História O garoto que mora ao lado - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Tom Holland
Personagens Personagens Originais, Tom Holland
Visualizações 193
Palavras 1.396
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente espero que gostem do capítulo,eu estou ruim desde domingo,mas estou bem melhor.Gostaria de agradeçer os comentários ,quando eu puder,respondo todos.Muito obrigada!❤❤❤❤❤❤

Capítulo 19 - Da pra me ouvir agora?


Acordei e era 06:00.Malcom havia pedido pra eu ficar em casa.Mas eu não posso perder aula,na verdade não quero.

Levantei os braços e eu estava sem ematomas algum.Ainda tinha alguns na costela,mas nem doíam mais.Antes de levantar,pensei no que meu pai havia dito sobre eu ter morrido.Ah mas que besteira!isso já aconteceu com outras pessoas.

Malcom havia dito que um garoto e os irmãos dele acabaram vendo tudo.Tom,Dylan e Zoey!e por um momento eu cheguei a não me importar nem um pouco com isso.Mas ai eu lembrei do sorriso do Tom,me lembrei da Zoey e do Dylan,e me senti mal por horas.Depois que Romero saiu daqui ontem.Mesmo depois de ter me ignorado,eu quando lembrava do Tom...eu ainda sito o coração acelerar ao lembrar do sorriso dele,ou da voz dele.

Lembro de ter chorado ontem por tudo o que aconteceu antes de eu ter quase morrido,ele me ignorou e agora deve pensar que eu me matei só pode!porque até com o meu pai ele veio falar.Lembro de me sentir muito mal e cair antes que pudesse chegar no quarto.Zoey batia na porta desesperada,chorando e gritando.Eu tentei me levantar,mas eu não conseguia!era como se algo estivesse me prendendo no chão.

Gritei o meu pai,achando que ele ia me ajudar a levantar pra atender a porta.Mas ele me carregou e me levou pra minha cama,pediu pra que eu ficasse quieta e saiu.

Eu fechei os olhos só pensando no que aconteceu.Os gritos de Zoey ficaram mais fortes e eu acabei dormindo.E quando acordei,peguei o meu violão.A janela ainda estava meio aberta,mas eu não queria olhar pro rosto de ninguém,ainda mais se esse alguém fosse Tom Holland.

Lembrei que tenho escola hoje.

Olhei a hora no celular 06:10,me levantei indo até a cômoda,onde peguei um jeans preto,uma roupa íntima e uma camisa de botões azul.Me dirigi pro banheiro e tomei banho,resolvi lavar o cabelo e pensei que talvez fosse a hora de cortar eles,mas então lembrei do que Malcom diria quando visse,ele me xingaria em diversas línguas diferentes,eu pensei rindo sozinha.

Quando terminei o banho me enxuguei e me vesti.Escovei os dentes e me olhei no espelho.

-Cabelos.A única coisa que ainda tira a atenção dessa coisa aqui,chamada de rosto.-eu me olhava com uma negação profunda.Uma desaprovação.Percebi o quanto me detesteva e queria socar aquele espelho.

Fitei minhas mãos e elas não tinham mais machucados e nenhum tipo de ferida.Estavam limpas!

Passei a escova nos cabelos e saí do banheiro.Peguei a bolsa,celular e fones de ouvido.Desci as escadas e Malcom me aguardava na mesa.Coloquei as coisas que trazia no sofá e fui me juntar a ele na mesa.

Malcom lia o jornal com uma mão e com a outra bebia o café.

-Vai ficar admirando a minha beleza,ou vai tomar café?-ele perguntou sério.

Peguei o misto quente colocando no prato e coloquei um pouco de suco no copo.Cortei um pedaço do bolo de laranja e comecei a comer.

-Garota,lembra do que aconteceu antes de você chegar no quartel?-ele me encarou sério.

Por um momento pensei ter esquecido.Mas não esqueci,eu sabia do que ele estava falando.

-Eu fui obrigada a bater numa menina que estava me provocando.-eu falei bebendo o suco.

-Você pareceu mais que queria matar a garota.-ele riu.

Eu nunca entendia Malcom,quando eu pensava que ele estaria irritado,ele estava calmo,e quando eu achava que ele estava calmo,ele estava irritado.

-Eu sinto muito pai.-falei comendo o bolo.

-Não sinta,ela está no hospital e nem se lembra do que houve.Acho que seu super poder é golpear a pessoa fazendo ela esquecer o que ela é.-ele riu.

-Haha Malcom.-eu disse me levantando e indo colocar o prato na pia.

-Preciso ir.Sabe que por mim você tomava aulas em casa né?-ele disse me ajudando a guardar os pratos.

-Mas eu preciso aprender lá fora do mesmo jeito.-eu falei abraçando ele que me deu um beijo na testa.

Malcom saiu e eu subi pra escovar os dentes.Desci correndo e peguei minhas coisas.Saí de casa e dei de cara com Romero.

-Malcom mandou vir te buscar pra levar pro colégio.-ele disse enquanto eu estava fechando a porta atrás de mim.

-Por que?-perguntei desconfiada.

-Eu não sei.Olha ele ligando.-Romero falou me dando o celular.

Atendi enquanto entrávamos no carro.

Coloquei no viva voz.

-Garota.É só até eu arrumar outro passe livre pra você.Vou desligar.

Não sei se eu ria,ou esperava até o judô pra descontar nele.

-Mas e quem disse que a ida até o colégio tem que ser ruim?-Romero falou colocando uma música no rádio,uma das minhas favoritas do Red Hot Tilis Pepers Give The Way.Romero parecia um cara durão e tal,parecia o Malcom,eles pareciam irmãos mesmo.Mas quando se divertia parecia um adolescente.Fomos cantando feito loucos até chegar no colégio.

Romero estacionou o carro e eu desci.

-Se alguém mexer com você me avisa.Que eu dou uma surra no filho da...-ele parou de falar ao ver minha reação.

-Obrigada Romero.Me desculpa pelo Malcom.-eu disse colocando a bolsa.

-Seu pai está certo.Se fosse minha filha eu também ia querer fazer isso.Eu devo a minha vida ao Malcom.-ele disse dando ré e saindo daquela escola.

Guardei o celular e respirei fundo.Entrei naquele manicômio,e vi muita gente me olhando como se eu fosse uma louca...na verdade eles já me olhavam assim,mas agora eram todos.Respirei fundo e engoli seco.Caminhei até o armário e peguei os livros da aula de hoje.Continuei andando até a sala e vi Justin sentado na mesa da professora rindo com alguns caras do time,dei meia volta e sai andando rápido.

Andei até o pátio que essa hora já deve estar vazio.Todos devem estar nos corredores agora falando da garota suicida.

Só que pra eu poder passar pelo pátio,eu tinha que passar pelo portão principal,andei até o portão principal e fui obrigada a ouvir comentários ruins,a encarar os olhares.Fechei os olhos e respirei fundo,saí dando de cara com Jéssica.Mas antes que ela pudesse fazer algo eu saí dali,Tom me olhava como se eu fosse uma aberração.Eu olhei pra ele rápidamente e depois eu sai dali indo pro pátio.

Esperei o sinal bater pra poder sair da sala.Quando cheguei na sala que estava cheia,as pessoas estavam rindo.Encarei o quadro estava lá...Jéssica com o piloto terminando o desenho que ela tinha feito,onde tinha uma garota...várias garotas se matando de diversas formas.Ela desenhava muito mal,ela desenhava os famosos "bonecos de palitinho".Aquilo sim era uma humilhação.Não o que ela tinha feito.Aquilo não me afetou.O que me assustou um pouco.

A professora chegou na sala e ao ver o que tinham feito no quadro,ela apagou.E eu fui me sentar no meu lugar de sempre.Mas alguém tinha roubado a minha carteira,na verdade só ocuparam mesmo.Tom estava apoiado sobre ela.Olhei o restante da sala,mas todas as cadeiras estavam ocupadas,o jeito foi me sentar ali mesmo do lado dele.

-Isso é ridículo Jéssica!Suicídio é coisa séria.-a professora reclamou irritada,e Jéssica só ria.

Eu me xinguei mentalmente,eu realmente deveria ter ouvido Malcom.E ter ficado em casa.

Quando Tom percebeu que eu tinha me sentado ali do lado dele,rapidamente tirou da mochila e começou a escrever.Enquanto ele me mandava bilhetinhos com perguntas como "é você mesmo"? "Você está bem"? "Posso falar com você"? Eu respirava fundo.Eu estava com vontade de socar o rosto lindo lindo dele.O que estava havendo comigo??pensando desse jeito?

-Certo.Respondam essas perguntas.-a professora falou colocando as perguntas no quadro.

-Eu preciso falar com você.-Tom susurrou pra mim.

Respirei fundo depois de ter ouvido aquilo.Tirei o caderno da bolsa.Tom parecia inquieto,perturbado talvez,mas ao ver que eu tirei o caderno da bolsa ele ficou quieto.

-Ainda bem que resolveu falar comigo.-ele susurrou.

Faltavam exatamente 1 min pro sinal tocar.Tom tentava olhar o que eu estava escrevendo,e quando eu finalmente terminei,eu me levantei entregando o papel a professora.

-Meus parabéns,vocês já tem 10 pontos extras pro semestre que vem.Senhor Holland,o senhor deu sorte!-a professora quase gritou.

Queria ter visto a cara do Tom,pensando que eu realmente tinha algo pra dizer.Quando saí da sala eu quase dei de cara com Justin.Pro dia ficar melhor.

-Então você está viva!-ele estava sorrindo.

Eu ri daquilo e fui direto assistir o restante das minhas aulas.

Já era o intervalo e eu tinha ido pra biblioteca.Mas quando eu entrei,me arrependi na mesma hora e quis sair.Mas a porta foi trancada por fora.

-Da pra me ouvir agora?-Tom levantou.

Permaneci calada e tentava pensar em um jeito de sair dali.Antes que a raiva tomasse conta de mim e eu fizesse uma besteira.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo.Comentem o que acharam,eu estou com um problema de estômago e por isso a demora com os capítulos.Muito obrigada novamente. ❤❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...