História O casamento do meu melhor amigo - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Hentai, Lemon, Romance, Yaoi
Exibições 113
Palavras 731
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Amoras eu tenho uma sugestão de uma para vocês ouvirem antes ou depois ou durante a leitura: Side to Side da Ariana Grande e participação da Nicki, ñ me julguem só ouçam que não gosta ñ ouve, mas por favor não crie intrigas. To postando ai para vocês o 8, daqui a pouco o nove, *3*.

Capítulo 8 - Insistindo no erro



 Quando ele abriu o closet foi como ver uma peleta de cores, tinha todas as cores e estavam todas policromicamemte organizadas com perfeição, tinha calça e blusas misturas, porém formando algo lindo. Antony pegou uma blusa vermelha, minha cor favorita, e me entregou tirei as que eu estava usando na frente dele, não parecia ter ficado mau, mas eu ainda estava em dúvida. 
- Como fiquei?- Ele parecia ter perdido o ar ou se engasgado não entendi muito bem o que aconteceu com ele, balancei a mão na frente de seu rosto, fazendo o mesmo despertar.- Como fiquei?- Perguntei novamente.
- Bonito, mais da para ficar melhor, tudo bem se eu retalhar um pouco sua calça?
- Por mim tudo bem. - Falei animado nunca tinha usado algo rasgado com os meus pais eu sempre tinha que usar tudo formal e apresentável, nada que fosse abusivo ou diferente. Ele me colocou de frente a um espelho que tinha na parede olhei para a pessoa que estava nele eu ainda não estava satisfeito, queria soltar aquele rabo de cavalo de uma vez por todas, apontei para ele e o ruivo entendeu, ele soltou meu cabelo, ele bate um pouco abaixo da minha orelha e é todo castanho escuro, muito escuro pro meu gosto, mas é isso que dar puxar o cabelo da avó, ele deu uma leve enrolada nas pontas e as soltou ficou muito interessante.
 Eu quase nunca cortava o cabelo, porque o vovô também usava o cabelo grande, foi uma inspiração, mas meus pais sempre insistiam para eu usar preso então eu só usava preso assim ninguém lembrava muito do vovô que preferia solto, eu fiquei um pouco parecido com ele, isso é bom, porque ele foi uma grande pessoa, sinto falta dele.
- Não vai chorar de novo, ou vai?
- Não Antony, só lembrei do meu avô.
- Primeiro: pare de me chamar de Antony,- Me virei para encará-lo.- Me chame de Tony, segundo: se anime, é sua primeira festa e terceiro: se for possível vamos esquecer aquele beijo.
 Assenti a cabeça, já estava me aliviando, não porque ele beijava ruim, não mesmo ele tinha um beijo muito bom, mas eu não consegui sentir nada quando ele me beijou e eu acho que ele também não.
- Já terminou?- Perguntei ao ruivo que fazia os toques finais.
- Quase- Um ajuste daqui uma cortada dali, por fim ele falou:- Terminei, vamos?
- Vamos.
 Ele foi na frente provavelmente já sabe o  caminho da festa então apenas o segui. Olhei o meu celular já eram quase 8 horas, parece que milagres demoram para ser feitos, ainda mais esse que ele fez: estou com uma camisa vermelha, que é um pouco maior que eu, porque o ruivo é mais alto que, mas a blusa ficou perfeita. Minha coturno está fazendo o meu look ficar suavemente gótico, e minha calça agora toda rasgada estava mostrando partes pequenas da minha perna, bancando um pequeno ar de sensualidade. Eu não tinha reparado antes, mas os braços do Tony são bem fortes e grandes, ele tem um corpo de lutador de luta grega, o que o torna muito gostoso. Odeio ter esses pensamentos impuros, mas eles me divertem muito.
{♢}Algum tempo depois {♢}
 Chegamos em uma mansão, possivelmente de uma fraternidade, muitos pareciam já estar chapados, e alguns estavam muito bêbados, vários me comprimentaram inclusive várias meninas, se não fosse o Tony, eu nunca teria conseguido entrar, ele encontrou algumas pessoas, para alguém que não tinha amigos ele conhecia um pessoal bem estranho, ele começou a beber e o pessoal também, quando eu fui ver já estava rodeado por um grupo de várias pessoas, tanto meninos quanto meninas, todos estavam bebendo e dançando, como eu não queria ser diferente nem queria sofrer pelos pensamentos que minha mente produzia comecei a encher a cara.
- Enche ai o cú de cachaça. - Falou um menino estranho.
 Fiz exatamente o que ele disse, é claro que tomei cuidado para que ninguém colocasse nada na minha bebida, na verdade depois que passei do 10°copo não conseguia nem mais saber que lugar era aquele que eu me encontrava. Só fui bebendo e a cada vez que aumentavam o som mais eu ficava doido, eu já era o Centro das atenções, estava dançando descontrolado feito um louco, mas um louco muito feliz, por vários momentos me senti eu mesmo.
 


Notas Finais


Kakakakakakaka eu to morrendo de rir de vocês, eu não to fazendo vocês de troxa só quero que vcs entendam que minha vida é assim. No décimo capítulo é bem provável que eu coloque a foto do Diego, sim ele irá aparecer, só que gente entendam ou imagino ele em forma de desenho então eu vou postar em forma de desenho. *3* até daqui a pouco.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...