História O corvo e o dragão - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Hashirama Senju, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Jiraiya, Kushina Uzumaki, Madara Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Personagens Originais
Tags Ino Yamanka, Itachi Uchiha, Kushina Uzumaki, Madara Uchiha, Minato Uzumaki, Naruto Uzumaki, Sasuke Uchiha
Visualizações 17
Palavras 3.244
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ola pessoal.
Segue um novo cap. Espero que gostem. leitores fantasmas, apareçam !!
Bjos boa leitura!

Capítulo 4 - Amigos ou inimigos?


Fanfic / Fanfiction O corvo e o dragão - Capítulo 4 - Amigos ou inimigos?

- Por aqui vossa alteza. Irei leva-la a seus aposentos. - Quase sussurrou uma mulher alta, magra de cabelos negros em reverência. Eu apenas acinto em silêncio e me pus a segui- la. Logo atrás de mim ,vinha Ino com uma criada trazendo algumas de suas bagagens ralhando alguma coisa. Senti pena de sua nova aia, mesmo que por alguns dias.

- Tome cuidado com minha mala, é couro legítimo de crocodilo. Sabe como isso é raro? - Orientava a loira a menina franzina que apenas abaixava a cabeça.

- Sim senhora magestade...- respondia somente por todo o caminho do longo corredor.

     O castelo de Konoha é mesmo enorme. Luxuoso. Suas imensas paredes de pedra lapidada entram em contraste ao piso de granito e ladrilhos de cerâmica chinesa. Candelabros enormes de cristal por toda parte. A tapeçaria vermelha cobre boa parte dos corredores e escadarias. Possui três torres enormes. Ao longe se vê seu cume. Os jardins são amplos, e muito bem cuidados. Fugaku parece ser um rei que exige perfeição. Me sinto exausta da viagem, meus pés já reclamam os ombros doem a cada movimento. Fora minha cabeça. Tanta coisa mudou. É difícil de engolir que essa será minha nova casa. É de longe a missão mais complexa que já me foi dada. Suspiro derrotada.  Itachi mantinha aquele ar de superioridade, porém devo admitir, foi muito educado e hospitaleiro. Me surpreendi umas duas vezes com certas atitudes suas. Como se curvar a mim quando me apresentei. Ou quando sorriu enquanto falava dos meus homens. Não me recordo de já te- lo visto sorrir na época de academia. Era sempre recluso e fechado. Mas , faz muito tempo. Talvez, ele tenha mudado. E por mais que eu deteste, tenho que admitir. Que homem ele se tornou! Alto, forte. Longos cabelos negros. O olhar ônix continua profundo e marcante. Certamente entendo a fissura de Ino sobre esse homem. Porém, seu irmão mais novo é igualmente belo. Mais robusto um pouco que Itachi eu diria, rosto mais largo, cabelos curtos, e mais expressivo um pouco. Um pouco. Notei que ele não tirou os olhos de Ino. E Ino de Itachi. Há se eu pudesse mudar de lugar com ela. Quando a família real de Konoha se despediu de nós dentro do palácio central, Itachi se despediu de mim com um sorriso mínimo e uma leve reverência. Conversamos muito pouco pelo caminho, meras trivialidades. Mas ele parecia realmente interessado em dialogar comigo. Sasuke beijou a mão de Ino a perfurando com um olhar que eu diria no mínimo sedutor. Acho que a vi corar, mesmo que tenha feito cara de pouco caso.

- Aqui vossa graça. Este será seu aposento. - diz a mulher que me acompanha me fazendo despertar dos meus pensamentos.

- Hooo, até que enfim, parecia horas de caminhada. - disse fadigada. Realmente, os imensos corredores pareciam intermináveis.  A moça apenas sorriu timidamente abrindo a porta. Me virei para saber do paradeiro de minha irmã antes de entrar. Ela estava parada na frente de uma porta a umas três de distância da minha segurando o vestido de um lado o erguendo enquanto se movia dando ordens com a outra para um senhor de cabelos grisalhos abarrotado de baús e caixas ao seu redor, colocando juntamente á criada para dentro do quarto nervosamente. Eu sorrio observando que Ino trouxe mais bagagem que eu que irei viver aqui. E ela ,algumas semanas. Típico do furacão Ino.

    Deixando Ino e seus pobres subalternos de lado, adentrei aquele que agora seria o meu quarto, pelo menos até o casamento . Sinto meu interior revirar com o rápido pensamento de que em breve dividirei o quarto com aquele Uchiha, e não so o quarto ,como também a cama...e.. E.. Deixa pra la. É melhor não pensar demais, e sofrer por antecipação. Porque posso até me casar ,mas se o principezinho acha que vai ter uma mulher a sua disposição, esta muito enganado. Ao me livrar dos pensamentos tortuosos, passo a observar meus aposentos, e realmente fico surpresa. Claro que me limito a apenas soltar um suvio que não deu pra segurar e me escapou, e arregalar os olhos  em admiração. O local é enorme, uma cama grande, com dossel rodeada de tecido. Uma janela com varanda com uma aparente vista para um dos jardins. O piso de ladrilhos formavam o padrão de espiral em tons de marrom. Um armário de madeira enorme, onde a criada habilmente já guardava algumas das minhas coisas. Porém me parece que não estava vazio. Havia uma porta onde provavelmente era a sala de banho. Segui ate lá por curiosidade, e o encontrei não foi de decepcionar. O local espaçoso, possuia uma janela com a vidraça desenhada. Uma banheira de madeira entalhada grande, uma prateleira com uma infinidade de sais de banho. Ao fundo um biongo que escondia onde era provavelmente a latrina.

- Logo estaremos preparando seu banho magestade. Ou sera que deseja que traga seu jantar primeiro? - pergunta a jovem ao me ver petrificada diante do banheiro. Fugaku nos dispensou da obrigação de jantar com a familia real hoje em respeito ao nosso merecido descanso. Coisa que muito me agradou, porém amanhã será a grande festa para o noivado de seu primogênito, e isso implica a mim... Droga.

- Hó sim... Sim...é..banho primeiro por favor. - respondi com o tom de alguém que foi pego no flagra de algo. Acho que estou parecendo uma boba, mas realmente fiquei deslumbrada com Konoha.

- Sim senhora vossa majestade. O criado logo trará o restante de suas malas, e vou tratar de preparar seu banho.- diz nervosamente a moça. Fico um pouco com pena dela , deve estar assustada com os estranhos, então na tentativa de acalma- lá sorrio.

- Não precisa ter pressa. Eu estou bem. Como se chama menina? Pergunto e ela fica parada me encarando enquanto começo desafivelar o cinto de couro de minha cintura. - e então... - incentivo depois de alguns segundos de silêncio.

- Ahhh ...eu..eu me chamo Shizune minha senhora.

- Ótimo ...Shizune. Sou Havena. Muito prazer. - sorrio novamente arrancando uma das luvas de ferro e colocando junto as outras tralhas que arranco de mim em uma mesa de madeira muito bem entalhada por sinal.

- Eu que fico honrada magestade por servi-lá. Estou a suas ordens. Serei vossa aia , se assim vos agradar. - diz olhando para o chão. Parece bem nervosa.

- Claro que sim Shizune. Mas me agradaria muito se me chamasse apenas de Havena sim?- digo, nunca me senti realmente bem com toda essa lambança de magestade pra cá magestade pra lá . Ela fica atônita me encarando.

- Mas senhora, seria desrespeitoso para com vossa graça. Eu seria até castigada se me ouvissem a chamar com tal intimidade. - eu respiro fundo me sentando numa cadeira.

- Ok então.. Façamos assim, me chame apenas de Havena quando estivermos a sós. Não quero lhe comprometer, mas devemos nos ver como amigas de agora em diante nao acha?

- Amigas? Amiga ... Da senhora? Eu? - ela diz apontando pra si mesma. Eu rio mais dela, é cômica suas expressões.

- Sim. Amigas. Não quer ser minha amiga?

- Cla- claro senhora..digo..Havena. É uma honra. - finalmente ela sorri empolgada.

- Ótimo. Agora vá Shizune, por favor me prepare um bom banho. Estou exausta. - Me esparramo na cadeira, e ela sai em disparada sorridente.

    Não demorou muito e ela bateu a porta novamente com mais duas jovens carregando dois baldes de água cada, foram direto a sala de banho, e logo o cheiro doce dos sais pode ser sentido. Shizune me ajudou a desatar o espartilho queria ficar pra me ajudar a retirar as botas. Eu honestamente não gosto de ninguém no meu pé durante meu banho, então a dispensei. Acabei de retirar a couraça, e todo o resto. Entrei na água me afundando por completo na grande banheira. A temperatura estava perfeita. Levemente morna. Lá fora a noite já tinha caído. Minha primeira noite em Konoha. Me encosto na beirada , fecho os olhos sentindo a água morna relachar meu corpo. Meus pensamento vão longe. Vão a minha terra... Terra que me acolheu. Minha casa, que depois de tanto tempo fora, quase nem aproveitei. Meu quarto... Minhas velhas coisas que ficaram para trás. É Havena. Agora tudo será diferente.
          Quando o dia enfim amanhece, sou despertada pela claridade que invade o cômodo luxuoso. Me espreguiço na cama , apesar da cabeça cheia, e da situação pouco agradável para mim, até que consegui dormir bem.Acho que devido ao cansaço. Sento- me encarando as paredes estranhas para mim. Passo as mãos nos fios rebeldes dos meus cabelos. Hesito um pouco antes de levantar. Antes que a coragem me alcance, ouço alguém bater na porta.

- Minha senhora, deseja que eu prepare a bacia para que se refresque. ? - uma voz pergunta lá fora e eu a reconheço.

- Pode entrar Shizune. - autorizo com a voz ainda um tanto rouca. Logo a morena adentra meu quarto carregando uma bandeja com o que acredito ser meu desejum, e uma outra com uma jarra de agua fresca.  - Bom dia. - as cumprimento com um pequeno sorriso.

- Bom dia magestade..- respondem e olho feio para ambas, Shizune ri meio sem graça. - Quero dizer , Havena eu sorrio e a outra menina que não aparenta ter mais que uns catorze anos olha assustada de mim para Shizune.

- E essa, quem é ?- pergunto. A menina se encolhe ainda mais.

- é Sumire, minha sobrinha .- Shizune responde.

- Que garota bonita. Shizune é minha amiga Sumire, por isso me chama pelo nome, e entre nós, pode me chamar assim também ok? - A menina se limita a sorrir e encolhe os ombros em sua timidez.
       Depois de alguma conversa, e perguntas infinitas de Sumire sobre minha armadura, espadas e guerras que estive. Ela parecia encantada com tudo que eu dizia. Depois do desejum, decidi caminhar um pouco. Reconhecer o local. Era quase meio dia a julgar pela altura do sol quando cheguei ao beiral de uma torre. Era alto, a vista era muito bonita. O vento soprava forte. O ar fresco invadia meus pulmões. Finalmente estava sozinha, durante o percurso até ali, dispensei Shizune e Sumire que ficaram contrariadas por me deixar explorar o local sozinha. Mas eu precisava estar só. Enquanto caminhava, os guardas e criados me olhavam sorrateiros, curiosos. Se limitavam a se encurvarem e soltarem um “ majestade” cordial. Era tão estranho, só me fazia sentir um aperto cada vez maior no peito. Agora aqui, me sentia um pouco em paz. Fecho os olhos inflando profundamente os pulmões de ar e expirando vagarosamente.

- É uma bela vista não? - uma voz grave chama minha atenção, me viro abruptamente com o susto. Como não o ouvi chegando.? E quem era? Um par de olhos negros me encarava, suas expressões eram calmas e serenas. - me desculpe, eu não queria assusta- la.

- Hoo...não tudo bem. Mas tem pés leves se me permite dizer. - digo voltando a encarar a imensidão de campos além dos muros. Sinto se aproximar encostando do batente ao meu lado.

- Ossos do ofício quando se é treinado para agir no silêncio. - ele sussurra quase que para ele mesmo. - eu o olho e permaneço em silêncio. Ele volta a me encarar, o vento espalha os fios negros soltos da longa franja, e empurrando o rabo de cavalo baixo o fazendo chicotear sobre a camisa negra.

- Parece bastante chateada princesa. - eu me surpreendo. Pisco algumas vezes.

- Bem, é uma nova situação para mim. Ainda não... Me acostumei com a mudança.

- Claro ... Fiquei sabendo que seu pai lhe contou do compromisso a pouco tempo .

- Uma semana antes de engressar a caminho de Konoha. - respondo friamente.

- Entendo. Deve estar sendo complicado . - eu volto a lhe olhar franzindo o cenho.

- O que está pretendendo com toda esta conversa ... Alteza? - pergunto diretamente. Ele está me deixando um tanto confusa sobre onde ele quer chegar e minha paciência está pouca. Ele se endireita e põe a mão no bolso da calça negra de linho. E de lá retira um saco delicado de veludo.

- É comum o noivo presentear sua noiva antes do casamento para firmar compromisso. Eu não tinha escolhido antes pois queria conhece- la primeiro. Espero que goste. - me estende o tecido . Eu o pego receosa. Puxo os cordões dourados abrindo e colocando minha mão dentro do saco, de lá puxo um colar. É de ouro branco, com uma trilha de pequenos diamantes ao redor. No centro um pingente de uma esmeralda límpida, dando cor e vida a jóia. Era realmente bela, apesar de eu não ser uma boa amante delas. Não consigo esconder meu olhar surpreso.

- É lindo... - sussurro involuntariamente.

- Quando o vi lembrei de você. A distância, pode parecer uma jóia simples, mas quando se olha de perto, se nota como é bela e valiosa. - onde ele quer chegar com isso?

- Está flertando comigo Uchiha? Não é necessário. Não sou do tipo que se encanta. - respondo seca. Ele abre a boca minimamente hesitando , e por fim sorri pondo as mãos no bolso olhando o além novamente .

- Não estou flertando com você princesa. - sentencia e o deixo prosseguir curiosa. O presente é somente pelo costume. Para ser cincero, eu nao queria esse casamento também. - eu começo a gostar da conversa, me volto para olha- lo melhor. - eu aceitei pois esse é meu dever. Não posso falhar com meu país. Sei que você me entende. - me olha mas permaneço calada apenas o incentivando a falar. - mas só porque nosso casamento é arranjado, não quer dizer que devemos nos odiar. Podemos ser amigos.

- Amigos? - pergunto erguendo uma sobrancelha. Ele curva os lábios rosados mostrando um certo charme que pode derreter muitas mulheres eu sei. Mas acho que sou meio imune.

- Está bem... Vou confessar .. Eu tenho alguém. - eu cruzo os braços soltando um sorriso mínimo.

- Olha... Tem uma namorada? Sabia que podem te julgar por alta traição em Dragoria se souberem que trai o tratado? - questiono. Ele bate uma mão na construção de rocha e solta uma lufada de ar.

- Sim eu sei . Mas quero acreditar que compreenda. Você não quer esse casamento eu também não , porém não podemos escapar , então gostaria de podermos ...contar um com o outro. - confesso que me surpreendi com Itachi. Não esperava algo assim.

- Deixa eu ver se captei sua idéia. Quer que eu faça vista grossa para seu romance secreto? E te ajude a manter seu relacionamento? - ele pensa um pouco e me olha sério.

- Sim, é isso mesmo. - eu preciono os lábios repassando a informação.

- pode ser. - afirmo e ele me olha ainda receoso. - Porém, vai te custar algo em troca. - ele franze o cenho curioso.

- E o que seria.?

- Bem, em troca de permitir que se encontre com sua amada e lhe de cobertura, quero que me livre da responsabilidade de comparecer a você... Como...sua...- hesito em usar o termo correto.

- Sem ter que fazer sexo comigo ..- afirma antes de mim de forma direta. Direta demais eu diria. Senti minha bochecha esquentar por um instante. Mas ignorei.

- Isso...isso ai..- afirmo desviando o olhar, não costumo ser tímida, mas sei lá... O geito dele falar me ... Desconcertou um pouco. - e...- continuo o fazendo ficar mais tenso. - fiquei sabenso que é um otimo espadachim. Dizem que é melhor que eu. - volto a encarar. Ele sorri cruzando os braços.

- Tento dar meu melhor.- afirma de maneira simples.

- Quero que treine comigo. - afinal, é dificil achar alguém que aguente meu ritmo de treino, e se de fato ele me superava, seria uma otima oportunidade de aprender. - ele fica surpreso, pensa um pouco olhando para os pés e volta seu olhar negro sobre mim.

- Feito. - afirma e eu não deixo de sorrir. Me estende a mão e eu hesito um instante antes devolver o gesto apertando sua mão de volta.- Você é esperta princesa. Gostei de você.

- É Havena. E obrigado. Me parece que você também  não fica atrás. - ele sorri dando as costas em seguida.

- Até a noite Havena. E haa..- se volta para mim.- eu realmente escolhi a jóia pensando em você. - fico parada pensando no que responder. Não esperava por isso. - Espero que use. - deu um largo sorriso mostrando os dentes brancos bem alinhados.- Até.

- Até... Itachi. - digo baixo o vendo seguir seu caminho. Não sei se ouviu. Mas estava ainda processando tudo o que aconteceu. É, talvez... Possamos fazer não ser uma união tão desagradável assim . Sorrio pra mim mesma apertando a jóia em minhas mãos.

                 ( Ino. )
    
      Irritada é pouco para o que eu estou sentindo com toda essa palhaçada. Não da pra acreditar que meu pai e Fugaku estejam mesmo levando adiante esse absurdo. Havena não serve pra rainha. É mais que óbvio que eu deveria ter sido escolhida. Aquela troglodita nem se quer é da realeza de verdade, não tem nosso sangue, nem nasceu em nossas terras. Isso é uma ofensa a mim. Estou terrivelmente cansada. E ainda tive que me apresentar a família real suja e descabelada. Pois naquela droga de tenda eu não conseguia me arrumar devidamente, e depois de horas enfurnada numa carruagem, tudo que eu consegui foi arruinado. Eu devia estar cheirando a esterco, que foi o único cheiro horrível que pude sentir empreguinando tudo durante toda a viagem.
    Me esfreguei como nunca na banheira. Queria arrancar de mim quaisquer mal cheiro dessa maldita jornada. Em pensar que Itachi me viu assim, haaa! Por Kami. E por falar nele, céus como está belo. Conseguiu ficar ainda mais lindo que da última vez que o vi. Aqueles olhos negros... Mordo meu lábio so de imaginar. Havena como esperava, provou ser a estranha que é. Veio a viagem toda montada num cavalo, de armadura e tudo. Como se não bastasse, se apresentou vestida como um homem, suja e enferrujada, como sempre, a sua nova familia. Incluindo seu noivo. Com certeza o pobre Itachi deve ter sentido vontade de fugir. Sentido asco da sua pobre prometida. Aquilo é uma ofensa ao título de princesa.  O que eu não esprava...era o irmão de Itachi. Eu nunca o tinha visto. Ele... Ele é... Poxa, a quem quero enganar. É muito bonito. E se não estou errada, me lançou olhares por todo o caminho até o salão principal. Claro, como Deidara estava conosco, ele não pode fazer nada a não ser , ser bastante atencioso comigo. Mas não importa, mesmo que Sasuke seja, um belo exemplar masculuno, só tenho olhos para Itachi. E não importa como, vou conquista-lo. Itachi será meu. Logo ele verá que sou a melhor opção. Principalmente depois que ele ver Havena amanhã, tenho certeza que ela não saberá se apresentar no seu noivado. Com os modos de gorila que ela tem por conviver tanto tempo com homens, vai deixar claro, Havena nunca estará a altura de Itachi Uchiha. Me vejo rindo litros em meio a espuma dos sais em minha banheira.



Notas Finais


Deixe seu comentário ... Conta com um grande incentivo.
Ate o próximo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...