História O garoto que mora ao lado - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Tom Holland
Personagens Personagens Originais, Tom Holland
Visualizações 110
Palavras 1.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais.um cap,espero que gostem.Muito obrigada pelos comentarios. ❤❤❤❤❤❤

Capítulo 18 - Você se enganou com o que viu.


Acordei num hospital e Malcom estava do meu lado.Ao me ver ele me abraçou. 

-Me diz como é acordar dos mortos?-ele perguntou me soltando.

-Ah é como acordar dos vivos.-eu disse me levantando.

Romero entrou no quarto de hospital e ao me ver levantado ele derrubou o café que estava trazendo.

-Ah eu queria esse café.-eu falei.

-Mar!-ele veio me abraçar.

-Seu pai chorou igual a uma garotinha.-ele disse rindo.

-Cala a boca seu filho da...-Malcom ia completar,até ver a minha reação.

-Isso ia ser desacato pai.-eu disse me levantando.

-Não quando o delegado é meu irmão.-ele disse levantando.

-O que você está sentindo,Mar?-Romero perguntou.

-Fome!-eu disse me levantando.

-Olha garota,veste lá.-Malcom me entregou a camisa dele xadrex azul.

Fui até o banheiro e troquei de roupa.

Eu me lembrava de tudo,menos de como os ematomas e metade da dor tinha sumido.Prendi o cabelo com uma pulseira que tinha no pulso.A camisa do Malcom ficou como um vestido.Detestava vestidos!mas nesse caso...

-Garota?-Malcom perguntou.

Abri a porta do banheiro e os dois estavam me esperando.

-Ela está muito bem.-Romero falou.

-Conversamos isso no carro.Vamos logo embora,Mariana odeia hospitais.-Malcom falou,fazendo Romero rir.

Eu senti uma grande falta de ar enquanto andava em direção a porta,eu ouvia a voz do Tom e eu senti um grande medo tomar conta de mim.

-PAI!-eu tentei me apoiar em algo,mas eu caí,Malcom correu e me ajudou a levantar.

-Calma...filha,calma,conta até dez...-ele disse desesperado,ele me levantou e me abraçou.

Malcom foi me guiando até a saída do hospital,entramos no carro do Romero e eu fui dormindo até chegarmos em casa.

Quando finalmente chegamos,eu já tinha acordado,saí do carro e entrei em casa.Me sentei no sofá.Enquanto Malcom fazia algo pra eu comer,enquanto Romero conversava comigo.

-Mar eu peço desculpa a você,por tudo que passou lá.-ele falava desapontado.

-Tio Romero.Tudo bem,eu não morri.Apesar de tanta dor,aprendi muita coisa nova.-eu disse séria.

-Mar,você morreu por minutos.-ele falou com um pouco de receio.

-E eu estou muito bem tio.Então não precisa se preocupar.-eu disse.

Malcom chegou minutos depois com um hambúrguer enorme.E enquanto eu comia eles falavam sobre o que tinha acontecido antes de eu chegar no hospital.

*Tom Narrando 

Depois de ter chegado no colégio eu fui procurar Justin,ele tinha que saber o que houve com Mariana.De alguma forma,eu me sentia culpado,porque devo ter de alguma forma afetado ela,e o Justin também.Ignoramos ela!

Vasculhei todo o ginásio e não achei Justin em lugar nenhum.Quando voltava pro ginásio ele aparece que nem louco,mandando eu me aprontar pro jogo.

O jogo tinha começado e eu ainda não tinha dito nada ao Justin.Não consegui ainda na verdade.Pensei em contar depois do jogo,era preciso se concentrar agora.

E eu só me sentia culpado!Eu poderia ter conversado com ela,e ela pode ter falado na frente da Zoey sem a intenção de prejudicar.E toda vez que eu pensava nisso meu coração apertava.O medo tomava conta de mim.

O jogo terminou empatado.Todos estavam felizes por isso.Jéssica estava com as líderes de torcida e sem tempo pra notar se Mariana tinha faltado,ou se estava presente.

Já tinha tomado banho depois do jogo e tinha vestido a roupa.As aulas foram suspensas .Então eu ia pra casa.

-O que houve que você ficou todo tenso hoje no jogo?-Justin apareceu atrás de mim.

-Ah nada!só que eu vi o corpo de Mariana ser carregado hoje por paramédicos.Dentro de um saco!meus irmãos viram tudo Justin!-falei irritado.

-Está me dizendo que ela morreu?-ele me parou no meio do caminho.

-É Justin!ela deve ter se matado.-eu falei meio irritado.

-E você está assim achando que a culpa é nossa?-ele ria de mim.

-Sim Justin.É nossa culpa!-eu estava muito irritado.

-Tom que culpa a gente tem que a garota era uma rejeitada,excluída e feiosa??ela sofria no colégio por culpa da Jéssica ta bom?e por todos lá!A gente só descobriu o que ela é capaz de fazer com as pessoas,Tom relaxa.A gente não tem culpa de nada.-ele falou com a maior simplicidade e continuou andando.

Pegamos o metrô e chegamos em casa.Vimos o delegado Romero na porta da casa da Mariana.

-Justin!vamos saber o que houve,olha o delegado ali.-eu chamei ele.

-Ah Tom.Nem começa!Deixa lá!-ele me empurrou.

Eu não sei o que houve comigo naquela hora.Eu estava irritado,querendo saber a verdade,o que houve?uma garota morta a gente tinha culpa,tratamos ela muito mal.Na hora que o Justin me empurrou,eu o empurrei com mais força.

-Você por acaso está se ouvindo?-eu quase gritei.

-O que houve cara?-Justin riu.

-Justin.Vai pra casa,eu quero ficar só,hoje.Meus pais já devem estar chegando de viagem.-eu disse sério.

-Aproveita e se acalma.Você está muito nervosinho,por causa de uma pessoa insignificante.-ele riu.

Eu não disse nada.Só observei Justin indo embora.Vi Tessa correndo até mim e me sentei na escada.

-O que será que tá acontecendo comigo Tess,eu estou tão confuso com tudo isso.-Tess me olhava como se tentasse decifrar o que eu estava querendo dizer.

Vi o delegado Romero saindo de casa.Mas sem o outro cara.Entrei em casa pra esperar até a hora de ir buscar Zoey e Dylan.

Subi pro quarto e fui até a janela.Eu queria ver ela viva de novo,não queria me sentir mais culpado do que já estava pela morte de alguém.

Foi então que eu ouvi uma voz e um som de violão.E não deu pra acreditar,mas eu queria acreditar,fechei a janela pensando que poderia ser alucinação minha.Me deitei na cama e acabei dormindo.

Acordei com o barulho de malas,meus pais haviam chegado.E me levantei indo molhar o rosto.Desci e falei com meus pais.

Peguei a chave e abri a porta vendo o outro homem que estava junto do delegado hoje mais cedo.

Eu sei que não devia agir por impulso.Mas eu não aguentava mais,tinha que saber o que houve.Andei até a casa dele,e ele ao me ver me encarou.

-Oi,eu me chamo Thomas.-eu falei apertando a mão dele.

-Malcom.Posso ajudar?-ele perguntou sério.

-Sinto muito por...-ele me interrompeu.

-Está tudo bem.Érrr...-ele tentava lembrar meu nome.

-Thomas...Tom.-eu sorri.

-Você se enganou com o que viu.Agora se me...-ele falou entrando.

Talvez eu devesse parar de me meter.Aceitar as coisas,e escutar Justin.Talvez ele tivesse razão a respeito de tudo.Mas o que será que ele quiz dizer com: "você se enganou,com o que viu"? Ainda sem entender,fui até a escolinha e notei que Zoey e Dylan me esperavam...o caminho todo foi em silêncio,eles não queriam conversar.E eu respeitava isso.Quando finalmente chegamos em casa,Zoey correu até a casa da Mariana,e quando percebi,ela estava gritando o nome dela,e ela chorava.Aquilo me partiu ainda mais o coração e o sentimento de culpa se multiplicou...olhando aquilo eu tentava não chorar...ser forte por eles.Mas Dylan viu,olhei pra Zoey novamente que agora estava ajoelhada e implorando pra que Mariana abrisse a porta.Meus pais saíram ao ouvir os gritos.Dylan foi até lá e trouxe ela de volta pra casa.

O resto do dia eu não vi.Me tranquei no quarto.Meus pais diziam que a culpa de Zoey se comportar daquele jeito era minha.E eles discutiam tanto.Zoey e Dylan dormiram o resto da tarde.E eu fiquei trancado no quarto,lembrando de tudo e querendo que tudo fosse um sonho ruim e que acabasse logo.

Acordei de manhã.E eu não queria me levantar pra ir pro colégio.Olhar a casa dela e sentir culpa.Mas fui obrigado afinal...com pessoas morrendo ou não,a vida continua.

Não abri a janela.Fiz faço toda manhã: tomar banho,escovei os dentes e me arrumar.Desci mas meus pais já tinham saído.Zoey e Dylan não queriam ir pro colégio.E eu não ia forçá-los a nada.

Sai e evitei o máximo que pude,olhar pra casa dela,não seria um bom jeito de começar o dia.

Peguei o metrô e quando cheguei na escola,não acreditei no que vi...

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado.Comentem o que acharam. ❤❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...