História O Caminho que Trilhamos - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sarada Uchiha
Tags Borusara, Mitsuino, Naruto, O Caminho Que Trilhamos, Sarada, Sasusaku, Team7
Exibições 98
Palavras 7.644
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oie, gente
Venho aqui atualizar a fic, um beijinho :*
P.S: Leiam as notas finais.

Capítulo 12 - Suposições


Fanfic / Fanfiction O Caminho que Trilhamos - Capítulo 12 - Suposições

As meninas foram até a churrascaria, comumente frequentada por Chouchou e seus pais. 
Elas se sentaram à uma mesa no centro do lugar e esperaram até um garçom gentil atendê-las:
- Olá, Chouchou! Vai querer o de sempre? - ele demonstrava familiaridade para com ela.
- Ah, não sei... - olhou para a Uchiha - Sarada, você come carne? Podemos dividir uma porção grande.
- Sim - apesar de comer pouco, sabia que a amiga comia com gosto as porções do lugar.
- Já está anotado! - o garçom respondeu animado, voltando-se para a cozinha e deixando-as à sós.
A morena permaneceu quieta, esperando que a outra lhe explicasse as "novidades" na Vila. 
- Bom, por onde eu começo? - foi uma pergunta retórica - Ah, já sei! - e começou a rir.
Sarada observava intrigada, afinal o quê era tão engraçado? Ela esperou o surto de riso da amiga passar com a expressão desgostosa. 
- Desculpa, Sarada! É que eu e o Boruto fomos "cupidos" - ela fez aspas com os dedos - no relacionamento do Inojim com o Mitsuki, embora não fosse essa minha ideia inicial...
A Uchiha continuava quieta, dando permissão para que a Akimichi continuasse e ela assim o fez: 
- Depois que você foi embora, na verdade, nas semanas seguintes, eu e o Boruto sentíamos muito a sua falta - o tom era melancólico - e nos aproximamos, acabamos conversando várias vezes e em muitas delas o Mitsuki estava junto... e você lembra como ele provocava nós duas? Aqueles comentários idiotas sobre garotas e suas "síndromes da heroína trágica" - ela fez as aspas novamente - eu, erroneamente, pensei que ele falava aquilo para chamar minha atenção e então comecei a me interessar por ele... 
Ela fez uma pausa para que a ouvinte assimilasse as informações dadas. A Uchiha entendeu que o interesse dela era de cunho romântico e em seguida balançou a cabeça afirmativamente para que ela continuasse a narrativa.
- Bem, nos meses seguintes as coisas só favoreciam a leviandade dos meus pensamentos, porque o Boruto começou a marcar encontros entre nossas equipes, como se fosse um cupido para mim e para o Mitsuki. Quando ele não fazia o convite, eu o fazia. E assim a situação foi se estendendo até que uma vez eu cansei daqueles encontros disfarçados e chamei o Mitsuki diretamente, claro, usando a desculpa que chamaria o Boruto e o Inojim - ela fez uma pausa pensativa - ... o Shikadai nunca ia nesses encontros, era preguiçoso até para sair comer! - levantou as mãos dando intensidade na fala.
Sarada sorriu de lado levemente. E Chouchou continuou:
- Voltando à história... naquela vez eu fui sozinha ao Ichiraku e esperei pacientemente o Mitsuki, que foi pontual e estranhou o fato dos outros estarem ausentes, mas eu fui logo fazendo um discurso sobre os sentimentos dele e que ele não precisava ser tímido, até ele me interromper dizendo que eu  estava equivocada...
Chouchou lembrava do momento exato:
" - ... Não precisa ter medo dos seus sentimentos, é totalmente normal você se sentir atraído por mim... 
- Chouchou, não sou atraído por você! - ele cortou o assunto avidamente, deixando a menina de boca aberta.
- Como assim? - ela tentava assimilar o que ele havia declarado - não é apaixonado por mim?
- Por você não - confirmou paciente e enrubrecido.
- Mas você vinha em todos os nossos encontros e até observava escondido a minha equipe treinando! 
Ele enrubreceu mais ainda.
- Não me diga que você está gostando do Inojim - zombou sarcástica revirando os olhos. 
O azulado não respondeu, apenas piscava nervoso sobre a declaração. Ela, enfim, entendeu que ele gostava de seu amigo loiro e que ela havia enganado-se em suas observações. Sentiu-se envergonhada, queria sair correndo dali, já que a sua paquera havia a recusado, e por um amigo pessoal! 
Eles se encararam por longos minutos até ela falar:
- Desculpe... achei que você gostasse de mim...
- Eu gosto, como amiga - respondeu menos avermelhado.
- Hum... eu não sei o que o Inojim sente... ele nunca comentou comigo sobre nenhuma garota ou garoto da Vila - comentou mais para si mesma, porém Mitsuki prestava atenção às palavras. 
O olhar atento dele tornou-se triste com a declaração final dela. A negra percebeu e se tentou melhorar o discurso:
- Quer dizer, ele é muito tímido sabe? Nunca fala muito sobre ele mesmo, sempre fica desenhando naquele caderno vermelho dele... 
Os olhos âmbar do azulado fitaram os dela, mostrando esperança. 
- ... você deveria tentar uma aproximação... - ela sugeriu.
Ele enrijeceu o corpo e tornou-se mais pálido ainda. Aquela hipótese estava fora de cogitação! Só de estar perto de Inojim sentia o coração bater acelerado e o estômago embrulhar, quando conversavam, eram rápidos e diretos. Sentia que seu sentimento não era recíproco, afinal o Yamanaka quase não o olhava. 
Chouchou fez uma careta percebendo a situação.
- Não fale nada para ele - Mitsuki sussurou envergonhado.
A menina queria debater, mas depois daquela situação com ele, ela não era a melhor pessoa para aconselhá-lo, então concordou com a cabeça. 
Minutos depois eles se despediram, indo cada um para sua casa, sem comerem seus ramens."
Ela contava sobre o encontro com nostalgia para a Uchiha. 
- Depois daquilo, eu conversei com Boruto, tentando saber se ele sabia da paixão do amigo, e ele me respondeu que sim. Os encontros eram para aproximar os meninos, mas todas as vezes eram falhos. Assim nós decidimos nos unir - o olhar dela brilhou - eu e Boruto combinamos de chamá-los para comer no Ichiraku novamente, mas sem eles saberem que a outra equipe ia. Eu convidei o Inojim que aceitou, e o Boruto o Mitsuki, também. Porém, nós os "cupidos" - fez as aspas de novo - não fomos. Ou seja, eles acabaram se encontrando lá... depois Boruto me contou, já que o Mitsuki se abria mais com ele do que o Inojim comigo, que eles ficaram mais de quinze minutos em silêncio conjunto, até o Inojim falar um singelo "oi". Eles começaram a conversar depois, porém pouco.
- Ele falou "oi" depois de quinze minutos?! - Sarada falou indignada com as sobrancelhas erguidas.
Chouchou riu e assentiu com a cabeça. 
- Inojim, coitado, achou que algo tivesse acontecido comigo para eu não ter ido! - ela ria mais ainda. 
- Nossa, quanta ingenuidade - Sarada comentou rindo.
O garçom voltou com uma travessa cheia de pequenos pedaços de carnes temperadas e a colocou sobre a mesa. Ligou a churrasqueira no centro e saiu sorrindo.
Chouchou depositou alguns pedaços sobre a grelha e jogou molho shoyo por cima. Sarada repetiu os movimentos e esperaram as carnes assarem. 
- E depois daquele encontro? - Sarada perguntou curiosa.
- Bem, eles começaram a se falar sozinhos... eu e o Boruto continuavámos marcando nossos encontros... mas demorou uns três meses até o Mitsuki se declarar... Inojin me contou que ele foi na Floricultura dele e comprou uma um lírio branco, que é a flor favorita do Inojin, assim que pagou por ela, a entregou à ele. Inojin não teve reação de início, depois saiu correndo para os fundos da loja - ela sorriu lembrando-se. 
Sarada pegou uma carne no ponto e comeu-a, ouvindo atentamente. 
- Depois disso, Inojin evitou o Mitsuki por uma semana, ai eu intervi pelo Mitsuki. Falei pro Inojin se abrir com ele e parar de isolá-lo, se não ele pensaria que estava sendo rejeitado. O Inojin me ouviu e escreveu "eu gosto de você" no seu caderno de desenhos e entregou ele para o Mitsuki. Foi a primeira pessoa que ele deixou olhar o caderno completo - ela parou de falar para comer seus pedaços de carne bem passados. 
Colocaram juntas mais pedaços na grelha e Chouchou continuou.
- Por fim, seis meses depois de você ter ido treinar com seu pai, ele e Mitsuki formaram um casal oficial, todos sabiam deles, por mais discretos que fossem. 
- Hum, Ino, Sai e Orochimaru aceitaram bem? - Sarada perguntou, pensando se fosse ela e Boruto, reprimindo o pensamento imediatamente.
- Bem, Sai e Ino sim. Na verdade, a tia Ino queria encher o Mitsuki de presentes e afagos, ao mesmo tempo que o ameaçou caso partisse o coração do Inojim - gargalhou. 
Sarada riu da situação vivenciada pelo companheiro e pela risada escandalosa da amiga. Aquilo aqueceu o coração da Uchiha. "Senti sua falta, Chouchou" refletiu observando-a comer três pedaços pequenos de carnes. 
- Já o Orochimaru não sabe... - continuou - o Mitsuki diz que não confia tanto nele a esse ponto. Por isso, o relacionamento deles só é oficial dentro da Vila e ele se recusou a falar o nome do Inojin no Exame. 
- Hum - Sarada grunhiu concordando enquanto comia mais carnes. 
- Mas e você, Sarada? - questionou com um sorriso malicioso. 
- O que tem eu? - falou entre a mastigação.
- Você e o Boruto vão se assumir quando? - foi extremamente direta.
- O quê?! - engasgou com a comida, tostindo em seguida. 
- Ah, qual é! Não se faça de desentendida! Desde que você voltou, ele não para de falar de você - ela revirou os olhos. 
- Eu não sei nada sobre isso - desviou o olhar e sentiu-se enrubrecer. 
- Deveria dar uma chance à ele - o tom era sério, chamando a atenção da Uchiha.
- Talvez eu passe na casa dele amanhã - enrubreceu novamente. 
Chouchou comeu um pouco mais e depois falou:
- Bom, sobre mais novidades... minha equipe perdeu para a equipe da areia do filho do Kazekage, naquele Exame Chunin, assim nós refizemos o Exame Chunin na edição anterior. 
- Hum, pelo menos nós passamos - comentou curvada comendo a última carne. 
Sarada terminou sua refeição. Estava satisfeita.
- Sim! Os meninos queriam se inscrever no Exame Jounin, mas o Shikadai estava viajando com o pai e perdemos a inscrição. 
- A minha equipe não era Chunin ainda, então esperaremos o próximo ano.
Chouchou acabou com a última porção da travessa e colocou as mãos sobre a barriga estufada. 
- Terminei. 
Sarada sorriu seu lado e acenou para o garçom que trouxe a conta. As meninas dividiram-na e depois caminharam juntas pela rua principal de Konoha.
- E sobre minha mãe e o hospital? - questionou curiosa.
- Ah, a tia Sakura ganhou mais prestígio ainda no mundo ninja, após desenvolver um tratamento barato e eficaz de uma doença respiratória com a ajuda dos avanços tecnológicos de Suna. 
A Uchiha arregalou os olhos supresa. Sabia que a mãe era uma das melhores ninjas médicas, mas ter suas atividades reconhecidas era sempre prazeroso. 
- O Hokage e a sua mãe foram juntos com o Rokudaime para Suna receber um prêmio. 
- O que o Kakashi-senpai foi fazer lá? 
- Pelo que o Boruto disse, ele estava auxiliando o Nanadaime em algum trabalho. 
- Hum - Sarada desconfiou daquilo, mas ficou quieta. 
As garotas caminhavam para o suas casas, até o ponto em que se dividiam. Chouchou abraçou a morena em despedida, que se surpreendeu da mesma forma que nas outras vezes. 
Não era acostumadas com tanto contato corporal assim. Mas não era uma sensação ruim, então aproveitou o momento.
- Tchau, Chouchou. 
A negra sorriu largamente e virou-se continuando seu caminho à esquerda, Sarada foi para sua casa, a qual estava vazia. 
"Onde estão eles?" perguntava-se até olhar um bilhete a mão da mãe preso na geladeira com um ímã. 
- Querida, tive uma emergência no hospital. Volto quando acabar. Com amor, Sakura - ela leu em voz alta. 
Suspirou e decidiu tomar banho, depois de um dia de caminhada até a Folha, sentia o corpo grudento e sujo. 
Saiu do banho e vestiu as peças de roupas novas que Sakura comprara.A blusa verde era mais curta do que parecia na frente, deixando a mostra seu abdômen, já o shorts branco era comum. 
Ao abrir a porta de seu quarto viu o pai de costa cozinhando no fogão, pelo cheiro deduziu que ele estava fritando ovos e tomates. 
- Você quer comer? - a voz rouca soou. 
- Não, obrigada. 
Ela permaneceu no batente da porta de seu quarto, observando-o. Pode vê-lo se virar e a franja movimentar, revelando o Rinnengan, o qual foi logo coberto pela franja novamente.
Ele deixou a frigideira em cima da mesa e começou a colocar a comida em um prato limpo. 
- Vai ficar ai parada? - ele perguntou calmo.
- Não. Vou sair - ela disse caminhando até a porta. 
Se arrependeu no mesmo instante. Para onde iria? Acabava de regressar da Vila da Névoa, queria descansar e apreciar a tranquilidade de sua casa, porém ficar com o pai a sós a lembrava de seu treinamento.
Ao pegar na maçaneta da porta decidiu que visitaria Boruto. Caminhou pelas ruas de Konoha até se deparar com ele conversando avidamente com Ayla. 
O loiro distraído mantinha os dois braços atrás da cabeça, enquanto ela pousava a mão direita na cintura e jogava o peso do corpo na perna esquerda. Boruto abaixou os braços falando algo, fazendo-a atirar a cabeça para trás gargalhando. Ela esticou o braço direito e tocou o ombro dele, massageando ligeiramente.
Uma menina extremamente parecida com Ayla andou até eles e puxou a barra da saia azul dela. A kunoichi olhou-a sorrindo e depois beijou Boruto na bochecha, como despedida, e caminhou de mãos dadas com a menina. 
Boruto a observou ir embora com uma cara abobalhada e corada. Quando ele olhou ao redor e percebeu a Uchiha, sua expressão mudou para espanto. A morena tinha as sobrancelhas franzidas, a boca repuxada pra baixo e os braços cruzados sob o peito.
- Sarada-chan! - ele correu até ela. 
Sarada virou o rosto desgostosa. 
- Nós estávamos conversando sobre... 
A Uchiha não prestou atenção nas palavras dele. Irritava-a a presença de Ayla e não sabia dizer a si mesma o porquê. Porém, Boruto não precisava saber disso.
- Isso não cabe a mim - ela foi grossa, mas verdadeira. 
Afinal, o que ele e a morena falavam competia, somente, à ambos. Ela não fofoqueira e muito menos mãe deles para cobrar alguma satisfação da situação. 
O Uzumaki queria explicar o mal entendido, mas chocou-se com a rispidez da garota, resolvendo falar melhor com ela depois. 
Quando Sarada estava prestes a voltar para casa, uma nuvem de fumaça surgiu ao lado deles, revelando Kakashi.
- Kakashi-senpai - proferiram juntos. 
- Olá, meninos. Por acaso, viram o verdadeiro Naruto? - a voz dele, assim como os olhos, apresentavam tranquilidade. 
Normalmente encontrava-se vários clones do Hokage realizando alguma tarefa na Vila. 
- Ele e minha mãe seguiram aquele ANBU, que apareceu em casa - Boruto respondeu.
Sarada o olhou de soslaio. "O que aconteceu?" pensou.
- Um membro do clã Hyuuga foi atacado perto dos portões da Vila - o loiro respondeu olhando-a.
A Uchiha zangou-se consigo mesma por ser descuidada e ter dito aquilo em voz alta. 
- Bom, nesse caso, eu estou indo - o grisalho acenou e desapareceu em seguida.
"Um ataque ao membro do clã mais conceituado de Konoha? Além disso, Kakashi-senpai está intervindo... meu pai deve saber de algo" Sarada refletia enquanto se afastava de Boruto, mas parou pela mão dele que segurava seu pulso esquerdo.
Ela olhou os olhos azuis cintilantes e esperou que ele se pronunciasse. 
- Podemos conversar?
- Já conversamos. Vou para minha casa.
Ele suspirou e deixou-a ir, sabendo que quando a garota quisesse falar, o procuraria.
Ela caminhou rápido pelas ruas de Konoha, pois estava intrigada com o fato. 
Chegou em sua casa e ouviu a voz do pai falar:
- ... Era completamente preto e sem rosto...
A menina entrou na cozinha e viu a mãe sentada à mesa com os olhos atentos ao marido, o qual estava encostado no batente da pia com os olhos fechados e os braços cruzados sob o peito. 
- Sarada! - ela reconheceu a filha animada. 
- O que era sem rosto? - perguntou ao pai. 
- O humanóide que atacou o Hyui - Sakura respondeu por ele. 
Sasuke assentiu calmamente.
- O que o Hyuuga disse, além da minha participação? - Sasuke abriu os olhos e fitou a esposa.
Sakura corou levemente e então fitou o teto pensativa, com o indicador no queixo.
- Bem, ele se referiu ao humanóide como uma sombra de chacra, porque não possuía nervos e nem ossos. Ah, - os olhos dela abaixaram ávidos - ele comentou que ele tentava atacá-lo principalmente na região dos olhos e que os membros dele se esticavam.
- Os membros esticavam? - Sarada franziu o cenho lembrando de Mitsuki. 
- Sim - a rosada confirmou balançando a cabeça. 
Sasuke suspirou. 
- Hyui agradeceu muito à você, enquanto eu o tratava na ala de emergência - a Uchiha sorriu. 
- Você rastreou o chacra desconhecido com o Rinnengan e interviu - Sarada concluiu olhando o pai. 
- Sim! Hyui estava em um combate bastante desigual, já que suas habilidades oculares não o ajudavam. Ele acabou quebrando duas costelas e a perna direita - Sakura explicava - foi então que seu pai apareceu e o salvou. Eu fui chamada e  o levei para o hospital - sorriu orgulhosa no fim. 
Sasuke assentiu novamente.
- Hey - Sarada teve um flash de lembrança - vocês viram todo o Exame Chunin, certo?
Sakura ergueu uma sobrancelha pela mudança súbita de assunto.
- Sim, querida. Por que?
- Vocês se lembram de terem visto um humanóide preto nas águas do mar ao redor da ilha durante a prova?  
- Não - Sakura arregalou ainda mais os olhos.
- Tinha muita neblina naquela parte. Só os vimos depois, na areia, encharcados - Sasuke proferiu.
- Bem, fomos atacados. Achei que fosse algo da prova, mas não voltou a nos atacar durante o Exame. 
- Interessante... as características são as mesmas - o moreno falou.
Eles ficaram em silêncio por alguns segundos.
- Hum... o Rokudaime estava procurando o Hokage - Sarada quebrou o silêncio sentando-se à mesa.
- Hum - Sasuke grunhiu atento.
- Será que há relação com os ataques nas outras Vilas? - a rosada questionou ao moreno.
- Talvez - respondeu - Kakashi só possui suposições, por enquanto.
- Foi por isso que o Kakashi-senpai foi com você e com o Hokage para Suna? - Sarada inquiriu. 
Os olhos esmeraldinos brilharam e ela concordou:
- Sim. 
- Kakashi disse algo à você? - Sasuke perguntou.
- Não - Sarada sabia que eram informações confidenciais.
- Vou atrás dele e de Naruto - o Uchiha caminhou pela cozinha, tocou a testa da filha e depois a da rosada. 
Ela viu a mãe segui-lo com olhar e depois voltar-se à menina.
- Como parou aquele humanóide no seu Exame? 
- Usei o jutsu de prisão d'água e depois fiz com que a água o cortasse. 
- Hum... - ela assentiu.
Sakura se levantou e pegou um livro na estante da sala.
- seu pai coletou um pouco da gosma dele... - procurou alguma página - vou precisar analisar no laboratório amanhã. 
- Tudo bem, mãe. Pode estudar agora - sorriu. 
Sarada fez o mesmo. As duas só pararam no fim da da tarde para Sakura cozinhar um ensopado de tomate. 
Quando a janta estava quase pronta, um falcão bateu na porta de vidro do quintal da casa deles. Sarada largou o pergaminho que lia e então abriu a porta de correr, reconhecendo o falcão do pai.
A ave entregou o pergaminho, que levava no bico, nas mãos da Uchiha e depois desapareceu. 
- O que foi, Sarada? - a voz preocupada de Sakura soou.
Sarada leu o pergaminho e avisou. 
- Meu pai viajou de novo. Foi em missão para o País da Grama e volta em uma semana. 
Os olhos da mãe marejaram, ela se virou e desligou o fogão. 
- Está pronto. 
Sarada sabia que cada vez que o pai viaja o coração da mãe se partia. Suspirou e depois disse:
- Mãe, os sentimentos dele estão conectados com os nossos. 
Sakura olhou a filha e sorriu verdadeiramente.
Depois daquilo elas comeram e continuaram estudando, até dormirem horas depois. 
A semana passou, Sasuke não voltou, Sakura não descobriu nada relevante sobre os tecidos do humanóide e nem Sarada se aproximou de Boruto de forma romântica, apesar de sentir necessidade de fazê-lo.
As barreiras emotivas construídas pela menina desmoronavam a cada segundo que passava com os amigos e com a mãe. Lembrava-se constantemente das palavras do tio e de como ficava mais forte com seus laços. Assim, a Uchiha continuou saindo com Chouchou e a treinar com o time 7. Eles realizavam algumas missões juntos e quando não, apenas se reuniam no Ichiraku. 
Contudo, Boruto ainda tentava uma aproximação maior com a garota e na terça daquela semana sugeriu que treinassem juntos.
No entanto, ele não se esforçava realmente para atacá-la, a qual percebia os péssimos movimentos do garoto. Nas vezes que  derrubava-o no chão, todas com facilidade, ela irritava-se ainda mais com a postura infantil dele, assim na sétima vez que ele caiu, depois de ficar com o joelho dela em sua garganta, ela disse:
- Você é patético. Vou treinar com Mitsuki - olhando-o com rigor.
- O quê?! - ele levantou-se rápido prestes a puxá-la pelo braço.
Ela jogou uma shuriken a milímetros do seu rosto, fazendo um corte ligeiro na bochecha esquerda.
- Eu errei de propósito. Você deixa seus sentimentos influenciarem em uma luta.
Ele arregalou os olhos e levou a mão ao corte, do qual escorria única e singela gota de sangue.
- Isso é só um treino - contrapôs irritado.
- Se você é um ninja têm que tomar decisões difíceis, às vezes - ela deu as costas e caminhou até o azulado que lutava contra um clone seu.
Mitsuki sorriu para Sarada e logo começaram um treino intenso.
Boruto sentou-se na grama e observou-os lutar, até que o azulado roubou a catana da menina e cortou-lhe a blusa, revelando as faixas que cobriam seus seios. O Uzumaki fitou-os descaradamente, até levar um xingo de Sarada e desviar o olhar, enrubrecendo em seguida. No instante que olhou de volta para os amigos, viu-a grudar no quimono de Mitsuki e lançá-lo em direção ao Boruto, o qual não se preparou para o impacto e sentiu fortemente o peso do amigo.
Caídos, ambos olharam a menina curvada, que mantinha as mãos na cintura e olhava-os irritada.
- Vocês são patéticos! E não gostei do jeito que você me olhou, Boruto! - ela semicerrou os olhos.
- D-desculpe é-é que v-você é bonita - ele balbuciava envergonhado, percebendo uma cicatriz no seio esquerdo dela.
O semblante irritado da menina, tornou-se surpreso e levemente rubro com a resposta, voltando rapidamente a irritar-se.
- Er.. pess - Mitsuki tentou dizer que sentia alguém surgir ao lado deles, mas não teve tempo, pois a figura de Sasuke apareceu.
O Uchiha levantou a  sobrancelha esquerda ao olhar a cena dos meninos no chão e sua filha com a blusa rasgada na frente.
- Pai? - ela olhou-o intrigada.
- O Hokage quer falar com você. 
- O que meu pai quer com a Sarada-chan?
Sasuke olhou-o e respondeu: 
- Pergunte para ele.
Boruto pensou que a grosseria Uchiha era algo genético.
- Eu já vou encontrá-lo, só irei passar em casa trocar de blusa, já que ele rasgou essa - olhou severamente para Mitsuki ainda no chão.
- Venha. Eu te levo - Sasuke estendeu a mão para ela, que a pegou, dando uma última olhada severa à Boruto, e ambos teleportaram.
Os meninos viram os corpos desaparecerem rapidamente num vórtice e depois fitaram a floresta, de pano de fundo, e o céu com tons róseos e laranjas.
- Você viu aquilo? - Boruto perguntou.
- É claro que os vi sumirem! Não sou cego! - apoiou-se no amigo e levantou.
- Não! A cicatriz - ele levantou-se também - ela tem uma cicatriz no seio.
- Por que eu olharia os seios dela? - falou confuso.
- Ah, esquece! - Boruto coçou o cabelo, lembrando-se de Inojin.
- Tudo bem... vou para casa e depois comer ramen com o Inojin, então... 
- Não vou te procurar hoje, já sei - interrompeu o amigo e andaram juntos até a casa do Uzumaki. 
Após trocar de roupa e ir ao escritório do Hokage, Sarada foi informada que seu desempenho ninja era excelente.
- Ah, obrigada, Hokage-sama - ela envergonhou-se e olhou para o pai sentado na janela.
- É por isso, que decidi torná-la uma ANBU. 
- O quê?! - Sarada arregalou os olhos.
- Eu já sabia que seu desempenho em campo era de alto nível, mas depois da sua luta no Exame Chunin, os conselheiros também olharam-na de modo diferente. Uma ninja apta à missões de ranking S. Além disso, você será escalada para a minha guarda pessoal, já que é possuidora de susanoo e seu pai rejeitou o convite. Ah, eu esqueci de perguntar - Naruto coçou o cabelo - você quer participar da ANBU? 
- S-sim! - Sarada gaguejou.
- Ótimo! Bom, pode ir pra casa agora, seus turnos começarão daqui dois dias.
Sasuke levantou-se da janela e sorriu para a filha. "Ele está orgulhoso" pensou feliz e caminharam juntos até a porta, quando ela olhou para o Nanadaime e perguntou: 
- E a minha equipe? O time 7.
Os olhos de Naruto brilharam ao ver que a garota já tinha se afeiçoado ao grupo e nutria laços com eles, mesmo que sem admitir.
- Bom, você continuará fazendo parte da equipe deles e realizando missões juntos, apenas não será requisitada quando houver uma missão ANBU.
Ela assentiu e girou a maçaneta.
- Ah, Sarada... eu sei que meu filho tem muito apreço por você - seu tom de voz era sério - mas ele não deve saber dessa parte de sua vida. É de extrema segurança que você oculte esse fato de todos.
- Minha mãe vai perceber - Sarada disse involuntariamente e logo se arrependeu com a falta de respeito.
Naruto gargalhou e coçou o pescoço.
- É... ela já sabe... Sasuke e eu tivemos uma certa dificuldade de lidar com ela - ele sorriu.
Sarada olhou o pai que sorria levemente.
- Mamãe aceitou? 
O Uchiha assentiu, deixando a menina grata por não ter que mentir para a mãe. 
Eles saíram da sala e viram dois ANBUS imóveis do lado de fora. "Eu vou estar com eles" refletiu ansiosa "Meu tio entrou para a ANBU com apenas treze anos, agora eu fui convocada... o Kakashi-senpai também foi um, será um honra poder fazer parte dessa equipe".
"Itachi, ela está crescendo", Sasuke sentia a presença do irmão, mesmo sem poder vê-lo.
Estava imerso em lembranças do treinamento da menina, quando esta o interrompeu: 
- Como convenceram a mamãe? 
Sasuke a olhou e refletiu por instantes. 
- Digamos que Naruto ouviu todas as reclamações e xingos possíveis, enquanto eu a agradei em momentos a parte... depois ela ouviu as explicações de Naruto... e mais agrados meus antes que eu viajasse... - Sarada entendia que os "agrados" do pai não eram favores como lavar a louça, mas sim, ótimas noites de sexo, enrubrecendo ao pensar isso deles - o que realmente a fez aceitar a decisão é que aproximaria você do seu sonho de ser Hokage. Sua mãe não tiraria essa chance de você - ele bagunçou o cabelo da menina, que estranhou a atitude - agora vamos embora, preciso continuar com os agrados. 
Sarada ficou totalmente vermelha ao ouvir aquilo e Sasuke a ignorou.
Quando chegaram na casa, ele fez dois clones, os quais começaram a fazer as atividades domésticas junto com ele, pois precisava da ajuda por ter apenas uma mão.
"Ele está realmente fazendo isso? Eu pensei... argh... só penso em sexo depois daquela noite" ela refletia quieta ao lembrar-se de Boruto e decidiu tomar banho para esquecer a lembrança, mas o que houve foi o contrário, Sarada sentia-se relaxada o suficiente para masturbar-se no banho, porém não conseguiu chegar ao ápice e sentiu-se frustrada.
Saiu do banheiro e colocou o vestido vermelho que a mãe havia comprado antes do Exame. 
- Você demorou. Sua mãe chegou e está dormindo no sofá - Sasuke falava de costas para ela, usando um avental branco com babados rosas e mexendo uma colher dentro de uma panela.
Sarada agradeceu silenciosamente por ele estar de costas e não a ver enrubrecer, olhou para a mãe que tinha a boca aberta e a respiração regulada. Parecia exausta pelo modo jogado que o corpo estava. 
- Terminei. Pode acordá-la? - o pai pediu, levando a panela à mesa.
Sarada sentia o cheiro bom no ar, abaixou-se de frente para a mãe no sofá e a chamou: 
- Mamãe? 
Sakura permanecia dormindo.
- Mamãe - repetiu um pouco mais alto.
Sakura não se moveu.
- Mamãe - cutucou a bochecha da mulher com o indicador.
Sakura, sem despertar, virou o corpo para o lado. A menina olhou ao pai, como se pedisse ajuda.
- Assim, - ele caminhou até a mulher, colocou o indicador e médio em seu byakugou, chamando-a delicadamente - Sakura.
Os olhos verdes brilhantes se abriram assustados e ao ver o marido suavizaram. A rosada sorriu e o puxou para um beijo, mas ele colocou o indicador em seus lábios.
- Sarada está aqui - a mulher enrubreceu completamente e olhou de soslaio para a filha - a janta está pronta.
Ele se virou e ela viu a filha rubra, enrubrecendo também, deu-lhe um sorriso inseguro, levantou-se e caminharam juntas até a mesa, sentaram-se e comeram a refeição. 
- Está uma delícia! Você deveria cozinhar mais vezes! - Sakura disse entusiasmada.
- Eu concordo.
A mulher irritou-se e falou:
- O que você quer dizer com isso?! - pensou que a resposta dele fora uma provação.
- Que eu deveria cozinhar mais vezes.
- Eu sei que não sou uma boa cozinheira! Fico cansada demais para me dedicar à cozinha - ela abaixou a cabeça triste.
Sasuke olhou para a filha. Agora, ele lhe pedia ajuda.
- Mamãe, suas comidas são boas! Sabemos que você trabalha muito e se continuar a salvar vidas, tudo bem - ela apertou a mão da mulher e sorriu para ela.
- Desculpem, estou  mentalmente exausta - Sakura suspirou e levou a mão a testa.
- Você deveria diminuir seus turnos - Sasuke disse.
- E deixar tudo para a porca da Ino? Ela vai enlouquecer os pacientes - falou zombada da amiga.
- Seu nível de chacra está baixo - Sasuke estava com o sharingan ativo, podendo ver as finas linhas de chacra na mulher.
- Eu uso quase ele todo no hospital... 
- Isso vai prejudicar você - o tom dele era seco.
- E salvar pessoas - Sakura semicerrou o olhar.
- Saku...
- Sasuke, não! Eu não vou diminuir minha carga horária. 
Ele olhava-a atento, a teimosia da esposa era indiscutível, porém deixou-a tomar sua decisão.
Eles terminaram a janta e quando Sakura quis lavar a louça Sasuke a impediu, dizendo: 
- Vá dormir. Eu e Sarada lavamos. 
Ela sorriu e beijou-lhe discretamente nos lábios, depois beijou a filha na bochecha, caminhando pelo corredor e dormindo rapidamente.
Sarada e o pai lavavam a louça quietos, quando ouviram o ronco suave da mulher. 
- Ela está se esforçando demais - ele disse severo.
- Ela não vai parar de trabalhar... você não estava aqui quando eu era criança - a mandíbula de Sasuke ficou tensa - e não sabe como foi... quanto mais eu ficava ausente pelas missões e treinos, mais ela focava no trabalho para se ocupar... quando me levou, ela deve ter se afogado em trabalho. 
- Então a culpa é minha dela estar assim - ele fechou os olhos.
Sarada não respondeu e Sasuke tomou seu silêncio como um "sim". A suposição estava certa. Terminaram de lavar a louça quietos e ele foi deitar-se, colocando o médio e o indicador na testa da menina.
- Vejo você amanhã. 
Após o habitual ritual de despedida da filha, ele caminhou até o quarto, no qual viu a mulher jogada no meio da cama, sem dar-lhe espaço para dormir.
Ele sorriu, retirou as roupas com dificuldade e vestiu um pijama azul escuro, voltou para a sala e viu a filha sair do banheiro, olhando-o confusa. 
- Vou dormir no sofá, sua mãe ocupou a cama inteira. Sarada riu e ofereceu sua cama, o pai negou-lhe.
- Tudo bem, boa noite - Sarada entrou na porta da frente, olhou a flor de tinta de Boruto, colocou um pijama verde escuro, deitou-se e dormiu.
Sasuke foi para o sofá, que agradeceu pelo gosto confortável da esposa, adormecendo nos próximos minutos.
Acordou com a mulher beijando-lhe os lábios.
- Por que está aqui? - ela perguntou.
- Você estava dormindo, não quis acordá-la - ele sentou no sofá.
- Fiquei com frio e percebi que não estava lá. Vamos - ela pegou a mão dele e o guiou. 
Após entrarem, ela fechou a porta e Sasuke, sonolento, cambaleou até a cama, deitando-se calmamente, Sakura fez o mesmo, aninhando seu corpo ao dele.
Apesar do Uchiha querer dormir, percebeu que a esposa estava tentando excita-lo.
- Sakura - ele pegou sua mão antes que ela a colocasse em sua calça - você está cansada. Vá dormir. 
- Eu estou bem - ela beijou-o, descendo a mão e segurando o pênis do marido, fazendo rápidos movimentos com os dedos.
- Vá dormir - Ele segurou o braço dela, parando os movimentos. 
- Já disse: estou bem! Qualquer coisa posso usar meu byakugou - ela beijou seu pescoço.
- Seu byakugou é uma reserva de chacra para situações importantes - ele a repreendeu.
- Essa é uma situação importante - respondeu com malícia, levantando a perna esquerda sobre o quadril dele.
- Sakura - ela reiniciou o movimento dos dedos, excitando-o.
- Não resista - ela falou em seu ouvido e depois mordeu o lóbulo da orelha.
Ele desistiu de tentar lutar contra a teimosia da esposa, assim empurrou o corpo dela para baixo, beijou-a rapidamente, apertou sua coxa, roçando seu membro duro na intimidade dela. Ele soltou sua coxa, puxou a própria blusa pela gola, jogando-a no chão, enquanto a rosada tirava as suas roupas e ajudou-o a retirar a calça. Sasuke beijava-a com intensidade, alternando entre mordidas no lábio e na linha do maxilar, enquanto penetrava-a fortemente, Sakura ativou o byakugou e mesmo assim gemia alto com a dormência, obrigando Sasuke a colocar sua mão sobre a boca dela, abafando o barulho.
Apesar da tentativa do Uchiha, Sarada acordou com o som do rangir da cama deles. "Argh... podiam ser mais discretos... iguais a mim e o Boruto..." Sarada irritou-se com o barulho constante da madeira e levantou-se da cama,  reparou na flor e frustou-se ainda mais, lembrando do seu banho. Deitou na cama,  masturbou-se e não gozou novamente. 
- Droga! 
"Argh, o que aquele idiota faz?" ela questionava-se ao sentar na cama, fitando os dedos. "Vou atrás dele, amanhã" decidiu, por fim.
Voltou a deitar e dormiu, acordou e percebeu a felicidade palpável da mãe que fazia o café. "Nada discreta" observou irritada. 
Sasuke juntou-se a elas, quieto como sempre, e bebeu uma xícara do líquido fumegante.
A mãe foi para o hospital meia hora depois, Sasuke se dirigiu ao prédio do Hokage e como Sarada não teria turnos, decidiu arrumar o quarto e depois procurar pelo Uzumaki.
Ela colocou um shorts preto e uma blusa verde escura com o símbolo nas costas, depois caminhou até a casa dele, batendo na porta da frente. 
- Sarada-chan! - o menino apareceu radiante, pois finalmente iriam passar algum tempo juntos. 
Ele vestia uma blusa cinza e uma calça preta, estava sem a bandana e a jaqueta.
- Entre.
Ela fez o que lhe foi dito.
- Estou com saudades - o loiro roubou um beijo.
- Faz só um dia que não nos vemos - contabilizou se referindo à ida deles com Mitsuki ao campo de treinamento. 
- Queria pedir desculpas pelo treino, eu não queria machucá-la, porque gosto de você - ele sorriu sincero.
Sarada respondeu com um sorriso fraco, após suspirar.
- Estamos sozinhos - ele falou em tom malicioso. 
Sarada já sabia disso, pois não reconhecia nenhuma assinatura de chacra na residência, além da dele. Assim piscou duas vezes entendendo que ele queria o mesmo que ela.
- Vamos para o meu quarto - ele começou a subir a escada em frente. 
A Uchiha retirou as sandálias e o seguiu pensando que poderiam conversar depois. Ela entrou no quarto dele e retirou a blusa, jogando-a no chão e ficando seminua, enquanto ele trancava a porta. Boruto olhou para ela e disse: 
- Hey, quero fazer com calma dessa vez - pôs as mãos sobre as dela, impedindo-a de retirar o shorts. 
Sarada franziu a testa, estranhando a atitude, porém permaneceu calada. Ele colocou a mão esquerda em sua cintura e com a direita afagou sua bochecha, depois a beijou e caminhou até a cama, ele sentou-se e ela ficou de pé, esperando as ordens dele.
- Você é tão bonita - ele a admirava cuidadosamente - Sarada-chan, o que aconteceu para você ter essa cicatriz? - ele apontou para a marca. 
- Oh... - ela o empurrou para o lado e sentou na cama - sabe quando você foi me acordar pelos meus pesadelos? 
Ele assentiu, observando a menina olhar para as mãos cruzadas sobre o colo.
- Uma vez eu tentei acordar o meu pai... ele tem pesadelos com menor frequência que eu, mas mesmo assim... 
- Continue - ele estava curioso.
- Ele despertou bruscamente e enfiou sua catana no meu coração, naquele momento eu cuspi uma bola de sangue nele o que o deixou atônito e fiquei agonizando nos segundos seguintes... quando ele saiu de seu estado de choque,me pegou no colo e nos teleportou para o esconderijo do Orochimaru, onde Karin cuidou de mim... meu pai praticamente obrigou ela a me curar, mesmo ela quase morrendo... ficou todo o tempo lá aflito, mas sem falar comigo, só xingando Karin e Orochimaru por demorarem a me tratar... 
- Sinto muito... mas por que ele não te levou pra sua mãe, no hospital? - Boruto pensou alto.
- Na época, eu achava que ele teria medo da reação dela para com ele... mas agora, penso que se ele ficou daquele jeito, minha mãe provavelmente não sairia do torpor e eu morreria...
- Fico feliz que esteja aqui - Boruto beijou-a na bochecha com delicadeza. 
Ela olhou para ele, analisando-o. 
- É por isso que eu não quero que toque essa região.
Ele assentiu e a puxou para ficar em pé novamente.
Por ser bem magra, os seios medianos da garota ficavam chamativos, ainda mais com o ex-colar do pai entre eles, a barriga chapada tinha os pelos finos e loiros, com três pintas pequenas, as quais eram distantes entre si e ele as beijou devagar.
Sarada fechou os olhos e sentiu o corpo estremecer com o toque.
As mãos dele acariciaram suas costas, enquanto ele fazia um caminho de beijos, de baixo para cima, pelo centro do da barriga dela. Ele se levantou, continuando o percurso,  pulando a região do seio esquerdo, subindo para o pescoço, mordendo-o levemente, ao mesmo tempo que apertava o quadril direito dela. 
A morena tinha a respiração pesada e os batimentos cardíacos acelerados. Quando ele mordiscou o seu lóbulo esquerdo, ela gemeu baixo, passou as mãos, até então paradas, para o abdômen dele, puxando a camisa para cima. Boruto entendeu o gesto, levantou os braços e a deixou despi-lo.
Em seguida, ela beijou seu pescoço por alguns minutos, fazendo-o apreciar o contato calmamente.
O loiro puxou o shorts dela para baixo, fazendo-a ficar completamente nua, depois virou o corpo dela, suas mãos agora desciam pelos seus braços finos, entrelaçando seus dedos com os da garota, ao passo que beijava seu pescoço.
Sarada era impaciente, queria tocá-lo e senti-lo dentro de si, mas conteve seus desejos, afinal era uma relação saudável que tinham e devia deixá-lo desfrutar o momento. Assim, ela levantou a mão esquerda, passou pelos cabelos dele e o impulsionou ainda mais para seu pescoço, Boruto com a mão esquerda livre começou a massagear o ventre dela, excitando-a mais ainda.
- Ah - esse gemido foi mais alto que o anterior. 
Ela se virou, olhou-o com as pupilas dilatadas e o beijou, fazendo as línguas se entrelaçarem.
Boruto se separou e desceu os beijos novamente, percebendo ela arrepiar-se inteira, até mesmo os pelos da barriga eriçararam. 
Ele deu um sorriso travesso para ela, voltando a beijar seu ventre e descer mais. 
- O que está fazendo? - perguntou rubra ao percebe-lo sobre seu sexo.
"Vou surpreender você" pensou maliciosamente, apesar de responder apenas com um sorriso. Sentou-se na cama, ficando exatamente na altura da genitália depilada dela, desceu sua mão para a perna direita dela e a impulsionou para frente, flexionando-a e pousando o seu pé na cama. Sarada obedecia os toques atenta, ainda tentando decifrá-lo. Com a outra mão, localizada na bunda dela, a puxou para mais perto e apertou a região, olhou em seus olhos, enquanto beijou o interior de sua coxa até a vagina e então lambeu-a devagar, a qual já estava úmida. 
A menina arregalou os olhos. Aquilo era extremamente erótico e prazeroso. O viu fazer o movimento novamente, depois jogou a cabeça para trás, colocando a mão direita na cabeça dele e impulsionando-o mais ainda para si.
O Uzumaki assim o fez, aumentou a velocidade das lambidas, enquanto subiu a mão esquerda para o peito direito da garota e começou a apertá-lo, recolhendo gemidos sinceros dela, que não tinha forças para afastar a mão dele de seu peito.
Passados alguns instantes, ele sentiu o corpo dela contrair-se e mover-se junto, aumentando a intensidade de seus movimentos. Então ouviu um grunindo vindo dela, logo após sentir um líquido gosmento, quente e salgado, na sua boca. Ele a  chupou completamente, segurando-a firme ao perceber a instabilidade dela no momento. 
A Uchiha estava ofegante e sentia-se fraca, olhou o menino a sua frente limpar a boca com a costa da mão esquerda e com a direita deu-lhe um tapa fraco na nádega esquerda, depois ele se levantou e a beijou. Ela sentiu o sabor da saliva dele mudar e ele passar as mãos por todo corpo dela. Sarada recobrava suas forças, então separou-se dele e empurrou seu ombro para baixo, fazendo-o sentar-se novamente. Ela ajoelhou e ele olhou-a sem entender o que viria. 
- Minha vez - falou rouca de desejo. 
Ela puxou a calça dele para baixo, olhou os olhos azuis atentos e então abocanhou o pênis dele.
Não conseguia colocar totalmente o membro dele em sua boca, além dos pelos pubianos fazerem-lhe cócegas na ponta do nariz.
A morena fazia movimentos lentos, passando a língua em volta do membro dele, apertando suas bolas com a mão esquerda e assim levando-o a loucura.
Ele colocou a mão direita no cabelo dela, regulando a velocidade dos movimentos, Sarada deixava-o guiá-la, sem tirar os olhos dele, e após alguns minutos, sentiu o pênis inchar um pouco dentro da sua boca e logo em seguida gozar. Ela engoliu, quase engasgando por não estar preparada, porém manteve-se firme. Retraiu a cabeça e viu o membro cair avermelhado e úmido.
Olhou o companheiro, o qual a puxou, jogando-a na cama e começou a beijá-la, o sabor das salivas dos dois estava adstringente, devido aos atos anteriores, porém não ligaram, aproveitaram cada toque recíproco que tinham.
Os corpos estavam quentes e suados, fazendo os cabelos deles grudarem em si.
Boruto se separou dela,  olhando-a nos olhos. Sarada mordeu seu lábio inferior, da forma mais sensual possível.
Parou de arranhá-lo nas costas e fez selos com a mão.
- O que foi isso?
- Um jutsu de controle à fertilidade.
- Ah - ele sorriu.
O loiro desceu sua mão, da costela dela até sua coxa, puxando-a para encaixar melhor seu corpo, a viu fechar os olhos esperando ser penetrada, então ele protestou:
- Olhe para mim - a voz era rouca e inquisitiva.
Sarada abriu os olhos, tinha as pupilas dilatadas e fixas nele.
Ele sorriu e a penetrou. Sem aviso. Pode vê-la mudar a expressão para uma satisfação plena, enquanto impulsionava seu quadril, ajudando-o a penetrá-la.
Ele movia-se lentamente, uma tortura deliciosa para Sarada, que mantinha o olhar fixo em seu rosto, o qual sorria maliciosamente por saber que era responsável por causar aquelas sensações na garota. 
- Mais rápido - a Uchiha pediu. 
Ele a atendeu, aumentando a velocidade, beijava-a sem fechar os olhos, observando o corpo frágil embaixo do seu, o suor deles se unia, enquanto os movimentos ritmados arrancavam gemidos de ambos.
Passou meia hora e Boruto gozou, depois saiu de dentro dela, caindo ao seu lado e beijando-a.
- Gostou? - perguntou ao acariciar suas costas.
A morena estava com alguns fios grudados no pescoço e apoiava o rosto na mão direita. 
Assim, assentiu com a cabeça, causando um sorriso vitorioso nele. 
Eles mantiveram os olhares apaixonados, um no outro, nos próximos minutos, até ela pedir para tomar banho, já que o suor a incomodava.
- Vou preparar algo para comermos - ele sorriu e desceu a escada vestindo a calça, enquanto ela entrava no banheiro.
A Uchiha saiu da ducha após cinco minutos, vestiu suas roupas e desceu a escada, indo para a cozinha no andar de baixo. Riu ao ver sobre a mesa duas tigelas de ramen, Boruto já devorava a sua avidamente. Ela sentou-se de frente para ele e começou a comer sua tigela. 
Eles conversaram trivialidades, após Boruto explicar que Ayla não passava de uma amiga para ele, deixando a Uchiha satisfeita, por fim.
 


Notas Finais


Primeiro, obrigada por lerem!
Segundo, me digam, o que acham do hentai? Eu sinceramente adoro ler nas fics por ai, mas se nao gostarem posso não escrevê-los, afinal nao mudam muito o enredo.
Terceiro, o final do ano chegou e com ele os vestibulares, por isso peço a paciência de vocês! Possivelmente vou demorar a postar, mas 70% do próximo cap está escrito! Assim que essa loucura de exames passar eu volto aqui e publico!
Beijao


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...