História O baile de máscaras. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 11
Palavras 820
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá pessoas :3
Boa leitura ❤

*LEIAM AS NOTAS FINAIS*

Capítulo 2 - O palhaço


Fanfic / Fanfiction O baile de máscaras. - Capítulo 2 - O palhaço

Recife-PE, 20/03/2015

 
    Meu nome é Maria, tenho 25 anos. Trabalho em uma farmácia localizada em uma avenida super movimentada. Todos os dias, no caminho, tem um palhaço tentando ganhar a vida na rua. Ele era muito diferente de todos que ja vi. Nunca o vi sem um sorriso no rosto, daqueles sorrisos que os olhos sorriem mais que os lábios. Nunca tenho tempo para parar, mas tenho muita vontade de assistir a sua apresentação. Hoje eu estou folgando, então decido ir para a avenida. Como todos os dias, ele estava lá. Feliz como sempre. Ele estava com alguns balões e contando algumas piadas. Quando eu me aproximo, ele tira o chapéu com a mão direita enquanto se inclina. Ao voltar a postura, me entrega um balão de cor azul.

   – Para a bela moça, um balão de cor azul. Uma linda cor, igual a dos seus olhos.

– Obrigada. – Digo enquanto encaro aqueles olhos acinzentados.

Algumas horas se passaram, eu continuo lá. Admirando aquele homem que com uma fantasia de palhaço encanta a todos que passam. Idosos, adultos, crianças, todos se encatavam com aquele palhaço amigável. Até os animais se encantavam. Todos o admirava, inclusive eu.
Quando o céu já estava escurecendo, ele começou a guardar as suas coisas.

– Você gosta muito do que faz não é? – pergunto.

– Eu adoro isso. Posso não ser a pessoa mais feliz do mundo, mas a cada sorriso retribuído, me sinto como se fosse.

– Todos te adoram.

– Não acho que me adoram, mas fico feliz por gostarem tanto do meu personagem. – Diz ele, parando de arrumar suas coisas e começando a me encarar.

– Você aceita um sorvete? – Pergunto. Não é nada demais né? Só me sinto interessada em conversar mais com ele. Acho que ele achou estranho, olhou para mim com a sobrancelha curvada. Tento disfarçar. – É..é, pelo balão. – Digo isso arrancando um breve sorriso em seu rosto.

– Eu aceito com uma condição.

– Ah é? Que condição?

– Se você aceitar mais um balão.

– É uma honra. – Digo. Dou um sorriso e sou retribuída em seguida.

– Só que estou sem nenhum, mas você pode me cobrar na próxima.

– Vou cobrar mesmo.

Chegando na sorveteria escolho o meu de flocos e ele pega um de chocolate. Sentamos na mesa e começamos a conversar.

– Então, é normal você aceitar um sorvete de algum estranho?

– É normal você oferecer sorvete a algum estranho? – Diz ele, me fazendo rir.

– As vezes. Só quando ganho um balão da minha cor favorita.

– Qual é o seu nome?

– Maria, e o seu?

– Palhaço Teleco.

– O seu verdadeiro nome. – Digo rindo.

– Diego.

– É um prazer.

– O prazer é todo meu.

– Por que você ficou o dia todo lá? Por que você me chamou? – Ele fala com uma expressão que não consigo decifrar.

– Não sei, é como se algo em você me chamasse a atenção.. – Digo sem prestar muito atenção nas palavras, até perceber a expressão de "Hã? Ela Ta dando em cima de mim??"  – Não, não desse modo. Eu não sei explicar, mas algo em você realmente me chama a atenção.

– Não sei se entendi, mas tudo bem.

– É.. O seu modo, não sei. Sempre que vou pro meu trabalho te observo, é como se você nunca tivesse um dia ruim.

– Você acha? Obrigada.

– Por que está me agradecendo?

– Você acabou de me elogiar como ator. – Ele diz. Foi estranho isso, então vejo ele dando um leve suspiro. – Então, eu tenho que ir. Se não vou acabar perdendo o ônibus. 

– Tudo bem. – Digo. – Obrigada por ter aceitado o convite.

– Obrigado você por me convidar para tomar esse sorvete maravilhoso. – Ele diz enquanto se levanta da mesa. – Caso você queira outro balão, sabe onde me procurar. – Ele diz enquanto pisca, me deixando um pouco corada.

– Eu vou sim. Tchau, até mais.

– Tchau, espero realmente que vá pegar o balão que estou lhe devendo. – Diz ele enquanto levanta a mão direita e faz um breve sinal de "tchau" para mim. Ele vira de costa e vai embora.

Não sei o porquê, queria saber mais sobre ele. Não, não estou com segundas intenções, embora ele seja uma pessoa bem atraente. Mas eu acho que ele tem uma história pra contar. Algo que ele tenta esconder enquando faz os outros sorriem. Eu sei, parece que estou obcecada, mas sei lá, algo me faz pensar que eu devo saber mais sobre esse homem. Esse homem que não o vejo sem um sorriso no rosto, quero saber se ele é realmente feliz, ou se apenas faz parte do personagem. Sendo do personagem ou não, ele tem algo que não vou desistir de descobrir. 

Continua...


Notas Finais


Espero que tenham gostado c:
O próximo capítulo vai ser o começo da última história gente, "A floresta" :3
Como assim?
O próximo capítulo que eu soltar vai ser o começo da história "A floresta". Após o próximo, serão as continuações das histórias apresentadas..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...