História O Destino faz o que quer! - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Guns N' Roses
Personagens Axl Rose, DJ Ashba, Personagens Originais
Tags Destino, Dj Ashba, Meu
Exibições 6
Palavras 1.031
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oii gente, trouxe um capítulo meio chatinho. Mas com um final tretante, espero que gostem! Rsrs

Capítulo 14 - O flagra!


POV: Daren

Acordei sentindo o peso do corpo de Maíra sobre o meu, seu cheiro inebriante invadia minhas narinas, o calor de seu corpo mantinha-me aquecido naquela manhã fria, a respiração dela baixa e quente atingia meu pescoço me fazendo me sentir arrepiado. Já fazia três dias que estavamos juntos em minha casa, despensei todos os empregados, não por medo deles falarem qualquer coisa, pois sei que eles nunca falariam nada, a maioria estava comigo, muito antes de me casar com Nathalia eram fieis a mim, mas eu queria ficar sozinho com ela, completamente sozinho. E como eu havia prometido a ela já tinhamos transando em todas as partes da casa, em todos os carros e principalmente na cama na qual eu e Nathalia dormíamos, é o local preferido dela, essa menina é mal, sente prazer em saber que Nathalia dormiria no local, no qual ela me levou a um patamar de prazer no qual Nathalia nunca sonhou em me levar.

A deslizei para cama com cuidado para não acordá-la, ela agarrou um travesseiro e se encolheu mostrando suas curvas, ela estava nua, pude sentir o desejo me tomar, neguei com a cabeça, desde que chegamos aqui tudo que fizemos foi transar, eu queria dar para ela mais que isso, pelo menos por hoje. Um dia inesquecível mais que sexo, um dia no qual ela se lembre de mim para todo sempre.

Tomei um banho rápido e vesti uma bermuda leve, fui para cozinha e preparei um sanduíche com presunto, requeijão e um pouco de batata palha, a vi preparar um assim ontem. Fiz uma vitamina de morango e ovomaltine, uma omelete com presunto, mussarela, salsinha e sazon. Coloquei tudo em uma bandeija e levei até o quarto, nem de sua posição ela havia saído. Um sorriso tomou conta de meus lábios, ela é tão bonita e dormindo parece ser tão delicida, mas apenas dormindo. Coloquei a bandeija em cima do pequeno móvel que fica do lado de minha cama. Sentei-me  na cama e acaricie seu rosto, ela não se mexeu, desci minha mão pelas suas costas e despeijei beijos pela sua bochecha, ela ressonou algo que não compreendi, sorri e lhe dei um beijo nos lábios e logo pude sentir as mãos dela envolvendo meu pescoço aprofundando o beijo ela deitou-me e seu corpo pequeno subiu sobre o meu, o beijo estava cada vez mais quente. Mordi seu lábio e separei-me dela, ela me olhou surpresa, seus lábios se abriram para contestar, mas colequei meu dedo indicador neles e disse.

- Quero te dar, mais que sexo hoje.

- Você é muito estranho. Ela disse com um sorriso safado.

- Sempre me dizem isso. Mas eu não me importo!  Disse com um sorriso a olhando, quando vou tirar meu dedo de seu lábio ela o segura e o coloca na boca o chupando.  Sinto meu corpo arrepiarsse e a jogo de lado na cama, ela sorri surpresa e eu digo.  - Estou falando sério, por favor colabore. Ela da uma risada alta e diz batendo sinal de continência. 

- Sim senhor capitão! Sorrio e pego a bandeja a entregando.

- Café na cama? Sorrio e acinto, ela me olha e vai direto na vitamina dando um bom gole. - Wunnn, morango e ovomaltine. Como adivinhou que eu adoro? A olhei morder o sanduiche e disse.

- Na verdade não sabia, só supôs. É uma delícia, é minha bebida não alcoólica favorita! Só os loucos não gostariam de Morango e Ovomaltine. Ela rio concordando, vou até a TV a ligo e abro o Netflix.

- Iai quer ver o que? Algum romance? Algum filme de ação? Digo zanzagueando pelos filmes, ela nega de boca cheia. - Comédia? Tento mais uma vez, temendo que ela escolha filmes de terror. Ela engole e diz.

- Não mesmo, terror!

- Não são meus favoritos.

- Tem medo Mister Daren Jay Ashba! Tinha uma ironia desagradável em sua voz, revirei os olhos e disse.

- É, talvez. Ela sorrio se levantou veio até mim, me deu um selinho e disse.

- Não se preocupe vou te proteger.

- Parece que invertemos um pouco os papéis não? Digo com um sorriso, ela da um sorriso e sai correndo do quarto, após alguns minutos retorna com um pote de sorvete na mão. - Netflix! Sem sorvete não existe.

- Para onde vai tanta comida? Pergunto rindo.

- Armazeno tudo nas coxas!

- Você é uma figura. Digo rindo, ela dá de ombros com uma colher de sorvete na boca. - Carrie a Estranha?

- É um clássico, mas não é um terror muito bom. Mas, que tal A morte do demônio?

- Vai ter que me proteger mesmo, vou ter pesadelos a noite. Ela ri e se joga na cama.

- Coloca logo seu mariquinha! Faço uma careta e me deito ao lado dela soltando o filme, ela se aconchega em meu peito e começamos a ver o filme.

O filme estava quase no fim, Maíra alisava meu peito o que me deixava mais tranquilo, mas com certeza teria pesadelos, aquele filme era horrível, toda hora me sobressaltava e Maíra gargalhava se divertindo. Eu gostava de ouvir o som de sua gargalhada então nem me importava de ela caçoar de mim.  De repente senti os lábios de Maíra nos meus, ela deslizou sua mão pela minha barriga e acariou minha virilha pude me sentir rígido, e aprofundei nosso beijo. Deitei por cima dela e segurei seus braços a cima de sua cabeça de modo brusco, ela solta um gemido alto.

- Eu to me controlando desde que o filme começou, mas você não colabora em. Disse com a voz rouca de tesão, desci beijos até seu pescoço e dei uma leve mordida. Desci com minha língua até seus seios e comecei a chupa-los com ferocidade ela gemia baixo tentando se segurar, depois de três dias inteiros com ela descobri todas suas fraquezas, e a mais deliciosa é que ela tem grande sensibilidade nos seios. Desci minha mão pela sua barriga e lhe penetro um dedo e vou mexendo com velocidade, ela gemia alto.

- Mas que porra está acontecendo aqui? O grito de Nathalia rompeu o quarto...


Notas Finais


Então o que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...