História O Encontro - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Jikook, Kookmin, O Encontro, Romance, Yaoi
Exibições 99
Palavras 7.983
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiii Cupcakes! Depois de muitos pedidos, eu estou de volta! Essa oneshot é a continuação da fanfic A Ligação (O link está nas notas finais!), então, se você não a leu, sugiro que leia para entender o que está acontecendo. A todos que me incentivaram a escrever, eu espero do fundo do meu coração que vocês gostem. Assim como a primeira, a história não é tão elaborada, nem tem um enredo incrível, mas eu amei escrever. Nos vemos nas notas finais! Boa Leitura...

Capítulo 1 - Único


Fanfic / Fanfiction O Encontro - Capítulo 1 - Único

O Encontro

 

Mãos suando, as pernas balançando intensamente, o coração parecia ao ponto de sair de seu peito. 1, 2, 3, 4, 5,6,7,8,9,10. Jeon JungKook já havia perdido as contas de quantas vezes havia contado mentalmente de um a dez na tentativa de controlar a ansiedade que o dominava, entretanto, tudo parecia inútil diante de tamanho nervosismo. Ele olha mais uma vez em celular e constata que faltava apenas dez minutos para o horário do encontro marcado.

Pela janela do táxi, o garoto já podia ver as margens do rio Han e as inúmeras pessoas que aproveitavam o dia ensolarado para passar seu tempo no ponto turístico mais famoso da cidade. O sorriso esperançoso estampava o rosto do jovem, enquanto se encantava com a bela paisagem das crianças correndo ou brincando com seus animais, casais namorando e amigos reunidos rindo e se divertindo.

Seu celular vibra em sua mão. Automaticamente, seu coração volta a se descontrolar, mas a animação logo desaparece ao ver o nome de seu melhor amigo no visor. Sem estar, de fato, interessado, ele abre a mensagem que recebeu de Kim Taehyung e sorri suavemente ao ver as fotos do dia no clube com o namorado e os irmãos. O casal parecia tão feliz juntos com as duas crianças, como uma perfeita família.

“Você deveria ter vindo. O dia está maravilhoso! E o melhor de tudo, têm inúmeros homens maravilhosos e solteiros que você poderia conhecer ;P”.

Ao ler a mensagem enviada em seguida por Taehyung, ele suspira e balança a cabeça, negativamente. Jamais poderia ter ido. Ele sentia que somente atrapalharia o clima romântico dos amigos com a sua áurea depressiva. JungKook amava sair com os amigos, mas sempre que era obrigado a ver os momentos casal deles e seus parceiros, ele não conseguia disfarçar a inveja e o desejo de ter alguém a quem pudesse amar da mesma maneira.

“Deixa Hobi-hyung descobri que você anda reparando nos homens ao seu redor. Tenho certeza que você vai ficar uma semana inteira sem andar direito XD! Para de me encher o saco e vai aproveitar o resto do seu dia. Eu estou bem”.

Responde, por fim, bloqueando o celular mais uma vez. Ele sente o celular vibrar mais uma vez, mas não se dar o trabalho de olhar, pois sabia que havia recebido uma resposta pervertida e idiota de Taehyung. NamJoon, Yoongi e seu irmão também haviam enviado mensagens para o mais novo, no entanto, JungKook só conseguia pensar que estava prestes a conhecer Park Jimin.

O moreno fecha os olhos, com um sorriso terno em seus lábios, relembrando a voz doce e gentil de Jimin. Por algum motivo, ele não estava com medo de encontrá-lo. Em qualquer outra ocasião, seu lado covarde falaria mais alto e, assim como sua mãe, começaria a pensar nas inúmeras loucuras que esse encontro poderia ocasionar, mas ele confiava em Jimin.

A única explicação lógica que o rapaz conseguia encontrar para confiar em um estranho que acabara de conhecer por meio de uma ligação era que havia enlouquecido de vez. Ele estava nervoso sim, mas não por medo ou por temer que Jimin fosse um psicopata pronto para matá-lo ou usá-lo como refém em um sequestro. JungKook estava nervoso, porque encontraria com a pessoa que contou o seu problema frívolo. Ele encontraria àquele que foi capaz de ouvir seu segredo sem ri ou debochar de algo tão bobo quanto nunca ter beijo alguém.

JungKook não queria pensar muito no futuro. Temia perder sua coragem se começasse a criar expectativas, como havia ocorrido diversas outras vezes. Ele desbloqueia seu celular e digita os primeiros números de seus hyungs, como havia feito antes, quando ligou para Jimin. Aqueles oito dígitos que poderiam ser sua salvação ou perdição. Se seus amigos descobrissem a loucura que Jeon JungKook estava prestes a fazer, jamais acreditariam que o mais novo criara coragem para fazer algo tão insano assim.

Com esse pensamento, JungKook ri baixinho e volta a encarar a paisagem, tomando ciência que falta apenas alguns poucos quilômetros para chegar ao seu destino final. O motorista observava o jovem, vez ou outra, pelo retrovisor do carro com um sorriso terno em seus lábios. O senhor de cabelos brancos e feições gentis parecia saber bem o que se passava na cabeça do jovem tão semelhante aos seus netos.

- Não se preocupe, meu jovem! Tenho certeza que se sairá bem. – Afirma o senhor, analisando a expressão surpresa e confusa de JungKook.

- Como? – Questiona o mais novo, sem saber como reagir ao comentário do motorista.

- Seu encontro. Você vai a um, certo? – Supõe, rindo da coloração avermelhada que o rosto do garoto começa a ganhar. – Pelo visto, eu estou certo. Sou motorista de táxi há mais de trinta anos. Não é a primeira e nem a última vez que vejo essa expressão de medo e excitação nos olhos de um jovem.

- Ah, sim. – Concorda, envergonhado. JungKook se encolhe no banco, imaginando se estava tão na cara assim que ele estava desesperado.

- Você é bonito, garoto! Inúmeras garotas devem cair aos seus pés. Tenho certeza que ela vai adorar sair com você. – O simpático senhor afirma, animado, no entanto, o que era para ser um incentivo, acaba por deixar JungKook entristecido. O homem o olha com preocupação ao notar a drástica mudança no comportamento do jovem. – Está tudo bem?

- Está sim. – Responde JungKook, com um sorriso forçado. – Obrigado.

“Ela”.

JungKook sabia que o adorável senhor só estava querendo o ajudar e o animar, usando o seu senso comum. Não era culpa do motorista do táxi, ele sabia. Se parasse para analisar de fato a situação, ele provavelmente era o errado da história. A homossexualidade nunca foi bem vista pelos olhos da sociedade e era ainda pior em um país tão rígido quanto a Coreia do Sul.

Nesses momentos, JungKook queria ter a coragem de Taehyung, Hoseok e Yoongi, que jamais se importaram em revelar as pessoas sua opção sexual. Eles não perdiam tempo se importando com a opinião dos outros ou com a possiblidade de serem vítimas do intenso preconceito. Por serem bons em luta, os poucos covardes que ainda tentavam machucá-los fisicamente acabavam indo parar no hospital com uma porção de ossos quebrados.

Entretanto, não era dessa maneira que JungKook reagia em situações como essa. Sozinho, ele não conseguia nem mesmo olhar nos olhos das pessoas, quem dirá revelar sua opção sexual. Seus pais, irmão e amigos geralmente eram quem não se incomodavam em revelar. Quando questionado a eles sobre o jovem e as pretendentes, sua família eram os primeiros a corrigir o erro, afirmando serem os pretendentes, sem vergonha alguma. E esse era o principal motivo de amá-los tão intensamente.

- Chegamos ao nosso destino. – O motorista desperta JungKook de seus devaneios com sua fala.

O garoto pisca algumas vezes antes de se dar conta que a viagem havia acabado. Ele olha por alguns instantes para a janela, sentindo seu peito a ponto de um colapso. Reunindo um pouco da sanidade que ainda restava, ele sorri nervoso e pega sua carteira. Não havia motivos para enrolar dentro do veículo. Faltavam menos de dez minutos para o horário marcado.

- Oh, certo. Quanto foi a corrida? – Questiona, envergonhado pelo seu nervosismo.

- ₩ 8500¹.  – Responde o senhor, encarando JungKook com ternura.

- Aqui. - O garoto entrega uma nota de ₩ 10000². – Obrigado.

- Espere um pouco, meu jovem. Deixe-me pegar seu troco. – Pede o senhor, com um sorriso gentil em seus lábios.

- Pode ficar com ele. – Afirma, sorrindo. – É uma recompensa pelo agradável conselho.

- Oh! Não foi nada demais! Boa sorte em seu encontro. – Desejo o homem, balançando sua mão em uma rápida despedida.

JungKook desce do carro, nervoso. Ele respira fundo, procurando controlar suas emoções. O carro buzina para o jovem e parte em seguida. Observando atentamente cada detalhe daquele lugar, ele procura pelo balão que Jimin havia mencionado. Seu estômago já começava a se revirar de antecipação. Não sabia como reagir a uma situação como essa.

Ele olha em seu celular e nota que faltava menos de cinco minutos para o horário marcado. As notificações de mensagens de seus amigos brilhavam na tela e JungKook se questionava quanto tempo demoraria até que um deles surtasse e resolvesse ligar para saber o porquê de não os responder. Decidiu, então, que o melhor a se fazer era colocar o aparelho no silencioso.

Após garantir que ninguém o atrapalharia, ele começa a andar pelo lugar. Quanto mais se aproxima do rio, mais encantadora a paisagem se torna. O céu já começava a assumir os primeiros tons de alaranjado, informando que não demoraria muito para que o Sol se pusesse, dando lugar ao cenário romântico do anoitecer, algo que JungKook esperava ser um bom sinal. Rezava a todas as entidades divinas que ele não desse para trás exatamente como fizera nas suas outras tentativas.

Com o peito repleto de receios, ele se aproxima aos poucos do local de encontro e ao longe, visualiza um balão vermelho brilhante em formato de coração sendo segurado por um rapaz de cabelo alaranjado, pele clara e estatura média. Com a possibilidade daquele rapaz ser Park Jimin, seu corpo inteiro entra em choque. Suas mãos e pernas começam a tremer, seu coração pula acelerado, intensamente.

O rapaz se vira na direção de JungKook, mas parece não o reconhecer, pois continua a olhar a sua volta, como se procurasse por alguém. E o mais novo não consegue evitar o choque ao conseguir ver com clareza as feições daquele que supôs ser Jimin, o seu confidente por telefone. O alaranjado possuía uma beleza estonteante, como jamais havia visto antes. Lindo! Era somente essa palavra que JungKook conseguia pensar.

Os cabelos exóticos, surpreendentemente, combinavam de maneira harmoniosa com a pele alva e os olhos castanhos do rapaz. O nariz e olhos pequenos e as bochechas fofas davam um ar delicado e angelical, mas, ao mesmo tempo, com seus lábios carnudos, ele era capaz de transmitir um ar sensual e atraente. JungKook era incapaz de encontrar um defeito sequer na aparência do homem. Ainda que, Jimin fosse um pouco mais baixo que si, era notório que seu corpo é definido de maneira saudável.

E mais uma vez o desespero assume o controle. Por um lado, estava aliviado por saber que Jimin não era um velho gordo, no entanto, saber que ele era um verdadeiro Deus Grego também não era algo que ele estava preparado para lidar. Como poderia dar seu primeiro beijo em um homem tão bonito como Park Jimin? Essa realidade estava indo muito além de suas expectativas e sonhos infantis.

JungKook estava travado, algo que temia desde que confirmara que se encontraria com Jimin. Ele se conhecia o bastante para saber que não demoraria muito para que toda a coragem que havia reunido evaporasse por completo. No entanto, antes que entrasse em pânico de vez, seus olhos se encontraram com os de Jimin. Por alguns minutos, o mundo pareceu parar e nenhum pensamento passou pela mente do Jeon.

Jimin o analisou de cima a baixo e a surpresa em sua face se tornou evidente. JungKook não sabia dizer se aquela expressão era um bom ou um mau sinal, entretanto, ela tinha certeza de que não poderia mais voltar atrás e nem gostaria de fato. O olhar acolhedor que o mais velho lançou em seguida foi o bastante para que os fantasmas do medo e incertezas de JungKook desaparecessem.

Como se soubesse que JungKook não conseguia se mover, Jimin começou a se aproximar, cauteloso e desconfiado. O mais velho temia estar enganado sobre aquele rapaz tão bonito e olhar inocente ser o rapaz com quem conversara durante horas por telefone. Ele estava tão encantado e surpreso quanto Jeon. Seu coração também batia fortemente em seu peito, sua respiração saia pesada, como se estivesse acabado de sair de uma maratona.

A medida que a distância que os separava se tornava menor, mais ansiosos eles se tornavam. A brisa suave do fim do dia balançava seus cabelos e afagavam suas peles. Uma sensação bastante agradável. Era um belo cenário, com um grande significado, que jamais seria esquecido por nenhum dos dois. E ao pensar nisso, Jimin sorri docemente, deixando JungKook ainda mais apaixonado pela aparência do adorável rapaz.

A vontade de Jimin era correr até o mais novo e acolhe-lo em seus braços, não permitindo que saísse de forma alguma. Desejava sentir os lábios delicados de JungKook sobre os seus, provar o sabor que eles poderiam lhe proporcionar. Se havia alguma dúvida que ele deveria ser aquele que daria o primeiro beijo em Jeon JungKook, Jimin a ignorara por completo. Ele quer ser essa pessoa especial para o mais novo.

Entretanto, ainda que desejasse cometer tal atitude ousada, o alaranjado sabia que precisava ir com calma. JungKook era um jovem repleto de inseguranças, ele notara isso durante o tempo que haviam conversado, portanto, se quisesse que se entregasse por completo, Jimin sabia que precisava ser cauteloso com ele.

“- Eu estarei segurando um balão. Se você realmente quiser que isso aconteça, grite meu nome”.

JungKook se lembrara da fala de Jimin durante os instantes finais da ligação e se perguntava se ele realmente seria capaz de beijar o mais velho. Ele com certeza queria descobrir qual é a sensação de sentir a boca do Park sobre a dele, mas temia decepcioná-lo e esse sentimento erro o pior de todos. No entanto, assim como havia feito durante o dia, JungKook decidira que o melhor seria ignorar qualquer insegurança ou neura que surgisse e, ao menos uma vez em sua vida, ele agiria de maneira impulsiva.

- Park Jimin! – Gritou com todas suas forças, como se sua vida dependesse daquele nome. Jimin para no mesmo instante, sem disfarçar sua surpresa diante da atitude de JungKook. Ele não esperava que o rapaz fosse mesmo cumpri com o seu pedido.

As bochechas de JungKook se tornam vermelhas ao notar que havia chamado a atenção das inúmeras pessoas que estavam espalhadas ao redor dos dois, mas, por um motivo desconhecido, ele não conseguia desviar o olhar dos olhos brilhantes de Jimin. Ignorando os olhares curiosos e a confusão que sua mente havia se tornado, JungKook respira fundo e sorri com sinceridade.

A boca de Jimin se abre levemente, assim como seus olhos. O alaranjado nunca acreditou em amor à primeira vista ou assuntos do gênero, mas, ali, diante de Jeon JungKook, um rapaz de 20 anos, com uma voz cativante e aparência atraente, personalidade doce e amorosa, Jimin começava a duvidar de seus prejulgamentos. Como explicar as batidas aceleradas de seu coração, o nervosismo excessivo e o desejo quase incontrolável de sequestrar o moreno e levá-lo para algum lugar onde ninguém, além dele mesmo, pudesse vê-lo?

Jimin não era idiota o bastante para não entender o que se passava consigo. Não era a primeira vez que se sentia assim, no entanto, havia algo de diferente e peculiar dessa vez. Ele nunca sentira sensações tão intensas como estava sentindo. Nunca passara por tantas emoções e de maneira tão impactante em um tempo tão curto como estava passando. Ainda que não quisesse admitir, havia se atraindo pelo jovem ao ponto de se apaixonar.

Com um sorriso bobo moldando seus lábios, Jimin volta a se aproximar, mais confiante. JungKook suspira aliviado ao perceber que o rapaz que estava esperando era de fato aquele homem que andava em sua direção com um lindo balão em mãos e o mais belo dos sorrisos que o moreno já havia visto em sua vida. E tomado pela coragem, ele começa a caminhar em direção a Jimin.

- Jeon JungKook. – Fala Jimin, assim que os dois estão de frente um para o outro.

- Oi hyung. – Cumprimenta JungKook, ainda envergonhado. – É muito bom saber que você não é um velho gordo e pedófilo que minha mãe tanto falava.

Jimin ri, concordando com a afirmação do mais novo. Ambos estavam aliviados por suas expectativas terem sido superadas. E naquele momento, JungKook se perguntava o porquê de não ter tido a ideia de ligar para um desconhecido antes. Se soubesse que encontraria uma pessoa tão bonita e gentil quanto Jimin, ele não teria se martirizado por tantos anos como havia feito.

- E eu fico muito feliz por ver que não é um psicopata que deseja me matar ou me roubar. – Responde o rapaz, com divertimento em sua voz.

- Como você pode saber? – Brinca JungKook, com um sorriso sapeca em seus lábios. – E se eu só estiver esperando o momento certo para te roubar?

- Então, seria uma pena, porque eu não tenho nenhum dinheiro e ainda que entrasse em contato com a minha família, eu duvido muito que eles pagariam pela minha vida. – Responde Jimin, com falsa tristeza. JungKook ri, sentindo-se agradecido por Jimin estar tentando distraí-lo. – Aqui. Pensei em trazer um buquê de flores, mas imaginei que isso seria clichê demais.

Jimin estende o balão para JungKook, que o pega e sorri docemente. Havia amado o balão vermelho em formato de coração. Era a primeira vez que ganhava um e com certeza o guardaria pelo máximo de tempo possível. Após admirar o singelo presente do alaranjado, o mais novo volta a encará-lo, com afeição.

- Obrigado. Ele é lindo. – Afirma, animado. – E é muito melhor que um buquê bobo de flores. Eu realmente gostei.

- Fico feliz que tenha gostado. – Fala Jimin, estendendo sua mão. – Por que não damos uma volta?

- Claro. – Concorda JungKook, pegando na mão estendida, um pouco envergonhado. Ele estava aliviado pelo mais velho ser capaz de conduzir o encontro com tranquilidade. Se dependesse dele, eles nem mesmo conseguiriam manter uma simples conversa, devido a sua timidez.

O casal começa a caminhar pelas margens do rio Han, observando o sol se pôr e as crianças que por ali brincavam. O silêncio que se instalara entre eles era confortável e aconchegante. Não havia necessidade de se falarem de fato. Somente a presença do outro era o bastante para que eles aproveitassem o momento. Suas mãos continuavam entrelaçadas e se encaixavam perfeitamente. Nem parecia que eles haviam acabado de se conhecer.

- O que disse para seus pais quando saiu de casa? – Perguntou Jimin com curiosidade.

- Não disse nada. Não havia ninguém em casa e eu não tinha certeza se conseguiria inventar uma desculpa se falasse com eles por telefone, então apenas deixei um bilhete na geladeira, dizendo que havia saído com um amigo. – Responde JungKook, dando de ombros. – Minha mãe surtaria se soubesse que vim encontrar um desconhecido.

- Bom, ela tem os seus motivos. – Comenta Jimin, rindo levemente. – Nós temos que admitir que nos arriscamos demais.

- Eu sei. Mas, valeu a pena. – Afirma o moreno, olhando discretamente para o mais velho. Jimin balança a cabeça, concordando, e passa a encarar o céu, com um sorriso singelo em seus lábios. – E o que você disse para a sua família?

- Também não disse nada. – Fala o alaranjado, desviando o olhar para JungKook. – Minha mãe está no trabalho. Meu pai está na China a trabalho também e meu irmão saiu com seus amigos e provavelmente só voltará de madrugada.

- Então você tem um irmão, hyung? – Pergunta JungKook, curioso.

- Sim. Ele tem a mesma idade que você e acho que ele é bem parecido com a descrição que você me deu do seu irmão mais velho. – Conta o Park, rindo ao lembrar de seu irmão mais novo. – A diferença é que ele é bem maluquinho.

- Ele parece ser bem legal. – Comenta JungKook, observando o carinho com o qual Jimin falava de seu irmão mais novo.

- É sim. Ele e Jin-hyung, meu melhor amigo, são os responsáveis por me tirarem de casa para me divertir. Um dia, eu os apresento a você. Tenho certeza que vocês vão se dar bem. – Afirma o outro, sorrindo largamente.

- Estarei esperando ansioso. – Responde o mais novo com sinceridade.

Até aquele momento, nenhum dos dois haviam tocado no motivo para terem se encontrado. Jimin não queria apressar as coisas e estava gostando da conversa com o adorável garoto. Já JungKook, não era capaz de tocar em um assunto tão vergonhoso como aquele, então também estava feliz por Jimin está o distraindo, contando um pouco de sua própria vida.

O celular de Jimin começa a tocar, assustando aos dois garotos que estavam perdidos em seus próprios pensamentos. O mais velho olha para JungKook, como se pedisse uma autorização para atender ao aparelho. O mais novo ri e balança a cabeça, concordando. Não estava incomodado por esse acontecimento. Jimin suspira aliviado e pega o celular em seu bolso da calça, vendo ser seu melhor amigo que ligava.

- Oi Jin-hyung. – Cumprimenta o alaranjado, assim que atender a ligação.

- Onde você está, ChimChim? – Pergunta o mais velho com curiosidade. – Eu estou de frente a sua casa e ela está vazia. Qual foi a catástrofe que aconteceu para você sair de casa sozinho?

- Engraçadinho. – Ironiza Jimin, revirando os olhos. Ele olha para JungKook e não sabe bem o que responder ao melhor amigo. Não queria mentir para seu hyung, mas temia deixar JungKook desconfortável. Conhecendo Kim SeokJin como conhecia, era capaz do mais velho o obrigar a apresentar Jeon. – Eu estou...hã... eu estou um pouco ocupado agora. Você quer alguma coisa?

- Ocupado? – Questiona SeokJin, desconfiado. Ele permanece em silêncio, como se estivesse pensando na desculpa do amigo. - Você, por acaso, está em um encontro?

- O que? – Jimin não conseguia acreditar que Jin havia acertado o que ele estava fazendo. JungKook encara Jimin com curiosidade, querendo saber o que o hyung do alaranjado havia dito que tinha o deixado tão envergonhado.

- Espera! Você está mesmo em um encontro? – SeokJin ri, sem acreditar. – Eu estava brincando, mas pela sua reação, eu acertei em cheio. Por que você não me disse que tinha um encontro hoje, seu traidor? Eu sempre te conto tudo!

- Foi algo de última hora, hyung. Eu juro. – A fala acusatória de Jin estava deixando Jimin nervoso.

- O que foi? – Pergunta JungKook, preocupado.

- Meu hyung descobriu que eu estou em um encontro e agora está bravo por eu não ter contado para ele. – Responde Jimin, soltando a mão de JungKook para tampar o celular e impedir que seu hyung ouvisse a conversa.

- Eu ainda posso te ouvir, Park Jimin! – Fala SeokJin, divertindo-se com o desespero de seu dongsaeng. Ele não estava bravo de fato, apenas surpreso por algo tão incrível como seu amigo está em um encontro estar acontecendo. – Por acaso tem vergonha de apresentar seu hyung para seu acompanhante?

JungKook assume a coloração escarlate novamente, sem saber como reagir a situação. Ao mesmo tempo que estava ansioso para saber como Jimin se explicaria para o melhor amigo e se o apresentaria, o rapaz também estava nervoso. Decidiu se manter calado, atento as reações de Jimin, que parecia tão tímido quanto ele.

- Não é nada disso, hyung. JungKook-ah e eu estamos primeiro nos conhecendo. – Explica Jimin com as bochechas coradas. Estava suando frio e temia acabar falando alguma coisa que assustasse JungKook.

- Ah, então o seu acompanhante se chama JungKook? Nome bonito. – Elogia o mais velho, imaginando como seu dongsaeng estaria vermelho naquele momento. – Cuide bem dele, ChimChim. Diga que se você fizer alguma coisa de errado, ele pode falar comigo que eu mesmo te darei uma lição.

- Ei! Você deveria era me defender e não me ameaçar. – Resmunga o alaranjado, como uma criança, fazendo JungKook ri baixo da feição do rapaz. – Não ria, JungKook-ah!

- Coloque no viva-voz, ChimChim. Quero somente dar um aviso ao seu namorado. – Pede SeokJin, com a voz suave.

- Ele não é meu namorado, hyung. Pelo menos, não ainda. – Responde Jimin, encarando JungKook, que arregala os olhos diante da afirmação e se torna ainda mais envergonhado. O “ainda” dita na frase do Park poderia ter diversos significados e esse fato fez seu coração bater muito mais rápido.

Seguindo o pedido de seu hyung, Jimin colocou no viva-voz. Apesar de estranho e tão maluco quanto seu irmão mais novo, ele sabia que SeokJin jamais falaria algo que pudesse chatear JungKook. O mais velho sempre foi muito gentil, amoroso e cuidadoso com todos, então, era difícil não gostar do rapaz que mais parecia uma mãe que um amigo para si.

-  ChimChim?

- Já está no viva-voz, hyung. – Avisa Jimin, sorrindo esperançoso para JungKook. Somente esperava não assustar o garoto, apresentando alguém tão importante para ele, de forma tão inusitada.

- Ah, certo. JungKook-ssi?

- O-olá. – JungKook gagueja, sem conseguir controlar o nervosismo. Estava mais nervoso conversando com o melhor amigo de Jimin pelo telefone, do que se encontrando com o alaranjado pessoalmente.

- Eu me chamo Kim SeokJin, mas pode me chamar de Jin, assim como o ChimChim. Espero que esteja aproveitando o tempo que está passando com ele. – Fala SeokJin de maneira suave e gentil. JungKook sorri, notando que o melhor amigo de Jimin era tão doce quanto o Park. – Sinto muito se eu estou o assustando. Não queria atrapalhar o encontro de vocês e nem o intimidar, no entanto, como hyung de Jimin e melhor amigo, eu me sinto no dever de protege-lo. Espero que possa me entender.

- Eu entendo, Jin-hyung. – Concorda JungKook, sorrindo carinhosamente para Jimin, que o encarava preocupado.

- De qualquer forma, quero que saiba que esse garoto que está ao seu lado é alguém muito especial e gentil. Por favor, cuide bem dele, JungKook-ah. Não sei se vocês continuarão apenas amigos ou terão algo a mais, mas me sinto que devo pedir isso. – Jimin sorri, emocionado pelo cuidado de seu melhor amigo, ainda que estivesse bastante envergonhado pela interferência dele no encontro. – No entanto, não se sinta pressionado, por favor.

- Eu prometo que farei o meu melhor, hyung. – Afirma o mais novo, pegando na mão de Jimin, de maneira tímida. O alaranjado se surpreende com a ação, mas entrelaça seus dedos aos de JungKook, imediatamente.

- Isso é o bastante para mim. – Fala SeokJin com animação. – Acredito que já atrapalhei demais o encontro de vocês. Juízo, crianças!

- O que pensa que vamos fazer, Jin-hyung? – Questiona Jimin, um pouco corado.

- Nunca se sabe, não é mesmo? – Insinua o mais velho, com o tom de voz levemente malicioso. – Agora, eu preciso desligar. Eu preciso voltar para casa para fazer o jantar. Depois, quero que me conte todos os detalhes, ChimChim. Tchau!

E a ligação se encerra, sem nem mesmo terem chance de se despedir. Jimin ri, agradecendo em seu interior pelo amigo se importar tanto. Sabia que apesar das maluquices de SeokJin, ele realmente desejava sua felicidade. JungKook, por outro lado, estava pensativo. A maneira como SeokJin havia agido dava a entender que ele realmente queria o namoro dos dois. No entanto, não era esse fato que assustava o mais novo, mas sim o quanto ele ansiava para que isso realmente acontecesse.

Eles nem mesmo haviam se beijado ou se conheciam profundamente. As únicas coisas que JungKook sabia sobre Jimin eram que ele é uma pessoa bonita, gentil, possui pais, aparentemente, bastante ocupados, tem um irmão mais novo com personalidade semelhante à de Junghyun e um melhor amigo tão agradável quanto ele. Essas informações não eram o bastante para fazer alguém se apaixonar, ainda mais quando eles se conheciam a somente três horas, mas nada disso o impediu de se sentir atraído de todas as formas possível por Park Jimin.

- Sinto muito por isso. – Lamenta Jimin, envergonhado. – Jin-hyung também não é uma pessoa muito normal, mas é alguém de um bom coração.

- Não se preocupe. Ele foi realmente gentil. – Responde JungKook, sorrindo largamente. – Meus amigos são bem piores que ele. Acredite em mim.

Jimin ri e puxa JungKook para que continuassem andando. Não havia um destino certo e com o encontro sendo marcado em cima da hora, ele não havia programado nada. Apenas andavam pelas margens do rio Han, aproveitando o clima agradável, o que não lembrava em nada a manhã daquele mesmo dia, onde o calor era quase insuportável. As estrelas já começavam a brilhar timidamente no céu e nenhum dos dois tinha pressa.

JungKook estava calado e pensativo mais uma vez. Questionava-se sobre o que aconteceria com eles quando finalmente se beijassem? E depois? Seguiriam suas vidas como se nunca tivesse se conhecido? Continuariam a sair? Tornar-se-iam namorados? Era inúmeras perguntas sobre o futuro que assustavam JungKook. A sensação era semelhante a estar em uma corda bamba, onde a qualquer momento, ele poderia cair e seu coração seria a parte mais machucada de seu corpo.

- O que houve? Você está tão calado. – Comenta Jimin com preocupação.

- Nada. – Afirma, dando um fraco sorriso. Jimin o encara com desconfiança, demonstrando não acreditar naquela resposta.

O moreno suspira e resolve contar o que o incomodava. Não entendia esse efeito que o mais velho tinha sobre ele. JungKook sempre teve dificuldade para falar sobre seus sentimentos, para relatar tudo o que se passava em sua mente, mas, com Jimin, ele se sentia confiante e confortável para falar sobre seus medos. Talvez, a voz gentil e amorosa fosse o principal motivo desse comportamento atípico de si. Ou talvez seja a áurea agradável e apaixonante que o alaranjado exalasse que o fazia agir pelo impulso, sem se preocupar com o que o outro pensaria. Surpreendentemente, ele confiava em Jimin muito mais que já confiou em alguém em sua vida.

- Eu... – Ele suspira, frustrado por não encontrar as palavras corretas para explicar a situação. – Eu apenas estou pensando no futuro. O que vai acontecer depois que...que...você sabe...

- Depois que nos beijarmos? – Completa Jimin, entendendo o receio de JungKook. – Isso depende mais de você do que de mim, JungKook-ah.

- De mim? – Questiona JungKook, confuso.

Jimin sorri levemente e conduz a um banco mais afastado do local. Eles se sentam e a falta de resposta por parte do mais velho começa a incomodar JungKook. Ele queria entender o que se passava na mente do alaranjado, mas a expressão calma e relaxada do Park não ajudava em nada. Por fim, ele suspira frustrado mais uma vez e encara Jimin com impaciência, o que faz o outro ri.

- O que quero dizer é que você é quem decidira o que vai acontecer conosco, JungKook-ah. – Responde Jimin sorrindo gentil. O olhar acolhedor e amoroso que direciona a JungKook faz o mais novo corar. Após acariciar a bochecha corada de Jeon e o obrigar a olhar para si, Jimin cola sua testa na do mais novo e encara. – O que você quer, JungKook-ah?

Em choque pela atitude inesperada de Jimin, JungKook arfar, mas em momento algum pensa em se afastar dele. Seu coração batia forte em seu peito, ao ponto de não duvidar que o outro pudesse ouvir. A pergunta do alaranjado ecoava em sua mente. O que eu quero? – Questionava-se mentalmente. E como vinha fazendo desde o instante em que decidira ligar para um desconhecido para desabafar, JungKook somente fechou os olhos e se deixou levar pelos seus instintos.

O primeiro toque dos lábios foi devagar e delicado, sem pressa. Eles apenas queriam conhecer o sabor um do outro. Queriam aproveitar a sensação de se entregar ao desejo que sentiam desde o momento em que conversaram por telefone. E aos poucos, o desejo por mais contato foi se tornando mais forte e somente o selar não era mais o suficiente.

Jimin leva uma de suas mãos a nuca de JungKook, enquanto a outra repousava sobre a cintura do mais novo. Jeon, diferente do que imaginava, foi o primeiro a abrir levemente seus lábios para que o beijo se aprofundasse, sendo correspondido prontamente por Jimin, que o conduzia com maestria. Seu corpo parecia estar em chamas, seu coração palpitava em êxtase. Tudo era novo e ao mesmo tempo excitante. JungKook estava experimento emoções que jamais havia sentido e, para a sua surpresa, estava amando.

Quando sentiram que o ar em seus pulmões se esgotaria, eles se afastam somente o suficiente para recuperar o folego. Suas testas continuavam coladas, seus hálitos se chocavam e permaneciam com os olhos fechados, aproveitando os efeitos que aquele beijo teve sobre eles. Ainda encantados, nenhum dos dois se importava com o que acontecia ao redor deles. O cenário se assemelhava a um filme de conto de fadas e eles não tinha pretensão de voltar ao mundo real.

- Uau. – Sussurra Jimin, após um tempo, abrindo seus olhos. JungKook sorri e também passa a encarar o mais velho. – Isso foi...

- Intenso? Incrível? – Pergunta JungKook, não sabendo de onde havia tirado tanto coragem para expor seus pensamentos. Jimin balança a cabeça, concordando, e corresponde ao sorriso largamente. – Obrigado.

- Não há de que. Se precisar de alguém para beijar de novo, não hesite em me chamar. – Brinca o alaranjado, arrancando risos de JungKook. – Mas, obrigado por ter confiado em mim.

Jimin estende sua mão e JungKook a pega, entrelaçando os dedos. Eles permanecem em silêncio por algum tempo, desfrutando da companhia um do outro. As estrelas cintilavam delicadamente, as folhas das árvores balançavam no ritmo da brisa suave da noite. A quantidade de pessoas no rio Han já havia diminuído consideravelmente, restando apenas casais e pessoas bebendo nas barracas de comida.

- Você está com fome? – Questiona Jimin, quebrando o silêncio.

- Um pouco, mas acho melhor eu voltar para casa. – Fala JungKook, desanimado. Ele pega o celular em seu bolso e ver diversas ligações perdidas de seus pais, irmão e amigos. – As pessoas da minha casa devem estar enlouquecendo. Se eu demorar mais ainda é capaz deles chamarem a polícia.

JungKook estende seu celular para que Jimin visse as chamadas perdidas, enquanto choraminga dramático, imaginando a bronca que levaria assim que colocasse seus pés dentro de casa. O alaranjado ri e acaricia a cabeça do mais novo como forma de consolo. Ele não condenava a família do rapaz pela preocupação, afinal, se fosse seu irmão mais novo quem saísse sem nem mesmo dizer com quem iria, ele também enlouqueceria.

- Vamos. Eu te levo até em casa. – O mais velho se levanta do banco e estende sua mão a JungKook.

- Você está de carro? – Pergunta JungKook, curioso. Ele aceita a mão de Jimin e os dois começam a andar de mãos dadas.

- Na verdade, não. Mas, pensei que você gostaria de fazer uma caminhada. – Responde o Park, rindo baixinho. – A não ser que sua casa seja muito distante e você não queira andar.

- Uns quarenta minutos ou mais a pé. – Fala o moreno, pensativo. Ele sorri para Jimin e abraça o braço do rapaz. – Se você não se importar, eu adoraria.

- Quarenta minutos? – Repete o alaranjado com malícia. – Parece que você terá que me aguentar por mais uma hora.

- Será um prazer. – Afirma JungKook, arrancando alguns risos de Jimin.

O restante do caminho foi em meio a risos, conversas banais e alguns beijos roubados. Como um casal de apaixonados, eles não se importavam com as cenas constrangedoras e nem os quão bobos eles pareciam. JungKook sabia que era muito cedo para dizer que se apaixonara por Jimin, que era loucura confiar tanto em alguém que mal conhecia, mas não conseguia evitar a forte atração que sentia pelo rapaz.

 E por estarem tão concentrados em se divertir e aproveitar os últimos momentos juntos, não perceberam quando chegaram a casa dos Jeon. Até o momento, Jimin havia evitado pensar no que aconteceria depois do adeus daquela noite. Como havia dito a JungKook, ele deixaria a escolha nas mãos do mais novo. Ainda que tivesse a certeza de seus sentimentos, não poderia dizer o mesmo sobre o outro.

- É aqui? – Pergunta Jimin, quando JungKook para de frente para uma casa de dois andares, com um pequeno e bonito jardim na frente.

- Sim. – Responde o moreno, desanimado. – Obrigado por ter vindo me deixar em casa, mesmo sendo tão longe.

- Não precisa agradecer. Eu gostei muito de ter passado esse tempo com você. – Admite Park, sorrindo com sinceridade.

- Eu até te convidaria para entrar, mas não sei se você está pronto para enfrentar minha família. – Justifica JungKook, olhando para seus próprios pés. As mãos dos dois continuavam entrelaçadas e nenhum dos dois estavam dispostos a soltá-las.

Jimin sorri, compreensivo, e beija a testa de JungKook. Antes que se afastassem, a porta da casa do rapaz mais novo é aberta com brutalidade, assustando os dois jovens. Taehyung é o primeiro a aparecer, sendo seguido por seu namorado, Hoseok, e os amigos, NamJoon e Yoongi. Todos pareciam estar divididos entre o alívio e a fúria. O mais novo quase suspirou aliviado ao ver seu irmão mais velho aparecer. Sabia que mesmo estando preocupado, Junghyun seria o mais compreensivo de todos.

- Poderia nos dizer onde você se meteu durante o dia inteiro, Jeon JungKook? ­– Grita Kim Taehyung furioso. – Você tem noção do quanto nos deixou preocupado?

- Desculpa, hyung. Eu só quis sair um pouco. – Lamenta o moreno, se encolhendo um pouco. Jimin aperta mais fortemente a mão do rapaz, dando-lhe um pouco de apoio. JungKook sorri envergonhado para o alaranjado e suspira, esperando a bronca que levaria do melhor amigo.

- Sair? Por que não nos disse, Kookie? – Pergunta NamJoon, suspirando em seguida. – Ligamos para você a tarde toda.

- Onde estão meus pais? – Questiona JungKook, tentando evitar explicar para os amigos o que aconteceu na frente de Jimin.

- Você sabe o quanto nossa mãe é exagerada. Ela foi com o pai procurar você pela cidade. – Explica Junghyun, olhando com seriedade para o irmão mais novo. – Nós realmente ficamos preocupados. Você nunca é de sair de casa e de uma hora para a outra desaparece, deixando somente um recado sem nenhuma explicação. – Ele para de falar e ao ver o quanto o mais novo estava arrependido, ele suspira. – Eu vou ligar para eles e avisar que você chegou e que está bem.

- Obrigado, Jung-hyung. – Agradece JungKook com o tom de voz baixo. O mais velho sorri, concordando, e volta para dentro da casa, deixando o irmão mais novo sozinho com os amigos e Jimin.

- E quem é esse ser com quem você está agarrado desde que chegou? – Questiona Taehyung, desconfiado.

- Tae! – Hoseok repreende o namorado, ao ver o amigo mais novo corar e se encolher ainda mais. – Não envergonhe o Kookie!

- Não estou envergonhado, Hobi. Apenas quero saber como de um dia para o outro, o encalhado e vela da turma arruma esse Deus Grego, maravilhoso e de cabelos sedosos e brilhantes e... – Taehyung para de falar ao sentir o olhar insatisfeito do namorado. - Quer dizer, esse garoto desconhecido...

- Não tenta consertar, que você só vai piorar a situação. – Pede Hoseok com seriedade.

- Mas, não podemos negar que estamos curiosos parar saber quem é esse cara. – Admite NamJoon com um sorriso gentil em seus lábios.

- Park Jimin? – Pergunta Yoongi, falando pela primeira vez desde que encontraram o casal. Ele havia passado o tempo todo analisando Jimin, tentando se lembrar de onde conhecia o rapaz e após a reação do alaranjado, ele tinha certeza que estava certo. – Sou Min Yoongi. Lembra-se de mim?

- Suga-hyung? – Questiona Jimin, surpreso. – Uau! Quanto tempo! Você está tão diferente que quase não te reconheci.

- Você o conhece? – Pergunta JungKook a Jimin.

- Sim, eu o conheço. – Afirma o alaranjado, cumprimentando o mais velho com uma leve reverência. – Suga-hyung e eu estudamos juntos no curso para o vestibular.

- Jamais imaginei que você e Kookie se conheciam. – Confessa o Min, sorrindo levemente. – Depois da formatura do curso, eu nunca mais te encontrei. Você ainda tem contato com Jin-hyung?

- Sim. Ainda sou bem dependente do Jin-hyung. – Confessa o rapaz, rindo e sendo acompanhado, em seguida, por Yoongi. – Ele ainda continua como uma mãe.

- Isso é bem a cara dele. – Concorda Yoongi, com nostalgia. Ele realmente gostava muito de SeokJin e Jimin. Os dois tornaram as aulas do curso preparatório muito mais agradáveis quando ele estudava para passar em sua faculdade de música.

- As comadres vão continuar fofocando e relembrando o passado ou eu posso voltar a brigar com o Kookie e exigir respostas deles? – Pergunta Taehyung, mal-humorado.

JungKook se encolhe mais uma vez, antecipando o surto que o melhor amigo teria ao descobrir a história. Geralmente, Taehyung é tranquilo e de personalidade alegre, mas quando está irritado, JungKook sabia melhor que ninguém que o Kim podia se tornar insuportável e só voltaria ao seu estado relativamente normal quando descontasse toda a sua raiva e com Jimin presente, tudo o que Jeon gostaria de evitar era escândalos.

- Tae, por favor. – Pede o garoto choramingando. A expressão do Kim se torna ainda mais dura, fazendo o rapaz recorrer a outras ajudas. – Hobi-hyung, Nam-hyung, Yoongi-hyung, por favor, levem o Tae para dentro.

- Eu não vou sair daqui até que a história toda seja explicada, Jeon JungKook. – Avisa Taehyung, para o desespero do mais novo, que suspira frustrado.

- Desculpa, Kookie. – Pede Hobi, sorrindo compreensivo para o mais novo. NamJoon e Yoongi dão de ombro, preferindo não interferir na discussão.

- Está tudo bem, JungKook. – Afirma Jimin com sinceridade. A verdade é que ele estava curioso para conhecer mais sobre os amigos do mais novo, ainda que não pudesse negar que estava com medo de ser atacado por Taehyung. JungKook o olha preocupado, mas resolve confiar nas palavras do rapaz. – Eu sou Park Jimin, muito prazer em conhecê-los.

Jimin solta a mão de JungKook e faz uma rápida reverência. O irmão de JungKook volta a aparecer e balança a cabeça para o irmão, informando que estava tudo bem. Taehyung analisa o rapaz, procurando por algum defeito ou algo que pudesse ser questionado. Por mais que quisesse esconder, estava feliz por saber que o amigo havia encontrado alguém, mas temia que ele acabasse se machucando.

- Qual a sua idade? Você tem família? Com o que você trabalha ou estuda? Como vocês se conheceram? – O ruivo começa a bombardear Jimin com perguntas, fazendo JungKook gemer, insatisfeito. Não queria que Jimin se assustasse com seu melhor amigo e resolvesse nunca mais aparecer para si.

- Uma pergunta de cada vez, Tae. – Repreende Junghyun, revirando os olhos. – Está assustando o rapaz.

- Está tudo bem. – Fala Jimin, rindo um pouco envergonhado e nervoso. – Eu tenho vinte e dois anos. Tenho pai, mãe e um irmão dois anos mais novo que eu. Eu trabalho em uma escola de dança como estagiário e estou cursando artes cênicas na faculdade. E, sobre como nos conhecemos, é uma longa história.  

  - Eu não estou com pressa. – Alega Taehyung, sorrindo malicioso.

- Mais importante que todas essas perguntas, o que eu quero saber de fato é qual o seu relacionamento com meu irmão mais novo? – Questiona Junghyun, para a surpresa de JungKook e Jimin.

Eles não queriam mentir para o irmão mais velho de JungKook, mas também não sabiam o que responder a Junghyun. Em momento algum eles haviam conversado sobre seu relacionamento. Estavam ocupados demais desfrutando do encontro que não pararam para pensar em como a relação deles poderia ser definida. Jimin desvia o olhar de Junghyun e passa a encarar JungKook, como se pedisse uma resposta de sua parte. O Jeon, por outro lado, também não sabia o que falar e tinha medo de falar algo que não agradasse Jimin.

- E então? – Apressa Taehyung, ansioso. – Qual é a relação de vocês? Estão namorando? Ficando? Se conhecendo? Vamos lá! Não é tão difícil assim.

- Calado, Kim Taehyung. – Fala JungKook, envergonhado. – Nós...Hã...nós somos...

- Namorados. – Responde Jimin, surpreendendo a todos. JungKook arregala os olhos, sem conseguir acreditar no que havia acabado de ouvir. Ele olha para o alaranjado, procurando identificar se aquela palavra era de fato verdade ou não passava de uma brincadeira, mas o garoto continuava sério e nervoso, parecendo esperar alguma resposta dele.

- Isso é verdade? – Pergunta Junghyun, admirado com a coragem de Jimin para confessar que estava namorando seu irmão. – Ele é realmente seu namorado, Kookie?

JungKook desvia o olhar para seu irmão e sente os olhares de todos sobre si. Ainda estava em choque, tentando absorver a informação. Ele sabia que as coisas entre ele e Jimin tinham sido rápidas, mas jamais imaginou que a relação dos dois mudaria de desconhecidos para namorados em menos de doze horas. No entanto, o que mais o assustava era que ele estava feliz com a resposta de Jimin e se esse era mesmo o desejo do mais velho, JungKook não desperdiçaria a oportunidade. Ele sorri feliz e volta a encarar Jimin, que lhe estende a mão.

- Sim. Nós estamos namorando. – Afirma JungKook, entrelaçando seus dedos ao de Jimin. O alaranjado solta o ar que estava preso e suspira aliviado, sorrindo em seguida. – Nós estamos namorando.

- O quê? Então vocês realmente estão namorando? – Fala Taehyung, aproximando-se do casal. Ele se vira para o namorado e os amigos e aponta para o casal de maneira exagerada. – Vocês ouviram o mesmo que eu? Uau!

Nesse instante, os pais de JungKook aparecem para o alivio do garoto, que esperava que seus genitores pudessem evitar um escândalo por parte de Taehyung. Yang Mi corre em direção ao filho e o abraça, sem esconder a preocupação que sentia no momento. Após garantir que estava tudo bem com seu caçula, assim como Junghyun havia dito, a mulher disfere um tapa no braço de JungKook e o encara com irritação.

- Você tem noção do quanto seu pai e eu ficamos loucos procurando por você, achando que algo de ruim havia acontecido? – Questiona a senhora Jeon.

- Desculpa, mãe. Eu não quis te preocupar. – Lamenta o mais novo, olhando com tristeza para a mulher.

- Onde você estava, JungKook? – Pergunta o pai de JungKook, após um suspiro de alívio.

- Ele estava com o Jimin, pai. – Revela Junghyun, sorrindo cumplice para Taehyung. JungKook abre a boca, sem acreditar que seu hyung havia o entregado.

- Jimin? Quem é Jimin? – Indaga Yang Mi, confusa.

- Você sabia que o Kookie está namorando, tia Mi? – Fala Taehyung animado, surpreendendo aos pais do mais novo. Ao ver que o amigo também o delatara, JungKook ameaça ir para cima do amigo, mas é segurado por Jimin. – Jimin é o namorado dele! Acredita que ele teve coragem de esconder esse fato da gente?

- O quê? – Fala o senhor Jeon, em choque.

- Que história é essa Jeon JungKook? – Pergunta Yang Mi, olhando com desconfiança para o filho. – Desde quando você está namorando?

- Desde... – JungKook olha para Jimin e sorri envergonhado. – Agora?

A fala de JungKook desencadeia uma enorme confusão de inúmeras vozes falando ao mesmo tempo. Enquanto Taehyung alegava que seu melhor amigo havia escondido algo tão importante de si, Hoseok o repreendia por ter falado de forma tão direta uma novidade que deveria ser JungKook a contar. Junghyun ria e defendia o melhor amigo de seu irmão, afirmando que essa era uma lição que estava dando em seu dongsaeng para ele nunca mais os assustar. Os pais de JungKook discutiam sobre como deveriam a reagir a tal notícia e exigiam mais explicações. JungKook tentava falar algo, mas com a interrupção dos pais e do irmão, ele só ficava mais irritado. Jimin tentava o acalmar, entretanto, não sabia se era certo se envolver.

- Nós devíamos fazer alguma coisa? – Pergunta NamJoon a Yoongi. Os dois se mantinham fora da confusão, apenas observando como terminaria aquela situação.

- Não. – Responde Yoongi, sem esconder que estava adorando as discussões que ocorriam. – Deixe eles se entender. – Fala, cruzando os braços com intenso interesse. – Parece que a noite vai ser longa e interessante. Eu deveria preparar pipoca?

- Hyung! – Repreende NamJoon, sem acreditar em como seu hyung estava se divertindo com a situação.

- O quê? Eu só estou perguntando. – Comenta Yoongi, levantando seu polegar para Jimin, que o encarava em desespero, como forma de apoio. - Esse garoto não sabe na encrenca que ele acabou de se meter.

 

The End


Notas Finais


₩ 8500¹: Aproximadamente R$ 25,00
₩ 10000²: Aproximadamente R$ 30,00

oOo

E então? O que acharam? Eu peço perdão pelos erros e caso acharem algum, por favor, não hesitem em me comunicar. Como eu disse no ínicio, a história é bem simples, escrita apenas para fazer vocês relaxarem. O final deve ter ficado horrível, mas eu queria algo mais relacionado a comédia. Espero que possam entender. Se tiverem alguma dúvida, estou aqui para esclarecer. Deixem a opinião de vocês nos comentários. Eu vou amar ler!! Leiam a continuação dessa história e a minha outra fanfic também! Os links vai tá logo abaixo. E no mais é isso! Comentem, por favor!! Titia ama vocês <3! Beijocas e até mais!

A Ligação: https://spiritfanfics.com/historia/a-ligacao-6035888
Freiheit: https://spiritfanfics.com/fanfics/historia/fanfiction-bangtan-boys-bts-freiheit-5386610
Facebook: https://www.facebook.com/larabarbosa.ficwiter
Instagram: @lara7735
Twitter: @llarabarbosa301


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...