História O Haras da Minha Vida - Capítulo 20


Escrita por: ~ e ~geofilhadeatena

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Nico di Angelo, Percy Jackson, Thalia Grace
Tags Percabeth, Thalico
Exibições 212
Palavras 4.238
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi amores, voltamos😆😆😆
Eu sei que demoramos mas a culpa é minha, como sempre, mas para compensar o capítulo está com fermento na formula e ficou bem grandinho para vocês.
A Geo e eu esperamos que gostem e queríamos agradecer a vocês pelos 150 favoritos que a fic tem, serio mesmo MUITO OBRIGADO.😆😆😆
E muito gratificante ver que tantas pessoas gostam do que você faz e nada no mundo paga isso. AMOS VOCÊS😍😍😍😍❤❤❤💓💓💓💖💖💖💕💕💕
Agora vamos ao capítulo.
Boa Leitura😉

Capítulo 20 - Capítulo 20


Capítulo 20

Pov. Bianca

 Ele me ama! Ele me ama! Ele me ama! Ele me ama! Ele me ama! Ele me ama!

Ainda não acredito nisso, fui para casa toda boba lembrando-me da nossa noite e de suas palavras. Cheguei em casa radiante e fui tomar banho correndo, porque mesmo que eu tenha tido uma noite mágica, com o cara que eu amo e escutar suas declarações perfeitas, ainda tinha que ir para a faculdade, se eu quisesse me formar em veterinária. Tomei um banho quente rápido, pois estava quase na hora da aula, sai do banheiro enrolada na toalha, corri para o closet para me trocar, coloquei uma roupa um pouco quente, pois o clima estava meio frio e com cara de chuva, coloquei uma calça jeans preta, uma blusa de mangas compridas cinza com um bolso preto, peguei um gorro vermelho, calcei meus vans cinza e me maquiei só com um lápis de olho, rímel, uma sobra preta bem fraca, passei um batom vermelho escuro e pronto! Peguei minha mochila que por sorte, já tinha arrumado ontem antes de ir para a balada.

Chamei um táxi enquanto engolia um pão e tomava em um gole um soco de laranja, assim que chegou voei para ele e pedi que me levasse para a faculdade. Paguei o taxista e corri para dentro do enorme prédio, que estava cheio de alunos, fui para o meu armário, peguei os livros para as próximas aulas antes do intervalo, e parti para a sala da minha primeira aula do dia. Cheguei na sala e vejo que todos os alunos e mais alguns de outras salas estavam ao redor do quadro e alguns professores, todos olhando para o quadro, mas quando notaram que eu tinha chegado todos voltaram sua atenção para mim, me deixando sem graça e ainda mais confusa ainda, mas que raios está acontecendo?

Como se lessem minha mente todos começaram a abrir caminho, saindo da frente do quadro, e quando todos saíram eu vi o que eles tanto olhavam. “Bianca Di Angelo, você aceita namorar com um cara bobo por não ter feito isso antes, mas que acima de tudo te ama muito?”. Não precisa de assinatura para mim saber quem seria esse cara, sua letra perfeita de um médico o entregava. Um latido de cachorro faz com todos, inclusive eu, olharmos para a porta onde Luke vem em minha direção, com um lindo filhote de Chow Chow marrom e todo tosado em seu colo.

-E então? –pergunta sorrindo quando chega perto de mim e as pessoas formam uma roda ao nosso redor.

-Mais é claro que aceito! –digo sorrindo de pura felicidade, enquanto algumas lágrimas saiam dos meus olhos de tanta alegria.

Ele sorri mais ainda, me entrega o filhote que vem para o colo todo alegre, e quando ele balança a cabeça peluda vejo algo brilhando em seu pescoço, tiro os pelos ralos do caminho e encontro a sua coleira que... Meu Deus! A coleira estava com uma aliança de ouro com alguns diamantes a sua volta. Olho para Luke sentindo mais lágrimas molharem o meu rosto, ele me olha sorrindo mais ainda, tira a aliança da coleira, coloca na minha mão e a beija, em seguida me puxa pela cintura para um beijo de verdade. Puxo sua cabeça para mim com a minha mão livre, tentando mantê-lo o máximo possível junto a mim enquanto o beijo, sua língua doce suga a minha com uma fome voraz, de longe escuto palmas e assovios. Mas como tudo que é bom dura pouco, logo os professores nos separam.

-Está bom Srta. Di Angelo e Sr. Castellan, fico feliz por vocês, mas agora deem um jeito nesse cachorro e voltem para sala que a aula já vai começar. Vamos! –diz o meu professor.

Damos uma pequena risada, em seguida dou um beijo rápido no meu namorado, como é bom falar isso! Logo ele sai, todos vamos para os nossos lugares e começamos a nossa aula. As aulas passaram voando, o que eu dei mais que graças a Deus, pois estava louca para ver Luke, coisa que eu não consegui fazer no recreio, pois fiquei sabendo por um amigo dele de outro curso, que ele e a sua turma tinha saído com o professor, para um hospital para uma aula prática, e que ficaria o dia todo lá. Como as aulas já acabaram e está quase na hora do almoço, eu posso roubar ele um pouco para mim.

-Henrique, espera! –grito para Henrique, o amigo de Luke que me avisou sobre a sua saída.

-Oi! –pergunta parando na porta do carro.

-Poderia me dar o endereço do hospital onde Luke foi? –pergunto batendo os cílios para ele, que ri da minha infantilidade, já que entrelacei os dedos e fiquei girando o troco.

-Claro, anota ai. –diz ele e fala o endereço, anoto no meu celular e me despeço dele.

Coloco o endereço no GPS do carro e vou seguindo suas instruções, até parar em um enorme Hospital, com mais de dez andares. Saio do carro meio encabulada com o tamanho do luxo do hospital, entro no mesmo e saio à procura do meu médico gato de olhos azuis. Não consigo achar Luke, e olha que eu rodei isso aqui! Então vou à recepção e pergunto sobre um tour de estudantes, logo a recepcionista me avisa que eles estão na ala de câncer infantil, no décimo andar, agradeço e pego o elevador para lá.

-Bom turma por agora é só! Depois do almoço retornaremos a aula. Dispensados. –diz o professor em frente à turma. Logo todos vêm na minha direção, já estou na frente do elevador. Saio do meio deles e começo a procurar por Luke, mas não o vejo, e quando todos já tinham ido embora escuto sua risada, junto com mais outras, só que infantis.

-Como ela é tio Luke? –escuto uma vozinha de criança, e logo abro a porta que está perto do elevador. Assim que abro vejo Luke de costas para a porta, cheio de crianças sem os cabelos ao seu redor, bastante interessadas no que ele diz. Elas devem ser as crianças que estão no tratamento contra o câncer, encosto-me ao batente da porta e preto atenção no que ele vai dizer.

-Ela é como uma princesa! Têm cabelos longos pretos, os olhos são da mesma cor que os cabelos, possuem um brilho lindo, que a deixa ainda mais bonita, e mais baixa que eu, uns dez centímetros e sua pele é branca. –diz Luke com a voz sonhadora, mas é interrompido pela menina que está em seu colo.

-Como a dá Branca de Neve?-pergunta empolgada.

-Exatamente Lucia, como a Branca de Neve! Só que Bianca é mais linda ainda. –diz ele batendo o dedo no seu nariz que sorri. Sorrio também com essa cena linda, toda corada pelo elogio.

-Como a tia ali, tio Luke? –pergunta um menino de olhos azuis apontando em minha direção, parecia ter uns sete anos. Fico sem graça, todos olham! Assim que Luke me vê coloca Lucia no chão e se levanta vindo á mim.

-Oi amor. –diz e me dá um rápido beijo. Não precisa nem dizer que eu quase desmaiei quando eu ouvi isso, né?

-Oi. –digo baixinho para ele, escondo meu rosto em seu peito, que está coberto por uma camisa cinza e o seu jaleco, que ele ama e tem um zelo, desde que o ganhou de mim. Sim, fui eu que dei para ele. Foi maravilhoso ver seus olhos brilhantes e com um belo sorriso estampado em seu rosto. Aspiro seu perfume, um pouco forte, misturado com o cheiro de hospital e o abraço pela cintura.

-Também estava com saudades. –diz ele e me aperta em seus braços. Sorrio e me aconchego mais, só sai da nossa pequena bolha quando sinto uma mãozinha batendo na minha coxa.

-Oi lindo! –me abaixo para ficar na altura de um menininho lindo, de olhos azuis parecidos com os de Luke, cabelos negros que estão quase nulos em sua cabeça e com a pele levemente bronzeada. Parecia ter uns três anos.

-Oce vei pa fica com a gente? –pergunta fazendo um bico lindo. Ai que coisa mais fofa!

-Sinto muito lindinho, mas eu vim aqui para almoçar com esse moço bonito aqui. –digo apontando para Luke, que sorri para nós.

-Crianças os pais de vocês chegaram para o almoço! –diz a enfermeira para as crianças, logo todas começam a gritar animadas e formar uma fila para saírem do quarto, o menininho que estava na minha frente abaixa a cabeça e vai se deitar em sua cama. Isso parte o meu coração. Cadê os pais deles?

-Ele é órfão amor! Christopher está aqui desde o ano passado, graças a senhora bondosa que era a diretora do orfanato onde ele viva, ela percebeu que ele estava diferente das outras crianças, ficou preocupada e trouxe para cá, onde constatamos sua doença. Desde o ano passado espera por alguém compatível com ele para curar a leucemia, mas até agora nada. –diz Luke me puxando para o seu peito, mas eu não consigo parar de olhar para Christopher.

-Ele almoça sozinho? –pergunto baixinho.

-Toma café, almoça, lancha e janta com a enfermeira que vem lhe entregar, ela fica fazendo companhia para ele. –diz no meu ouvido.

-Podemos levar ele para almoçar com a gente? –pergunto erguendo o meu rosto para olhar em seus olhos.

-Eu tenho que conversar com o médico responsável pelo seu caso e pedir autorização primeiro. –diz colocando uma mexa do meu cabelo, atrás da minha orelha.

-Obrigado amor, vou ficar com ele enquanto você vai lá. –digo animada e encho seu rosto de beijos e por último dou um rápido beijo em seus lábios.

-Se eu soubesse que iria ficar animada assim teria te trazido antes. –diz e me dá um selinho, para depois sair.

-Oi Christopher, né?-pergunto me sentando ao seu lado. Ele me olha tristinho e balança a cabeça. –Você gostaria de almoçar com a tia e o tio? –pergunto para ele que arregala os olhos e se senta rapidamente na cama.

-Selio que eu posso?-pergunta abrindo um sorriso lindo.

-Bom, o tio Luke foi pedir autorização para você sair com a gente, mas eu sei que ele vai conseguir. –digo sorrindo e fazendo cosquinha em sua barriga, ele se contorce todo rindo.

-Eu vou adola tia, obligado. –diz ele quando eu paro com as cocegas. O abraço com um carinho imenso.

-Oh meu querido, pode deixar que sempre que eu tiver um tempinho sobrando eu venho visitar você. –digo fazendo carinho em sua cabeça com pouquíssimos fios de cabelos.

-E o tio Luke? –pergunta erguendo a cabeça.

-Eu o que pequeno? –pergunta Luke vindo se sentar ao meu lado.

-Oxê vem me ver com a tia? –pergunta se remexendo no meu colo e pula para o de Luke, que tirou o jaleco e colocou uma jaqueta de couro.

-Claro que venho, só que o senhor vai me ver mais, por causa do meu trabalho e também por que ainda estou estudando. –diz ele e logo se levanta com Christopher no colo que ri, e se agarra ao pescoço do loiro. –Agora vamos arrumar você para sair. –diz para ele que se afasta dele.

-Maisi não tenho roupla pa sair. –diz ele com a cabeça baixa.

-Então vamos comprar um monte de roupas para você, adoro compras! –digo animada fazendo-o sorrir.

-Isso mesmo, pega minhas coisas amor, enquanto eu visto algo nele! –diz Luke se virando para mim.

-Claro. –digo sorrindo e dou um selinho nele escutando um “eca” de Christopher, e beijo sua bochecha vendo ele ficar vermelho e me afasto.

-Tira os olhos que ela é minha espertinho. –escuto Luke brincar com Christopher.

Pego as coisas de Luke e depois de esperar os dois vejo eles saírem do banheiro, Christopher vestindo uma calça moletom preta bem gasta, quase rasgada, uma blusa branca bem manchada e a jaqueta de Luke, que ficou enorme nele, seus sapatos eram bem velhinhos também. Ver isso esmagou meu coração, e me fez ter uma vontade louca de cuidar dele, enchê-lo de amor e carinho. Me abaixo, logo ele vem correndo com seus pequenos passos e me agarra pelo pescoço, o pego no colo e vou na frente, deixando Luke para traz pegando nossas coisas.

 

Pov. Luke

 

            Bianca era realmente incrível. Ela era tão atenciosa com Christopher que penso em como ela será uma ótima mãe, porque sim! Eu planejo casar com essa mulher e ter filhos com ela.

            - E então, gostaram do almoço?

            - Estava maravilhoso amor! Tenho certeza que o Christopher amou porque ele comeu tudinho.

            Christopher sorriu, parecia tão feliz que eu me senti um herói por tê-lo levado para almoçar. Ele era tão pequeno, um bebê, e passava a maior parte da vida num hospital. Aquilo era doloroso de ver. Bianca se dava tão bem com ele e parecia muito feliz. Ela sorria tanto e o abraçava com bastante cuidado e carinho.

            - Bem, temos que ir agora. Estava tudo ótimo, mas esse garotinho lindo precisa descansar e ser medicado. Ta na hora do soninho da tarde Christopher.

            Ele sorriu e se aconchegou nos braços de Bianca, que se encarregou de deitá-lo na sua cama.

            - Amor o que esse garotinho tem? Ele é tão pequeno e indefeso, meu coração fica partido por vê-lo aqui, nesse hospital, sozinho... Eu sei que você cuida dele, mas... Nossa, que triste deixá-lo aqui. Sem ter um lar para onde voltar.

            - Meu amor, não se culpe ou martirize por isso, eu sei tanto quanto você o quanto é difícil deixá-lo aqui, mas é preciso. Ele tá doente, precisa de acompanhamento médico. Eu cuido dele assim como das outras crianças que chegam e saem. Não vou deixá-lo sozinho, ok? Prometo que vou me dedicar mais a ele.

            - Posso vê-lo na semana?

            - Claro, sempre que você quiser, desde que você venha por mim também...

            - Ah seu bobo! Eu te amo, é claro que venho por você. Mas confesso que aquele baixinho conquistou meu coração. - Bianca sorriu e ela tinha um brilho nos olhos tão doce, que me coração quase derreteu.

            - Linda eu tenho que ir, preciso visitar outros pacientes e ainda vou acompanhar uma cirurgia hoje.

            - Nossa! Eu também já vou indo, passei só para ver você. Tenho que trabalhar, depois vou passar no shopping e comparar umas roupinhas pro Christopher. Te espero a noite...

            - Já estou ansioso. - Digo e puxo-a para os meus braços e a beijo carinhosamente.

            - Vou preparar uma comida só pra nós dois, nada de badalação hoje.

            - Adorei a ideia, hoje eu só quero descansar com você e te amar um pouco.

            - Te amo lindo!

            - Também amo você minha vida!

 

Pov. Bianca

 

            Finalmente o expediente acabou, eu estava livre para ir e vir! Eu amo trabalhar, mas confesso que estava ansiosa para comprar as roupinhas para o Christopher, sem falar que tenho um jantar para preparar. Vou caprichar na comida e no filminho depois.

            O shopping estava lotado como sempre, mas não perdi tempo fui direto nas lojas infantis. Era cada peça linda, eu queria levar todas, mas me controlei. Comprei dois casacos, dois pares de meias, cinco cuecas, cinco camisas, duas bermudas e duas calças, além de outro tênis. Sai da loja satisfeita, com a certeza que Christopher amaria as roupas. Aproveitei e comprei um brinquedo também, afinal, ele era um bebê.

            Quase na saída do shopping lembrei do jantar e claro, comprei um lingerie nova. Eu nem sei se Luke vai dormir comigo, mas pretendo está preparada.

Já era noite, eu já tinha limpado o apartamento inteiro e o jantar estava no forno, resolvi fazer uma macarronada grelhada, que estava cheirando muito, por sinal. Aproveitei o tempo livre, tomei um banho refrescante e necessário depois de suar litros na faxina. Cuidei dos meus cabelos e fiz minha higiene de costume.

Voltei para cozinha, preparei uma bebida para durante e depois do jantar. A noite chegou, e antes que eu terminasse de por a mesa meu celular tocou, corri para atendê-lo. Era Luke.

- Bi, o Christopher teve uma piora, ele precisa de uma cirurgia agora e não temos doadores. Talvez eu não chegue a tempo para o jantar, estou ligando para todos os hospitais da regiam para encontrar um doador o mais rápido possível, ele tá aparentemente bem, mas o organismo está fraco e o sistema imunológico não responde.

- Eu quero ajudar!

- Bi, ele... Ele pode morrer.

- Não! Amor eu posso doar!

- Nem sabemos se você é compatível, não há lógica nisso. Várias pessoas já doaram e nenhum deu certo com ele.

- Mas eu quero tentar, preciso tentar salvá-lo.

- Você está disposta a enfrentar um hospital?

- Se você estiver comigo, eu enfrento qualquer coisa.

- Eu mesmo cuidarei de você, pessoalmente.

- Em vinte minutos chego aí. Levarei nossa comida, você precisa se alimentar bem.

Dirigi um pouco rápido demais, mas não dava pra controlar. Christopher era de uma ternura encantadora, eu precisava tentar. Ele não podia morrer. Não sei o que me deu, mas me senti totalmente ligada a ele desde que o conheci, nunca senti dando desejo materno assim, mas ele despertou algo novo em mim.

Nada me impediria de cuidar do Christopher.

Cheguei ao hospital bastante nervosa e apreensiva.

- Que bom que você chegou, já estava preocupado! – Luke me encontrou no saguão.

- Onde está o Christopher? Ele pode jantar conosco?

- Está dormindo. Não, a dieta dele não pode ser alterada tão radicalmente, e se você for compatível ele não pode se alimentar antes da cirurgia. Você está preparada? Tem certeza disso? Olha Bi, eu sei que você é um amor, mas não precisa se sentir culpada por Christopher, nós encontraremos outro doador...

- Não Luke, eu estou fazendo isso por ele, e somente por ele. Ele me conquistou de algum jeito novo e eu quero ajudá-lo!

- Você é incrível. Te amo! Vamos jantar e depois você fará o teste.

Pov. Percy

Depois de ficar mais um pouco com Annabeth no bosque, tive que voltar para o Haras com ela, que tinha que voltar para o trabalho, e eu tinha que dar continuidade ao treinamento com BlackJack. Annie se despediu da minha família e foi para o escritório, mas não antes de me dar mais um beijo.

-Percy, Percy! -chama Tyson correndo até mim no estacionamento, onde eu ainda acompanhava com o olhar o carro da minha namorada.

-Fala campeão? -digo me virando para ele, assim que não vejo mais o carro de Annie.

-Eu posso montar em um cavalo? Daí eu posso treinar com você e... -diz ele todo empolgado para mim. Riu e pego ele colocando em minhas costas, ele me segura pelo pescoço, enquanto eu o seguro pelas pernas.

-Prometo, que assim que o campeonato acabar eu vou treinar um cavalo para você poder competir, mas por enquanto, eu vou ser seu cavalinho! -digo para ele e aperto mais um pouco suas pernas, e começo a correr pelo estacionamento.

Corro com ele nas minhas costas, escutando sua risada infantil adorável. Sorrio ainda mais. Não tem som mais bonito que isso! Corri com ele pelo vestiário, passei pelo restaurante, piscina e por fim a pista de corrida. Coloco-o sentando na cerca e coloco minha cabeça em suas pernas, e fico assim até recuperar um pouco do folego.

Eu ainda tenho um longo caminho para voltar a ficar em forma.

-Percy? –chama Tyson puxando meus cabelos devagar. Levanto minha cabeça e passo meus braços ao seu redor para impedir que ele caia.

-Diga.

-Como você soube que amava a tia Annie? E que ela era a pessoa certa pra você?–pergunta me deixando surpreso com sua pergunta. Me ajeito no meio de suas pernas e olho por cima de seu ombro, reparo que é o mesmo lugar onde eu estava quando vi Annie em cima do cavalo.

-Antes de te responder, por que quer saber sobre isso Ty? –pergunto curioso. Ele nunca tocou nesses assuntos ainda mais comigo, sempre que eu beijava a Annie na frente dele, ele fechava a cara e soltava um “eca” e saia para outro cômodo da casa. Olho para ele e vejo seu rosto ganha um tom mais avermelhado, abaixa a cabeça quando o encarro. Humm ai tem!

-Por nada, só quero saber. –diz baixinho e começa a brincar com o meu colar que Annie me deu. Sorrio ao me lembrar dela e de como já estou com saudades.

-Simplesmente, o meu coração soube que ela é a mulher da vida, desde a primeira vez em que pus meus olhos nela, mas como eu era um grande idiota e babaca não me dei conta. Desde o princípio ela fez tudo o que eu não pensava que faria, sempre foi um mistério, seu próximo passo ou reação a alguma coisa e isso acabou me encantando. Annie a partir da nossa primeira conversa foi dura comigo, não me dava brecha para nada, sempre jogava na minha cara o filhinho de papai que eu era. Mais por de traz desse mistério, da dureza e da barreira que ela tinha, eu vi a mulher delicada, carinhosa, gentil e isso foi o inicio para a minha lerdeza perceber que eu estava mais que apaixonado por ela. Depois de muito lutar eu consegui uma chance com ela e foi a melhor coisa que me aconteceu!–digo sonhador para ele.

-Acho que ela foi a melhor coisa que aconteceu para a nossa família também! –diz ele baixinho. Passo a mão em seu cabelo.

-E foi. Apesar de tudo o que aconteceu com ela no passado Annie é uma pessoa incrível. Com o tempo em que estamos juntos, vejo que não pude escolher melhor, ela me faz bem, me faz feliz e me faz sorrir mesmo estando triste ou irritado com alguma coisa. Quando estou com ela ou quando nos falamos por telefone, sinto uma paz tremenda, ela me faz me sentir o melhor dos homens, e é por isso que eu me esforço para poder ser esse homem para ela, assim como ela é a melhor das mulheres para mim! –digo para ele que tinha soltando o meu colar e me olhava atentamente.

-E a mamãe? –pergunta tombando a cabeça de lado. Dou uma pequena risada.

-A mamãe é a mulher de nossas vidas Ty, nada vai mudar isso, mas são dois amores que não tem como comparar. -digo para ele que assente.

-Entendi, eu gosto da tia Annie. Ela é muito boa para mim! -diz.

-Todos nós gostamos dela querido, mas agora vamos deixar o seu irmão treinar? Quando ele acabar você fica mais com ele! -diz minha mãe aparecendo do meu lado com meu pai atrás.

-Tudo bem. -diz ele tristonho.

-Pode treinar a vontade filho, e se eu ver que você está trabalhando vai se ver comigo, entendeu? –repreende-me meu pai, depois que minha mãe saiu com Tyson nos braços. Solto uma risada.

-Tudo bem pai. Obrigado por tudo que fez por mim, principalmente as broncas que me ajudaram muito, para mim me tornar o que sou hoje. Eu te amo muito, apesar de não dizer, você é o meu herói, é o exemplo de homem e pai que quero ser! -digo e o puxo para um abraço de homem, dando uns tapas em suas costas. Quando nos afastamos, vejo seus olhos vermelhos e lacrimejados.

-Ahh Percy, não sabe o quanto é bom ver o homem trabalhador e responsável que você se tornou. Não sabe o tamanho do orgulho que estou sentindo de você, filho. Confesso que peguei um pouco pesado com você, mas foi para o seu próprio bem, não sabia mais o que fazer. Não é fácil para um pai ver seu filho desperdiçando a vida, quando você for mais velho vai me entender, fico feliz que tudo o que aconteceu tenha o tornado o homem que tenho orgulho de chamar filho, e que amo muito! -diz e da uns tapas no meu rosto e sai em direção ao escritório, quando um funcionário o chama.

-Prometo que não vou desapontar o senhor pai, e nem ninguém que amo! -prometo baixinho.

Olho para a pista e depois vou para os estábulos pegar BlackJack. Entro em sua baia e coloco a sela nele, monto e saio com ele para a pista. Passo a tarde toda treinado os obstáculos e depois os comprimentos, para mostrar a inteligência e o comportamento do meu cavalo para os jurados.

Depois do treinamento tomo um banho no Haras mesmo, coloco uma roupa que sempre deixo no armário e vou para casa de Thalia. Quando chego ao prédio, subo para o andar da ap do casal Di Angelo e bato na porta, quem me atende é Nico. Ele apenas me aponta para entrar, com uma cara de sono, olho para o relógio do meu celular e vejo que já é quase meia noite. Murmuro um desculpa e um boa noite, e parto para o quarto da minha namorada.

Entro e a vejo já em sua cama dormindo feito um anjo, que ela é, tiro meus sapatos, meias, calça e camisa e me deito por de trás dela, a abraçando apertado.

-Boa noite Percy! –diz com voz de sono. Sorrio e dou um beijo em seu pescoço sentindo ela se aconchegar mais em mim.

-Boa noite Annie. –digo e ajeito minha cabeça em seu pescoço e logo adormeço.


Notas Finais


Bianca: http://www.polyvore.com/haras_da_minha_vida_cap/set?id=204054394
Chow Chow: http://ak2.polyvoreimg.com/cgi/img-thing/size/l/tid/178794628.jpg

Bom gente por hoje é só e mil desculpas pelo atraso. Vamos tentar postar mais rápido o próximo mas nada garantido.
No próximo capítulo vai ser o desfecho e a enceração do especial de Luanca e vamos dar inicio ao de Thalico e vamos ter também um pouco do Percy e da Annie.

Gente antes de ir eu TENHO que recomendar essas fic's para vocês. São top.
A primeira e dos vingadores e quem escreve ela e~Blackhood- (Lipe). E eu estou amando mesmo ele demorando para postar as vezes.
https://spiritfanfics.com/historia/passado-tocado-6528261
Essa e da ~Milla_Lima (Milla) e não tenho nem o que dizer dessa fic por que é maravilhosa, e original. Serio vocês tem que ler. Quase sempre tem capítulo novo nela.
https://spiritfanfics.com/historia/nunca-diga-adeus-6349400
E essa ultima e sobre 50 tons e esta no começo, ela escrita por mim, pela Milla e Karol.
https://spiritfanfics.com/historia/sorte-ou-maldicao-6685646

Já sabem o que fazer:
Comentem o que acharam! 😀
Favoritem se gostaram!! 😃
Recomendem se amaram!!! 😍
Beijocas e fui😘😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...