História O herói de cabelo vermelho (Romance Gay) - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Gay, Lemon, Policial, Romance Gay, Sexo Gay, Yaoi
Visualizações 96
Palavras 1.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Policial, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Trilha do capítulo:
I Wanna Be Yours - Arctic Monkeys

Capítulo 31 - Vermelho Sangue - Capítulo II


Fanfic / Fanfiction O herói de cabelo vermelho (Romance Gay) - Capítulo 31 - Vermelho Sangue - Capítulo II

Capítulo II - O livro dos desejos

Noite após noite me amaldiçoando. Noite após noite agonizando de olhos abertos. Assustado. Confuso. Sozinho... Eu estava surtando, Henri. Eu estava enlouquecendo, pirando, perdendo toda a sanidade dentro de mim, e todos os outros sinônimos possíveis. Por quê? Porque  eu não resistia ao teu cheiro. Não resistia ao teu sorriso. Ao teu corpo. Tua voz. Henri, tu era para mim um poço de perfeição. O verdadeiro Narciso. Não havia em ti um traço que eu não amasse. Era tão cedo para saber, mas eu já sabia. Já sabia que estava apaixonado por ti. Porém não te tinha, e noite após noite eu seguia te desejando. Te imaginando em meus pensamentos, das formas mais variadas e irreais possíveis. Lá estávamos nós dois correndo em volta do lago, em uma noite estrelada e cheia de vida, e então você me abraçava pelas costas, e ambos caímos na areia gelada. Sorriamos um para o outro, e pouco a pouco nossos lábios se aproximavam enquanto eu via o brilho das estrelas refletir em teus lindos olhos. Eu sei, eu era um garoto cheio de imaginação. Cheio de fantasias irrealizáveis. Mas o que mais eu poderia fazer? O que mais eu poderia fazer além de sonhar? 

Foi quando eu comecei a prestar atenção em teus atos. Dá forma como penteava o cabelo até o movimento que fazia para levar uma colher até a boca. Era poesia pura. Poesia exalando de seus poros. Foi quando decidi que se guardasse tudo aquilo apenas em meus pensamentos eu explodiria. E então pensei em algo, escrever. Era isso, escrever os mais profundos desejos que eu tinha por ti. Guardar tudo em um livro do qual ninguém jamais viraria uma página. Seria nosso pequeno segredo. Tudo bem se eu chamar de nosso? Mesmo você nunca tendo sequer imaginado o que meus dedos cheios de desejo escreviam? Chamarei de nosso e pronto. Afinal, como já disse, tudo que é meu poderia ser também teu. 

E lá fui eu. A primeira página foi a mais difícil. Escrevi ali o que senti naquela tarde no lago. Todo a descarga que tu fez passar por meu corpo enquanto me salvava da morte. Quando terminei, um sentimento estranho de realização tomou conta de mim. Escreve aquilo era como contar para alguém o que eu estava sentindo. Era como ter um amigo que não me julgasse, não me repreendesse, apenas me escutasse e entendesse. E então a cada dia eu escrevia sempre mais e mais. Escrevi o quanto amava teus olhos, o quanto admirava teu rosto. E aos poucos páginas e mais páginas estavam completas. Cada vez eu me sentia mais seguro de que não havia mal algum naquilo, Henri. Te amar não era um pecado, e mesmo que o mundo todo gritasse isso eu não iria ouví-los. 

Mas nem só de amor vive um adolescente. Eu também tinha desejos carnais. Comecei a ir além, Henri. Comecei a pensar em coisas menos bonitas e poéticas, e escrever coisas das quais nem eu mesmo acreditava pensar. E logo eu discorria sobre como queria poder deslizar minha mão por dentro da tua cueca vermelha que tanto me atiçava. O quanto eu queria sentir o teu membro pulsando em minhas mãos enquanto eu te masturbava suavemente. Ou o quanto eu queria depositar meus lábios ali, naquele lindo mastro que tu tinha entre as pernas, e só para de mamá-lo após sentir teu delicioso leite escorrer por minha garganta. Sim, Henri, tu despertava as mais diversas sensações dentro de mim. Perdi as contas de quantas vezes me toquei pensando em ti, e não só na frente como também nas vezes que escorreguei meus dedos por dentro de mim imaginando ser você quem me penetrasse cheio de desejo nos olhos. Aquelas páginas estavam cada vez mais obscuras, cada vez mais prazerosas. Lia e relia, com meus olhos cintilando de orgulho, e ao mesmo tempo com uma incoerente vontade de chorar por saber que não havia verdade alguma ali.

Mas eu podia mudar isso. E fiz! Faz ideia de quantas cuecas suas estiveram me minhas mãos? Quantas vezes eu senti o teu maravilhoso cheiro de homem adentrar minhas narinas? Ou então das vezes que eu te vi tomar banho pela escotilha fora do banheiro. Era um desejo maior do que eu. Era uma atração massacrante que me desligava do mundo, me trazendo de volta apenas após eu ver meu sêmen escorrendo por minhas mãos e entender o que havia feito. 

Mas um dia eu fui ainda mais além... Um dia eu fiz algo a qual eu esperava morrer sem de fato conseguir. Era ano novo, Henri. Tu havia chegado da festa de réveillon após as duas da madrugada. Lembro de ter que te ajudar à chegar até o quarto. Teu amigos me pediram pra fazer isso. Cada parte de ti exalava o mais forte cheiro de álcool. Coloquei-te sobre a cama. Tu dormiu quase que instantaneamente. E lá estava eu, te vendo dormir feito um anjo. Certamente o anjo mais lindo e sexy de todo o céu. Fiz menção a sair do quarto, mas minhas pernas mão queriam, definitivamente não queriam que eu saísse dali. Então virei-me novamente em tua direção. Tu estava de fato em outro mundo. Parecia que nem se a casa estivesse em chamas tu acordaria. Bem, a casa não estava em chamas, mas eu estava. Eu estava enlouquecidamente quente e cheio de tesão. 

Aproximei-me calmamente de ti. Meus olhos encheram-se de imediato. Eu não acreditava que realmente te tinha ali, só para mim. 

Minhas mãos então foram até teu corpo quente do qual eu sentia o odor de álcool e suor me inebriarem. E logo elas estavam lá, entrando com cautela dentro da tua apertada cueca. Apertada porque não suportava o que tu guardava ali dentro. 

Enquanto lentamente minha mão ia encostando em teu mastro, meus olhos seguiam atentos aos teus com medo de que eles se abrissem de repente. Mas no fundo havia um desejo, um incontrolável desejo de que você me visse fazendo aquilo e então percebesse que também me amava. Me jogasse sobre sua cama de quatro e me fodesse com todo a força que houvesse dentro de si. Mas não, isso não aconteceu. Ainda assim lá estavam meus dedos tocando a tua glande molhada e pegajosa, e pouco a pouco te estimulando a crescer. 

E então subi sobre ti. Não cheguei a ter coragem de te adentrar dentro de mim, mas não negarei que dei boas reboladas sobre aquele maravilhoso membro. Contudo havia algo que eu queria ainda mais do que qualquer outra coisa. Um desejo inocente, talvez nem tanto, mas ainda assim era. Teus lábios. Eu te beijei, Henri. Beijei com vontade, com gosto. Tua língua era tão saborosa, e ao mesmo tempo tão vermelha. Tudo em ti era... tanto gostoso quanto vermelho. Ao largar teus lábios eu te chupei, agora lá em baixo. Com tanta vontade e ao mesmo tempo com tanto carinho. Depositando leves beijos sobre aquele pênis que eu queria somente e eternamente para mim. 

Após toda a loucura eu fui até meu quarto. Meus dedos nunca foram tão afoitos para escrever algo antes. Aquela seria a página mais importante de todas. A página de minha vida. A noite em que eu ejaculei contigo, Henri. E não somente em pensamentos. Era real, era verdadeiro, era amor, mas, no fundo no fundo, era vermelho... vermelho sangue. 

•••

Segredos que eu tenho em meu coração
São mais difíceis de esconder do que eu pensava
Talvez eu só queira ser seu
Eu quero ser seu
Eu quero ser seu
Eu quero ser seu
Eu quero ser seu
Eu quero ser seu

I Wanna Be Yours - Arctic Monkeys






Notas Finais


Segundo capítulo dessa nossa nova aventura. Cada vez iremos adentrar mais na cabeça de Lucius, até chegarmos ao inevitável fim.
Espero que estejam gostando. Beijos e abraços, nos vemos nos comentários.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...