História O casamento do meu melhor amigo - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Hentai, Lemon, Romance, Yaoi
Exibições 102
Palavras 738
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Quando vcs começarem a ler a parte fofa desse capítulo ou já podem até ir fazendo isso antes, coloquem Paper Hearts, mas na cover que Jungkook fez, e sério muito fofa. Amoras vcs devem estar me achando bem meiguinho, mas saibam que eu sou bem mais pervertido do que aparento então segue em esses centrinhos de vcs que o capítulo novo vai começar.

Capítulo 9 - Fala comigo



Contei piadas que nem eu sabia que existiam, falei coisas estranhas a pessoas que eu não conhecia. Eu não tinha percebido que tinham colocado algo muito forte na minha bebida, eu apenas virei tudo como se fosse o último copo de água do mundo e depois de um tempo comecei a ficar tonto e sem ar, a única coisa que eu queria fazer era sair dali imediatamente, tentei achar o Tony, para ele me levar embora dali, mas eu estava vendo tudo embaçado, tentei correr mais cai no chão, estava tudo girando, tentei correr de novo e acabei esbarrando muito forte em alguém caí no chão, tentei ver quem era mais eu não consegui. Deitei no chão e comecei a ouvir alguém falando no fundo comigo.
- George, sou eu.
- Você quem?- Perguntei.
- O Diego, vou te tirar daqui.- Me senti aliviado, eu tinha certeza que era ele.
 Ele me pegou no colo, encostei a cabeça no ombro dele e apaguei. Não ouvi mais nada, tudo estava escuro e eu não conseguia abrir os olhos. Eu só queria que a Lexie, minha antiga babá estivesse aqui cantando no meu ouvido. Durante 12 anos da minha vida fui cuidado, alimentado e vestido por uma babá, eu considerava minha melhor amiga do mundo, porém meus pais acabaram despedindo ela, não sei porque, mas 7 meses depois disso ela foi encontrada morta em uma caçamba de lixo, estava toda rataliada, vi imagens pela Internet, porque meus pais não me deixaram vê-la, eu deveria me sentir triste por me lembrar disso mais não consigo, tanto que quando penso nela não choro, quando recebi a notícia não chorei e eu era muito apegado a ela, era como se fosse minha mãe e eu não chorei, me sinto estranho por isso.
 Só acordei por eu estava dentro de uma jacuzzi comum, mas que estava cheia de gelo e água eu ainda estava com roupa então pelo menos não me sentia invadido, mas sentia que a qualquer momento eu iria perder o estômago, foi quando eu me levantei ainda tonto deixando muita água cair da banheira eu fui em direção ao sanitário que já estava aberto acho que estrategicamente, sentiu o meu estômago se esvaziando e querendo sair pela minha boca assim como tudo que eu avia ingerido. Tinha coisas que eu não precisava lembrar que tinha comido, mas estava ali na minha frente, tudo foi para fora de novo e de novo, depois de umas 3 vezes, finalmente parou. Encostei minha cabeça para trás num armário de madeira maciça, olhei para a luz forte do banheiro, minha visão ficava turva depois normal e eu sentia um gosto horrível na boca, que se misturava com comida estragada, ferro, álcool e sabão. Me deitei no chão, por estava começando a ficar mole, foi então que ouvi alguém abrir uma porta perto da jacuzzi e entrando, era ele, Diego. Ele me virou de barriga para cima, me deu água com um canudo num copo, tinha algo a mais na água, talvez fosse para eu melhorar, só sei que aquilo me deu forças, em menos de 5 minutos em já conseguia me sentar sem cair. Fiquei esperando ele voltar, ele estava sério parecendo estar com raiva, mas também tinha um forte tom de preocupação no seu rosto. O que me deixou tenso. Esperei ele terminar, parecia estar fazendo um curativo, olhei para minha perna e vi vários corte, entrei em desespero, eram cortes que pareciam profundo mais não saía sangue o que era muito estranho, demorei a descobri que era por causa de uma espécie de pomada que estava retendo o sangue e controlando a hemorragia. Tentei me levantar, mas o Diego me segurou, ele era muito forte nem se eu estivesse sóbrio não levantaria dali. Mesmo assim continue tentando me levantar eu só queria sair dali e ir pra casa.
- Pare, ou vai se machucar.- Alertou, me fazendo ficar imóvel.
- O que aconteceu?- Perguntei sentindo fortes dores na cabeça.
- Você bebeu de mais e misturou várias coisas, eu te tirei de lá  e te trouxe para cá sorte sua me ter na sua vida, se não você provavelmente estaria em um hospital em coma alcóolico. Então agradeça.
 Comecei a rir, não porque tinha algo engraçado, mas pelo fato de minha calça que foi retalhada pelo Tony  agora estava toda rasgada e eu estava num banheiro de algum lugar que eu não conhecia.
 


Notas Finais


Gente, quem diz para outra pessoa " sorte sua eu te ter na minha vida"? Pois é meu querido várias pessoas que eu conheço, né GG, Clarinha, Ana e muitos outros por ai, sem falar de vcs meus leitores, e da leitora kookieonechan, mas enfim acabei por hoje, talvez se vcs pedirem com jeitinho, talvez, eu poste mais um, brincadeira vou fazer isso com vcs não, vou deivxar de castigo até amanhã kakakakak, xau amoras *3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...