História O Baek é nosso. Não, ele é meu! - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Kris Wu, Lu Han
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanchen, Chandae, Chanyeol, Chenyeol, Clichê, Destino, Exo, Hunhan, Jongdae, Kaisoo, Non-au, O Baek Não É Puto Na Fic, Sesoo, Suchen, Universo Paralelo
Exibições 1.249
Palavras 3.512
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shounen, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


PARA RELEMBRAR: Chanyeol desmaiou na última cena de 2013 quando Baek entrou na cozinha, enquanto ele, Sehun e Jongin conversavam.

Estou respondendo os comentários do cap. 8 aos poucos. Salvei os comentários do cap. de aviso e deletei por causa das regras, okay?

Boa lidinha! :3

Capítulo 9 - O grande dia


ALGUM DIA DE 2013

O desmaio de Chanyeol fez com que os membros se preocupassem consigo com mais constância do que o necessário. E, para seu total desagrado, Jongin era o que mais se preocupava. Achou que no início o dançarino só estava preocupado e com receio dele contar tudo para Baekhyun, como se Chanyeol fosse mesmo capaz de fazer isso, só que depois de um tempo, ele pareceu estar mesmo se importando demais com o seu bem-estar.

Era difícil desviar de um amistoso Kim Jongin quando os treinos de Wolf estavam cada vez mais intensos e cansativos.

Demorou algumas semanas, mas ele finalmente entendeu o porquê de tanta insistência do outro em ficar sempre correndo atrás de si. Ele era o melhor amigo de Baekhyun, sabia tudo do vocalista; desde o formato do coco ao corte de cabelo favorito, se tinha alguém que ajudaria, na cabeça dele, seria Park Chanyeol. Coitado!

Nas semanas das atividades promocionais de Wolf, Chanyeol constantemente recebia doces de Jongin, e não parava por aí. Ganhou bilhetinhos com a caligrafia horrível do rapaz, salgadinhos, abraços, sorrisos calorosos, e até mesmo um boné novinho. Não gostava de aproveitar da boa vontade dos outros, considerava isso ruim, mas em determinado momento, deixou de se importar com isso e cada vez mais recebia Jongin com abraços e sorrisos.

Seria errado se tornar mais íntimo do seu concorrente? Oras, quem ele queria enganar? Jongin nem ao menos sabia dos sentimentos que nutria por Baekhyun, naquela altura, só Jongdae o questionou em relação isso. E era só lembrar-se dele, que Chanyeol sentia uns calafrios estranhos pelo corpo.

Certo, ele não precisava se sentir assim. Mesmo que os dois tenham se beijado… na boca… usando as línguas. Decidiu que ignoraria todas as coisas que andava sentido em relação ao sorriso de Jongdae, e aos seu olhares, ou até mesmo quando recebia cafuné do vocalista. Aqueles pensamentos não eram confiáveis, e mesmo quando estava ali, deitado no chão da sala de prática, não conseguiu se concentrar em mais nada que não fosse a boca do sujeito que tinha acabado de abrir a porta, gritando seu nome e o de Jongin, para que os dois levantassem logo, pois todos estavam se preparando para pegar o carro e voltar ao dormitório para descansarem.

Mas o que ele estava pensando antes de Jongdae invadir sua mente? Era algo relacionado ao Jongin, só não se lembrava mais do assunto.

— Hyung, levanta, a gente tem que ir. — Kai levantou-se enquanto tentava alongar o pescoço dolorido.

— Sim, levanta logo. — Jongdae fechou a porta, passando a caminhar para fora do prédio.

Depois de estar devidamente alongado e constatar que todo o seu corpo estava dolorido, caminhou ao lado de um animado Jongin que falava coisas que nem tentou entender, tanto pelo cansaço físico quanto pela exaustão mental. Já no carro, acabou sentando ao lado de Jongdae, que sorriu amistosamente com o celular na mão e fones nas orelhas. Como de costume, vasculhou o veículo procurando por Baekhyun, que estava conversando todo animadinho com Yifan.

Chanyeol queria entender o porquê de estar se sentindo tão miserável, e só aí se lembrou do porquê de ter começado a pensar a respeito de Jongin: Baekhyun. O fato de que outras pessoas gostavam de sua obsessão o deixava preocupado e triste

Mas isso já foi dito, não é? Eu só quero que você entenda a dor que ele passou naquele ano, a dor que eu tive que suportar ao lado dele e, principalmente, o quanto a vida de alguns integrantes mudou depois daquilo.

Sei que não dei muitas explicações, mas esse ano, para o EXO, tinha que ser incrível e atender todas as expectativas do CEO da SM. Como Chanyeol estragaria tudo por causa de seus sentimentos por outro cara? Sendo que esse cara era seu companheiro de grupo? Ele tinha pesadelos durante a noite devido ao peso que carregava sobre si, sempre escondendo suas lamentações. Não foi apenas uma dezena de vezes que o vi chorar de forma silenciosa pelos cantos do dormitório, sempre tentando não preocupar ninguém. Você não sabe o inferno que foi aquilo, o inferno que foi saber o que o coitado enfrentou pela pressão psicológica de ter que aguentar Jongin elogiando Baekhyun pelas coisas que ele mesmo notava, mas que nem sempre dizia para não parecer suspeito. Mesmo que ninguém realmente notasse a forma que ele vigiava seu pequeno, ele tinha medo. E é o entendimento desse medo que quero transmitir.

Já no dormitório, Chanyeol correu para seu quarto, mesmo sabendo que não teria muita paz, pois dividia o quarto com Sehun e Jongdae. Jogou-se na cama de bruços, escondendo sua cabeça debaixo do travesseiro. E como já havia sido previsto, Jongdae chegou falando alto, como sempre, pedindo para que ele fosse tomar banho, ou senão o quarto deles ficaria fedendo. Até tentou negociar para que ele o deixasse em paz, mas não conseguiu.

— Eu sei que você tá cansado, Chanyeol, mas todos nós estamos, você sabe disso — Jongdae disse enquanto procurava uma roupa limpa e confortável.

Demorou mais dois minutos até que Chanyeol se levantasse para ir banhar, e engasgou com a própria saliva com a imagem de Jongdae pelado em sua frente, trocando de roupa completamente alheio ao susto do amigo.

Chanyeol passou a língua por seus lábios sem nem entender o porquê de estar sentindo aquela sede repentina, sua garganta parecia que ia cortar de tão seca que estava. Jongdae estava de costas, terminando de vestir a boxer azul marinho, e ele não ficou com vergonha de encarar a bunda redonda e firme do colega, na verdade, seus olhos focaram naquele lugar. Depois que o outro já estava vestindo a calça do pijama que ele foi reparar nas costas e nos braços, olhando-o sem pensar nas implicações que isso causaria. Era só Jongdae e o seu corpo sexualmente frustrado naquele quarto. Porque, se fosse mesmo tentar raciocinar, não faria o menor sentido ele ficar tão duro por tão pouco. Quando Jongdae se virou, ele tossiu, voltando a deitar de bruços, torcendo para que fosse deixado em paz. Chanyeol não precisava que o amigo fizesse perguntas desnecessárias, ou deduzisse aquilo de forma errada.

— Aya! Não acredito que você ainda tá desse jeito. Anda, levanta. — Jongdae o puxou pela roupa de forma brincalhona. — Chanyeol, é sério, os meninos vão pedir comida e você vai ficar sem, hein? — Suspirou derrotado quando percebeu que não tinha ânimo o suficiente para fazê-lo levantar.

— Eu vou daqui a pouco, pede pra eles comprarem frango, por favor. Pode ir indo sem mim. — Sua voz estava abafada por causa de sua cabeça que estava contra a cama.

— Não sei, você tá com cara de que vai acabar dormindo sem tomar banho.

— E se for esse o caso, qual o problema? — Levantou um pouco a cabeça, para poder encarar o amigo.

Jongdae aproveitou a oportunidade e o puxou da cama, fazendo o corpo alheio rotacionar e cair da cama.

— JONGDAE! Que chato, para com isso. — Sua expressão irritada divertiu o amigo.

— Agora via banhar, seu porco.

Jongdae sorriu até perceber a forma acanhada que Chanyeol se sentou, escondendo a cabeça por entre as pernas que estavam flexionadas, como se escondesse algo. Os braços estavam bagunçando o cabelo, e ele se sentiu um pouco mal por tê-lo derrubado.

— Desculpa, Chanchan, mas vem, eu te ajudo a levantar. — Esticou os braços em direção ao amigo.

Chanyeol bufou e não quis aceitar a ajuda do outro, virando a cabeça para o lado depois de crispar os lábios. Jongdae não aguentou e riu, teria achado a cena fofa, se o outro não estivesse tão uma aparência tão acabada e fedendo. O puxou pelo braço de uma vez, torcendo os lábios pela força que teve que empenhar com o corpo já bem cansado, e forçou Chanyeol a se levantar a contra gosto.

— Isso, bom garoto, agora vamos ao banheiro, eu posso esfregar suas costas se você quiser. — Jongdae gargalhou com aqueles lábios que lembravam a face de um gatinho sapeca.

Chanyeol sentiu sua garganta ainda mais seca. Jongdae não tinha falado nada de errado, eles dividiam aquele quarto há meses, já se viram sem roupas centenas de vezes, qual era o maldito problema de sua mente em pornografar coisas tão simples de seu dia-a-dia? Quer dizer, apenas coisas que envolviam Kim Jongdae.

— Eu vou sozinho, relaxa, tá bom? Eu já levantei, não sou criança, que saco. Não posso nem descansar que vocês ficam me enchendo o raio da paciência. — Chanyeol andou apressado até onde estavam suas roupas, escolhendo peças largas e confortáveis.

— Chanyeol... — O toque em suas costas e aquele tom de voz fez os pelos de sua nuca arrepiarem. — Seja sincero comigo, okay?

Ele apenas acenou a cabeça em confirmação, enquanto Jongdae o abraçava por trás, esquecendo-se de que já estava limpo, colocando sua bochecha apoiada no outro.

— O que foi, Jongdae? — Sua voz estava bem mais baixa que o habitual.

— Andei reparando em você nesses últimos dias, e… Eu te deixo constrangido?

— O quê?

— Eu te deixo com vontade de fazer coisas estranhas?

— Oi? — Quase nem dava para ouvir sua voz.

— Se você quiser, sabe, tentar coisas diferentes, eu não me importaria de fazer com você. Eu me fiz de besta porque achei que você estava processando tudo de forma lenta ou simplesmente me ignorando depois do nosso beijo… Mas é sério, não precisa ficar assim comigo, eu vou sempre guardar o isso como segredo, só seja sincero comigo em uma coisa.

— Que coisa? — Seu corpo estava muito, muito quente. De repente, a ideia de tomar banho estava sendo muito boa.

— Eu te deixo excitado?

Chanyeol não respondeu. Apenas segurou suas roupas com forças enquanto se afastava de Jongdae de modo brusco, correndo para o banheiro.

Jongdae ficou no quarto um pouco cabisbaixo. Não é como se ele tivesse sentimentos pelo fujão ou algo assim, no entanto, a sensação de ter sido desprezado fazia seu estômago se revirar em desagrado.

Meia hora mais tarde, todos se reuniram na cozinha e comeram o tão amado frango. Chanyeol não fingiu animação, deixou bem claro desde o início que estava cansado; e Jongdae, sem graça, apenas comeu sem muitos comentários. Pouco tempo depois todos se recolheram para descansar. E, por mais uma vez, os dois amigos fingiram não perceber a maneira acanhada que Sehun sempre se mantinha perto dos dois no quarto.

Depois que todas as luzes foram apagadas, Jongdae, que estava escutando música pelos fones de ouvido, percebeu que havia recebido uma mensagem. Enfiou a cabeça debaixo do cobertor para que a iluminação da tela do seu telefone não incomodasse os outros dois, mesmo que a notificação o tenha deixando meio sem saber como agir. Mas teve uma grande surpresa ao ler o que Chanyeol havia lhe mandado.

“Sim.”

Uma simples palavra que, por algum motivo, fez o coração de Jongdae acelerar e um sorriso tímido tomar conta de seus lábios. E, enquanto Chanyeol e Sehun dormiam, ele se viu fazendo planos para o dia seguinte.

 

ⒺⓍⓄ

 

ALGUM DIA DE 2012

Trinta e um de março, aquele seria o grande dia do EXO.

Em menos de uma hora aconteceria o primeiro de muitos showcase do grupo. Eles finalmente haviam debutado, e agora apresentariam suas músicas para tantas fãs que já estavam gritando nas arquibancadas do local. Todos eles estavam nervosos e até mesmo com receio do que poderia acontecer.

Ensaiaram até decorar cada mínimo passo das coreografias bem elaboradas, dançaram até o suor deixar suas roupas pesadas, se esforçaram como nunca haviam feito antes. Os pés latejaram durante a semana da pré-estreia, tudo para aquele grande show.

Claro que eles sabiam da grande popularidade que já atingiam, mas isso não aliviava em nada a tensão. Alguns caminhavam pelo camarim aquecendo as vozes, enquanto outros estavam sentados sendo maquiados.

Todo de cansaço estava sendo milimetricamente disfarçado pelo BB CREAM caro e delineador, toda a ressequidão dos cabelos estava oculta diante daqueles penteados cheios de produtos fixadores. Os hematomas das pernas muito bem escondidos pelas calças bem coladas. Os traços até mesmo um pouco joviais foram deixados de lados, dando espaço para curvas mais masculinas e sérias.

Jongin era o que caminhava com mais velocidade pelo camarim, vez ou outra puxando sua camiseta e assoprando, estava com calor.

— Jongin, se acalma, vai gastar toda a energia aqui dentro. — Kyungsoo estava de olhos fechados enquanto seu cabelo era tocado por mãos ágeis e profissionais, no entanto, não conseguia tirar o foco do amigo.

— Eu não consigo, hyung, eu tô animado demais pra ficar quieto. — Sorriu parando para ver como seu amigo tinha ficado. — Você ficou bonitão, hyung, os maquiadores são bons mesmo.

Baekhyun, Chanyeol e Yifan riram se aproximando.

— Olha aí, Soo, eu não deixava, hein? Te chamou de feio na maior cara de pau — Yifan atiçou, recendo um olhar sério de Kyungsoo, que não gostou nem um pouco da brincadeira.

— Vamos fazer bem hoje, crianças. Amanhã seremos o assunto mais comentado em toda a Coréia do Sul, entendido? — Junmyeon entrou na conversa enquanto sentava ao lado de Minseok.

— Você tem mesmo que falar coisas tão clichês, hyung? — Baekhyun caminhou até o outro saltitando. — Mas sim, vamos arrasar nesse showcase e entrar para a história da música popular coreana.

Chanyeol olhou para Baekhyun sorrindo, eles finalmente estavam realizando o maior sonho da vida deles. A sensação, ao mesmo tempo em que era incrível, era assustadora. No entanto, ao olhar para o seu amigo arrumado com aquelas roupas chamativas, tentou passar confiança e conforto. Baekhyun pareceu perceber sua intenção, então caminhou até onde estava e o abraçou.

— Eu te amo, Channie — sussurrou em seu ouvido. — Eu quero estar no mesmo grupo em que você por muito, muito tempo. Até para sempre se for possível.

Chanyeol sorriu e correspondeu o abraço de forma entusiasmada, sem entender o porquê de sentir-se tão bem com aquelas palavras.

— Vocês não vão chorar agora, né? — Tao se intrometeu, recebendo um tapa leve de Kyungsoo, que já tinha terminado de se arrumar, na nuca. — Ei, que foi?

— Para de ser chato, o maior chorão daqui é você — acusou o encarando.

Ficaram brincando durante um tempo, até faltar míseros dez minutos para a entrada deles no palco. O silêncio tomou conta da sala do camarim, nem suas respirações podiam ser ouvidas. Nada podia dar errado naquele dia, não poderiam errar ou agir feito amadores; eles eram profissionais agora.

Leeteuk, o líder do Super Junior e apresentador daquele showcase, apareceu em frente à multidão de fãs, e os integrantes começaram a suar por conta do nervosismo. Suho, o guardião, chamou os membros em um círculo, estendendo sua mão no centro, movimento que foi repetido por todos. Juntaram as mãos como se estivessem brincando.

Um, dois, três. EXO SARANGHAJA!

A adrenalina correu pelas veias dos doze, sorrisos e olhares cúmplices foram trocados. Posicionaram-se enquanto escutavam os berros das fãs até a introdução de History começar a tocar. O primeiro verso foi cantado em coreano pelo EXO-K, e o segundo, em mandarim pelo EXO-M. Todas as dores de um sonho foram colocadas naquela performance, se jogaram com tudo naquele palco enquanto seus corações pulsavam junto com os gritos de oito mil pessoas.

Leeteuk os guiou da melhor forma possível, pedindo para que eles se apresentassem para o público. A câmera focou em Suho, e aquela apresentação feita pela primeira vez em público foi gritada:

WE ARE ONE, WE ARE EXO!

O show seguiu como o programado, os teasers foram apresentados e as coreografias também, seguidas dos vocalistas que esbanjaram charme com suas vozes impecáveis e afinadas. A linha dos rappers também mostrou que tinha talento, arrancando muitos gritos histéricos das fãs. Chanyeol e Kris arrasaram na sincronia em Two Moons, enquanto Lay e Kai dançavam ao som da batida do rap dos dois.

Na hora da conversação, foi perceptível o nervosismo nas vozes trêmulas e gestos involuntários. Kyungsoo até mesmo gaguejou no início, mas as fãs gritaram sempre que um parava de falar, os incentivando. Até mesmo Suho, que era o líder e responsável daqueles meninos, se viu desconcertado em vários momentos. Kris, o líder do EXO-M, por vezes se distraiu observando aquela multidão. Aquela cena era incrível. Por mais ele eles tenham imaginado, nunca pensaram que ficariam populares naquela proporção. E poxa, aquele era apenas o primeiro showcase do grupo.

Responderam as perguntas que tinham recebido das fãs internacionais, ou melhor, tentaram responder, pois o medo de errar e falar algo ruim os fazia travar vez ou outra. Kai, Sehun e Tao foram obrigados a fazer aegyo, e as fãs se animaram bastante com isso.

Mas o melhor daquela noite, o momento mais especial, foi quando a introdução de MAMA começou a tocar. Os gritos se aglomeraram, os 12 integrantes mal conseguiam sentir as pernas, de tão moles que estavam. A letra da música era uma crítica, a dança era impactante, cada segundo da melodia havia sido muito bem produzida. O momento mais gostoso ficava no final, quando os meninos do EXO-K ficaram de um lado, de frente para os EXO-M, enquanto todos dançavam juntos e se encaravam durante o último refrão da música. Aquele momento da coreografia foi marcado na memória das fãs, era a parte que mais as excitava.

Depois da performance, eles se reuniram em uma linha reta, e Suho fez o discurso de encerramento, abaixando a cabeça uma vez, e seguindo com aquilo que tinha que dizer. Agradeceram as fãs pelo carinho, e fizeram promessas.

Prometeram continuar crescendo, falaram que se esforçariam ainda mais para tornar o EXO um grupo global.

Já no backstage, Chanyeol foi o primeiro a caminhar até uma parede para procurar apoio, com os olhos já cheios de lágrimas. Chorou sem se importar com o pessoal da produção, não estava a fim de saber dos julgamentos de ninguém, por mais que todos o olhassem com sorrisos de entendimento. Baekhyun foi o primeiro a procurar por sua mão, seguindo seu vulto e o abraçando por trás, sendo puxando por Chanyeol e abraçado com uma força até considerável.

— Nós… nós conseguimos, Baekkie, nós de-debutamos. — Fungou no pescoço do amigo que, naquele momento, já deixava algumas lágrimas rolarem por sua bochecha.

Nada disse, principalmente quando Jongdae se aproximou e entrou no abraço, mesmo que não chorasse por conta do choque que foi encontrar tantas fãs gritando o nome do grupo.

Eles demoraram a cair na real.

Mesmo quando já estavam no dormitório, ainda era difícil processar tudo o que havia acontecido naquela noite.

Suho, depois de um tempo, se reuniu com todos na sala do pequeno dormitório que estavam dividindo. Puxou Kris pelo braço e sorriu feito um idiota.

— Vamos fazer uma promessa de debut para dar boa sorte ao EXO — sugeriu o líder gurdião.

Kris resolveu entrar na brincadeira.

— Certo. Que promessa?

— Eu, como líder do EXO-K e do EXO, prometo cuidar e proteger nossos meninos. Vou sempre estar ao lado deles, apoiando e repreendendo quando for necessário. Farei o nosso slogan de que nós somos um se torne real, por mais diferenças que tenhamos. Não desistirei de nosso sonho e me manterei firme nesta promessa até o fim, sem nunca abandonar os nossos membros. Eu, Kim Junmyeon, Suho do EXO, assim prometo.

Todo mundo riu da promessa que mais lembrava uma cena de anime do que qualquer outra coisa. Kris teve sua mão puxada e tentou parar de gargalhar do amigo, tentando ficar sério.

— Eu, como líder do EXO-M, prometo cuidar e proteger nossos meninos. Vou sempre estar ao lado deles, apoiando e repreendendo quando for necessário. Farei o nosso slogan de que nós somos um se torne real, por mais diferenças que tenhamos. Não desistirei de nosso sonho e me manterei firme nesta promessa até o fim, sem nunca abandonar os nossos membros. Eu, Wu Yifan, Kris do EXO, assim prometo.

Kris sorriu e puxou Junmyeon para um abraço, o apertando enquanto todo mundo ria. Em determinado momento todos os doze se amontoaram em um círculo apertado e se abraçaram.

O EXO seria, para sempre, um.

Naquele tempo, eles foram inocentes o suficiente para acreditar que seria possível isso realmente acontecer. Como se doze pessoas completamente diferentes pudessem viver em paz por tanto tempo. Eu me lembro dos sonhos de cada um, das lágrimas, dos sorrisos… Eu me lembro de tudo que você não presenciou. Mesmo depois daquele ano corrido e cansativo da Era Mama, e até mesmo quando Wolf e Growl foram lançadas, eu acreditei, junto com eles, que o EXO se eternizaria com aquela união superficial que mantinham em frente às câmeras. Afinal, era isso que importava, certo? Se manterem unidos para as fãs, para que pudessem continuar tendo uma carreira de sucesso.

Eles se davam bem numa forma geral, não me entenda mal. Mas aquilo passou a ficar cansativo e sem sentido mais para alguns, principalmente para ele… Eles não se lembravam, mas quando a promessa foi feita, já era primeiro de abril.

E sim, aquela foi uma das maiores mentiras trocadas entre os líderes. A união eterna do EXO foi a maior e melhor mentira que eles pregaram para as fãs. Mas isto não pôde ser previsto naquele grande dia do EXO.


Notas Finais


O cena de 2012 foi baseada no primeiro showcase do EXO: https://www.youtube.com/watch?v=AuROlA-3ldo

Esse capítulo marca o fim da primeira fase da história, okay? É difícil agradar todo mundo com um enredo tão grande e muito mais se tratando de uma fic em universo paralelo. E esse narrador, hein? Vou esperar os comentários de vocês, porque, não vou mentir, eu estou um pouco triste e desanimada para escrever. :(

Beijos da Linnie do amor e da justiça! :**

Facebook: http://facebook.com/heylinniefreitas
Twitter: http://twitter.com/linniefreitas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...