História O Filho Do Meu Chefe - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Gay, Homossexual, Jikook, Romance, Vkook, Yaoi
Exibições 383
Palavras 2.131
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpe pela demora haha... A vida me deu uma lição muito boa com isso tudo... Que é... Não prometa NADA que você não tem certeza que pode fazer... Risos~ foi mal galera! Vou... Digo... Não vou prometer que vou postar rápido, mas vou tentar fazer em menos tempo hahah boa leitura!! :'3

Capítulo 5 - As Long As You Love Me


Fanfic / Fanfiction O Filho Do Meu Chefe - Capítulo 5 - As Long As You Love Me

O dia estava bem fechado em Seul, uma chuva densa, junto com um vento amargo e frio, o tempo parecia só piorar. E em uma casa grande, elegante com posses dignas e luxuosas, estava eu e meu chefe.

Nada havia sido comentado da noite passada que tive com Jimin, meu chefe, ele não comentou nada... Não sei porque. Quando acordei ele já não estava mais na cama, então me "ajeitei" e desci as escadas da grande casa, onde vi ele na cozinha, fazendo um suco de melancia cortando as frutas. Prefiro não falar nada... Não sei se ele gostou ou não "daquilo", chego a ter medo de perguntar.

Me sento no balcão de mármore negro pondo minhas mãos no mármore gelado, tinha pão, bolo e outras coisas em cima do balcão, então resolvi comer.

Jimin estava de costas para mim, cortando a melancia com uma faca grande e botando os pedaços em um copo. Será que devo perguntar? Sei lá, falar alguma coisa?? Não dei nem um, bom dia, para ele... Não quero ser grosso...

–Bom dia,Jimin...–Disse com a voz calma e nitidamente insegura. Ele parou de cortar as frutas, e ainda de costas disse:

–Bom dia...–O mais velho falou com um certo sarcasmo na voz,tentei ignorar esse pensamento de deboche e botei um pouco de café em uma das xícaras no balcão.

Aish!! Eu quero falar com ele! Eu preciso saber o que ele está sentindo por mim! Quero saber se ele me ama! Só quero que ele fale! Mais ele não diz nada!!! O que eu devo fazer?! Implorar?

–O tempo está frio, não é. –Tentei começar um assunto, sem tocar na noite passada.

–Uhum...–Murmurou ligando o mixer, fazendo um barulho alto que ficou difícil de me comunicar com ele. Parece que faz de propósito.

Bebi o café todo em 3 goladas rápidas e amargas e sai da cozinha, vou tentar evitar ele! Já que ele me evita! Agora eu que vou evitá-lo! Agora vem você me dizer, Ele é seu chefe!! Pode até ser meu chefe mas nós transamos!! E ele não disse nada até agora! O que quer que eu faça! Estou quase explodindo de insegurança!

–O que eu fiz da minha vida...–Sussurrei baixo só para mim,me sentei no sofá e decidi que ia ver uma coisa que ia me destrair por alguns minutos da droga de vida que eu tenho, desenhos.

Liguei em um programa infantil e comecei a assistir, Tom & Jerry.

Na vida eu sou o Tom... Só me fodo.

Minha atenção foi tirada da TV quando vi ele se aproximar e se sentar ao meu lado com o suco de melancia em um copo.

–Você é muito infantil...–Comentou bebendo o suco. Ele está conversando comigo agora?

–Eu gosto de desenhos...–Disse com uma pitada de frieza nas letras.

Ele chegou mais para perto de mim e envolveu seu braço no meu pescoço. Agora quer conversar...?

–Está confuso? –perguntou, olhando para a TV bebendo o suco.

–Não.–Minha frieza nas palavras eram insistentes em prevalecer. Mas que droga!

–Está bravo? –Interrogou-me novamente.

–Não, Senh...–Iria continuar mas... Acho que depois daquilo que nós fizemos chamar ele de senhor fica complicado...–Não, Jimin.–Disse pegando uma almofada e abraçando ela com força. Me sinto perdido.

–Você não queria? –Jimin virou meu rosto para ele,já que eu não estava afim de encará-lo, desviei meus olhos para baixo os fechando.–O que foi? Diz...–A voz dele é tão suave e calma, estava me provocando, sinto seus lábios tocarem nos meus, me dando uma sensação de prazer grande. Me sinto um virgem! Parece que nunca fiz sexo antes! Os toques desse homem são a minha fraqueza!–Vai ficar calado, mesmo?—levantou uma sobrancelha,queria que alguém me salvasse desse veneno, agora! Qualquer um!

–Não sei... –Disse virando meu rosto para a TV, com uma expressão seria.

Onw, My little bunny...–suas palavras estavam em inglês,porém, entendi nitidamente... Meu coelhinho... Ele me vê como um bichinho? É esse o bichinho que ele tanto diz... Eu não sou um coelho, um bichinho, um objeto. Sou um ser humano! Mereço respeito! Sou digno de respeito! Por que estou com raiva!?

–Jimin, não quero falar agora.–Me controlei ao máximo para não... Sei Lá!

Me levantei do sofá com pressa e sai andando batendo meus pés com raiva no chão.





                            [ ... ]




–Jungkook... –Ouço a voz do mais velho do outro lado da porta.

–Só um minuto...–Disse me levantando da cama e espreguiçando meu corpo adormecido. Dormir foi a melhor opção para mim. Percebi que só estava de cueca, até porque eu não durmo de roupa, me incomoda muito. Botei uma calça moletom e fui atender a porta.–Oi...–Minha voz estava sonolenta ainda.

–Estava dormindo, Little bunny? –perguntou a mim, já começou mal... Calma Jeon... Calma...

–Sim, senhor...–Cocei os olhos.

Ele estendeu a mão para mim e quando olhei... Havia 2.500 wons nela.

–O que é isso? –Perguntei abrindo os olhos observando as notas.

–Dinheiro... Nunca viu? –Perguntou sendo irônico, pegando seu celular.–Pega.–Botou o dinheiro contra minha barriga me obrigando a pegar.–É pelo excelente trabalho que você tem feito sendo meu segurança.–Owwnt que fofo! Acabei por deixar um sorriso bobo escapar. Ele estava digitando mensagem para alguém no celular.

–O-obrigado... Senhor.–estava com um pouco de vergonha olhando as notas em minhas mãos.

O que vou fazer com esse dinheiro?

–Tudo bem... Eu vou sair mais tarde, umas 22:30, vamos ir em uma "casa"–Ele disse fazendo aspas com as mãos quando disse casa. O que eu vou fazer em uma casa de programa?

–Por que? –Questionei franzindo o cenho.

–Negócios.–riu fechado. –Achou que ia te vender? –Ele olhou pro meu abdômen,e parecia estar querendo me devorar com seus olhos. –Não te troco por ninguém, little bunny–Disse passando a mão pela minha barriga. Eu estou bem sem graça agora, me sinto estranha perto dele.

–Sim, Senhor.–Me reverenciei para ele, são 15:37... Acho que vou dar uma saída, comprar roupas novas e cortar meu cabelo também.–O senhor... se importaria se eu desse uma saída? –Perguntei e ele tampou minha boca com seu indicador.

–Jeon, se você me chamar de senhor mais uma vez ,eu juro que você morre.–Eu fiquei com medo... Ainda mais com a expressão seria que ele fazia me encarando.

–Desculpa...–Um beiço involuntário surgiu nos meus lábios e olhei para o meu lado tentando disfarçar minha vergonha,de estar sem camisa na frente dele.

–Pode... Mas aonde vai? –Questionou me, com o celular em suas mãos digitando coisas para alguém.

–Vou ir no barbeiro corta o cabelo, e comprar roupas...–Me encostei na porta entre aberta.

–Está bem... Vá, e não demore muito.–Ele olhou nos meus olhos firme e desviei o olhar passando a língua nos lábios os umedecendo. O ruim é que essa chuva está bipolar!

–Vou pedir para meu motorista te levar, assim você não se perde.–Disse e eu assenti. Assim fica mais fácil para mim, do que ir de ônibus.

Troquei a roupa, botei uma calça jeans preta, um casaco preto simples e uma blusa branca com o símbolo do nirvana. Jimin me levou até a garagem onde tinha 4 carros diferentes.

–Escolhe um...–Me concedeu a escolher um dos carros e acabei por escolher o que menos chamava a atenção,não quero andar por aí com uma lamborghini Venom laranja,Chama muita atenção. Peguei um carro que na minha opinião era bem grande mais era o mais simples que tinha.

–O que você tem contra lamborghinis? –Perguntou sorrindo botando a mão na lamborghini.

–Nada... Só chama muito atenção...–Disse já entrando no carro,e vejo o motorista entrar junto comigo.

Esse motorista é um velhinho muito amável em minha opinião.

–Uhm... Tudo bem...–Ele se aproximou da janela do carro aberta.–Não vai me dar um beijo? –Perguntou sorrindo, e me senti desconfortável com o motorista presente no local.

–Nós ainda temos que conversar muito, Jimin... Xiiu...–Disse baixo tentando disfarçar minhas palavras.

–Tá... Mas quero meu beijo...–A autoridade na voz dele me mantem indefeso.

Selei nossos lábios rapidamente, e ele puxou minha nuca me obrigando a continuar,conseguia sentir o desconforto do motorista ao meu lado. Eu não quero para, mas vai ser necessário. Mordi de leve a língua dele que se separou com a mão na boca.

–Isso é geito de tratar seu chefe? –Disse o moreno chateado.

–Vamos? –Mudei o assunto, e o motorista assentiu ligando o carro.

Pelo menos estou livre dele por algumas horas... Horas essas que vou pensar um pouco e refletir sobre meus atos. Espero que não me arrependa de nada que estou fazendo.

Dirigimos até um shopping local de Seul, era grande, rústico, bonito e luxuoso.

Sai do carro e já sou atingido com o frio terrível e uma neblina chata que estava no ambiente chuvoso.

Entrei no shopping e o motorista disse que ia me esperar voltar dentro do carro.

Estava com uma bolsa masculina e nela guardava coisas de uso pessoal e o dinheiro.

Entrei no shopping e comecei a olhar as lojas e as roupas que me interessaram, comprei barbeador, camisas, sapatos, calças, bermudas, pulseiras, brincos, uma garrafa do Mickey que achei legal e alguns perfumes. e de tanto andar pra lá e pra cá, fiquei com sede e comprei um shake de chocolate para beber. Estava para ir embora quando avistei um moletom de rosquinhas amarelo que eu precisava comprar, era lindo!

Entrei na loja e vê que estava só
27,00 wons!! Lindo e barato!
Dois em um.

Peguei um dos moletons e sem olhar acabei esbarrando em uma pessoa, eu estava cego pelo moletom!

–Me desculpe! –Me redime, e quando vi a pessoa era o empresário que havia visto na empresa do meu chefe uma vez...–Ah...olá senhor Namjoon... Digo Namjoon.–Me reverenciei, meio sem geito.

–Ahah, oi Jeon... Então? O que faz aqui? –Disse ele pegando uma sacola que havia caído de seus braços.

–Comprando coisas hah–Falei o óbvio.

–Ah, claro! Que bom, como está o Jimin? –Perguntou com um ar meio estranho.

–Está... Bem...–observei ele me encarando sorrindo... Estranho.

–Ninguém apareceu querendo matar ele também? –Sua voz estava em um tom brincalhão.

–Háha... Não...–Entrei no clima com uma certa desconfiança.

–Ah sim... Que bom, não é, eu...preciso ir...–Confessou sorrindo deixando suas covinhas destacadas no rosto.

–Entendo... Claro, até mais, Namjoon! –Sorri abertamente para ele que logo saiu da loja sumindo da minha vista.

Terminei de pagar o casaco e botei em uma sacola, acho que agora só vou cortar o cabelo.

Andei um pouco pelo shopping e consegui achar a saída... Mas antes... Avistei balas, doces, e não resisto a doces e acabei comprando também, bolas de chiclete e balas de morango.

Agora vamos pro carro. Sai do grande shopping e ali já pude ver bem destacado dos outros carros, o carro do meu chefe. Entrei nele e logo o velho senhor ligou o mesmo.

–Aqui...–Ofereci uma bala para o senhor que sorriu.

–Oh... Obrigado, meu jovem.–Ele pegou a bala e abriu a comendo, me senti feliz por ele ter gostado.–Você quer contar o cabelo, certo? Conheço uma barbearia ótima! E barata.–Disse sorrindo saindo do estacionamento.

Chegando lá, vi que estava vazia, então, eu seria atendido bem rápido, também... Quem é que sai para cortar cabelo em meio a esse temporal. Entrei no lugar e pedi um corte simples, ao qual sempre faço. Logo estava terminado, cortado, alinhado e liso, gostei! Paguei ao homem, e me despedi dele agradecendo.

Voltei para o carro e entrei no banco da frente,já que o traseiro estava com várias sacolas. Finalmente voltamos para casa, entramos na garagem e eu sai animado com as compras.

Abri a porta de trás do carro e comecei a tirar as coisas.

–Que demora. –Ouço a voz de Jimin presente na garagem.

–Com licença.–O senhor saiu nos deixando a sós. Eu não quero ficar sozinho com ele! Que caralho!

–Comprou alguma coisa para mim? –Perguntou, eu estava de costas para ele tirando as bolsas do carro, quando sinto sua mão envolver minha cintura e seu íntimo roçar em mim.

Enfiei a mão em uma das sacolas e achei um brinco de argolas pequenas prateadas que havia comprado dois deles,puxei para mim e me virei dando o objeto a ele.

–Tem bom gosto...–Disse ele observando o brinco sorrindo com malícia para mim.

Eu não quero nada além de profissionalismo com Jimin, mas está difícil!

–Então... Eu vou guardar isso no quarto e...–fui interrompido com um selar que ele começou e acabei por me deixar levar com o clima, estava bom e prazeroso, me deu vontade de puxar ele para dentro daquele carro e transar ali mesmo, mas, Não! Nada além de profissionalismo–Jimin...–Rompi o beijo e o afastei com os braços.

–Diz.–Falou frio e impaciente, essa tonalidade dele me deixa tão estranho. Quer saber... Vamos acabar com isso!!!

             Você me ama?

Perguntei encarando o mais fundo possível de suas órbitas negras. Ele desviou o olhar suspirando fundo.

–Qual a diferença? –Perguntou-me com tédio.

–Só me diz...


Notas Finais


Até não sei quando.... Talvez eu poste amanhã ou só ano que vem... Quem sabe... :'3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...