História O cativeiro - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Piece
Personagens Bepo, Donquixote Doflamingo, Donquixote Rosinante "Corazón", Eustass "Captain" Kid, Eustass Kid, Jewelry Bonney, Monkey D. Luffy, Portgas D. Ace, Roronoa Zoro, Sabo, Sanji, Shanks, Smoker, Tashigi, Tony Tony Chopper, Trafalgar D. Water Law, Trafalgar Law
Tags Corazon, Doflamingo, Kid, Law, Luffy, Yaoi
Visualizações 133
Palavras 1.765
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Policial, Romance e Novela, Survival, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpem a demora, espero que gostem xD

Capítulo 39 - Sopro do destino


Fanfic / Fanfiction O cativeiro - Capítulo 39 - Sopro do destino

18 de Abril de 2018 – Quarta- Feira

Horário 17:15

 

- Cara, eu nem acredito que acabou por hoje – Kid estava esfregando o antebraço na testa, para tirar as gotículas de suor que tinha se acumulado ali.

- Está muito quente! – Kaito fazia o mesmo.

- Nem me fale. Não vejo a hora que chegar em casa e tomar um banho.

- Sua mãe ainda não desconfia de nada? – Kaito agora estava olhando para Kid, com as mãos apoiadas na cintura.

- Não. Eu disse pra ela que estou indo a casa de um amigo para ter umas aulas de reforço com português.

- Que feio, mentir pra mamãe Kid.- Kid pode notar um tom zombeteiro na voz de Kaito.

- Cala a boca. – Kid pegou sua mochila do chão e a colocou nas costas. – Eu não vou trabalhar aqui a vida toda. Só mais alguns meses e eu estarei dando o fora. Esse emprego cansa demais.

- Há! – Kaito estava com um sorrisinho no rosto agora. – Eu disse a mesma coisa quando comecei aqui, e veja só, continuo trabalhando aqui.

- Eu não entendo você Kaito. Você não tem grana suficiente pra ir fazer uma faculdade? Por que continua aqui?

- Eu não me vejo vivendo longe da minha irmã. Depois que perdemos nossos pais, ela foi a única coisa que me restou.

 

Kid ficou em silêncio depois daquilo.

 

- Bem... Ela e a Bonney. – Disse Kaito meio sem jeito.

- Você não acha estranho se relacionar com alguém que ainda está na escola?

- Não. Se isso não incomoda a Bonney, a mim que não vai.

 

Kid soltou um suspiro. Desde que tinha começado a trabalhar como carteiro, ele tinha feito amizade com Kaito, que era três anos mais velho que Kid. Na verdade, Kaito tinha ajudado muito Kid a se localizar nas ruas, já que o ruivo desconhecia a maioria delas.

(Uma nota da autora. Eu vi que não tinha colocado a idade de Kid, pois bem, aqui está: Kid – 16 anos – faz aniversário dia 9 de fevereiro. Nasceu em 2002.)

 

- Bem, eu acho que vou indo, preciso dar uma geral em casa antes da minha mãe chegar. Até amanhã Kaito.

- Até ama- Não!

 

Kid se virou assustado para o amigo.

 

- O que foi?

- Droga! Eu não acredito que fiz isso! Droga!!

- O que foi Kaito?

- Kid, por favor, você tem que me ajudar cara!

- Vai me contar o que aconteceu ou não?

- Eu... Cara, vem cá. – Kaito levou Kid para um canto mais isolado da sala, pois eles estavam em frente ao relógio de ponto do seu serviço.  Antes de Kaito abrir a boca, ele olhou para os lados com cautela, observando se passava alguém ali.

- E então? – Kid disse meio desconfiado.

- Shiiii. Fala baixo...- Kaito voltou sua atenção a Kid. – Eu esqueci de entregar essa droga de pacote na rua Baltmor. E eu já bati o ponto!

- Entrega amanhã então. Ninguém vai descobrir, leva o pacote pra casa. – Kid estava encarando o pequeno pacote nas mãos de Kaito.

- Não dá! Hoje era pra ser a última tentativa de entrega. Se ele não fosse entregue eu teria que avisar o meu supervisor, pro pacote voltar. Ele tinha que ser entregue hoje, ainda mais depois de eu ter batido o ponto e não ter feito relatório nenhum que ele não foi entregue.

- Você pode explicar pro seu super-

-Não Kid! – Kaito parecia estar muito aflito com aquilo tudo. – Cara, eu estou por um fio aqui. Se eles descobrirem essa mancada minha eu to na rua. Por favor Kid, quebra meu galho e leva o pacote pra mim!

- E por que você mesmo não leva agora?

- Eu tenho um compromisso muito importante agora. É por isso que estou pedindo a você. Kid por favor.

- Um compromisso? – Kid levantou uma de suas sobrancelhas – Que compromisso Kaito?

- Preciso me encontrar com a Bonney.

- Ah fala sério! – Kid quase gritou naquele momento, se conteve apenas por lembrar que aquele assunto não deveria escapar. – Eu tenho que voltar pra casa logo, e não ficar de palhaçada no trabalho por causa do seu erro besta!

- Kid, por favor..... – Kaito passou uma das mãos na cabeça – Olha, se fizer isso por mim, eu te dou a folha de respostas da próxima prova de literatura. – Kaito era irmão mais novo da professora de português da escola SkyRed. – Além do mais, é apenas um pequeno desvio do caminho até a sua casa. Vai Kid, faz isso por mim.

 

Kid querendo ou não, estava em dívida com Kaito. Ele tinha sido o único disposto a ajuda-lo no começo, e sempre quando ele precisava.

 

- Ahhh, ta bom! – Kid Bufou – Mas que isso não se repita! E eu vou querer a folha de respostas!

 

Um sorriso fez o rosto de Kaito se iluminar.

 

- Kid, muito obrigado cara – Ele passou o pequeno pacote discretamente para Kid. – Te devo uma!

 

E Kaito virou as costas e saiu daquele recinto.

 

“É hoje” – Pensou Kid, guardando o pacote na mochila.

 

---------------

 

- Luffy, isso não é uma boa ideia! – Buggy estava tremendo enquanto segura o pequeno saco de lixo com restos de comida dentro.

- Shiii – Luffy colocou o dedo nos lábios de Buggy. – É claro que é uma boa ideia. Você não está cansado de ser surrado toda hora?

- Eu já disse que não ligo mais pra isso. Você que é o encrenqueiro aqui.

- É só ter cuidado que não vão nos descobrir. – Luffy deixou escapar um risinho abafado – Isso vai ser muito engraçado.

- Se nós descobrirem, estaremos mortos.

- Não vão. – Luffy estava escondido embaixo de uma mesa, observando o corredor que todos precisavam passar para ir até o refeitório.

 

Assim que ele avistou o grupo de garotos que estavam fazendo da sua vida e a de Buggy um inferno naquele reformatório passarem, o sorriso voltou em seus lábios.

 

- Vamos – Ele disse para Buggy. – Temos pouco tempo.

 

Luffy e Buggy saíram correndo em direção ao quarto onde ficava o chefe do grupo e outro integrante, já que os quartos eram divididos para duas pessoas apenas.

Luffy pegou a faca que estava escondendo em seu bolso e virou o colchão.

Fez um pequeno corte ali.

 

- Vai Buggy. Coloca a comida aí dentro. – Buggy levantou o saco de lixo com comida e despejou um pouco dentro do colchão, isso claro depois de retirar um pouco do enchimento dele.

- Pronto, isso tá bom. – Luffy pegou a pequena agulha e a linha que ainda estava em seu bolso. Ele tinha pego emprestado do garoto que trabalhava com a parte das roupas emprestada.

 

Ele costurou o pequeno corte, numa tentativa de não deixar vestígios e para que a comida não caísse do colchão.

Depois que fez isso, virou ele novamente para baixo. Escondendo a pequena linha que tinha sido costurada ali.

 

- Pronto. – Ele foi em direção ao outro colchão. – Agora esse, vamos.

 

E o mesmo procedimento tinha sido feito naquele colchão.

 

- Luffy, vamos dar o fora! – Buggy puxou o ombro de Luffy, estava morrendo de medo que alguém visse o que eles estavam fazendo.

- Esconda o saco nas roupas Buggy. Depois é só jogar ele dentro de algum dos lixos do banheiro. Vou voltar pro refeitório e devolver a faca.

- Se descobrirem isso você fez tudo sozinho! – Buggy disse antes de sumir, indo em direção ao banheiro.

 

Já Luffy, estava rindo sozinho quando voltou ao refeitório.

Ficou imaginando o tempo que demorariam para descobrir da onde estaria saindo o cheiro ruim de comida pobre. 

 

---------------

 

Kid estava olhando para o pequeno pacote, mais precisamente para o endereço que estava escrito nele.

 

“ Rua Baltmor, número 264.

Próximo ao mercado Bela Vida”

 

- 258... – Kid dizia para si mesmo, enquanto procurava a casa. - ... 262... 264, Essa.

 

Enquanto caminhava para se aproximar da casa, Kid estranho a imundice que estava o quintal.

 

- Meu Deus. As pessoas que vivem aqui nunca ouviram falar de cortador de grama não?

 

Desfazendo a careta de seu rosto, Kid se dirigiu até a porta e tocou a campainha nela.

 

...

 

Esperou cerca de 5 minutos e ninguém veio atender.

Tocou novamente a campainha.

 

...

 

E mais 5 minutos e nada.

 

- Mas que saco.

 

Já determinado a entregar aquele pacote de qualquer maneira, Kid pensou em bater na porta dos fundos. Ele pulou a pequena cerca que tinha ali, dividindo a casa no meio e foi caminhando devagar em direção a porta dos fundos.

Será que aquilo se encaixava em invasão de privacidade?

Que se dane, ele já tinha ido até ali. Iria terminar a tarefa.

Mas algo o fez parar próximo a janela que ficava quase no meio da casa.

 

Cortinas escuras tapavam a visão do que estaria por trás da janela. Mas não foi isso que fez com que Kid parasse ali.

Foi o cheiro.

Um cheiro forte.

Um cheiro podre.

Kid colocou a mão no nariz, imaginando o que poderia deixar aquele tipo de cheiro.

Mas antes que ele pudesse colocar a mão na janela, numa tentativa xereta de abri-la, ele se assustou com um ei vindo da frente da casa, onde minutos antes ele estava.

 

- Que está fazendo ai? – Um homem loiro, muito alto, com um óculos escuro estava se aproximando devagar de Kid nesse momento.

- Desculpe. – O coração de Kid não parava de bater. Se o homem à sua frente prestasse queixa contra Kid, o garoto estaria perdido. – Eu trabalho como entregador, e já que ninguém me atendeu, eu pensei chamar na porta dos fundos. Desculpe se causei outra impressão. – Kid olhou para o pequeno pacote. – É o senhor Donquixote?

 

O homem parecia um pouco estranho para Kid. Era como se estivesse tenso.

 

- Sim. Sou sim – Ele respondeu se aproximando de Kid.

- Assine aqui, por favor. – Ele entregou uma prancheta com um papel, que certificaria que Donquixote teria recebido sua mercadoria. Depois ele só precisaria colocar o papel na mesa do supervisor, antes que ele desse por falta.

 

Depois do homem ter assinado, Kid entregou a ele o pequeno pacote.

 

- Desculpe por qualquer coisa. – E deu as costas para o homem, saindo pela pequena cerca que agora estava com a portinha aberta.

 

E foi caminhando para longe dali.

Enquanto Kid ia se afastando cada vez mais daquela casa ele foi relaxando mais o corpo.

Por que estava tão tenso daquele jeito?

Kid estava um tanto curioso sobre aquela casa. O que diabos era aquele cheiro forte?

Aquele homem que ele tinha visto era mesmo estranho.


Notas Finais


E aí, o que acharam??

Hoje que tal falarmos sobre uma comida que não pode faltar em uma ocasião especial?

Pra mim o que não pode faltar é Pizza! Ou então sanduíches com patê.

E pra vocês, o que seria??

Bjsssss e até a próxima \(^-^)/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...