História O Dia Da Formatura - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Arthur Weasley, Cho Chang, Dino Thomas, Duda Dursley, Fred Weasley, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Molly Weasley, Petunia Dursley, Ronald Weasley
Tags Gina Weasley, Harry Potter, Hinny, Romance
Exibições 55
Palavras 1.792
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Colegial, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hey angels!
Último capítulo de ODDF!
Meus agradecimentos são para todas vocês que me acompanharam na minha primeira short Hinny. Já era de se esperar que um casal tão fofo quanto esse tivesse admiradoras tão fofas! Vocês são maravilhosas, muito obrigada! ❤
Vamos ao último então!
Desculpem-me pelos erros ortográficos.
Boa leitura 😊

Capítulo 7 - Capítulo 7


A entrega dos diplomas tinha sido uma cerimônia extremamente linda! Várias mães e pais de alunos tinham chorado, todos emocionados e orgulhosos de seus filhos. E seus filhos choraram também, principalmente as meninas. Todas alegando que sentiriam saudades de seus amigos de classe e professores.

Mas formaturas eram assim mesmo. Sempre resultam em orgulho e saudade! Orgulho por uma grande fase sendo concluída, a saudade porque deixar para trás os amigos com que convivemos durante anos é sem dúvida uma tarefa difícil.

Tanto Harry quanto Gina estavam cobertos de alegria. O moreno era paparicado por sua família e a ruiva como sempre estava sendo mimada pela dela. E quando o baile de formatura se iniciou logo as duas famílias se encontraram, já que ambas tinha uma amizade de longa data!

— Olhem só quem vai aí: A grande família Weasley! — fora o pai de Hermione que dissera aquilo.

— Olhem só, ali estão os Grangers! — disse Arthur.

— E um Potter também! — Harry disse arrancando risadas de todos.

Logo todos estavam parabenizando os formandos das famílias amigas, e é claro que Molly tinha apertado Harry e Hermione com uma força um pouco maior do que o resto de seus familiares. Ela amava muito aqueles dois.

— Óh, estavam tão lindos! Hermione, seu discurso me emocionou. — Molly disse para a morena que tinha sido a oradora da turma.

— Obrigada. — Hermione respondeu sorrindo assim que o namorado a abraçou.

— Ronald, eu estava falando com ela! — Molly reclamou assim que viu o filho beijando a namorada.

— Af, mãe! — ele reclamou.

— Vamos procurar uma mesa em que caibam todos nós? — Arthur sugeriu.

Assim que todos se acomodaram num canto onde reuniram três mesas para que todos pudessem ficar juntos, Harry apresentou a família Dursley para a família Weasley e não pode deixar de notar que tanto Duda quanto Rony haviam se estranhado.

A conversa entre as mesas era um tanto animada. Harry e Gina tinham se ausentado um pouco pois estavam com seus respectivos pares de baile, mas logo voltaram para mesa junto com os mesmos. Gina com Dino, Harry com Cho. Os quatro estavam reunidos na mesma mesa em que estavam Rony, Hermione e Duda, e o clima estava um tanto tenso nela. A única que parecia tentar amenizar aquela situação era Hermione, mas não era uma tarefa fácil, afinal todos ali na mesa pareciam se odiar, a não ser por ela que não odiava ninguém.

— Rony tem uma coisa pra dizer, não tem filho? — Arthur disse.

Logo Rony, Hermione, Harry e Gina souberam o que Arthur queria que o filho dissesse. É claro que ele gaguejou um pouco na frente de todos, e apesar de acharem tudo algo muito precipitado os pais de Hermione conceberam as mãos da filha para Rony e agora eram oficialmente noivos.

Depois daquilo Harry tirou Cho para dançar e logo Dino fez o mesmo com Gina. Rony e Hermione que ficaram na mesa bolavam uma maneira de fazer Harry convidar Gina para dançar sem que houvesse uma briga com Dino e Cho. O ruivo achava que era só simplesmente ir pedir para que Harry a convidasse, mas para a morena era necessário um plano.

— Hermione, eu não sei pensar em plano nenhum! — o ruivo reclamou.

— Então eu penso por nós dois! Escute: eu vou mandar uma mensagem pra Cho e dizer que tem uma surpresa pra ela lá fora e aí...

— Mas não tem surpresa nenhuma pra ela! Ou tem?

— Cale a boca, Ronald! Eu vou fazer isso e você vai fazer o mesmo com o Dino, e aí eu vou até o Harry dizer pra ele aproveitar que Gina está sozinha e a convide pra dançar! — disse confiante.

— E quem garante que isso vai dar certo?

— Eu garanto Ronald, eu garanto! E se não der eu vou até lá e ajunto os dois na marra. — o que ela disse o fez rir.

Assim que eles mandaram as mensagens perceberam que Dino não estava mais com Gina, e Cho afastou-se de Harry rapidamente. Os dois ficaram feito bobos sozinhos na pista, Gina logo encostou-se em um canto da parede e Harry estava voltando para a mesa. Hermione correu até ele e quase caiu na corrida, mas foi amparada pelos braços do primo.

— Oi, primo.

— Oi Mione, tome cuidado da próxima vez.

— Ok, obrigada. — disse um pouco sem graça pelo “quase tombo” — Cadê a Cho? Você está sozinho?

— Ela disse que iria dar uma volta e depois voltava. — respondeu.

— Hm, que bom saber disso. Bem, eu disse que ia empurrar a Gina pra cima de você, mas eu vi que tanto você quanto ela estão por aí dando sopa e pensei: por que não? — ela sorriu maliciosamente.

— Por que não tentar dar uma de cupido, não é? — ironizou.

— Oras garoto, eu sei que quer ir lá. Vá até lá falar com ela, tire-a para dançar!

— Hermione... — estava pronto para começar seu discurso e foi interrompido.

— Não estou te dando outra opção, Harry Potter! Vá até lá agora.

Ele sabia que devia contestar aquilo, mas seu coração clamava pela aceitação do desejo da prima, e ele sempre tinha seguido seu coração e não seria agora que deixaria de fazê-lo.

Retribuiu o sorriso que Hermione lhe lançara e encaminhou-se até o canto em que Gina estava. Assim como ela, encostou-se na parede e aos poucos foi se aproximando até que ela percebesse sua presença.

— Está sozinha? — perguntou e ela virou o rosto para encará-lo.

— Meu par foi buscar uma bebida pra gente e até agora não voltou. E você? Cadê a Cho ridícula Chang? — ele riu.

— Foi dar uma volta.

— Cuidado! Do jeito que ela é, é bem capaz que tenha ido se agarrar com outro. — disse com certo desdém.

— Acredito que não. Mas foi bom, assim tenho a oportunidade de te tirar pra dançar. — disse galanteador.

— E quem disse que eu vou dançar com você?

— Temos um acordo.

— Não me lembro do acordo incluir danças no baile de formatura.

— Era uma cláusula especial. Você não lê as cláusulas especiais? — agora foi ele que a fez rir.

— Só até o Dino voltar. — condicionou.

— Só ate o Dino ridículo Thomas voltar. — disse estendendo a mão na direção dela e ela aceitou.

Ele a levou até o centro da pista de dança, quando chegaram lá ele a virou de frente para ele e repousou uma de suas mãos na cintura dela e a outra segurava cuidadosamente umas das delicadas mãos dela. Ela por sua vez segurou o pelo ombro e começaram a se balançarem lentamente conforme a música.

Era estranho estarem daquela maneira, pois ainda cedo esforçavam-se para não se matarem e agora dançavam juntos. Mas a verdade era que esforçavam-se para não deixarem transparecerem o que sentiam de verdade. Gina repousou a cabeça no ombro de Harry e o abraçou, ele por sua vez a envolveu pela cintura trazendo-a mais para perto.

— Soube que foi aceito em Stanford. — disse ainda abraçada a ele.

— Sim, eu fui.

— E você vai pra lá?

— Sim. Pego o avião em duas semanas. — ele a sentiu suspirando em seu pescoço.

— Acha que é bobagem minha não ir pra faculdade agora? — ela perguntou afastando-se para encará-lo.

— Não. Seria bobagem perder um ano fazendo algo que não tem certeza se gosta ou não.

— Não quero ficar pra trás. — disse o abraçando novamente.

— Você não vai ficar pra trás.

— Mas é isso o que eu sinto! Todos indo para faculdade e eu aqui, sem nem ter certeza do que quero direito.

— Não pense isso. Todos nós sabemos o quão inteligente você é, e ninguém pensa que está ficando para trás porque sabemos que no momento isso é o melhor pra você.

— Você vai sentir falta daqui?

— Vou, é claro que vou. De tudo e de todos.

— Até de mim? — perguntou rindo.

— De você sim, da sua chatice não. — assim que ele terminou de dizer levou um tapa da garota. — AI!

— Eu não sou tão chata assim. — disse o encarando.

— Até hoje cedo você era sim.

— Por que demoramos tanto para nos entendermos?

— Não sei, orgulho talvez.

— É, pode ser... Estou orgulhosa de você Harry, de verdade! Parabéns pela entrada na faculdade.

— Obrigado. — agradeceu e a abraçou.

— Espero que você tenha muita sorte e sucesso nessa nova fase de sua vida. Eu sentirei falta de brigar de você.

— Olhe só, não tem vergonha na cara mesmo. Nem pra dizer que se arrepende por ter sido uma carrasca comigo.

— Só me arrependo do que eu não fiz, o resto é consequência. — disse dando de ombros.

— Já se arrependeu de algo que não fez?

— Já, e você?

— Eu também. Isso é uma coisa ruim, não é?

— Sim, é. Por isso quando tiver a oportunidade, faça! Você espera tanto por um momento que quando percebe ele já passou e você não o viu...

— Será que nós podemos recuperá-los?

— Nem sempre, e é por isso que vem o arrependimento depois.

— Já ouviu falar em “antes tarde do que nunca”?

— Já, — ela riu levemente — melhor tardar do que falhar.

— Tem certeza disso?

— Absoluta.

— Então não vou mais perder tempo, antes que eu falhe.

— Perder tempo com...? — incentivou-o a continuar.

Harry ficou alguns segundos encarando-a, ponderando se devia levar sua próxima atitude a seguir. Enquanto pensava nisso lembrou-se do que ela havia lhe dito: “quando tiver a oportunidade, faça!”. E foi com aquelas palavras em mente que ele se aproximou dela e tocou levemente os lábios dela com os seus, iniciando um leve beijo.

Ele temeu que ela o afastasse, mas ficou um tanto surpreso quando sentiu as mãos dela envolverem seus cabelos espetados e os bagunçarem ainda mais quando ela lhe retribuiu o beijo. Ele a trouxe para mais perto e apertou sua cintura, ela afastou-se um pouco pausando o beijo e colou sua testa na dele. Ele tinha um sorriso nos lábios, mas ela parecia um pouco tensa.

— É melhor tardar, não é mesmo? — ele perguntou e ela lhe ofereceu um fraco sorriso.

— Me dói tanto pensar que isso poderia ter acontecido muito antes.

— Não vamos pensar assim... Pense no agora.

— O agora, uma coisa momentânea. — disse decepcionada.

— Será momentâneo apenas se quisermos Gina, e eu não quero que seja. Olhe pra mim! — ele disse com as mãos segurando o rosto dela — Isso já demorou tanto pra acontecer, não vamos desperdiçar mais tempo. Eu não quero perder um segundo sequer de você... Seja minha por esta noite Gina e não se importante com o amanhã, ele nós viveremos depois.

Uma lágrima escorreu pelo rosto da garota e ela esticou-se para beijá-lo novamente. O beijo tão esperado de todos seus anos da adolescência, o beijo de sua grande paixão, o beijo de Harry Potter. O moreno tinha razão ela não devia se preocupar com aquilo, não quando poderia beijá-lo, não enquanto estivesse em seus braços.

— Eu sempre fui sua Harry, sempre.


Notas Finais


Eu realmente espero que tenham gostado. Foi maravilhoso escrever sobre Hinny! Espero que futuramente eu posso vir a fazê-lo de novo e ter vocês aqui novamente! ❤
Beijinhos da Ginny pra vocês, e até a próxima! 😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...