História O destino ( INTERATIVA) - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~SafiraZummach

Postado
Categorias Mitologia Egípcia
Personagens Personagens Originais
Tags Deuses Egípcios, Interativa, Love-never-dies
Visualizações 33
Palavras 920
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Hellou, aqui quem fala é a @SafiraZummach e quero começar agradecendo a @Destinymoon1617 pela proposta de ajuda-la a escrever essa fic maravis :3 espero que vcs fiquem satisfeitos comigo kkkkkk

Esse capítulo é BÔNUS da fic, que vai contar como alguns deuses (vcs que criaram as fichas) acabaram reencarnando e outras coisas aí :)

Não estranhem pq minha forma de escrever é diferente da Destiny kkkkk ela é portuguesa and me é brasileira. E também peço desculpa por qualquer erro ortorgráfico

Também quero divulgar minha fic kkkkkk o nome dela é "Amor de Rá", deem uma olhada plis :3 link nas notas finais

Sem mais enrolação, tenham uma boa leitura!

Capítulo 5 - BÔNUS: Inicio


Fanfic / Fanfiction O destino ( INTERATIVA) - Capítulo 5 - BÔNUS: Inicio

Leiam as notas INICIAIS e FINAIS :)

**

“Nun*, deusa sombria, dorme numa solidão que nada pode perturbar. Ela é a água parada e escura.

Nun é a fonte e o princípio do universo, e contém em si todos os elementos que virão a existir.
Tudo é imobilidade. Os peixes, os crocodilos e os pássaros, as flores e as árvores, os homens e até mesmo os deuses ainda não existem.

Finalmente Nun desperta e sai de seu torpor. Em torno, não vê nada além dela mesma. Acha esse estado de solidão absoluta tão tediosa, que resolve agir. Sabe-se que é capaz de criar tantas coisas!

Nun se mexe e o universo começa a se agitar. A primeira coisa que Nun, que é água, cria é a terra. Uma ilha cinzenta, de contornos imprecisos, emerge da planície líquida. Essa terra lamacenta é a terra do Egito. Nascido da água, o Egito viverá da água. O Nilo é seu princípio. Rio divino, ele é a fonte de toda vida.

Nun continua sua obra de criação universal, e o mundo começa a tomar forma. Mas esse começo se desenrola numa atmosfera lúgubre, sem luz plena. Não chega a ser noite, não chega a ser dia. Uma espécie de claridade escura envolve o universo.
Nesse crepúsculo primitivo, os elementos tomam seu lugar e se organizam. O ar fica suspenso acima às água e da terra. O céu paira sobre o mundo como se se debruçasse sobre ele. Nun trabalha sem cessar. Ela chama os deuses à vida.

Em algum ponto sobre a água primordial flutua um lótus. Um magnífico lótus com as pétalas de sua flor fechadas vaga nas águas do Nilo. De repente, uma luz viva, a primeira do mundo, brilha bem dentro do cálice da flor. Cada vez mais forte, a luz obriga as pétalas a se abrir. Elas resistem um pouco, mas não podem suportar por muito tempo o assalto dessa luz. A flor do lótus por fim se abre, e o jovem deus-sol – Rá – se eleva de dentro dela e ilumina o mundo, que conhece enfim a claridade, as cores e o tempo.”

**

Nun cuidou de Rá e ele a tinha como mãe — mesmo ela não sendo de verdade —. Rá governava o mundo com ajuda de da deusa primordial.

O deus-sol, um dia, conheceu uma deusa; sendo está Bastet, deusa da lua. Foram ficando próximos até que viraram amigos íntimos, inseparáveis. Mas algo dentro deles começou a aflorar, uma sensação.

Rá quando a vi queria beija-la, senti-la, tê-la para si. Ficava nervoso, suas mãos suavam, perdia a fala. Ele tentou ignorar o que estava sentindo e tentava afastar essas ideias. Mas era quase impossível. A deusa também sentia o mesmo e imaginava como era ser tocada por ele, mas assim como ele, afastava essas ideias.

Chegou um ponto em que Rá não aguentava guardar isso para si. Ele se declarou e ficou surpreso ao ver que era recíproco. Beijaram-se selando esse amor genuíno; na forma de um eclipse. Mal sabiam eles que todo vez que se encontravam o mal se espalhava pelos homens; morte, dor, sofrimento e escuridão. Os outros deuses ficaram desesperados, temerosos e sem entender nada foram pedir ajuda a Nun. A mesma já sabendo do romance entre o sol e a lua ligou os pontos. O mal se espalhava apenas quando ocorria um eclipse.

Para que os dois não deixassem de serem amigos, Nun criou uma regra; uma lei. Essa regra proibia Rá e Bastet; o sol e a lua de se encontrarem de uma forma amorosa, mantendo a amizade deles. Ambos se seguraram por um tempo, mas logo a regra foi quebrada. Nun temendo o fim da humanidade tomou uma drástica providencia.

Chamou todos os deuses e oficializou ali o noivado de Bastet... Com Anúbis, deus dos funerais. A deusa das mulheres grávidas surtou e disse que não iria se casar com um homem que não amava. Anúbis já tinha ciência de que aquilo iria acontecer, Nun conversou com ele e disse que aquilo era para um bem maior, a sobrevivência do mundo. Rá até tentou convencer a deusa primordial, mas como Nun era muito mais poderosa que ele — pelo fato dela ter criado tudo — a mãe disse que sua vontade seria feita.

Bastet e Anúbis se casaram deixando o deus-sol triste e angustiado por perder a amada. Ele não culpava sua mãe, ele entendia que era para o bem da humanidade. Mas mesmo assim, estava triste, ele tinha esperanças de ficar com ela.

Rá, tristonho, foi dar um passeio; uma curva à meia-noite. Quando realizou o ato o deus viu um homem com a aparência de ter 30 e poucos anos — mesma idade que aparentava a Nun — que se apresentou no nome de Dark e confessou ao próprio Rá que estava causando todos os males aos homens e que iria espalhar a escuridão no universo, custe o que custasse. Ali mesmo travaram uma batalha, empunhando espadas e poderes.

O deus solar iria ser apunhalado quando Bastet se meteu entre a espada e seu amado e levou o golpe por ele. Dark fugiu e Rá lamentou a morte da amada. Ela o havia seguido. Rá, com ajuda dos deuses, declarou guera contra Dark. Muitos deuses acabaram morrendo.

Depois de muito tempo — e mortes — Rá jogou Dark num profundo abismo. Apesar de ter vingado a amada ele estava triste por não tê-la consigo.

Nun, vendo o sofrimento do filho, reencarnou Bastet e os outros deuses em segredo, jogando-os no mundo humano com os poderes adormecidos.

 

 


Notas Finais


* Nun foi uma das primeiras divindades egípcias a aparecem pelas bandas do Universo dando origem a tudo que conhecemos hoje como Planeta Terra. Apesar de tal deus passar a forma de um meio líquido e a água se tratar de uma palavra do sexo feminino, isso não significa dizer que Nun era uma deusa. Para que fique bem claro, ela não tinha sexo.

MAS NA FIC ELA SERÁ MULHER ;)

Charlize Theron as Nun:
https://www.google.com.br/search?q=charlize+theron&client=firefox-b-ab&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjt_-HCvcXVAhUBEpAKHRyQAb4Q_AUICigB&biw=1151&bih=659#imgrc=axqPaIyJcLwZRM:

Minha fic: https://spiritfanfics.com/historia/amor-de-ra-9556310

+ Créditos ao blog "Mitos do Egito Antigo" e ao site "Desciclopédia" foi de lá que peguei os relatos sobre a criação e sobre Nun.

Obrigada por lerem more, beijokas!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...