de você.-eu disse com a voz doce e com a cabeça deitada em seu peito.

Ele apertou mais minha cintura com seus braços e beijou minha testa.

-Me perdoe minha princesa.-pediu com a voz culpada.

Assentir e ele sorriu e se afastou,me deu a mão e entramos juntos na escola.

Cada um seguiu para a sua respectiva aula, mas antes Beto me prometeu que iríamos nos encontrar na hora do almoço.

Encontrei as meninas já na sala e lhe dei um abraço apertado e comecei a contar meu final de semana enquanto o professor não chegava.

🕝🕞🕓🕒🕜🕧🕟🕑🕐🕛🕥🕗🕚🕜🕧

As aulas passaram até bem animadas para uma segunda feira, a professora de artes elogiou meu desenho mesmo eu achando que ficou um horror.

Eu costumo dizer que eu sou sem talento, meus desenhos são uma porcaria, chego a escrever as vezes mas nada como poemas que nos fazem questionar ou pensar na vida, são só histórias bobas de amor, que nunca serão vividas.

Mas mamãe disse que são boas e que poderiam ser adaptadas para livros, mas eu não chego á esse propósito, minhas histórias são só minhas, como um diário que conta meus desejos e ânsias em vida, lá conto o que almejo e sinto, o que sofro por dentro, tudo o que está obscuro no meu coração traduzido em personagens sofridos e sem um propósito, e, não estou preparada para dividir - las com ninguém.

Saímos da sala aula e vamos para o refeitório rindo das loucuras do final de semana da Fernanda.

Ela disse que foram visitar avó dela, que é brasileira, eu e Ale já conhecemos ela desde criança.
Contou que avó perguntou por a gente  e disse que estava com saudades, e a obrigou a tirar leite da vaca e pegar os ovos da galinha que correu atrás dela quando ela chegou perto dos seus pintinhos.

Nos verões quando éramos criança e papai estava livre íamos todos juntos para a fazenda que ela tem fora da cidade, ela é muito legal e fazia bolo de chocolate e brincava de casinha com a gente, ela é muito engraçada e sempre nos fazia rir.

Chegamos ao refeitório e pegamos nosso almoço e nos encaminhamos para uma mesa vazia.

Ao longe pude ver Rick sentado em uma mesa com Renan, ele estava tão lindo, com os primeiros botões e as mangas enroladas até os cotovelos de sua camisa branca mostrando um pouco de seu peitoral e braços definidos, seu blazer estava ao seu lado em cima da mesa e estava sem gravata.

Sua expressão tranquila e debochada ao mesmo tempo demonstrando que nada importa e seu sorriso e olhos que muitas vezes já me tiraram o fôlego, sentado de qualquer forma na cadeira comendo sua comida calmamente.

Acordei do meu transe e sentei na mesa junto com as meninas ainda meio atordoada.

Passei a mão na cabeça tentando me manter normal e olhei para Bianca que me encarava com as sobrancelhas franzidas.

-O que foi?-Bianca perguntou estranhando o meu comportamento.

-O que?-falei só para ter certeza do que ela se referia.

Comecei a comer minha comida não dando importância para sua pergunta.

-Você ficou estranha de repente.-ela explicou me olhando séria.

A essa altura, Fernanda e Ale já estavam prestando atenção na nossa conversa.

-Nada.-respondi sem olha - lá.

Bianca bufou e encostou na cadeira com os braços cruzados e sobrancelhas levantadas.

-Nem adianta tentar nos enganar Esther!-ela disse me desafiando com o olhar e apontou para as meninas que tinham os olhos vidrados em mim.

Suspirei e revirei os olhos deixando a comida um pouco de lado.

-É que eu vi o Rick em uma mesa aqui perto e ele está simplesmente lindo.-falei a última parte envergonhada e corei.

-Ah, é só isso?-Fernanda perguntou rindo.- Esther não tem problema nenhum você achar um garoto bonito, principalmente o Rick.-ela disse e deu de ombros voltando a comer sua comida.

Olhei para as meninas e elas assentiram.

-Sei lá, é que eu não reparo tão detalhadamente nos outros, só nele.-admiti com a voz baixa.

Fernanda parou na hora o que fazia e me olhou com os olhos arregalados.

-Ah.Meu.Deus.do.céu.-ela disse devagar e ficamos sem entender o porquê dessa reação.-Você está gostando dele Esther!-ela não perguntou e sim afirmou com um largo sorriso. -Eu sabia!-disse à si mesma como se fosse uma gênia que acabou de descobrir a cura de uma doença.

As meninas me encaravam assustadas assim como eu.

-Você só pode ter pirado,eu não gosto do Rick, ele só foi o cara que me deu o primeiro beijo e por isso me fez sentir novas coisas, nada mais.-eu disse como se ela fosse louca.

Fernanda semicerrou os olhos para mim e comprimiu os lábios.

-Não adianta negar querida, você está amando.-disse como se fosse simples e voltou a comer como se não tivesse dito algo tão importante.

Dessa vez eu que estava chocada e de boca aberta, me encostei na cadeira e fiquei pensando.

-Não liga para o que a Fernanda diz Esther, ela é maluca.-Bianca disse fuzilando ela com o olhar.

Fernanda lhe deu língua e eu assentir voltando a comer.

Paramos de falar sobre isso, mas isso não quer dizer que eu parei de pensar.

Será que eu estou realmente me apaixonando pelo Rick?

Logo Beto chegou e se juntou com a gente, me fazendo esquecer dessa pergunta por hora.

Depois eu e as meninas fomos para nosso quarto e tomamos banho e colocamos uma roupa de ginástica para a aula de educação física no ginásio.

A roupa da Fernanda era a mais escandalosa, pelos menos até o permitido, porque o diretor não iria deixar as alunas  andarem nuas por aí. Era um sutiã pink e uma calça legging preta com estrelas em branco e detalhes em petro e branco, e um tênis tambem pink e uma meia por cima branca.

Já eu coloquei um sutiã preto com uma blusa verde por cima mostrando minha barriga e amarrada abaixo dos seios, um short saia verde com listras em outras cores com um pouco de gliter, um tênis branca com uma meia por cima rosa fraco e meu cabelo em um rabo de cavalo.

Ale foi a mais comportada,com uma calça legging amarela e uma blusa larga preta e um tênis preto e a meia tambem preta.

Bianca usou também uma calça legging só que toda estampada e um tope azul forte, com um tênis preto e as meias laranja forte

Lá o professor perguntou o que queríamos jogar, mas só não podíamos ficar sem fazer nada. Então os meninos foram jogar futebol e as meninas vôlei.

Modéstia a parte, mas eu sou muito boa nesse jogo.

🕑🕟🕧🕜🕚🕗🕥🕛🕐🕒🕓🕝🕞🕝🕗

Meu time estava ganhando de 4 sets a 1 e eu estava radiante de felicidade.

Acabamos ganhando, então demos espaço para outro time de meninas jogarem.

Eu e as meninas fomos para o bebedouro dentro da quadra e tomamos água e eu molhei meu pescoço e rosto com água fria mesmo, cansei.

-Não sei porquê essas meninas insistem em jogar com a gente,se sabem que vão perder.-Fernanda disse se gabando e eu sorrir.

Ficamos alguns minutos olhando o jogo dos meninos, mas algo chamou nossa atenção. As outras meninas que estavam nas arquibancadas deram gritinhos estéticos e começaram a suspirar. Olhamos para o motivo de todo alvoroço, e eu entendi.

-O seu namorado chegou Esther.-ouvir um dos garotos dizer e todos riram de mim me fazendo ficar vermelha de vergonha.

Rick tinha acabado de entrar no ginásio com seu porte de príncipe e cabelos bagunçados. Ele veio andando a passos largos em nossa direção, e parou na nossa frente.

-Oi.-Ele disse sorrindo.

-O que faz aqui?-perguntei com grosseria e com a cara para poucos amigos.

-Você já foi mais educada Esther!-reclamou apontando o dedo indicador para mim e um olhar repreensivo.

Eu bufei e revirei os olhos ao mesmo tempo e virei as costas e comecei a me afastar deles, sem me importar nenhum pouco com sua presença.

-Esther.-ele me chamou com a voz grossa em forma de alerta, mas eu não me importei e continuei andando em rumo as arquibancadas.

Rick veio atrás de mim e segurou no meu antebraço com força.

-Me solta!-rosnei irritada puxando meu braço.

-Não até você me ouvir.-disse ele com o mesmo tom.

-Eu não quero falar com você.-disse ainda lutando contra seu aperto já brava por ele quer mandar em mim.

-Mas vai.-afirmou com um olhar desafiador.

-Não, não vou. Se você não me soltar eu vou chamar o professor.-ameacei chegando perto dele com um sorriso desafiador e o queixo erguido.

-Chame.-disse chegando mais perto com o mesmo olhar.

-PROFESSOR!-gritei sorrindo de lado, mas ele não soltou meu braço e nem moveu um dedo seguer para se afastar.

O professor parou de jogar com os garotos e veio até nós. Rick nos virou em sua direção e sorriu para o professor que retribuio, e eu fiquei sem entender.

Esse homem está vendo esse idiota me segurando e ainda sorrir para ele?

-A quanto tempo Rick.-ele disse se aproximando e eles fizeram um toque estranho com a mão livre de Rick.

-Pois é professor, muitas aulas e sem tempo.-Rick explicou ainda sorrindo dando de ombros.

Eu não conseguia dizer nada de tão surpresa que estava, o professor mesmo vendo Rick segurar meu braço não disse nada á respeito.

-Entendo,mas passa aqui quando quiser.Podemos jogar ou conversar.-O professor sugeriu e Rick assentiu.

-Eu estava mesmo sentindo falta dos nossos jogos.-Rick afirmou em um tom estranho me ignorando totalmente e eu tentei outra vez fugir, o quê foi inutil.

-Está com saudades de perder?-o professor brincou parecendo não me enxergar ali.

-Eu perder? Até parece, eu fui seu melhor aluno.-Rick disse se fazendo de ofendido.

Eles continuaram a falar banalidades e minha raiva se tornou palpável aos olhos de quem ver.

O resto do povo estava fazendo suas coisas sem se importar comigo, como esse cara que devia cuidar e ensinar dos alunos. As meninas estão assistindo tudo da arquibancada, rindo as vezes, nem para vim me ajudar.

-Professor!-chamei irritada puxando meu braço que já estava vermelho.

-O que?-desviou o olhar de Rick e me olhou sem interesse.

Apontei com o olhar Rick segurando meu braço.

-Ah, sim.Eu já vou indo Rick, dar a minha aula, como a Esther já participou. Você pode para leva-la para resolver seus problemas. Nos vemos depois Rick-disse simplesmente para Rick,sem me olhar,vou deixar bem claro isso.

Pegou no ombro de Rick que só acenou e sorriu de volta e voltou a jogar com os meninos.

Eu não sou de aproveitar da influência dos meus pais,mas esse cara está pedindo para ser demitido!

Acho que estendi algum músculo do maxilar, de tão no chão que meu queixo estava. Eu estava chocada e sem fala.

-Viu?-Rick perguntou debochado voltando e ficar na minha frente.-Agora vamos conversar.-ele disse me puxando para andar, mas eu continuei no mesmo lugar e bati o pé.

-Não,já disse que não quero falar com você.-eu disse firme e muito brava com ele e com esse professorzinho.

-Mas você vai.-afirmou outra vez e eu bati o pé esquerdo no chão e revirei os olhos não dando importância.

-Não v...-Não consegui terminar de falar, pois ele me colocou nas costas como um saco de batatas e saio andado como se eu fosse uma pena.

Comecei a gritar e a esmurrar suas costas, mas como sou fraca demais ele nem sentiu.

-ME SOLTA RICK, SOCORRO, ALGUÉM ME AJUDA, POR FAVOR!-pedi gritando feito louca batendo em suas costas mas eu só sentir ele sorrir me dando mais raiva.-BIANCA, FERNANDA, ALE ME AJUDEM, SUAS FALSAS!-acusei gritando.

Xinguei Rick de todos os nomes possíveis na minha mente, não sou louca de deixar os outros ouvirem.

Elas estavam na entrada da quadra olhando para minha cara rindo, rindo da minha desgraça, até a Bianca que não queria que eu chegasse perto desse jumento que está me carregando estava gagargalhando.

Já sentia meu rosto esquentar não só de raiva mas também por vergonha, pois todos pararam o que faziam e estavam assistindo essa palhaçada, alguns rindo e a maioria das meninas estavam me olhando com inveja.

Rick saio do ginásio comigo ainda braguejando e ouvindo meus xingamentos que para ele fiz questão de dizer, parei de tentar fugir e só me deixei ser conduzida guardando minhas forças para quando descer desse troglodita.

-Fica quieta Esther!-pediu entediado.

Ainda me manda calar a boca!

Nessa hora minha raiva foi aos limites e eu lhe dei um beliscão na barriga com todas as minhas forças.

-Ai.-ele disse e por descuido soltou minhas pernas, aproveitei e pulei de suas costas caindo no chão.-Esther!-gritou para lá de bravo.

Ele se recuperou e veio em minha direção com a cara nada boa,fui mais rápida e levantei do chão e sair correndo pelo jardim. Rick começou a correr atrás de mim e ele era rápido e gritava o meu nome furioso.

-ESTHER! VOLTA AQUI,PRECISAMOS CONVERSAR, NÃO ADIANTA VOCÊ FUGIR E, QUANDO EU TE PEGAR, VOCÊ SE VER COMIGO!-gritou chegando perto.

Eu poderia entender isso como uma ameaça de morte? Ah, meu Deus eu ainda estou muito nova para morrer!

Corri mais rápido para atrás da escola e já não estava mais aguentado, eu sei que devia correr para onde tem pessoas mas eu sou uma burra mesmo!

Assim fica mais fácil, sem testemunhas.

Rick conseguiu me alcançar e me pegou pela cintura e me jogou sobre os ombros novamente com nenhuma delicadeza, foi até mais bruto que da primeira vez.

Ele caminhou em passos largos e duros até a parede mais próxima e me colocou no chão e me prensou com seu corpo contra ela segurando meus pulsos com certa força e me esmagando com seu corpo, arregalei os olhos assustada, nunca vi Rick tão bravo e estou começando a achar que ele realmente vai me machucar.

Ele tinha um olhar sombrio, parecendo um animal prestes a atacar.

Ele percebeu meu olhar de medo e respirou fundo algumas vezes, suavizou seu aperto nos pulsos e seu olhar foi se suavizando mas ainda estava com raiva.

-Por que você é tão teimosa? Por que simplesmente não me ouvi sem fazer todo essa novela?-perguntou tentando controlar a voz ofegante, me olhando nos olhos.

Sua respiração pesada e cansada batia no meu rosto me causando certo arrepio e seu peito subia e descia rapido, meu estado também não era diferente, mas não era só por a corrida e sim por ter ele tão perto de mim.

Fiquei sem saber o que responder e sem entender.

Por que ele estava aqui na minha frente me questionando depois de passar uma semana sem se importar em saber como eu estava depois de tudo que aconteceu?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...