História O Fênix - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Fênix, Heroi
Visualizações 41
Palavras 2.124
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


escrevi uma estória baseado onde moro e conforme minha realidade, gosto de estórias em quadrinhos, games e etc, o primeiro capitulo e para saber se vcs vão gostar e se posso continuar escrevendo, quero a opinião do leitor, obrigado.

Capítulo 1 - O nascimento


Em uma capital brasileira, mas especificamente em Cuiabá capital do Mato Grosso, vivia com sua avó, o jovem Samuel.

Samuel era um jovem de 20 anos, sua avó e sua mãe são do estado de Santa Cataria, sua mãe o abanadora ainda pequeno com a sua avó, sem nunca dizer quem era o pai do garoto o pobre Samuel cresceu sem sua mãe. Seu avô faleceu quando ele tinha 14 anos, um bom homem que lhe criou e lhe ensinou bem, porem um mal súbito lhe tirara a vida. Aquele foi o dia mais triste de sua vida, ele nunca sentiu falta da mãe ou do pai, pois e difícil sentir falta daquilo que nunca teve, seus avos lhe confortavam.

Na vizinhança onde morava, Samuel era conhecido como gauchinho devido ele ser muito branco, era um jovem franzino, de estatura baixa, a única coisa de bonito nele era seus olhos azuis e sinceros.

Samuel tinha na vida três grandes amigos, Kleber seu vizinho, sempre estava encrencado, não era lá uma amizade muito boa, mas Samuel tinha muito consideração por ele, afinal ambos não tinham pais, amigos desde de a infância, Mauro amigo do colégio era brincalhão, classe média de pais bem-sucedidos era bom garoto. Mikaela irmã mais nova de Kleber, esta por sua vez tinha admiração por Samuel, por Samuel diferente do seu irmão, não se envolver em problemas, e ser esforçado para conseguir subir na vida sem praticar delitos ou algum crime.

Samuel tinha uma vida boa de fato, estava no terceiro semestre da faculdade de economia, aonde ele havia conseguido uma bolsa, tinha um emprego como vendedor de peças de automóveis durante o dia, e a noite ia para a faculdade, finais de semana tinha emprego como freelance de garçom em um bar da cidade, tinha recentemente arrumado uma namorada, Samuel vivia sem conforto, ajudava a sua avó com as despesas da casa, não sobrava e nem faltava, e Samuel dava valor para isso por que sabia que as coisas poderiam ser pior do que realmente são. Mas tudo isso estava prestes a mudar, logo aconteceria um evento que mudaria a vida dele para sempre.

Era manhã de segundo feira, Samuel se apronta rápido para ir trabalhar sua vó com uma xicara de café na mão: _ toma meu filho, não fique sem comer nada.

_. Não posso vó estou atrasado, preciso ir, tchau.

E saiu correndo para pegar o ônibus que quando chegou no ponto estava completamente lotado quase não deu para entrar, precisou ir se segurando na porta do ônibus com os pés para fora, era quase uma aventura pegar o ônibus em sua cidade em horário de pico.

Chegando no seu trabalho, com o uniforme todo amassado e com um cheiro não muito agradável já que o ônibus estava lotado, seu chefe dono da loja o chamou em sua sala, seu chefe tinha um jeito bem arrogante e tom ríspido, aquele não era um bom chefe: _ Samuel venha até aqui! Gritou de dentro da sua sala, todos estevam triste, com cara de velório, e Samuel que acabara de chegar não sabia o que estava acontecendo mis logo ficou preocupado, entrando no escritório do seu patrão quando ele mal abriu a porto seu chefe lhe disse logo, sem nem um rodeio nem esperou ele entrar direito na sala e já foi logo falando: _ esta despedido!

_ mas, ..., mas. Balbucio Samuel sem saber ao certo o que dizer, totalmente surpreso com aquilo

: _ e a crise! Estou cortando gastos e você foi cortado, sinto muito garoto.

Samuel apenas abaixou a cabeça e saiu da loja, triste e pensativo, dizia a si mesmo: _ e agora? O que farei?

Na aquele mesmo dia ele voltou para casa e contou o que havia acontecido, sua vó lhe confortou o coração: _não se preocupe amanhã e um novo dia e você dará mais um passo na sua vida.

Já na manhã de terça feira ele saiu cedo de casa para entregar curriculum, e mais uma vez teve que enfrentar um ônibus pra lá de lotado, mais uma vez ele quase ficou sem entra no ônibus. Já no final da tarde estava com os pés doloridos de tanto andar e entregar curriculum, bate de porta em porta, mas tudo que ele ouvia era não, ou agente te liga, no momento não estamos contratando, a coisa está feia no pais todo. Para economizar Samuel decide ir a pé de onde ele estava ate a universidade, ele estava no centro não era muito longe, porem no meio do caminho dois homens o seguiam, ele andando completamente desatento nem percebe que estava sendo seguido, quando seu celular toca e ele atende, era Mauro: _e ai cara tudo bem? Fiquei sabendo que te mandaram embora.

Então sem perde tempo os homes que o seguiam correm ate ele e tomam seu celular, o outro o segura por trás e sem que ele pudesse reagir tomam dele sua carteira e sua mochila, e ele murmura, pronto o que mais falta acontecer agora? E então começa a chover. Naquele dia Samuel desiste de ir a aula e vai para casa. Chegando em casa todo molhado ele encontra com Mikaela: _ oi! Tudo bem com você, fiquei sabendo

_ pois e acho que minha vó contou para todo mundo.

Estava tendo uma gritaria infernal na casa de Mikaela, era mais uma vez seu irmão discutido com a sua mãe. Samuel já sabia daquela situação constrangedora, ele sempre dava apoia para a amiga, ela sempre teve uma vida difícil seu irmão estava sempre fazendo alguma confusão: _ o que ele fez desta vez?

_ bebeu demais.

 Samuel convidou Mikaela para entrar, ambos gostavam de conversa e tomar tereré. Os dois tinham muitas afinidades, Mikaela era uma moça jovem de pele escura, cabelos cacheados, tinha 17 anos e estava no último ano do ensino médio. Estava se preparando para o vestibular, tinha o sonho de se torna fisioterapeuta, não tinha namorado, nem estava grávida ou se envolvia com viciados, o que era incomum para o bairro onde ele morava, já todos as suas amigas já haviam abandonado a escola e já tinham pelo menos um filho, ela não fazia parte dessa estatística.

Na quarta feira Samuel tira o dia para descansar, já que estava ferrado mesmo.

Já anoite indo para a faculdade ele se encontra com Kleber no portão da sua casa, seu amigo despojado vem lhe cumprimentar e lhe da um abraço: _ grande garoto, ainda nessa de estudar?

_ tenho que estudar não nasci bonito!

Ambos riem muito, Kleber tinha na mão um envelope cheio de dinheiro, dizia para Samuel que ele estava do jeito certo, Kleber estava se esbanjado e exibindo o dinheiro que havia ganhado sabe Deus como, os dois conversaram por algum tempo Samuel tentou convencer ele a parar com as brigas com sua mãe, mas sem resultado, Kleber não parava de se vangloriar e dizer como ele estava indo bem, que não precisa de patrão que ele era dono da sua vida e de seu destino, que agora ele tinha dinheiro para fazer o que quisesse, e que o esforço de Samuel não o levaria a lugar algum, que sua faculdade não significava nada: _ olha e ai, para quantos formados estão desempregados?  Samuel apenas lhe desejou boa sorte e continuo seu caminho.

Chegando na faculdade, a coordenadoria chamo os alunos que tinham bolça pelo governo federal. Então em uma reunião com alunos e reitores, e anunciado o fim da bolsa, pois devido a forte crise do governo, não manteria mais bolças. Aquela era sem duvida a pior notícia que Samuel poderia receber, ele havia estudado e se preparado tanto para ingressar na universidade, aquele era seu sonho e seu futuro, ser economista, monta sua própria empresa, agora ele viu tudo aquilo ir embora em um pasce de magica, em uma semana a vida dele estava desmoronando e ele não sabia mais o que fazer o a quem recorrer, ouvindo aquilo se sentiu fraco e impotente, só havia tristeza e dor em seu coração todo seu sonho e sua esperança havia ido embora junto com o discurso do reitor sobre a crise.

Chegando em casa, ele não da a noticia para sua avó, ele não faz ideia de como dirá isso a ela, mas ela logo nota seu olhar de pranto e tristeza, Samuel senta no sofá da casa que ficava de frente para a tv, no noticiário o senador Marcelo Dragoni dava a notícia durante uma entrevista para o jornal dizendo sobre o corte de gasto do governo federal para enfrentar a crise.

Na quinta feira ele decide fazer uma visita a sua atual namorada, ela morava no mesmo bairro que ele, umas 2 quadras dali , ele havia conhecido a moça no ônibus que ele pegava para ir trabalha, chegando na casa dela, ela já estava com alguém lá, a moça tenta se explicar, mas no fim ela diz que estava só passando o tempo mesmo e que não queria nada sério com ninguém.

Sexta-feira, dia da alegria pois sábado e o dia da farra, mas não para Samuel, aquela era pior semana da sua vida, ele ficou trancado no quarto o dia todo, sua casa era pequena, tinha apenas  dois quartos, uma cozinha apertada e um banheiro mais apertado ainda, na sala uma tv já antiga e um sofá que parecia não ter mais nem espuma, ainda sim Samuel gostava de sua casa, e ficar nela o consolava, dizia a si mesmo, esta casa e tudo o que me restou, seu quarto mal cabia sua cama de solteiro e seu guarda roupa, ele ficou lá o dia todo, não quis sair, nem comer, o que deixava sua avó ainda mais preocupada. Já era umas 17 horas quando mauro chegou no seu carro que ele havia ganhado se seu pai, um Ford Ka  branco semi novo, ele estava muito feliz, e foi compartilhar sua felicidade com seu amigo, mas Samuel estava tão triste, inconsolável, sua avó bate na porta, meninos vou a igreja volto logo, então Mauro na tentativa de consolar o amigo sai para comprar umas cervejas dizendo a ele que na sexta e dia de sair, pegar umas gatinhas e curti o carro novo. Samuel fica sozinho em casa, e cai em seus pensamentos mais profundos, se senta no sofá, e começar a se lembrar de seu avô e do que ele o ensinou, olha para a casa e se lembra dele, da casa que ele havia deixado para eles. Enquanto isso do lado de fora já escurecia, hera noite já , quando uma bolo de fogo corta o céu da cidade, era brilhante e iluminava tudo por onde passava, as pessoas olhavam estarrecidas para aquilo, uns com medo outros, deslumbrados, por onde ela passava a noite virava dia, seu brilho e sua chama era incomum, todos acreditavam se tratar de uma estrela cadente, um meteoro, mas aquela enorme bolo de fogo era um fênix enorme que cruzava o céu da cidade em busca de um hospedeiro, alguém que fosse digno, aquela imensa bola de fogo que brilhava como o sol e deixava as pessoas boquiaberto com seu espetáculo sem mais nem menos se parte em duas, uma bola de fogo continua sua viagem pelo seu rumo ao norte e desaparece dos olhos das pessoas, e a outra continua a corta os céus da cidade, então ele encontra, Samuel em sua casa, sentado no sofá, a bolo de fogo atinge sua humilde casa como um meteoro, abre o telhado, e em segundo a casa esta todo pegando fogo, Samuel fica aflito sem saber o fazer, as chamas já haviam consumido sua casa, todos os moveis estavam em chamas, as paredes, tudo pegava fogo, então Samuel percebeu que não estava quente, ele não sentia calor, a casa pegava fogo, mas o fogo não a consumia. De fora da casa os curiosos se aglomeram para olhar a casa pegar fogo, Mauro chega , desesperado e grita, meu amigo esta lá, a multidão o segura dizendo que não poderiam fazer mais nada, que o bombeiro já esta a caminho.

Dentro da casa Samuel estava completamente paralisado, não sabia o que fazer, então na sua frente, bem no meio da sala, surge uma fênix em volto de fogo, gigante, linda, todo em chamas, ela abre suas asas e mostra toda seu poder e beleza a Samuel que fica completamente paralisado vendo aquilo, a fênix que era fogo vivo, e brilhava como o sol, olha para ele e faz um movimento de voo em sua direção, e quando a fênix, o travessa e tudo vira cinzas, a casa vira apenas escombros e cinza, e Samuel também vira apenas cinzas. Agora tudo era apenas cinza e pó.


Notas Finais


e a primeira vez que escrevo aqui, gostaria muito que vocês comentem a opinião de vcs, quero saber se esta agrandando, obrigado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...