História O doce amargo do amor - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camila, Camilacabello, Camren, Drama, Fifthharmony, Lauren, Laurenjauregui, Romance
Exibições 112
Palavras 2.952
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá,

Demorei para atualizar, né. Eu sei minha culpa, minha máxima culpa. Apesar de não ter sido intencional, demorou mais do que eu imaginei que demoraria. Como já perceberam a publicações estão mais demoradas, em função do meu trabalho que mudou a carga horária e também alterou os meus dias de folgas, além de duas semanas de treinamento intensivo em função da própria mudança. Ou seja, acabou com toda a minha criatividade durante o mês além de me deixar extremamente cansada. Sei que devem estar chateados com isso, por isso estou explicando o que acontece na minha vida pessoal por afetar diretamente a liberação dos capítulos. Nem sempre é possível fazer tudo que queremos, portanto novamente peço que sejam pacientes e compreensivos.

Informação importante sobre o capítulo: apesar de não parecer é um flash back das lembranças da Lauren, no meio do capítulo tem os flash back da Camila. Você vão perceber a confusão da Lauren em relação a isso, mas são as lembranças dela.

Perdoem os erros que encontrarem, não tive tempo para revisar.

Sem mais, capítulo liberado.

Boa leitura.

Capítulo 16 - Medo de perder


Fanfic / Fanfiction O doce amargo do amor - Capítulo 16 - Medo de perder

Lauren P.O.V.

 

Eu podia ouvir Camila me chamando, mas sua voz estava distante. Eu podia sentir o perfume dela exalando, o mesmo que ela usava em outra época. Eu podia sentir o calor das mãos dela segurando o meu rosto. Abri os olhos e a vi sobre mim, mas não consegui mantê-los abertos. Apesar do cansaço que me dominava, me senti feliz por estar com ela naquele momento. Como eu sentia falta da época em que ela era só minha, quando eu me sentia completa. Ouvi-a me chamando novamente, sua voz estava cada vez mais distante. Sentia que meu corpo estava leve, como se alguém estivesse me carregando. Senti que meu corpo foi depositado em algo macio, eu queria abrir os olhos, mas não conseguia.

 

Não sei em que momento eu apaguei definitivamente, tudo ficou escuro. Uma sensação estranha tomou conta de mim, era como se eu estivesse sonhando. Abri os olhos e olhei ao redor, havia alguma coisa errada. Fechei olhos e os reabri pensando no que estava acontecendo. Olhei ao redor novamente não reconhecendo o meu próprio quarto, alias percebi que havia algo familiar naquele cômodo. Olhei para os detalhes, não era o quarto da minha casa atual e sim o meu antigo quarto na casa da minha mãe. Eu provavelmente estava sonhando, por que eu ainda podia ouvir a voz da Camila me gritando do corredor como sempre acontecia todas as manhãs na época em que morávamos juntas.

 

De repente a porta se abriu, fechei os olhos assustada. Então me lembrei de que aquilo realmente aconteceu em outro momento da minha vida quando Camila ainda morava com a gente. Uma lembrança, era apenas uma lembrança, mas eu não queria me lembrar de nada. Lembrar daqueles momentos me fazia chorar feito uma criança abandonada. As lembranças felizes não se conectavam com a realidade de hoje, triste e depressiva. Eu tentei acordar e me afastar daquela cena, mas algo me prendia ali era como se eu precisasse relembrar. Abri os olhos e vi o rosto dela próximo ao meu, a Camila tinha um semblante tranquilo, despreocupado. Um sorriso escancarado se fez quando ela percebeu que eu estava acordada. Eu não fazia ideia do por que eu tinha que me lembrar daquele dia, respirei fundo tentando não chorar.

 

- Lauren, acorda. – Falou ela beijando de leve os meus lábios. Olhei-a assustada quando senti seus lábios sobre o meu. Além de lembrar, eu sentia as mesmas sensações daquele momento.

- Eu não quero lembrar. Não, por favor. NÃO. – Gritei apavorada por estar presa àquela lembrança.

- Lauren, acorda. – Falou ela como se não tivesse ouvido o que eu disse. De repente, meus pensamentos mudaram. Senti que eu precisava deixar que as lembranças viessem a tona, por que talvez relembrar me ajudasse a entender.

- O que é? – A Lauren da minha lembrança respondeu quase de maneira automática. Como ela sempre fazia em todas as manhãs em que Camila invadia o quarto toda animada.

- Cansei de ficar sozinha. Vamos levanta, por favor. – Insistiu ela. Por mais estranho que aquilo me parecesse, era como se eu tivesse voltado ao passado revivendo aquele momento.

 

Eu não conseguia entender muito bem o que estava acontecendo. Era como se eu assistisse a um filme sendo exibido na televisão, mas ao mesmo tempo era como se eu fosse à atriz principal daquele mesmo filme. Eu sabia o que vinha a seguir, prendi a minha respiração ainda sentindo a mesma sensação que senti naquela manhã. Ainda me lembrava daquele sorriso sem pretensões enquanto ela suplicava que eu me levantasse. Naquela época, depois de quase um ano juntas, eu ainda sentia borboletas no estômago quando ela me olhava daquele jeito apaixonado. A Lauren das minhas lembranças agarrou Camila pela cintura puxando-a para cama, de repente todas as cenas sumiram. Agora eu era apenas atriz da cena, prendendo-a em meus braços impedindo que ela me escapasse.

 

Eu já não me importava com a maluquice que estava acontecendo comigo, eu queria apenas que aquela lembrança continuasse. Queria que a felicidade que aquele momento me proporcionava jamais acabasse. Queria apenas que aquele momento parasse, onde havia somente eu e ela sem qualquer tipo de problema não resolvido. Abracei-a mantendo ela colada a mim, alisei seus cabelos. Eu podia sentir o perfume de Camila e o cheiro delicioso de seus cabelos recém-lavados. Ela riu quando desistiu de tentar se libertar. Eu havia esquecido como era bom ouvir sua risada logo pela manhã. Afrouxei o abraço apenas para olhar seu rosto tão próximo ao meu, alisei sua bochecha sentindo sua pele delicada. Eu ainda não conseguia acreditar que ela estava comigo, nem mesmo sei quando me apaixonei por ela. Quando passei ama-la mais do que a mim mesma, ainda me lembrava do dia em que ela me disse que moraria em minha casa, eu gritei de felicidade. Fora a melhor notícia que recebera em toda a minha vida, todos os dias eu veria seu rosto sorridente e ouviria sua voz estridente. Eu me sentia completa, meu mundo estava completo.

 

Dez meses haviam se passado desde o dia em que ela se mudara definitivamente para a minha casa. Camila insistia em não contar para os nossos pais sobre o nosso namoro. Apesar de não concordar com ideia, mas assim como ela eu também não sabia como eles reagiriam a nossa situação. O que nós duas queríamos era apenas viver a nossa vida em paz sem qualquer coisa que pudesse nos afastar. Por isso agíamos como amigas, eu agia naturalmente, mas Camila parecia sempre apreensiva. Ela sempre se assustava quando nossos pais nos viam juntas, mesmo que estivéssemos apenas conversando. Nos meses que passamos juntas, percebi o quanto ela estava insegura. Tinha medo de tudo e de todos, por isso nem mesmo os nossos amigos sabiam do nosso relacionamento. Eu não conseguia entender qual era o problema, mas nunca exigi dela algo que não fosse capaz de fazer ou que não tinha confiança para realizar.

 

Os únicos momentos em que ela ficava confortável eram quando nossos pais viajavam ou estavam no trabalho nos deixando sozinhas em casa. Como acontecia naquela manhã, era por isso que ela estava animada. Jamais duvidei que ela me amasse, eu podia ver isso em seus olhos. Devido a timidez dela, eu sempre me surpreendia quando ela tomava alguma iniciativa, geralmente era eu quem tomava frente de tudo que estava relacionado a nós duas. Mesmo gostando de suas loucuras, eu não pude conter o grito de surpresa quando em uma noite qualquer Camila apareceu em meu quarto e se deitou ao meu lado dizendo que dormiria aquela noite comigo. Sempre havia mais um motivo para sorrir, havia tanta felicidade que ela transbordava de mim.

 

Eu amava a simplicidade com que ela vivia, como ela transformava os momentos mais simples em momentos agradáveis e felizes. Olhei para Camila que deitada em meu peito me observava sorrindo. Ainda não conseguia entender por que depois de tanto tempo, mesmo sabendo que eu não me levantaria e que a prenderia na cama, ela nunca fugia. Apenas deixava que eu a puxasse para a cama e a prendesse em meus braços, rindo da minha atitude. Como eu amava aquela risada, eu a amava mais e mais a cada dia que passávamos juntas. Olhei em seus olhos vendo o meu próprio reflexo neles, sorri me sentindo feliz por ela estar ali.

 

Lentamente ela se aproximou, beijou minha bochecha e depois beijou levemente os meus lábios fechando os olhos. Um beijo suave sem qualquer pretensão afastando em seguida me olhando enquanto sorria como uma criança que acaba de ganhar um presente. Ela sempre me surpreendia quando tomava iniciativa, havia momentos em que ela ainda ficava vermelha como naquele momento. Tudo era novo para nós duas e a cada dia aprendíamos mais e mais sobre a outra e sobre nós mesmas. Eu queria mais, mais do que um simples beijo, por isso me aproximei e a beijei até ficarmos sem fôlego. Ouvi um barulho que conhecia muito bem, Camila me olhou sem graça.

 

- Isso tudo é fome? – Perguntei rindo.

- Acho que sim. – Falou ela sorrindo.

- Vou tomar um banho rápido e descemos para o café. Ok? – Perguntei vendo ela me olhar esquisito.

- Vai demorar tanto assim. – Choramingou ela.

- Enquanto eu tomo banho, você desce e prepara a mesa. – Falei vendo-a sorrindo, eu sabia que enquanto ela preparasse a mesa ela acabaria comendo alguma coisa.

- Ok. Vou te esperar lá em baixo. – Falou ela animada descendo da cama.

- Combinado. Até daqui a pouco. – Falei vendo ela me lançar um beijo da porta antes de sair.

 

Assim que ela saiu do quarto senti a falta dela, não suportava a ideia de ficar longe dela mesmo que isso significasse só alguns minutos. Entrei no banheiro e tomei um banho rápido. Fiz minha higiene pessoal e vesti a roupa rapidamente. Desci as escadas e encontrei Camila sentada totalmente distraída comendo uma torrada. Cantarolava uma música, sorrindo de vez em quando. Sua calma indicava que ela já havia comido algo mais além daquela torrada em suas mãos, mas isso não a impediria de tomar café da manhã junto comigo. Ela sorriu assim que percebeu a minha presença, apontou para a cadeira ao seu lado indicando que eu me sentasse. A casa estava vazia, Nana estava de folga e os nossos pais estavam em alguma viagem de negócios. Ou seja, teríamos um fim de semana só para nós duas. Percebi que sua boca estava cheia de manteiga, até as coisas mais estranhas me fazia sorrir. Aproximei dela e beijei sua bochecha sentando ao seu lado. Peguei um copo vazio e me servi um pouco de suco.

 

- Como pode continuar linda com a boca cheia de manteiga? – Perguntei vendo a pegar um guardanapo rapidamente e limpar a sujeira que ela havia feito.

- Lauren! – Exclamou ela envergonhada.

- O que foi? Não gostou do elogio? – Perguntei rindo ao vê-la vermelha.

- Então vamos comer. – Respondeu ela ignorando a minha pergunta.

- Ok. – Respondi insistir no assunto.

- Dinah te ligou. – Falou Camila mudando de assuntou.

- Ligou? O que ela queria? – Perguntei enquanto passava manteiga em uma torrada.

- Não sei. Ela não quis me dizer. – Respondeu ela.

- Depois eu ligo para ela. – Falei sem dar muita importância para o fato.

- Por que ela sempre tem que te ligar? – Perguntou ela irritada. Olhei-a sem entender o porquê daquela reação.

- Você está perguntando por que ela me liga? – Perguntei confusa.

- Sim, isso mesmo. Por quê? – Perguntou ela ainda irritada.

- Eu não estou entendendo por que está tão brava, mas Dinah é minha amiga. Não vejo nada demais no fato dela me ligar. – Respondi ainda sem entender.

- Primeiro Normani, agora essa Dinah. – Respondeu ela quase gritando.

 

Flashback on

Camila P.O.V.

 

Notei que Normani passou a me observar, a principio achei que era simplesmente por que Lauren resolveu me apresentar para as pessoas da sala. Ela nunca me tratou mal, nem mesmo quando Lauren não estava por perto. Por isso quando ela me enviou uma mensagem pedindo para conversar comigo, não imaginei que a conversa se tratasse de Lauren. Fiquei realmente surpresa quando ela me perguntou o que estava acontecendo entre a gente. Respondi que não havia nada entre a gente, não menti, afinal Lauren e eu estávamos apenas nos conhecendo. Não havíamos assumido nenhum tipo de compromisso sério. Além disso, por achar aquela atitude estranha resolvi não falar da minha vida pessoal com uma pessoa que me era estranha.

 

Aos poucos fui percebendo que Normani olhava de uma forma diferente para Lauren, obviamente não gostei disso. Qualquer um podia ver que ela estava apaixonada, sempre querendo atenção para si. Às vezes costumava afastar os garotos que tentavam se aproximar de Lauren, alegando que eles não eram boas pessoas. Quando ela percebeu que a intimidade entre Lauren e eu as coisas mudaram. Primeiro começou a me ignorar, me deixando de lado das atividades que costumavam fazer. Só descobria que algo estava marcado quando Lauren chegava em casa e me questionava por que eu não quis ir a determinado encontro. Para resolver o problema, ela passou a me avisar sobre os encontros atrapalhando os planos de Normani.

 

Depois passou a inventar história com meu nome, as coisas entre Lauren e eu só não desandaram por que Lauren tinha o bom senso de me perguntar sobre o que realmente havia acontecido. Por ultimo, ela mandou eu me afastar de Lauren alegando que eu não tinha o direito de tira-la dela. Novamente Lauren entrou em ação e esclareceu as coisas entre ela e Normani. Isso só deixou a morena mais irritada, no fim das contas ganhei uma inimiga.

Flashback Off.

 

- Camila, por que está agindo dessa forma? – Perguntei confusa.

- Vai fingir que não sabe por que estou irritada? – Perguntou ela levantando da cadeira.

- Eu resolvi as coisas com a Normani, você sabe disso. Você estava lá quando conversei com ela. Não estou entendendo por que está trazendo esse assunto a tona novamente.

- Resolveu? Só você acha que está resolvido. – Respondeu ela com ironia.

- Camila, eu já te falei. Não tive e não quero ter nada com a Normani. – Falei me aproximando dela, mas ela se afastou.

- E essa Dinah? Não gosto dela. – Falou Camila me encarando.

- Ela é minha amiga de infância. Eu já te contei sobre ela. – Respondi tentando acalmar as coisas.

 

Flashback on

Camila P.O.V.

 

Ainda era cedo quando o celular de Lauren tocou. Peguei o celular conferindo as horas, 8h30, sentei na cama ainda sonolenta. Na tela exibia um número que não estava registrado na agenda. Lauren dormia tranquilamente ao meu lado, sem se importar com o aparelho que tocava e vibrava sem parar. Enquanto eu decidia se deveria ou não atender a ligação, a pessoa do outro lado encerrou a ligação. Coloquei o aparelho sobre o criado-mudo ao lado da cama e me deitei novamente. Alguns minutos depois o celular começou a tocar novamente. Peguei o aparelho identificando que era a mesma pessoa que ligava. Devido à insistência, atendi a ligação.

 

- Alô. – Falei ao atender a ligação.

- Alô. Lauren? – Uma voz feminina perguntou do outro lado da linha.

- Lauren, aqui é a Dinah. – Falou a mulher sem esperar que eu respondesse.

- Não é a Lauren. É a Camila que está falando. – Respondi estranhando o fato dela conhecer Lauren, mas seu nome não estava registrado na agenda do celular.

- Oh! Desculpe-me, pensei que fosse a Lauren. Esse número não é mais dela? – Perguntou ela parecendo confusa.

- É, mas ela está dormindo agora. – Respondi.

- Ah. Então eu ligo depois. Obrigada. – Agradeceu a mulher.

- De nada. – Respondi e ela encerrou a ligação.

 

Somente depois que a mulher desligou foi que percebi que ela não se identificou. Deitei ao lado de Lauren, olhei-a dormindo enquanto tentava imaginar quem era a pessoa que havia ligado. Não consegui dormir, por mais que eu pensasse não consegui chegar a uma resposta sobre a minha dúvida. Quando Lauren acordou avisei a ela sobre a ligação, ela não fazia ideia de quem poderia ser. Mais tarde, a mulher voltou a ligar. Lauren reconheceu a voz assim que atendeu a ligação, parecia feliz ao falar com a pessoa do outro lado da linha. Falaram por quase uma hora, relembrando dos velhos tempos e rindo das travessuras que fizeram juntas. E foi assim que Dinah depois de 10 anos morando no exterior voltou para vida de Lauren.

Flashback off

 

Eu não conseguia entender por que Camila agia daquela forma. Ela nunca reclamou de Dinah e nem reclamou da amizade com ela. Eu estava realmente surpresa com sua reação exagerada. Principalmente por que Dinah era muito diferente de Normani, e ela queria apenas a minha amizade. Jamais deixei Camila de lado por causa dela, fazia questão leva-la sempre comigo todas as vezes que me encontrava com minha amiga. Chegamos a conhecer o namorado dela, que insistia que se casaria no ano seguinte. Ainda perplexa aproximei dela e a prendi pela cintura. Ela não tentou fugir, percebi que seus olhos estavam marejados.

 

- Isso tudo é ciúmes? – Perguntei encostando a minha testa na dela.

- , não é. – Respondeu ela fechando os olhos.

- Se não é ciúmes, é o que? – Perguntei ainda tentando entender.

- Medo. – Respondeu ela abrindo os olhos.

- Medo? Medo de que? – Perguntei confusa.

- Medo... de que algum dia... você possa me deixar. Medo de te perder. – Respondeu ela lentamente. Percebi o quanto aquilo a deixava nervosa e aflita.

- Você não vai me perder, eu nunca vou te deixar. – Falei fechando os olhos.

 

De repente lembrei que aquilo era só uma lembrança. E toda a felicidade e as sensações minaram como a água indo por ralo a baixo. O que me fez lembrar que apesar de todo o medo que ela tinha não a impediu de me deixar. Senti frio, meu corpo estava gelado. Abri os olhos percebendo que a lembrança havia encerrado. E eu estava de volta à realidade, onde eu estava sozinha e o meu mundo era vazio. Eu estava em meu quarto atual, na minha nova casa.

 

- Lauren. – Ouvi Camila me chamando.

- Lauren, você está me ouvindo? – Camila perguntou. Ela estava sentada na minha cama, eu podia sentir sua mão quente segurando a minha.

- Se você tinha tanto... – Comecei a falar, mas parei quando a emoção embargou a minha voz.

- O que? – Perguntou ela aproximando o rosto do meu.

- Se você tinha tanto medo que eu a deixasse. Se você tinha tanto medo de perder, por que me deixou? – Perguntei deixando que as lágrimas derramassem dos meus olhos.

- Por que eu já tinha te perdido. – Respondeu ela chorando.


Notas Finais


Tentarei não demorar para publicar o próximo capítulo, mas como sabem nem tudo está sobre o nosso controle. Sei que ficam ansiosos, e eu também fico por não conseguir publicar um capítulo por por não ter tempo para escrever. Levei um mês para conseguir completar este, quase fiquei louca, mas sobrevivi. Por isso peço que não morram de ansiedade e espere por mim.

Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...