História O Belo - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags A Fera, Bela, Roamnce Gay, Romance, Yaoi
Exibições 10
Palavras 1.572
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oii gente to de volta bom passei de ano graças a deus e agora vou ter mais tempo para poder escrever vou ser bem sincero estou incerto com o rumo da fic e não sei se vou continuar sei la não sei se voces estão gostando ou não bom mais ate la vamos pro capitulo de hoje quem puder ouvir a musica Christina Perri - Human vai ajudar vices a chorar bom boa leitura a todos.

Capítulo 8 - Capitulo 8


Julian

         Era chegada a hora de encarar os medos e tudo aquilo que estava preso em nossos corações tanto no meu como nos de Feli... Belo estava para ser tirados das trevas mais profundas que habitavam em nossos corações, cada segundo que se passava mais e mais a angustia tomava conta tanto e tanto que o tempo parou o relógio que batia oito horas em ponto estava parado, os dois ponteiros estavam no doze mais o que havia acontecido, olho ao meu redor e vejo uma empregada parada na ponta da sala com seu olhar sobre mim a empregada era Samantha, mais a mesma devia estar com Belo, vou ao seu encontro e assim que paro sua frente falo:

- Samantha aonde esta o Belo. – Nada sai de sua boca. – SAMANTHA. –Grito, mas nada acontece ela parecia petrificada.

- Ela não pode te ouvir. – Diz uma voz no canto inferior do salão.

         Angustia vestia um vestido de baile, seu traje era azul escuro com detalhes em prata a deixando com um ar jovial, como se a mesma pudesse flutuar nas nuvens, a cada passo mais próximo que ela ficava perto de mim foi como se eu ficasse sem reação como se meu corpo não respondesse mais por si mesmo, agora eu tinha sido petrificado, angustia pega uma taça de vinho da mesa e logo começa a bebericar o copo como quem não quer nada, assim que ela esta ao meu lado ela para em minha frente toma um gole de sua taça e logo diz:

- Que noite Bela não é mesmo Julian? – Pergunta a mesma com cara de deboche, não respondo. – Hora vai se fazer de mudo então ta bom eu digo por nos dois tudo bem. – Me limito a acenar a cabeça.

- Bom então vamos, hoje a noite vai ser como a primeira vez que você e Belo ou Felipe como preferir, então ela tem que ser perfeita sabe como? – Pergunta a mesma tendo o silencio como resposta. – Com um baile.

         Ao proferir aquelas palavras um frio tomou conta de mim, e um grande medo tomou conta do meu coração me dando desespero como se meu coração parasse e voltasse muito rápido, logo o choque toma conta de mim e uma lembrança escurece minha mente “FELIPE, minha mente grita você o matou a culpa e sua você é um monstro, o menino trajando um terno verde água com detalhes prata em sua cabeça uma coroa como dois ramos de oliveiras feitos de prata, sua pele gélida e fria não carregava mais o sorriso de sempre mais sim o vazio da solidão de não ter visto mais o amor de Julian, ele se aproxima da escada onde seu corpo estava vazio e sem vida e logo sua mão deixa um leve carinho em seu rosto e logo a lagrimas teimosas insistem em cair de seu rosto mais o mesmo e forte ate o final, Julian carrega a criança em seus braços e a acolhe levando para o seu desconhecido, pois o mesmo já devia estar diante do salvador contemplando sua face...”, ele saiu de seus devaneios quando angustia estrala os dedos a sua frente o acordando de seu sono profundo, assim que ele olha em suas orbes negras ele vê o vazio que ele sentiu ao ter desistido daquilo que ele mais zelava, angustia sacudiu a cabeça e logo disse:

- Julian, Julian essas palavras tem algum sentido pra você? – Pergunta e me limito a acenar em negação me fazendo de forte. – E mais uma vez nega o que sente como pode ser tão sem coração ao ponto de esquecer que Felipe morreu em um baile por sua culpa ele estava naquela escada onde Belo entrara daqui a pouco e sabe o que você vera ao olhar pra ele, você vera o que um dia você foi, pois uma vez monstro sempre monstro. – Diz a mesma colocando a taça de vinho em cima da mesa e logo se afastando.

- A culpa não foi minha. – Me limito a sussurra me sentia impotente e invalido não era nem capaz de falar direito o que me fazia querer morrer por dentro.

- Não foi culpa sua? Não foi culpa sua? E claro que foi quem deixou ele morrer sozinho e sem amor? Quem não foi homem o suficiente para assumir que estava amando? Quem Julian me responde, ate hoje você sempre se esconde por trás de mascaras e fingiu ser o bom homem o que nunca desonrou ninguém mais a que custo, sendo que seu motivo de sorrir, respirar e viver morreu me diga como e se sentir um monstro? Acho que para você e normal já que desde sempre você já era um. – Diz cuspindo as palavras na minha cara.   

- Não me julgue pelos meus erros sendo que eles são um fardo que eu carrego. – Digo dando meu melhor sorriso sínico, logo recebendo uma bofetada na bochecha esquerda, assim que a queimação me atingiu rosto, uma alegria tomou meu coração era esse o álibi que eu esperava, logo começo a dar uma risada psicopata e maníaca que faz angustia se afastar com medo de mim. – Para quem se diz um anjo você não e nada gentil, se diz julgar aos outros mais um dia você foi tão pecadora quanto eu sua vadia quero que você queime no fogo do INFERNO, TODAS VOCÊS QUE MORRAM. – Grito o final fazendo angustia se assustar cada vez mais.

- Espero que arque com as consequências de que mais uma vida esta em sua mão Julian dessa vez seja maduro e tente ter postura, e se pensa que esse seu teatrinho me da medo, não ele não da ele so me da vontade de te matar e acabar logo com isso, mas para que a pressa e inimiga da perfeição quero que continue assim sofrendo lentamente e as espadas perfurando cada vez mais profundo seu coração. – Diz angustia com fogo nos olhos.

         Assim que ela termina de dizer isso suas mãos começam a brilhar e uma grande luz toma conta do salão, os nobres que haviam sido petrificados estavam no salão a musica tocava em alto e bom som os nobres comiam, mas eles não conseguiam ver a mim nem angustia, todos pareciam felizes e isso por um singelo momento me fez rir, mas logo o sorriso se perde ao lembrar que essa alegria era falsa, pois todos ali so amavam uma coisa o dinheiro, angustia se vira para mim e logo suas mãos tocam meu corpo e um choque elétrico toma conta de mim me fazendo arrepiar da cabeça aos pés, logo estava trajando um terno que eu odiava ele era preto com detalhes em dourado me dando um ar de severo como um príncipe misterioso, minha cabeça carregava uma coroa dourada e meu cinturão carregava minha espada, eu estava do mesmo jeito daquela fatídica noite, na noite em que eu matei meu amado, logo a dor tomou conta de mim e uma explosão de sentimentos tomou conta de meu coração, A REVOLTA, DOR, MEDO, TRISTEZA, ANGUSTIA, mas o pior de todos eles a CULPA de ter matado meu grande amor, angustia me olha de cima a baixo e logo da um assovio e continua a falar suas asneiras:

- Nossa mais que príncipe, sorria querido todos querem você feliz não triste, não se esqueça do que te falei não haverá mais chances após essa então aproveite. – Diz a mesma indo em direção aos nobres e sumindo no meio da multidão, logo que os nobres me enxergam eles começa a sorrir e se aproximar de mim.

         Estou cercado de urubus que querem me comer vivo, eles estão me cercando como se fosse sua próxima refeição agora lembro porque era sempre tão chato não ter a presença de Felipe em minha vida ele que tornava esses bailes menos tediosos, assim o baile continua como se fosse algo bem normal se por assim dizer, logo Samantha que estava petrificada aparece ao meu lado trajando uma veste branca como a pureza que ela sempre transmita fora os detalhes em dourado, em seus pés sapatilhas brancas com detalhes rendados deixavam seus pés pequenos com um ar angelical, a mesma estava com um cabelo em um coque e sua franja estava acima dos olhos a deixando com um ar infantil fora que em seus cabelos estava a tiara mural de dama de companhia brilhava como nova, logo Samantha se curva diante de mim fazendo que os nobres morram de inveja por verem a devoção dos empregados, antes da mesma se retirar a agarro pelo braço e a levo para um canto mais reservado, assim que estamos sozinhos eu digo:

- Onde esta Belo. – Digo em tom áspero.

- Terminando de se arrumar senhor. – Diz a mesma abaixando a cabeça.

- E porque não esta com ele? – Pergunto.

- O senhor Christopher esta terminando de arruma-lo. – Diz a mesma ainda de cabeça baixa.

- Um tudo bem pode se retirar, assim que Belo chegar não se esqueça de ficar acompanhada dele como uma boa dama de companhia. – Digo arrumando sua franja.

- Sim senhor. – Ela diz se curvando e logo desaparecendo de meu campo de visão.

         Assim que ela desaparece a porta principal de carvalho se abre e uma corneta toca anunciando a chegada do nosso convidado tão esperado os olhares de espera e ansiedade tomavam conta dos corações mostrando que o tempo havia acabado e a espera seria recompensada.    


Notas Finais


Bom e esse o final da novela por hoje nos vemos no próximo episodia da nossa novela sera que belo arruinara o jantar sera que Julian se desarmara ao ver Belo você saberá no nosso proximo capitulo, mano tenho que parar de ser retardado Beijos U.U


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...