História O cara do andar de baixo - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Tags Fluffy, Markson
Exibições 171
Palavras 2.037
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey! Como estão? Espero que bem :3 Eu não pretendia ter demorado tanto, mas passei o final de semana com a família e não consegui nem pensar em postar, sinto pela demora.

Desculpem qualquer erro. E esse é o final... Espero que goste!

Boa leitura!

Capítulo 4 - Pizza e algo mais


Mark chegou em casa cansado, desejando apenas deitar em sua cama e esquecer que aquele dia havia existido em sua vida. Poderia simplesmente dormir à noite inteira e provavelmente a manhã também, acordar apenas perto de meio dia em um sábado sem trabalho e sem preocupações.

Chegou em casa jogando seus pertences nos lugares que deveriam apenas ser colocados, vendo a chave parar exatamente na beirada do móvel e arrancando um suspiro de alivio de Mark que não teria que pegá-la onde ela caísse.

Estava já se dirigindo ao banheiro, pensando apenas em tomar um longo banho, quando o interfone tocou. Fechou os olhos suspirando e rezando que aquela ligação não fosse para ele, que fosse qualquer tipo de engano ou alguém que esqueceu a chave.

- Eu. – Disse tentando manter o tom mais normal possível, coisa que passaria por qualquer um, menos aqueles que o conheciam bem.

- Hey Markie Hyung. Tudo bem com você? – O tom preocupado do outro fez Mark sorrir, Jackson sempre parecia fofo demais quando preocupado, até mesmo sendo apenas sua voz.

- Trabalho, nada com que precise se incomodar.

- Okay, mas já que o dia foi ruim o que acha de ter uma noite ótima?

- Nem adianta, não saio de casa hoje.

- Deixe de ser chato, Hyung, eu já liguei para a pizzaria e eles estão vindo. – Fez uma pausa esperando que Mark falasse algo, contudo, esse estava apenas sorrindo e olhando para o interfone fixo a parede. – Pedi seu sabor de pizza favorito.

- Não sei quem eu odeio mais, você por sempre me convencer ou eu por sempre me deixar convencer. – Revirou os olhos mesmo sabendo que o outro não o via. – Vou tomar uma ducha e já desço.

- Você é o melhor!

Mark sorriu desligando e correndo para uma rápida ducha, queria apenas se livrar em parte de todo aquele cansaço e sentir-se como alguém que estava um tanto mais vivo.

Colocou uma roupa simples e completamente mais inteira se comparado aos pijamas que normalmente usava, ajeitou os cabelos ainda molhados, conferiu seu estado e deu de ombros. Não tinha o que fazer com aquela cara de cansado naquele momento.

Desceu pelas escadas, seria apenas um lance delas e ele não tinha paciência para esperar o elevador chegar em seu andar. Era um encontro simples com Jackson, algo que já tinham feito várias e várias vezes, e ainda assim Mark estava nervoso e ansioso.

Tocou a campainha do vizinho e foi atendido por um Jackson sorridente que logo o puxou para um abraço longo e apertado. Depois de alguns instantes Mark relaxou e deixou-se aproveitar daquele abraço, repousando sua cabeça no ombro do outro sentindo ser ainda mais abraçado.

Algo totalmente inesperado aconteceu em seguida, Jackson beijou seu pescoço e logo se afastou fechando e trancando a porta, e indo em direção a cozinha.

- A pizza já chegou. – Anunciou enquanto andava.

Mark havia se arrepiado completamente com apenas aquela simples ação, rezando para que o outro não tivesse visto aquilo. Totalmente corado e morrendo de vergonha foi até onde o rapaz estava.

- Vamos comer na cama?

- Pode cair algo e sujar, melhor aqui na cozinha Jack.

- Se cair algo e sujar eu coloco a roupa de cama para lavar. – Deu de ombros. – É mais confortável e podemos ver um filme enquanto isso, vai te ajudar a relaxar do dia de trabalho.

- Não precisa disso. – Disse abaixando a cabeça, voltando a ficar envergonhado.

- Não fique assim, Hyung, apenas aproveite a noite. Leve as bebidas, por favor.

Jackson passou segurando os pratos, a caixa de pizza e uma bandeja, parou ao lado de Mark e beijou sua bochecha. Lá o mais velho ficou estático, certamente aquele garoto queria o enlouquecer e descobriu que brincar com seus sentimentos poderia ser uma boa ideia.

Não seria possível alguém provocar tanto e não fazer nada além daquilo, Mark sabia que sempre se deixava levar, sempre deixava seu jeito apaixonado visível ao vizinho. Fechou os olhos com força e pediu em um suspiro baixo que aquilo não fosse apenas uma brincadeira.

Pegou as bebidas e foi até o quarto. A caixa de pizza estava sobre a bandeja, suspensa da cama para não a sujar, e as fatias de pizza já sobre o prato.

- Pela demora eu pensei que você tinha mudado de ideia e ido embora. Já estava me preparando para ir até o seu apartamento e te arrastar até aqui. – Jackson sorriu ajudando o outro a servir as bebidas.

- E o meu livre arbítrio? Não posso simplesmente não querer jantar com você agora?

- Machucaria meus sentimentos. – Colocou a mão sobre o peito e fez um pequeno bico nos lábios. Mark riu e revirou os olhos.

- Você é um idiota.

- Mas você gosta. – Sorriu convencido e Mark fez uma careta. – Não gosta?

Jackson pareceu sério demais, triste demais, temeroso demais e Mark não sabia reagir a aquilo.

Era claro que gostava dele, em sua mente só passava o quão idiota era pois a cada dia que se passava ele estava ainda mais perdidamente apaixonado por Jackson. Todavia, isso não é algo que se diga para um amigo enquanto comem pizza em uma sexta-feira à noite.

- Você sabe que eu gosto. – Soltou baixo, olhando no rosto belo que estampava sua preocupação. – Provavelmente o prédio inteiro sabe.

A segunda frase era mais para si próprio do que para Jackson, era uma verdade sobre aquele jeito bobo que tinha olhando para o vizinho e aceitando todas as propostas de se verem apenas para poder estar ao seu lado. Era um bobo apaixonado.

Assim que percebeu o que falou abaixou o rosto envergonhado, talvez fosse uma boa ideia correr para seu apartamento logo acima.

- Não sei não. – Jackson se aproximou empurrando os pratos para o canto da cama e parando em frente a Mark. – Preciso que me diga.

O tom baixo, o pedido, o desejo. Era tudo entorpecedor para Mark, queria apenas que Jackson diminuísse aquela distância até que ela não existisse mais, ainda assim, queria que o vizinho se afastasse para que pudesse pensar e não saísse arrependido dali.

Jackson sempre fora carinhoso consigo e atencioso consigo, agora estava sozinho e certamente carente. Mark tinha medo de que ambos estivessem confundido tudo, não queria sofrer por um amor que no fim não era nada além de carência.

- Somos amigos, lógico que eu gosto de você. – Por mais que não tivesse gaguejado, sua voz saiu sofrida enquanto ele afastava sua cabeça lentamente.

- Apenas amigos?

- Sim?

- Você está me perguntando? – Sorriu se aproximando ainda mais, tocou o rosto de Mark e ele apenas inclinou a cabeça a procura do carinho. – Eu espero que não sejamos mais apenas amigos.

Jackson acabou com aquela distancia apenas com um simples selar dos lábios, longo e delicado. Segurou o rosto de Mark com as duas mãos se aproximando a máximo que conseguia por causa das pernas cruzadas do outro.

Entretanto, antes que mudassem de posição, Mark afastou Jackson de si e colocou a mão sobre os lábios com os olhos levemente arregalados. Levantou-se e correu até o seu apartamento no andar de cima.

Escorado na porta ele pensou, sabia o que sentia pelo cara do andar de baixo, só temia que ele não sentisse o mesmo. Havia se habituado a ele demais para querer perde-lo por algo como aquilo.

Pensou no beijo e pensou como queria mais. Amargurou um tanto pensando em como acabariam a noite se não tivesse saído correndo, e constatando que foi melhor, que deveriam conversar antes.

Se arrastou até a sua cama, sabia que não conseguiria dormir e somente desistiu daquilo depois de rolar e se revirar na cama durante uma hora.

Bufou olhando para o interfone, ainda esperava que Jackson aparecesse ali, ou o chamasse, ou não tivesse o deixado ir. Não conseguiria dormir pensando no vizinho daquele jeito, respirou fundo e decidiu que iria lá novamente.

Já estava de pijama, bem aquele que já teria sido jogado fora por qualquer pessoa normal de tão rasgado e velho que estava. Pensou por um instante em vestir algo mais descente, mas apenas revirou os olhos optando por sair naquele momento antes que perdesse a coragem.

Mais uma vez estava na porta do vizinho, respirou fundo antes de tocar a campainha e escutar aquele barulho alto dentro do apartamento do outro. Esperou por um bom tempo antes que a porta fosse aberta e quando foi se coração quase parou. Jackson estava na porta com a expressão completamente triste e arrasada, os olhos vermelho indicando que ele havia chorado.

- Você estava chorando. – Afirmou mais para si, sofrendo com a ideia de que havia deixado o rapaz daquele jeito.

- Você simplesmente saiu correndo. – Justificou se escondendo com a porta, deixando apenas seu rosto visível enquanto olhava para o chão.

- Podemos conversar?

- Acho que a sua saída correndo já responde tudo. Não se sinta mal por não corresponder meus sentimentos, acho que podemos continuar a ser só amigos se quiser, prometo não fazer mais aquilo.

- Definitivamente precisamos conversar, só não queria fazer isso no corredor a essa hora.

- Realmente não queria ter uma conversa para ser rejeitado, acho que já está tudo resolvido. Não que eu vá parar de gostar de você do dia para noite, mas éramos amigos antes então acho que dá para manter nisso.

Mark bufou irritado e se enfiou no apartamento, puxou Jackson da porta a fechando e depois o prensando nela. O mais novo arregalou os olhos surpreso pela reação e ainda mais pela proximidade.

- Você é um completo idiota para pensar que eu não gosto de você. – Começou enquanto passava a mão na cintura do outro se aproximando, viu Jackson com os olhos arregalados e aquela expressão de quem não sabia o que estava acontecendo e sorriu. – Eu sou completamente apaixonado por você a tanto tempo. – Sussurrou no ouvido do outro e desceu para beijar seu pescoço, sorrindo contente ao vê-lo se arrepiar.

- Você é? – Perguntou surpreso se afastando um tanto para olhar nos olhos dele.

- Sim, desde que te vi pela primeira vez nesse prédio, desde que soube que você era o cara do andar de baixo. Não tenho nem palavras para descrever o quão feliz eu fiquei quando você disse que estava solteiro enquanto se abraçava a mim.

- Então por que raios saiu correndo daquele jeito?! – Mark riu do jeito irritado dele e ele bufou.

- Porque eu fiquei com medo que você estivesse apenas carente e não correspondesse meus sentimentos.

- Quando a minha ex terminou comigo ela disse que me deixaria ser feliz com quem eu realmente amo, ela já sabia que eu gostava de você e eu deixei isso tão claro para você! Como você pode achar que era carência?!

- Eu sempre fui apaixonado por você, e você sempre teve esse jeito carinhoso, não me culpe por ter sentido medo de confundir as coisas. Além disso, se você tivesse falado o meu nome antes de sair eu derretia de volta para você. A única coisa que quero é ter certeza de que se ficarmos juntos é por gostarmos realmente um do outro.

- Você gosta de mim, Markie? – Perguntou manhoso enquanto sorria.

- Sou completo e perdidamente apaixonado por você, Jack.

- Também sou apaixonado por você. – Sorriu.

Mark sorriu e puxou o outro para o segundo beijo da noite, não sendo nem de longe o último. Enquanto ele acariciava a cintura do rapaz, Jackson brincava com os fios de cabelo em sua nuca, e ambos aproveitavam daquele beijo calmo de quem estava se conhecendo sem pressa alguma do momento seguinte, pois sabiam que o outro estava ali.

- Eu não comi depois que saiu, você comeu? – Mark riu da pergunta do rapaz em seus braços antes de responde-la.

- Não. – Sorriu e beijou o rapaz em sua frente, um selar de lábios curto. – Quer esquentar a pizza?

Jackson acenou positivamente com a cabeça. Foi entres beijos e abraços que jantaram juntos e ali sorriam pensando em todo o tempo que teriam lado a lado.

Mark não poderia ter ficado mais feliz em conhecer o cara do andar de baixo.


Notas Finais


Eu planejei que acabaria assim, nesse jeito fofinho com eles juntos e jantando pizza. Apoio a pizza *risos*

Foi uma delicia escrever eles assim, eu realmente gostei e espero muito que tenham gostado também.

Muito obrigada a todos que leram, ainda mais aqueles que comentaram e favoritaram. Vocês são uns amores :3

Agora é só até os comentários,
Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...