História O Anjo Negro - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroshitsuji
Personagens Agni (Arshad), Bardroy "Bard", Beast, Charles Phipps, Ciel Phantomhive, Doll, Earl Charles Grey, Elizabeth Midford, Finnian "Finny", Grell Sutcliff, Joker, Lau, Mey-Rin, Personagens Originais, Pluto, Undertaker, William T. Spears
Tags Sebastian
Exibições 31
Palavras 3.914
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Misticismo, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Sei que demorei, mas acho que vocês se adaptaram a isso.
Bom ignorem os erros pfv. ;-;

Capítulo 19 - A Dama com problemas.


Pov:Sarah Meryt

 

-Como voce deve ter sentido, Sidney esta em Londres junto com muitos caidos, estou recebendo muitos corpos com a marca negra deles...Venho escondendo isso da humana rainha com a ajuda de alguns contatos, mas não esta sendo facil.-Ele tomou um pouco de seu suco, parecia nervoso.-Não sei o porquê de você esta deixando isso acontecer, mas parece que eles querem chamar a sua atenção, e o mais estranho é que ela monopolizou boa parte dos anjos caidos, e a energia deles é elevada... E se concentra ao oeste de Londres-Undertaker terminou de explicar.

 Desviei o olhar de meu copo de suco quase intocado. Uma fina rodela de laranja boiava lentamente sob a superfície.

-Ela monopolizou grande parte dos anjos caidos?-Perguntei levantando o meu olhar lentamente o vendo sentado em um caixão de madeira polida. Ele apenas acentiu, é raro ve-lo tao sério. -Você disse oeste não? Hum...

-Sim, a cede deles fica nessa direção,  não sei a localidade exata.-Respondeu deixando o copo de lado.

 Anjos caidos em Londres...Por si só não é um problema agravante, e sim o porque de Sidney estar comandando eles. Suspirei pesadamente.

-Isso é um jogo de xadrez, ela esta mandando os peões dela como sacrifício.-Falei e tomei um pouco do suco pensativa.-Um tatica perigosa da parte dela...Mas irei reagir como ela deseja.

-Não se esqueça que quem veio la de cima usa baralhos.-Comentou esboçando um sorriso confiante.

-Entao...-Tambem sorri deixando o copo de lado.-...Ela esta jogando em trincas funerário,  e quem esta na mesa são os às...-Me pus de pé. -...Ela tem um jogo virado um coringa, um às de copas, e um às de espadas.

-Entao ela tem a vantagem.-Resmungou franzindo o cenho.

-Sim.-Me dirigi para a saida.-Mas primeiro irei queimar as cartas de finaly dela.

 Não ouvi nenhuma resposta dele, e não me importei de esperar.

 As ruas estavam movimentadas, os humanos caminhavam com tranquilidade...Um lanchinho antes das brincadeiras deve ser bom.

 

-O quê o funerario queria?-Sebastian perguntou logo quando cheguei na mansão. 

 Suspirei ainda sentindo o gosto da alma humana e minha boca. Verifiquei ao redor procurando os funcionários,  mas eles não estavam no local

-Isso é assunto que a...realeza tem que resolver.-Resmunguei e encarei o chão de madeira polida.-Avise ao seu dono que irei me retirar da mansão por essa noite.

-Princesa.-Ele levantou meu rosto, seu olhos estavam curiosos, o vermelho estavam se tornando tao vivo quanto um rubi.-Conte-me.

-Sidney esta em Londres.-Resmunguei tirando a sua mao de meu queixo e cruzei os braços com impaciência. -Exite um quartel general de anjos caidos...Todos cadres.

-Voce não pode ir até la sozinha, você sabe disso...-Fechei meus olhos com força prevendo oque ele iria falar.

-Eu não vou chamar minhas peças. -Rosnei irritada.

-...Eu irei com você. -Abri meus olhos surpresa, ele tinha um sorriso tranquilo no rosto.

-Não entendi.-Comentei me afastando um passo dele.

-Sim você entendeu Sarah. -Ele falou divertido e levantou uma sobrancelha divertida. -Fique calma, será como nos velhos tempos.

 Não consegui evitar que um sorriso surgisse em meus labios, ele estava certo, era apenas mais uma luta...Passamos seculos dançando esse ritmo mortal sem nenhum problema.

-E o pirralho?-Perguntei afastando a mecha de cabelo de meu rosto.

-Comunicarei meu amo quando retornamos a mansão.-Ele não pareceu se importar muito em deixar Ciel sozinho.-Snake atendera os desejos dele enquanto estivemos fora.

-Tanto faz. -Resmunguei dando de ombros e passei a mão por seu fraque e olhei seu relógio, o crepúsculo avançava sem esperar. -Vamos cachorro.

-Sim minha lady.-Ele fez uma pequena reverencia em respeito fazendo-me revirar os olhos. Cachorro.

 

-Elimine as iscas cachorro.-Avisei encarando a grande mansão e fiz careta com nojo com o fedor.-Eles sabem que estamos aqui...Tente achar alguem que saiba onde aquela infeliz esta.

-Eles tem um nivel bom.- Sebastian estava serio ao meu lado, ele estava um pouco tenso.-Sua amiguinha teve trabalho para reunir tantos deles.

-Ela sabe trabalhar. -Sorri forçadamente e dei um passo para frente. Não houve resposta, ele ja não estava ao meu lado. Fui ate a porta da frente e bati duas vezes. - Cheguei, abram logo a porta...-Nenhuma resposta...Sorri sadicamente cantarolando.- Não adianta tentarem se esconder.-Chutei a porta a fazendo se dicipar no chão. -Estou entrando, espero que não se importem. 

 Era o hall de entrada. O piso era quadriculado, lembrava muito um tabuleiro de xadrez, havia uma lareira esquentando o local e vi uma mulher segurando uma espada de ferro, ela tinha quatro asas negras exposta...Mas pareciam queimadas e sujas de sangue. 

 Encarei a figura escura em minha frente, ela sorria expondo seus dentes defeituosos e podres.

-Ola rainha do inferno. -Ela falou baixo segurando fortemente o punho a espada.

-Domye.- Invoquei minha espada e a girei em minhas mãos. -Vamos nos divertir brincando de pega-pega...-Fiz um corte no ar e em seguida o som de sua cabeça rolando pelo chão foi ouvido, seu corpo ficou parado por alguns segundos expelindo sangue podre.-...E não esta com você.-Passos vinham apressados em minha direção. 

 Olhei por cima do ombro direito vendo um vulto se aproximando... Issael, outro caido.

 Desviei rapidamente e dei uma estocada com a ponta da espada atravessando o caido.

-V-Vamos te matar.- Ele conseguiu dizer antes de se engasgar com o próprio sangue.

-Eu posso ouvir o barulho dos seus passos Issael.-Sussurei em seu ouvido e puxei minha espada para cima o partindo no meio , seu sangue espirrou em meu rosto.-O nivel de voces é deplorável...-Pela visao periferica uma mulher escultural apontando uma flecha para mim...Siena, uma cadre.- Também ouço a sua respiração...Siena...Voce sabia que não precisa respirar em uma luta?

-Nossa mestre avisou que você viria traidora.-Senti a ponta da flecha tocar minha coluna. -Largue a espada.

-Oque querem aqui em Londres?-Perguntei calmamente e larguei minha espada no chão. Havia uma escada ao lado da lareira.

-Queriamos te pegar...Vamos receber uma bela recompensa por capturar a rainha do inferno...-Girei rapidamente e segurei a flecha , ignorei as chamas que envolveram quase que imediatamente meu punho e chutei a costela ouvindo seus ossos se quebrando antes dela se chocar contra a lareira que apagou.

-Que pensamento pequeno...Você não sabem de nada.-Mordi meu labio inferior me abaixando ao seu lado e finquei a flecha que queimava em sua perna.-Espero que seus amiguinhos tenham mais informações...Prontos ou não, ai vou eu.-Ela deu um grito agudo.Segurei sua cabeça e pisei em sua barriga arrancando sua cabeça parando com o barulho.

 Me dirigi ate as escadas e subi sem pressa nenhuma, eu podia ouvir os sons de luta  vindo do lado de fora, Sebastian parecia se divertir um pouco.

 Me senti ser lançada para o andar de baixo , o chão afundou em baixo de mim. Um formigamento apareceu em minha barriga me sentei lentamente e análisei meu abdômen,  a minha roupa estava rasgada mostrando uma mordida fumegante, media mais ou menos três palmos de comprimento....Cão leviatã.

-Bom garoto. -A voz fina uma criança soou pela sala.

-Garoto mal.-Suspirei e lambi a minha mão que estava suja com o meu próprio sangue e encarei o vira lata em minha frente. Ele rosnava ameaçador, baba escorria pelo canto de sua boca.

  Me ergui e olhei para o meu lado direito onde uma criança loirinha encarava o enorme cachorro com um sorriso no rosto.

-Creio que esteja procurando minha mestra.-Ela falou sem me olhar.

-Creio que você não vai me falar onde ela está. -Comentei seria agarrando seu pescoço com força ouvindo o ganido do cachorro.

-Nós viemos aqui hoje prontos para morrer por um bem maior.-Ela conseguiu falar sem hesitar me fazendo ter mais desprezo por ela.- Vo-cê pode me matar aqui, mas você ira perder cada peça de seu trabuleiro nojento,  e aquele seu tio Lucifer também...

-Nao pronuncie o nome de meu tio com essa sua boca imunda.-Rosnei a suspendendo no ar e a joguei contra o chao. O som de sua caixa craniana quebrando pareceu bem audível. -Fale onde ela esta.

-Voces vao morr...-Uma pasta negra saiu de sua boca a fazendo tossir, fiz careta para quela cena...Que nojo...O cão que gania havia sumindo.

-Ela morreu...-Sebastian falou ao meu lado.-Levantei meu olhar entediada

-Algum deles falaram onde a outra esta?-Perguntei analisando suas vestes quase limpas

-Não, eles alegaram que não sabiam...Eram verdadeiros sacrifícios. -Ele estendeu a mão direita para mim.-Você precisa banhar-se.

-Irei esperar o proximo movimento dela.-Aceitei a oferta e me ergui com tranquilidade e olhei minhas roupas, não havia mais nenhum ferimento em mim, apenas bastante sangue negro e pegajoso.-É...Preciso de um banho.

 Paramos perto de um lago onde pudemos nos limpar. A água cristalina tremia levemente sob a luz da lua crescente. 

 Sebastian sentou-se a pé de um pessegueiro na margem, ele parecia perdido em seus pensamentos. 

 Aproveitei e tirei minhas roupas mergulhando nas águas brilhantes. sua frieza fazia uma massagem confortável em minha pele. Pensei ter ouvido um grunhido vindo de Sebastian e o olhei por cima do ombro.

 Ele ainda estava sentado, sua gravata estava frouxa e ele passava a mão pelos fios negros de seu cabelo e me fitava descaradamente... E um volume ja estava bastante  visivel em sua calça. 

-Por quê nao se junta a mim cachorro?-Perguntei maliciosa vendo seu estado e mordi meu labio inferior...Ele deve ser saboroso. 

-E-Eu...Eu ja estou limpo.-Respondeu hesitando e sua voz se arrastou por minha pele fazendo-me arrepiar...Que voz...Que corpo. 

 Ele realmente queria se juntar a mim...Que soldado difícil...Tenho a eternidade para conseguir oque eu quero.

-Tanto faz.-Dei de ombros e dei um ultimo mergulho antes de sair da água aliviada.Todo o sangue negro havia sumido de minha pele, nenhum odor de caido podia ser sentido, apenas o meu aroma natural de cerejas.

 Pus minhas roupas demoniacas novamente,  e logo elas se transforam em uma calça e camisa escuras, acompanhados de um longo sobretudo negro.

-Sarah, oque você achou do garoto Snake?-Sebastian lerguntou enquanto iamos em direção à floresta.

 Não havia ciúme em sua voz, apenas a pura curiosidade...Porem sua voz ainda esta rouca de excitação...Demônio. 

 Concentrei-me em olhar para frente, o breu entre as árvores indicava que a hora do diabo se aproximava, uma leve nevoa flutuava na superfície,  por conta disso, o ar estava mais úmido. 

-Ele é interessante. -Respondi balançando minha cabeça para afastar esses pensamentos. -É raro econtrar um nephilin de demônio...E muito mais raro encontrar um que não sabe sua origem.

-Entendo. -Resmungou pensativo.- Você pretede tomar ele para você?

-Pretendo reivindicar ele mais tarde...Ele esta muito verde,por enquanto apenas irei observa-lo.

-Não seria melhor dizer que voce não precisa dele agora?-Senti seu olhar queimar em mim fazendo-me revirar os olhos.

-E não preciso dele agora...Porém, ter um mordomo apenas meu não me encomoda.-Falei em um tom provocativo.

-Eu serei o unico mordomo que lhe servirar...- Ele frisou a parte do "unico" seriamente e sorri.-...Pelo menos enquanto estiver aqui com os humanos.

-Não acha que é muito trabalhoso para um demonio?...Cultivar a sua comida e proteger sua rainha?

-O quê seria do protetor da rainha se eu não pudesse cumprir tao simples tarefas?-Ele falou sarcástico e ouvi uma pequena risada vindo dele.

-O seu tipo de alma é aquela que abandona o futuro, sacrifica seus sonhos, escapa do passado, luta realidade, ao ser manchada com profundo desespero, e nunca abandona sua nobreza...-Sorri me lembrando da alma do pirralho conde.-... Ciel Phantomhive vem acompanhado de todos esses atributos.

-Sim, isso faz dele a alma mais saborosa.-Ele concordou.

 Uma das qualidades de Sebastian é que ele nunca desiste, e essa qualidade sempre vem com os melhores demônios...É pai, você treinou ele muito bem.

 Seguimos nosso caminho em um silêncio confortável, eu me sentia perdida em meus pensamentos...Sidney não é muito previsível, porem suas ações nunca me surpreendem...Ela é oque os humanos chamam de karma, sim, ela é um karma em minha vida.

 Chegamos na mansão, ela estava incrivelmente calma, e poderia esta silenciosa se eu não pudesse escutar as duas respirações ritmadas que estavam em nossa frente aguardando na escadaria.

-Onde vocês estavam?-Ciel perguntou parado ao lado de Snake, seus olhos azuis estavam serios, e bem la no fundo, havia um sentimento quase invisível...Preocupação. 

-Perdão my lorde, mas o senhor não deveria esta repousando em seus aposentos? -Sebastian perguntou tentando mudar de assunto de modo inteligente. 

-Seria imprudência minha dormir enquanto minha convidada sumiu juntamente com o meu mordomo que não deu nenhuma justificativa para a sua ausência.-Ciel falou com a voz calma.

-A senhorita Meryt...-Levantei minha mão direta para que ele se calar.

-Perdão Phantomhive...-Comecei com sarcasmo ao perdir perdão. -...Tive que jogar o lixo... o "seu" mordomo apenas me acompanhou para que eu não suja-se tanto minhas mãos. 

-...-Ciel me encarou por um momento, ele estava curioso.-Tudo bem...Perdoe minha intromissão lady.

-Tudo bem...Irei para os meus aposentos.-Dei de ombros e encarei Sebastian.-Obrigada por me ajudar mordomo.

-As suas ordens. -Ele fez uma leve reverencia com um sorriso minimo.

 Dei as costas para ele e lancei um breve olhar para Snake. Não fiquei surpresa em perceber que ele fez o mesmo...Snake...Daria uma otima peça.

 Segui para o meu quarto, ele estava do mesmo modo que deixei.

 Deitei-me na cama e abracei meus lençóis de seda...Que dia estranho...Tão estranho que chga a me deixar com sono...

 

-"Sarah levante"-Abri meus olhos sonolenta e um bocejo involuntário escapouc de minha boca...Que sono...Preciso levantar, preciso falar com Undertake sobre as cartas eliminadas...-"Acorda!"

-Hã?-Me sentei em alerta e inspesionei o quarto, ele estava vazio. Olhei a janela fechada, ainda estava  escuro...Entao quem...

-"...A-Até que em fim..."-Um voz fraca sussurrou em minha mente e franzio o cenho reconhecendo o timbre.

-Larissa?-Perguntei em duvida me levantando da cama cambaleante

-"Preciso d-de sua ajuda..."-Sua voz soou falha, parecia sonolenta também. 

-Agora?-Cocei meus olhos, parecia que haviam jogado areia neles e olhei dostraida para minha cama...Ela pareia confortavel.

-"Não, melhor esperar eu morrer"-Sua voz soou mais firme e senti um cheiro nojento de amêndoas. 

-Oque houve?-Perguntei preucupada indo até a janela a destrancando...Pessimo sinal-Voce esta fazendo uma linha telepática...Oque esta acontecendo?

-"E-eu nao sei bem...Um anjo perguntou de você...Não conheço ela...Ela me pegou..."-Pulei a janela sem me importar com a altura.

-CEUS! -Praguejei enquanto arrancava me sobretudo e o jogava no gramado. -Onde voce esta!?

-"Não..."-Uma pontada na minha cabeça me preocupou.

 A ligação quebrou.

 Por instinto dei impulso para cima e me sustentei no ar com minhas asas...Sidney...Se voce ousar tocar em uma peça minha...

 Segui o fedor de flores, eles me levavam para o norte em uma trilha reta...Oque essa maldita quer om tudo isso?

 Meus pés mau tocaram a grama e eu ja estava em frente da porta de um chalé feito de pedras. Chutei a porta com força e claro que ela não cedeu. Respirei fundo sentindo minha aura aumentar drasticamente e chutei a porta novamnte , dessa vez ela se chocou caiu no chão com um estrondo. 

-Estou aqui fora...O seu pai nunca ensinou-lhe que não pode entrar sem bater?-A voz femenina de Sidney soou em minhas costas. -...Bom lhe rever.

-Eu bati.-Fale seria virando-me para encarar seu rosto.

 Ela estava parado a pouco metros de mim.

 Sidney mantinha um postura calma, vestia um vestido recheados de babados brancos e azuis que combinavam sem muita dificuldade com as longas tranças platinadas dela...

-Você não mudou nada mesmo sabia?-Ela sorriu de forma cinica e fez sinal para minhas roupas.-Sempre se vestindo como um homem. 

-E você sempre se vestindo como um anjo...Sendo que tem sangue de demônio em suas veias.

-É apenas um detalhe que quero esquecer.-Seus olhos vermelhos estavam afiados em minha direção. 

-Claro, esquecer...-Uma espada apareceu em minha mao esquerda a fazendo hesitar por um momento.-Cadê a garota. 

-Esta falando daquela parasita?-Suas palavras foram praticamente cuspidas.-Espero que morta...Sabe, ela foi a melhor coisa que eu encontrei para atrair você para mim.

-Bastava pedir.-Em meio segundo eu encostei o fio da espada em seu pescoço. -Vou repetir a pergunta...Cadê a garota.

-Ora...Você é bastante apressada não? -Ela continuou sorrindo e apertou a lamina com sua mão direita.Uma luz prateada nos contornou e não fiquei surpresa ao ser transportada para outro ambiente. -Ali esta a sua cria.-Apontou para algo alem de mim.

 Estavamos em uma clareira fechada, no centro da area aberta havia um grande poste de madeira e nesse poste uma garota de treze anos estava amarrada totalmente exposta. Seu vestido negro estava rasgado espondo boa parte de sua intimidade. Sua cabeça pendia para o lado, suas madeixas castanhas estavam ensopadas de sangue,  seu rosto estava muito machucado, e do canto de seus labios escorria sangue...Ela estava desacordada. 

-Por quê você usou ela?-Perguntei apertando o punho de minha espada. Fechei meus olhos com força tentando controlar os tremores que corriam por meu corpo.

-Prazer.-Cantarolou provocativa, senti minha bochecha esquerda ser rasgada por algo afiado.

-Prazer?-Repeti abaixando a espada e a larguei no chão. -Você... Você machucou minha cria...Por prazer?

-....-Ela não respondeu e recuou alguns passos.

 Pulei em sua direção pronta par a certa um soco em seu rosto mas ela desviou indo para trás de mim. Conjurei uma adaga de diamante negro e girei meu corpo enterrando a ponta na perna dela.

-Não use minhas peças como isca.-Chutei seu corpo a lançando à alguns metros.

-Nossa, ficou irritada rainha?-Ela mancava um pouco. 

 Um par de perfeitas asas brancas apareceram em sua costa e ela saltou, no mesmo momento varias penas afiadas se guiaram para a minha direção. Recuei alguns passos mas mesmo assim várias penas conseguiram se cravar em minha panturrilha e meus braços. 

 A dor era agoniante,  parecia esta queimando minha carne lentamente...

-Eu odeio essas penas.-Rosnei retirando as penas, elas tinham o comprimento de minha mão. Deixei as laminas cairem.

 Escutei um gemido de dor vindo da Larissa seguida da risada da mestiça.

-Tadinha da sua criancinha...Sabia que eu envenenei ela?-Seu sorriso aumentou e minhas asas se retraíram.-É o mesmo veneno que o cão leviatã implantou em você quando lhe mordeu...A unica diferença é que ela não é uma mestiça...Ela ira morrer.

-Mas ela é minha cria.-Rosnei retirando uma unica pena negra de minhas asas, diferente das penas dela, as minhas eram maiores. -É minha responsabilidade que ela viva...É isso que uma rainha deve fazer.

 Nao dei tempo para ela retrucar, avancei em milesimos de segundos e enterrei a pena em sua barriga sentindo meu punho atravessar seu abdômen. Ela começou a cuspir sangue e deixei a pena dentro dela.

-Signa centum annis.-Falei em latim e uma forte luz negra a encobriu. 

-Et non morieris.-Praguejou fazendo sinal de cruz e sumiu na escuridão. 

 Nao esperei nem mais um segundo e corri até a criança presa e quebrei as corrente, ela caiu em meu colo sem forças. 

-Ei, fique acordada. -Dei leves tapas em seu rosto a fazendo abrir os olhos.-Isso, fique acordada.-Mordi meu pulso e deixei o sangue rubro deslizar para dentro de sua boca.-Ira lhe ajudar com o veneno...Como voce se deixou ser capturada menina?

 Ela não respondeu. Envolvi ela em minhas asas e quando as abri estavamos em um quarto na minha mansão.

-Rodni!-Gritei seria indo ate um quarto de hospedes.-Rodni!

-Majestade, sentimos sua...-Minah governanta falou mais a interrompi. 

-Silencio.-Mandei repousando a garota em cima dos lençóis de seda.-Cuide dela, tenho assuntos para resolver com seu rei...Eu proibo que ela venha me procurar no mundo humano.

-Sim minha rainha.-Ela se curvou e olhou para meu corpo.-Voce esta machucada.

-Irei ficar bem.-Resmunguei saindo do quarto.-Tome conta dela, ela é meu bispo.

 Eu estava sentindo meu corpo preguiçoso...Maldito veneno. Caminhei o mais rapido possivel para os estabulos.

 Haviam varios garanhões a disposição. Aproximei-me de um grande cavalo alado, ele estava agitado com minha presença,  não pude evitar de sorrir.

-Olá Hades.-O puxei para o lado de fora da cerca sem dificuldades. -Vamos para o castelo garoto.

 Ele relinchou em concordância e montei em suas costas. 

 Hades deu uma guinada para tras e correu para fora do estabulo levantando voo.

 Diferente do quê os humanos acham, as cidades do infernos nao são horrendas, ou cheias de destruição...Bom isso encontravamos nos campos de tortura.

 O céu é avermelhado,  não à sol, e nem lua, apenas grossas nuvens vermelho sangue e vermelho rubi.

 O cheiro no ar é metal e sal...Sangue.

 O ar era preenchido por gritos surdos vindo dos campos de punição no oeste.

 Sorri quando Hades pousou na frente de grandes portões de ouro, havia dois guardar armados com foices. Suas roupas eram armaduras prateadas, 

 Desci do cavalo e dei dois tapinhas em seu longo pescoço. 

-Volte pra casa garanhão.-Mandei e ele relinchou em despedida antes de levantar voo me deixando para trás. Caminhei sentindo meus musculos tensos, sangue saia dos machucados...Maldita penas.

-Parada ai.-Um dos guardas falou sério.

-Hã? -Levantei meu olhar para seu rosto, eu apena via seus olhos negros como onix, ele erguia  foice de modo ameaçador para mim.-...Outra hora brincamos, quero falar com Lucifer.

-Não fale o nome de meu rei com tanta imprudência. -O outro falou tambem erguendo sua arma.

-Não tenho tempo para gastar com vocês. -Agarrei a foice do guarda de olhos de negros e sem que ele percebesse cortei seu braço, aproveitando o impulso decepei a perna esquerda do outro.-Peçam depois que a curandeira cuide de vocês. 

 Deixei eles para tras e entrei no territorio do palácio. 

 Havia muito ouro e marmore, assim como muitas pedras de onix e topázios. 

 As estátuas grandiosas de Lucifer e guerreiros diversos se espalhavam pelo jardim de entrada.

 Cheguei até a sala do trono sem nenhum outro conflito. Oque é uma coisa boa.

 Lucifer se sentava em seu trono, sua expressão era um misto de tedio e curiosidade ao me ver.

-Ora ora, olha oque temos aqui.-Ele lançou-me um sorriso de lado enquanto eu me aproximava cada vez mais. 

-Bom rever-lhe também meu tio.-sentei no braço de seu trono encarando o meu trono de marmore.-Que bom que não pos nenhum outro comandante em meu lugar.

-Sabe muito bem que esse lugar é seu por direito.-Ele deslisou sua mao esquerda por minha coxa ate chegar em meu ferimento que imediatamente parou de sangrar.-Isso é ferimento de penas?

-Sim, a vadiazinha mestiça sequestrou minha cria.-Resmunguei em resposta analisando o afresco do teto.

-Cria?Desde quando voce tem uma cria?-Ele perguntou confuso e o encarei franzindo o cenho.

-Eu não lhe contei?-Passei a mão por meu ferimento e levantei-me.- Faz alguns anos, eu transformei uma criança. 

-Criança? -Ele levantou uma sobrancelha surpreso.

-Adolescente. -Corrigi fazendo careta.-Ela é meu bispo, porem a mandei viajar pelo mundo.

-Isso foi arriscado.-Suspirou relaxando no trono.-Mandar um bispo viajar sem seu mestre....

-Eu sei, eu sei.-Me levantei mancando um pouco.-Seu nome é Larissa, como minha cria, carrega o nome Meryt...Ela esta em minha mansão. 

-Entendo...Eu desconfiei que você não viria me ver apenas porque eu sou um rei sedutor.-Ele resmungou fingindo irritação. -Quer que eu proteja a mansão? 

-Correto...-Sorri bocejando.-...Não que as minhas outras peças nao possam fazer isso...Mas estou preocupada. 

-Entendo.-Ele pareceu concordar e levantou-se do trono preguiçosamente. -Agora...Volte para a mansão

daquele humano...O Phantomhive...E cuide desses ferimentos, voce foi envenenada por um cao leviatã. 

-Nao me surpreendo com o fato de voce saber de tudo isso.-Fiquei em sua frente e acenti demonstrando respeito.-Ate qualquer dia velho.

 Me teletransportei para o jardin da mansão sem dificuldades,  porem senti meu corpo pesar drasticamente e apoiei um joelho no chão ofegante. Eu posso não morrer com esse maldito veneno, porem, ele suga minahs energias temporariamente. 

 Levantei meu olhar para a mansão à uns bons metros, eu com certeza não conseguirei caminhar tanto...

-Sarah, Sarah...Droga.-Ouvi voz de Sebastian mas não consegui-lo. Meu corpo foi de encontro ao gramado e minha visão se tornou escura. 

 

"Nunca ignore inimigos antigos, eles sempre podem esta a espreita"


Notas Finais


"Signa centum annis"(Signo dos cem anos)
"Et non morieris"(Voce morrera)

Gostaram?
Espero que sim, deem suas opiniões sobre o caprulo, isso é importante.
\o/ leitores fantasmas, apareçam.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...