História O Garoto Viajante - HIATUS - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland)
Personagens Personagens Originais
Tags Alice In Wonderland, Aliceman, Boys Love, Boyxboy, Gay, Humanversion, Lemon, Yaoi
Exibições 92
Palavras 1.569
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Sobrenatural, Survival, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoas! Demorei um mês? Não! Palmas pra mim! E agora um tapa na cara porque mesmo assim demorei pra caralho!

Aproveitem o capítulo e ignorem os erros. Cap não revisado :v

Capítulo 10 - Buquê de rosas brancas


-Já estamos chegando? - Perguntei curioso. Queria saber onde me levariam, mas Nathan dizia que era "alguém que me ajudaria". A cartola não balançava muito, indicando que Natham se preocupava por eu cair e, por isso, evitava movimentos bruscos. Jake já estava mais relaxado em expressão, menos internamente. Sabia que por dentro ele estava se remoendo de raiva por algo que eu nem sabia que tinha feito ou estava fazendo. Biro, bom, estava na mesma. As vezes ele se confundia e não sabia se estava indo pelo caminho certo, mas logo tratava de decidir um lado que ele julgava ser o 'correto'. Como se eu nunca tivesse me pronunciado, o silêncio reinou.

A floresta conforme andávamos, ia ficando mais "neutra", por assim dizer. Não tinha muitas variações de coloração. As flores aos poucos começavam a tomar a cores mais claras. As folhas das árvores eram em tons escuros, as flores esbranquiçadas e a grama cinzenta. Cogumelos tomavam cores neutras: marrom, creme, cinza, preto e branco. Mas por incrível que pareça, o branco reinava. Sabia que estávamos chegando ao nosso destino, pela trilha de tijolos prateados sob os pés de meus companheiros de viajem. Então, um portão se fez à nossa frente. Branco, com muitas flores e raízes envoltos, como o portão de um jardim. Um belo castelo era presente depois do portão. Ao contrário do castelo de Téo, esse parecia bem mais harmonioso e reconfortante. Um lugar de fato agradável.

-Chegamos! - A voz de Nathan quebrou o silêncio e me fez sair do mundo dos pensamentos.

-O que? É esse o lugar? - Questionei incrédulo.

-Sim, senhor. Iremos ver o verdadeiro Rei. - Jake falou depois de muito tempo em silêncio.

-Verdadeiro Rei? Mas Téo não é o Rei? - Perguntei confuso. Ao que tudo indicava, Téo era o Rei de Wonderland. Jake e Nathan riram. Onde no que eu disse tinha tanta graça?

-Meu senhor, não confunda tudo. Téo só se acha o Rei porque é mais poderoso que seu irmão, o verdadeiro Rei do nosso mundo. Ele iria ser o coroado, mas Téo o baniu do reino. - Uma pontada foi sentida em meu coração. Gostava de Téo, muito. Imaginar que ele fez algo horrível assim, só para tomar o trono e ficar com a coroa. Não parece ser uma atitude do Téo que eu conheço. Se é que eu realmente o conhecia. Estou começando a me perguntar agora. Eu realmente conheço Téo? No pequeno espaço de tempo que passamos eu o julguei como uma boa pessoa, após conversas, claro. Porque antes o tratava como um inimigo. Téo, Téo... Você realmente é uma má pessoa? Pensei nisso por uns segundos.

-Não consigo acreditar. - Fui sincero. Realmente não conseguia.

-Bom, você escolhe no que acredita, senhor. Mas primeiramente vamos escutar o que seu irmão tem a dizer sobre isso. - Suspirei. Eu iria escutar, afinal, sou uma pessoa a base de conhecimento e não de emoções. É claro, penso muito em coisas meio estranhas para alguém que funciona a base de razão pensar. Acontece que gosto desses tipos de coisas justamente porque não há explicações. É intrigante. Mas o caso de Téo é diferente. É uma relação à base de confiança e, se essa confiança estava sendo comprometida eu deveria saber. Não posso somente crer em Téo. Tenho que ter minhas provas para tal. Já estava decidido. Conversaria com o 'Rei dois'.

-Não vamos criar um reboliço por causa de uma coisa dessas, Jake. - O ruivo disse. Finalmente me dando o prazer de ouvir sua melodiosa voz. Perdi a conta de quantas vezes repeti essa mesma palavra em minha cabeça: "melodiosa". É muito engraçado o fato de uma simples voz me atrair tanto. Era como o canto de uma sereia. Ao mesmo tempo que desejava ir para perto, também queria me afastar pelo perigo. Só não sabia qual perigo.

Na entrada do castelo fomos recebidos por empregados em vestimentas neutras -o que não era novidade aos meus olhos. Nathan trocou umas poucas palavras com os mesmos e quando menos percebi já estavamos caminhando pelos corredores. Era uma decoração mais antiga, por assim dizer. Um estilo de castelo bem diferente do de Téo, já que o castelo dele era bem moderno e esse tem um aspecto de séculos atrás. Mas é claro, não deixa de ser bonito. Coisas assim me agradam.

-Senhores, chegamos. - Um dos empregados me tirou dos meus devaneios. Ele estava parado em frente à uma porta cheia de detalhes esculpidos de uma maneira miletricamente perfeita. O empregado abriu a porta branca e um cheirinho de menta invadiu minhas narinas.

-Não se acanhem. Entrem. - Uma voz meiga veio de dentro do cômodo.

-Sendo assim. Nos de licença, vosso rei. - Jake se permitiu dizer, antes de todos entrarmos.

-Biro! Quanto tempo! - Um homem de aparência aparentemente gentil abriu os braços, enquanto Biro correu se chocando contra o peitoral do mesmo. O homem tinha cabelos rosetas e olhos verde água, além de sua pele esbranquiçada e vestimentas brancas com linhas em dourado. Verdadeira roupa de um rei.

-Majestade! - Falou, enquanto se aconchegava mais ao abraço do homem. Biro parecia ter muita intimidade.

-E vocês rapazes! Já faz um tempo, não? - Sorriu com meiguice. Então, o olhar verde água se chocou com meu castanho. -Vejo que temos um visitante inesperado. - Acenou para mim. Biro se desfez do abraço, mas continuou agarrado ao braço do homem.

-Muito prazer. Sou Lucas, Lucas Aldert. - Sorri para o de olhos verdes.

-Lucas... Pelo seus olhos não parece ser daqui. É um viajante? - Perguntou.

-Na verdade, sou sim. - Nathan tirou sua cartola e a colocou sobre uma pequena mesinha lilás. Eu desci da mesma de prontidão e andei sobre a madeira. Parei na ponta e me sentei, deixando meus pés balançarem livres.

-Que graça, mesmo pequenino é tão fofo. - Ouvi ele dizer e minhas bochechas pegaram um tom roseta. Jake pigarreou.

-Majestade. Na verdade não viemos em seu castelo para conversar. - Jake disse. O homem ficou sério e olhou para o felino.

-Já imaginava. - Suspirou. -Guardas, nos deixe à sós. - Dito isso, os homens que guardavam o lugar silenciosamente em suas armaduras prateadas deixaram o lugar. - O que desejam de mim? - Perguntou sério. Cruzou os braços acima do peitoral.

-Como pôde perceber, nosso pequeno precisa de uma ajudinha. - Nathan deu ênfase. -É um turista. Não sabe onde está, como o lugar funciona e deve ter tomado aquilo. - O ruivo novamente disse tal palavra. A boca do de cabelos roseta se abriu em um "o".

-Seriamente? Não posso acreditar! Achei que essa coisa tinha sido banida do nosso reino. - O homem pareceu desacreditado e um tanto que irritado.

-Parece que temos alguns foras da lei fabricando. - Jake se intrometeu. A feição do rosado tinha ficado séria diante desse assunto.

-Na realidade, eu não bebi por acidente e nem fui forçado. - Disse aos homens confusos presentes na sala. Todos direcionaram olhares perdidos para mim. Logo entendi que deveria continuar o que comecei. -Eu estava tentando fugir de você sabe quem. - Olhei para Jake e Nathan que captaram o recado de que eu não queria falar de Téo ainda. Olhei para o outro rei e ele estava mais perdido que cego em tiroteio. -No caminho à fuga não conseguiria passar pelo enorme muro que cercava o lugar. Já estava desistindo quando ouvi um barulho perto à uma moita e quando fiquei de cócoras encontrei o frasquinho com uma etiqueta que dizia: Beba-me. Não pensei duas vezes e bebi. Depois consegui fugir pela fresta do muro, mas quase morri congelado no lago que ficava do outro lado. Nathan me salvou.

-Vejo que passou por muita coisa, pequeno. - O roseta afirmou. -Mas isso não justifica que estão fabricando um produto banido. Devemos investigar e descobrir quem está por trás disso. Entenderam, Nathan e Jake?

-Sim, meu rei. - Os dois disseram ao mesmo tempo.

-Ora, por favor, me chamem de Vens. Sabem que odeio esse título. - Sorriu para os homens.

-Como quiser, Vens. - Nathan sorriu de volta.  -Primeiro de tudo, o falso rei. Devemos procurar saber sobre suas atividades ilícitas. Quem sabe produtos banidos não sejam só mais uma de suas travessuras proibidas. - Ouvir ficarem falando assim de Téo só piorava a situação do meu emocional.

-Por que não nos ajuda, Lucas? - Ele me tirou de um transe que nem percebi ter entrado. Fitei-o enquanto passava a mão em meus cabelos, os puxando para trás.

-Nem tenho o que fazer mesmo. E no momento não me imagino comprando ervas de chá. - Olhei para Jake que deu de ombros.

-Perfeito. Agora só temos que descobrir um ponto fraco dele. - Nathan afirmou o óbvio.

-Quanto a isso... Poderia conversar com Vens à sós? Nos dariam licença? - Pedi educadamente. Nathan e Jake sabiam do que eu trataria, então nem resolveram se opor.

-Agora eu estou abismado. Nathan, Jake. Poderiam...? - Vens falou gentilmente apontando para a porta.

-Claro, majestade. - Os dois fizeram uma breve reverência e logo deixaram o cômodo. Só havia eu, ele e Biro. Mas este não causaria problema algum.

-O que deseja conversar, Lucas? - O mais velho perguntou. Engoli em seco e comecei a transpirar frio.

-É sobre o "falso rei". - Ele acenou com a cabeça para que eu continuasse. -E também sobre mim.


Notas Finais


Eai?! Tantantan! Irmão do nosso querido Téo! Esse cabelo rosinha me conquista @-@
Téo bandido? Será? Só lendo os próximos pra saber u-u
Beijos de luz~
(Recomendem fics felizes de k-pop pois estou necessitada. ((nada de hetero pelamor de GD))


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...