História O (Des)Manual de Choi Youngjae de Como Ser Sociável - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Personagens Originais, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Colégio Interno, Comedia, Got7, Jackson Hippie, Markjin, Markson, Yaoi, Youngjae Antissocial, Yugbam
Visualizações 68
Palavras 1.749
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


VOLTEI MEU POVO E MINHA POVAAAA
Capitulo fresquinho :)
Fiquei muito feliz com a recepção da fic! Eu ainda nem creio que alguém gostou kksadasda
Enfim, aproveitem ai :P

Capítulo 2 - Classe? O que é isso? Jogo de RPG?


Acordei bem cedo naquela manhã, tomei um bom banho e me arrumei com o uniforme da escola, para esperar por Jackson. Eu dividia o dormitório com um garoto chamado Taehyung - pelo que Jackson havia me dito. Aliás ele tinha falado poucas coisas sobre ele, apenas sabia que era do segundo ano como a gente e que tinha um namorado do time de vôlei, chamado Hoseok -, ele não tinha falado nada comigo até então, quando cheguei ontem, ele já estava dormindo. E quando eu acordei, ele já tinha sumido.

Quando eram oito e pouco, ouvi duas batidas na porta. Peguei a mochila, que tinha arrumado na noite anterior, com alguns cadernos, livros e o estojo e coloquei nas costas, abrindo a porta.

Eu tenho uma confissão a fazer. Ver Jackson de uniforme era tão estranho como ver o Batman sem o uniforme.

- Hey, bom dia, bela adormecida - O loiro cumprimentou, com um sorriso

Não gostei do apelido.

- Bom dia, Jack-ah - Falei, fechando a porta do quarto - Cadê sua mochila?

Ele franziu o cenho, contrariado.

- Depois eu pego, vamos tomar café primeiro, se quiser pode deixar a sua ai, antes da aula a gente pega ela de volta.

- Não, eu prefiro levar, assim a gente só tem que passar no seu dormitório - Falei, Jackson deu de ombros e seguimos pelo corredor

- Que horas a aula começa?

- Às nove, fica calmo, dá pra tomar café tranquilo.

Ele me fez acordar tão cedo só pra ter uma hora pra tomar café?

Filho de uma…

- Jackson?

- Eu?

- Vai se ferrar.

Isso me deixou mais leve, confesso.

Jackson riu soprado, tirando um colar de contas do bolso do blazer, que ele continuou a fazer, tirando mais contas dos bolsos. Sério, Jackson devia ser a maior casa de artesanato ambulante que você já viu.

Eu vi que assunto não ia brotar do nada, então tirei meu celular do bolso, para checar minhas mensagens. Desbloqueei a tela e fui direto pra minha caixa de entrada.

Olha, eu não vou mentir.

Tinham quarenta e sete mensagens. Todas da minha mãe.

O que achou da escola?

Achou seu dormitório?

Você comeu, Youngjae?

Youngjae me responde.

Eu estou ficando preocupada.

Te sequestraram?

Se tiverem te sequestrado não vão deixar você falar, idiota

Hmm…

Se você estiver sequestrado, digita 32

eu vou entender

Youngjae, você comeu?

E as mensagens seguiam assim.

Tratei logo de responder.

Não, mãe, não se preocupa, não fui sequestrado

Aliás, eu gostei da escola. Eu to comendo, sim.

Não se preocupa :)

Espero que isso seja o suficiente para que ela não fique preocupada.

Eu fiquei tentado a mandar “32”, só pra ver no que dá…

Acabei achando melhor não.

- Jae - Jackson chamou, ainda focado no colar

- Sim? - Guardei o celular no bolso

- Me faz um favor? - Ele guardou o colar, agora pronto, no bolso do blazer e olhou para os lados do corredor

- O que?

- Assim, antes de entrarmos… Olha e vê se acha um garoto de cabelo vermelho com um moreno - Ele pediu, encostando na porta do refeitório, tentando não ser visto.

Estranhei o pedido, mas atendi. Afinal, não ia me custar a vida.

Olhei pelo refeitório inteiro, não achei nenhum garoto de cabelos vermelhos. Olhei mais uma vez pra ter certeza.

- Não, não achei - Falei, Jackson suspirou aliviado

Entramos no refeitório.

- Só uma coisa - Jack disse, antes de irmos pra fila

- Qual?

- Sem perguntas.


 

Jackson me deixou na sala de matemática e foi buscar a mochila dele. Não quis me deixar ir junto, por algum motivo que desconheço. Uma coisa é verdade: Ele sempre atiça minha curiosidade com essas coisas.

Quando ele voltou, a aula já estava pra começar e ele estava atrasado, então sentou longe da minha carteira. Sendo sincero, fiquei um pouco chateado, queria que ele me orientasse. Tentei prestar atenção na professora, perdido na matéria, o tempo passou mais rápido e quando percebi, a professora estava na porta da sala, prestes a sair, porém Jackson a parou, me fazendo um sinal para que eu esperasse e, como o bom amigo que eu sou, esperei.  Guardei minhas coisas, porém não me levantei, ainda tinham alguns garotos na sala e eles cochichavam na minha direção. Isso não era um bom sinal. Será que eu estava com alguma remela? Ou eu tinha manchado minha camiseta com suco de uva no café?

Olhei minha camiseta, só por precaução, sabe? E não, não tinha nada ali.

Isso não me cheira bem.

- Ei, garoto novo, é Youngjae né? - Um deles chamou, vindo na minha direção.

Falei. Isso não cheira bem. Cheira tão mal quanto os banheiros de um restaurante mexicano meia boca nas madrugadas de domingo.

E não me pergunte como eu sei disso.

- Sim, Youngjae - Como minha mãe me educou muito bem, eu respondi

- Ah, certo, legal - Um dos outros garotos veio junto do amigo - Bem, de que classe você é?

Classe? O quê? Isso virou o que? Jogo de RPG? Olha cara, eu sempre joguei de ladino.

Essa, era a resposta que eu queria dar, mas falei algo diferente.

- Classe? Como assim?

O primeiro garoto, que tinha o nariz empinado, riu como se o que eu tivesse perguntado fosse Ei, cara, o céu é azul ou verde? e não o que eu realmente falei.

- Classe, cara, tipo, são quatro classes, temos a classe azul, os caras que pagam a mensalidade normal - Apontou para si mesmo - Classe verde, que pagam a mensalidade parcial - Apontou para um amigo de cabelo castanho - Classe amarela, bolsistas - indicou um garoto encolhido na frente da carteira da professora com o queixo, com escárnio - E, a classe vermelha, que pagam a mensalidade mais alta, que é claro, tem lá seus privilégios.

Ele sorriu malicioso ao falar dos privilégios. Olha, de uma coisa eu tenho certeza, eu não gosto nem  um pouco desse cara.

Eu nem respondi, na verdade, nem sabia o que responder. Minha mãe não tinha falado nada de mensalidade variada. Supus que deveria ser a mensalidade comum, ou classe azul como o garoto falou. O garoto percebeu que eu não ia responder e desistiu, indo embora com os amigos dele.

Pessoal esquisito.

Que papo era esse de classes? Pelo que pude perceber, eles usavam isso para menosprezar os que pagavam menos. Pensar nisso me fez querer dar um belo soco no nariz empinado daquele garoto.

- Youngjae-ah, vamos? - Jackson chamou, a professora não estava mais ali

- Vamos… - Respondi levantando, ainda pensando em socar a cara daquele garoto

 

 

Depois das aulas e de fazermos o dever de casa na biblioteca, eu e Jackson resolvemos ir pra sala de jogos. Sim, realmente tem uma sala de jogos aqui, e deixe me dizer, dá de dez a zero nas salas de jogos que eu ia no shopping. Durante a tarde, descobri mais algumas coisas sobre o colégio em algumas conversas breves com Jackson nos corredores e na aula de Artes.

Por exemplo, Jackson me explicou que realmente eles tinham isso de classes na escola, e ele não pareceu se importar com aquilo, me perguntei de que classe ele seria, mas deixei o pensamento de lado, não tinha importância. Ele me explicou que de acordo com a sua mensalidade, seu dormitório podia mudar. Tinham dois prédios de dormitórios, o A e o B. O A, abrigava os bolsistas e os semi bolsistas, os bolsistas nos andares de baixo e os semi bolsistas no de cima, e o B, onde eu estava - confirmando minha suposição - era onde os de mensalidade comum ficavam, no primeiro andar, e os privilegiados da mensalidade alta ficavam no andar de cima.

Também fiquei sabendo que todos nós temos o toque de recolher, que é às onze e meia e que qualquer aluno fora do quarto nesse horário seria punido - eles não tinham expulsão aqui, então não importava quantas vezes você quebrasse as regras, só teria sempre de cumprir alguma detenção, equivalente a sua quebra de regra - o que me fez decidir definitivamente que eu iria ir pro dormitorio sempre às onze.

Eu e Jackson matamos a maior parte do nosso tempo depois da aula tentando superar a pontuação do outro no pac-man. Antes de começarmos a jogar eu achei que ia vencer ele facinho, porém eu estava muito enganado - ele me deixou no chinelo, duplicando meu recorde.

- TOMA! AQUI É O JACKSON CARAS! ESPERAVAM O QUE? Toma, Jae, quebrei seu recorde! - Ele comemorou, deixando a máquina com um sorriso vitorioso

Alguns alunos a mais entraram na sala de jogos, se espalhando pelas outras máquinas.

- Cara, eu não acredito! - Jackson tinha se sentado no sofá, na maior onda de Se liga, sou o rei aqui parça!

- Não acredita? Então vai e tenta detonar o rei aqui! - Ele jogou os braços pra cima, gargalhando.

Eu não ia deixar isso barato. Peguei firme nos botões e controles e joguei o melhor e mais concentrado que eu pude.

Percebi que um garoto que jogava pinball estava me secando. Não sei se eu já comentei com vocês, mas… É, gente, eu curto aipim. Podem vir com piadinhas o quanto quiserem, eu não ligo, eu superei isso depois de uma noite muito maluca em que meus primos - porque, é, eu sempre fui anti social e não sabia fazer amigos - me levaram pra beber muito e eu quase fui parar no hospital. E sinceramente, eu achei ele bonitinho. Tá, eu achei ele muito bonito.

- Jackson - Falei, enquanto desviava no fantasma azul, que quase me emboscou

- Sim? - Ele estava focado em uma pulseira cor-de-rosa que ele terminava de trançar

- Sabe quem é aquele garoto? Jogando pinball? - Sussurrei, para que ninguém mais percebesse

- Que garoto? - Jackson franziu o cenho e rindo pelo nariz, se levantando do sofá

Ao ver o garoto, sua expressão, antes sorridente, azedou.

- Quem é ele? - Sussurrei, com um tanto de medo, Jackson não parecia nada feliz em vê-lo

Ele não respondeu.

O garoto que me observava, ao ver Jackson, se aproximou risonho e eu, já assustado, larguei o pac-man, deixando ele ser pego pelo fantasminha vermelho.

A situação não me parecia nada boa.

A carranca de Jackson só aumentou quando o garoto parou a nossa frente.

- Ei, quem é seu amigo, Jack-ah?

 


Notas Finais


Vish, quem é esse ai hein?
Hmmm, quem sabe?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...