História O Anjo - Imagine Jung Hoseok - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope
Tags Bangtan Boys, Emihashimotofanfics, Hoseok, Imagine, Jhope, Jung Hoseok, Kpop
Visualizações 37
Palavras 1.842
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Você era meu pontinho brilhante


Fanfic / Fanfiction O Anjo - Imagine Jung Hoseok - Capítulo 1 - Você era meu pontinho brilhante


Ah o por do sol! Tão lindo, tão magnífico, tudo o que eu precisava ver para concluir meu objetivo. Essa era última cena que eu desejava ver, talvez por ser tão tranquilo, e me trazer a sensação de que eu não vivo em um inferno. Vivo! Eu nem posso dizer nesse termo, pois se tem uma coisa que eu não faço, é viver, me cansei disso á muito tempo atrás, tudo que eu queria agora, era descansar, dormir para sempre, posso não ser feliz, mas também não serei triste, minha alma irá descansar por toda a eternidade.

Procurei por todas as cenas boas em minhas memórias, poucas delas vieram em minha mente. Um sorriso se formou em meus lábios, eu queria morrer, mas com memórias boas. As estrelas deram brilho no céu, até parecia o destino, tudo estava tão perfeito para que eu partisse dessa vida, nada poderia estragar esse momento.

Andei até o mar, o mesmo estava calmo, me trazia a sensação de liberdade. Andei até a água encobrir meu pescoço. O fato de eu não saber nadar, ajudaria no processo. Olhei para cima por alguns segundos e continuei a ir para o lado mais fundo do mar. Sabia que minha consciência tentaria lutar contra a morte, mesmo que eu não queira isso. Assim que o mar encobriu toda minha cabeça, segurei o ar e comecei a contar.

Um, dois, três, quatro, cinco, seis...meus pulmões já sentiam falta do ar, no momento certo eu daria a coisa certa á eles. Sete, oito, nove, dez... soltei o ar, toda aquela água entrou em meus pulmões, não era o melhor jeito de morrer, pelo contrário, era mais do que sufocante, mas eu precisava fazer isso. Minha consciência se deu por vencida, fechei meus olhos e deixei meu corpo afundar.

...

Estou sonhando? O que é esse anjo olhando pra mim? Morri e fui para o paraíso?

Sorri. Eu queria tocá-lo, mas não tinha forças o suficiente para isso, meu corpo estava fraco, minha cabeça doía, eu ainda sentia água em meus pulmões. É assim que os mortos se sentem quando morrem?

– Moça, volte aos seus sentidos

O anjo batia em meu rosto. Seus toques eram leves e suaves.

– Você é um anjo? – essa foi a primeira coisa que saiu da minha boca. Queria ter certeza que ele era um anjo enviado pra mim.

– Anjo? – que sorriso lindo, eu realmente morri. – Que bom que está viva

O que? Viva? Como assim? Eu não morri?

Levantei-me com um pouco de dificuldade, o garoto se assustou um pouco com minha reação. Eu ainda estava na praia, como assim? Esse garoto me salvou? Isso só pode ser uma brincadeira muito idiota.

– Você... Me trouxe de volta para esse inferno?

O garoto me olhou confuso, talvez por eu estar realmente brava por ele ter me "salvado", ele é que está querendo morrer.

– Você entrou na água e demorou pra voltar, fiquei preocupado

– Essa era intenção imbecil, eu não queria voltar – meu tom de voz ia aumentando na medida em que a realidade ia batendo em minha cara. – Quem você pensa que é pra querer "salvar" a vida de uma desconhecida? Preocupado? – ri irônica. – Claro! Como se me conhecesse para ter esse tipo de sentimento

O moreno me encarava incrédulo e confuso, não sabia o que dizer, nem me importei em esperar, levantei-me voltando para o mar. De hoje não passava, eu iria morrer a qualquer custo.

Senti alguém me segurar, tentei me soltar, mas esse alguém era mais forte. Me abraçou forte impedindo que eu me mexesse, por mais que eu me esperneasse, não tinha como fugir de seus braços. Lágrimas rolaram em meu rosto, não sabia e nem entendia do porque de uma pessoa que nem me conhecia, querer evitar minha morte.

– Me solta, eu preciso fazer isso

– Não, não precisa, olha...eu não sei quais são seus problemas, mas isso não vai resolver em nada, não pode fugir assim. Pode parecer difícil pra você, pode não ver a luz no fim do túnel, mas é só andar mais um pouquinho e mais á frente haverá um pontinho brilhante, lá estará sua felicidade

– Você não entende...não existe esse pontinho brilhante pra mim

– Eu pensava desse jeito, mas no fim... Eu encontrei...

O silêncio reinou no local, só o som do mar calmo indo e voltando podia ser ouvido naquele momento.

Eu ainda não sabia qual era daquele garoto, mas... Por alguma razão, queria acreditar em suas palavras, bem lá no fundo, bateu uma vontade de tentar por mais uma vez, se esse pontinho brilhante realmente não existir pra mim, eu vou amaldiçoar esse loiro estranho para o resto da vida dele.

– Eu vou te soltar

O moreno me soltou com calma, parecia estar com medo de que eu saísse correndo, o que eu não fiz. Uma de suas mãos segurava a minha, ainda com medo de que eu tentasse ir para o mar. Assim que ele soltou totalmente, ficamos nos encarando. Ele realmente era lindo, seus olhos puxadinhos, seus lábios chamativos e levemente rosados, tudo nele era chamativo, até sua pele branca. Parecia mesmo um anjo.

Ninguém atrevia a quebrar o silêncio, parecíamos tentar descobrir os pensamentos um do outro com apenas olhares. Senti meu coração acelerar, o que fez-me sentir confusa. Nunca meu coração tinha acelerado assim por alguém antes, bem, uma vez, mas isso faz anos, não pensei que eu fosse sentir isso novamente.

Mas o que é isso? Não é possível que meu coração se alegrou por causa de um mero estranho. Que coisa brega.

– Pode me dizer seu nome?

Sua voz era sedutora ao mesmo tempo calma. Ele parecia perfeito ao meu ver.

– (S/N)

Mas por que eu gaguejei? O que está acontecendo comigo? E qual é desse sorriso dele? Ele só pode estar tentando me matar. Oh! Que bipolaridade (S/N), minutos atrás estava tentando se matar, agora está pagando uma de ridícula se derretendo por causa do sorriso de um desconhecido.

– Lindo nome, apesar de difícil – esse sorriso de novo. – Pense bem a respeito do que eu disse

O garoto nem me disse seu nome, virou as costas e saiu andando com as mãos nos bolsos. Não consegui chamá-lo, ou gritá-lo, nem ir atrás dele, apenas fiquei ali feito uma idiota vendo aquele anjo indo embora, talvez para sempre.

...


Sobre aquele pontinho brilhante, eu ainda não o vi, estava começando a me arrepender de ter acreditado naquele garoto. Três meses e nada de eu conseguir rever aquele anjo, ou apenas um trouxa que adiou minha morte. Eu tinha esperança de algum dia vê-lo novamente, por conta disso, eu comecei a ir na praia todos os dias, mesmo odiando mar e areia, pensava que eu podia encontrá-lo, pura ilusão. Estou começando a achar que o moreno foi algo criado pela minha mente, que o mar me levou até a praia, pode parecer algo de pessoa louca, mas o sal pode ter me afetado, se bem que nunca fui uma pessoa normal mesmo.

Minha vida não tinha melhorado em nada, os mesmos problemas de sempre, eu só tinha vontade de "viver" pela esperança de reencontrar "o anjo", eu queria vê-lo por mais uma vez e perguntar como ele encontrou o tal pontinho brilhante, mas a vida parecia realmente brincar com minha cara.

Levantei-me daquela areia que eu não suportava. Eu não iria mais vir aqui, talvez tenha mesmo sido coisa da minha imaginação, não existe "o anjo", não existe pontinho brilhante e nem felicidade pra mim. Por um momento eu quis acreditar, até acreditei, mas só me iludi a toa, minha realidade é outra, e preciso me conformar com isso.

Andei com a cabeça baixa chutando os grãozinhos de areia. Me sentia estúpida, tola, queria nunca ter sido "salva". Suspirei. Senti meu corpo ir de impacto com o de outro alguém. Nem reclamei ou me desculpei. Tentei seguir em frente, mas " o alguém" segurou meu braço.

– (S/N)?

Essa voz! Eu conheço essa voz.

Me virei lentamente com medo de me decepcionar e não ver ninguém. Assim que meus olhos focaram na pessoa, meu coração acelerou, como da primeira vez que o vi, fazendo com que eu me sentisse ainda mais estúpida. Eu ia abrir minha boca para reclamar, mas não o fiz ao ver seus olhos lacrimejados. Não sei por qual motivo meu coração doeu ao vê-lo com aqueles olhos lindos cheios de lágrimas, tão diferente da primeira vez que os vi.

– Está chorando? – inclinei minha cabeça para o lado afim de ver melhor.

– Ah! É só o vento – a desculpa mas idiota que eu já ouvi. – Está aqui? – o sorriso ainda continua o mesmo, diferente da tristeza que seus olhos transmitiam. – Queria te ver mais uma vez

– Eu ti... Não, é... Aconteceu alguma coisa?

O garoto não me respondeu, apenas ficou me olhando, como se eu fosse um tipo de energia, como se ele se recarregasse ao me ver.

– Estou bem melhor agora, você é real?

Uma de suas mãos cariciou minha bochecha me deixando totalmente confusa.

– Sim...

– Estou aliviado em ouvir isso – ele parece mais louco do que eu.


– Jung...sobre seu pontinho brilhante, qual era?

Hoseok me olhou e abriu um sorriso, aquele lindo sorriso que eu tanto amo.

Aconteceu tudo tão estranhamente, ele adiou minha morte, fez com que eu enxergasse o mundo de uma outra maneira. Ele é meu pontinho brilhante, na verdade, minha luz, minha estrela guia, isso é clichê ao meu ver, mas depois que o reencontrei naquela praia pela segunda vez, tudo em minha vida mudou. Hoseok é minha vida, minha felicidade, tenho até medo de que seja um sonho.

Foi tudo tão de repente. Quando pensei que a felicidade não existia para mim, apareceu um anjo e me mostrou o quanto eu estava errada, o que antes eu achava ser um pesadelo, agora acho ser o mais perfeito dos sonhos. Ainda não entendo em como tudo acontecer, mas nem preciso entender, era pra acontecer, eu estou feliz com ele, isso o que importa.

– Você era meu pontinho brilhante

Como? Ele só pode estar de brincadeira, Hoseok nem me conhecia, como pode dizer isso.

– Jung, estou falando sério

– Acha que estou brincando? – o mais velho passou seus braços em minha cintura, envolvendo-as. – Quando vi que estava tentando se matar, eu me senti péssimo, pensei "Como uma menina linda como essa pode querer se matar? Se tivesse alguém ali pra ela, alguém lhe mostrasse que na vida nem tudo é tristeza", foi quando tomei as palavras para mim mesmo, naquele dia...eu também ia me afogar, mas você me salvou, vi em você o caminho pra felicidade, eu não te conhecia, de fato, não sei explicar, de repente me senti com vontade de proteger e de te ver feliz, e aqui estamos nós, meu pontinho brilhante de repente virou minha vida

Lágrimas rolavam em meu rosto, Jung parecia confuso por eu estar chorando.

– O que foi meu amor? Eu disse algo errado?

– Não – o abracei forte. – Eu te salvei e você me salvou, Hoseok... Eu te amo muito

– Oh minha vida, não chora – senti o toque suave de seus dedos tocarem em minha bochecha. – Eu te amo, muito mais do que você imagina

Sorri entre lágrimas. Hoseok se aproximou lentamente de meu rosto e me beijou apaixonadamente.

Ele é minha felicidade, Eu o amo.



Notas Finais


Eu chorei enquanto escrevia :')


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...