História O Grande Erro - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Digimon
Personagens Cody Hida, Davis Motomiya, Kari Kamiya, Ken Ichijouji, Koushiro "Izzy" Izumi, Mimi Tachikawa, Sora Takenouchi, Taichi "Tai" Kamiya, Takeru "T.K." Takaishi, Yamato "Matt" Ishida, Yolei Inoue
Tags Digimon
Exibições 44
Palavras 4.501
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


O digiescolhido da Coragem revela seu segredo...
Apenas uma pergunta habita a cabeça de todos: como Tai descobrira o segredo da Luz e da Esperança?!

Capítulo 14 - Quando a Coragem falha...


Quando a Coragem falha...

 

Shinohara Tosei coçava sua cabeça calva, um comichão que ele tinha na parte de trás da cabeça havia anos e que frequentemente inflamava, em especial quando estava sob tensão. Naquele momento, ele sentia que estava a ponto de perfurar seu crânio com as pontas dos dedos.

 

No auge de seus cinquenta anos, Tosei era extremamente robusto: musculoso, com um bigode espesso, careca, o peito largo, barriga ainda mais larga e com olhos largos; muitos pensariam que ele era um lutador ou um comerciante rico antes de desconfiarem que na verdade seu cargo era quase bem diferente.

 

O diretor do Odayba High School sentava em sua cadeira de carvalho, olhando para os jovens à sua frente. "Tenho certeza que o comitê ficará exultante quando ouvir dessa confusão toda..." ele pensa, em tom amargo. Em sua voz não havia raiva nem rancor, apenas desapontamento:

 

-Eu... Nem sei o que dizer a vocês, garotos... Como a situação chegou a isso?

 

-Olha, diretor Shinohara, eu...

 

-Izzy - Shinohara o interrompe - Quando você ligou aqui há menos de quarenta minutos, eu esperava que a essa hora estaríamos tomando uma xícara de café na cantina, talvez até comendo um pedaço de bolo... E você, Tai, que tem a dizer?

 

O digiescolhido da Coragem estava encostado em um sofá escuro, sem olhar para ninguém na sala. Ninguém olhava para ele também, todos ainda estavam confusos demais para que palavras fossem proferidas. Ao perceber que não receberia resposta, Shinohara continua, ainda pesaroso:

 

-Tai, você e sua irmã foram dois dos meus alunos favoritos, e eu tive muitos... Claro, o envolvimento de vocês com os eventos de quatro e oito anos atrás talvez tenha algo a ver com isso, mas ainda assim... Se alguém me dissesse que hoje, com minha autorização, você entraria e agrediria um aluno na frente de meio secundário, eu diria pra essa pessoa voltar a tomar seja qual for o remédio que necessitava. Algum de vocês tem ideia da gravidade do que aconteceu aqui hoje?

 

Shinohara olhava cuidadosamente cada um de seus ex-alunos: Tai Kamiya, Sora Takenouchi, Matt Ishida, Izumi Koushiro e Mimi Tachikawa. Ele realmente os respeitava e admirara, pela coragem e altruísmo demonstrados no mundo inteiro com os acontecimentos envolvendo o Digimundo, mas a situação havia ido longe demais para que ele a relevasse. Enquanto Tai ocupava o sofá, Izzy e Mimi estavam de mãos dadas nas duas cadeiras estofadas juntas à mesa do diretor, enquanto que Matt e Sora estavam atrás do casal, de pé.

 

-Diretor Shinohara, nós sentimos muito pelo que aconteceu, não tínhamos como saber que...

 

-Sora, eu conheci sua mãe. Uma mulher trabalhadora, esforçada, dedicada... Você diz que não tinha como saber o quê? - quando Sora se cala, ele continua - Eu posso ser expulso do meu cargo pelo que vocês fizeram.

 

-Diretor, acredito que a situação não pode ser tão grave...

 

-Não pode ser tão grave, Matt? Seu irmão foi acusado de ter engravidado a irmã mais nova dele na frente da escola inteira - Shinohara faz uma menção à Tai - E depois Davis Motomiya espancou ele na frente de um monte de gente, e o Tai ainda... - ele suspira, cansado - Levou vinte minutos e todos os monitores pra forçar os alunos de volta à sala...

 

Matt faz uma reverência respeitosa, sendo logo seguido por Sora.

 

-Sentimos muito por tudo que aconteceu, diretor Shinohara! Prometemos que não vai se repetir!

 

-Sim, sim... Não vai se repetir - Shinohara se levanta, declarando com uma voz cansada mas ainda assim dura - Vocês estão proibidos de entrar de novo nesse colégio! Inclusive você, Koushiro!

 

-Mas, diretor... - Matt se levanta, hesitando ao falar - E quando meu irmão tiver eventos e formaturas...

 

-Você e o Tai poderão voltar para a formatura deles. E acreditem, eu só não vou expulsar os três por tudo que vocês já fizeram por nós.  Agora, podem chamá-los!

 

Os digiescolhidos se levantam, fazem uma pequena reverência e saem. Quando eles saem, entram Kari, Davis e TK, os dois últimos bem machucados. Só de olhar para o trio que entrava, Shinohara sente um calafrio. "Ai ai... Por que sinto que minha cabeça vai pegar fogo?".

 

...

 

Três dias de suspensão. "E fiquem gratos por ser só isso!" fora a forma como Shinohara terminara seu sermão para TK, Kari e Davis. Ao saírem, Mimi e Izzy esperavam por eles com o carro da digiescolhida.

 

-Já levei todo mundo lá em casa, vamos, vocês têm muito que explicar! - fala Mimi, tentando ser dura, quando na verdade ela própria queria chorar com tudo que ocorria. O trio se dirige ao carro sem uma palavra, TK e Kari ficaram no banco de trás, estrategicamente separados por Izzy, e Davis foi no banco da frente. Não houve palavras, esclarecimentos ou discussões no trajeto; apenas silêncio.

 

Eles chegam à casa de Mimi, e o dinheiro que seus pais ganharam no exterior realmente se fazia presente. Mesmo que ela morasse sozinha, era um sobrado de dois andares, com direito a uma varanda no quarto virado para a rua.

 

A residência da Tachikawa fora escolhida porque era a única que tinha uma sala que permitia que os digiescolhidos se reunissem como um todo sem ficarem apertados, até Ken viera de seu colégio. A ampla sala tinha dois sofás de três lugares brancos um de frente para o outro, com uma mesa pequena no meio. Mais seis cadeiras haviam sido colocadas em um dos lados, fazendo uma espécie de "ponte" entre os sofás.

 

Convenientemente, em um dos sofás, estavam sentados Tai, Matt e Sora, enquanto que o outro sofá estava "reservado" para o trio recém chegado. O Julgamento dos Digiescolhidos havia sido formado, e TK era o principal réu.

 

Sem olhar nos olhos de ninguém, nem mesmo nos de Matt, TK se senta no lado esquerdo do sofá, mais próximo da fileira de cadeiras, enquanto Kari se sentava no meio e Davis no lado direito. A digiescolhida da Luz não sabia como se portar, juntando seus joelhos e entrelaçando seus dedos, curvada para frente, não acreditando que seria possível que se sentisse tão desconfortável na presença de seus amigos de longa data.

 

-Gente, eu sei que tenho muito a explicar, mas... Tai, como você sabia?

 

Tai P.o.v.

 

Droga, eu sei que não devia ter mantido segredo de todo mundo, mas... Que eu podia fazer?! Como podia ter confrontado eles?!

 

Ainda me lembro... Meus pais tinham acabado de sair do quarto de hospital da Kari. Eu ainda não era capaz de acreditar que eles iam mesmo mandar ela embora pra morar com meus tios; mesmo que isso fosse pra afastá-la do Davis, era insuportável a ideia!

 

Tinha acabado de pedir pra Mimi buscar a gente. Achei muito estranha a forma como a porta do quarto da Kari tava fechada. Lembro de ter me perguntando por que ele estaria fechado, mas algo em mim disse "Não tente abrir... Escute...".

 

A hora que ouvi a voz do TK lá dentro com ela, achei tudo ainda mais estranho. Por que eles estariam conversando? Eu segurava a maçaneta quando ouvi...

 

-TK, por favor, eu quero que você entenda que estou fazendo isso pra te proteger, não quero estragar sua vida também.

 

"Estragar sua vida também"? De repente, senti como se eu tivesse levado um soco no estômago, uma sensação muito estranha tomou conta de mim. Que ela quis dizer com aquilo?! Ouvi a porta sendo destrancada, mas eu tinha que ouvir o que ele ia responder, eu tinha que saber do que eles falavam.

 

-Kari. A única forma que poderia estragar minha via é se esse filho for meu e eu não estar por perto para apoiá-la.

 

De repente, tudo se apagou. Quando me dei por mim, estava uns vinte metros de corredor a dentro, fugindo. Eu, o digiescolhido da Coragem, fugi correndo daquele quarto como um maldito covarde! E o pior que eu nem sei do que eu fugi, só queria me afastar daquela verdade o mais rápido que conseguia.

 

O TK... A Kari... Eles... Tinha  que ser mentira! Por Kami, eu soquei a cara do Davis! E por que nenhum deles tinha me contado?! Quando que isso aconteceu?! Por Kami, como aconteceu?! Eu demorei para entender, mas fugi daquele quarto como se fosse tornar aquilo menos verdade, como se eu me afastasse o suficiente seria possível fazer o fato ser menos real. Mas era... Kari, TK, como vocês foram capazes de fazer isso?!

 

Como não consegui dormir naquela noite, eu fiquei me atormentando... O que teria acontecido se eu tivesse enfrentado eles ali, na hora? Será que as coisas teriam sido melhores agora? Será que teria evitado tudo aquilo? Havia alguma coisa que podia evitar tudo aquilo?

 

Tentei tanto falar com a Kari sobre isso, com o TK, até com o Matt, tentar achar alguma resposta, mas... Sempre que eu tentava... Me falhava a coragem até pra falar as palavras em voz alta, mesmo se fosse pra mim mesmo. Eu podia ter ouvido errado, não é? Não é?

 

Eu sei que pelo menos com o Matt eu devia ter conversado, mas era o irmão mais novo dele! Como eu podia chegar acusando o TK assim? Ele com certeza não ia entender.

 

Tudo ficou pior quando a Kari disse que terminou com o Davis. Foi então que fiquei realmente desesperado... Como fui tão idiota?! Que merda de cunhado que eu sou, que merda de amigo eu sou! Eu devia ter falado algo pro Davis pelo menos! Por Kami... Como fui tão cego... Eu fiquei com tanto medo que não parei pra pensar como isso machucaria ele. Eu entreguei pra ele meus óculos! Eu passei o cargo de líder pra ele! Como eu posso ter  permitido que ele vivesse toda essa mentira, e a Kari terminou com ele! Irmãzinha, que você tava fazendo...

 

Não consegui me controlar na hora, eu simplesmente surtei, gritando que não podia fazer isso...

 

-KARI! COMO VOCÊ PODE FAZER ISSO?! ELE É SEU NAMORADO! - lembro de ter gritado - E COM VOCÊ...

 

-Tai, eu sei disso, mas...Mas... - foi quando eu percebi... Ela também estava confusa. Como eu quis falar algo pra ela, falar pelo menos "eu sei por que fez isso" ou algo do tipo. EU SOU O IRMÃO MAIS VELHO DELA, COMO EU PUDE NÃO FALAR NADA?!

 

E quando a gente foi pro seu colégio... O Davis... O TK... A hora que eu falei que já sabia... Eu vi a forma como o Davis olhou pra mim... Ele não me olhou com raiva, ele me olhou com ódio...

 

Eu... Sou uma pessoa tão horrível assim? A hora que ele se soltou do Matt e do Izzy, ele veio direto em mim pra me acertar. Consegui me esquivar na primeira, mas na segunda meu corpo revidou sozinho e eu acertei em cheio a barriga dele com tanta força que ele perdeu a consciência...

 

Agora, o Davis me odeia, o Matt e a Sora não devem confiar mais em mim, e nem sei o que dizer da Kari e do TK...

 

Mas tudo isso porque eu fui um covarde... No final, meu Grande Erro foi ter permitido que minha coragem falhasse...

 

Normal P.o.v.

 

-Eu ouvi vocês conversando no hospital, naquele dia - o digiescolhido da Coragem sabia que não era hora de ter vergonha ou arrependimento. Ele sentiu o olhar que recebera de todos lhe deram por ele ter retido aquela informação por tanto tempo.

 

-TK, quando foi? - pergunta Matt, olhando sério para o irmão, sem sequer olhar para Tai.

 

-Na viagem pros Estados Unidos...  - fala TK, olhando pro chão ainda. Ele não se atrevia a dirigir o olhar para Kari ou para Davis, com medo de causar outra explosão no líder.

 

Antes que mais algo fosse dito, a campainha ressoa por toda a casa. Mai se levanta e destranca a porta, permitindo que a 12º convidada entrasse. Ao ouvir o "Oi" da recém-chegada, TK tem a sensação de que seu intestino virara água.

 

-Oi, Mirato... Pode se sentar - fala Mimi, apontando a cadeira vazia ao lado de TK. O loiro esperava que aquele lugar estivesse reservado para Joe, mas nunca esperava que sua "namorada" se reuniria a eles.

 

O loiro continua olhando para o chão enquanto Mirato passava por sua frente e se sentava ao seu lado. Ele olha de relance para Tai, mas é Matt que fala:

 

-Fui eu que chamei ela, TK. Ela tem o direito de estar aqui!

 

-Mirato - mesmo que não tivesse afinidade pela garota, Sora faz força para parecer solidária à situação da garota - Sinto muito que esteja sendo assim, mas acho que o TK tem algo pra te contar...

 

-Na verdade, Sora, eu já conversei com o TK a respeito. Ele falou que tinha terminado comigo por se sentir culpado, mas eu perdoei ele e, por isso, reatamos...

 

Mesmo sem olhar para os outros, TK percebe que Kari se retesa no assento do sofá e ouve o ranger das cadeiras dos outros se movimentando nas cadeiras, se recuperando do baque da notícia, mas ele se sentia nervoso por outro motivo. "Se ela dizer que está grávida também... Por Kami, que ela não fale...".

 

-Kari - a digiescolhida do Amor e da Sinceridade suspira um pouco, tentando achar uma escapatória - Vocês já fizeram algum tipo de teste? Pra ter certeza do que estão falando? Pode ser que seja tudo uma confusão...

 

-Sim, eu mandei pro Joe, só que não coloquei o nome do TK, por isso ele não sabe também...

 

Uma das coisas que mais criava tensão no local era aquele que menos se manifestava: Davis sequer olhava para os outros. Ele cerrava seu punho com cada vez mais força, seu abdômen ainda doía do soco que Tai lhe desferira para acabar com a briga, mas ele sequer prestava atenção a isso. Ele sentia tanta dor, tanto ódio, tanta confusão, que não se permitia falar nada, por saber que estava no limite. Esse comportamento não passava despercebido por ninguém, portanto eles tentavam fazer o mínimo de perguntas possível.

 

-Davis, você também fez o teste?

 

O ruivo olha para Tai, fulminando-o com os olhos com tamanho rancor que mesmo o digiescolhido da Coragem sente um estranho calafrio pelo pescoço. Invés de responder, ele se levanta e vai marchando até a cozinha. Yolei e Ken se entreolham e se levantam, indo até o líder.

 

-Ele não sabe - fala Kari, sentindo os olhos começarem a arder com lágrimas que queriam se libertar - Mas eu fiz um teste dele também... Peguei um cabelo dele sem ele saber e fiz...

 

Agora foi a vez de TK se surpreender. "Ela... O quê? Não, ela deve ter feito pra livrar ele... Ela tem que ter feito isso pra livrar a chance de ser dele, porque não tem como ser dele... Né?".

 

De repente, o celular de Kari toca. Ao ver o número, ela fica tensa e olha para Tai, nervosa:

 

-É o Joe... Ele falou que ligaria quando tivesse resultados... - engolindo em seco, Kari abre o celular - Alô, Joe? Tudo bem?

 

-Oi, Kari. Eu tô com os resultados aqui. Posso ir na sua casa te entregar...

 

-Não, vem na casa da Mimi, por favor...

 

-Da Mimi? Tá... Daqui uns vinte minutos tô aí!

 

-Obrigado...

 

Quando o digiescolhido da Confiança chegou, ele de imediato percebe que a atmosfera estava carregada na casa de sua amiga, sendo o rosto coberto de hematomas de TK o foco principal de sua atenção. Após ouvir tudo que ocorrera de Mimi, Joe fica sem saber o que falar. Ele estava vestindo um terno cinza com calça social, evidentemente recém-saído do hospital, e trazia uma mala de mão feita de couro.

 

-Bom, Kari, tá aqui seus resultados... - então o digiescolhido da Confiança fica mudo. Ele havia começado a sacar as pastas de teste quando percebe quem se encontrava do lado de TK. De repente, uma enorme amálgama de desconforto e nervosismo transforma o rosto do digiescolhido em uma máscara agonizante. Antes de falar, ele engole seco - Mirato... O que você tá fazendo aqui?

 

-Oi, Joe-senpai! Tudo bem? - pergunta a garota, sorrindo simpaticamente para ele e fazendo um pequeno aceno para o médico transtornado.

 

-Joe, que foi? Que tá acontecendo? - pergunta Matt, estranhando a forma como amigo ficara pálido.

 

-Eu... - novamente ele engole em seco, tremendo um pouco - Mirato, eu trouxe... O seu também...

 

-Ah, obrigado, senpai! - a garota sorri novamente. A mente de TK demora um pouco antes que ele consiga perceber o que fizera Joe tão nervoso. Se empapando de suor, ele olha para a garota de cabelos negros lentamente, e ao ver o sorriso que ela fazia para ele, tem uma súbita revelação: "É hoje que eu morro... Agora tenho certeza!".

 

-Hum? Do que você tá falando? - pergunta Tai, com um forte tom de desconfiança salpicado por raiva.

 

-É o exame... - Joe subitamente é interrompido por Mirato, que fala com notável calma e simplicidade:

 

-É o teste de paternidade que eu pedi. Vocês não sabem? Eu também tô grávida!

 

Alguns minutos antes

 

Davis P.o.v.

 

Cara... Que eu fiz pra merecer tudo isso? Fiz alguma coisa de errado? Não consigo explicar tudo isso que tá acontecendo... Tem alguém em quem eu possa confiar?!

 

MALDIÇÃO! MALDIÇÃO, MALDIÇÃO, MALDIÇÃO!

 

Droga, minha mão... A Mimi vai ficar brava, eu manchei a pia dela com sangue. Meus dedos tão dormentes, mas achei que não ia vazar nada pra fora da luva... Droga, não tem nada que eu faça direito mesmo...

 

Pego meu D-3 e fico olhando ele. Por que será que eu recebi isso? Se eu não recebesse, talvez as coisas não tivessem rolado desse jeito. Claro, eu continuaria afim da Kari e ainda ia ter que engolir o TK, mas talvez as coisas tivessem sido diferente...

 

Sim... Eu consigo ver... Amigos diferentes, talvez até uma menina que me fizesse superar a Kari... Sim, isso ia ser o ideal. Eu acabaria me afastando do grupo, nunca teria que ser o líder de nada. Sim, isso ia ser bom...

 

-Davis... Você tá bem?

 

Hum? Yolei? Ela tá aqui? E o Ken também... Caramba, eu tô tão patético assim que até eles tão com pena de mim? Ela até colocou a mão no meu ombro...

 

-Yolei... Por que você acha que eu recebi isso?

 

-Hum? - ela demora um pouco pra perceber que tô falando do D-3 e consigo perceber como ela tá tomando cuidado com as palavras - Pra ajudar a gente a salvar do Digimundo, não?

 

-Salvar o Digimundo... Sim, mas eu quero dizer... Por que eu recebi os brasões da Coragem e da Amizade, sendo que quando mais preciso... - não lágrimas, não saiam, por favor...

 

-Olha, Davis - Ken, cara, não me deixa pior... Eu sei que você colocou a mão no meu ombro também pra me ajudar, mas só tá me deixando pior... - Lembra logo depois que eu deixei de ser o Imperador?

 

-Ha... Lembro... Foi logo antes da gente fazer a digievolução de DNA - não posso me virar... Se eu tirar meu olhar do D-3, tenho certeza que vou desabar...

 

-Exatamente... Eu achava que não tinha motivos pra vocês quererem alguém que tinha feito o que eu fiz como amigo, mas mesmo assim eu confiei em vocês, e não consigo me imaginar hoje se não fosse isso...

 

-Cara, eu confiei na Kari e no TK... Olha no que deu - eu fecho os olhos e guardo o D-3 no bolso. Me esforço pro meu melhor sorriso pra eles - Eu sei que você tá tentando fazer, mas não acho que tem muito o que ser dito...

 

Eu... Eu confiei na Kari... Eu escondi o que ela me disse aquele dia, eu escondi tudo, mas agora, não sei se posso confiar nela... Nem nela, nem no TK, nem mesmo no Tai... Cara, que dia ruim...

 

Normal P.o.v.

 

Davis se afasta de Ken e Yolei e vai até o banheiro de Mimi, lavando a mão com a qual esmurrara a pia da menina para descontar a raiva. Ele geme um pouco com dor, mas não havia muito o que fazer.

 

Ken e Yolei ficam olhando um para o outro, incertos do que fazer.

 

-Você acha que o Davis vai ficar bem? - pergunta a violácea, apertando as mãos enluvadas, aflita. Ela não sabia dizer com quem mais estava preocupada: Davis, TK ou Kari. Após o acontecimento no colégio, não haveria como os três voltarem a serem vistos como "normais" pelos colegas, suas reputações totalmente defloradas pelo que ocorrera naquela manhã.

 

-Não sei... Eu consigo imaginar o desespero que ele tá sentindo. Sempre que eu lembro de tudo que eu fiz com o Wormmon quando era o Imperador, não consigo entender como ele foi capaz de me perdoar. Da mesma forma, não sei se ele vai ser capaz de perdoá-los...

 

-Eu... Não sei o que pensar... - fala Yolei, sentindo os olhos arderem um pouco e o vidro de seu óculos embaça com as lágrimas - Eu quero defender a Kari, ela é minha melhor amiga, assim como quero defender o TK, mas o que eles fizeram...

 

A digiescolhida do Amor e da Sinceridade de repente se cala, ao sentir algo tocar a parte de cima de sua cabeça; Ken lhe beijara bem no meio de sua testa, fazendo com que ela core violentamente. Quando ele se abaixa, ele próprio estava um pouco vermelho e sorrindo de forma tranquilizante.

 

-Não se culpe assim, Yolei... - o rapaz de cabelos negros pega o óculos de Yolei e retira o embaçado com sua camisa, colocando-o de volta nos olhos dela e arruma de leve a franja dela - Não gosto de você chateada assim!

 

A mente da violácea congela por alguns minutos, enquanto o choque se instalava em sua mente. "Ele... Acabou de beijar minha testa? Esse é o Ken Ichijouji, não é?". A parte em que ele a beijara e onde ela sentira o dedo dele deslizar pela sua cabeça ficam praticamente dormentes.

 

-Vamos, agora nossos amigos precisam da gente! - fala o jovem, ainda sorrindo e pegando de leve na mão de Yolei, puxando-a para segui-lo. Aquilo foi um choque quase tão grande quanto o beijo, e tudo que ela consegue fazer é acenar alguns centímetros com a cabeça, ficando quase tão vermelha quanto seu brasão.

 

Quando a dupla chega até a sala, já com as mãos soltas, Yolei ouve uma frase que consegue tirá-la de seu torpor:

 

-É o teste de paternidade que eu pedi. Vocês não sabem? Eu também tô grávida!

 

Para sorte de TK, quem reage mais rápido é seu irmão. Como um instinto de sobrevivência básica, ele coloca seu braço na frente de Tai, impedindo que ele falasse ou fizesse algo, e falando rápido:

 

-Como assim? Você pode explicar isso?

 

-Hum? Você quer saber mesmo como, Matt? - pergunta Mirato, parecendo se divertir com a situação, parecendo indiferente ao peso das coisas que falava.

 

O digiescolhido da Amizade olha de relance para a namorada e percebe como a cor de seu rosto vai adquirindo tons semelhantes aos seus cabelos, sentindo um medo real das coisas que ela pensava em fazer com a menina de cabelos negros.

 

-TK, o que você tem a dizer sobre isso?! - pergunta Tai, num tom tão sem vida que se assemelhava a seu tom normal de voz, não deixando que nenhuma emoção seja captada de sua voz.

 

O digiescolhido da Esperança não olhava para ninguém, mas sentia bem o olhar sobre ele; sentia muito bem.

 

TK P.o.v.

 

Bom, e agora o estrago está feito... Que eu faço agora? Eu podia negar, mas duvido muito que alguém acredite no que eu diga; agora que todo mundo sabe o que eu e a Kari fazemos, não tem como ninguém acreditar em mim se eu falasse que é tudo mentira.

 

Deixa eu olhar bem de lado... Droga! A Kari tá chorando e a Mirato tá sorrindo... Droga, aconteceu tudo exatamente da forma que ela planejou: eles ficaram sabendo que eu engravidei a Kari e agora estou sem ter como dizer que não tenho nada a ver com a Mirato...

 

Maldição, como que eu fui capaz de cair na mão dela dessa forma... Ela tá sorrindo de leve, mas deve tá gargalhando por dentro pela forma como enganou todo mundo...

 

E o pior que cada segundo que fico quieto, sem responder, faz parecer que eu sou mais culpado! O Tai não deixou nenhuma raiva na fala, mas  a Kari chorando dessa forma do meu lado não deve tá passando desapercebido por ele. Se eu não dar alguma resposta logo, nem mesmo o Matt vai conseguir segurar ele. MAS, POR KAMI, O QUE EU POSSO FALAR?!

 

-Fala logo, TK!

 

Co-Cody?! Até ele tá bravo comigo?! Caramba, a irritação na voz dele... Como é possível que ele esteja tão nervoso assim comigo? Nunca ouvi esse tom dele. Que tá acontecendo?! O olhar dele pra mim... Parece o que o Davis deu pra mim quando ouviu pela porta da sala hoje...

 

Nossa, ele deve tá com muita raiva de mim, eu sou o parceiro de digievolução de DNA dele e não falei nada pra ele... Acho que a situação não tem mesmo como ficar pior...

 

Normal P.o.v.

 

-Olha, gente... Eu...

 

A resposta de TK é interrompida de repente por um terrível barulho, semelhante às próprias Trombetas do Apocalipse, fazendo vibrar os objetos na casa de Mimi e fazer os digiescolhidos caírem no chão, tentando proteger o que sobrava de seus tímpanos contra o barulho infernal.

 

-QUE É ISSO?! - grita Mimi, quase chorando de dor, mas nem mesmo ela é capaz de seu lamento sob o terrível retumbar.

 

Aos poucos, o barulho vai diminuindo até ser possível que eles se levantassem do chão e irem até sua fonte: o quarto de Mimi; mais especificamente, para seu computador. Eles encontram Davis na porta do quarto da menina, também convocado pelo retumbante som.

 

Ao olharem pelo computador, um flash faz com que todos os treze se cegassem por alguns instantes, e ao voltarem a abri-los, não estavam mais no quarto da digiescolhida da Sinceridade.

 

Eles se encontravam num lugar escuro, cercados por quatro misteriosas criaturas, uma mais fantástica que a outra.

 

O local era uma caverna ampla, mas que se tornava minúscula quando preenchida quase que totalmente pelas criaturas: um gigantesco dragão azul acorrentado, uma enorme tartaruga de duas cabeças com uma árvore nas costas, um tigre branco com garras metálicas e uma enorme ave de quatro asas, cujas ardentes penas eram a única fonte de iluminação no local. É o dragão quem recepciona os recém -chegados:

 

-Digiescolhidos, lamentamos chamá-los dessa forma, mas foi necessário.

 

-Nós somos os Grande Guardiões do Digimundo - fala a gigantesca ave - E os convocamos em um momento de grande dificuldade!

 

-Os convocamos para vingar a morte de seu mentor, Gennai, e levar os culpados à justiça de Huanglongmon! - fala o tigre, sendo logo seguido pela tartaruga.

 

-A partir de agora, estamos fechando o Digiportal! Ninguém mais entra ou sai do Digimundo até que a ameaça seja eliminada!

 

Continua...


Notas Finais


Finalmente os digiescolhidos adentram o Digimundo
Qual o plano dos Grandes Guardiões para enfrentar essa ameaça sem precedentes?!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...