História O Destruidor de Vidas - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Lu Han
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baektao, Chanbaek, Drama, Gravidez, Hunhan, Incesto, Não Tinha Nada Pra Fazer, Yaoi
Exibições 68
Palavras 2.711
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shounen, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLHA O TIRO ~
Olha quem voltou depois de mais de uma semana sem postar capítulo novo? Isso aí, euzinha.
Me desculpem a demora, mas inspiração estava de folga.. E me desculpem também por demorara tanto e vir com um capítulo desse tamanho..
E é isso aí, o Sehun é o mais velho de todos.. Tem 30 anos, só para esclarecer, e o Lu tem 27..

Queria dedicar esse capítulo a LaMazyQueen.. Seus comentários aqui e na outra fic me incentivaram muito ! Obrigado mesmo, espero que veja isso aqui.
Enfim, boa leitura.

Capítulo 4 - Wu Shixun


Capítulo Quatro    



 Estava sentado na beira da cama e observava com o olhar fixo o moreno deitado na cama enquanto ouvia ao fundo a conversa dos amigos deste. Estava tão mais magro desde a última vez que esteve junto dele, junto de verdade ; tão junto que uma simples distância poderia ser superada ao levantar a mão e tocar o rosto daquele que só fez o amar e que havia feito o favor de abandonar. Talvez depois de todo aquele tempo já não achasse que a ideia de deixá-lo não tenha sido uma boa solução. Mas afinal de contas; uma solução para quê? O que houve para que ele precisasse deixar o pequeno homem que dormia como se todos os problemas fossem insignificantes naquele momento? Ah, mas como queria que fossem. Queria que tudo pudesse se resolver apenas com um pedido de desculpas e um eu te amo sincero. Mas infelizmente as coisas não eram assim, nunca foram fáceis, e não era agora que seriam.  


   Apesar da aparente perda de peso , a pele pálida e das olheiras que enfeitavam o rosto do menor, ainda pareciacoser a mesma pessoa que conhecera há anos atrás, mais bonito até, se possível. Os cabelos, que desde que se lembrava eram loiros, agora estavam em um tom preto, que realçavam ainda mais sua feição. Às vezes soltava alguns resmungos e se remexia na cama, parecia desconfortável. Estava tão centrado observando as feições do pequeno que nem ao menos percebeu quando sua mão rumou - num ato que não havia planejado, era como se seu corpo apenas quisesse tocá-lo, como se precisasse fazê-lo -  para os fios alheios. Ficou um tempo sem mexe-la , apenas sentindo a textura. Quando fora a última vez que tivera essa oportunidade? Ah sim, na noite em que decidiu deixá-lo. Jurou que seria para sempre, mas estava ele ali mais uma vez. Era patética a forma que sempre voltava para o menor, de uma forma ou de outra. Só que temia que fosse tarde demais, afinal foram dois anos; não dois dias ou dois meses. Foram a porra de dois logos anos. Não achava que era uma boa presença na vida do mais novo. Sempre achou que nunca precisaria de alguém para ser feliz, que nunca se prenderia a outra pessoa. E aquilo que eles tinham já tinha durado tempo demais; um ano era muita coisa para quem só permanecia com uma mesma pessoa por apenas uma noite.   


 Se não fosse por aqueles pensamentos de anos atrás talvez aquilo não estaria acontecendo, talvez estariam juntos e seu Xiao não teria passado pelo que passou no shopping. E isso era uma coisa que não saia da cabeça do mais velho dos quatro no cômodo, o que havia acontecido lá? Ou melhor : o que aconteceu com LuHan durante todo tempo que esteve fora? Não podia dizer que não havia ficado assustado, por que ele havia feito aquilo? Pensava que talvez pudesse ter uma parcela de culpa, não sabia o que era, mas podia deduzir que tinha causado aquilo. Mas não culpem nosso pequeno destruidor por tudo; foi como um reflexo. Cresceu ouvindo as brigas dos seus pais escondido dentro do guarda-roupas com medo de que seu appa fizesse algo consigo, desde cedo já se sentia culpado pelo que acontecia com seu omma. Só podia ficar abraçadinho com ele enquanto tentava segurar as lágrimas e não chorar na frente do filho. Mas depois de certo tempo, quando pensava que seu pequeno estava dormindo, se deixava levar e SeHun podia ouvir o choro baixinho e um carinho nos cabelos o embalar até dormir. Apesar da pouca idade se amaldiçoava por não ter poder algum para dar um basta naquela situação.     


Mas o que poderia fazer?   


  Era apenas uma criança de seis anos de idade, ouvia os gritos de dor que seu papai não conseguia controlar, quando o outro era agressivo demais. Ouvia-o dizer para que o marido não fizesse mais aquilo e fosse mais cacarinhoso e a única coisa que ouvia de seu outro pai era o barulho do choque de sua mão contra a pele do esposo. A única coisa que podia fazer era chorar e implorar que alguém pudesse livrar aquele que amava tanto de toda aquela dor. E a libertação veio, mas não da forma que ele esperava. Em uma das brigas dos dois ele viu uma coisa que nunca mais sairia da sua cabeça: seu omma era segurado pelo pescoço enquanto tentava, inutilmente, se livrar do aperto. Saiu de seu escorijo e correu até o monstro que o havia criado e tentou , também inutilmente , fazer com que soltasse aquele que tanto amava. Mas tudo que recebeu fora um empurrão forte que o fez ir de encontro ao chão ; olhou desesperado para seu papai e só deu tempo de ouvi-lo sussurrar um eu te amo com a voz quase inaudível , enquanto uma lágrima solitária rolava por sua face , depois assisti-lo fechar os olhos para sempre. Aquela fora a última vez que alguém disse que lhe amava.  Isso até conhecer LuHan, claro. Sentira tanto, tanto sua falta. Mas não podia voltar, sabia que não seria uma boa escolha. Mas ter se afastado foi uma escolha melhor?     


Deixou que sua mão fizesse um cafuné nos cabelos alheios e pode sentir toda a maciez dos fios, havia tanto tempo que não sentia o cheiro. Antigamente aqueles cabelos cheiravam a pêssego, será que ainda tinha a mesma fragrância? Sentiu vontade de descobrir, então abaixou um pouco o tronco de modo que ficasse com o rosto em frente a seu semelhante. Passou o nariz por entre os fios e constatou que sim, ainda cheiravam do mesmo jeito. Desceu o nariz até o rosto e deixou um selar singelo sobre a tez clara da fronte; o pequeno se mexeu um pouco, como se estivesse acordando. Se afastou imediatamente, recebendo olhares reprovadores de Baekhyun e ZiTao que ainda não haviam saído do quarto.   


  - Se você pudesse não tocá-lo seria melhor . Não seria bom se ele acordasse e visse você aqui, não está em condições de ter mais um surto. E nem nós. - O coreano disse de forma  irritada .   


  Ignorou o que o outro havia dito e continuou cm suas carícias, mas sem mais beijos. Passou os dedos de forma superficial sobre o contorno do rosto, nariz, olhos, contornou os lábios bem desenhados e pôde ouvir uma risadinha que o pequeno, ainda dormindo, havia solto. Aquela risada ainda fazia aquela coisa estranha com seu coração, fazia uma vontade de fazer de tudo para ouvi-la surgir. E lembrar que teve a oportunidade de ouvi-la todo dia de manhã quando o acordasse com beijos por todo rosto, fazia seus olhos enxerem de lágrimas não derramadas.  


  - Você disse surto? - o mais velho levantou o olhar até os dois que ainda o olhavam de maneira cautelosa - O que foi aquilo no shopping? Ele está doente? O que aconteceu no tempo que não estava aqui? - perguntou tudo de uma vez, estava para lá de preocupado com a aparente desordem do seu Xiao - Vamos , abram a boca! Não vão me contar o que está havendo aqui?! - elevou a voz quando viu que não lhe falariam nada, esquecendo momentaneamente do seu pequeno que ainda dormia .  


   - Primeiro fale mais baixo, não se contenta em já ter estragado a vida do LuHan ainda quer piorar o seu estado se te ver aqui? - Tao perguntou em tom rude, queria que ele se remoesse de culpa por tudo que havia feito a seu menino e , consequentemente , a ele e Baekhyun. Afinal foram eles que estiveram esse tempo todo ao lado do chinês, aguentado tudo junto com ele. Tentando não deixá-lo desmoronar e caindo no lugar dele.  - E segundo: nós não vamos lhe falar nada sobre o estado dele. Você nem deveria estar aqui depois de todo esse tempo, mas não podemos fazer nada se ele quiser lhe ver. Mas eu acho que isso é uma coisa que ele mesmo deve te dizer , e eu espero que você se arrependa de tudo que o fez passar depois que foi embora e implore por seu perdão ; e espero mais ainda que ele não lhe perdoe. E que você sinta na pele o que ele sentiu, que sinta o que é perder alguém que ama de verdade!  


   Como se já não houvesse perdido. Ele não deveria falar coisas tão ruins pra alguém que não conhece e que não sabe a história ou as suas perdas.  


   - E Você acha que eu já não me arrependi? - SeHun perguntou com a voz vacilante, foram palavras muito durar de se ouvir - Acha que eu também não sofri afastado dele? Eu voltei e dessa vez pretendo ficar, porque eu quero ficar do lado do meu LuHan , porque eu o am-    


 - Não venha falar de amor aqui! - Baekhyun o cortou antes que pudesse dizer aquelas três palavrinhas que eram tão falsas na mente do Byun. - Isso que você sente pelo LuHan não é amor, amor é o que nós sentimos por ele. Quando você foi embora fomos nós que tivemos que cuidar dele, não que esteja reclamando, pelo contrário, faríamos tudo outra vez. Mas fomos nós que o vimos se afundar, nós que ouvíamos ele chorar baixinho de noite na cama pra não acordar a gente, fomos nós que o assistimos na sua primeira crise e fomos nós que o vimos se perder ainda mais quando descobriu que havia perdido a única coisa que ainda o unia a você. Então não pense que você pode simplesmente chegar aqui e dizer que quer voltar e que o ama porque isso não funciona com a gente. - disse tudo que guardou por todo esse tempo, nem conhecia SeHun direito mas já nutria uma raiva sem tamanho por ele. - Você deve ter tido um bom motivo pra voltar, não é mesmo? Não acredito que seja porque se arrependeu e porque está com saudades. Por que você não para com esse teatrinho fajuto e não diz logo o que você quer ? E depois você pode ir embora e poupar LuHan de ter o desprazer de te ver novamente. - O Byun podia ser bem venenoso quando queria , e naquele momento tudo que ele queria era ver Oh SeHun no chão.    


 SeHun só ouvia tudo aquilo e não falava nada, não sabia o que dizer. Não imaginou que o outro fosse sofrer tanto, pensou que quando fosse ele iria lhe esquecer rápido. Era tudo que queria.  


   - Eu.. eu realmente não queria que as coisas tivesses acontecido dessa forma. - deixou que o corpo caísse e se apoiou ajoelhado na ponta dos pés e sentiu o rosto ficar molhado. Não tentaria fazê-los entender seu lado na história, não adiantaria, de qualquer forma. E deixaria suas palavras para o único que realmente merecia entender tudo que havia acontecido, tudo que realmente era. Não somente o Oh SeHun que deixava os outros verem. - Eu só quero que tudo se ajeite e que o LuHan possa me perdoar por tudo que lhe causei.   


  - Não conte com isso. - o chinês alertou.    


 De repente uma coisa se ascendeu em sua mente, uma coisa que eles haviam dito mas que não entendera. E que mesmo sem saber não lhe fazia sentir bem, mesmo desconhecendo do que se tratava sentia um aperto no coração de imaginar.   


  - Baekhyun, - chamou atenção do menor dos três - o que você quis dizer com 'a única com que o unia a você' ? Não me lembro de ter deixado nada que o fizesse me recordar.    


 - Na verdade você deixou sim. Deixou uma coisa que poderia ter evitado muita coisa ruim que aconteceu com ele, mas que por conta de um acontecimento foi o causador de uma desgraça tão grande , se não mais, quanto sua partida. - Baek respondeu o fazendo ficar com ainda mais dúvidas. - Mas como Tao já disse nós não vamos lhe falar nada e esse assunto é, acima de tudo, uma coisa que só o LuHan têm o direito de falar. Isso se ele quiser falar com você.    


 SeHun apenas meneiou a cabeça , concordando. Queria muito saber de tudo o que aconteceu , mas concordava que deveria saber de tudo pela boca daquele que havia passado por tudo. E essa última coisa não saia da sua cabeça, tinha um palpite sobre o que poderia ser. E temia que este fosse confirmado, só restava pedir aos céus que não fosse nada daquilo. Porque se fosse, estaria perdido. Foi tirado de sua linha de raciocínio por uma movimentação na cama.   


  - Você precisa sair daqui, ele está acordando. - Tao dissera em tom baixo para o mais velho.   


  - Ir embora? - SeHun perguntou - Mas eu ainda não aluguei nenhum quarto de hotel e já são quase meia-noite . E ainda preciso conversar com ele, deixem-me ficar aqui por enquanto. - implorou com a cabeça baixa, tudo que não queria no momento era ficar longe do pequeno de cabelos negros.  


  - Aish.. Tudo bem! - Baekhyun dissera afobado, o Lu poderia acordar a qualquer momento e se visse o outro ali não seria nada bom. - Você pode ficar aqui por hoje, tem um quarto sobrando e pode dormir lá. É a segunda porta depois desse quarto à direita . Depois eu levo algumas coisas para você se banhar , apenas saia daqui antes que ele acorde.  


   O Oh nada disse, apenas balançou a cabeça em sinal de agradecimento e olhou uma última vez para seu pequeno e saiu do quarto assim que o viu esfregar os olhinhos.    Caminhou até o quarto livre e trancou a porta, se permitindo chorar. Chorou por ter ido embora, por ter demorado a voltar, por ser um covarde e por fazer a única pessoa que o amava sofrer. E dormiu sem perceber em meio as lágrimas.    


 ¿?     ( Antes do SeHun sair do quarto )


 - Tao-ah, vem aqui? - LuHan chamou ainda sonolento. - Baek, você também. Se sentou na cama assim que os dois se ajoelharam na sua frente segurando suas duas mãos e fazendo um carinho ali, enquanto sorriam compreensivos para o mais velho. - Eu.. Vocês já devem saber do que vou falar. - disse olhando nos olhos de cada um - Eu queria pedir desculpas pelo que aconteceu lá ; não queria fazer vocês passarem por aquilo em um local público. Perdoem-me, de verdade, por toda vergonha que tenho feito vocês dois passarem em todas as vezes que não tenho controle sobre o que vejo.


 - Você não precisa se desculpar por nada. - Baekhyun disse. 


 - E não é vergonha nenhuma passar por aquilo com você. - Tao completou - Você deve parar de se culpar, Lu. Nós estamos aqui com você, por você.


 - Eu sei, mas é que.. Sei que não deve ter sido a melhor sessão do mundo pra vocês. Me desculpem de verdade por estragar a noite. - pediu mais uma vez - Eu pensei que com a troca dos remédios essas visões fossem diminuir, mas já é a segunda vez em menos de duas semanas. Tudo que eu queria era parar de vê-lo, meus amigos. Será que eu nunca vou me curar?


 Baekhyun e ZiTao trocaram um olhar cúmplice e perceberam que não podiam deixar o amigo se iludir pensando que tudo não havia passado de mais uma de suas alucinações. 


 - Nós precisamos falar sobre isso com você, Lu. - Tao começou - Hoje.. Hoje não foi só uma visão. 


 - Do que você está falando? - LuHan perguntou desentendido. - Como assim não foi só uma visão? 


 - É isso mesmo, Luge.. Não foi uma alucinação, SeHun realmente estava lá. Nós também o vimos. - Baekhyun explicou olhando ansioso para o rosto do moreno.


 - O quê? - LuHan perguntou em meio a uma risada, eles estavam tirando com sua cara? Porque aquilo não podia ser real. Parou de rir ao ver que seus amigos não o acompanhavam e mantinhas seus rostos sérios, mas o semblante preocupado ainda estava lá. - E onde ele está agora?


 - No quarto ao lado.     


Notas Finais


Ooiooi, quem chegou até aqui espero que tenha gostado.. Peço desculpas por quem pegou o cap nos primeiros minutos e viu sem separação se parágrafos, é que eu copiei de um jeito mas depois veio todo errado .. Estou corrigindo, se tiver mais alguma coisa eu corrijo depois..
Ah, sobre a relação do Baek e do Tao: São irmãos .. Isso aí!

PS. Perceberam que eles dois falam muito no plural ?? Sempre incluem o outro..

PS 2. Adoro um incesto !


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...