História O Filho do Meu Chefe - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Long-fic, Namjin, Yoonseok
Exibições 400
Palavras 2.497
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oie, olha eu de novo :v
Primeiramente, tenho que me desculpar pelo atraso de quase um mês (coisa que já até se tornou rotina), mas é que sabe como é né, não é sempre que minha imaginação está fértil para escrever XD

Mas mudando totalmente de assunto, eu sei que já faz quase uma semana mas VOCÊS VIRAM AQUELE COMEBACK DESTRUIDOR DE ALMAS QUE FOI BLOOD SWEAT & TEARS? GENTE O QUE É AQUELE MV? AQUELES HOMENS TÃO MARAVILHOSO, MEU DEUS DO CÉU, O QUE É AQUELE ALBUM? AQUELES SOLOS MARAVILHOSOS? EU ESTOU NO TETO PORQUE O CHÃO NÃO ME ACEITA MAIS!

#BIGHITDAMAISLINHASPROJIN

~respirando

Bem, voltando para a fanfic, sinceramente, não ficou do jeito que eu queria no final, mas acho que por ser um capítulo de "transição" eu acabei tendo dificuldades pra escrever. E, para que já fiquem avisadas, a trama começa oficialmente a partir desse capítulo, os capítulos anteriores foram mais como uma apresentação dos personagens e dos seus próprios conflitos, mas a história de verdade começa a partir da segunda parte desse capítulo.

Acho que é por isso que eu acabei não conseguindo desenvolver muito bem o final :v

E também nem vou falar daquela bosta de título, por que ninguém merece!

Enfim, tenham uma boa leitura e nos vemos lá embaixo!

Capítulo 7 - Bad Feeling


Foi um resto de madrugada frustrante. Tive que me contentar apenas com as lembranças de sua boca e mãos passeando pelo meu corpo. Eu me sentia quente, muito quente. Quase não consegui controlar uma ereção durante o banho enquanto deslizava as mãos pelo meu próprio corpo, tocando cada marca deixada por ele. Quando dei por mim, já estava gemendo baixo.

Taehyung tem razão, eu parecia uma vadia.

Me sinto um tremendo lesado por tê-lo deixado ir assim, tão facilmente. Taehyung me puxou para longe tão rápido quanto apareceu, mal tive tempo para lhe perguntar ao menos o seu nome, até porque, quem é que faz sexo sem saber o nome da outra pessoa?

Prazer, Park Jimin.

As coisas já estavam esquentando muito rápido, então resolvi terminar o banho logo e ir dormir, o que demorou um pouco a acontecer, pois eu ainda estava agitado por causa da festa.

Era aproximadamente três da manhã quando finalmente peguei no sono.


- x -

 

No dia seguinte acabei acordando tarde, quase uma hora, minha cabeça estava doendo um pouco, eu não havia bebido muito, o que era um alívio, por que ressaca pra mim é um inferno. Aliás, pra quem não é?

Graças ao bom Deus, eu estava de folga e não tinha o que fazer o dia inteiro. Minha mãe estava na casa de uma amiga ajudando-a a cuidar do filho recém-nascido e meu pai trabalhando no escritório, então eu estava sozinho. E sabem o que eu fiz? Absolutamente nada. Não sai de casa nem mesmo para ver como Tae estava depois da festa, fiquei o dia inteiro assistindo televisão e tacando o "foda-se" para tudo. Vou confessar, eu sempre quis fazer isso.

Mas minha paz não durou muito tempo.

Eram aproximadamente quatro da tarde quando ouvi batidas incessantes na porta de entrada, e reconhecendo a força e a frequência das batidas, pude saber imediatamente do que se tratava.

Levantei do sofá e abri a porta rapidamente, encontrando Taehyung com lágrimas nos olhos e uma marca vermelha na parte esquerda de seu rosto.

- O-o que aconteceu Tae? - Perguntei preocupado, puxando-o para dentro rapidamente e fechei a porta.

- Minha mãe e o Hyung brigaram de novo. - Respondeu com a voz fraca e levemente embargada. Eu não posso acreditar nisso!

- Mas... O Hyung não tentou conversar com ela? - Perguntei me aproximando.

- Foi exatamente por isso que eles brigaram. - Explicou, enxugando algumas lágrimas que escorriam com as mangas de seu moletom - Quando ela voltou pra casa começou a gritar comigo, falando pra eu nunca mais passar recados do Hyung pra ela, e que não queria que eu falasse com ele nunca mais. - Fiquei boquiaberto. Já não basta ela fazer todas essas coisas horríveis com os próprios filhos, ainda quer proibi-lo de ver o irmão? Isso já é demais!

- Mas ela não pode fazer isso, não tem nenhum direito de se meter na sua vida. Você já é maior de idade, sabe tomar suas próprias decisões. - Constatei um pouco alterado. Essa mulher me tira do sério.

- Eu sei disso, mas é que tudo isso me deixa tão... - Não conseguiu terminar, pois o choro e os soluços que estavam presos em sua garganta se fizeram presentes, fazendo-o cobrir o rosto com as mãos, abafando-o.

Vendo isso, meu coração mais uma vez apertou, e tudo o que pude fazer foi abraçá-lo com todas as minhas forças. Envolvi seu tronco com meus braços e deixei que ele envolvesse meu pescoço, retribuindo o gesto.  

- Calma, calma, eu estou aqui com você. - Minha voz saiu abafada contra seu peito. O mais alto continuava chorando e soluçando, o que me fez acumular lágrimas nos cantos dos olhos - Pare de chorar, por favor, você sabe como eu fico quando chora. - Afastei-me um pouco para encará-lo nos olhos. Taehyung retribuía quase na mesma intensidade, seus olhos tinham um brilho que raramente podia ser visto, o que significava que ele deveria estar muito triste e magoado com a mãe. Também pudera, as coisas que essa mulher faz com os próprios filhos é revoltante.

- Desculpe... Desculpe por te atormentar com isso, Jimin. - Desculpou-se tentando controlar o choro - Mas é que... Você é a única pessoa que pode fazer eu me sentir melhor. - Terminou esboçando um leve sorriso de canto, sorri de volta para ele, levando uma mão até seus cabelos e acariciando suas madeixas acastanhadas, fazendo-o fechar os olhos para aproveitar melhor o carinho que lhe era dado. Desci a mão até sua bochecha, posicionando-a levemente sobre a marca de dedos em seu rosto, acariciando a área com o dedão.

- Ela que fez isso com você? - Perguntei num tom de voz suave, sem quebrar o contato visual. Tae vacilou por um momento, para logo em seguida soltar um suspiro longo e cansado, apenas balançando a cabeça para cima e para baixo em afirmação - Sinceramente, o que ela tem na cabeça pra fazer isso com os próprios filhos? - Soltei mais como um suspiro, indignado por todas as coisas que já presenciei. Eu só não queria que meus amigos continuassem sofrendo - Ela fez isso por que você tentou defendê-lo, não é? - Eu já tinha uma ideia do por que daquelas marcas. Seu nível de ignorância é surpreendentemente alto e ridículo.

- Foi. - Respondeu simplesmente, abaixando a cabeça. Levei a outra mão até seu rosto, segurando-o e levantando-o, fazendo-o olhar diretamente para mim.

- Me escute bem Taehyung. - Pedi firme olhando em seus olhos, recebendo seu olhar em troca - Você não pode deixá-la te controlar dessa maneira. Tudo bem que ela é sua mãe, mas vocês não são mais crianças, sabem o que fazem e o que querem, vocês não precisam passar por nada disso. Namjoon Hyung sabe disso melhor do que ninguém, mesmo que sua mãe não tenha gostado nada da decisão dele, ele não desistiu do Jin Hyung, ele o ama muito, e esse amor é muito mais forte que esse preconceito. E, além de tudo isso, ele ainda tenta fazê-la entender, apesar de não estar adiantando muita coisa. Você deveria fazer o mesmo, Tae, não deixe que ela te controle, já percebeu o quanto ela está te fazendo mal? Você acha que eu me sinto bem sabendo que o meu melhor amigo sofre internamente todos os dias por causa do que ela fez com a própria família? Você acha que seu irmão se sente bem sabendo que toda a tensão causada por essas brigas cai toda em cima de você? - A partir desse momento, pude ver as lágrimas se acumulando nos cantos de seus olhos - Não Tae, não nos sentimos nada bem, é um sentimento horrível, eu me sinto incapaz de te defender da mesma forma que você me defende, me sinto um inútil quando você chora e eu acabo chorando mais que você, ao invés de te fazer se sentir melhor. - Pude sentir minhas lágrimas caindo pelo meu rosto e minha voz começar a ficar embargada - Está vendo? É disso que eu to falando. - Acabei me deixando levar e as lágrimas saiam descontroladas, encharcando meu rosto e me fazendo soluçar. Retirei minhas mãos de seu rosto para levá-las até o meu, tapando-o e abafando o choro que eu definitivamente não queria que viesse.

Eu sou mesmo muito fraco.

Logo, senti os braços do meu dongsaeng me rodeando e me puxando para mais perto de seu corpo, fazendo-me chocar contra seu corpo. Encostei minha cabeça em seu peito e apoiei-me em seus ombros, molhando seu moletom. Ele apoiou sua cabeça no topo da minha e afagava minhas costas carinhosamente, tentando me acalmar. Isso sempre acontece, eu sou tão fraco que nem quando quero confortar uma pessoa acabo sendo confortado no final.

Isso deve doer tanto, ter uma mãe preconceituosa e não ser capaz de ir contra ela. Eu acabo me vendo no lugar do Tae, não posso imaginar o sofrimento que ele passa, e isso me faz mal, muito mal, ele é uma pessoa tão alegre, merece toda a felicidade do mundo.

Ficamos naquela posição por um bom tempo, num silêncio que não era nem um pouco desagradável, na verdade, era até muito confortável estar abraçado a ele e apenas sentir seu peito subindo e descendo com sua respiração mais calma, e eu também podia sentir seu coração batendo em um ritmo normal, o que significava que ele já estava se acalmando.

Fico tão aliviado por isso.

Depois de um tempo, Taehyung apoiou suas mãos em meus ombros, afastando-nos minimamente, encarando-me com um sorriso. Eu já havia parado de chorar, mas meu rosto ainda estava inchado e marcado pelas lágrimas.

- Muito obrigado por estar comigo, Jiminnie. - Disse e me abraçou novamente com ainda mais força - Por favor, não se sinta um inútil, você não faz ideia do quanto me faz bem, do quanto suas palavras me ajudam a enfrentar todas essas coisas ruins. - Escondeu seu rosto na curva do meu pescoço, aprofundando o aperto - Eu não sei o que seria de mim sem você!

- Eu também não sei o que seria de mim sem você, Tae. - Afirmei com a voz fraca e ainda levemente embargada - Eu só quero te ver feliz de novo. - Confessei mais para mim mesmo, mas era tão bom falar tudo o que estava guardado na minha garganta em voz alta.

- Pode ter certeza que eu serei o homem mais feliz do mundo, Hyung!

 

- x -

 

2 meses depois

Passaram-se dois meses desde que aquela festa aconteceu, e praticamente nada mudou durante todo esse tempo. Meu desempenho na faculdade está cada vez pior por causa do estresse causado pelas horas e horas que passo trabalhando, me sinto cada vez mais cansado, principalmente por que já faz três dias que não consigo dormir direito. Seria muita sorte se eu conseguisse dormir pelo menos umas quatro horas por noite. Isso por que o final do semestre está quase chegando, e com ele as provas finais vem junto, e se eu não conseguir nota máxima, vou bombar na matéria. Por isso, logo quando chego da faculdade, reviso todo o conteúdo do dia antes de ir trabalhar, e isso está exigindo muito de mim, minha cabeça fica sobrecarregada de informações e às vezes tenho a impressão de que a qualquer momento ela pode explodir de tantas preocupações tomando conta de mim.

Mas fazer o que, eu preciso muito desse trabalho.

Era mais uma segunda-feira monótona no restaurante. Por ser inicio de semana ele não ficava muito cheio, no mínimo duas ou três mesas estavam ocupadas naquele horário, e com isso eu poderia aproveitar para descansar um pouco.

 Com isso em mente, dirigi-me até uma das mesas vazias mais para os fundos, lá o barulho do movimento dentro do ressinto era bem menor e eu poderia relaxar sem ter algo ou alguém me atrapalhando. Puxei uma das cadeiras e sentei, recostando-me nela e soltando um suspiro longo, relaxando os músculos. Passei a fitar o teto branco, divagando em meus próprios pensamentos. Eram tantas coisas para me preocupar, parando para pensar bem eu estou perdendo grande parte da minha juventude, estou me desgastando muito, chorando muito, sofrendo muito. Nada parece adiantar, eu me sinto tão estúpido por tentar mudar algo que é quase impossível ser mudado. Mesmo que eu saia para me divertir numa única noite, fico estressado todos os outros dias da semana, transformando aquelas poucas horas de diversão em algo inútil.

Sinceramente, eu não queria que as coisas tivessem tomado esse rumo.

Vocês podem até pensar: "Mas muitos jovens trabalham e fazem faculdade ao mesmo tempo". Sim, isso não deixa de ser verdade, mas nesses casos são trabalhos de meio período, eu trabalho quase um período inteiro para ganhar dinheiro o suficiente para pagar a faculdade e ajudar meus pais com as despesas, sem contar o pouco que sobra para gastar comigo mesmo.

A vida não é nada fácil mesmo.

Em meio a todos esses pensamentos, não pude evitar que minha mente viajasse de volta àquela noite, sorrindo involuntariamente ao ter minha mente preenchida novamente por aquele par de olhos tão negros quanto a noite. Já havia se tornado um hábito lembrar-me de sua figura toda vez que tentava desestressar. Às vezes ainda conseguia ouvir sua voz suave e levemente rouca sussurrando no meu ouvido durante a noite, ainda podia sentir o toque de suas mãos grandes e fortes em minha pele me apertando com força e desejo de forma enlouquecedora, sem contar os sonhos eróticos  que, sinceramente, eu queria muito que tivessem acontecido na vida real.

Não me julguem, eu não me envolvo assim com alguém há anos.

Ainda estou tentando superar o fato de que talvez eu nunca mais o verei de novo, mas sabem, é difícil esquecer alguém como ele. Não é todo dia que se encontra caras de atitude como ele.

Ah, se eu pudesse voltar no tempo e pegar o número de seu telefone.

Mas não, Park Jimin é impulsivo demais pra isso, ele sai por aí pegando qualquer um sem nem perguntar o nome.

Odeio minha vida.

- Viajando de novo, Jimin? - Dei um pequeno salto na cadeira ao ter minha atenção chamada pelo meu colega de trabalho. Por que eles sempre chegam assim de repente?

- Que susto Jaebum Hyung. - Coloquei a mão dramaticamente sobre o meu peito, arrancando uma risada fraca do garoto sentado a minha frente - Quer me matar?

- Não é culpa minha se você é avoado. - Abri a boca com incredulidade, arrancando mais risos dele. Serrei os olhos e lhe bati com o pano de prato que estava segurando - Aigo, por que me bateu? Eu sou seu Hyung menino. - Questionou com incredulidade.

- Um Hyung muito abusado. - Jaebum formou um bico em seus lábios. Desfiz a minha carranca e ri de seu gesto. Eu não consigo ficar bravo com ele sendo fofo assim - Precisa de alguma coisa? - Perguntei com o tom de voz normal.

- Ah, é que a Ahjumma está chamando todo mundo na sala dela, e pediram para eu vir te chamar. - Explicou.

- Que estranho, raramente ela chama todo mundo para a sua sala, deve ter acontecido algo muito sério. - Divaguei passando o indicador em meu queixo, pensativo - Você sabe sobre o que ela quer falar com a gente? - Balançou a cabeça em negação como resposta.

- Não faço ideia, na verdade ninguém sabe, estamos todos muito preocupados. Não é de hoje que a Ahjumma está estranha. Deve ser alguma coisa relacionada ao restaurante. - Concordei. Realmente, de uns tempos pra cá nossa chefe, a quem chamamos carinhosa de Ahjumma, parece um pouco perturbada, e isso vem nos preocupando há tempos.

- Então vamos logo, todos já devem estar lá a uma hora dessas. - Concluí levantando-me da cadeira e sendo seguido pelo meu colega.

Estou com um mau pressentimento.

 

 

 


Notas Finais


VAI TER CROSSOVER COM O GOT7 SIM! ♥ ~ ♥

Eu não resisti gente, é meu segundo grupo favorito, eu tinha que coloca-lo aqui de algum jeito. Jaebum foi só o primeiro.

Já formaram suas teorias? Me senti a BigHit agora :3

O que eu to falando, ninguém supera a BigHit quando o assunto é teoria ;-;

Vou ficando por aqui, meus amores.

Bjs e até º3º ~ ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...