História O Anbu - Capítulo 16


Escrita por: ~ e ~BruxaArcana

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Naruto, Sasusaku
Visualizações 261
Palavras 5.177
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Luta, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!! venha aqui com mais um capitulo muito incrivel de Anbu!
Acho que esta evidente que a fic eta caminhando para seu final hun?
Espero que gostem desse capitulo amores, porque nós adoramos escrevê-lo. Esta bastante emocionante e na boa... estamos com aquele medinho basico da reação de vocês hehe
Enfim!!
Se houver algum errinho, perdoem-me amores, é que revisei ontem a noite e tem uma grande chance de ter dormido durante o processo sabe? kkkkk
Enfim, boa leitura^^

Capítulo 16 - Capítulo XII - A Lenda Posta a Prova


Não demorou muito naquela manhã para todos os envolvidos na missão se encontrarem em frente aos portões da vila.  

Naruto estava diante dos seis ninjas com as feições sérias. O vento brando da manhã batia em sua capa de Hokage fazendo o símbolo de sua maior conquista dançar conforme a vontade dos sopros no tecido. 

Sabia que todos ali eram capacitados para concluírem a missão, no entanto, a preocupação ainda batia em seu peito como um soco sempre que pensava nas frustrações psicológicas que a cabeça do grupo InoShikaCho deveria estar por perder mais uma vez o assassino de seu sensei e em como a relação baseada no silêncio que Sasuke e Sakura se tratavam agora estava desestabilizando o time. O único são e sem problemas pessoais ali era Sai. 

Este se mantinha com as feições calmas e até mesmo relaxado. Parecia alheio aos problemas de seus companheiros. 

Com um suspiro cansado ele estende a Sai – atual capitão da missão e o mais centrado dentre todos – um pergaminho com o selo de correspondência da aldeia da névoa.  

- Neste pergaminho tem algumas informações diretamente de Chojuro. – Sua voz soou seria exigindo a atenção plena de seus ninjas. – O próprio Kage da névoa nos enviou após a águia de Kakashi levar um pergaminho com o rosto de Hidan como procurado da Folha até ele e os demais Kages. Ao que parece, ele foi visto por lá. 

- A aldeia da névoa? – Ino repete franzindo o cenho.  

- Sim, ele diz que está mandando seus ninjas para procura-lo e se possível intercepta-lo caso seja preciso. É uma ajuda que ele dispõe.  

- Isso não será preciso, Hokage-sama. – Shikamaru se adianta baixando o rosto em forma de respeito. – Nós mesmo seremos os responsáveis por sua captura. 

- Isso não é algo que posso deter, Shikamaru. – A voz do loiro soa arrastada. – Sei que quer pega-lo, mas Chojuro já deu ordem aos seus ninjas e não vou negar ajuda já que ele está demonstrando ser tão prestativo. Não se esqueça que ainda temos diferenças com a névoa. 

- Perdão Hokage-sama, tem razão... – Shikamaru murmura trincando os dentes, mas logo relaxa ao sentir o conforto do afago de Ino em suas costas.  

- Nós vamos conseguir, Shika. – Sua voz soou branda e acalentou seu nervosismo. 

- Isso mesmo, somos uma equipe. – Chouji se manifesta erguendo seu braço de forma positiva. 

- Certo. – Naruto assente sorrindo de canto. – Estão liberados.  

Assim que sua ordem foi dada, todos os seis desapareceram de suas vistas correndo o mais rápido que podiam no horizonte.  

- Eles vão ficar bem. – Ouviu a voz de Kakashi atrás de si e suspirou olhando para o chão.  

- Não estou preocupado com eles, mas sim em como Sasuke e Sakura vão ficar depois. 

- Então está preocupado à toa. – A tom risonho de Kakashi faz o loiro olha-lo interrogativo. – Ora, eu fui sensei de vocês! Os conheço muito bem, ao ponto de saber que Sasuke não está mais relutante com seus sentimentos quanto a Sakura. – Ele comenta sorrindo atrás da máscara. – Eles vão ficar bem. 

E com esse comentário de seu antigo sensei, Naruto se permitiu sorrir e se sentir um pouco mais leve. 

- Espero que sim. – diz por fim voltando a olha o horizonte que agora estava limpo, sem vestígio algum de seus ninjas e amigos logo a diante. 

  

oOo 

  

A corrida embora desgastante, não impedia cada um se perder em seus próprios pensamentos.  

Logo mais, teria de parar sua corrida para embarcarem no porto para alcançarem a vila da névoa que se estendia além do mar. Poderiam correr sobre a água, mas andar sob elas demasiava uma quantidade maior de chakra e ninguém ali queria se permitir tal coisa.  

Ainda teriam tempo até chegarem ao porto, mas ainda assim todo o caminho foi feito em pleno silêncio. Apenas quebrado hora ou outra com Chouji e Ino conversando adversidades ou até mesmo sobre a missão, mas nada mais que isso. 

Sakura se mantinha calada e nem se permitia olhar para Sasuke em momento algum. Por mais que estivesse se sentindo leve e até melhor depois de tanto tempo tendo aquele vazio em seu peito. Todavia, Sasuke poderia ter procurado por ela. 

Poderia ter feito o que Mitsuo fez sendo ele mesmo e não se escondendo atrás de uma imagem de alguém completamente ao avesso do que ele é.  

Se ele se diz se preocupar tanto com ela, porque não foi verdadeiro desde o princípio? Ficou frustrada ao saber de toda sua farsa, mas depois custou muito para acreditar que o tão orgulhoso e calculista Uchiha Sasuke havia assumido a imagem e personalidade de alguém completamente diferente, um pseudônimo, para manter um diálogo com ela simplesmente porque ela não queria nada com ele? 

Daria altas risadas se alguém lhe contasse tal bobagem, mas a verdade era clara. Sasuke de fato fez tudo isso, coisa que não era, nem de longe do feitio dele. 

Por esse motivo estava tão irritada com o mesmo. 

Tudo poderia ter sido tão mais simples.  

 

Já Sasuke ao seu lado estava em um outro impasse. 

Não iria iniciar um diálogo com ela logo ali. Claro que não. 

Mas ainda assim tinha a necessidade de terminar sua conversa com ela que havia iniciado quando estava ferido. Precisava dizer a ela o quanto era importante para ele e como ficava irritado ao vê-la tão fraca e frágil. 

Tinha orgulho de sua força, determinação e carisma.  

Estava sendo idiota se não admitisse para si mesmo que a queria junto dele. Ela era seu farol nas noites mais escuras. A cerejeira que por ela, voltava ao lar depois de tanto ficar fora e, em seus galhos repousaria para o resto de sua vida.  

Não a queria afastada. A queria próxima, o máximo que pudesse. 

Não sabia o que era esse sentimento que lhe queimava o peito, mas ainda assim não tinha mais o medo de antes de se deixar levar... de se permitir sentir. A queria por inteira e dessa vez, não a repudiaria por medo de se apegar.  

Porque era exatamente isso que queria. 

Essa missão precisava se encerrar logo, pois quanto mais rápido pegassem Hidan, mais breve seria sua conversa com ela e, se tivesse sorte e não se enrolasse todo, realizaria seu desejo. 

O dia inteiro se passou assim, correndo até o porto, apenas parando para comerem e beber. 

A ansiedade tomava conta de todos e isso apenas intensificava na hora de correr. Apenas Sai se mantinha neutro, todavia, tinha o conhecimento sobre as frustrações de todos por ali, por isso não ousou quebrar o silencio uma única vez. 

Logo alcançaram o porto e tomaram o primeiro navio para seguir direto para a névoa. 

- Sakura. – a rosada logo é tomada pela voz da amiga lhe chamando. Ela se encontrava encostada na beira com as costas descansando na madeira enquanto que o vento marítimo balançava seus cabelos. Ino logo se juntou a ela se encostando a madeira também  

- Fala. 

- Como vocês dois estão? 

A rosada sabia de quem a loira estava se referindo e por esse motivo suspirou frustrada e desviou o olhar para o mar calmo. 

- Não estamos. 

- Por que não? 

- Não conversamos ainda e, sinceramente não estou com cabeça para isso. – ela volta seu olhar para a amiga e sustenta uma carranca. – Além do mais, temos coisas mais importantes para se preocupar. 

- Tudo bem. – Ino levanta as mãos em rendição balançando a cabeça divertida. – Tem razão... você esta chata e sem vontade para bater papo. Já aprendi a lição. – diz se afastando andando de costas com um sorriso travesso. 

Sakura abalança a cabeça negativamente, mas esboçando um pequeno sorriso vendo sua amiga se afastar. No entanto, com o assunto que ela quis levantar, foi quase impossível não direcionar seu olhar para o moreno. 

E nesse momento, sentiu um frio correr sua espinha e borboletas dançarem em sua barriga assim que o pegou olhando-a tão descaradamente do outro lado da polpa do navio.  

Não adiantaria mais nada desviar o olhar, já que havia sido pega. Porem, não previu quando o moreno ativou seu sharingan e sorriu de canto. Ela sabia o que ele queria naquele momento. 

Se olhasse em seus olhos, ele lhe mostraria algo apenas para ela. Algo que ele viu e queria compartilhar ou simplesmente criou em sua mente. 

Ela suspirou resignada em aceitar a proposta muda e indecente do mesmo, mas sua maldita curiosidade sempre acabava com ela. Vencida pela sua vontade de querer saber o que o moreno mostraria, acaba por olhar no fundo de suas íris rubis que, mesmo a uma distancia considerável, ela ainda assim pôde entrar em sua mente e reviu... 

De forma entorpecente... 

A cena em que ela chorava diante a janela naquela noite que se abriu contando sobre seus pais e ele a abraçou por trás – da mesma forma como ela fez quando genins.  

Aquilo a fez arfar sem conseguir conter seu coração acelerar. 

A próxima imagem foi a de Mitsuo próximo de si. Sabia que aquela lembrança era a que ele a beijava, no entanto, não esperou que Sasuke modificasse essa lembrança e desfizesse sua imagem de Mitsuo para a beijar sendo ele... Sasuke Uchiha. 

Sua boca secou nesse exato momento em que se recordou do gosto dos lábios do moreno junto aos seus. Aquela sensação prazerosa voltando com força e quando deu por si, estava confundindo a lembrança com sua realidade, pois... 

Assim que abriu os olhos para se livrar daquela lembrança que a abalou tanto, ela sentiu de fato seus lábios serem pressionados e o mesmo gosto e suavidade que sentiu antes se tornarem reais. 

Ela sentiu o vento e ouviu o barulho das ondas batendo contra a carcaça da barca ao seu redor. Coisa que a fez ter certeza de que estava de fato no navio, mas se surpreendeu quando duas mãos fortes seguraram sua cintura de forma possessiva e aprofundou o beijo que descobriu então, ser real. 

Ela poderia afasta-lo, mas não o quis fazer. 

Estava irada com ele, mas ao mesmo tempo estava necessitada em sentir aquilo que ele estava despondo oferecer a ela. 

Suas bocas pareciam se moldar perfeitamente uma a outra e o toque suave começou a se tornar algo mais urgente e sôfrego. Ela sentiu ali, Sasuke Uchiha, o homem que tanto amou, estar tão envolvido quanto ela. 

Logo o ar faltou para ambos e tiveram de se separar, mas não antes do moreno lhe roubar alguns selinhos antes de se afastar completamente dela. 

- Precisamos conversar. – ele ciciou com seu rosto ainda próximo, no entanto, não esperou ela delicadamente o empurrar para se afastar de seu corpo. 

A falta do calor dela o fez se irritar, mas não iria contesta-la. 

Ela o olhou com um misto de surpresa e ressentimento e, este ultimo, foi o que fez o Uchiha se afastar ainda mais. Não a queria olhando assim... nunca mais a queria olhando-o daquela forma. 

- Não sei se esse é o certo. – ela pronunciou calmamente desviando o olhar. – Vamos esperar volta a Konoha. 

Ele nada lhe respondeu, isso porque foi barrado de fazê-lo pelo capitão que anunciou estrem próximos a atracar. 

Foi só naquele momento que os dois olharam para além do mar e viram a ilha se aproximando cada vez mais.  

Cada vez mais próximos de Hidan. 

Logo o navio aportou e todos desceram com certa pressa.  

- Pelo o que Chojuro disse no pergaminho, temos total liberdade de explorar sua vila e floresta. – Sai se pronunciou abrindo novamente o pergaminho chamando a atenção dos cinco. - Hidan foi visto a oeste da cidade principal. 

- Oeste? – Shikamaru indagou voltando seus olhos para a direção importa. 

- É o que parece. – Sai responde enrolando o pergaminho e o guardando em sua bolsa. 

- Ele é inteligente, deve ter notado ser visto e se espreitou em outro lugar. – Shikamaru continua coçando o queixo com sua barba para fazer. 

- O que sugere, Shikamaru? – Chouji pergunta se aproximando do companheiro. 

- Ele precisa alimentar sua deusa... um lugar com alvos fáceis, sem muita vistoria da policia da névoa. 

- Temos a área rural. – Sai responde desenhando um enorme pássaro de tinta. – É um lugar de agricultores e criadores de animais. Distante da cidade, mas com grande tranquilidade de um roçado. – ele finaliza o desenho e invoca sua ave gigantesca. – Fica a leste daqui, completamente o oposto. 

- É a cara daquele desgraçado. – Shikamaru torna a falar subindo nas costas da ave ficando em pé ali. 

- Verdade. – Ino concorda subindo em seguida sendo ajudada pelo namorado. 

Logo todos se acomodaram no dorso do animal que alçou voou sobrevoando a cidade rapidamente. 

Assim que avistam o vilarejo, eles pousam a ave que desaparece em tinta em seguida. Mas logo não precisaram procurar muito em meio as pequenas casas espalhadas pelo vasto terreno. Logo duas mulheres gritavam pelas ruas chorando pelo fato de seus maridos não terem voltado até agora da expedição em busca de javalis.  

Aquilo para os seis, era um grande motivo para verificarem. Hidan poderia tê-los pego para em seguida, buscar por ninjas mais habilidosos para se fortalecer ainda mais. 

Sakura questionou as mulheres sobre onde ficava o local de caça e eles, chorosas, apontaram o lugar em meio a floresta fechada. 

- Precisamos ir, talvez possamos salva-los ainda. – Ino disse se adiantando. 

- Já se passou cinco horas do horário marcado com as esposas, provavelmente já devem estar mortos. 

- Shikamaru! – Ino o censurou olhando-o alarmada. 

- Estou sendo realista Ino! Sabe que não falo mentira. 

A loira baixa os olhos assentindo para o companheiro. De fato aquilo era uma grande possibilidade, coisa que fez todos se surpreenderem ao caminharem mais alguns minutos e avistarem ambos os homens do vilarejo vivos, porem amarrados e amordaçados. 

- Shikamaru. – Sakura chama a atenção do moreno que a olhou de solai. – Isso também pode ser coisa dele? 

- Não é do seu feitio. – ele diz se aproximando junto de Sai lentamente, fazendo sinal de silencio para os homens que, ao os verem, começaram a emitirem murmurinhos e gemidos em desespero.  

- Isso pode ser uma armadilha. – Sai pronuncia olhando atentamente para todos os cantos da pequena clareira. 

- Eu sei, estou varrendo o lugar, mas não vejo nada. – Shikamaru responde olhando para cima e em seguida se ajoelhando para testar a arenosa do chão. 

- Você disse que não era do feitio dele... será que foram roubados e deixados aqui? 

Shikamaru pondera a suposição de Sai. 

- Shikamaru, Sai! – Sasuke chama a atenção deles enquanto que analisava o local. – Vamos contornar a clareira. 

- E deixar esses homens aqui? – Shiamaru indaga franzindo o cenho.  

- Precisamos, isso esta muito suspeito. – moreno responde puxando sua Kusanagi.  

- Sinto muito, mas não vamos fazer isso. – Sai responde seguindo até os homens que arregalaram ainda mais os olhos e, assim que encosta su mão nas cordas em seus braços, afim de solta-los, seus olhos se arregalam e não tem nem tempo de alertar aos outros.  

Logo uma explosão forte lança todos para trás ferindo-os ao bater com violência nas arvores. 

Os dois homens que estava ali, tornaram-se pó após a explosão e os demais agora estava atordoados com o susto. 

 

- Pensam que podem me derrotar? - Hidan saiu do meio das arvores agora em chamas e sorriu irônico e cruzando os braços. - São mais tolos do que eu imaginava. 

Sakura olhou para Shikamaru e Sai desmaiados e Ino e Chouji tentando a todo custo acordá-los. Sasuke mantinha-se a frente, esperando o próximo movimento de Hidan. 

O Uchiha apertou com mais firmeza sua katana e se posicionou, e então o ex-akatsuki correu em sua direção, segurando sua enorme foice. Sasuke desviou da primeira investida dele, esquivando-se para a direita. A rosada observava tudo, até que correu até os companheiros desacordados e os examinou, prestando atenção também na luta do moreno. 

Com chakra curativo saindo de suas mãos, examinou Shikamaru e depois Sai, para rapidamente olhar para Ino. 

- Eles ficarão bem, apenas estão exaustos. - disse para a loira e Chouji. - Tirem eles daqui.  

- Mas e Hidan? - Chouji perguntou. 

- Sasuke está cuidando dele, ficarei aqui para ajudar. - A rosada respondeu ao se levantar novamente. 

- Sakura, Hidan é mais forte do que você imagina. - A loira falou apreensiva. Era clara a sua preocupação com o namorado e o amigo. 

- Você sabe que se Shikamaru acordar, sabe que ele vai querer intervir, mesmo sem condições. - Sakura respondeu de maneira séria. - Cuidaremos dele, vão. 

Ino pareceu considerar por alguns segundos, até que acenou em concordância e olhou para Chouji, que pegou os dois companheiros, e os acomodou em suas costas. 

Sakura suspirou aliviada, quando viu suas sombras se afastando dali e virou-se para a luta que acontecia ali. 

Sasuke já tinha uma respiração um pouco alterada e Hidan tinha alguns arranhões. Assim que ela se aproximou ele se virou para ela e sorriu de um modo irritante. - Seus amigos estão com tanto medo que fugiram?  

Ela o encarou, mas nada disse. 

- Azar o deles, vão perder a festa. - Hidan deu risada e depois olhou da rosada para Sasuke, e então o seu sorriso aumentou. - Óh, então está explicado! Estou sentindo uma tensão no ar. O casalzinho está brigado? 

Sakura franziu as sobrancelhas, ficando irritada com ele. Lembrou-se do que Ino lhe dissera logo que soube da morte de Asuma, segundo o que Shikamaru havia contado a loira, Hidan era extremamente impertinente e irritante, além de ser um cretino. 

- Veja Uchiha, depois que eu terminar com você, vou me divertir com sua amiga. - Ele proferiu e Sasuke trincou o maxilar. 

- Irei te matar lentamente. - Sasuke respondeu. 

O Uchiha ativou o seu Sharingan e correu rapidamente até o inimigo, investindo com a katana novamente, mas Hidan parecia conhecer todos os seus ataques. Certamente conviveu com Itachi tempo suficiente para saber muito bem como o seu poder ocular funcionava. 

Se não podia usar seu Sharingan, então seria de outra maneira que derrotaria seu inimigo.  

- Katon Goukakyuu no Jutsu – disse ele e uma grande bola de fogo seguiu em direção de Hidan, que conseguiu desviar antes de ser atingido pelo Jutsu do moreno.  

Hidan desviou de seus ataques, conseguindo acertar a foice em sua perna, fazendo recuar e cair com um joelho no chão. O inimigo voltou a correr em sua direção, mas parou seu trajeto quando um grande buraco se abriu no chão.  

Sakura se encontrava agora em frente a Sasuke e com uma expressão de fúria. Hidan, ao ver o estrago que ela causou, sorriu. Estava esperando por esse momento, queria ver o que a garota de cabelos rosas era capaz de fazer. Ela cerrou os punhos e correu eu sua direção, assim como ele. Mirou sua foice em direção a garota, mas ela segurou cabo da arma, e parou o seu ataque, como se não fosse nada demais. Em seguida, ela lhe deu um chute no queijo, que o fez caminhar alguns passos para trás.  

- Impressionante. - Ele disse enquanto passava o dedão sob o sangue que escorreu pelo corte feito por conta do chute. Então ele sorriu e lambeu o líquido vermelho com gosto. 

A cor de sua pele mudou para a tonalidade preta e seus esqueletos começarem a aparecer. Sakura lembrou-se do que seus companheiros haviam lhe alertado, ele era poderoso, portanto tinha que ter cuidado. O segredo para vencer essa batalha era examinar com cuidado o inimigo. 

- Excelente controle de chakra que você tem. - Ele disse novamente e ela esperou seu próximo movimento. 

Hidan correu até a garota, largando a sua foice para trás, e Sakura notou que ela estava presa em uma corda que estava arramada a sua cintura. 

A rosada também correu, e uma luta de apenas força foi medida. Seus punhos já estavam verdes e ela acertava socos e chutes com força e velocidade. Entretanto, o inimigo também era forte e rápido, seus ataques não estavam surtindo efeito. 

Minutos depois, ambos recuaram alguns passos e Hidan ainda mantinha um sorriso no rosto. 

- Gostei de você. - Indagou ele. - Talvez eu não te mate no final. 

- Você que irá morrer. - Ela respondeu, e já estava um tanto ofegante. Não tinha mais a boa forma de anos atrás e agora sentia-se muito arrependida por não ter se mantido daquela maneira. 

Ele gargalhou e Sakura voltou a correr em sua direção, precisava mantê-lo ocupado até que Sasuke se recuperasse.  

Enquanto corria, viu o vulto do moreno perto de onde duelava com Hidan, ele só estava esperando o momento certo para acerta-lo, então essa era a sua deixa. 

O chakra verde presente em suas mãos se tornaram bisturis pontiagudos e ela estava pronta para acerta-lo. Quando chegaram perto, ela investiu algumas vezes e com maestria, conseguiu acertar-lhe nos braços e abdômen. Ele fez alguns movimentos com as mãos e a corda que prendia a foice se moveu, trazendo-a para perto. Era como se tivesse vida, porque a arma começou a seguir em direção da rosada e já havia levado alguns cortes por conta das investidas insistentes da foice.  

Sentia seus músculos cansados e seus cortes começarem a arderem, mas não podia desistir. Foi em um momento de descuido – a procura de Sasuke – que sentiu uma dor forte no abdômen e ao olhar para baixo, viu a grande foice cravada em si.  

Caiu de joelhos sentindo a dormência na parte inferior do corpo, havia sido um corte fundo e ao arrancar a ferramenta cravada em si, só podia torcer para não ter furado nenhum órgão.  

Respirava descompassadamente, mas ficou mais tranquila quando levantou o rosto e viu Hidan receber um ataque de Sasuke com sua katana e também cair.  

Aparentemente também havia sido um corte fundo o que o ex-akatsuki recebeu, porque ele estava de joelhos e com a parte superior do corpo também caída. Sasuke correu em direção a rosada e a ajudou a se levantar. 

- Desculpe, não consegui acerta-lo antes. - disse Sasuke, observando o ferimento de Sakura. 

- Vou ficar bem. - Ela respondeu e olhou para Hidan, franzindo as sobrancelhas ao ver que ele se levantava com um sorriso no rosto. Sasuke, vendo sua expressão, olhou para a direção que ela encarava e sua feição se tornou nada feliz. 

Hidan dava risada enquanto limpava o sangue que escorreu por sua boca e para logo começar a formar um círculo em volta de si do sangue que escorreu do ferimento na barriga.  

Depois de terminar o círculo Hidan fez um triangulo menor dentro dele, e os dois apenas observavam o que ele fazia. 

- Tome cuidado. - disse o moreno e ela acenou em concordância. 

Sakura ainda sentia dores, mas não demoraria muito a se recuperar. O problema é que não lhe restava muito chakra e não conseguiria ser muito útil sem ele. 

Hidan jogou sua foice novamente e ela andou em ziguezague, fazendo-os recuar novamente. A rosada ainda sentia fracas dores e não havia parado de sangrar, tinha certeza que havia perfurado algum órgão, mas não podia deixar isso transparecer. 

Sasuke correu em direção a Hidan novamente, no entanto no meio do caminho, não conseguiu mais se mover. Ele estava preso pelo Jutsu de Hidan e isso fez tanto o Uchiha quanto Sakura se preocuparem. 

Sabiam o modo que ele matava suas vítimas. 

- Isso vai ser tão divertido! - Disse Hidan com escárnio. 

- Sasuke. - falou mais para si, e se colocou a correr, precisava detê-lo.  

Mas Sakura foi parada pela foice, que novamente a acertava, dessa vez pelas costas. A garota caiu no chão e sentiu uma fisgada quando a ferramenta saiu de si. Entretanto, estava mais preocupada com Sasuke naquele momento. 

O Uchiha a olhou de canto e a raiva cresceu dentro de si por não poder protegê-la novamente, mas não conseguia se mexer. Nenhuma tentativa dava certo. 

Sakura olhava para ele desesperada, sabia dos riscos de perde-lo e que sua relação com ele estava complicada depois que descobriu que ele era Mitsuo. Entretanto, tinha certeza de seus sentimentos por ele.  

Entendeu que depois de tudo que aconteceu entre os dois, aquele foi o momento em que ele mais se doou por ela. Foi quando se tornou o Anbu, que Sasuke assumiu os riscos pela rosada e, por mais duro que fosse de admitir, ele havia a salvado. 

Não perderia Sasuke, não lhe importava as consequências. 

Sakura forçou o seu corpo a se levantar e caminhou com dificuldade, parando entre Sasuke e Hidan. 

"O que está fazendo, Sakura?" 

Sasuke lhe olhava sem entender, só podia torcer que ela não fizesse nenhuma loucura. 

Sakura ativou o seu byakugou e as grossas faixas pretas perpassaram por todo o seu corpo. Ela estava ferida, mas não podia usar o chakra que lhe restava para se curar, precisava realizar o jutsu antes que Hidan resolvesse se matar, consequentemente tirar a vida de Sasuke. 

Com uma série de movimentos – e uma particular dor no coração, por ter sido o último jutsu realizado por seus pais – Sakura formou duas redomas e lançou uma em Hidan e outra em Sasuke. Caindo de joelhos assim que terminou de lança-las. 

Aquele jutsu era poderoso e requeria muito chakra, então boa parte de suas energias foram usadas. Já sentia suas vistas ficando embaçadas, mas precisava ficar acordada, se algo acontecesse a si ,Sasuke ficaria preso naquela redoma para todo o sempre. 

- Sakura! - escutou a voz do Uchiha, e isso a fez acordar para o que estava acontecendo. - Ei, fica acordada, fica comigo. 

Ela acenou para ele e se levantou, caminhando alguns passos até ficar em frente a ele. Era visível o nervosismo do moreno ao ver que ela já estava ficando pálida. 

- Óh, isso é comovente. - Ambos olharam para Hidan, que agora segurava uma fina adaga e ria com escárnio. - Acha que uma simples bolha como essa vai me derrotar? Você já está quase morta, garota. 

- Cala a boca, idiota! - ciciou Sasuke.  

Normalmente o moreno não entraria em provocações assim, mas Sakura parecia estar perdendo a consciência rapidamente. 

- Sakura. - Ele falou baixo, mais para si, e ela subiu o olhar para ele. 

- Eu não podia deixa-lo te matar. - disse ela, parando para tossir sangue. - Não posso perder você também. 

"Só preciso aguentar mais um pouco."  

Sabia que Hidan não ficaria muito tempo sem tomar alguma iniciativa, então precisava aguentar só até lá para tirar Sasuke da redoma. 

- Me desculpe. - falou o Uchiha. - Não consegui te proteger. 

Ela sorriu e as grossas lágrimas já insistiam em escorrer por seu rosto. 

- Ah qual é, vão ficar nesse drama? - Hidan tornou a falar e então deu risada. - Vou acabar com o sofrimento de vocês, a começar pelo Uchiha. 

O ex-akatsuki mirou a adaga ao seu peito e, mantendo um sorriso convencido, cravou-a em seu coração. 

Normalmente, esse jutsu faria a pessoa presa nele, no caso Sasuke, receber o ataque em seu próprio coração, causando sua morte. Hidan era imortal, portanto nada, além de uma pequena dor momentânea, lhe ocorria.  

Entretanto, Hidan não conhecia os poderes da redoma que estava em volta de si. Notou que havia algo errado quando Sasuke pareceu intocado, e a pequena dor que deveria sentir, começou a se tornar insuportável. 

- O que você fez? - perguntou ele, caindo de joelhos, ao sentir suas forças se esvaindo, enquanto apertava o peito na tentativa de fazer parar a dor. 

- Qualquer jutsu perde o seu poder dentro da redoma. - respondeu ela, levantando os braços e fazendo uma combinação de posições com as mãos, em seguida as duas bolhas que circundavam Sasuke e Hidan, sumiram. - Dentro dela, você não é mais imortal. 

- O que? - indagou ele, tossindo sangue e com os olhos arregalados, enquanto já voltava para sua coloração normal. - Como isso é possível? 

- Você tem razão, isso foi divertido. - Ela disse, com um sorriso de canto. - Agora... morra. 

Então, Sakura usou o restante das forças que lhe restava para formar um punho de chakra, desta vez um pouco maior, e lhe acertar de modo certeiro, fazendo-o cair para trás. 

Sorriu ao constatar que Hidan - o grande imortal - estava morto. 

Parece que até mesmo a lendo do escudo dos Harunos era miraculoso a esse ponto e, Hidan, presunçoso o suficiante para se alto condenar ali dentro pois, no exato momento que ele se esfaqueou dentro das barreiras do escudo... ele e apenas ele, foi quem recebeu o golpe de fato. Sasuke estava livre e protegido pela barreira de jutsus do escudo e Hidan, estava sofrendo eternamente as consequencias de suas ações. 

A rosada sorriu fracamente diante daquilo, mas suas forças acabaram e sentiu o seu corpo cair em direção ao chão, mas Sasuke a segurou a tempo, acomodando-a em seu único braço. 

- Você foi muito bem. - Escutou a voz rouca dele, e tentou olha-lo, mas sua visão começou a embaçar e escurecer. - Ei, Sakura, olha pra mim. 

- Sasuke... obrigada. - disse ela, sentindo a consciência ir embora. 

- Não tem que me agradecer, você fez tudo sozinha. - respondeu ele, já apavorado, ao vê-la perder o tom rosado das bochechas. - Sakura, não ouse fazer isso comigo... 

- Você me salvou, Sasuke. - disse ela com dificuldade. 

Sakura tossiu sangue algumas vezes e sorriu para ele, para logo não ver mais nada. 

- SAKURA! Por favor, não faz isso comigo, você não pode... - Sasuke gritava desesperado para ela, que não respondia mais. - NÃO! 

Aquilo não podia estar acontecendo. 

Não queria pensar que mais uma vez estaria a um passo de perder alguém importante para sim, alguém que amava. Aquilo era injusto! De todas as besteiras que fez, estar ao lado dela e escolher a ela para retornar nunca foi tão certo em sua cabeça.

Ela a queria ao seu lado, mas a cada segundo que se passava e ela se mantinha desacordada em seu braço, mais ele lutava para afastar a possibilidade de sua Sakura se tornar uma majestosa Cerejeira.

Por mais linda que fosse, não poderia suportar.

Se algo acontecesse a ela, ele poderia não se tornar um majestoso e rude carvalho ao seu lado, mas nunca mais sairia do seu lado, pois não se permitiria mais viver sem a ter por perto. 

Se preciso fosse, realizaria o ritual do Seppuku, apenas para não a deixar partir sozinha. Até mesmo na morte, ele estaria ao seu lado, até o resto de suas eternidades.

No entanto, afastando o pior de sua cabeça e se erguendo de forma desajeitada, ele procura por uma loira em meio a todo aquele caos. Ainda tinha esperança e, as lágrimas que a tanto tempo deixaram de banhar seu rosto, fazia-o se sentir mais vivo e agarrar a vontade de ter uma vida com sua Cerejeira. 

E era sempre para ela que deveria retornar, por esse motivo, enxeu seus pulmões para urra o nome da paramédica o mais alto que conseguiu.

- INOO!!!!  

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Seppuku (cortar o ventre), vulgarmente conhecido no ocidente por haraquiri ou haraquíri, refere-se ao ritual suicida japonês reservado à classe guerreira, principalmente samurai, em que ocorre o suicídio por esventramento.
No caso, ser perfurado por sua propria Katana.
Bem a cara do Sasuke isso né não? kkkkkkk
Brincadeira^^

Amores o que acharam??? Será que vamos finalizar essa fic de forma tão triste?????
Lembrando que adoramos um drama então... hehe.
Estamos ansiosas em saber o que acharam^^ E não nos matem, sim? kkkkkk
bjoss e até proximo sabado!!
Ahhh e eu espero que o fim de semana que vem se arraste, só para aumentar a curiosidade HAHAHAHA.
Brincadeira de novo^^
A Bruxinha tem um senso de humor bem negro hehe
byeee


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...