História O Diário de Elrik Deimons - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Grega, Mitologia Japonesa
Personagens Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 1.432
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Linguagem Imprópria, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Capítulo 10 - Conhecendo mais dois guardiões


Comecei a subir a escada, quando finalmente cheguei no topo vi uma escotilha se abrir, a empurrei e subi para o próximo labirinto, ao chegar nele, comecei a andar por ele, e foi fácil eu cheguei até o centro do labirinto rapidamente, dessa vez era diferente do labirinto do primeiro andar, era cheio de corpos, tinha um templo parecido com o do primeiro porem as paredes desse labirinto eram pintadas com sangue, no meio do templo havia um trono, e nele uma mulher estava sentada, assim que a vi falei:

-Você é a guardinha desse labirinto?

-Sim, e você será o próximo a morrer aqui.

-Boa sorte para conseguir isso, não morro facilmente.

-Vamos ver, o cara lá de baixo já falou como funciona ne? Bom caso não tenha falado eu falo, cada labirinto tem um desafio que você tem de superar para poder ir para o próximo, entendeu?

-Sim, agora qual é o seu desafio?

-O meu desafio é o mais fácil, eu trarei uma família e você devera matá-la, entendeu?

-Sim, mas me recuso a matar.

-Então você morrera, e perdera mais memorias.

-Maldita, você faz isso para que tenhamos de escolher entre nós ou os outros ne, saiba que quando terminar a torre eu voltarei só para matá-la.

-Isso se você passar por aqui ne, já que você recusou matar a família não tem como você continuar.

-Traga a família para aqui, mas antes me dê uma arma.

-Olha se não mudou de ideia rápido-ela tirou uma pistola do bolso e me entregou- aqui, já vou trazer a família.

Ela desapareceu, quando voltou tinha trago uma família constituída de duas crianças, e seus pais, ela falou:

-Aqui a família que você deve matar, pode começar na hora que quiser ta?

-Ok, mas saiba que quando terminar o labirinto voltarei para matá-la.

-Se terminar o labirinto.

Mirei na cabeça do pai da família, ele falou:

-Mate-me, mas não mate meus filhos por favor.

-As matarei, não tenho escolha.

Nesse momento eu virei de volta para a guardiã e falei:

-Não de uma arma para uma pessoa que prometeu lhe matar.

Atirei nela, vi sua cabeça indo para traz por causa do tiro, mas logo ela voltou com a cabeça pro lugar certo e disse:

-E você não tente matar um guardião em seu próprio labirinto, mas meus parabéns.

-Parabéns pelo que? Eu atirei em você.

-Bem... na verdade o objetivo é esse, você recusar matar a família e atirar em mim, por isso parabéns.

-Isso quer dizer que todos esses corpos são de Elriks que cederam ne?

-Exato, sabia que você é um assassino nato.

-Todos temos um lado obscuro, igual você maldita.

-Igual eu? Eu ia te contraria, mas você está certo, pera por que me chamou de maldita?

-Olha o tanto de família que você fez os outros Elriks matarem, isso é abominável, por isso te chamei de maldita.

-Mas eles são robôs, com sangue artificial, então tecnicamente não fiz nenhum Elrik matar nenhuma família.

-Desculpa, pensei que eram famílias de verdade.

-Desculpado, agora suba para o próximo andar.

Uma escada começou a surgir do nada igual da última vez e ela falou:

-Olha não querendo te avisar, mas já avisando o próximo andar é o que você mais sofrera.

-Já provei que não caio facilmente não precisa se preocupar.

-Ei não estou preocupada, só queria avisar.

Agora que reparei nela, ela baixinha, e tinha cabelos azuis, porém não era possível ver mais nada por que ela estava usando um manto.

-Ok, você que sabe.

Comecei a subir a escada e novamente quando cheguei no topo tinha uma escotilha, a abri e subi para o penúltimo labirinto. Dessa vez não era um labirinto exatamente, ele era exatamente igual ao primeiro porem haviam setas desenhadas na parede, mostrando o caminho que deveria seguir para se chegar ao meio. As segui e muito rapidamente cheguei ao centro do "labirinto”, ele era parecido com o ultimo porem ao invés de ter sangue espalhado por todos os lados, tinha corpos de outros Elriks, presos em mesas de tortura. Eu comecei a andar a procura de um guardião, em quando andava ouvi uma voz:

-Você será o próximo a morrer torturado?

Gritei:

-NÃO.

-Então veremos.

Assim de uma hora para outra um homem alto e musculoso, apareceu na minha frente, falou:

-O desafio desse andar da torre é: Você aguentar a minha tortura por 15 minutos apenas sem pedir para que eu pare, caso faça isso morrera e perdera fragmentos de sua memória.

-Vamos logo, eu não recuarei por medo de uma tortura.

-Bom, você que sabe, mas saiba que a minha tortura não é uma simples tortura.

-Ok, vamos mas saiba que eu irei vencer.

-Siga-me.

Ele começou a andar e reparei que ele usava um manto parecido com o da guardinha do andar anterior, porem o dele era cheio de sangue, continuei a andar até chegarmos em uma mesa de tortura sem corpo, ele falou:

-Deite-se.

Deitei-me e ele começou a amarrar meus braços e pernas, também amarrou o meu pescoço, quando terminou de amarrar falou:

-Agora começarei, tente não morrer.

A primeira coisa que ele fez foi pegar um alicate e esmagar as minhas unhas, logo em ele usou o alicate para arrancar três dentes meus, depois disso ele falou:

-Bom, você é resistente, conseguiu aguentar 5 minutos sem nem gritar- ele aplaudiu ironicamente- bem acho que agora é hora de começar de verdade.

Juntei um monte de sangue misturado com saliva na boca, cuspi para o lado e falei:

-Eu não morrerei, saiba disso.

-Veremos.

Ele voltou a mexer em uma mesa cheia de ferramentas e coisas para me torturar, e pegou uma caixa, quando a abriu consegui ver que ela tinha vários insetos, tirou um inseto que nunca tinha visto antes, me forçou a abrir a boca e colocou o inseto dentro dela, e falou:

-Engula para eu não ter de força você a fazer isso por favor.

Eu engoli o inseto e o guardião voltou a falar:

-Acho que merece saber o que vai acontecer com você, bem esse inseto que você engoliu começara a jogar um ácido na parede da sua garganta, esse ácido irá começar a queimar a garganta, não matara, mas a dor de ter sua garganta queimando será inexplicável, e como reação do seu organismo você começara a vomitar.

Assim que acabou de falar, ele pegou uma fita na minha boca, e voltou a falar:

-Mas como sua boca estará tampada o vomito sairá pelo nariz.

Acabando de falar ele pegou uma lacraia da sua caixa de insetos, e a colocou na minha orelha. no mesmo instante que ele a colocou na minha orelha eu comecei a sentir uma dor inexplicável na garganta, o inseto que eu havia engolido estava começando a ter efeito, senti o vomito subir, ele queria sair porem eu não deixei, não sei como mas eu consegui mandar o vomito de volta a garganta não parava de doer, e logo em seguida a lacrai começou a morder a parte interna da minha orelha, cada vez mais profundo, eu estava pronto para gritar, rasgando a fita que estava na minha boca, mas eu me segurei e mexi a cabeça tentando falar, o guardião tirou a fita e falou:

-O que foi, resolveu desistir?

-Não, só queria saber quanto tempo falta?

-Na verdade já acabou, porem queria ver quanto tempo você aguentaria.

-Filho da puta, me tira daqui agora.

-Ok, ok, mas antes acho melhor você vomitar o inseto que engoliu e deixar eu tirar a lacraia que coloquei na sua orelha.

-Ok, mas tira a lacraia primeiro.

-Agora mesmo.

Ele retirou a lacraia da minha orelha, e depois me trouxe um balde para poder vomitar. Quando terminei de vomitar falei:

-Eu iria morrer se não tivesse retirado eles do meu corpo ne?

-Sim, e seria muito dolorido, seria crueldade demais até para mim.

-Ainda bem que tiramos eles então.

-Sim.

-Agora pode me deixar passar para o próximo andar?

-Sim, mas um aviso, o próximo andar vai levar você ao extremo, tudo que você passou nos labirintos até agora pode ser considerado brincadeira se compararmos ao último andar, na verdade diria que tudo até aqui foi fácil, mas não continuará assim, o próximo, e último, andar é considerado por mim e pelos outros dois guardiões, que vem antes de mim, o próprio inferno, nós tentamos nunca pisar lá, então tenha cuidado, e tente terminar o labirinto, por favor.

-Tomarei cuidado, obrigado pelo aviso, já vou indo.

Uma secado começou a surgir diante de mim, e eu comecei a subi-la

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...