História O garoto dos olhos enigmáticos - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Bia, Castiel, Charlotte, Dakota, Debrah, Dimitry, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Letícia, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Nina, Peggy, Personagens Originais, Priya, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Senhora Shermansky, Violette
Tags Adele, Faculdade, Karolkeiron, Luiza, Lysandre, Olhos Coloridos
Exibições 40
Palavras 5.540
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Comédia, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Poesias, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


- Olá tudo bem com vocês?

Desculpa a demora... Muitas coisas! =/
Depois eu passo os motivos!

Obrigada por acompanhar!

Boa leitura!

Capítulo 5 - Quero ser uma luz no céu


Fanfic / Fanfiction O garoto dos olhos enigmáticos - Capítulo 5 - Quero ser uma luz no céu

Luiza On.

Terminando a aula, recebo de imediato a mensagem da Adele pedido para me encontrar na entrada da faculdade, ela quer que eu cante.

Luiza: Ai Adele... Você quer me fazer passar mico mesmo?

Nath: Falou comigo?

Ah é verdade... Estávamos saindo e nem percebi que o Nathaniel estava ao meu lado. Neguei com a cabeça e continuei guardado meus materiais.

Luiza: Não é nada! É somente minha amiga querendo falar comigo... (Sorri para ele).

Nath: Nem tive a oportunidade de conhece-la melhor! Ela parece ser uma pessoa bem legal!

Luiza: Você vai amar em conhece-la!

Melody: Nath... Você não vem?

Nath: Para onde?

Melody: Horas para onde! Para biblioteca, precisamos terminar o nosso trabalho lembra?

Nath: Eu me esqueci disso... E você Luiza? Não tem nenhum parceiro para fazer o trabalho?

Luiza: Bem.. Eu...

Melody: Ela consegue se vira sozinha... Não é verdade? (Ela me olhava com deboche).

Olhei para ela de cima em baixo, dei uma risada nervosa, mordi meus lábios contendo um xigamento em pensamento.

Luiza: É verdade! Eu consigo me vira sozinha! (Concordei com a cabeça).

Nath: Tem certeza? Qualquer duvida por me falar! (Ele anotou algo em minha mão). Pode me ligar se precisa de ajuda! (Ele sorria para mim).

Olhei para ele sem entender, olhei para a Melody e ela estava vermelha de raiva, só para dar mais gostinho a ela, peguei sua mão e escrevi também o meu número.

Luiza: Esse é meu...

Nath: Valeu! Até mais... (Ele sorria com o rosto corado).

Luiza: Até!

A Melody iria falar algo mais não deu tempo, Nath a chamou, mais fui privilegiada com um olhar mortal. Virei para terminar e arrumar meu material, tenho que me agilizar, para me encontrar com a Adele.

Luiza Off.

Bernardo On.

Hoje meu trabalho se resumiu somente a procura de pistas perto do lago em que aconteceu aquele acidente horrível, mais é algo bom. Porque afinal eu não irei ficar afundado o dia inteiro naquela sala fechada fedendo a mofo.

Erick: Delegado?

Bernardo: Diga Erick!

Erick: Acredito que nesse bosque não vamos avançar muito... (Ele falava meio desconfortável). Porque não vamos voltar e procurar mais pista na faculdade mesmo?

Bernardo: Está entediado Erick?

Erick: É que esse lugar me traz más lembranças... Foi minha primeira investigação... Ainda tenho em minha mente o corpo sem vida daquela moça...

Bernardo: É justamente porque estamos aqui... Para que mais nada disso aconteça com mais nenhuma outra moça! Pensa nos pais delas... Estão preocupados, sem ter noticias de suas filhas!

Erick: Tudo bem... Eu entendo! Mais será que podemos fazer pelo uma pausa... Estamos à tempos nisso!

Bernardo: Tudo bem... Somente cinco minutos! Eu vou continuar!

Erick: Tudo bem! (Ele se sentou perto de uma pedra).

Ele sentou e pude perceber um pedaço de pano branco ali.

Bernardo: Pera lá Erick! Não senta!

Erick: Ai o que eu fiz?

Bernardo: Espera! Me ajuda a tira essa pedra!

Erick: Sério mesmo? O que essa pedra fez para o senhor agora?

Bernardo: Tenho cara de que está brincando? (Olhei sério para ele).

Erick: Tudo bem! Tudo bem!  Vamos lá!

Fizemos força para tirar aquela pedra enorme e vi que era uma camiseta branca com o brasão da faculdade em que a Luiza estuda.

Bernardo: Era o que eu temia!

Erick: O que é?

Bernardo: Erick... Lembra o que os pais das meninas nos informaram? Sobre os cursos que elas faziam?

Erick: Sim... Eu me lembro!

Bernardo: E veja só... Essas cores dessa camiseta e esse curso não pertencem a nenhuma delas... Mais é de uma menina a julga pelo tamanho e de outro curso!

Erick: O que isso quer dizer? (Ele deu de ombro).

Bernardo: Que pode ser uma menina que pode está fazendo tudo isso... Vamos levar para a delegacia...

Erick: Ah só porque eu queria descansar...

Bernardo: Veja bem Erick... Estamos preste a descobri quem está por trás disso tudo! Posso pagar um lanche!

Erick: Opa! Agora sim!

Bernardo Off.

Luiza On.

Eu fiquei esperando a Adele na porta de entrada da faculdade, mais nada dela aparecer.

Luiza: Ai cadê essa menina? (Olhava para os lados, mais só via as pessoas entrarem em seus carros e pegarem suas motos e irem embora).

Adele: LUIZA!

Olhei para trás e ela estava correndo, não entendi bem o porquê.

Luiza: Caralho Adele... (Coloquei a mão no coração). Me fez ficar plantada aqui te esperando!

Adele: VEM RÁPIDO MERDA! Não tempos muito tempo!

Luiza: O que? Por quê? (Ela pegou em braço e me puxou). Ai você está me machucando...

Adele: Relaxa... Já vamos chegar! (Ela tinha um sorriso estranho, tenho medo disso).

Ela continuou me puxando até entramos em uma sala com alguns instrumentos musicais e um piano lindo preto.

Adele: Ah como estou com saudades de um ambiente assim... Será que meus bebês já chegaram? (Ela colocou a bolsa em algum lugar).

Luiza: Fala de seus instrumentos? (Eu passava a mão no piano).

Adele: Sim! Bem... Vamos porque não tempos tempo!

Luiza: Em falar nisso porque viemos correndo?

Adele: Bem... Isso? Hehehe... É porque eu roubei a chave de alguém?

Luiza: Não me diga que você pegou a chave daquele menino...

Adele: Sim! (Ela foi abrindo o piano e se sentando).

Luiza: Eu não acredito... Adele... Ele vai nos comer viva!

Adele: Até que eu gostaria disso...

Luiza: Deixa de ser imbecil... (Dei um tapa e sua cabeça). Vamos devolver a chave agora!

Adele: Não vai adiantar... Ele vai querer nos matar de qualquer maneira mesmo... Vai dar na mesma... Ai senta e relaxa ai... Quero paga minha divida! (Ela me indicou para sentar ao seu lado).

Luiza: Ai Adele... (Sentei ao seu lado). Isso vai dar merda! Muita merda!

Adele: Calma... Vamos mudar de assunto... Talvez isso te relaxa... Sabe eu fiquei estudando algumas notas para harmonizar sua musica.

Luiza: Mesmo? E você lembra da letra? (Abri a bolsa pegando o bloco de notas).

Adele: Lembro... E veja se ficou bom?

Luiza: Ok!

Ela começou a dedilhar sobre as teclas, e cada vez mais fico encantada com ela. Ela tocou algumas notas e que soaram muito bem.

Adele: Bem... Foi até ai que eu conseguir harmonizar... Agora falta só a parte melódica... Que é com você!

Luiza: O que? Não mesmo... Eu sou péssima cantando... Vai você! (Entreguei o bloco de notas a ela).

Adele: Vai Luiza... Estamos só nós duas... (Ela ficava me olhando, e me intimidando).

Luiza: Para com isso!

Adele: Isso o que? (Ela ficava me olhando).

Luiza: Argh! Ok!

Adele: Sabia que conseguiria! (Ela tinha um sorriso vitorioso no rosto).

Luiza: Eu te mato!

Adele: Eu sei que me ama... Vamos lá! Eu começo tocando e te indico quando começar!

Luiza: Ok!

Ela começou tocando e logo pediu para eu começar a “cantar”

Nova história – Malta

Espero aqui

Pelo fim tão ensaiado

Não vou mentir

Sempre vi mais o meu lado

 

E na hora de dizer o não

Foi a hora que eu disse sim

Mesmo cego, sem direção

Posso ouvir, mas finjo que não

 

Olhos fechados, entrego os dados

Já não vou mais jogar com você

Serei lembrado ou exilado

De um lugar que eu nem mesmo pisei

 

Vão fingir gostar de mim

Enquanto eu fujo pra outro lugar

Por que as coisas são assim?

 

Quero ser uma luz no céu

Pra que você me escolha

Vou mudar o mundo

Escrever a nossa nova história

E quando esse inferno passar, vou esperar

E não haverá fim

 

Viver, morrer, é tudo igual no fim

O que muda é a história que irão contar

 

Quero ser uma luz no céu

Pra que você me escolha

Vou mudar o mundo

Escrever a nossa nova história

E quando esse inferno passar, vão esperar

E não haverá fim

 

Até que não foi ruim cantar ou pelo menos tentar.

Adele: Até que não foi ruim... A sua voz melhorou desde última vez!

Luiza: Deixa de besteira! (Guardei meu bloco de notas em minha bolsa). Você está falando isso só para me deixar melhor... Pode falar a verdade... Minha voz é horrível! (Coloquei minha mochila em minhas costas).

Adele: Deixa de ser chata... Estou falando a verdade! (Ela fechava o piano). Estou dizendo... Essa música é boa!

Luiza: Ai Adele... Música não é minha área... E você sabe disso!

Adele: Olha... Não vou ficar te adulando, quando essa música fazer muito sucesso, não me venha me agradecer depois!

Luiza: O que você pretender fazer?

Adele: Bem... Você pode me emprestar? Quero tentar fazer algo!

Luiza: Adele... O que você pensar em fazer?

Adele: Quero realizar o seu sonho!

Luiza: Como assim?

Adele: Quer dinheiro? Não quer seu atelier? Então... Deixa comigo!

Luiza: Adele? (Olhei para ela a repreendendo).

Adele: Relaxa Mana... Confia em mim!

Luiza: Esse é meu medo... Confia em você! Da última vez que confiei acabei me ferrando... Mais tudo bem! Desde que dessa vez, você venha comigo... (Retirei o bloco de notas e destaquei a folha e lhe entreguei). Toma!

Adele: Posso fazer algumas mudanças?

Luiza: Tudo bem!

De repente a porta da sala se abriu.

Castiel: Eu não acredito! COMO VOCÊS ENTRARAM AQUI? (Ele nos olhavam furioso).

Olhamos uma para outra assustada.

Adele: Fudeu neguinho! Vamos Luiza!

Ela pegou no meu braço e me puxou me tirando dali como um raio pela outra porta.

Luiza: EU SABIA! EU SABIA QUE IRIA DAR MERDA! EU DISSE!

Adele: TÁ! TÁ! SÓ CORRE!

Castiel: ESPERA AI... VOCÊS VÃO TER QUE ME EXPLICAR COMO É QUE VOCÊS ENTRARAM NA SALA! NÃO PENSA QUE VOCÊS VÃO FUGIR ASSIM...

Adele: ROUBEI A SUA CHAVE... Em fala nisso... (Ela parou de correr e virou para ele e se reverenciou). Muito obrigada! Deixei na porta! Beijos! Hahahahaha...

Ela saiu rindo e ainda correndo, olhei para trás e não o vi  mais. Chegamos no estacionamento e estávamos ambas ofegantes.

Luiza: Eu... Eu... Eu juro que te mato Adele! (Falava sem folego e apontando para ela, com as mãos em meu joelho).

Adele: Hahaha... Não... Não vai... Me dizer que não... Foi divertido! Essa... Essa adrenalina toda!

Luiza: (Empurrei ela e ela ainda ria). Vamos embora logo! Louca!

Adele: Hahaha... Amei...

Entramos no carro, arrumei meu cabelo e liguei o carro e seguir meu caminho para casa. Pelo caminho eu xingava Adele, mais ela não estava se importando, estava bem feliz com a sua folha que rabiscava.

[...]

Meu pai me ligou nos disse que não iria chegar cedo, e que era para jantar sem ele. Jantamos e Adele foi direto para o seu quarto, ela estava com saudades dos seus instrumentos. Terminei de limpar a cozinha e subir também para o meu quarto, tenho que começar meu trabalho.

Ao lembra disso lembrei da cara da Melody quando o Nath me chamou para fazer trabalho com eles, não iria dar muito certo, eu com certeza iria provocar raiva na Melody. Apesar que eu iria gosta muito.

Sentei na minha cama e peguei meu celular para ligar para o Rafael, mais ele foi mais rápido e me ligou assim que peguei o aparelho.

Ligação On.

Luiza: Eu iria justamente ligar para você!

Rafael: Que bom que eu fui mais rápido... Rsrs...

Luiza: Estou com saudades! (Fui até em minha bolsa pega meus materiais).

Rafael: Também estou com saudades, minha princesa! Como está sendo as coisas por aí? As pessoas estão te tratando bem?

Luiza: Bem... Elas são pessoas bem calorosas!

Rafael: Como assim... Alguém se atreveu em mexer com você? Porque se for isso, eu vou agora mesmo para ai e quebro a cara dele!

Luiza: Hahaha... Não! Para seu bobo!

Rafael: Hahaha... Que risada linda! Estava com saudades de ouvi-la!

Luiza: (Meus olhos se encheram de lágrimas). Eu sinto muita sua falta! (Sem querer deixei escapar um soluço).

Rafael: Eiii... Não chore tá legal! Porque você não faz assim... Porque você não vem me visitar final de semana que vem?

Luiza: Tenho que ver com o meu pai!

Rafael: Tenho certeza que ele vai deixar!

Luiza: Pode ser... Espero que eu não fique atolada de trabalhos!

Rafael: É verdade! Mais me conte... Como é a cidade?

Luiza: Bem... Digamos que a cidade é bem legal... Hoje não fez sol... E o que é mais estranho... São as pessoas!

Rafael: Novidade do sol não ter aparecido! Rsrs... Mais porque as pessoas são estranhas?

Luiza: Bem... Creio que elas guardam um segredo!

Rafael: Todos têm segredos Luiza!

Luiza: Até você?

Rafael: Bem... Não é bem isso que eu quero dizer... Bem... O que eu quero dizer é que isso é normal! Afinal você ainda é uma estranha para elas!

Luiza: Hum... Bem... Isso é verdade! Eu queria falar com o meu pai hoje, para tirar uma dúvida! Mais hoje ele nem vem cedo para casa!

Rafael: Sabe... Acho que você vai dar uma ótima jornalista!

Luiza: Obrigada!

(Ouvi uma voz feminina chamando o Rafael).

Luiza: Tem alguém com você Rafael?

Rafael: Quem? Er... Não! Quer... Sim... É somente minha prima! Sabe... Ela e os meus tios vieram hoje jantar aqui...

Luiza: Entendo!

Rafael: Eu preciso ir... Mais ver com o seu pai sobre você vim aqui passar o final de semana!

Luiza: Ok! Pode deixar! Eu vou falar com ele!  

Rafael: Eu vou indo!

Luiza: Te amo!

Rafael: Também! Tchau!

Luiza: Tchau!

Ligação Off.

Que estanho, Rafael nunca me falou dessa prima dele. Tem algo estranho, rapidamente recebi uma mensagem do meu pai perguntando se estava tudo bem, respondi a ele que estava tudo sobre controle.

Peguei todos os meus materiais e fui para minha mesa de estudos para estudar melhor. Mais fui interrompida pelo furacão da Adele.

Adele: Nossa Luiza... (Ela fechou a cara para mim).

Luiza: O que? (Olhei assustada para ela).

Adele: Mais que quarto bagunçado! Eca... Olha isso! (Ela pegou minha meia que deixa jogada no chão).

Luiza: Aff... Adele! Meu quarto... Minhas coisas! (Virei para minha mesa).

Adele: Argh... Me dar agonia olhar essas coisas bagunçadas!

Luiza: Tanto faz.. (Dei de ombros e liguei meu computador). O que você quer?

Adele: Deixa de ser grossa comigo! (Ela me deu um tapa em meu ombro). Veja... Eu terminei sua música... E sabe... Ela vai ficar melhor no gênero Rock ou Pop Rock!

Luiza: Sério? Achei que ficou tão bonita no piano...

Adele: Qualquer coisa pode se fazer no piano... E sabe... Você tem talento!

Luiza: Não exagera!

Adele: Não estou... E sabe o que eu descobri? (Ela puxou um puff e se sentou ao meu lado).

Luiza: O que? (Peguei uma apostila para começa a minha pesquisa).

Adele: A faculdade quer fazer um concurso lá... Tipo um show de talentos!

Luiza: Eee... ???

Adele: E o vencendo ganhar R$ 2,000 reais... Sabe o que isso significa?

Luiza: O que? Não... Não! Não! (Olhei para ela assustada).

Adele: Sim! Sim! Luiza... Essa é uma oportunidade única! Você começa com o seu negócio...

Luiza: Não Adele! Você sabe como eu me sinto na frente dos outros, me expor e tudo mais... Isso não é comigo! E outra eu vou passar vergonha!

Adele: Não custa nada Luiza! É um dinheiro que se conseguimos, pelo menos você tem um fundo de garantia para conseguir construir seu atelier... Por favor!

Luiza: Ai... Eu vou pensar! Não sei nada de música!

Adele: Eu te ajudo!

Luiza: Isso não deu certo da outra vez!

Adele: Mais sinto que dessa vez vi dar certo! Vamos! Eu sei que você vai aceitar!

Luiza: Veremos!

Ela saiu sorrindo e olhando para mim. Neguei com a cabeça e tentei me concentrar nos meus estudos.

[...]

Algum tempo depois de estudar muito sobre o conteúdo, decidir fazer uma pausa. Fui para perto da minha janela, e fiquei vendo o vento lá fora que fazia movendo as árvores. E me veio a lembrança daquele menino.

Tem alguma coisa nele que me intriga, ele parecer ser tão popular, mais pelo seu jeito, ele nem quer saber disso. E porque eu não sossego com esse motivo de querer saber sobre o passado dele? Alguma coisa não cheira bem nessa história.

Passei a mão pelo meu pescoço e sentir que faltava algo.

Luiza: Meu colar! Meu Colar!

O meu colar que tanto guardo, com uma rosa branca que era da minha avó, que minha mãe me deu, eu não posso perder ele... É a única recordação que tenho da minha mãe.

Luiza: Não pode ser! (Eu já estava quase chorando). ONDE VOCÊ ESTÁ? (Eu revirava os lençóis e as coisa que eu encontrava pela frente, mais nada de encontra-lo). Merda! MERDA!

Adele: O que houve? (Ela abriu a porta do quarto, vestida já de pijama).

Luiza: Adele! Me ajuda! Não consigo encontrar meu colar! (Eu suplicava em desespero para ela).

Adele: Também! Com essa bagunça toda! É capaz de você encontrar um mendigo por aqui!

Luiza: Não começa! Não começa... Me ajuda!

Adele: Você sabe quando tirou ele? (Ela revirava minhas coisas tentando procurar).

Luiza: Eu nunca tiro ele...

Adele: Assim fica difícil de te ajudar meu amor! (Ela me olhava nervosa).

Luiza: Ai Adele... Aquele colar é muito importante para mim! E você sabe disso...

Adele: Puta que pariu! Vamos achar essa merda então!

Luiza: Não fala que meu colar é uma merda!

Adele: Ok! Ok! Retiro o que eu disse!

Luiza: Eu tenho que acha-lo...

Ficamos vasculhando as coisas, mais não encontrei nada, e vejo que a Adele também não.

Adele: Pelo visto ele não está aqui Luiza! Você deve ter perdido ele em algum lugar!

Luiza: Não pode ser! Não pode! Eu não posso ter perdido ele...

Adele: Talvez você o encontre na faculdade! Sabe... Quando a gente correu do Castiel!

Luiza: Ai Adele! (Me sentei na cama desanimada). Aquela faculdade é enorme... Vai ser como achar uma agulha no palheiro!

Adele: Fica tranquila! Eu vou te ajudar também!

Luiza: Ok!

Adele: Eu vou dormi... Preciso descansar! E acho que você deve fazer o mesmo!

Luiza: Eu vou tentar procura lá embaixo talvez eu ache!

Adele: Ok! Boa noite! Não vai dormi muito tarde!

Luiza: Tudo bem!

Ela saiu do meu quarto e eu fiquei tentando procurar algo, mais não achei nada.

Luiza: Acho que vou dormi... Já estou à muito tempo nisso... Tenho que aceitar o fato de que perdi ele mesmo.

Retirei a bagunça da minha cama e joguei no chão e me deitei na cama, sem ter nenhum pingo de sono.

[...]

Acordei no outro dia, extremamente cansada. Fui no meu banheiro e fiz minha higiene e vestir uma calça preta, um coturno preto, uma blusa regata branca e uma camiseta de botão xadrez vermelha, deixei meu cabelo solto. Não estava nem um pouco de me arrumar, passei a mão em meu pescoço e me olhei no espelho e me veio a falta do meu colar.

Peguei minhas coisas e desci para tomar café. Eu esperava que meu pai estivesse ali, mais só encontrei um bilhete e uma mesa cheia de comida.

“Bom dia meninas! Me perdoe por não tomar café com vocês! Mais é que hoje temos um caso muito importante para resolver. E não quero chegar muito tarde da hoje à noite novamente, então preferi sair mais cedo. Tenham uma boa aula e excelente manhã. ”

Meu pai está trabalhando muito... Sem perde muito tempo, subi para chama a Adele, mais ela já estava descendo.

Luiza: Veja só... Nem precisou chamar!

Adele: É que descontei todos os meus estresses nos meus bebês essa noite! Estava com saudades já! (Ela se sentou na cadeira perto da mesa). Ué? Cadê o tio Bernardo?

Luiza: Saiu mais cedo... Mais deixou o café pronto!

Adele: Hum... Parece gostoso!

Luiza: Coma logo para irmos para faculdade... Quero encontrar meu colar!

Adele: Oh! É verdade!

[...]

Chegamos na faculdade bem cedo, mais parece que não tem muita gente aqui.

Adele: Nossa... Parece que não tem ninguém!

Luiza: Verdade! Melhor assim!

Adele: Vamos nos dividir?

Luiza: Acho que vai ser mais rápido! Eu vou para esse lado e você para esse!

Adele: Ok!

Luiza: Quem achar primeiro, manda uma mensagem!

Adele: Eu te ligo... Odeio fica mexendo nessas porcaria! (Ela revirava os olhos).

Luiza: Parece uma velha!

Adele: Abestada! Vamos logo!

Saímos correndo cada uma para o seu lado. De minutos em minutos eu encontrava alguém e perguntava se tinha encontrado o meu colar. Eu parecia aquelas crianças quando pedem o seu animal de estimação.

Mais eu não tinha nenhum sucesso. Eu entrei numa parte da faculdade, que se parecia com apartamentos, acredito que tenha alunos dormindo por aqui. Para não acorda ninguém com os meus passos, eu fui andando calmamente, creio que não vou encontrar meu colar por aqui, então tenho que sair logo daqui.

Quando eu estava chegando no final do corredor, eu sentir um cheiro horrível, parecia carne podre.

Luiza: Nossa que cheiro horrível! (Meu estomago embrulhou na hora, coloquei minha mão no nariz para amenizar). Será que ninguém sente isso aqui?

Eu ia continuar, mais alguém abriu a porta e me fez assustar, então eu sair correndo sem saber quem poderia ser. Mais que cheiro mais estranho é esse? Não é normal isso em uma faculdade, não é?

[...]

Eu já tinha andando a faculdade toda, e nada de eu encontrar meu colar. De minutos e minutos eu olhava meu celular, mais não tinha nenhuma chamada da Adele.

Luiza: Merda!

Eu queria um lugar sossegado para expressar minhas emoções, e com as pessoas chegando, por aqui não vai ser possível. Então eu vi um jardim bem bonito, fui andando até ele para ver se ninguém me via.

Foi então que encontrei um lugar bem lindo, eram cheios de árvores e muitas flores, o que se dava a intensão de que era um jardim fechado. A grama era fofinha e bem aparada, e tinha alguns bancos.

Luiza: Esse lugar é perfeito! (Me sentei no banco e deixei minha mochila no chão). Como eu sou idiota... Nem o seu colar eu conseguir guardar mamãe!

Fiquei olhando para baixo, e não pude evitar de chorar.

Luiza: Como eu fui estupida! Era a única recordação sua! Snif! Snif!

Lys: Porque se despreza tanto Luiza?

Eu levei um susto, pensava que estava sozinha, ele estava sentado atrás de mim em um banco, como eu não o vi?

Luiza: Oh! Você? M-me perdoe... Eu não sabia que você estava aqui! (Nem me ousei em vira para vê-lo, sei que estou vermelha).

Lys: Tudo bem... Eu gosto de vim para cá sempre antes das aulas, não gosto de chegar estressado... Ou para busca inspirações nas minha canções!

Luiza: Oh! Então... Eu vou te deixa tranquilo! (Peguei minha bolsa).

Lys: Não! (Ele veio e se sentou ao meu lado). Tudo bem... Eu já estava ficando entediado já!

Quando ele se sentou ao meu lado, não conseguir olhar em seus olhos. Mais só pelo seu perfume amadeirado me deixou bem melhor de alguma forma. Olhei para ele, e de novo aquele olhar, porque ele carrega tanta tristeza?

Lys: O que te perturba tanto? (Ele me olhava em meus olhos, mais eu desviei).

Luiza: Não é nada! (Segurava minhas mãos e olhava para a grama).

Lys: Bem... Uma menina como você não ficaria triste assim por nada! Não é verdade?

Luiza: Qual é a sua em? Nem me conhece direito para ficar sabendo sobre mim! (Olhei para irritada).

Mais para minha surpresa, ele não expressava nada, além daquele sorriso dele.

Lys: Por incrível que pareça você é uma pessoa que é livro aberto!

Luiza: (Ergui minha sobrancelha). Isso é novidade! Geralmente as pessoas que convivem comigo me acham uma pessoa muito fechada e um pouco grossa também rsrs...

Lys: Isso é verdade! Você é um pouco grossa... Isso é meio que nada vitoriano!

Luiza: Rsrs... Você é engraçado!

Lys: Finalmente um sorriso!

Abaixei minha cabeça para esconder meu rosto vermelho.

Lys: Rsrs... Você é um livro aberto porque seu rosto expressa o que você sente!

Luiza: O que?

Lys: Digamos que desde da sua chegada... Os meninos daqui dessa instituição ficaram bem animados com você!

Luiza: Ah... Como se eu precisa-se disso tudo!

Lys: Rsrs...

Luiza: Você deve estar bem interessado... Aposto que você perguntou para todos quem sou eu, não é verdade?

Lys: Engano seu Luiza! (Olhei para ele surpresa). As informações chegaram a mim por vontade própria... Mais o que chamou a minha atenção em você... Não foi o seu corpo como eles dizem!

Ele olhou para o chão e logo para frente parecia estar pensando longe e não vergonhado.

Lys: O que chamou a minha atenção... Foi o seu sorriso e principalmente os seus olhos!

Luiza: Oh!

Lys: Você deve ter ouvido falar sobre mim aqui... Eu espero que você não tenha má impressão sobre mim!

Luiza: Bem... Eu AINDA não tenho!

Lys: Rsrs.... Ainda!

Luiza: Rsrs... Não te conheço direito... Então não posso te julga!

Lys: Justo! Sabe Luiza... Faz muito tempo que não tenho interesso por uma garota! Mais sei o que você e quem você é! E te respeitarei por tudo isso...

Luiza: Pesquisou sobre mim? (Olhei sorrindo para ele).

Lys: Como eu disse... Eu não precisei! Rsrs...

Luiza: Tudo bem Lysandre... Mais fazer assim... Eu vou te dar um voto de confiança! E assim seremos amigos... O que acha? (Estendi minha mão para ele).

Lys: Perfeito! Fico feliz pelo seu voto! (Ele apertou a minha mão, e pude sentir a sua mão macia).

Ficamos olhando um para o outro, mais eu logo desviei meu olhar e soltei de sua mão.

Lys: Tenho que ir... Meu amigo com certeza deve estar atrás de mim!

Luiza: Eu também! Adele... Deve estar a minha procura!

Lys: Ante de ir... Quero te falar uma coisa e te entregar algo também!

Luiza: Rsrs... O que é?

Lys: Fecha os olhos! (Ele me olhava sério).

Luiza: É sério isso?

Lys: Claro!

Luiza: Olha lá em... (Fechei os meus olhos).

Lys: “Quero ser uma luz no céu Pra que você me escolha...” Como forma de agradecimento pela sua amizade! (Ele deixou algo em minha mão e a fechou). A gente se ver! (Sentir ele beijar minha mão e logo sair deixando somente o rastro do seu perfume).

Que voz é essa, tem razão das meninas gostarem tanto dele. Abri meus olhos e me vi sozinha ali naquele jardim, abri minha mão com curiosidade, meu coração deu um pulo. Meu colar novamente estava ali.

Luiza: Meu colar! (Peguei ele emocionada e coloquei novamente em meu pescoço).

Passei a mão em meu pescoço e não pude evitar de sentir o cheiro do seu perfume em minha mão.

Luiza: Obrigada Lysandre! (Falei sorrindo).

Adele: Finalmente te achei! (Dei um pulo com ela vindo correndo em minha direção). Olha eu cansei, to suada e já te andei tanto a procurar do seu colar! (Ela se jogou no banco ao meu lado).

Luiza: Hahaha... Eu achei!

Adele: Mais você é uma viada mesmo hein! Por que não me ligou PORRA!?

Luiza: Porque eu achei agora... Quer dizer... Alguém achou para mim!

Adele: Alguém? Quem? Quem achou? Quem? Quem?

Luiza: Ficou animada hein! HAhahaha...

Adele: Não me diga.... Ohhhhh... Ele... Ele... O-o-o-o Lysandre? Err... É ele?

Luiza: Hahaha... É assim... Parece agora somos amigos!

Adele: Aaaahhhh Gente! Estou tão emocionada! Me conta mais... Conta!

Luiza: Agora não dar mais... Temos que ir para aula... Talvez mais tarde eu te conto!

Adele: Mais tarde nada! (Eu me levantei e peguei minha mochila e ela fez o mesmo). Você vai me contar no intervalo querendo ou não!

Luiza: Tá! Tá! Tá! Eu conto agora vamos... Se não vamos perde nossa aula!

Adele: Vamos! Mais sem correr... Pois eu não aguento mais! Agora por sua culpa tenho que comer um hambúrguer para render o que eu perdi!

Luiza: Hahahaha... Bobona! (Abracei ela de lado e seguimos andando).

[...]

Eu estava na sala estudando os conteúdos que a professora passava, com ajudando da internet eu pesquisava em meu Notebook. Hoje preferi me sentar afastada do Nathaniel e sua Yandere. Mais nem do outro lado da sala ele me deixava em paz, perguntava pelas mensagens se eu estava bem ou se ele tinha feito algo, então eu aproveitava e perguntava para ele algumas coisas eu estava em dúvida na aula.

Mensagens On.

Nath: Porque você se sentou mais longe hoje? =/

Luiza: É porque eu queria presta mais atenção na aula hoje! Nada contra! ;)

Nath: Nossa... Foi mal! =|

Luiza: Não se magoa! É porque sabe... Não quero que sua amiga fique ainda mais brava e pelo visto... Hoje ela parece bem mais calma! Rsrsrs....

Nath: Ah... É isso... Não liga para ela... Desde do colegial ela age assim... E isso me irrita! ¬¬’

Luiza: Não seria porque ela é APAIXONADA por você? e.e

Nath: Hahaha... Apaixonada seria uma palavra muito delicada! =P

Luiza: Rsrs... Bem... Porque você não dar uma chance a ela? ;)

Nath: Você está LOUCA? =O  A Melody é uma menina legal e tudo mais... Mais o cara que namora com ela tem que ter muito folego! Ela sufoca demais a pessoa! =/

Luiza: Então fala para ela que você não quer nada!

Nath: Já falei... Seria mais fácil se começasse a namora outra pessoa! e.e

Luiza: Hum... Difícil! Bem... O que a professora falou desse filosofo? Não entendi direito! =/

Mensagens Off.

Eu mudei de assunto rapidamente, não queria que esse tipo de conversa prolongasse ainda mais. Mais foi interrompida pela reitora, ela entrou na sala com o semblante tão abatido, o que pode ter acontecido.

Reitora: Bom dia meninos! Eu tenho uma notícia não muito boa para vocês!

Todos pararam o que estava escrevendo e focara atenção nela.

Reitora: Hoje a polícia esteve aqui. (Isso pode ser que meu pai esteja aqui também?). Alguns de vocês me comentaram que sentia um cheiro muito forte e ruim que vinha dos quartos dos estudantes, principalmente os últimos. Então como as últimas chaves não tinha mais, e nem sabia como entramos, chamamos a polícia e infelizmente... (Ela respirou fundo). Foram encontrados corpos dentro dos quartos!

Todos ficaram chocados. Então é por isso que sentir aquele cheiro horrível lá por perto mais cedo?

Reitora: Não sabemos o motivo, e o porquê disso está acontecendo. Mais todos os quatro corpos eram das meninas que desapareceram nas últimas semanas.

Então é verdade, mais o Lysandre não ter feito isso... Pode?

Reitora: Então... Aulas de hoje estram suspensas... Podem irem para suas casas ou seus quartos! Eu sinto muito por tudo isso... Saiba que como reitora, sinto muito mal por tudo isso...

Ela saiu da sala e todos ficam em silêncio tentando aderir todas as informações. Eu fui a primeira a me levantar para pegar minhas coisas, eu preciso falar urgentemente com o meu pai.

Sem falar nada com ninguém, eu sair como foguete para fora, e parecia que uma multidão se ajuntava em algum lugar, então com certeza meu pai deve estar por lá. Eu fui correndo pelos corredores e me encontrei com a Adele.

Luiza: Adele!

Adele: Luiza!

Luiza/Adele: Você ficou sabendo? Que horror...

Luiza: Eu preciso achar o meu pai... E acho que sei onde ele possa estar!

Adele: É bem provável que ele esteja aqui mesmo... Vamos atrás dele então!

[...]

Eu e Adele seguimos até o corredor onde eu tinha sentido aquele cheiro horrível.

Adele: Nossa como tem gente!

Luiza: Mais temos que falar com meu pai!

Eu fui empurrando as pessoas para ter um pouco de espaço para falar ou pelo menos ver o meu pai. Foi então que eu conseguir, eu não vi Adele, ela deve ter se perdido, mais continuei assim mesmo, alguns policias não permitiram minha passagem.

Luiza: Pai! Pai! (Eu acenava para ele).

Pai: Luiza? (Ele veio em minha direção). Mais... Mais o que você está fazendo aqui? Vai para casa!

Luiza: Pai! (Eu olhava assustada para ele). O que houve? O que está acontecendo?

Ele me olhava triste, ele olhou para os policias e pediu para eles cederem a minha entrada.

Luiza: Pai... O que está acontecendo?

Pai: Ah Luiza... É algo muito complicado!

Eu sentia um cheiro muito horrível e forte que saia dos quartos, eles fecharam área onde os corpos se encontravam. Foi então que o primeiro corpo saiu de uns dos quartos e não pude evitar de olhar, como o saco não estava fechado e vi o seu rosto.

Luiza: Oh meu Deus! (Eu coloquei a mão na boca assustada, a menina não tinha os seus olhos, mais que crueldade).

Pai: Luiza! Não olha... (Ele me abraçou me escondendo em peito). Shiii... Não chore!

Mais que brutalidade é essa? Ao ponto de arrancar os olhos da menina, ela parecia ser tão linda e jovem. Alguns estudantes olhavam assustados, outros choravam pois viam suas amigas encontradas mortas.

Pai: Vai para casa! Por favor!

Luiza: Pai! Eu preciso de explicações! Tudo!

Pai: Tudo bem! Eu prometo que iria te conta tudo!

Luiza: Promete?

Pai: Eu prometo! Agora vai para casa... Não quero que você presencie mais nada aqui!

Luiza: Ok! Eu vou!

Ele beijou minha testa e seguir meu caminho a procura da Adele, foi então que a encontrei, ela parecia irritada.

Adele: Conseguiu falar com ele? (Chamei ela para ir embora e seguimos o caminho para fora).

Luiza: Conseguir... (Limpava as minhas lágrimas).

Adele: Porque essa cara... Ele brigou com você?

Luiza: Não... Vamos para casa.... O que vi... Eu não estou bem com que eu vi...

Adele: Nossa... Vamos... Você parece muito mau! Parece pálida! Eu dirijo!


Notas Finais


- Vish agora ficou feio!

Vejo vocês na próxima!

Beijos e queijos!

Curtam a página: https://www.facebook.com/fanficumamorviolento/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...