História O brilho do fogo - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Nalu
Exibições 306
Palavras 713
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Prológo


Fanfic / Fanfiction O brilho do fogo - Capítulo 1 - Prológo

7XX - Reino de Fiore, Floresta de Mori 

Era uma noite tão comum como as demais, com o céu repleto de estrelas e suas diversificadas constelações, a floresta se encontrava pacífica, com o vento dançando pelas copas das imensas arvores ao som de sapos e grilos cantores, a maioria dos animais já bem acomodados em seus ninhos e tocas, desfrutando de um bom e merecido sono depois de passar o dia todo lutando na cadeia alimentar. 

Bem no centro de toda a imensidão verde, se encontrava uma enorme montanha, lar de todos os tipos de criaturas e outros seres, mas entre toda sua altura e magnitude, havia um local que nenhum ser se atrevia pisar, uma simples caverna no seu pé. O problema não era a caverna, mas sim o ser que hibernava dentro da mesma. 

De repente, um som altíssimo se iniciou, assuntando alguns pássaros que repousavam nos galhos das árvores, iniciando uma grande decolagem. Esse som não era comum naquela região, era como um resmungo de algum mamífero faminto, misturado com o grasno de um simples filhote de ganço, era um... Choro humano. 

Não era comum encontrar humanos vagando por aquela parte tão remota da floresta. O que atiçou a curiosidade de alguns animais, que mesmo de modo lento, se retiravam de suas tocas para visualizar a pequena criatura causadora de tanto alvoroço. O único problema, era que não foram apenas os animais que despertaram, algo se remexeu dentro da escura caverna, revelando um par de orbes totalmente douradas que apenas exibiam uma pequena fenda negra para indicar sua função, um par de olhos. 

Os dois olhos se eguaram, atingindo por volta de dez metros de altura, pequenos tremores se iniciaram, indicando a proximidade a criatura há a luz lunar que banhava a entrada da caverna, o primeiro a se revelar foi um grande focinho, decorado com pequenas escamas brancas tão lizas que pareciam se misturar em apenas uma grande pele reforçada; Três pares de chifres se estendiam do topo de sua cabeça, diminuindo de tamanho até chegar em suas bochechas, sendo puxados para trás; Suas patas dianteiras ostentavam quatro garras totalmente afiadas, possuindo um brilho dourado; Duas grandes e belas asas se mantinham abertas até o topo da caverna, repletas de penas brancas e macias; Sua calda era bem simples, possuindo apenas uma pequena penugem na ponta; Toda parte inferior de seu corpo era repleto de pelos brancos e fofinhos, indicando sua sexualidade feminina. 

Aquela imensa criatura - até então adormecida - se revelou ser uma rara dragoa celeste, possuindo uma presença mágica tão forte que fora capaz de afastar qualquer criatura dos arredores. Seus olhos dourados rolaram pela mata, prontamente localizando um pequeno cesto rustico em meio a alguns arbustos. 

Seus passos foram lentos e precisos, sem momento algum tirar os olhos da pequena cesta, sempre expressando uma relativa curiosidade e desconfiança, que desapareceram no instante que finalmente encaram o pequeno bebe tão escandaloso. 

A criança se mantinha embolada em um simples lençol branco, com apenas suas mãos gordinhas e rostinho para fora, sua pele tão branca combinava perfeitamente com seus fios dourados já um pouco crescidos, denunciando que a ela possuía pouco mais que um ano de vida. 

A dragoa abaixou a cabeça, incomodada com o choro, deu uma forte bufada, que fez a pequena criança parar de chorar e arregalar os grandes olhos tom chocolate, que pareceram estudar a face da criatura por alguns momentos, antes de levantar as duas pequenas mãozinhas tentando a todo custo tocar-lhe o focinho. 

O grande réptil a olhou em duvida, tentando entender o que aquele gesto significava, mas se tocou assim que a criança voltou a espernear ameaçando um novo choro, seu rosto tombou de modo involuntário para frente, encontrando as pequenas e delicadas mãozinhas que passaram a cutucar cada escama de seu grande focinho, soltando risadas e sorrisos banguelas no processo. 

Naquele momento, sem o consentimento da dragoa, um forte sentimento cresceu em seu peito, dizendo que deveria zelar pela criança humana a todo custo que fosse. E assim ela fez, erguendo a cabeça e observando sua volta para garantir que não havia mais nenhum humano nas redondezas, ela delicadamente enrolou a calda no cesto e voltou a caminhar de volta a escuridão de sua caverna, e lá desaparecendo novamente. 


Notas Finais


Fanfic Nalu! Deu saudades de escrever algo com Fairy tail, então tamo aqui.
Quem sera essa bebe em?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...